Por que surge e como tratar o sorriso amargo, o famoso bigode chinês

O sulco nasogeniano é formado por linhas finas que surgem das asas nasais até a comissura dos lábios; problema pode afetar homens e mulheres

São vários os fatores que estão ligados ao aparecimento do famoso bigode chinês, que também é chamado de sorriso amargo. “O sulco nasogeniano é formado por finas linhas que surgem das asas nasais até a comissura dos lábios. São incômodos conhecidos entre homens e mulheres, mesmo sendo um sinal comum de envelhecimento”, afirma o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Segundo o médico, existem várias causas do seu aparecimento, além da flacidez da pele, e que influenciam na intensidade em que ele se mostra, como: tabagismo, exposição ao sol, má alimentação, poluição, baixa hidratação da pele. “Esses fatores podem ser controlados pelo paciente de maneira a suavizar o surgimento do bigode chinês. Porém, existem outros fatores que, infelizmente, não podemos controlar, como a predisposição genética, fatores raciais e condições de saúde”, diz o cirurgião plástico.

Enquanto estes fogem ao nosso controle direto, podemos focar naqueles que temos controle efetivo e garantir uma pele mais jovial por um tempo mais prolongado. “É claro, eventualmente os sinais de idade e a flacidez irão chegar, e você terá de buscar assistência médica especializada, caso deseje combater efetivamente esses sinais”, lembra o médico.

Existem três principais tratamentos para o problema e a boa notícia é que nenhum deles é invasivo. Esses procedimentos indicados costumam durar cerca de 30 minutos, com o número de sessões sendo indicado pelo especialista. “Na verdade, os tratamentos disponíveis são muito eficazes, podem ser feitos rapidamente e quase não possuem contraindicações”, diz o médico. Atualmente, as principais formas de se tratar o bigode chinês são três:

• Ácido Hialurônico – essa substância biocompatível (naturalmente produzida pelo corpo) é o principal composto utilizado em preenchimentos, devido a sua incrível capacidade de hidratação, retenção de água e de conferir volume aos tecidos. “Essas características tornam o ácido hialurônico uma excelente opção para quem busca não só resolver o bigode chinês como também fazer outros tipos de preenchimento”, enfatiza o médico.

Foto: University of Utah Health

• CO2 fracionado – o laser de CO2 serve para melhorar rugas mais finas, inclusive da região do bigode chinês, mas quando existe um sulco profundo, o laser não irá resolver e outros tratamentos são indicados. “A tecnologia provoca uma grande produção de colágeno que irá restituir a pele. Os efeitos da produção estimulada duram cerca de seis meses e costumam devolver o aspecto jovial da pele, nos casos em que o laser é indicado”, diz.

Pinterest

• Radiofrequência – indicado para quando o bigode chinês é causado por flacidez e rugas de excesso de pele. “Um aplicador irá emitir ondas de alta frequência, aquecendo as camadas profundas da pele e estimulando a produção de colágeno, consequentemente diminuindo a flacidez e melhorando as rugas. Este tratamento é praticamente indolor a recuperação é imediata”, afirma Farinazzo.

Apesar de satisfatórios, os resultados não são permanentes, exigindo que o paciente que deseja mantê-los realize novas sessões. Os tratamentos e a recuperação são rápidos e praticamente livres de efeitos colaterais, mas existem alguns pontos de atenção e cuidados a serem tomados.

Segundo o médico, após a aplicação do ácido hialurônico é comum que haja vermelhidão e o surgimento de pequenos hematomas e coceira, o que é normal e não deve causar preocupação: “No caso do CO2 fracionado e da radiofrequência, a recuperação é imediata, sendo recomendado apenas o uso de protetor solar 30 FPS e a higiene local com sabão neutro e aplicação de hidratantes”.

Qualquer orientação adicional deverá ser feita caso a caso e devidamente avaliada pelo médico responsável pelo tratamento. Por fim, o médico lembra que, apesar de existirem diversas clínicas de estética disponibilizando esses tratamentos, o ideal é fazê-los com um cirurgião plástico devidamente credenciado.

“Essa é a melhor forma de garantir a procedência dos produtos e equipamentos, preservando a sua segurança de alguma eventual negligência. Também é importante para a indicação precisa do tratamento”, diz o médico. “Quando for à clínica converse com seu médico e ele irá tirar suas dúvidas e na eventualidade de existir algum problema específico com o seu caso, ele estará apto a te orientar sobre quais ações devem ser tomadas e quais as alternativas disponíveis”, finaliza.

Fonte: Mário Farinazzo é cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da UNIFESP e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz, Oswaldo Cruz, entre outros. 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s