Esgotamento é maior no final do ano com pressão e metas*

Ansiedade e cobrança podem trazer impactos para a saúde física e emocional dos profissionais

Uma vez que o esgotamento emocional pode nos impedir de avançar, é importante saber como identificá-lo e procurar atividades que nos ajudem a relativizar e neutralizar as emoções negativas.

Nós falamos, é claro, de todos os universos emocionais que contêm o estresse, as preocupações do dia a dia, as tensões que outros nos infligem, os medos, o peso do passado, o medo do futuro, e até mesmo a angústia existencial. Todos nós temos muito claro o que é o esgotamento físico; nós sabemos como identificar os sintomas e atender adequadamente a esse estado em que nosso corpo não pode dar mais de si mesmo e requer um descanso.

No entanto, por mais curioso que possa parecer, o esgotamento emocional não é tão fácil de identificar. Além disso, não sabemos como oferecer uma resposta efetiva, uma estratégia de coesão psicológica útil e eficaz. O que fazemos muitas vezes é “engolir” uma emoção após a outra. Nós as colocamos uma por uma em nossa bagagem pessoal sem estarmos ciente de seu peso e de como elas afetam nosso bem-estar e qualidade de vida.

Todos os dias nos movemos mais devagar, com menos entusiasmo, com a motivação e os sonhos no chão. Hoje propomos que você tome consciência desse tipo de fadiga. Identificá-la e gerenciá-la adequadamente pode mudar sua vida.

O que é o esgotamento emocional?

O esgotamento emocional vai além do estresse ou da simples ansiedade. Ocorre especialmente em pessoas que, devido ao seu trabalho ou situação pessoal, vivem experiências carregadas com um alto nível emocional. Por exemplo, as responsabilidades de profissões como médicos, enfermeiros, bombeiros, professores etc., muitas vezes causam a acumulação de emoções muito intensas que não têm tempo de gerir no seu dia a dia.

Além disso, fatos como ter que cuidar de pessoas doentes ou dependentes, bem como viver em um ambiente familiar muito exigente, também geram um alto esgotamento emocional. Por outro lado, situações como uma perda, uma decepção, ou um evento traumático no passado também causam um desgaste progressivo que pode deixar uma profunda marca em nossa mente.

Fim de ano é época de festas, mas também é neste período que as pessoas costumam ficar mais estressadas. Já vivemos em um mundo altamente competitivo e com enorme quantidade de tarefas que precisam ser executadas diariamente, mas, em dezembro, para poder encerrar tudo o que deveria ter sido concluído durante o ano, o trabalho e a pressão aumentam ainda mais. Esta mistura de ansiedade e cobrança pode trazer impactos para a saúde física e emocional dos profissionais. E o resultado pode ser pessoas extremamente cansadas ou até mesmo com problemas mais sérios, como a Síndrome de Burnout, a doença do esgotamento profissional.

A Síndrome de Burnout é um processo que se inicia com a tensão no trabalho, podendo levar o profissional a uma condição crônica de estresse e ao esgotamento físico e mental, que, se não for diagnosticada corretamente, pode ser confundido com doenças como a depressão. No entanto, para o médico, a síndrome diferencia-se da depressão, por estar diretamente atrelada ao trabalho e não a outras questões da vida do profissional.

mulher ansiedade depressao medo pixabay

Acontece quando já foi exigido tudo o que o corpo e a mente poderiam suportar. Ela afeta principalmente os profissionais que são submetidos diariamente a momentos de muita tensão, como médicos, bombeiros, policiais, trabalhadores da área da educação, saúde, recursos humanos. Também têm maior propensão a desenvolver a síndrome quem tem baixa autoestima ou dificuldade nos relacionamentos interpessoais.

Entre os sintomas mais frequentes da síndrome, estão a ansiedade, tristeza, indiferença, agressividade, isolamento, mudanças de humor, dificuldade de concentração, problemas de memória, baixa autoestima, distanciamento afetivo e desinteresse pelo trabalho. Sob o aspecto físico, dores de cabeça, problemas gastrointestinais, palpitação, aumento na pressão arterial, insônia e no caso das mulheres, com alterações no ciclo menstrual. O quadro pode ficar tão sério que alguns pacientes com Burnout passam a utilizar álcool e drogas para aliviar as dores e as tensões, o que os leva a dependência e até a tentativas de suicídio.

Para reverter este quadro, a orientação é que o paciente busque ajuda com um médico psiquiatra, que fará o diagnóstico e poderá receitar medicamentos, além de, se necessário, encaminhá-lo para a terapia com um psicólogo. O tratamento com os especialistas ainda deverá contar com a força de vontade e inciativa do paciente, para que ele consiga mudar seu estilo de vida e maneira com que lida com o trabalho.

*Cristiane Pertusi é Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela USP e  Mestre em Psicologia PUCRS, Especialista em Abordagem Sistëmica pela Unifesp. Certificada como coach qualificada pela ASTD –The American Society for Training and Development, para ministrar “Coaching Certificate Program”. Qualificada pela Fellipelli – Instrumentos de Diagnóstico e Desenvolvimento Organizacional para aplicar O Indicador de Preferências Psicológicas, Instrumento MBTI-Myers Briggs Type Indicator. Consultora, Psicóloga e Professora Universitária há mais de 17 anos. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s