Ação de raios solares sobre tatuagens pode causar desbotamento e até câncer

Sol é responsável pela fotodegradação dos pigmentos da ilustração, além de promover a liberação de compostos tóxicos causadores de alergias e infecções. Especialista explica como prevenir o problema.

Que o sol é um dos grandes vilões da pele, sendo o principal responsável pelo surgimento de manchas e até mesmo câncer, todo mundo já sabe. Porém, a radiação solar também é uma inimiga daquelas pessoas que são apaixonadas por tatuagens e as utilizam em seus corpos como forma de arte para expressar sua personalidade.

“Isso por que os raios ultravioletas emitidos pelo sol são os responsáveis por desbotarem as tatuagens, pois promovem uma fotodegradação dos pigmentos utilizados na confecção da ilustração na pele”, explica Lucas Portilho, consultor e pesquisador em Cosmetologia.

Mas o problema não para por aí. A radiação ultravioleta do sol ainda reage com a pele de outras maneiras. Por exemplo, a fotodegradação dos pigmentos gerada pela exposição solar pode resultar em compostos tóxicos que são absorvidos pela pele e pelo organismo, causando reações adversas como infecções, coceira, inchaço, alergia e fotossensibilidade.

“Além disso, o desbotamento das tatuagens causado pelo sol leva a formação das moléculas 4-nitrotolueno e 2-metil-5-nitroanilina. Essas substâncias são cumulativas no organismo e possuem grau carcinogênico, ou seja, à longo prazo essas moléculas têm potencial cancerígeno”, alerta o pesquisador.

Porém, é possível evitar todos estas reações e alterações no organismo e na própria aparência da tatuagem através de um cuidado já conhecido pela grande maioria da população: a fotoproteção.

“O uso diário de protetor solar é fundamental para proteger a pele e a tatuagem dos danos dos raios ultravioletas. Logo, o ideal é que todos os dias pela manhã, mesmo quando o clima estiver nublado, você aplique um protetor solar, que deve ter FPS de, no mínimo, 30 e amplo espectro de proteção contra os raios UVA e UVB. Além disso, é importante que você reaplique o produto a cada duas horas para garantir sua máxima eficácia. Para as tatuagens, uma boa dica é optar pelo fotoprotetor na forma de bastão, já que este, quando combinado ao amplo espectro, é mais resistente a ação mecânica e da água, além de facilitar a aplicação exatamente sobre o local da ilustração”, finaliza Portilho.

tatuagem.jpg

Fonte: Lucas Portilho é consultor e pesquisador em Cosmetologia, farmacêutico e diretor científico da Consulfarma e Pesquisador em Fotoproteção na Unicamp. Especialista em formulações dermocosméticas e em filtros solares. Diretor das Pós-Graduações do Instituto de Cosmetologia e Ciências da Pele Educacional, Hi Nutrition Educacional e Departamento de Desenvolvimento de Novas fórmulas. Possui 17 anos de experiência na área farmacêutica e cosmética. Professor e Coordenador dos cursos de Pós-Graduação com MBA do Instituto de Cosmetologia e Ciências da Pele Educacional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s