Até 40% da população mundial sofre com algum tipo de alergia; confira orientações

Além da saúde, as restrições impostas pelas alergias alimentares também podem trazer impactos sociais, psicológicos e financeiros às famílias

Estudos afirmam que entre 30% e 40% da população mundial possui algum tipo de alergia*. Ao todo, mais de 170 alimentos já foram identificados como gatilhos para reações alérgicas, sendo que oito deles aparecem como os grandes responsáveis pela maioria das alergias alimentares.

Entre eles está o leite de vaca, causador de um dos tipos de alergia mais comuns na infância – estima-se que cerca de 3% das crianças até 3 anos de idade apresentem Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV). A APLV possui sintomas que variam muito, dificultando assim sua identificação, reconhecimento e tratamento. Em média, o tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico de fato costuma ser de quatro meses. Durante este período de adaptação às restrições, os bebês, crianças e famílias costumam sofrer impactos que interferem diretamente em seu desenvolvimento social, psicológico e, até mesmo, financeiro.

Danone Nutricia , divisão de nutrição especializada da Danone, possui uma longa história de pioneirismo, pesquisa e desenvolvimento de soluções nutricionais voltadas para quem sofre de alergias alimentares.

“Reforçando nosso propósito de transformar vidas por meio da nutrição, temos uma gama de soluções nutricionais para apoiar crianças portadoras destas doenças e dos desafios ligados a elas, reduzindo os impactos causados pelas restrições e, consequentemente, trazendo melhorias em relação à qualidade de vida de toda a família. Além disso, trabalhamos constantemente na capacitação e educação médica, a fim de tornar os pediatras mais aptos a identificar e tratar alergias alimentares, sobretudo a APLV”, comenta Thaysa Cezar, gerente de Medical Affairs na Danone Nutricia.

Confira a seguir algumas orientações para que pais e crianças estejam preparados para lidar e se adaptar às restrições da melhor forma, preparadas pelos especialistas da Danone Nutricia:

Atente-se aos principais sintomas

Os sintomas mais comuns causados pelas alergias são inchaço nos olhos, sangue nas fezes, diarreia, coceira (urticária), dermatite, refluxo e cólicas, variando a gravidade de acordo com o seu tipo. Porém, em casos mais agudos, as alergias podem causar choque anafilático, o que requer socorro imediato.

Dessa forma, é necessário que as famílias tenham acompanhamento médico e estejam bem informadas para avaliar as situações e tomar ações emergenciais quando necessário.

Acompanhamento profissional

Além dos sintomas alérgicos, há outras questões menos conhecidas que relacionam alergias ao desenvolvimento infantil. A existência de alergias no período da infância pode resultar em um aumento do risco de outras doenças atópicas no futuro. Dessa forma, é fundamental o acompanhamento frequente de médicos de diferentes áreas, como pediatras, nutricionistas e psicólogos, para identificar tratamentos necessários e melhorar a qualidade de vida das crianças.

Sabe-se, ainda, que crianças com APLV apresentam 27% mais chances de desenvolverem osteoporose no futuro. Também foi verificado um déficit de peso para estatura 7 vezes maior. Por isso, torna-se ainda mais importante o olhar nutricional para a criança com dieta restritiva, para evitar riscos futuros e garantir o seu desenvolvimento.

Dietas adaptadas ao tipo e nível de restrição

As alergias alimentares se manifestam de forma diferente de acordo com cada organismo. Algumas crianças precisam restringir um ou dois grupos de alimentos, caso desenvolvam a alergia múltipla. Além disso, em alguns casos, é possível tolerar alimentos com traços das proteínas alergênicas, enquanto outros, mais sensíveis, demandam mais atenção na análise dos rótulos. Por tudo isso, a orientação do médico ou nutricionista é fundamental. É importante procurar alternativas adaptadas e adequadas às condições de cada criança, com o intuito de garantir a inclusão dos nutrientes necessários na alimentação para que não haja comprometimento no crescimento e no desenvolvimento infantil.

Busque alternativas para minimizar impactos sociais e psicológicos

A partir do momento em que se cria uma nova rotina de acordo com as adaptações impostas pelas alergias alimentares, a preparação dos alimentos e elaboração de novas receitas torna-se mais fácil e prática. Com uma dieta especial estabelecida e as alergias controladas, é possível também reduzir os impactos psicológicos que as restrições podem causar, como a ansiedade e estresse para os pais e crianças.

Saiba clicando aqui.

*World Health Organization. White Book on Allergy 2011-2012 Executive Summary. By Prof. Ruby Pawankar, MD, PhD, Prof. Giorgio Walkter Canonica, MD, Prof. Stephen T. Holgate, BSc, MD, DSc, FMed Sci and Prof. Richard F. Lockey, MD.

Fonte: Danone Nutricia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s