Arquivo mensal: maio 2021

Restaurante Camarões, tradicional em Natal, chega a São Paulo

Com 350 lugares, restaurante faz sua primeira expansão e chega a São Paulo

Desde 1989, o restaurante Camarões é um dos maiores representantes da gastronomia potiguar. Com 5 unidades na cidade, acaba de abrir seu primeiro espaço fora de Natal e chega a São Paulo em um projeto de 1400 m² com 350 lugares na Avenida Juscelino Kubitschek.

Camarões tornou-se sinônimo de Natal e parada obrigatória para os turistas que visitam a cidade ao longo do ano. “Não é coincidência que potiguar – termo utilizado para quem nasce no Rio Grande do Norte – significa ‘comedor de camarão’ em tupi. Ficamos muito felizes com a oportunidade de levar nossa história, serviço e receitas para ainda mais pessoas. É um sonho antigo de expansão, que se concretiza com a inauguração em São Paulo”, explica Clara Medeiros, sócia-diretora do Camarões.

Fundado pelo empresário Fernando Medeiros, com apoio de sua então companheira, Vânia Bezerra, o restaurante Camarões inaugurou sua primeira casa no ainda pouco conhecido bairro de Ponta Negra, que hoje é o local mais turístico de Natal. Atualmente, sob o comando dos filhos Clara, Gabriel e Júlio, o Camarões inaugura sua sexta casa e chega a São Paulo com seu cardápio tradicional e também alguns pratos exclusivos.

Nesta primeira fase, o espaço funcionará seguindo todos os protocolos sanitários para a visita do público e com capacidade reduzida. Serviços de entrega e retirada ainda não estão disponíveis.

Cardápio

Crocante com Risoto Brie
Camarão Internacional

Com mais de 40 receitas à base de camarão, entre entradas e pratos principais em porções para compartilhar, não há como se apontar um só carro-chefe. Desde a tradicional Moqueca de Camarão ao mais sofisticado Crocante com Risoto Brie – camarão empanado com quinoa e ervas, servido com risoto de queijo brie, damasco, abobrinha e amêndoa – passando pelos queridinhos Pastel de Camarão e Camarão Internacional, há opções para todo paladar.

Seguindo a mescla de mar e sertão e para os amantes de peixe e frutos do mar, o cardápio traz ainda outras preparações que vão muito além do camarão. O Polvo Mar e Sertão, por exemplo, chega salteado na manteiga de garrafa com tomate, cebola roxa, alcaparras, nata fresca e coentro. Ou ainda o Peixe Vila Flor, grelhado e regado com suave molho de manteiga com castanha do Pará laminada. Acompanha arroz integral com grãos e purê de banana da terra.

Para a unidade de São Paulo, foram criadas receitas exclusivas. Entre elas, o Ravioli de camarão é feito com massa artesanal recheada com camarão e queijo catupiry e ervas com molho rústico de tomate, azeite e manjericão. Já a Salada de carne de sol que reúne folhas verdes, tomate cereja, pepino agridoce, cenoura e rabanete, finalizada com lascas de filé mignon de sol e queijo de coalho empanados e finalizada com molho balsâmico e mel de engenho.

O projeto

Assinado pelo arquiteto Jayme Lago Mestieri, o projeto traz as memórias afetivas da família fundadora do Camarões, inspirado em suas raízes, mas conectado à São Paulo e à movimentada Avenida Juscelino Kubitschek, onde está localizado. Para isso, a fachada com brise em vidro permite uma interação entre externo e interno, criando um ambiente iluminado e que mantém um clima agradável graças a amplitude dos 1400m².

À designer social Cris Ribeiro coube a missão de levar o DNA da marca potiguar ao novo projeto de São Paulo, trazendo referências do mar e do sertão, numa construção afetiva que revela traços da essência do Camarões nos pequenos detalhes. A estampa das cadeiras, por exemplo, foi idealizada com exclusividade pela artista potiguar Ariell Guerra, inspirada nas flores do sertão potiguar. “Mar e Sertão” também é tema das obras do artista plástico potiguar Demétrius Montenegro, que colorem as paredes desta nova unidade.

O lustre de cabaças, campeão de cliques e marca registrada da entrada dos salões de uma das unidades em Natal, estará presente no novo restaurante.

Camarões: Avenida Juscelino Kubitschek, 627 – Vila Nova Conceição – São Paulo. Horário de funcionamento:Segunda a quinta: 11h30 às 15h30 / 18h Às 21h Sexta a sábado: 11h30 às 16h / 18h às 21hDomingo e feriados: 11h30 às 16h / 18h às 21h – Telefone: (11) 3508-8080

Como ajudar a alguém com baixa autoestima a melhorar

Você quer ajudar uma pessoa que tem baixa autoestima e não sabe como? Quer que ela se sinta melhor, só que não sabe o que dizer ou como lidar com ela?

Muita gente tem dificuldade com isso. Alguns acham que estão ajudando uma pessoa querida a se sentir melhor em relação a si mesma, mas acabam apenas piorando a situação.

É preciso entender o que significa baixa autoestima e como as pessoas que sofrem com isso pensam e agem para enfim conseguir ajudá-las. Quer saber como ajudar efetivamente alguém importante para você que está passando por isso? Então leia o texto até o final.

É possível aumentar a autoestima de alguém?

Nesse raciocínio, o melhor jeito de ajudar uma pessoa com baixa autoestima é incentivar que a pessoa tome atitudes que deixem ela orgulhosa de si mesma . Assim, ao invés de focar em pensar positivo, a gente está focando em agir positivo. No entanto, essas atitudes positivas vão ser diferentes para cada pessoa.

Muitas pessoas dizem, por exemplo, que fazer atitudes de organização, como limpar a casa, organizar sua rotina ou cuidar de um bichinho, faz com que elas se sintam muito orgulhosas de si. Isso tem impacto na autoestima.

Como ajudar uma pessoa com baixa autoestima?

Free Images

Como a gente falou ao longo desse texto, a baixa autoestima é uma opinião negativa que você tem de si mesmo. Essa opinião negativa não é apenas baseada no que você pensa sobre si mesmo, mas também baseada nas suas atitudes.

Quanto mais você preenche seu dia com atitudes que te deixem orgulhoso de si mesmo, maior será a sua autoestima. Por isso, o melhor jeito de ajudar uma pessoa com baixa autoestima não é fazendo elogios e convencendo ela de que os pensamentos dela estão errados. No lugar disso, você deve incentivá-la a praticar as ações que vão deixá-la orgulhosa de si mesma.

Fonte: Eurekka

Sérum antirrugas Liftactiv H.A. Filler da Vichy repõe até 100% da perda diária de ácido hialurônico

Com concentração de 1,5% ácido hialurônico, combinado à água vulcânica exclusiva de Vichy e peptídeos anti-idade, o novo sérum para face e olhos de Vichy reduz, em seis semanas, 47% das rugas e 60% das linhas de expressão

Durante o processo natural de envelhecimento cutâneo somado às agressões diárias – raios solares, poluição, hábitos alimentares, entre outros – a pele vai perdendo mais ácido hialurônico do que produz, contribuindo para a degradação da estrutura de suporte da pele e o aparecimento de sinais visíveis da idade no rosto e contorno dos olhos.

Para reduzir os impactos causados por esse desequilíbrio, Vichy desenvolveu o Liftactiv H.A. Filler: primeiro sérum concentrado com 1,5% de ácido hialurônico para o rosto e olhos, com efeito preenchedor imediato e progressivo de Vichy. Com ácido hialurônico, peptídeo e água vulcânica de Vichy, o H.A. Filler repõe até 100% da perda diária do ácido hialurônico na pele.

Vichy está empenhada em obter cada vez mais conhecimento sobre a Ciência do Expossoma da Pele que estuda o efeito cumulativo da combinação de exposições ambientais, comportamentais e hormonais capazes de influenciar a condição da pele e acelerar seu envelhecimento.

Testado dermatologica e oftalmologicamente, o sérum H.A. Filler preenche a pele do rosto e dos olhos com uma fórmula dermatológica com eficácia antirrugas. Logo no primeiro dia de uso, é possível perceber um efeito preenchedor e de melhora na elasticidade da pele. Com duas semanas, as rugas são visivelmente reduzidas em 14% e as linhas finas em 19%³. Com o uso contínuo em 6 semanas, os resultamos são ainda mais impressionantes, o novo sérum HA Filler da Vichy reduz em 47% as rugas e em 60% as linhas finas.

Com uma textura leve e aquosa, o sérum possui rápida absorção deixando um toque macio. Sua embalagem contém um aplicador inovador, que garante alta precisão e liberação na dose exata de produto a ser aplicada, além de impedir que o produto entre em contato com o ambiente externo. Por conta dessa embalagem, o produto é super fácil de usar. Basta usar diariamente, pela manhã e à noite, colocando duas a três gotas na palma da mão, espalhando e massageando no rosto e contorno dos olhos.

A fórmula de eficácia visível e potente, traz 1,5% de ácido hialurônico, sendo 1% de baixo peso molecular para reduzir rugas e linhas finas, e 0,5% de alto peso molecular para melhorar o volume e hidratação da pele. Essa fórmula, além de não conter perfume, silicone ou álcool, é associada ao peptídeo, que contribui para a eficácia anti-idade e promove efeito tensor imediato, e a água vulcânica de Vichy, rica em 15 minerais essenciais, que fortalece as defesas naturais da pele.

Vichy, o expossoma da pele e o ácido hialurônico

A condição da pele é definida não apenas pela genética, mas também por uma combinação de múltiplas influências de exposição: ambientais, comportamentais e hormonais. E, acima de tudo: é o seu efeito cumulativo que pode perturbar as funções biológicas da pele e acelerar o seu envelhecimento.

Em 2016, Vichy transformou essas descobertas na Ciência do Expossoma da Pele, que levou a marca a desenvolver uma abordagem multidisciplinar da dermocosmética, combinando a dermatologia com outras áreas médicas como endocrinologia, nutrição, psicologia, neurociências e medicina ambiental. Tal abordagem permite à Vichy solucionar efeitos visíveis de certas disfunções da pele através de produtos com eficácia testada em condições de vida real. Além de pesquisas internas e colaborações com especialistas internacionais que realizamos, também apoiamos pesquisas externas sobre o impacto do expossoma na pele por meio Expossoma Grant, bolsa de pesquisa para promover cientistas de todo o mundo que trabalham com a ciência do expossoma da pele.

Nossa visão é que tudo o que acontece na sua vida tem impacto na sua pele. A ciência por trás disso é a ciência do Expossoma da pele, um território médico único que defendemos há 30 anos, através de muitas pesquisas. Além das pesquisas internas e colaborações com especialistas internacionais que realizamos, também queremos apoiar pesquisas externas sobre o impacto do expossoma na pele. Esta é a razão pela qual criamos há 5 anos o Expossoma Grant, bolsa de pesquisa para promover cientistas de todo o mundo que trabalham com a ciência do expossoma da pele

Produzido naturalmente pelo corpo, o ácido hialurônico é encontrado em quase todos os tecidos, mas sua maior reserva encontra-se na pele, representando 50% de toda a substância no corpo. Na epiderme, retém a água presente na pele, garantindo boa hidratação, suavizando linhas de expressão e rugas. De acordo com novas pesquisas, o expossoma – raios UVB, cigarro e falta de sono, por exemplo – agrava as rugas ao acelerar o esgotamento do ácido hialurônico da pele. Também contribuem, indiretamente, os raios UVA e infravermelhos, partículas poluentes, calor ou frio, que aumentam a produção de radicais livres que, por sua vez, degradam o ácido hialurônico da pele fazendo com que ela perca sua elasticidade, fique menos firme e com rugas e linhas de expressão aparentes.

“Sabemos que a condição da pele é definida não apenas pela genética, mas também por uma combinação de múltiplas influências. E, acima de tudo, sabemos que é seu efeito cumulativo que pode agredir a pele e acelerar o envelhecimento”, explica Renata Guberfain, diretora da Vichy Brasil.

Converse com seu dermatologista para incluir essa inovação na sua rotina de skincare e saber mais a respeito! O Sérum Anti-idade H.A. Filler de Vichy está disponível em embalagem de 30ml pelo preço sugerido de R$ 199,00 nas grandes farmácias e e-commerces de todo o Brasil. No site DermaClub também é possível encontrá-lo e, ainda, acumular pontos que podem ser trocados por produtos de Vichy e demais marcas da divisão de cosmética ativa da L’Oréal Brasil. Clique aqui e entenda como funciona.

Como cuidar da saúde e beleza das unhas – especialmente durante a pandemia

O uso de esmalte sem pausa pode predispor a infecção das unhas por fungos, além disso pode gerar enfraquecimento e ressecamento. Como durante a quarentena muita gente não está esmaltando as unhas, essa pode ser uma das boas práticas nesse momento. Mesmo com a reabertura gradual das atividades, muitas pessoas ainda não se sentem confortáveis para frequentar salões de beleza.

“A quarentena é um excelente momento para fazer esse ‘detox’. Sem dúvida, o uso contínuo de esmaltes deixa as unhas fracas e aumenta a probabilidade de desenvolver alguma micose. Quando ficamos com esmalte continuamente não conseguimos hidratar a placa ungueal, isso torna as unhas mais frágeis e quebradiças. Os fungos, que causam as micoses, são oportunistas e se proliferam em ambientes úmidos e abafados. Com o uso contínuo de esmalte, nós, de certa forma, abafamos as unhas e ficamos mais vulneráveis a essa doença, independente da cor do esmalte que é usada. As mais escuras tendem a deixar a unha amarelada”, explica a dermatologista Fabiana Seidl, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Freepik

A médica sugere aproveitar esse período para deixar as unhas ao natural. “Na quarentena sugiro deixar sem esmalte ou base, hidratar a placa ungueal e as mãos com frequência. Existem hidratantes específicos para mãos e para as unhas no mercado, mas podemos usar óleo de amêndoas, por exemplo, que cumpre muito bem a função de hidratar”, detalha Fabiana.

As unhas devem ser mantidas bem cortadas, lixadas e devemos evitar tirar as cutículas, que são uma proteção contra a entrada de micro-organismos na pele envolta das unhas. “As cutículas geralmente incomodam quando estão ressecadas, por isso reforço que a hidratação das unhas é importantíssima. Pode-se empurrar gentilmente as cutículas e aquelas que estiverem incomodando podem ser retiradas com cuidado com alicate. Não recomendo unhas compridas, nem mesmo higienizando corretamente, pois acabam funcionando como um reservatório para vírus, bactérias e fungos”, destaca.

Já a dermatologista Roberta Almada lembra que mulheres grávidas devem ter cuidados adicionais. “ Há poucos estudos e informações sobre a segurança das substâncias químicas utilizadas neste procedimento durante a gestação e seus efeitos no feto. Portanto, sempre será mais seguro evitar a aplicação do esmalte em gel nesse período. Vale ressaltar que, embora pareça ser um procedimento inofensivo, a Sociedade Brasileira de Dermatologia contraindica o uso de unha em gel durante a gravidez”, explica.

Substâncias químicas podem gerar processos alérgicos ou outras complicações. “Procure esmaltes livres de dibutilftalato, tolueno e formaldeído. Esses componentes podem estar presentes em diversas marcas de esmaltes e devem ser evitados durante a gestação. A exposição a esses ativos pode ser tóxica ao bebê, e existe um risco, apesar de pequeno, de defeitos no desenvolvimento fetal. Além de serem potenciais irritantes para pele e mucosa da mãe”, detalha Roberta, que também é membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Fabiana Seidl dá seis dicas para manter as unhas sempre saudáveis e fortes nesse momento:

=Evitar o uso de acetona. Prefira removedores de esmalte sem acetona;
=Hidratar constantemente a placa ungueal;
=Manter alimentação diversificada e balanceada;

Foto: Anastasia Gepp/Pixabay

=Usar luvas para manipular produtos químicos e lavar louças, caso mexa muito com água;
=Manter as unhas bem cortadas e lixadas;

=Não fazer uso de nenhum tipo de unha artificial.

Fontes:
Fabiana Seidl dirige a clínica de dermatologia no Rio de Janeiro. Possui residência médica em clínica médica pela UERJ; Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia -Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica; Título de especialista em clínica médica- Dermatologista formada pelo Instituto de Dermatologia Prof. Rubem David Azulay- coautora do livro “Doenças da unha” ( de Robertha Nakamura e Robert Baran).
Roberta Almada fez residência médica em Dermatologia UNISA/SP. Possui título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia; Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia,
da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da Sociedade Americana de Dermatologia; Especialização/fellow em Cirurgia dermatológica pela Universidade São Paulo-USP.

Kombucha Supernova é lançamento da Interfood

Importadora investe em bebidas funcionais e naturais

Atendendo a demanda do mercado e a mudança no perfil de consumo, a Interfood ingressa no negócio de bebidas funcionais com o lançamento da marca de kombuchas Supernova, chá fermentado probiótico que ficou famoso entre os amantes de alimentos naturais e saudáveis.

Esta bebida originária da China tem como base o chá verde com adição de frutas, especiarias, flores e/ou outros chás e probióticos. Ela é fermentada na presença de leveduras e bactérias chamadas Scoby. É considerada uma bebida funcional, faz muito bem para a saúde, é detox e antioxidante, além de ser livre de glúten, lactose e alergênicos. A Supernova é encontrada em embalagem PET livre de BPA, reciclável e que se decompõe em até seis anos.

Bebidas funcionais exercem alguma função extra no organismo como a melhora na saúde ou prevenção de doenças. Alguns exemplos são águas especiais (adicionada de sais ou saborizadas), bebidas fermentadas como kombucha e kefir, cafés distintos como o cold brew, chás, leites vegetais, probióticos (iogurtes) e sucos prensados a frio. Desta forma, a Supernova ingressa em um mercado bastante variado, natural, focado em saúde e no meio ambiente.

Disponível em dois sabores – Hibisco com maracujá e Mate com limão e gengibre – as garrafas de 300 ml estão à venda na rede Pão de Açúcar, na loja digital Todovino e em lojas naturais por todo o país.

Fonte: Interfood

Confira alguns benefícios do açafrão para a dieta e saúde

Especiaria é boa fonte de substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias

O açafrão, também conhecido como açafrão-da-terra, tem um número elevado de propriedades anti-inflamatórias. A principal responsável por essa ação é a curcumina, o pigmento que dá a cor amarelo-ouro à cúrcuma. “Essa especiaria também atua como medicamento natural e fitoterápico, um poderoso suplemento alimentar e dietético”, diz a endocrinologista e nutróloga Gabriela Abdo Camargo, da Clínica Leger.

A médica também garante que o açafrão traz benefícios à saúde, no suporte ao tratamento de inúmeras doenças clínicas e crônicas como artrite, diabetes, colesterol, hepatite e até malária. “Um dos seus principais compostos ativos é a curcumina. O seu mecanismo de ação anti-inflamatória age na cascata do ácido araquidônico, também conhecida como cascata da inflamação, inibindo as moléculas envolvidas no processo inflamatório. Esta inibição se dá de forma modular e envolve diversos fenômenos biológicos que interferem nas ativações celulares e nos sinalizadores moleculares, denominando a atividade terapêutica anti-inflamatória”, completa.

Se você ainda não se convenceu do poder desta rica especiaria, a endocrinologista Gabriela Abdo Camargo lista os principais benefícios do açafrão para a dieta e saúde e, como incluí-lo no cardápio:

Reduz a inflamação no organismo – usada na culinária indiana, o extrato de cúrcuma (ou açafrão-da-terra) é um tempero com propriedades anti-inflamatórias. Estudos mostram que essa substância aumenta a resistência das células aos danos oxidativos, além de reduzir os processos inflamatórios no organismo. O consumo desse extrato ainda inibe o crescimento de bactérias, parasitas e fungos, que provocam doenças.

Protege o coração – açafrão evita o acúmulo de colesterol “ruim”, o que protege o coração e evita que você tenha um ataque cardíaco ou derrame. Além disso, a ciência descobriu que a curcumina reduz o risco de insuficiência cardíaca.

Evita envelhecimento precoce – muitos estudos indicam que essas propriedades encontradas no açafrão são atribuídas principalmente aos carotenoides – crocina e safranal – com propriedades antioxidantes e coletores seletivos de radicais livres.

Pixabay

Evita o diabetes – essa poderosa substância também pode prevenir o diabetes em desenvolvimento. Um estudo, feito com pré-diabéticos, incluiu o extrato de curcumina na dieta por nove meses. Um grupo realmente consumia o açafrão e o outro não. Ao final da pesquisa, nenhum dos indivíduos que recebeu as doses de curcumina desenvolveu o diabetes tipo 2.

Como incluir o açafrão no cardápio – “Na dieta use o tempero em pó à vontade em sopas, pães, bolos, biscoitos, omeletes, tapiocas, e também em aves, carnes e cozidos, legumes, arroz, feijão, ervilha etc. A versão em pó também pode ser utilizada em sucos e polvilhada em saladas e sopas. Mas vale lembrar que, o açafrão é contraindicado durante a gravidez, lactação e para crianças menores que quatro anos de idade”, finaliza a médica.

Fonte: Clínica Leger

Transplante de fezes pode ser o recomeço de uma vida

Procedimento, que consiste em colonizar novamente o organismo com bactérias saudáveis, traz mais qualidade de vida para autistas, depressivos e pessoas que tiveram a microbiota intestinal destruída pelo uso excessivo de antibióticos

O transplante de fezes é um dos assuntos abordados pelo farmacêutico, bioquímico e pós-doutor em microbiologia, Alessandro Silveira, em seu livro “O lado bom das bactérias – O poder invisível que fortalece sua defesa natural para ter uma vida mais feliz e longeva”, recém-lançado pela Editora Gente. Trata-se de intervenção externa empregada em casos específicos, por exemplo, quando o uso recorrente de antibióticos causou estragos permanentes às bactérias do intestino de um indivíduo. “A premissa do transplante de fezes é retirar todas aquelas bactérias prejudiciais e fazer uma nova colonização com a microbiota boa”, explica Silveira.

É preciso, antes de tudo, conforme diz Silveira, esclarecer a importância das bactérias boas presentes no organismo humano para o bom funcionamento do sistema imunológico. A microbiota intestinal, especificamente, é a responsável por formar uma barreira no órgão, que impedirá a ação de microrganismos nocivos capazes de gerar inflamações e doenças.

A alimentação saudável – restringindo industrializados e ultraprocessados, ricos em açúcar – é um dos fatores chave para alimentar as bactérias boas do organismo, que contribuem para a promoção de saúde. Entretanto, alimentar-se de maneira adequada e mudar o estilo de vida (ter bom sono, praticar exercícios físicos, evitar estresse etc.) exige mudança de hábitos e leva algum tempo para que ocorra a colonização por bactérias adequadas. Nesses casos o transplante de fezes é uma boa opção.

Antes de tudo, para realizar o procedimento, é necessário encontrar um doador. Ele precisa ter um perfil bacteriano específico. Não à toa, o mais comum é escolher familiares pois são pessoas cujo histórico de vida é conhecido ficando mais fácil atestar saúde. Mesmo assim, é preciso provar que tem a microbiota saudável. Se nasceu de cesárea ou parto normal, qual a dieta alimentar, o histórico de doenças, se exames detectaram hepatite, HIV, rotavírus, giardia e outras parasitoses, tudo isso será levado em conta para classificar a pessoa como um doador.

Dreamstime

O procedimento, apesar de simples, só pode ser realizado após indicação clínica e sob supervisão médica direta. Um dos modos de fazer o transplante é por meio de uma colonoscopia: as fezes do doador (preparadas por um microbiologista) são colocadas em um mixer e diluídas no soro e posteriormente borrifadas, por meio de uma seringa, nos intestinos grosso e delgado durante 30 minutos. Silveira informa que o procedimento apresenta resultados instantâneos.

Até por isso já é usado em muitos países como coadjuvante no tratamento de diversas doenças tais como obesidade, doenças crônicas, depressão, TDAH, autismo e obesidade, Na Europa, por exemplo, alguns consórcios já trabalham com banco de fezes. Por sua vez, no Brasil, este procedimento é autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas para tratamento de infecção por Clostridioides difficile, bactéria responsável por doenças gastrointestinais associadas a antibióticos, que variam desde uma diarreia até uma colite pseudomembranosa.

Entusiasta do transplante de fezes, Silveira defende o uso do procedimento no Brasil para tratamento de outras doenças, além das causadas pela Clostridioides difficile, assim como ocorre na Europa, por exemplo. Isso seria simples de ocorrer, desde que houvesse uma forte regulamentação, obedecendo critérios rigorosos para a seleção dos doadores. “Para doar sangue é preciso, inicialmente, responder um longo questionário e, depois de aprovado, passar por exames de sangue. Por que não podemos ter um protocolo semelhante para o transplante de fezes?”, indaga.

Silveira explica que, mesmo não sendo regulamentado pela Anvisa, o transplante de fezes não é proibido no Brasil, desde que seja recomendado e avalizado por um médico. O profissional conhece algumas pessoas que fizeram e obtiveram bons resultados com o procedimento. É o caso de um amigo médico neurologista, que já defendia a utilização do intestino como ferramenta de intervenção para problemas neurológicos, e decidiu avaliar os benefícios do transplante de fezes em si próprio, com o aval de seu gastroenterologista.

O neurologista apresentava sintomas relacionados a uma microbiota doente, tais como insônia, TDAH, síndrome intestino irritável e resistência insulínica – apesar de não ser diabético, sua glicose em jejum era alta. Fez inúmeras tentativas para diminuir a inflamação intestinal, tais como a prática de atividade física e a ingestão de alimentos probióticos e prebióticos, nenhuma intervenção foi bem-sucedida.

Sabia que o seu problema era o microbioma, porque o seu histórico de vida apontava para isso. Seu parto fora realizado por cesárea, na infância havia consumido muitos antibióticos para combater constantes inflamações de ouvido e seus refluxos foram sempre combatidos por altas doses de Omeprazol. Tudo isso fez o neurologista optar pelo transplante de fezes, que resultou, segundo ele, em uma inversão inacreditável de seu microbioma. Além da inflamação diminuir, seu intestino começou a funcionar normalmente, o sono melhorou, a glicose voltou o lugar e sua mente ficou mais focada.

Não obstante os ótimos resultados, Silveira pondera que o transplante de fezes não pode ser visto como uma salvação milagrosa. Conforme o autor do livro “O lado bom das bactérias”, o procedimento funciona como se a pessoa estivesse reiniciando o sistema operacional do computador. “A transferência de bactérias vivas traz um resultado efetivo, mas fugaz. Trata-se de uma estratégia para ser empregada em momentos pontuais, mas não se pode e nem deve depender dela para uma vida mais saudável”, afirma. Nesse sentido, o procedimento é uma nova chance para rever e mudar os hábitos cotidianos. “Somente adotando um estilo de vida mais saudável será possível obter resultados duradouros”, garante.

Sobre Alessandro Silveira

Graduado em Farmácia-Bioquímica pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), doutor em Ciência Médicas pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e pós-doutor em Análises Clínicas, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Atualmente é professor titular de Microbiologia Clínica para os cursos de Medicina, Farmácia e Biomedicina da Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), em Santa Catarina.

Desempenha, ainda pela FURB, as funções de consultor técnico de Microbiologia Clínica e Bacteriologia Clínica e coordenador do curso de Especialização em Bacteriologia Clínica. Atua também como coordenador de Microbiologia Clínica da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM), gestor da Microbiologia do Ghanem Laboratório de Joinville e consultor de Microbiologia Clínica e Molecular na DASA. Suas linhas de pesquisa incluem a análise metagemônica do microbioma intestinal e a detecção da diminuição da susceptibilidade de Staphylococcus aureus à vancomicina.

O lado bom das bactérias
Autor: Alessandro Silveira
Subtítulo: O poder invisível que fortalece sua defesa natural para uma vida mais feliz e longeva
Formato: 16cmx23cm
Editora: Gente
Páginas: 192
Preço de capa: R$ 44,90

Celebre o Dia Mundial do Whisky com Jim Beam

Aproveite a data para preparar diferentes drinques com o Bourbon número 1 do mundo

Para comemorar o Dia Mundial do Whisky, celebrado sempre no terceiro sábado do mês de maio, Jim Beam, bourbon número 1 em vendas no mundo, ensina a preparar drinques clássicos para aproveitar a data.

Com cinco rótulos disponíveis no mercado brasileiro – Jim Beam, Jim Beam Black, Jim Beam Honey, Jim Beam Fire e Jim Beam Rye – cada um apresenta peculiaridades, aromas e sabores distintos, que traduzem o espírito da marca, da tradição de uma família que está há sete gerações no comando da destilaria, no Kentucky, EUA.

O que define um bom whisky não é a sua idade. A maturidade e o material do barril em que é destilado são mais importantes, ou seja, o processo de fabricação se sobressai ao tempo. Para ser considerado bourbon, o líquido precisa ser produzido nos Estados Unidos, conter no mínimo 51% de milho, ser envelhecido em barril de carvalho virgem, e envasado sem interferências.

Confira as receitas preparadas com a série completa de Jim Beam e aprecie com moderação.

Jim Beam Highball

Ingredientes:
50 ml de Jim Beam
150 ml de água tônica
1 fatia de limão siciliano
Modo de preparo:
Em um copo alto de Highball coloque Jim Beam, uma fatia de limão sciliano e complete com tônica e gelo.

Jim Beam Honey & Lemonade

Ingredientes:
15 ml de Jim Beam Honey
60 ml de suco de limão siciliano
¼ de limão siciliano
Club Soda
Modo de preparo:
Em um copo alto de highball, coloque os quatros ingredientes e mexa.

Jim Beam Rye Perfect Manhattan

Ingredientes:
60 ml de Jim Beam Rye
15 ml de vermute tinto
10 ml de vermute seco
2 dashs de Angostura
coin de laranja (isso é uma tampinha da casca da laranja)
Parafernália para misturar (mixing glass, bailarina etc.)
Modo de preparo:
juntar os ingredientes no mixing glass. Acrescentar gelo e mexer .
passar o líquido sem o gelo para uma taça previamente gelada.
aromatizar com um coin de laranja Bahia e servir junto com o coquetel

Old Fashioned

Ingredientes:
45 ml de Jim Beam Black
2 gotas de bitter Angostura
1 cubo de açúcar (ou 10 ml de xarope simples)
Lances de água mineral
1 fatia de laranja ou cereja fresca
Modo de preparo:
Ponha o cubo de açúcar em um copo baixo e hidrate com o bitter e a gotas de água. Macere. Encha o copo com gelo e coloque o uísque. Misture levemente. Finalize com uma fatia de laranja, um twist de casca de laranja ou com uma cereja.

Great Beam on Fire

Ingredientes:
45 ml de Ginger Ale
15 ml de Jim Beam Fire
¼ de limão
Modo de preparo:
Misture todos os ingredientes em copo de Highball com gelo, enfeite com uma rodela de limão

Prepare o Bolinho no Pote e curta o fim de semana com a criançada

Treloso ensina a fazer uma receita especial para os dias de descanso

O clima fica mais leve e agradável durante o fim de semana, que pode se tornar mais gostoso com receitas que deixam a hora da refeição mais animada. Para inspirar você, Treloso, marca de biscoitos e bolinhos infantis da Vitarella, ensina como fazer Bolinho de Pote, uma delícia que vai conquistar crianças e adultos.

Gostou da dica? Confira abaixo a receita completa:

Bolinho no Pote

Ingredientes:

Pote 1
1 unidade de Bolinho Treloso de baunilha
100 g de brigadeiro preto mole
50 g de brigadeiro branco mole

Pote 2
1 unidade de Bolinho Treloso de chocolate
100 g de doce de leite
50 g de doce de leite

Modo de preparo:

Pote 1
No pote, comece com uma camada de bolinho sabor baunilha, depois, uma de brigadeiro preto, outra de brigadeiro branco e, por último, decore e bolinho.

Pote 2
No pote, comece com uma camada de bolinho sabor chocolate, doce de leite, doce de leite e, por último, decore com e bolinho.

Fonte: Treloso/Vitarella

Delicioso bolo formigueiro para aproveitar o fim da semana

Zabet ensina uma irresistível receita de Bolo Formigueiro de Laranja com Palitos

Um bolo sempre cai bem, seja no café da manhã ou lanchinho da tarde. Então, para te ajudar a tornar o momento de descanso ainda mais gostoso, Zabet, marca de biscoitos da M. Dias Branco, ensina como preparar um Bolo Formigueiro de Laranja com Palitos, uma adaptação de uma receita já adorada por muitos, que ficou ainda melhor e irresistível.

Confira a receita completa e aproveite essa delícia com a família:

Bolo Formigueiro de Laranja com Palitos

Ingredientes:

Massa
3 ovos
1 xícara (chá) de açúcar
2 colheres (sopa) de margarina sem sal
¼ xícara (chá) de óleo
1 xícara (chá) de suco de laranja
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 colher (chá) de raspas de laranja
1 embalagem de Palitos Zabet (70 g), cortados em 4 partes

Calda
1 xícara (chá) de açúcar
½ xícara (chá) de suco de laranja

Modo de Preparo:

Bolo
No liquidificador, bata os ovos, o açúcar, a margarina, o óleo e o suco de laranja. Transfira para uma tigela e misture a farinha de trigo, o fermento em pó e as raspas de laranja. Mexa bem e acrescente os palitos. Despeje a massa em uma fôrma de furo central (20 cm de diâmetro x 9 cm de altura), untada e enfarinhada. Asse em forno médio (180 °C – 200 °C), preaquecido, por cerca de 30 minutos ou até que ao espetar um palito, ele saia limpo.

Calda
Em uma tigela, coloque o açúcar e, aos poucos, junte o suco de laranja, mexendo bem, até obter uma calda grossa. Desenforme o bolo e regue-o com a calda.

Rendimento: 10 porções

Fonte: Zabet