Pesquisa mostra que tratamentos para engravidar aumentarão quase 10% até 2026

Um dos motivos do crescimento é o adiamento da maternidade pelos casais

De acordo com um relatório publicado este ano pela consultoria norte-americana Allied Market Research, intitulado “Mercado de serviços de fertilização in vitro, por tipo de ciclo e usuário final: análise de oportunidades globais e previsão do setor, 2019-2026 (IVF Services Market, by Cycle Type and End User: Global Opportunity Analysis and Industry Forecast, 2019–2026)”, o mercado global de serviços de FIV gerou US$ 12.505 milhões em 2018 e a projeção é que atinja US$ 26.376 milhões até 2026, crescendo cerca de 9,8% de 2019 a 2026. De 1978 até hoje, cerca de sete milhões de bebês nasceram por meio desse procedimento no mundo todo.

E por que a expectativa é de mais crescimento? Segundo pesquisas da Sociedade Médica de Fertilidade Europeia (ESHRE), um em cada seis casais tem ou terá problemas de fertilidade. Além disso, há outro motivo bem mais conhecido: as pessoas estão deixando para ter filhos mais tarde e, em muitos casos, elas precisarão de tratamento para alcançar o objetivo. Como a maioria dos países não disponibiliza esse tipo de atendimento gratuito, elas acabarão pagando do próprio bolso. E, em alguns casos, haverá mais de uma tentativa.

“Dependendo do caso, e da idade da mulher – a maioria das pacientes das clínicas de reprodução está na faixa dos 40 anos -, será preciso usar o óvulo de uma doadora. Isso não seria necessário se, por exemplo, o médico ginecologista, que acompanha a paciente abordasse a queda da fertilidade depois dos 30 anos durante as consultas. Assim, se aquela mulher estivesse pensando em adiar a gravidez por um longo período, ela poderia ser informada que existe a opção de congelar seus próprios óvulos para utilizá-los no futuro”, afirma Arnaldo Cambiaghi, especialista em ginecologia e obstetrícia, com certificado de atuação na área de reprodução assistida, e responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

Felizmente, a medicina está sempre se renovando e novas técnicas, estudos e medicamentos surgem todos os dias. Na reprodução humana não é diferente. Confira duas técnicas voltadas a mulheres maduras:

Estimulação ovariana

fertilização

“Não é novidade que mulheres acima dos 40 anos têm uma redução do potencial da fertilidade quando comparadas a mulheres mais jovens e, consequentemente, têm também uma chance menor de sucesso nos tratamentos de fertilização. Mas, o ponto obscuro é: qual o limite de idade da mulher para o tratamento de FIV com os próprios óvulos? A partir de qual idade é recomendável utilizar óvulos de doadoras?”, comenta o médico.

A grande maioria dos insucessos nos tratamentos em mulheres acima dos 40 anos vem da qualidade dos óvulos que elas produzem, por formarem embriões de má qualidade, que podem ser chamados de embriões incompetentes. Em outras palavras e com mais objetividade: os óvulos destas mulheres tendem a formar embriões com alterações cromossômicas inadequados para a implantação.

“Se isso ocorrer, a paciente poderá sofrer abortos ou, em alguns casos, se a gestação se desenvolver, o bebê poderá ter alterações, como, por exemplo, Síndrome de Down. Entretanto, se conseguirmos um número maior de óvulos, poderemos ter uma chance maior de obter embriões de ótima qualidade (embriões competentes) e, consequentemente, um tratamento bem sucedido e filhos saudáveis. Porém, em muitos casos de baixa reserva ovariana, a paciente produz poucos óvulos e, na maioria das vezes, precisamos de um maior número de estimulações – de duas a três”, diz Cambiaghi.

O médico lembra que, para se definir o melhor protocolo para a estimulação ovariana, é importante a compreensão do significado “Individualização e Customização” dos protocolos para a estimulação do ovário. Customizar significa alterar algo para que melhor se adeque os requisitos de alguém; personalizar. Assim, o protocolo de estimulação ovariana deve der individualizado para cada paciente e customizado de acordo com o seu histórico e situação que ela se encontre.

Protocolo com uso prolongado do hormônio de crescimento

fertilização

O hormônio de crescimento (GH) atua por meio da estimulação da somatomedina C, ou IGF-1 (fator de crescimento de insulina I). É encontrado em vários tecidos e também nos folículos ovarianos, porém, de acordo com estudos, a quantidade desse hormônio é menor em mulheres que apresentam baixa reserva ovariana. Logo, conclui-se que a redução do IGF-1 altera as funções celulares de mulheres com idade avançada ou acometidas pela Insuficiência Ovariana Prematura.

Partindo desse princípio, pesquisas demonstraram que mulheres com baixa contagem de óvulos, que tiveram o hormônio GH adicionado ao protocolo de estimulação ovariana, tiveram uma melhor resposta folicular. O uso do hormônio GH pode, ainda, aprimorar a qualidade dos óvulos, proporcionando embriões de melhor qualidade e, consequentemente, aumentando as taxas de gravidez. Entretanto, interfere pouco na quantidade de óvulos gerados na indução da ovulação.

“Portanto, se pudermos chegar a um tratamento que ajude as más respondedoras a produzir mais óvulos e de melhor qualidade, ou ambos, seremos capazes de melhorar positivamente a chance de se ter um bebê. Vários tipos de protocolos de suplementação têm sido usados ​​para tentar melhorar os resultados para essas pacientes, e a maioria deles éestimulador das mitocôndrias”, explica o médico.

Para finalizar, Cambiaghi reforça uma mensagem: “Enfatizo que as mulheres devem ser informadas, seja por seus médicos ou pela mídia, que é preferível engravidar antes dos 35 anos, pois é mais seguro, e a probabilidade de se ter um bebê saudável é bem maior se comparada a gestações em idades mais avançadas. Se mesmo assim elas quiserem adiar, congelar os óvulos é a opção mais segura”.

tabela22

Fonte: Arnaldo Schizzi Cambiaghi é responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO, ginecologista obstetra com certificado em reprodução assistida. Membro-titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica, da European Society of Human Reproductive Medicine. Formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa casa de São Paulo e pós-graduado pela AAGL, Illinois, EUA em Advance Laparoscopic Surgery. Também é autor de diversos livros.

2 comentários em “Pesquisa mostra que tratamentos para engravidar aumentarão quase 10% até 2026

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s