Mercado de trabalho, emprego, pandemia e o “novo normal”: o que esperar de 2021

Não tem escapatória, o fim de ano chega e as pessoas fazem um balanço do que aconteceu e, principalmente, pensam no que gostariam para o ano que está chegando. Todos sabemos que 2020 foi um ano diferente, atípico e desafiador. E o que esperar de 2021, e dos próximos anos, quando pensarmos em emprego, mercado de trabalho, mudanças, pandemia e home office? São tantas dúvidas.

Foto: Joseph Mucira/Pixabay

O coach Edson Moraes, formado pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF – International Coach Federation, ajuda a compreender melhor o que as empresas esperam dos colaboradores e como se preparar para atendê-las. Para começar, ele cita dois termos que estão em alta quando se fala em carreira: upskilling e reskilling. “São processos nos quais as pessoas investem para estar em evolução constante. Costumo dizer que hardskill vem de fora para dentro, e softskill de dentro para fora, e você os desenvolve”.

Explicando: hardskill é conhecimento, aquilo que vamos buscar, como cursos, pesquisas, leituras. Softskill são habilidades sutis, aquilo que você já tem e desenvolve. Comunicação, por exemplo, você pode buscar as técnicas (hardskill) para aprimorar sua habilidade em se comunicar, que é algo que você traz de dentro (softskill).

“Upskilling é um aprimoramento das competências que desempenhamos. Reskilling, por outro lado, é a oportunidade de transformar os skills, se adaptar às transformações pelas quais o mundo está passando, principalmente nos aspectos digitais. Em ambos os casos são oportunidades de desenvolvimento para novas habilidades”, completa.

Um softskill muito festejado é a resiliência, porém Moraes cita um ainda mais importante: “Eu gosto muito de um aspecto de softskill que é a plasticidade, pois, às vezes, apenas a resiliência não é suficiente. Você vai, toma uma pancada e volta. E de novo. Quantas vezes vai aguentar? Então, você tem de ser plástico, se adaptar e fazer uma transformação, pois aquilo que você tinha tanta certeza pode não dar certo. E aí pode pensar: por que não posso tentar de outro jeito? Isso é ser plástico, não ser resiliente, você se adaptar e se moldar a uma nova condição”.

Se os jovens soubessem, se os maduros pudessem

Foto: Gabby K/Pexels

Pesquisas mostram que os jovens são os que mais estão sofrendo com o desemprego, pois não conseguem o primeiro emprego. Já os maduros, na casa dos 50, perdem o cargo e não conseguem se recolocar. Como resolver isso? Para o coach, só vão ter sucesso se os dois extremos trabalharem juntos e unirem a experiência de um com o desafio do outro, pois os dois públicos têm dificuldades parecidas: “Os mais jovens em entrar no mercado, porque isso está baseado em modelos antigos, e eles já entram perdendo, pois a maioria se formou e não tem um diferencial. Não importa a idade, as pessoas têm de desafiar o outro e a si mesmas”.

Segundo Moraes, em uma entrevista de emprego, é preciso se apresentar de forma interessante e atraente para quem for entrevistá-lo, o que vale para todos. Para os mais velhos, também valem o aprendizado contínuo, a disposição para conhecer coisas novas, ter propósitos na vida e se conectar a eles.

Algo que o coach frisa, constantemente, é que devemos esquecer as relações empregatícias como eram, pois o tempo em que alguém se formava na faculdade, entrava em uma empresa, com carteira assinada, e ficava lá por anos e anos, acabou. “Esqueça. Não vai funcionar, não falamos mais de emprego, mas de modalidade de trabalho, pois o vínculo ocorrerá de diversas formas, quando você se projeta e se atualiza, se sente desafiado e pode desafiar até o local onde está, isso fará toda a diferença, E isso vale para novos e maduros”.

Um pecado mortal para um profissional mais velho é se “sentar sobre uma carreira” e achar que viveu, sabe e aprendeu tudo. Ele precisa olhar e entender que sabe, sim, alguma coisa, e pode ensinar, mas também tem de aprender com o novo, se colocar de forma proativa, positiva. Não olhar para o copo meio vazio, para o problema sem focar na solução, e aprender a lidar com o humor dele e com o dos outros. Se não agir assim, terá dificuldades cada vez maiores ao tentar se recolocar no mercado.

Moraes lembra o exemplo das startups, que estão aprendendo que não adianta criar uma empresa só de jovens: “É preciso cabelo branco, ou sem cabelo, para fazer as pessoas interagirem e aprenderem umas com as outras. O jovem pode saber e se colocar na condição de aprendiz, enquanto o mais velho pode se colocar na posição de estar aberto a aprender coisas novas, como falei antes. Usar a experiencia que viveu, como lidou com as pessoas e grupos, pode fazer a diferença”.

Para o coach, a grande diferença para todos que procuram uma colocação é a capacidade de interrelação e de comunicação, o networking. “Não importa a idade, pois se colocar no mundo profissional depende da qualidade do networking construído. E isso pode se construir ou reconstruir em qualquer momento de vida. Requer disciplina e atenção, perceber a necessidade do outro e até que ponto se pode atendê-la. Se a pessoa se coloca na posição do ‘eu sei tudo e é assim que trabalho’ (não estou falando de valores e questões éticas), ela precisa se adequar à realidade urgentemente”.

Lifelong learning e o desafio dos 50+ de se manterem atualizados

Foto: August De Richelieu/Pexe

Para Moraes, o mais complicado ao se falar de lifelong learning (formação contínua em tradução livre), outro termo em alta, é como manter as pessoas animadas para que estudem por toda a vida. Ele lembra que a geração 50+ é aquela que pensava que faria uma faculdade, depois trabalharia dos 25 aos 60 anos, e entraria na aposentadoria e desfrutaria o melhor da vida.

“Novamente, esqueça. Isso não existe mais. É inconcebível. As mudanças de carreira vão ocorrer durante toda a existência. E insistir em só uma carreira pode ser prejudicial. Então, em determinados momentos da vida, buscar outras coisas, fazer transformações e mudar radicalmente é perfeitamente possível, aceitável e até louvável”, aponta.

Para ele, as universidades têm de se repensar, pois a essência continua válida, mas os conceitos, a metodologia, os processos e o ferramental mudam. As pessoas precisam se capacitar continuamente, não precisam fazer uma graduação, que é longa, mas cursos mais curtos, indo às universidades, experimentando outras coisas, mantendo-se atualizadas com as notícias, ouvindo podcasts, assistindo aos fóruns, seguindo pessoas que tenham conteúdo significativo.

“Lifelong learning é algo extremamente positivo para manter a pessoa não só atualizada, mas motivada, pois o aprendizado gera motivação. Estar disposto a conhecer coisas novas faz a vida ter outra cor. Insistir em não aprender é algo pequeno, pobre de espirito. É preciso despertar para o novo, se relacionar com ele, crescer e aprender, em qualquer idade, principalmente neste mundo que está em contínua transformação. Se a pessoa não tiver interesse pelo aprendizado, isso gerará dificuldades profissionais”.

Novo normal – trabalho é o que se faz e não o local para onde se vai

Foto: Lumen/Pexels

Para o coach já vivíamos um “novo normal” antes da chegada da pandemia, mas as pessoas insistiam em um mundo que não existia mais. “O trabalho remoto, por exemplo, será extremamente importante, mesmo quando as pessoas resgatarem dinâmicas e rotinas anteriores. A pandemia nos ensinou que podemos ter uma outra forma de trabalhar. Já falo há muito tempo que trabalho é o que se faz e não o local para onde se vai. Tenho conversado com clientes que estão trabalhando no conceito 4X1, quatro dias em casa e um no escritório. Alguns até diminuíram o espaço das empresas. Supondo que acabou a pandemia, a pessoa não vai voltar integralmente. Um grupo vai trabalhar quatro ou três dias em casa e os demais no local. Há carreiras nas quais não há como trabalhar remotamente, como algumas da área de saúde, por exemplo, mas, em geral, as pessoas vão trabalhar mais em casa que nos escritórios, isso já é uma transformação”.

O Brasil tem 14 milhões de desempregados, um número altíssimo, e isso tem outras razões além da crise econômica e da pandemia. Segundo Moraes, muitas dessas pessoas, infelizmente, não têm diferenciais a oferecer: “Em compensação, e falo por experiência própria, tenho projetos de consultoria que não consigo atender porque não encontro pessoas capacitadas. A forma como estão capacitando os profissionais está errada, já que as empresas precisam de pessoas, mas as que chegam não preenchem os requisitos. Muitos têm formação acadêmica, o que não significa mais nada hoje. O que vale é como esta pessoa se mantém atualizada para desenvolver o trabalho. E quando falo trabalho, não é emprego. É preciso parar de pensar que se vai sair da escola e conseguir um emprego de carteira assinada. Isso vai diminuir cada vez mais”.

Para Moraes, as pessoas terão de se colocar, de forma atraente, pelo conhecimento e experiência, pelo que podem agregar ao grupo. Elas trabalharão, provavelmente, por projeto ou demanda, serão freelancers, produzirão e entregarão o que for pedido.

“O tempo inteiro temos de entender para onde o que chamamos de mercado está indo, quais são os valores e princípios e o que estudar para atender as demandas solicitadas. E de que forma? Funcionário, freelancer, terceirizado ou prestador de serviços. O desemprego é enorme porque muitas pessoas têm a expectativa de um determinado cargo formal que, como falei antes, talvez não exista mais. É preciso se autoconhecer e estudar continuamente para ter algo a oferecer. Repito: fazer uma faculdade, se formar e achar que a carreira vai ser aquela pela vida toda é algo para se esquecer, pois isso não existe mais”, finaliza.

Fonte: Edson Moraes é sócio do Espaço Meio, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). Formado em Comunicação Social – Jornalismo pela PUC/SP. É Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. Articulista e palestrante nas áreas de Governança, Tecnologia da Informação e Gestão de Projetos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s