Arquivo mensal: novembro 2021

Até quando a mulher ainda precisa sofrer de abuso psicológico para obter o que lhe é direito?*

Várias foram as vezes que tive a tarefa de conquistar uma aposentadoria para clientes que relataram serem vítimas de abusos de natureza física e psicológica. Diziam-me que, com o benefício, poderiam finalmente viver sozinhas e não se submeterem mais a humilhações e agressões.

Para outras, infelizmente, não havia sequer alternativa a fim de que uma separação fosse mais sustentável, pois o marido, além de proibi-las de trabalhar, nunca sequer contribuiu à Previdência Social, não garantindo a estas nem mesmo uma aposentadoria.

Isso me faz lembrar da série “Maid”, cuja protagonista, Alex, enfrenta a dificuldade de se libertar de uma vida que foi sendo tolhida em razão da interferência de seu companheiro que minou seus sonhos, sua essência, sua autoestima e confiança.

O abuso psicológico é entranhado, mas não pouco corriqueiro na vida das mulheres. É um abuso emocional, existente nos círculos mais íntimos. As feridas de Alex não ficam visíveis por meio de hematomas, mas são profundas na alma e se tornam triviais, a ponto de nos acostumarmos com os estragos pouco conscientes em nossas mentes.

E daí surge o questionamento: “por que elas se submeteram a essa realidade e não procuraram autonomia, não saíram de perto do agressor”? Bem, porque há uma cultura patriarcal tão enraizada na sociedade e no interior dessas mulheres, por meio da educação passada ao longo dos anos, que elas, de fato, acreditam que não sejam capazes ou que não consigam mudar uma realidade na qual entendem já estarem predestinadas.

O contexto de obstáculos no Brasil

Foto: Unsplash

Segundo dados do último Anuário Estatístico da Previdência Social – AEPS, as mulheres são a maioria dentre os que se aposentam por idade, representando 64%, com benefícios em torno de um salário mínimo. Todavia, na modalidade por tempo de contribuição, em que os rendimentos são maiores, estas representam apenas 30% dos beneficiários. Nesse cenário, menos mulheres conseguem se aposentar, têm menos emprego e mais informalidade.

Em tal contexto, soma-se à dificuldade, além dos cuidados quase sozinhas com os filhos e o lar, a dependência das mulheres para com seus companheiros que, por muitas vezes, minam as possibilidades de estas ascenderem no mercado de trabalho, e, na hora de requerer uma aposentadoria, a dificuldade é grande.

Sem emprego ou vínculo empregatício formal, muitas mulheres se dedicaram aos afazeres domésticos. Em contrapartida, seus companheiros nunca contribuíram para a Previdência Social para que estas, no futuro, pudessem gozar de uma aposentadoria, sem usufruir, muitas vezes, de um mínimo de dignidade.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) também pode ser dificultado, visto que se deve comprovar miserabilidade econômica da família. Se a renda do companheiro já ultrapassa um salário mínimo, salvo em famílias mais numerosas, se torna impossível conquistar esse benefício para a mulher que nunca tenha recolhido previdência, ou por pouquíssimo tempo.

Como se não bastasse, de acordo com as rigorosas mudanças da mais recente reforma da previdência, também no benefício de pensão por morte, se o companheiro vier a falecer, a renda do benefício não será mais a de 100%, mas a de 60% da aposentadoria por invalidez que o falecido teria direito, caso não haja mais dependentes.

Ou seja, há uma desvantagem quase desumana para a mulher ter acesso a benefícios previdenciários e assistenciais e garantir uma vida digna. Um cenário de dependência econômica, diversas vezes acompanhada pela submissão psicológica e emocional. Por todo exposto, faz-se urgente que haja políticas públicas para que a desvantagem social e previdenciária feminina seja amenizada.

Processed with Focos

*Carla Benedetti é sócia da Benedetti Advocacia, mestre em Direito Previdenciário pela PUC-SP, associada ao IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), coordenadora da pós-graduação em Direito Previdenciário do Estratégia Concursos

Schraiber lança dupla de colônias que atuam em combinação com florais Saint Germain

Os produtos “2 em 1”, cuidam do corpo e da alma, em uma transformação de dentro pra fora na busca por equilíbrio e harmonia

Sentir-se bem é um ato de amor, de puro autocuidado. Num momento tão delicado do mundo, em que buscamos reequilibrar nossa autoestima, saúde e bem-estar, é indispensável fazer uso de produtos que estejam alinhados a esse propósito.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil segue como país mais ansioso do mundo desde 2017. Com a chegada da pandemia, esse quadro se agravou. O Ministério da Saúde realizou uma pesquisa durante os meses de abril e maio de 2020, quando as mortes pelo novo coronavírus aumentaram, e revelou que 8 entre 10 brasileiros estavam sofrendo de algum transtorno de ansiedade.

Por isso, após um longo período de pesquisa, a Schraiber – que fornece suplementos alimentares, probióticos, phytocosméticos e insumos homeopáticos há mais de 30 anos -, elaborou duas colônias que também atuam como florais e fazem parte da linha vegana da empresa, com o selo Cruelty Free and Vegan da PeTA (People for the Ethical Treatment of Animals).

Inovadoras, elas cuidam do corpo e da alma, em uma combinação com os florais Saint Germain, conhecidos por oferecer energias de alta potência vibratória, que ajudam no desenvolvimento da consciência humana, harmonizam os campos mentais e emocionais, e efetuam a conexão com o autoconhecimento.

A versão Deo Colônia Lavanda e Sândalo com florais Saint Germain de Autoestima é composta por aroma de flores, delicado, fresco e suave, proporciona relaxamento, paz e tranquilidade, buscando na intensidade das suas notas personalidade e fixação. Já os florais, atuam no poder pessoal e remetem à autoconfiança, trazendo energia e promovendo um momento de conexão com a natureza.

A Deo Colônia Jasmim e Bergamota com florais Saint Germain Antiestresse é composta com aroma exótico que desperta alegria, calma e aconchego. Os florais atuam de forma energética, entregando vitalidade, harmonia, bem-estar e equilíbrio.

Sugestão de uso: borrifar a deo colônia nas áreas de maior circulação sanguínea, como pulsos e nuca, para ter uma nota marcante e intensa.

Valor sugerido: R$ 64,90 cada

Onde encontrar: Loja Schraiber

Yes! Cosmetics lança linha de batom matte vegano inspirada em drinques famosos

São dez cores de coquetéis requintados e refrescantes para celebrar a primavera em grande estilo

As estações mais quentes do ano estão às portas, o clima primaveril já desponta em diversas partes do país e desperta cores exuberantes. Para celebrar a primavera em grande estilo, a Yes! Cosmetics, empresa com mais de 20 anos de atuação no segmento de beleza e cosméticos, apresenta a linha de batom matte, 100% vegana, com dez cores inspiradas em famosas bebidas: Libre, Daiquiri, Manhattan, Cosmopolitan, Margarita, Piña, Mojito, Bloody, Negroni e Pisco.

Além de remeter aos coquetéis, a seleção de cores agrada a todos os gostos, já que vai dos básicos tons de nude ao vermelho intenso, que nunca sai de moda, chegando aos marrons super marcantes. De fácil aplicação, os batons foram desenvolvidos a partir de fórmula enriquecida com complexo de ceras vegetais e contêm ácido hialurônico que auxilia na hidratação dos lábios, garantindo a durabilidade e o efeito matte sem ressecamento.

“É com muito orgulho que mais uma vez trazemos um lançamento vegano para a nossa marca, com uma linha completa de batom líquido matte, efeito que é muito estimado entre as mulheres, e que conta ainda com adição de ácido hialurônico. A fórmula contribui para uma hidratação profunda dos lábios enquanto expressa a cor desses famosos drinks”, ressalta Ketty de Jesus, sócia-fundadora e diretora de desenvolvimento de produtos da Yes! Cosmetics.

Os Batons Líquidos Matte estão disponíveis nas mais de 90 unidades da rede e no e-commerce da marca por R$ 34,90 cada.

La Fruta Açaí comercializa iguaria a R$ 0,99 até hoje

Em parceria com o iFood, até hoje, 29 de novembro, os clientes poderão comprar açaí por R$ 0,99, R$ 4,99 ou R$ 7,99

A Black Friday, data mais esperada pelos consumidores, está se aproximando e a La Fruta Açaí, rede de franquias especialista em açaí, anuncia que, em parceria com o iFood irá presentear o consumidor, com preços incríveis durante o mês de novembro.

Durante o mês de novembro, os consumidores que comprarem pelo iFood podem aproveitar os valores de R$ 0,99, R$ 4,99 e R$ 7,99. Esses valores estarão disponíveis na plataforma em dias alternados e os produtos participantes variam de 200ml a 300 ml e entre açaí puro ou com toppings especiais. “Participar dessa campanha é muito importante para o crescimento e fortalecimento da marca”, comenta Luis Demite, Diretor de Operações do Grupo LFB Franchising, detentor da marca La Fruta Açaí.

Esta não é a primeira vez que a marca participa de campanhas em parceria com o iFood, em agosto e setembro desse ano, a La Fruta Ação ficou como a primeira marca de açaí que mais vendeu em pedidos e a 6º marca no geral que mais tirou pedidos na plataforma.

Projeto verão: segredos para aumentar a massa magra e definir músculos

Algumas estratégias podem ajudar na construção muscular e elas vão desde a alimentação ao bom descanso

Ainda existe muita gente que faz atividade física, bate cartão todo dia na academia de musculação, mas se esquece que existem outras variáveis envolvidas no processo de hipertrofia muscular, com ganho de massa magra. “Precisamos entender o que gera a hipertrofia. Basicamente precisamos estar atentos a três fatores: ter uma boa alimentação, comendo a quantidade certa de proteínas, dormir pelo menos oito horas por dia e estimular bem os grupos musculares”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. “Além disso, os suplementos podem ser úteis nesse processo”, acrescenta.

Consumo de proteínas: quem pratica atividade física para ganhar massa magra certamente já ouviu falar que precisa inserir alimentos ricos em proteínas na dieta. “Isso é necessário, uma vez que os aminoácidos proporcionam o crescimento e a reparação de tecidos, e isso inclui a massa muscular. Esses nutrientes também atuam no metabolismo celular e na contração dos músculos”, afirma Marcella.

“Estudos mostram que para um ganho focado em hipertrofia deveremos ingerir 1,5g a 2g de proteína por quilo de peso corporal. Isso significa que, se você tem 80kg, deve ingerir no processo de hipertrofia entre 120g e 160g de proteína. Para dar um exemplo, um filé de frango tem em média 30g de proteína. Talvez você precise suplementar, mas consulte sempre um especialista. E não esqueça de incluir nessa conta as proteínas vegetais”, diz a especialista.

Com ferro e nitratos, o espinafre é uma boa opção vegana para aumentar o ganho de massa magra, pois é rico em proteína, vitaminas e minerais. “Fonte de proteína vegetal, o espinafre contém boas quantidades de vitamina K, vitamina C, vitamina E, Ferro, Fibras, Cálcio e vitaminas do grupo B”, diz a médica.

“A ervilha também é uma boa fonte de proteínas vegetais e ainda fornece muitas fibras. Com alta quantidade de aminoácidos essenciais, ideais para quem quer ganhar massa muscular, pois são necessários para a síntese proteica, a ervilha tem quantidades de aminoácidos essenciais comparáveis às proteínas de origem animal”, explica. Mas cuidado com os excessos: proteína demais, além de ter efeito catabólico (de diminuição da massa muscular), ainda pode fazer mal para os rins. Quer uma dica? Tente calcular o consumo diário ou use aplicativos de contagem de calorias e macronutrientes, já que eles podem dar uma boa ideia de como está a sua rotina alimentar.

Foto: Pop Sugar

Treinos: nas academias, o ideal é buscar exercícios que possam ser feitos com o máximo de peso (priorizando o movimento correto de exercício), buscando fazer a série até a falha, algo entre 8 e 12 movimentos. Também podemos contar com estratégias para quem treina com o peso do corpo: “No caso das flexões de braço e agachamentos, pode ser variado o estímulo, utilizando técnicas de ‘tempo’ e isometria, mantendo o músculo acionado por mais tempo”, explica. Em vez de simplesmente agachar e voltar ao normal, tentar segurar nessa posição por 20, 30, 45 segundos ou 1 minuto por ser mais eficiente. “Após o término do exercício também há a necessidade da ingestão de carboidratos para a reposição de glicogênio muscular e hepático”, diz a médica. Vegetais também são importantes, porque contêm vitaminas e minerais, que ajudam na recuperação do organismo depois dos exercícios.

ThinkStock

Sono: você já deve ter ouvido seu professor de academia enfatizar que “é no descanso que o músculo cresce”. “Dormir as oito horas por dia é indispensável”, explica. “Além de ajudar a manter a massa magra e regenerar as fibras musculares, o nosso organismo precisa desse descanso reparador para melhorar a resposta imune”, acrescenta a médica.

Suplementação: “O mais importante de tudo é saber que a suplementação não substitui a alimentação, ela serve justamente para complementar uma dieta. São preparações indicadas para complementar e adequar a dieta a uma nutrição que talvez esteja com uma carência de algum nutriente. Tem como principais funções: melhorar a performance de treino, aumentar a massa muscular, diminuir o percentual de gordura e diminuir a fadiga”, explica. Com relação à ajuda dos suplementos, as substâncias atendem três frentes importantes para a hipertrofia: 1) contribuem para construção muscular, por meio da oferta de nutrientes; 2) colaboram para a performance durante o exercício, oferecendo melhores condições, como mais energia e instigação para se exercitar; e 3) apoiam todo o processo, seja favorecendo o emagrecimento, melhorando a qualidade do sono, reduzindo a condição de estresse e melhorando a imunidade. “Em treinos normais, os suplementos permitem que o indivíduo execute treinos mais elaborados, com resultados mais rápidos e visíveis”, diz Marcella. Há vários disponíveis, com opções de origem animal (whey protein e albumina), vegana (proteína da soja, do arroz e da ervilha) e associações importantes como creatina monohidratada, que potencializa a reposição proteica, aumentando a massa muscular e força.

LMG

Para quem quer ganhar ainda mais músculos em áreas que teimam em não crescer, isso é possível com a ajuda da tecnologia do T Sculptor, um procedimento que contribui para o enrijecimento, fortalecimento e hipertrofia muscular e utiliza-se da tecnologia Hifem (High-Intensity Focused Electromagnetic), o que permite ao paciente fazer um treino muito mais forte e pesado do que ele conseguiria na academia.

“A tecnologia não invasiva, ao entrar em contato com a pele, gera um campo eletromagnético focado de alta intensidade capaz de estimular o músculo por meio de contrações contínuas e intensas. São realizadas até 36 mil contrações em cada sessão de 30 minutos, proporcionando assim hipertrofia muscular com consequente aumento do volume da musculatura, redução de gordura devido a ampliação do gasto calórico e, dependendo do protocolo realizado, até mesmo aumento da força muscular”, explica o dermatologista Abdo Salomão Jr., membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

De forma geral, os estudos mostram 19% de redução de gordura e 16% de aumento de massa magra com o tratamento. T Sculptor permite tratar ombros, braços, abdômen, coxas, glúteos e panturrilhas. “Enquanto ocorre a sessão, o paciente sente apenas uma contração muscular (sem fazer força)”, explica o médico. Os protocolos de redução de medida ou ganho de músculos são feitos em oito sessões, com intervalo mínimo de 48 horas entre elas.

Fontes:
Abdo Salomão Jr: Doutor em Dermatologia pela USP (Universidade de São Paulo). Sócio Efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Membro da American Academy of Dermatology (AAD), Sociedade Brasileira de laser em Medicina e Cirurgia e do Colégio Ibero Latino Americano de Dermatologia. Professor universitário, ministra aulas nos principais congressos nacionais da especialidade. Diretor da Clínica Dermatológica Abdo Salomão Junior.
Marcella Garcez: Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

O que acontece aos seios quando se para de usar sutiã

Como a pandemia do coronavírus continua em todo o mundo e com a incerteza sobre o que o “novo normal” acarretará, muitas de nós com seios temos uma certeza: eles estão finalmente livres. Sim, depois de muitos anos trancados em uma “prisão”, trabalhar e permanecer dentro de casa nos permitiu chutar nossos sutiãs para o meio-fio. O consenso parece ser que, se você não vai a lugar nenhum, não precisa usar sutiã. Apenas deixe esses bebês respirarem e fazerem suas coisas.

Mas, embora a vida sem sutiã seja confortável, ela levanta a questão: evitar meu sutiã afeta meu corpo de alguma forma? Respostas curtas de especialistas: sim e não. Então vamos desembrulhar isso, vamos?

Não usar sutiã fará com que meus seios caiam?

Para entender como os sutiãs afetam nossos seios, é importante entender como eles foram criados. De acordo com a empresa de roupas Hunkemöller, sediada em Amsterdã, os sutiãs podem ser datados de 2.500 aC, quando as mulheres usavam um cinto parecido com um espartilho que empurrava seus seios nus para cima. O primeiro sutiã moderno surgiu pela primeira ver na Feira Mundial de 1889, quando a inventora francesa Herminie Cadolle decidiu cortar o espartilho em duas partes, dando à parte superior as alças que conhecemos hoje.

Então, em 1913, Mary Phelps Jacobveio e aperfeiçoou o que a Cadolle havia começado, criando o tipo de sutiã mais usado que vemos hoje no mercado. Mas, embora essas inovações ao longo do tempo tenham sido criadas para manter os seios no lugar e criar a silhueta desejada, em nenhum lugar está escrito que foram feitas para evitar a flacidez. Provavelmente porque eles foram projetados principalmente com a estética em mente.

Como disse Mary Jane Minkin, professora clínica de obstetrícia e ginecologia da Escola de Medicina da Universidade de Yale, ao site Prevention, não há evidências de que os sutiãs evitem a flacidez. Tampouco o mito de que usar sutiã ao ir para a cama para manter os seios bem formados e empinados.

Sem músculos

Laura Tempesta, especialista em sutiãs e fundadora da grife Bravolution, ecoa esse sentimento, lembrando uma entrevista com o CEO da Platex, John Dixey, para um documentário chamado “Bras — The Bare Facts”, onde ele disse: “Não temos evidências de que usar sutiã poderia prevenir a flacidez , porque o seio em si não é um músculo, então mantê-lo tonificado é impossível. ”

“Seios erguidos são considerados atraentes em nossa cultura, por isso usar sutiã é um desenvolvimento cultural”, disse Laura à HelloGiggles. No entanto, tipos específicos de sutiãs, como os esportivos, foram desenvolvidos para funcionalidade, suporte e conforto durante o exercício. “Existem muitos estudos científicos que mostram a necessidade de usar um sutiã esportivo durante a atividade física.”

Um estudo feito pela professora Joanna Wakefield-Scurr, da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, descobriu que os seios podem pular até 21 centímetros durante o exercício. Esse salto resulta em dor nos seios em 50% das mulheres, não importa se elas usam 40 ou 48. Portanto, seja corrida, yoga ou qualquer outro exercício que possa empurrar seus seios, você definitivamente quer pegar seu sutiã esportivo – pelo menos para evitar dores após o treino.

O uso de sutiã não fará com que os músculos do peito cresçam?

Embora os seios sejam compostos principalmente de tecido adiposo, por baixo, contra a parede torácica, ainda existem ligamentos e o músculo peitoral. Por causa disso, o tamanho dos seios pode ser afetado pelos músculos abaixo. De acordo com a Reuters, o médico e professor de esporte francês Jean-Denis Rouillon, descobriu que quando as mulheres abandonam seus sutiãs, seus seios desenvolvem mais tecido muscular.

A razão para mais tecido muscular, observou ele, é porque os sutiãs enfraquecem os músculos, basicamente dando aos seios a chance de serem preguiçosos. “O sistema de suspensão da mama degenera”, disse Rouillon à Reuters. No entanto, seu estudo de 16 anos com 330 mulheres entre 18 e 35 anos não é exatamente verdadeiro para mulheres de meia-idade, tamanho grande ou que tiveram filhos.

Não usar sutiã aliviará a dor física?

Para algumas mulheres, usar sutiã o dia todo pode causar dores nas costas, no pescoço ou no peito. Um estudo de 2000 publicado na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, dos Institutos Nacionais de Saúde, descobriu que a pressão causada pelo uso de sutiã pode ser tão aguda que pode interromper seu ciclo de sono e ritmo circadiano – mesmo se você tirar o sutiã antes de dormir. “É essencial que os seios descansem adequadamente para se manterem saudáveis”, disse Heidi Lehmann, designer de sutiã Master da Vibrant Body Company, à HelloGiggles.

Como Lehmann explica, ficar sem sutiã dá um fôlego, das glândulas mamárias aos ombros, passando pelo pescoço e caixa torácica. E, considerando que um estudo de 2008 descobriu que 70% das mulheres usam sutiãs que são pequenos demais para elas, só faz sentido que isso possa resultar em dor. “Se você usar sutiã, procure um que restrinja e dê suporte minimamente sem aros”, diz Lehmann. Ou, melhor ainda, pare de adivinhar qual é o tamanho do seu sutiã e peça ajuda a um profissional.

“Há muitas pesquisas por aí que dizem que usar sutiã por longos períodos de tempo não é bom para você”, disse Helena Kaylin, fundadora da Mindd Bra Company, à HelloGiggles. “Além de pesquisas que falam dos benefícios para a saúde dos seios por não usar sutiã, como melhorar a circulação e reduzir a dor no pescoço, para muitas de nós é apenas mais confortável, principalmente em casa.”

De acordo com Helena, algumas pesquisas descobriram que sutiãs causam mais dor nas costas do que ficar sem sutiã – especialmente para mulheres com seios grandes. Em última análise, a dor nas costas causada por sutiãs difere de pessoa para pessoa. Mas se você está sentindo dor nas costas e não consegue identificar a causa de um sutiã que não se ajusta, considere consultar um médico.

Usar sutiã pode causar problemas de pele?

Para muitas pessoas, o suor dos seios é uma coisa real. Mas se seus seios suarem enquanto você usa um sutiã, ele cria uma barreira entre o peito e a parte de baixo do seio. Quando ficamos sem sutiã, essa pele contra pele combinada com o suor pode causar irritações na pele como o intertrigo.

“Intertrigo surge como resultado do contato próximo de duas superfícies da pele por um período prolongado de tempo”, disse Erum Ilyas, dermatologista à HelloGiggles. “Na área ‘inframamária’ (sob os seios, tanto para mulheres quanto para homens) essa prega de pele acumula calor e umidade que podem inflamar e começar a romper a pele. Isso também pode levar a uma infecção secundária”.

De acordo com o Breast Cancer Now, infecções fúngicas e intertrigo sob os seios são “muito” comuns e podem acontecer a qualquer pessoa com seios em qualquer momento de suas vidas. No entanto, quanto maiores os seios, maior a probabilidade de erupções na pele, simplesmente porque há mais espaço para o desenvolvimento de umidade. Além disso, quanto mais tempo houver umidade sob os seios, maior será a probabilidade de alguém desenvolver irritação.

Embora o intertrigo possa ser tratado com um esteroide tópico prescrito pelo seu médico ou mesmo colocando um sutiã de volta por alguns dias para que a pele possa secar, ele ainda pode ser desconfortável e causar coceira. Para algumas pessoas, porém, ter uma coceira e, talvez, um pouco de umidade sob os seios seja um pequeno preço a pagar por deixar seus seios livres da “prisão”. Se os sutiãs são, no final do dia, uma preferência cultural que tem muito menos a ver com dores e sofrimentos, então, talvez ficar sem seja algo que valha a pena considerar em longo prazo. Talvez seja hora de sairmos dessa pandemia balançando – literalmente – e nunca mais voltarmos aos sutiãs do dia a dia.

Fonte: Health

Tássio Santos e Avon dão dicas de maquiagem para pele negra

O maquiador Tássio Santos, também conhecido como @herdeiradabeleza, é expert em makes para peles negras, desde melhores técnicas e produtos até cartas na manga que fazem a diferença para quem busca uma produção incrível. A convite da Avon, ele divide suas dicas, super fáceis de aplicar. Confira:

O nude perfeito

Quem tem pele negra, em seus vários tons, sabe que é difícil encontrar o nude ideal. Vendo a cartela de tons do Batom Ultracremoso Avon FPS 15 (R$ 21,99), Tássio indica as cores Boca, Nude e Nude Essência como opções certeiras para mulheres de pele negra. Além de ser ultra hidratante e trazer maciez nos lábios, o produto contém Vitamina E, Óleo de Abacate, Óleo de Gergelim e FPS 15.

Batom Ultracremoso Avon FPS 15 Boca (R$ 21,99)
Batom Ultracremoso Avon FPS 15 Nude (R$ 21,99)
Batom Ultracremoso Avon FPS 15 Nude Essência (R$ 21,99)

Para trazer um pouquinho de cor

Tássio recomenda o Avon Power Stay Lip Tint (R$ 36,99) para quem quer apostar num look de mais destaque para a boca. “O mais legal do Lip Tint é que a gente consegue controlar a intensidade. Quem gosta de uma boca mais manchadinha, aplica menos e quem curte uma cor mais forte, passa mais vezes. Lembrando que a pigmentação dele pega superbem na pele negra”, explica. Em quatro cores e com acabamento matte acetinado, o tint não transfere, não deixa a sensação de lábios ressecados e dura por até 10h. 

Avon Power Stay Lip Tint (R$ 36,99)

Sombra que não precisa de pincel

A Avon Sombra Retrátil para Olhos (R$ 33,99) tem textura cremosa e alta pigmentação, com tons terrosos lindíssimos. “Perfeita para um esfumadinho rápido: aplique a sombra e esfume com o dedo mesmo. Não tem erro! Inclusive eu gosto de usar a sombra retrátil como primer por baixo de outra sombra para deixar o olhar mais intenso”, indica Tássio.

Avon Sombra Retrátil para Olhos (R$ 33,99)

Delineador que fica preto mesmo, não cinza

A Avon Power Stay Caneta Delineadora (R$ 42,99) garante delineado intenso com até 24 horas de duração. O produto é resistente à água, além de não transferir, borrar ou escorrer. “O risco de borrar é pequeno com esse delineador! A ponta é fina e bem firme, o que te dá precisão e segurança na hora de delinear. Ele também é muito pretinho, então quem tem pele negra não precisa se preocupar porque ele não fica acinzentado, sabe? Amei!”, diz Tássio.

Avon Power Stay Caneta Delineadora (R$ 42,99)

Postiços sem cola

“Quer efeito de cílios postiços sem saber colar? Esse primer resolve todos os seus problemas já que deixa os cílios mais longos e volumosos, além de aumentar a duração da máscara, fazendo o look durar o dia todo”, explica Tássio sobre o Avon Primer de Volume para Cílios (R$ 31,99). O produto conta com tecnologia tratamake*, que traz ingredientes condicionantes, como queratina e óleo de rícino, que cuidam e hidratam os cílios com o uso contínuo.

Avon Primer de Volume para Cílios (R$ 31,99)

Sobrancelhas poderosas

O Avon Lápis para Sobrancelhas (R$ 26,99) preenche e modela os fios com naturalidade. “Para quem tem pele negra retinta, esse produto é ideal! Recomendo vir com a mão leve na cor Castanho Escuro porque ele é bem pigmentado. A parte legal é que ele já vem com uma escovinha que penteia até os pelos mais crespos!”, conta Tássio.

Avon Lápis para Sobrancelhas (R$ 26,99)

Corretivo para quem não quer linhas marcadas

Tássio recomenda o Avon Power Stay Corretivo Líquido (R$ 61,99), que conta com tecnologia Confortlast e mantém os pigmentos no lugar, garantindo aparência de recém-aplicado por horas. “Pela textura mais líquida, eu indico esse corretivo para peles mais maduras. Boa cobertura sem deixar um aspecto craquelado”, recomenda.

Avon Power Stay Corretivo Líquido (R$ 61,99)

*O Primer de Volume para Cílios é um produto de maquiagem que apresenta ingredientes condicionantes que cuidam e hidratam os cílios.

Os produtos estão disponíveis para compra no e-commerce da marca

Informações: SAC: 0800 708 2866, de segunda a sábado das 8h às 20h.

Beauty Friday: Forever Liss oferece até 80% de desconto em todo o site

Chegou o grande dia do varejo e o mercado de beleza também está com uma série de promoções. A Forever Liss , marca especializada em produtos para cabelos com qualidade de salão para uso em casa, é uma das maiores com foco na venda online do Brasil, e oferece mais de 200 produtos em seu portfólio, voltados para recuperação, tratamento, coloração, transformação, progressivas e hidratação dos fios, dos crespos aos lisos, sejam eles naturais ou com química.

Nesta Black Friday, todo o site da marca estará com todos os seus produtos em descontos que vão até 80%, como os queridinhos Banho de Verniz agora com refil na máscara de hidratação, a mais nova linha Catiônica, o essencial Penteia Cabelo e Magia de Unicórnio Preparador Capilar, entre outros. As promoções duram até 07/12.

Informações: Forever Liss

Hoje é o Dia Nacional do Bolo

A data especial vem com um significado maior que apenas o conhecido item dos lanches da tarde

Além da água na boca que aquele bolo recém tirado do forno, hoje, 26 de novembro, é comemorado o Dia Nacional do Bolo. O setor de confeitaria é um dos segmentos que mais tem crescido – e movimentado – na economia brasileira desde a pandemia. De acordo com pesquisas feitas pela Consumo Equilibrado, o mercado de doces, confeitarias e fábricas, chegam a faturar 12 bilhões de reais a cada ano. Pensando nisso, trouxemos a história de quem faz de seu dia a dia, a motivação para continuar dentro do mercado que mudou sua vida por completo.

Com o aumento dos pedidos, a confeiteira Katherine Macedo se viu deixando de lado uma carreira bem sucedida na área da saúde como fisioterapeuta, e se dedicando aos quitutes em tempo integral, conseguindo abrir o próprio negócio na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. “No início, era apenas um ‘a mais’ e não algo que eu pensava em fazer crescer. Durante a minha faculdade de fisioterapia eu vendia brigadeiros, quando fui fazer minha pós em São Paulo, passei a vender cupcakes.”

Quando ela passou a investir no “hobby”, a responsabilidade passou a pesar cada vez mais. “Teve uma hora em que as coisas começaram a pesar e eu tive que escolher um lado. Eu estava trabalhando em hospital, comandando uma loja com a minha filha pequena, e grávida … era muita coisa. Escolhi o que realmente me fazia feliz, a confeitaria. Agora, os planos são apenas focados para o crescimento. Queremos, futuramente, abrir novas franquias e crescer cada vez mais.”

A chef chocolatier Mirian Rocha – que já passou por países como Alemanha e França – é especialista em chocolate origem e já criou receitas excepcionais com ingredientes dos mais variados, mas ela sempre retorna ao bolo de chocolate como um “favorito”. “No final, a simplicidade dos pratos é o que ganha os grandes paladares. Bolo de chocolate é infalível em qualquer ocasião, e dá aquela aquecida no peito, ele sempre te leva a algum lugar.”

Mirian também frisa a importância de datas como esta: “É nostálgico, isso com certeza. Todas as datas que envolvem o nosso ofício – e eu acho que posso falar por todos os chefes e confeiteiros por aí – nos fazem viajar no tempo, pensando em como tudo começou e em como as coisas mudaram até o dia de hoje. Seguramente, dá orgulho da jornada.”

Quatro benefícios da alimentação saudável para a saúde mental

Comer bem, praticar atividades físicas e balancear o tempo que se passa trabalhando com o lazer: são medidas simples que podem elevar significativamente a qualidade de vida. Mas você sabia que uma alimentação inadequada pode ser extremamente prejudicial à saúde mental? E que pode, ainda por cima, reduzir em até 20% a produtividade e eficiência de um colaborador? Este é um dado da Organização Internacional do Trabalho, que vem levando as empresas a buscarem ajuda em programas especializados para proporcionar uma melhor nutrição aos funcionários.

“Combater estes males se tornou uma preocupação e também um desafio dentro das organizações”, afirma Fernanda Mondin, head de nutrição da OrienteMe, healthtech especializada em saúde corporativa. Ela cita uma pesquisa realizada por profissionais da Saúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e da Faculdade de Ciências Médicas de Botucatu, indicando que o número de dias de trabalho perdidos em função da obesidade e doenças associadas (como diabetes) pode variar de 3,9 a 10,6 por ano.

A nutricionista alerta que alimentação saudável não é sinônimo de tratamento para a saúde mental. “A dieta pode ser usada como adjuvante de uma terapia específica, nunca como tratamento exclusivo de um transtorno mental diagnosticado”, reforça ela.

A especialista preparou uma lista com quatro benefícios da alimentação saudável para a saúde mental. Confira:

Controle e redução de ansiedade
Alguns alimentos ajudam a regular a flora intestinal e aumentam a produção de serotonina, também conhecida como hormônio da felicidade, promovendo o relaxamento e ajudando a combater a ansiedade. Entre eles estão aqueles ricos em magnésio, ômega-3, fibras, probióticos e triptofano, como banana, castanha-do-pará, amendoim e chocolate amargo (acima de 70% de cacau em sua composição). Além disso, é importante também diminuir o consumo de alimentos ricos em açúcares e farinha de trigo branca, já que estão associados com alterações na glicemia e na produção de serotonina.

Aumento de energia e disposição
O que comemos também têm relação direta com a energia que colocamos nas atividades que fazemos. Os carboidratos são importantes, mas devemos evitar aqueles produzidos com farinha branca porque se transformam rapidamente em açúcares – o que não é a opção mais saudável . Para ter mais energia e por mais tempo, é interessante investir em carboidratos integrais, como aveia, cereais em geral e batata doce.

Foto: Alfonso Charles/Pixabay

Melhora da memória
O acúmulo de várias atividades, somadas aos momentos de pressão, estresse, avanço da idade ou rotina com alimentação desregulada interferem no organismo e portanto, podem intensificar os danos ao nosso cérebro e nossa memória. “Existem maneiras de fazer com que os neurônios do cérebro conservem as informações sensoriais recebidas e ajudem a nossa memória a ter um melhor funcionamento, e uma delas é a alimentação saudável”, diz a especialista. Entre os alimentos recomendados, estão salmão, leite, ovos, nozes, tomate, brócolis, suco de uva e azeite de oliva.

iStock

Combate às doenças crônicas
Refeições balanceadas podem auxiliar na prevenção de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, obesidade e cardiovasculares. Inclusive, 30% das causas de morte no Brasil estão diretamente relacionadas a doenças do coração, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Para evitá-las, recomenda-se evitar ao máximo alimentos ultraprocessados, como salsicha, linguiça, presunto, salame e afins. Refrigerantes e bebidas alcoólicas também estão na lista dos vilões da saúde, assim como frituras e doces em excesso. Para caprichar nos cuidados, adote uma alimentação rica em frutas, legumes, cacau, folhas verde-escuras e, claro, água. “Hidratar-se também é essencial”, afirma ela.

Todos sabem que existe a relação entre alimentação saudável e a saúde mental; e elas caminham juntas, muito mais do que as pessoas imaginam. Em tempos difíceis, como estamos enfrentando atualmente, fica ainda mais complicado ter as duas frentes controladas, mas com pequenos hábitos alimentares saudáveis e mudanças na rotina é possível atingir o equilíbrio.
“Recentemente, lançamos ao mercado nosso mais novo braço de negócio, a nutrição, pois queremos ajudar as empresas e seus colaboradores a atingirem o equilíbrio e melhorarem, cada vez mais, a própria saúde”, finaliza Fernanda.

Fonte: OrienteMe