Higiene íntima: ginecologista dá cinco dicas

O médico Marcelo Ponte revela erros mais comuns cometidos pelas mulheres durante o cuidado íntimo e dá dicas de como melhorar

Usar sabonete íntimo ou não? Lavar a calcinha durante o banho ou colocar na máquina? Esses questionamentos, com certeza, já passaram pela cabeça de toda mulher. Por mais que pareçam simples, os cuidados com a região íntima feminina merecem atenção, pois além de preservar a higiene e bem-estar da mulher, ajuda na prevenção de doenças e alergias.

De acordo com o ginecologista, obstetra e especialista em estética íntima, Marcelo Ponte, muitos erros ainda são cometidos entre as mulheres na hora de cuidar da região íntima. “A higienização local e das peças são essenciais para a saúde íntima. Alguns erros comuns que, muitas vezes, são passados de geração para geração, podem provocar doenças e infecções, como a vaginose e a candidíase”, conta.

Por isso, o especialista explicou cinco pontos sobre a higiene íntima feminina, que despertam a curiosidade e dúvida entre as mulheres. Confira:

Sabonete íntimo – a resposta do especialista é clara: não usar! “Esta é a dúvida número um entre as mulheres. O uso deste tipo de produto pode alterar o pH vaginal, que tem a função de blindar a região de infecções”, revela. A higiene vaginal deve ser feita com sabonete neutro. O especialista também alerta sobre as duchas vaginais. “Também não são recomendadas. A higiene íntima é feita por fora, o canal vaginal não precisa deste tipo de limpeza”, afirma.

Lavagem das calcinhas – de acordo com o especialista, a higienização das peças íntimas é de extrema importância e deve ser feita de uma forma especifica. “Devido ao contato direto com a região, uma má higienização pode trazer diversos problemas, como a tão incômoda candidíase. A forma correta de lavar essas peças íntimas é com sabão neutro ou de coco. Se preferir usar a máquina, lave-as separadas das outras roupas para evitar uma contaminação”, conta. Para a secagem das peças, o ideal, de acordo com o ginecologista, é deixá-las expostas ao sol e passar o forro antes do uso. “Outra dica importante, é não deixar as calcinhas secarem no banheiro. Por ser um ambiente úmido e pouco arejado, acaba facilitando a proliferação de fungos e bactérias”, completa.

Protetor diário – segundo o especialista, o uso de protetores e absorventes todos os dias, não é indicado, pois provocam o abafamento da região. “O uso destes protetores todos os dias ou durante períodos longos, podem abafar no local, não permitindo que a vagina respire da maneira adequada, aumentando a proliferação de fungos e bactérias, podendo causar infecções”, explica. O ginecologista também alerta para possíveis reações alérgicas, devido ao material plástico destes produtos. “Algumas mulheres, têm alergia ao plástico e outros materiais dos quais esses protetores são feitos. Então, o uso diário pode gerar uma irritabilidade na região, provocando coceiras e desconfortos”, conclui.

Dormir sem calcinha – o ginecologista explica que a prática tem alguns benefícios para a saúde íntima, pois permitem a respiração da região, evitando alergias e corrimentos. “Algumas mulheres aproveitam este momento do sono, para deixar que a região respire. Mas para quem não se sente tão à vontade, é indicado dormir com calcinhas de tecidos mais leves, como o algodão, que permite maior circulação de ar”, conta.

Biquíni/roupas de banho molhados – estes são os vilões da saúde íntima! Podemos perceber que, as infecções e desconfortos, como a candidíase, aparecem mais ou se intensificam durante o verão. Segundo o ginecologista, isto acontece porque, para se manter saudável, a região íntima feminina precisar ficar seca e arejada o mais tempo possível. “Um dos principais erros que as mulheres cometem, é sair do mar ou da piscina e continuar com o biquíni molhado. Este contato com a roupa íntima úmida também favorece as bactérias que levam a infecções, especialmente a candidíase”, conta.

Para evitar os corrimentos e coceiras decorrentes da infecção, o especialista deixa algumas dicas. “Após sair da piscina ou chegar da praia, o ideal é higienizar a região íntima com sabonete neutro e colocar uma calcinha seca, de preferência de algodão. São cuidados simples que, muitas vezes, passam despercebidos durante o dia a dia, mas fazem toda a diferença para evitar doenças e manter o bem-estar íntimo”, finaliza.

Fonte: Marcelo Ponte é ginecologista, obstetra e especialista em estética íntima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s