Saúde bucal: mais da metade dos brasileiros não vai ao dentista regularmente

14 milhões de adultos brasileiros vivem sem nenhum dente, de acordo com o IBGE; ações sociais buscam reverter esse quadro

Problemas como cáries, gengivite e traumatismo dentário causam grande impacto na qualidade de vida da população e esse é o objeto de estudo da Pesquisa Nacional da Saúde Bucal, que está sendo realizada em 422 municípios brasileiros. O último estudo do IBGE já indicava que 55% da população não ia ao dentista com regularidade e 8 milhões de pessoas acima dos 30 anos usavam prótese dentária. E, ao que tudo indica, com a pandemia da covid-19, esses números ficaram ainda mais precários.

“O acesso ao consultório odontológico no Brasil ainda é muito insatisfatório. Pesquisas indicam que 22% das crianças, 9% dos adultos e 20% dos idosos nunca tiveram acesso ao dentista. Isso preocupa porque podemos dizer com propriedade que a saúde começa pela boca e que uma boa condição bucal é essencial para o equilíbrio da saúde como um todo”, explica o dentista e coordenador de projetos sociais da Neodent, João Piscinini.

Para tentar reverter esse quadro, ações sociais vêm se multiplicando no país ao longo dos últimos anos, ganhando ainda mais importância nesse momento de retomada dos cuidados com a saúde. Um desses projetos, criado em 2016 pela Neodent, é o “Expedição Novos Sorrisos”. Uma unidade móvel com dois consultórios odontológicos leva orientação sobre a importância da saúde bucal e atendimentos a diferentes regiões do país.

Voluntários que aproximam e levam acesso

O projeto, que já realizou mais de 5 mil atendimentos e que estava parado por conta da pandemia, voltou para as ruas. Desde a retomada do projeto, que aconteceu em julho, até agora, a unidade móvel realizou 350 atendimentos em três paradas. Mais de 40 voluntários – dentistas, técnicos e auxiliares de saúde bucal, e também o público geral – auxiliaram no trabalho, que está no interior do Paraná e depois segue para outras regiões do país.

“Já trabalho há 11 anos como técnica, estou no último ano da faculdade de odontologia. Ter experiências como esta que possibilitam a aproximação com os pacientes, entender suas dificuldades e necessidades é muito bacana. Isso foi o que mais me motivou a participar da Expedição”, conta a Técnica de Saúde Bucal e futura dentista, Janaína Lopes. “Doar um pouco de tempo, conhecimento e trabalho para ajudar a construir sorrisos é algo muito gratificante”, ressalta João Piscinini, dentista e coordenador de Responsabilidade Social da Neodent. “Muitos deixaram de lado os cuidados com a saúde bucal na pandemia e sabemos que eles são fundamentais para a saúde como um todo. Por isso essas ações de conscientização e aproximação com a comunidade são tão importantes”, complementa.

Com saúde bucal agravada na pandemia, a aposentada Jucimália Santos viu no projeto itinerante uma oportunidade para cuidar da saúde. “Tenho bruxismo e piorou na pandemia, o que fez meus dentes começarem a quebrar”, conta. A vendedora Karen Monique também elogiou o projeto. “A atenção dos profissionais aqui na Expedição é maravilhosa. Não lembro de ter sido tão bem atendida no dentista antes”, complementa.

Recuperando sorrisos

Foto: Zahnreinigung/Pixabay

O sorriso sempre foi o cartão de visitas de Benedito Domingos da Silva. Corretor de imóveis aposentado, ele se sentia muito constrangido no trabalho com a falta de um dente. “Sou relações públicas da terceira idade e tinha muita dificuldade em falar, sorrir ou cantar. Sorrir é muito importante. Não adianta falar que uma pessoa fechada vai se dar bem, porque não vai”, assegura.

Ele foi uma das 17 pessoas atendidas no início de maio, em Bauru (SP), graças à parceria entre a empresa Neodent e o Instituto Branemark para uma ação social executada pela equipe das cirurgiãs-dentistas Ivete Sartori e Elisa Sartori. A Neodent repassou os implantes, financiou o trabalho dos técnicos em prótese dentária e as cirurgias foram realizadas sem custo para os pacientes. “Sabemos da importância do trabalho voluntário dos cirurgiões-dentistas para que pessoas sem acesso aos serviços de saúde bucal tenham seu sorriso restaurado e retome a qualidade de vida”, comenta o diretor de novos produtos e prática clínicas da Neodent, Sérgio Bernardes.

A seleção foi feita com o auxílio do Conselho Municipal de Saúde de Bauru. Após o atendimento de triagem com os cirurgiões-dentistas, os pacientes passaram por exames laboratoriais para atestar as condições de saúde, além das sessões de preparo para cirurgia. “Há muitas pessoas que não têm condições de implantar a prótese sem ações sociais como essa. Por isso é importante a união de esforços da sociedade”, afirma Ivete.

O atendimento pós-cirúrgico ocorrerá uma vez por mês até novembro e, depois, uma vez por semestre, em um período de 3 anos. “É um tratamento em etapas e esse acompanhamento é importante para confirmarmos que correu tudo bem”, explica Elisa.

Para Silva, agora é o momento de comemorar. “Fiz a cirurgia, deu tudo certo e estou dando piruetas, pois o idoso tem que dar piruetas”, brinca.

Fonte: Neodent

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s