Dieta inadequada pode causar cálculos renais

Médico alerta para a ingestão de sal, que não deve ser realizada em demasia devido ao sódio, um dos principais responsáveis pela formação de cálculos

Segundo o Ministério da Saúde, um a cada dez brasileiros têm cálculo renal. Esta é uma doença muito comum, chamada de litíase renal. Também conhecida como cálculos ou pedras nos rins, ela é causada pela cristalização de sais minerais presentes na urina. Segundo Carlos Eduardo Santin, médico cirurgião geral com subespecialidade em urologia do Pilar Hospital, que integra a Hospital Care, a litíase renal ocorre pela hipersaturação de minerais na urina, um distúrbio metabólico, principalmente na filtração.

Pacientes masculinos apresentam mais chance de ter litíase renal, que pode ocorrer em todas as etapas da vida, mas é constatada com mais frequência em adultos com idade entre 20 a 40 anos. Quanto aos fatores ou hábitos que contribuem para a incidência, Dr. Carlos Eduardo informa que não há apenas uma causa, sendo uma doença de origem multifatorial. “A dieta é o fator mais importante, mas também há fatores quanto à genética, à hereditariedade, além de algum distúrbio de paratireoide e distúrbios de metabolismo de cálcio, que podem surgir e evoluir com formação de pedras dentro do sistema urinário”, explica.

Conforme o especialista, os cálculos podem ser formados por vários minerais. O mais comum de todos, que ocorre em 80% a 85% dos casos, são os cálculos de oxalato de cálcio, seguido por cálculos de ácido úrico, de estruvita, de cistina, entre outros. Estes são os principais.

Diagnóstico

É feito por meio de exames de imagem, de urina e de sangue. O médico relata que a maioria dos casos são descobertos em pacientes com crise, que chegam ao pronto socorro com muita dor, associada a náuseas, vômitos, entre outros sintomas. “O cálculo dentro do rim não dói na maioria das vezes. O que causa dor é o cálculo que desce pelo uréter, um canal que vai do rim a até a bexiga. Um cálculo nesta parte do corpo faz obstrução do fluxo urinário”, relata. “O tratamento depende da posição, formação e densidade do cálculo. Na maioria das vezes, a necessidade de tratamento é endoscópico, por endourologia, em que é realizada uma cirurgia sem corte”, diz.

De olho na dieta

Em relação à dieta, o médico alerta para a ingestão de sal, que não deve ser realizada em demasia devido ao sódio, que é um dos principais responsáveis pela formação de cálculos. O médico comenta sobre o mito que diz que pacientes com pedras nos rins não devem ingerir cálcio, pelo fato dos cálculos serem feitos deste elemento. “Isso é um erro. O que acontece é que o cálcio é precipitado de acordo com a presença do sódio na urina. O grande vilão da litíase é o sódio. Às vezes pode haver malefício na suspensão errônea de medicamento com cálcio, como osteoporose, por exemplo”.

Santin também orienta para evitar comidas enlatadas e industrializadas, além de reduzir a ingestão de carne vermelha, que é um fator formador de litíase urinária. “A proteína de carne vermelha é tóxica ao rim desde que ingerida em excesso. Não é para parar de comer carne, que tem suas benesses, mas sim variar o tipo de carne com frango, peixe, porco, e não somente carne bovina”, recomenda. Além disso, o ideal é ingerir de dois a três litros de líquidos por dia”, complementa.

Fonte: Hospital Care

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s