OMS preconiza rastreamento para o câncer de cólon, doença de Pelé, a partir dos 50 anos

Oncologista ressalta a importância de uma alimentação saudável e exercícios físicos regulares

Terceiro tumor oncológico mais frequente no país – deve responder por 6,5% dos registros para o período de 2023-2025 -, excetuando-se o câncer de pele não-melanoma, o câncer de cólon é a doença que afetou o ex-jogador Pelé, que passa por tratamento. A OMS (Organização Mundial da Saúde) preconiza o rastreamento desse tumor a partir dos 50 anos de idade.

“O diagnóstico precoce é imprescindível para o sucesso do tratamento em qualquer caso de câncer. Para este tumor oncológico, podemos alcançar 95% de chances de cura se detectarmos a doença no seu início”, explica o médico oncologista Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica do doutorado em medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), em São Paulo, e médico pesquisador honorário do Departamento de Oncologia da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Também conhecida como câncer colorretal ou câncer do intestino grosso, essa doença se desenvolve a partir de pólipos, inicialmente identificados como lesões benignas, que crescem na parede do cólon. “Pacientes com predisposição genética podem desenvolver o tumor, que é diagnosticado com maior frequência nas pessoas que não mantêm hábitos alimentares saudáveis”, detalha o oncologista.

Segundo o médico, “evitar alimentos ultraprocessados e colocar no prato alimentos in natura são algumas orientações para a prevenção desse tumor”. A prevenção passa também por manter a prática regular de exercícios físicos.

Getty Images

O oncologista explica que os sintomas do câncer de cólon podem ser confundidos com outras doenças. O paciente pode apresentar sangue nas fezes, alterações intestinais, bem como dor e desconforto abdominal. A perda de peso, sem motivos aparentes, pode ser outro sintoma. Segundo o médico, o tratamento depende de cada caso. “A melhor estratégia será definida pelo especialista e pode ser indicada a cirurgia, com a retirada da parte do intestino afetada”.

Fonte: Ramon Andrade de Mello é pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra), Ramon Andrade de Mello tem doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s