Rugas em excesso podem dificultar expressão das emoções e deixar o rosto triste e cansado

Pesquisas já relacionaram o excesso de rugas à percepção emocional dos pacientes. Rosto com muitas marcas de expressão pode dar sinais falsos de que o paciente está triste, cansado ou zangado

As rugas não só deixam o rosto mais envelhecido como seu excesso pode dificultar a expressão de emoções, deixando a face com aspecto mais triste e cansado. Há alguns anos, pesquisadores da Penn State University pediram a um grupo de participantes, em um estudo, para examinar 64 faces e classificá-las com base nas emoções que percebiam nas imagens. Em média, as fotos que mostram adultos mais velhos foram classificadas como mais zangadas ou tristes em comparação às fotos de pessoas mais jovens, apesar de cada rosto fotografado mostrar emoções neutras.

shutterstock mulher madura pensando
Shutterstock

“Vincos na boca e na testa podem fazer com que as pessoas pareçam estar franzindo a testa em uma expressão de que estão chateadas”, afirma o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Este não é o primeiro estudo a examinar a ligação entre rugas e percepção emocional.

Um estudo anterior realizado por pesquisadores da Universidade Humboldt, em Berlim, descobriu que as pessoas mais jovens tinham dificuldade em julgar os rostos dos adultos mais velhos, e muitas vezes percebiam que tinham mais “emoções confusas” do que imagens semelhantes de pessoas mais jovens.

A dificuldade se configura com o excesso de rugas. Segundo a dermatologista Claudia Marçal, independentemente da idade, seja aos 40, aos 50 ou 80, é possível ter rugas, mas é necessário ter uma pele tratada, bonita, viçosa, luminosa, hidratada, tonificada.

“Até mesmo pacientes que pretendem fazer uma cirurgia plástica para diminuir as rugas necessitam de uma ajuda dermatológica para melhorar a qualidade dessa pele”, explica Farinazzo.

“Por exemplo, mesmo uma paciente de 80 anos com sulcos, marcas, linhas ao redor da boca e entre as sobrancelhas, pode e precisa ter uma pele luminosa, com um quadro de tonicidade e uma pele que por si só seja reconhecida como uma bem cuidada”, diz a dermatologista.

De acordo com o cirurgião plástico, este estudo mostra que as pessoas que buscam procedimentos de cirurgia plástica, como ritidoplastia, facelifts ou injeções de toxina botulínica, não estão fazendo isso simplesmente por vaidade. “Existem problemas reais associados aos primeiros sinais de envelhecimento, de forma que o paciente pode apresentar falsamente a ideia de que está enfrentando tristeza e depressão, ou ainda parecer nervoso demais”, diz o cirurgião.

“Felizmente, existem muitos tratamentos que podem ajudar a tratar rugas no rosto e pescoço. Embora os de lifting facial sejam os mais conhecidos e definitivos, outros podem optar pelos injetáveis para paralização muscular (toxina botulínica), preenchimento (ácido hialurônico) e estímulo de colágeno (bioestimuladores), que também trazem bons resultados”, afirma o médico.

mulher rugas nasoge

“O mais importante é consultar um médico para indicação precisa dos tratamentos que devem ser realizados, que muitas vezes podem ser feitos em conjunto entre dermatologistas e cirurgiões para o melhor resultado. Além disso, é muito importante que o resultado seja natural, pois um rosto paralisado também demonstra dificuldade de expressar sentimentos”, finaliza Farinazzo.

Fontes:
*Cláudia Marçal é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Professora e fundadora do Dermacademy MB, plataforma online de ensino a dermatologistas. Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. Proprietária do Espaço Cariz, em Campinas – SP.
*Mário Farinazzo é cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da Unifesp e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz e Oswaldo Cruz entre outros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s