Cabelos: como lidar com as alterações que a menopausa traz

Tricologista alerta para o cuidado com a alimentação e suplementação nutricional para a diminuição as alterações e perdas de cabelos

A menopausa é um momento importante da vida das mulheres. Não apenas pelas mudanças significativas no padrão endócrino que até o início do climatério se mostrava mais regular, mas também porque acompanha outras mudanças que são significativas no sentido da fisioanatomia geral do organismo. O médico e tricologista Adermir Leite Junior aponta que entre as alterações nessa fase da vida da mulher “Cabelos secos, quebradiços, distróficos, eflúvio telógeno crônico, alopecia androgenética e alopecia senil são frequentes e os cuidados para manter a qualidade dos fios e reduzir o risco de perda capilar passa pela alimentação”.

Getty Images

Especialista na área tricológica há mais de duas décadas, Leite Junior cita um dos estudos onde as informações são esclarecedoras e ajudam a explicar essa associação. “Em um artigo publicado no periódico Menopause Reviews (2016), a médica Goluch-Koniuszy deixa claro o quanto a dieta é fundamental para a manutenção da saúde capilar. Partindo de uma base simples, a de que muitos alimentos têm nutrientes essenciais para a produção de hormônios esteroides, assim como para a formação de fios com boa estrutura proteica. Dentre os compostos que devem estar presentes nos alimentos para uma boa saúde capilar, os aminoácidos sulfurados, como a cisteína e a metionina, são precursores de queratina e estão em maior destaque. A L-Lisina ajuda a saúde da pele e da região do folículo piloso, conhecida como bainha radicular interna, responsável pela forma e volume dos cabelos”.

Ele ressalta o quanto uma dieta com compostos essenciais durante toda a vida é benéfica para manter a saúde capilar e que, durante a menopausa, essa alimentação não pode ser esquecida, mas, ao contrário, incrementada. O médico complementa ainda que no estudo a autora elenca duas recomendações:

– Alguns minerais são importantes para o crescimento capilar: zinco, ferro, cobre, selênio, silício, enxofre, magnésio e cálcio.

– Ajudam na saúde do cabelo: vitamina C, vitamina A e vitamina do complexo B.

Foto: Jeltovski

Sobre os polifenóis, a autora lembra que os flavonoides, classe de polifenóis mais estudada em mulheres na menopausa, são importantes antioxidantes. Neste grupo encontram-se as flavononas, flavonas, isoflavonas e as antocianinas. Na superfície da pele, essas substâncias agem com antirradicais livres e, nas porções mais profundas da pele, agem como protetoras contra as radiações ultravioletas. Também melhoram a circulação sanguínea, o que acaba por contribuir para a saúde dos cabelos, além de algumas agirem como fitormônios, podendo contribuir com a atividade das células da papila dérmica e da matriz dos folículos pilosos.

O tricologista destaca ainda que “os flavonoides do chá verde estimulam o crescimento dos cabelos por aumento da fase de anágena, a de maior atividade na raiz dos cabelos. Alguns flavonoides podem inibir a enzima 5-alfa-redutase, que tem papel importante no surgimento da calvície masculina e feminina, como é o caso do Saw palmetto, também conhecido como Serenoa repens”.

Alguns alimentos já são velhos conhecidos por aliar sabor e benefícios. É o caso do chocolate com cacau 70% ou mais, e vegetais/frutas em geral, que no estudo são apontados como boas fontes de flavonoides, e entram como sugestão alguns bem conhecidos no Brasil e que o médico considera de fácil integração na dieta: cebola, tomate, pimenta, pimentão brócolis, frutas vermelhas, maçã, frutas cítricas, uvas e grãos que, em geral, também são ricos em flavonoides.

“É muito importante lembrar que uma boa alimentação é a base de uma boa saúde. No caso dos cabelos, em especial das mulheres na menopausa, os cuidados com a alimentação são importantíssimos para que alterações de qualidade e quantidade de fios não sofram interferência. O processo de aging capilar, já descrito na literatura médica, não está apenas vinculado ao embranquecer dos fios, mas também às mudanças de estrutura que os fios desenvolvem, assim como ao surgimento de alopecias de severidade variada”, explica o tricologista.

Além da alimentação e suplementação nutricional, ele lembra que cuidados medicamentosos e cosméticos podem ser fundamentais para a boa saúde e manutenção dos cabelos, principalmente quando a mulher já tem predisposição à perda capilar ou sofre com outras patologias que, de certa forma, podem causar perda de cabelos direta ou indiretamente.

Fonte: Ademir C. Leite Jr. é médico, Presidente da Academia Brasileira de Tricologia. É certificado como Tricologista pela Internacional Association of Trichologists (IAT). Membro e diretor da IAT. Palestrante internacional e diretor da Classe nica HTRI e do CAECI onde ministra cursos em Tricologia. Autor de vários livros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s