Descubra se está se alimentando bem ou mal por meio dos sinais que o seu corpo dá

De cansaço à apatia, do envelhecimento precoce da pele à queda de cabelo, da baixa imunidade a disfunções intestinais, saiba o que seu corpo está dizendo sobre sua alimentação

Você já parou para pensar se a sua alimentação é realmente saudável? Existem alguns sinais que o organismo dá para facilitar nosso entendimento sobre isso. A desnutrição é uma situação clínica que ocorre pela ingestão ou absorção inadequada de nutrientes essenciais para satisfazer as necessidades energéticas para o funcionamento normal do organismo. É uma condição que pode se apresentar de várias formas, mais ou menos grave.

DailyCaring

“Nas crianças, idosos e gestantes, particularmente, pode trazer sérias consequências e em situações extremas levar até a morte. Não necessariamente acontece com quem come pouco. Comer demais alimentos que aumentam o perfil inflamatório do organismo e pobres em nutrientes também pode ser maléfico”, pondera a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

De acordo com a nutróloga, o primeiro sintoma de desnutrição geralmente é a perda de peso corporal, porém muitas pessoas com excesso de peso podem se apresentar desnutridas. “Entre os inúmeros sintomas que podem ser causados pela desnutrição estão: cansaço excessivo, dificuldades de concentração e memória, grave perda de peso, falta de apetite, redução da temperatura corporal, pele, cabelos e unhas frágeis, sinais de envelhecimento precoce ou acelerado, anemia, retenção de líquidos, disfunções intestinais, diarreia frequente, apatia e irritabilidade, baixa imunidade, má cicatrização das feridas, infertilidade e falhas no desenvolvimento intelectual (em crianças)”, destaca a médica.

Esses sinais podem aparecer por conta da falta de macronutrientes como proteínas e ácidos graxos essenciais, assim como de micronutrientes, como minerais e vitaminas. “O corpo também não tem capacidade de sintetizar minerais e vitaminas, portanto devem ser obtidos através da dieta. A falta deles pode ser responsável por esses vários sintomas de desnutrição”, explica.

“Só para citar alguns exemplos de disfunções causadas pela carência de nutrientes específicos, temos exemplos como: a anemia, pela falta de ferro ou vitamina B12; hipotireoidismo, pela deficiência de iodo; ou xeroftalmia, pela redução de vitamina A; e a sarcopenia pelo consumo insuficiente de proteínas”, destaca.

“As causas mais comuns da desnutrição ocorrem pela falta de acesso a alimentos, que pode ser causada por condições econômicas ou problemas no metabolismo ou absorção de nutrientes, como por exemplo, nos caso da diarreia, anorexia, diabetes, uso de medicamentos que diminuem a absorção de nutrientes, quimioterapia e ainda existem situações nas quais as necessidades de nutrientes estão aumentadas, como atividades físicas de alto rendimento e situações como febre alta, queimaduras e procedimentos cirúrgicos”, acrescenta.

Pinterest

Outra causa frequente de desnutrição é fazer dietas pobres em determinados nutrientes, como no caso de alguns vegetarianos ou quem faz uma redução calórica muito abrupta, com dietas da moda.

A médica explica que os nutrientes que mais frequentemente estão em falta nos casos de desnutrição são as aminoácidos e ácidos graxos essenciais, que são macronutrientes e os micronutrientes como ferro, zinco, cálcio vitamina A, vitamina B12, vitamina C, vitamina E e vitamina D. “Uma dieta adequada deve possibilitar a reposição, manutenção e reserva adequadas de nutrientes no organismo. Porém em muitas situações a indicação de suplementos alimentares deve ser indicada”, conta a médica.

Depositphotos

De acordo com a médica, existem algumas dicas e sugestões para um melhor aproveitamento dos nutrientes da dieta, especialmente dos vegetais e das frutas. “No caso das frutas e verduras, elas devem ser consumidas preferencialmente frescas, pois muitos nutrientes e compostos bioativos, como os antioxidantes, vão se perdendo com o tempo de armazenamento; outra dica é não desprezar a água utilizada para cozinhar os vegetais e aproveitá-la para preparar outros pratos”, diz Marcella.

Foto: RitaE/Pixabay

O cozimento de vegetais, preferencialmente, deve ser feito no vapor. Também é importante não submeter os alimentos a temperaturas muito altas e evitar bater alimentos no liquidificador com muita antecedência do consumo. “Por fim, conservar os alimentos de maneira adequada é fundamental. As orientações sobre a melhor forma de ter uma alimentação equilibrada, devem levar em consideração as condições e preferências individuais, para dessa maneira não apenas tratar, mas prevenir as consequências”, finaliza a médica nutróloga.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s