Você já ouviu falar em “Ressaca de Páscoa”?

Pois é, ela existe e pode trazer muitos transtornos para sua saúde se você perder o controle diante das tentações dos ovos de Páscoa

O maior risco é achar que os ovos vão sumir e aí perder os limites. Comer chocolate, em grande quantidade e num curto período, pode fazer com que o organismo tenha picos de açúcar e eleve a glicemia (açúcar no sangue) com rapidez, sendo liberada grande quantidade de insulina. Este processo pode estimular a vontade de comer mais doce, criando um ciclo vicioso.

Apesar de deliciosos e irresistíveis, os chocolates dos ovos, contêm açúcar, leite e gordura, além do cacau. Juntos e consumidos de forma exagerada, esses ingredientes podem sobrecarregar o fígado e o intestino e a consequência é ter sintomas como náuseas, vômitos e dor de cabeça. É a chamada “Ressaca de Páscoa”. Por isso, é preciso lembrar que a vida continua no dia seguinte.

Mas não é justo se privar 100% dos ovos de Páscoa, só se houver restrições médicas. Alguns truques podem ajudar:

-Prefira comer chocolate após as refeições, para reduzir o impacto da liberação de insulina. As fibras e proteínas de outros alimentos irão ajudar a reduzir o pico de açúcar.
-Opte por chocolates, a partir de 70% de cacau, são mais saudáveis, com menor teor de açúcar e gorduras.
-Escolha uma alimentação leve no pós-Páscoa, para aliviar seu fígado. Frutas e verduras são ideais. Evite carnes, principalmente as vermelhas, e carboidratos simples, como pães e massas.
-Beba bastante água. A hidratação é fundamental num período de “ressaca”, mesmo que de chocolates.
-Se sobrarem ovos, congele. Assim sua Páscoa poderá durar alguns meses e o consumo ser dividido em porções, em vários dias.
-Substitua os ovos por outras receitas com chocolate e que podem ter menor valor calórico.

O importante é não ser radical no consumo de qualquer alimento e vale também para o chocolate, pois essa “proibição” pode gerar uma compulsão posterior, por influenciar numa descompensação psicológica, e desencadear sentimentos como ansiedade e culpa, também prejudiciais para saúde e bem-estar, em especial nos diabéticos, pelo risco de afetar o controle da doença.

Fonte: Durval Ribas Filho – Doutor em Medicina, Médico Nutrólogo e Endocrinologista pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Coautor dos livros “Tratado de Nutrologia”, “Obeso Acolhido” e “Livro-Texto de Obesidade”. Presidente da Abran – Associação Brasileira de Nutrologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s