Afinal, de quem é a culpa das crianças sem limites?

Na obra “Déspotas mirins, o poder nas novas famílias”, a psicanalista Marcia Neder analisa a queda do poder patriarcal e as atuais construções familiares

Por que a sociedade atribui às mulheres e às mães a responsabilidade pelas crianças sem limites que infernizam a vida de professores e o convívio sociofamiliar? Esse foi o questionamento que inspirou a tese de pós-doutorado da psicanalista Marcia Neder. O resultado virou livro: a segunda edição de Déspotas mirins, o poder nas novas famílias, lançamento da Editora Metamorfose.

Segundo Marcia, vivemos uma “pedocracia”, nome que ela criou para a era do poder infantil, modelo caracterizado pela vida em família que gira em torno da criança desde a gravidez. De acordo com a escritora, o fim do patriarcado deu mais poder para os pequenos – e não para as mulheres. Como são elas as responsáveis pelos cuidados e educação dos filhos, também tornam-se as mais submetidas a esses novos tiranos.

Outro ponto explorado pela psicanalista são as novas famílias, famílias modernas ou a família brasileira. A “família tradicional”, formada por papai, mamãe e filhos, patriarcal e aparentemente coesa, foi implodida pela modernidade. Hoje, enteados, sogros, meio-irmãos e avós fazem parte dos núcleos familiares, construção que ainda não se adequou para educar.

“O namorado da minha mãe, a avó do meu irmão, o filho do marido da minha mãe, o pai da minha irmã, a mulher do meu pai, a mulher do pai do meu irmão são personagens cada vez mais frequentes no cotidiano das crianças” -Déspotas mirins, o poder nas novas famílias, pág. 18

Ao avançar nas investigações sobre a mulher e o feminino no imaginário da cultura e de suas instituições, Marcia Neder aprofunda as críticas à herança patriarcal da psicanálise e à misoginia da cultura. A função paterna, que faz do poder uma prerrogativa dos homens, concebe o masculino como separado da sensibilidade – esta que seria atributo exclusivo do feminino um ser naturalmente encarregado dos cuidados da “sua” prole.

Além da obra, Marcia é autora de outras produções como “Os Filhos da Mãe: como viver a maternidade sem culpa e sem o mito da perfeição”, que desmistifica a maternidade e mostra o preço que as mulheres pagam por essa idealização.

Sinopse

“Escrito com a erudição e a contundência que caracteriza o estilo da autora, Déspotas mirins, o poder nas novas famílias propõe conceitos inovadores, como o de pedocracia, e termos particularmente felizes, como os de “déspotas mirins”, “filho-fardo” e “filho-tsunami”. Mais que figuras de linguagem, essas expressões me parecem captar dimensões cruciais da experiência de pais e de filhos, tornando a pesquisa de grande utilidade para os que precisam lidar com essas questões. Em resumo, trata-se de um trabalho de grande qualidade, que enriquece sobremaneira a produção psicanalítica brasileira, e cuja publicação assinala um progresso na área da psicologia da família” – Renato Mezan.

Sobre a autora

Marcia Neder é psicanalista com pós-doutorado e doutorado em Psicologia Clínica pela PUC-SP e também professora adjunta (aposentada) da UFMS, onde criou e coordenou a linha de pesquisa Psicanálise e cultura.

Déspotas mirins, o poder das novas famílias
Autora: Marcia Neder
Editora: Metamorfose
Páginas: 190
Venda: Amazon
Preço: R$ 60,00

Link de venda: Site da autora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s