De que forma a saúde mental em tempos de Covid-19 afeta nossa pele

A esta altura, você não deve aguentar mais termos como “novo normal”. Mais estressada do que nunca, sua saúde mental tem alta relação com a do tecido cutâneo

É possível que você já esteja cansada de ouvir, ler e falar sobre o caos: do exausto “tempos incertos” ao ainda mais gasto “novo normal”, tudo nos bombardeia com incertezas e estresse constante, confirmando que o mundo, à falta de melhor expressão, está mesmo de pernas para o ar. Mais ansiosa e estressada que nunca, é possível que a sua pele esteja colhendo esses frutos. “A saúde mental e as doenças dermatológicas estão claramente associadas. Há uma ligação entre pele e mente que se explica pelo fato de existir uma origem biológica comum entre o sistema nervoso central e a pele”, afirma Roberta Padovan, médica pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética.

Pixabay

“Podemos dizer que a pele é como um sensor, que estabelece plena ligação entre o mundo externo e o mundo interno, reagindo de forma mais ou menos acentuada às emoções despertadas por diferentes estímulos”, acrescenta. Intimamente ligadas, mente e pele vão assim influenciar-se mutuamente – e essa relação é mais complexa e profunda do que podemos imaginar.

De acordo com a médica, a pele é um órgão amplamente visível, com uma função de comunicação e integração social. Dessa forma, diferentes doenças cutâneas afetam seriamente a nossa autoimagem, o que por si só já origina ansiedade, depressão e consequentemente a alteração da qualidade de vida. “Mas também sabemos que o estresse é um fator preocupante, inclusive relacionado ao desencadeamento de algumas doenças dermatológicas, como a acne, a rosácea, a psoríase, a dermatite atópica, a alopecia, o prurido e até mesmo o envelhecimento, com aparecimento de rugas”.

A explicação para isso passa pelos hormônios. “A adrenalina e hormônios como cortisol e prolactina, que são produzidos em momentos de estresse, potencializam o estado inflamatório persistente no tecido cutâneo, o que faz com que nossas células tenham longevidade e atividade diminuídas. O resultado é a aceleração do envelhecimento biológico, com o surgimento precoce de rugas e linhas de expressão, e o desenvolvimento de doenças cutâneas como acne e rosácea”, diz a médica.

Segundo o estudo “Brain skin connection: stress, inflamation and skin aging”, publicado no periódico Inflamm Allergy Drug Targets em 2014, o estresse leva à liberação de cortisol e, cronicamente, isso causa atrofia cutânea, redução do número de fibroblastos e diminuição do colágeno e elastina.

“Também há uma maior liberação de adrenalina e isso causa menor reparação aos danos ao DNA celular pelo processo de envelhecimento. O estresse emocional está ligado à redução dos mecanismos de adaptação ao estresse oxidativo (causado por agressores ambientais e hábitos como má alimentação e cigarro) aumentando a geração de radicais livres que também acentuam o envelhecimento da pele”, diz Roberta.

“Além disso, uma parte dos cromossomos, os telômeros, se encurtaria pelo estresse crônico: e o encurtamento dos telômeros é levantado como causador do envelhecimento por reduzir a função das mitocôndrias que geram energia para as células e por aumentar a produção de radicais livres”, completa a médica. Além disso, existe uma resposta exagerada dos nossos vasos cutâneos à liberação de determinadas substâncias do estresse.

Vários estudos também dão conta que o estresse aumenta a produção natural dos corticoides, facilitando a atrofia da pele e a perda de colágeno. “Ocorre também um déficit na circulação, acelerando o envelhecimento que culmina com a queda da imunidade da pele e sua capacidade de reparo e barreira — isso potencializa a ação dos agressores externos”, explica a Dra. Roberta.

O melhor meio de lidar com esses problemas é buscar ajuda médica. “Sabemos que o estresse provoca um desequilíbrio inclusive no microbioma da pele, que compreende os microrganismos que são nossos defensores. Por esse motivo, o médico pode ajudar indicando uma rotina de cuidados que conte com produtos mais suaves e menos abrasivos em um momento que essa pele precisa de um cuidado extra”, diz Roberta.

É fundamental reforçar a hidratação diária da pele, a fim de restaurar e manter o equilíbrio fisiológico da barreira cutânea”, aconselha. “Devem ser utilizados produtos de higiene suaves, com pH entre 4,5 a 5,5, e produtos cosméticos fáceis de espalhar, que não sejam muito espessos. Os produtos devem ser fáceis de espalhar, não irritantes, e com uma ação ao mesmo tempo emoliente, regeneradora, calmante, anti-inflamatória e descongestionante. Estes cosméticos aumentam muito o grau de tolerância da pele reativa, dando mais conforto, a curto e longo prazo, e melhorando a qualidade de vida”, finaliza a médica.

Fonte: Roberta Padovan é médica pós-graduada em Dermatologia. Graduada em Medicina pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) e especialista em Medicina Estética e Dermatologia pela Incisa. Com participação regular em congressos, jornadas e cursos nacionais e internacionais, a médica é proprietária de duas clínicas, no Maranhão e em São Paulo, com diversos tratamentos para saúde e beleza da pele. Além disso, atuou como médica residente no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s