Não confunda intolerância à lactose com alergia à proteína do leite

O leite é considerado um alimento básico para crianças e um complemento essencial na dieta dos adultos, pois possui uma composição equilibrada de nutrientes com ótima digestibilidade, resultando em um produto com alto valor biológico. No entanto, seu consumo, em alguns casos, está associado a reações adversas, como alergia às proteínas do leite e intolerância a lactose. Esses são os principais motivos para limitar ou evitar o consumo de laticínios em humanos.

O que é lactose

É o nome dado ao açúcar natural contido no leite de mamíferos. Ela também está presente em uma variedade de produtos derivados do leite, embora sua quantidade varie pelo método de produção e processamento.

A lactose é um “dissacarídeo”, o que significa que é composta de duas moléculas simples de açúcar, quimicamente ligadas entre si (glicose e galactose). Os seres humanos não absorvem esse açúcar duplo. Para digerirmos a lactose, nosso organismo precisa quebrá-la em 2 moléculas, glicose e galactose, para que possam ser absorvidas individualmente.

A lactose é quebrada por uma enzima chamada lactase, presente no sistema digestivo. Uma vez que a enzima quebra a ligação da molécula de lactose com açúcar duplo, a glicose e a galactose são facilmente absorvidas.

Quando a lactase não está suficientemente presente no intestino, a lactose ingerida permanece não digerida no intestino grosso. Ali ela interage com bactérias naturais, criando os sintomas desconfortáveis da intolerância à lactose.

O que é intolerância à lactose?

intolerancia_a_lactose

A nutricionista Adriana Stavro classifica os três tipos de intolerância à lactose:

1. Deficiência lactase congênita (DLC): uma doença autossômica recessiva extremamente rara, caracterizada por atividade enzimática ausente ou reduzida desde o nascimento.

2. Intolerância primária à lactose ou deficiência de lactase do tipo adulto: uma condição autossômica recessiva comum, resultante de uma alteração regulada no desenvolvimento da expressão do gene da lactase.

3. Deficiência secundária de lactase: uma condição transitória decorrente de lesão intestinal secundária a várias doenças, como infecções, alergia alimentar, doença celíaca, crescimento bacteriano do intestino delgado, doença de Crohn ou enterite induzida por radiação / quimioterapia.

Intolerância à lactose significa a incapacidade que o organismo tem de absorver o açúcar natural do leite (a lactose), devido a produção insuficiente de enzima lactase, cuja função é quebrar a lactose em glicose e galactose, para que possam ser absorvidos adequadamente no intestino delgado.

Sintomas de Intolerância à lactose

nausea enjoo azia mulher doente md-health
Foto: MD-Health

Alguns sintomas são náuseas, diarreia, cólicas abdominais e gases. Cólicas, dor e diarreia, geralmente são o resultado do excesso de água sendo atraído para o intestino por osmose, quando uma grande carga de açúcar não digerido (lactose) chega lá. O gás é o resultado da lactose não absorvida no cólon (intestino grosso), que abriga trilhões de bactérias. Essas bactérias se alimentam de carboidratos, incluindo lactose não digerida em um processo chamado fermentação. Um subproduto da fermentação bacteriana é a produção de gases, que apesar de inofensivo, pode ser desconfortável e muitas vezes socialmente desagradável.

Indivíduos com intolerância à lactose precisam evitar laticínios?

Não, apenas evitar a ingestão de lactose, não de laticínios. Nem todos os alimentos lácteos contêm lactose. Os laticínios podem ser naturalmente isentos de lactose, como queijos envelhecidos, sendo bem tolerados por pessoas com formas mais leves de intolerância. Outros alimentos são isentos de lactose, através da adição de enzimas lactase aos alimentos durante o processamento, como os leites e derivados sem lactose.

Alergia à proteína ao leite de vaca (APLV)

copo de leite

O ALPV pode ser definido como uma reação imunológica adversa a uma ou mais proteínas do leite de vaca (caseína, β-lactoglobulina, α-lactalbumina). A reação envolve imunoglobulina E (IgE), linfócitos T ou ambos, afetando 2-3% das crianças. Os sintomas alérgicos pode incluir problemas com a pele (erupção cutânea , urticária , pele seca, escamosa ou com coceira), sistema digestivo (diarreia, vômito, constipação e refluxo ) e sistema respiratório (respiração ruidosa, tosse e coriza ). O APLV geralmente ocorre antes do primeiro aniversário do bebê.

A melhor maneira de gerenciar a alergia às proteínas do leite de vaca é remover completamente todos os produtos lácteos da alimentação do bebê ou da criança (ou da mãe se estiver amamentando). Consulte seu médico ou nutricionista para ver qual a melhor alternativa para torná-los nutricionalmente seguros.

Características diferenciadoras entre intolerância à lactose e alergia às proteínas do leite de vaca

A intolerância à lactose é causada por uma deficiência na enzima lactase, responsável por quebrar a lactose. A alergia ao leite é causada por uma reação do sistema imunológico às proteínas encontradas no leite, que desencadeiam sintomas como urticária, inchaço e anafilaxia. Algumas pessoas também podem desencadear sintomas gastrointestinais, como vômitos e diarreia. O leite de vaca possui mais de 20 proteínas, mas as responsáveis por causar alergia são, a caseína, a alfalactoalbumina, a betalactoglobulina ou o soro do leite. tabela leite

Fonte: Adriana Stavro é nutricionista funcional e fitoterapeuta, especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein – Mestranda do Nascimento a Adolescência pelo Centro Universitário São Camilo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s