Arquivo da categoria: Alimentação

Tabasco e Pettiz lançam amendoim apimentado

O tradicional molho de pimenta Tabasco e a Dori Alimentos fecham parceria e anunciam ao mercado brasileiro uma nova versão de petisco. Criado como um snack diferenciado, a união das marcas nasce por meio de Pettiz, o clássico amendoim que faz parte do portfólio da empresa, que resulta em um produto de alta qualidade e de sabor único. A partir de setembro, o Amendoim Torrado e apimentado com Tabasco será vendido para distribuidores e redes varejistas de todo o Brasil.

O amendoim sem pele e torrado no forno, leva como ingrediente principal no seu preparo Tabasco Original, produto feito apenas com pimenta, sal e vinagre. Em embalagens que contemplam diferentes ocasiões de consumo, o produto será vendido nas gramaturas de 40 g, para apreciação individual; 90 g e 110 g, que servem até duas pessoas; e no tamanho 320 g, para ser compartilhado em maiores grupos.

Informações: Tabasco

6 dicas práticas para evitar ultraprocessados que podem causar 30% de perda cognitiva

Pesquisa recente revelou que comer alimentos ultraprocessados leva até 30% de perda cognitiva, publicado pelo Jornal da USP e pela CNN dos Estados Unidos. Para ajudar a melhorar a alimentação e a performance do cérebro, a Profª Drª Camila Rocha Olivieri, docente nos cursos de nutrição e tecnologia em gastronomia do Centro Universitário Unasp, traz algumas dicas práticas. Confira.

Pixabay

1Lista de compras de produtos in natura semanal: é importante que se tenha organização na compra semanal de alimentos in natura, como frutas e hortaliças, já que são alimentos que estragam com rapidez. Separe um dia da semana para sua ida ao supermercado ou hortifruti.

2-Disciplina na higienização e armazenamento de alimentos in natura: outra dica importante da docente é ter disciplina para higienizar e armazenar as frutas e hortaliças na geladeira.

  • Lave as folhas das hortaliças como alface, seque-as com ajuda de um papel toalha e deixe-as armazenadas dentro de um recipiente com tampa na geladeira;
  • Higienize as frutas e já deixe algumas picadas em recipientes fechados também, na geladeira. Assim você terá sempre alimentos frescos para o consumo.

3-Analise do rótulo dos alimentos industrializados: ao comprar alimentos industrializados, prefira sempre aqueles que não tenham ou que possuam menor número possível de aditivos químicos, como corantes, conservantes e realçadores de sabor.

4-Preparação dos alimentos em casa e adotar o consumo de marmita: o hábito de cozinhar em casa e preparar seus alimentos é, sem dúvida, a garantia de uma alimentação mais saudável. Você pode levar sua própria comida ou lanche ao trabalho e foge dos alimentos industrializados e fast foods, ricos em gorduras, açúcares e sal. Tendo alimentos higienizados e prontos em sua geladeira, fica fácil colocá-los em sua marmita ou lancheira pela manhã antes de sair de casa!

Foto: Goshadron/Pixabay

5-Substituir snacks por frutas secas: aposte na substituição dos famosos snacks, como salgadinhos de pacote, biscoitos recheados, barras de cereais e refrigerantes, por frutas frescas ou secas, nozes e castanhas, tomatinho cereja, cenoura baby, minibatatinhas cozidas, sucos de frutas naturais, além de granola e iogurte caseiros.

6-Consumir alimentos que melhoram performance cerebral: alguns alimentos auxiliam em nossa saúde mental, melhorando a performance cerebral, além da memória e concentração, por conterem substâncias naturais que atuam como neuroativadores. Dessa forma, agem aumentando o fluxo sanguíneo e o fornecimento de nutrientes para o cérebro, favorecendo as novas conexões e sinapses entre os neurônios. Alguns exemplos de alimentos que podem oferecer esses efeitos são as sementes de gergelim, de abóbora e de girassol; castanha-de-caju e do Brasil, amêndoa, aveia, cúrcuma, além de frutas como mirtilo, morango, framboesa, cereja, cacau e abacate.

Fontes:
Camila Rocha Olivieri: Graduada em Nutrição pela Universidade Metodista de Piracicaba – Unimpe (2005). Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Unesp/Ibilce. Doutorado em Ciências pelo programa de Nutrição em Saúde Pública, da Faculdade de Saúde Pública – USP (2016). Docente dos cursos de Nutrição e Tecnologia em Gastronomia no Centro Universitário Adventista de São Paulo.
Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp)

Quais são os alimentos típicos da primavera e os benefícios de consumi-los durante o período?

Respeitar a sazonalidade da natureza pode trazer mais economia e frutas, legumes e verduras mais frescos à sua mesa

Na hora de comprar frutas, legumes e verduras para consumir em casa, existem alguns fatores que devem ser levados em consideração, são eles: preço, se estão frescos, orgânicos ou não e que além de não conter agrotóxicos, também priorizam a sazonalidade dos produtos, e a escolha de alimentos mais frescos fazem toda a diferença.

Segundo o próprio Guia Alimentar para a População Brasileira, feito pelo Ministério da Saúde, o consumo de alimentos regionais, oriundos da agricultura familiar, que respeitam a natureza e técnicas agrícolas naturais são infalíveis para melhorar a saúde. Por esse motivo, com a entrada da primavera, que teve início no último dia 22, nada melhor que aproveitar as frutas, legumes e verduras da estação. E você sabe quais são eles? Veja a seguir algumas dicas:

Principais vantagens de escolher esses produtos

Antes de saber quais são, é preciso entender os motivos que determinado produto pode oferecer na ocasião.. Além de gerar economia para o bolso, as frutas da estação saem do pé na hora certa e chegam ao consumidor mais fresco e saboroso. Para escolher as frutas da safra, a Raízs, foodtech que conecta pequenos produtores de orgânicos com consumidores das cidades, é pioneira, e possui um supermercado online com diversas opções de frutas da época, desde as mais comuns, até algumas que não estão sempre disponíveis nos supermercados, sacolões e hortifrutis, sempre respeitando a sazonalidade e o tempo da natureza.

Além disso, a foodtech comercializa produtos orgânicos 25% mais baratos que os habituais, isso porque elimina intermediários da cadeia e faz uma ligação direta entre produção e cliente.

Quais são os produtos da época?

De acordo com o Organis – Associação de Promoção dos Orgânicos, na primavera, a safra de frutas é marcada pela alta da acidez, com a presença do kiwi, maracujá, abacaxi, e outras como mamão, morango, manga, e pêssego. Já com relação às verduras da época, é neste período que o almeirão, o brócolis e o espinafre aparecem em abundância, e no caso dos legumes, são eles os mais comuns: abobrinha, alcachofra, berinjela, beterraba, ervilha, tomate e cenoura.

É a hora certa de aproveitar as cores e sabores da estação. Todos esses produtos estão disponíveis no site da Raízs, que entrega na Capital Paulista, Campinas e Região, Grande ABC e Litoral, acesse o link e veja as opções.

Fonte: Raízs

Dia do Sorvete: comemore a data sem culpa

Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, fala das características do alimento e ensina quatro receitas caseiras de sorvete

Alimento perfeito para os dias de calor, o sorvete ganhou um dia inteiro para chamar de seu. O Dia Nacional do Sorvete é comemorado em 23 de setembro, data que marca a chegada da primavera, estação que anuncia o início das temperaturas mais quentes do ano.

Mas, como comemorar essa data sem culpa? Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, afirma que mesmo o sorvete sendo um alimento hipercalórico, há maneiras de consumi-lo sem exagerar nas calorias.

Segundo a nutricionista, o ideal é buscar uma opção mais natural de sorvete. “Olhe sempre o rótulo e evite aqueles com muitos aditivos químicos em sua composição”, orienta. Renata indica o preparo de sorvetes em casa, com frutas e, de preferência, com uso de água em vez de leite, o que deixará o alimento mais leve.

Ela ainda alerta para algumas armadilhas calóricas ao consumir o produto, como os acompanhamentos: caldas, confeitos, castanhas, chocolates. Esses ingredientes são ricos em açúcares, o que aumenta o valor calórico do sorvete. Em todos os casos, a dica da nutricionista é o consumo moderado, com equilíbrio.

A nutricionista também faz recomendações para pessoas pertencentes a grupos especiais:

● Diabéticos devem consumir com muita moderação e, preferencialmente, versões sem adição de açúcar.

● Pessoas com intolerância à lactose devem preferir opções sem leite ou com preparados com leite sem lactose.

● Pessoas com dificuldades em digerir gorduras, como quem passou por retirada recente de vesícula, precisam ficar atentas à quantidade consumida, pois podem ter indigestão e mal-estar intestinal.

A nutricionista indica o preparo de sorvete com frutas frescas e ingredientes simples e naturais. O sorvete é um alimento de alto valor nutritivo e fonte de energia e as frutas são ótimas opções para uma alimentação saudável, pois são ricas em vitaminas, minerais, fibras e substâncias antioxidantes que ajudam a prevenir doenças. Portanto, o sorvete de fruta fresca é um alimento saboroso e altamente nutritivo. 

As frutas de cores amarelas e laranjas são ricas em vitaminas A e têm boa quantidade de vitamina C, como a manga, também rica em fibras e carotenoides, que ajudam a proteger a pele e a visão. Já as frutas cítricas, como abacaxi, limão, laranja, são excelentes fontes de vitamina C, fibras e potássio, protegem o organismo contra infecções e radicais livres. Frutas como coco também são excelente opção por fortalecer o sistema imunológico e repor a perda de minerais por conter zinco, potássio, selênio, cobre e magnésio e vitaminas A, C e E. 

Renata ensina algumas receitas fáceis de sorvetes para fazer com frutas frescas em casa e curtir com moderação.

Sorbet de Abacaxi com Manga


Ingredientes:

2 xícaras de chá de abacaxi maduro picado

½ xícara de chá de coco ralado

1 xícara de chá de manga picada

O mínimo possível de água (só o suficiente para bater)

Modo de preparo:

Bata tudo no liquidificador e leve ao freezer por 3 horas. Retire e bata o conteúdo na batedeira. Leve novamente ao freezer, por cerca de 30 minutos, e sirva em seguida.

Sorbet de coco

Ingredientes:

Polpa de 4 cocos verdes

O mínimo possível de água (só o suficiente para bater)

Modo de preparo:

Bata tudo no liquidificador e leve ao freezer por 3 horas. Retire e bata o conteúdo na batedeira. Leve novamente ao freezer, por cerca de 30 minutos, e sirva em seguida.

Sorvete com especiarias

Ingredientes:

1 xícara de chá de creme de leite fresco

3 colheres de sopa de leite em pó

1 colher de chá de canela em pó

1 colher de chá de cravo em pó

1 xícara de chá de açúcar mascavo

1 xícara de chá de água

1 colher de café de essência de baunilha


Modo de preparo:

Bata tudo no liquidificador e leve ao freezer por 3 horas. Retire e bata o conteúdo na batedeira. Leve novamente ao freezer, por cerca de 30 minutos, e sirva em seguida.

Sorvete de Chocolate

Ingredientes:

1 e ½ xícara de creme de leite fresco

1 xícara de chá de açúcar

1 xícara de leite integral

1 xícara de chocolate em pó 50% cacau

Modo de preparo: Bata no liquidificador o creme de leite, o leite, o açúcar e o chocolate por 5 minutos, até obter um creme homogêneo e fazendo bolhas. Coloque em um refratário e leve ao freezer por 2 horas. Retire e bata a massa novamente. Volte ao freezer por mais 2 horas antes de servir.

SupraSoy compartilha receitas sem glúten e sem lactose para os que desejam comemorar a data sem sair da dieta

Quando o assunto é sobremesa, o sorvete sai à frente na preferência dos brasileiros e não é para menos: saborosa, refrescante e prática, a iguaria apresenta-se em tantas combinações, que é capaz de agradar até mesmo os paladares mais exigentes. Sua relevância é tanta que existe uma data especialmente reservada para sua celebração, o dia 23 de setembro, criado pela Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (ABIS), com o objetivo de promover o início da temporada em que os sorvetes são mais consumidos, ou seja, os meses mais quentes do ano.

Pensando em contribuir com algumas dicas aos amantes dessa delícia gelada, mas que não querem renunciar à dieta, consumindo as versões mais tradicionais disponíveis nas prateleiras, a SupraSoy preparou algumas receitas leves, saborosas, nutritivas e naturais que podem ser preparadas de forma prática. Confira:

Picolé de banana, morango e chia

Ingredientes
2 xícaras (chá) de água
½ xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Sabor Banana
3 unidades de bananas maduras
½ xícara (chá) de morangos
2 colheres (sopa) de chia

Modo de Preparo
Em um liquidificador, adicione a água, o SupraSoy Sem Lactose Sabor Banana e as bananas. Bata até obter uma textura homogênea. Adicione a chia e pulse algumas vezes para misturar.
Fatie os morangos e disponha-os dentro de forminhas de picolé. Acrescente o creme dentro das forminhas, dê umas batidinhas para retirar o ar. Coloque os palitos de picolé e leve ao freezer por 3 horas ou até congelar. Desenforme e bom apetite!

Sorvete de morango sem lactose

Ingredientes
Sorvete:
750g de morangos (reserve uma porção para a finalização)
3 colheres (sopa) de SupraSoy Sem Lactose Original
100ml de água

Calda:
½ xícara (chá) de açúcar
100ml de água

Modo de Preparo
Sorvete: lave os morangos e pique-os. Bata-os no liquidificador com o SupraSoy Sem Lactose Original e a água até formar um creme uniforme e reserve.
Calda: em uma panela coloque o açúcar com a água e ferva até formar um fio fino.
Finalização: transfira o creme de morangos para uma batedeira e bata na velocidade baixa, vá acrescentando a calda aos poucos. Bata até resfriar bem. Leve ao freezer por 4 horas ou até endurecer. Bata novamente até formar um creme gelado e retorne-o ao freezer. Repita esse processo por mais 3 vezes. Sirva em seguida em taças para sorvete e finalize com pedaços de morangos picados.

Sorvete de coco

Ingredientes
5 gemas
2 ½ xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Original já dissolvido em 250ml de água
1 garrafa de leite de coco

Modo de preparo
Bata as gemas e o açúcar na batedeira até que dupliquem de volume e formem um creme fofo e esbranquiçado. Em uma panela, em fogo alto, coloque o SupraSoy Sem Lactose Original já dissolvido na água junto com o leite de coco, até ferver. Regule a velocidade da batedeira para o mínimo e despeje metade do SupraSoy aquecido em fio, para que comece a cozinhar as gemas ainda fora do fogo.
Passe a mistura de volta para a panela e cozinhe, mexendo sempre, em fogo baixo, por cerca de 20 minutos, ou até que fique com textura de mingau ralo. Deixe esfriar. Despeje a massa do sorvete em uma travessa (20 x 25 cm), cubra com filme plástico e leve-a ao freezer por 4 horas, ou até que comece a congelar. Quebre a massa e bata, ainda congelada, por cerca de 5 minutos, na batedeira, para que fique cremosa. Volte o sorvete para a mesma travessa, cubra com filme plástico e deixe congelar por cerca de 4 horas.
Repita o procedimento mais duas vezes, ou até que o sorvete fique bem cremoso. Retire o sorvete do freezer 5 minutos antes de servir. Sirva acompanhado de uma calda de frutas vermelhas ou polvilhado com coco fresco ralado.

Quando as doenças bucais são associadas a distúrbios emocionais

Sempre ouvimos falar que a boa saúde começa pela boca. De fato, isso é verdade, mas ela também envolve outros fatores, principalmente o bem-estar físico, emocional e psicológico. Quando algo não vai bem emocionalmente pode afetar também a rotina diária, os relacionamentos e acabar atingindo a saúde de um modo geral, incluindo a saúde bucal.

“Nossas emoções dependem de níveis flutuantes de neurotransmissores, que causam a ativação de diferentes partes do cérebro responsáveis por diferentes humores, ou ativam partes do cérebro que desencadeiam a estimulação do sistema nervoso autônomo. Se isto não estiver em equilíbrio há diminuição do fluxo salivar, alteração do paladar e sintomas e sinais bucais poderão ser desencadeados”, afirma Dulce Helena Cabelho Passarelli, cirurgiã-dentista, mestre e especialista em Estomatologia e Patologista Bucal, autora do Atlas de Estomatologia Casos Clínicos.

Segundo a especialista, muito do estresse que passamos no dia a dia pode refletir também na saúde bucal porque muitas doenças bucais são reflexo de um estado emocional em desequilíbrio. Sem perceber, o paciente passa a sofrer de bruxismo, que leva aos desgastes dentários, aumentando a probabilidade de levar a perda de dentes. Isso sem contar que maus hábitos alimentares e falta de higiene adequada também aumentam a incidência de cáries.

É preciso ficar de olho em alguns sinais do corpo:

  • Ansiedade: é comum ficarmos ansiosos quando há uma grande mudança na rotina ou na vida. Mas quando ela é excessiva pode fazer com que se descuide da higiene bucal, escovando os dentes muito rapidamente, o que pode causar gengivites (inflamações nas gengivas), cáries e até retração gengival
  • Estresse: em excesso causa a diminuição da saliva e reduz a resistência às bactérias. Também faz com que o paciente force o apertamento e o ranger de dentes. Além disso, essa tensão pode levar a uma disfunção temporomandibular. Essa condição causa dor de cabeça e dificuldade de abrir e fechar a boca.

De acordo com a professora, tanto o sistema orgânico como o profissional são os responsáveis para diagnosticar doenças bucais de origem emocional. Mas não adianta tratar um e deixar o outro sem tratamento. “O diagnóstico preciso das doenças bucais direciona diferentes formas de tratamento e em alguns casos há necessidade de complementar os diversos tipos de tratamento, incluindo psicoterapia, entretanto este só pode ser indicado pelo profissional especializado”, aconselha.

Transtornos alimentares

Dos problemas emocionais comuns entre os brasileiros, destacam-se os transtornos alimentares, como a compulsão alimentar e a própria bulimia, quando em ambos os casos, o paciente consome uma grande quantidade de alimentos ricos em carboidratos, em especial, açúcar e não faz uma boa higienização após as refeições. Na bulimia há o agravo que após o consumo, o paciente se sente culpado e provoca o vômito como uma forma de expurgar o que consumiu. Ambos os casos podem levar a problemas bucais.

“Tanto a bulimia como a compulsão alimentar podem desenvolver doenças bucais. A bulimia em especial, pode provocar vômitos recidivantes e recorrentes que alteram o PH da saliva, causando desgastes dentários conhecidos como erosões”, explica. “A compulsão alimentar faz com que o paciente aumente a formação de biofilme ou placa bacteriana e consequentemente a cárie é instalada com muita facilidade”, considera.

De acordo com Dulce Helena Cabelho, o cirurgião-dentista é o profissional mais capacitado para diagnosticar doenças bucais e tratá-los. “Entretanto, alterações de fundo emocionais deverão ser tratadas por psicoterapeutas e psiquiatras, pela complexidade do tratamento”, afirma.

Depositphotos

Segundo a especialista, a prevenção sempre é o melhor remédio. Por isso, visitas constantes ao consultório odontológico, escovações diárias e corretas dos dentes, uso do fio dental após cada refeição fazem parte de uma boa rotina bucal. “Além disso, fazer uso de uma alimentação equilibrada com frutas, verduras e com pouca quantidade de sacarose (açúcar), hidratação constante. Evitar bebidas alcoólicas e tabagismo”, aconselha. “E em tempos de pandemia, manter a saúde emocional em equilíbrio, previne complicações bucais”, completa.

Fonte: Abimo

Alimentação saudável, baseada em vegetais, ganha cada vez mais adeptos no Brasil

Preocupações com a saúde, com o meio ambiente, e o bem-estar animal mudam hábitos alimentares

Há alguns anos o mundo assiste ao despertar de uma nova geração de pessoas que opta por um estilo de vida mais sustentável, essa turma vem mudando conceitos e, em especial, o da alimentação.

A mais recente pesquisa realizada no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), data de 2018 e aponta que 14% da população brasileira se declarou vegetariana, isso significa que pelo menos de 30 milhões de pessoas não comem carne em nosso país e estima-se que desse total, cerca de 7 milhões sejam veganos, ou seja, não utilizam nenhum tipo de produto ou insumo de origem animal e nada que tenha sido testado em animais.

Hoje, esse número pode ser bem maior e essas pessoas têm optado por uma dieta mais saudável, com menor ingestão de carne e de produtos industrializados e maior consumo de vegetais.

Tipos de dietas

O primeiro passo é entender as diferenças entre os diversos tipos de vegetarianismo, separados pela ingestão de certos tipos de alimentos:

  1. Ovolactovegetariano: é o vegetariano que não consome carnes, mas come ovos, leite e derivados.
  2. Ovovegetariano: não comem carnes, leite e derivados. Só comem ovos;
  3. Lactovegetariano: não ingerem carnes e ovos, mas consomem leite e derivados;
  4. Vegetariano estrito: não come nenhum alimento de origem animal, como carnes, ovos, leite e derivados;
  5. Vegano: igual ao vegetariano estrito, mas também não usa nenhum produto que tenha origem ou que foi testado em animais, como lã, couro, seda ou produtos de cosmética.

Para conhecer um pouco mais sobre o vegetarianismo e suas versões e esclarecer as dúvidas sobre a eficácia e a segurança dessas dietas, procuramos a ajuda de Thamara Spada, especialista em nutrição clínica do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Antes de tudo, uma dica que vale para todo e qualquer tipo de dieta. “Uma alimentação diversificada, com pratos coloridos, inclui diariamente a ingestão de frutas, verduras, legumes, carboidrato, proteínas e lipídios (gorduras saudáveis) e é importante para todos, tanto para onívoros (que se alimentam de carne e vegetais), quanto — e de maneira particular — para os vegetarianos ou veganos, que buscam com a ingestão de vegetais a absorção de todos os nutrientes que o organismo necessita”.

Para quem já é adepto de uma alimentação vegetariana ou vegana, a especialista reforça conceitos fundamentais. “Para vegetarianos e veganos é importante, em todas as refeições, consumir carboidratos (encontrados em batatas, mandioca, mandioquinha, cará, inhame, arroz integral), proteínas (encontradas em leguminosas como o feijão e oleaginosas — como castanhas e linhaça), lipídios (presentes também nas oleaginosas), fibras (encontradas nas frutas e hortaliças em geral) – que possuem as vitaminas e os sais minerais que o organismo necessita para funcionar bem”, aconselha a nutricionista.

Turbine a dieta com as escolhas certas

Pixabay

Alguns cuidados devem ser tomados na escolha dos alimentos para potencializar seus efeitos. “Verduras verde-escuras (brócolis, espinafre, catalonha, escarola) são excelentes fontes de ferro, que para ser melhor absorvido deve ser ingerido com um alimento fonte de vitamina C, como laranja, tangerina, limão e acerola”, esclarece a especialista.

Outra precaução importante diz respeito ao consumo de alimentos que contém cálcio (leite e derivados), que não devem ser ingeridos com as verduras verde-escuras, porque diminuem a absorção do ferro. “O cálcio para quem é vegetariano pode ser encontrado no leite e seus derivados, já para o vegano, em leites vegetais, que são enriquecidos com cálcio. Além de ser encontrado também no gergelim (tahini, pasta de gergelim ou a semente)”, exemplifica.

Sobre o ômega 3, considerada uma gordura saudável, a nutricionista afirma que a experiência de deficiência desse ácido graxo não é uma exclusividade só do vegano e do vegetariano, mas sim da população em geral, porque não consome em sua rotina alimentos fontes de ômega 3. “Para os vegetarianos a ingestão de ômega 3 vem das oleaginosas e sementes. Em geral não precisa de suplementação encapsulada, basta consumir do próprio alimento.”, orienta.

A deficiência de Vitamina B12, que é essencial para a produção dos glóbulos vermelhos e atua diretamente no sistema nervoso, pode causar vários prejuízos à saúde, com sintomas como sensação de fraqueza, tontura, fraqueza muscular. “As fontes alimentares de vitamina B12 para os vegetarianos são as algas, produtos fermentados, ovos e leite”, sugere a especialista.

Porém, quando a deficiência já está instalada, somente a alimentação não é suficiente para correção, e neste caso, é necessária a suplementação.

Cuidados importantes na aquisição de alimentos

Alguns cuidados devem ser tomados na hora de armazenar os alimentos e “Se você vai guardar frutas, verduras e legumes em geladeira, aproveite para limpá-los antes, lembrando que tudo o que for consumido cru deve ser higienizado com hipoclorito ou água sanitária, mas é importante ler o rótulo e seguir a diluição adequada indicada pelo fabricante do produto”, orienta.

Outra dica da nutricionista é não deixar frutas abertas na geladeira por mais de dois dias. “Depois desse prazo os produtos começam a sofrer alterações nutricionais e microbiológicas (proliferação de fungos e bactérias), que podem transformar um alimento sadio em algo nocivo ao organismo”, adverte.

Quando for comprar produtos como palmito, é importante prestar atenção ao local onde estão armazenados, depois averiguar a procedência e a validade e ainda observar se a água de salmoura está translúcida. “Quando a água estiver turva, significa que o produto não está tão bom. Mas se houver dúvida quanto à qualidade do palmito, por exemplo, o ideal é ferver por 15 minutos antes de ingerir porque microrganismos, como os responsáveis pelo botulismo, não sobrevivem em altas temperaturas”, elucida a nutricionista.

Antes de mudar a dieta, procure um especialista

Por se tratar de uma alimentação que pode ter redução na ingestão de alguns nutrientes encontrados mais facilmente em alimentos de origem animal, como vitamina B12 e cálcio, é importante que quem quer fazer a transição para a alimentação vegetariana ou vegana seja acompanhado por um médico e, de preferência, por um nutricionista. Assim, pode ser prescrita uma dieta individualizada e balanceada, e ser feito um rastreamento sobre alguma deficiência nutricional pré-existente e se há necessidade de suplementação. “É muito comum deficiências nutricionais em onívoros e esta deve ser corrigida/suplementada concomitante a transição para o veganismo. Então é importante avaliar nos exames de sangue os níveis de vitamina B12, ácido fólico, ferritina, transferrina, cálcio e vitamina D e avaliar a necessidade de suplementação”, esclarece a especialista.

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Dia Mundial do Alzheimer: alimentos naturais são os maiores aliados da saúde

Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, explica que o consumo abundante de vegetais, peixes, oleaginosas, laticínios e grãos integrais funciona como estratégia nutricional para prevenção e auxílio no tratamento da doença

Estima-se que, atualmente no Brasil, existam 1,2 milhão de pessoas com a Doença de Alzheimer (DA). As vítimas costumam ter acima de 65 anos de idade e, em sua maioria, são mulheres. A doença, cuja principal característica é a perda progressiva de memória (decorrente da degeneração de células cerebrais), merece muita atenção. E é por isso que o dia 21 de setembro é a data escolhida para reforçar a necessidade de conscientização da sociedade. Além disso, há estudos que sugerem a estratégia nutricional como uma grande aliada tanto na prevenção quanto no tratamento a longo prazo.

O tratamento da DA é baseado principalmente em critérios clínicos, além de atividades que trabalhem a função intelectual e, usualmente, a memória. No entanto, de acordo com a nutricionista do Oba Hortifruti, Renata Guirau, existem diversas pesquisas que sugerem a dieta nutricional cetogênica como aliada na prevenção e tratamento do Alzheimer. Esta estratégia se dá, basicamente, por um maior consumo de gorduras boas e proteínas, em detrimento a uma menor proporção de carboidratos, principalmente os refinados, como açúcares e farinhas.

Um estudo recente elaborado pela Pubmed revelou que a dieta do mediterrâneo, um regime que consiste no consumo abundante de vegetais, peixes, oleaginosas, laticínios e grãos integrais, também funciona como uma medida interessante para a prevenção e auxílio ao tratamento da doença. Segundo Renata, essa mudança na alimentação proporciona benefícios para o corpo todo. “O que é consenso na literatura científica é que um padrão alimentar com o mínimo possível de alimentos processados e rico em alimentos naturais favorece a saúde do cérebro e ajuda na prevenção da demência. O principal mecanismo envolvido nesta proteção é a ação antioxidante desse tipo de estratégia nutricional”, afirma a especialista.

Vale dar destaque também às castanhas. Alimento saboroso e rico em nutrientes que colaboram para a saúde do nosso cérebro, estas oleaginosas contém proteínas que protegem as membranas das células, além de conterem selênio e zinco, que atuam pela forte ação antioxidante; e como bônus, possuem fibras que ajudam na saúde intestinal.

Portanto, é importante enfatizar que o intestino funciona como o segundo cérebro do nosso corpo. Como mostra um estudo publicado no ano de 2021, pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos (NLM), as bactérias que habitam nosso intestino têm interação com todos os nossos órgãos, o que inclui todo o sistema nervoso central. O metabolismo dessas bactérias pode gerar fatores pró-inflamatórios e alteração na produção de neurotransmissores. Com isso, fica claro que a saúde do intestino afeta todo o nosso sistema nervoso e há evidências sólidas de que ele colabora no combate de uma série de enfermidades.

Curiosidades sobre Alzheimer:
-38 milhões de pessoas diagnosticadas com Alzheimer no mundo;
-Mais de 1 milhão de casos de demência diagnosticados no Brasil;
-Até 2050, serão 131 milhões de pessoas diagnosticadas no mundo;
-No Brasil, de 4 a 5 milhões serão diagnosticadas com Alzheimer até 2050;
-A cada três pacientes, duas são mulheres;
-Alzheimer causa mais mortes do que os cânceres de mama e próstata juntos.

Principais FLV (frutas, legumes e verduras) que atuam no combate à DA:
-Todos os vegetais são fontes de antioxidantes e fitoquímicos, ajudam a reduzir inflamação e processos oxidativos no nosso organismo;
-Banana, cacau e frutas vermelhas são excelentes combatentes ao envelhecimento precoce do nosso cérebro;
-Vegetais escuros e uvas são excelentes opções, que além de gostosas, possuem alta concentração de nutrientes e compostos bioativos.

Pensando nisso, a nutricionista separou algumas receitas que têm como base os alimentos que combatem o Alzheimer:

Panqueca de banana com cacau

Ingredientes:
1 banana nanica amassada
1 ovo
1 colher de sopa rasa de farinha de aveia
1 colher de café de cacau em pó

Modo de fazer:
Misture tudo até formar uma massa homogênea. Cozinhe em uma frigideira antiaderente previamente aquecida.

Bolo integral com castanhas

Ingredientes:
1 xícara de farinha de trigo integral
1 xícara de farinha de aveia
2 bananas maduras
2 maçãs picadas
1 xícara de chá de castanhas picadas
1 xícara de chá de uvas passas hidratadas
50 ml de leite
3 ovos
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer:
Bata tudo no liquidificador, exceto as castanhas e as maçãs picadas.
Acomode a massa em uma assadeira de furo, untada. Cubra a massa distribuindo os cubos de maçã e as castanhas picadas por toda a sua superfície. Leve para assar em forno preaquecido a 180ºC por cerca de 30 minutos.

Molho pesto com castanha

Ingredientes:
1 xícara de chá de folhas de manjericão
1 xícara de chá de azeite
1 colher de chá de sal
2 dentes de alho
½ xícara de chá de castanhas-do-pará
½ xícara de chá de queijo parmesão ralado

Modo de fazer:
Bata tudo no liquidificador ou mixer. Guarde em um recipiente de vidro e use acompanhando torradas, pães, saladas ou massas.

Fonte: Oba Hortifruti

3 dicas de alimentos aliados na prevenção de inflamações e doenças

Raízs se une à nutricionista Pamela Miguel para trazer dicas de alimentos anti-inflamatórios, ricos em probióticos e zinco

Muito é falado sobre alimentação, o universo da saudabilidade e o que é benéfico para nosso organismo. Ajudando a esclarecer alguns temas sobre produtos essenciais para saúde e disposição, a Raízs, supermercado online de orgânicos e saudáveis, se uniu à nutricionista Pamela Miguel, para trazer dicas de alimentos aliados na prevenção de inflamações e doenças. Confira:

Sunnysun0804/Pixabay
  1. Alimentos ricos em zinco para fortalecer a imunidade

O mineral atua diretamente na principal enzima que age como primeira linha de defesa contra os radicais livres e contribui para o fortalecimento do sistema imunológico. Entre os alimentos, estão: a semente de abóbora, carne bovina, castanha-de-cajú, amendoim, amêndoas, lentilha, feijão carioca e iogurte natural.

Adobe Stock
  1. Alimentos anti-inflamatórios

A dieta de cada pessoa contribui muito para o aumento da inflamação do organismo. Uma alimentação anti-inflamatória inclui alimentos naturais, ricos em vitaminas minerais e substâncias com ação antioxidante (polifenóis, carotenoides e flavonoides) como, frutas vermelhas, laranja, brócolis, couve, abacate, kiwi, acerola entre outros. 

  1. Alimentos ricos em probióticos

Quando administrados em dosagem adequada, os microrganismos viáveis promovem um balanço positivo no trato gastrointestinal. Entre as  funções positivas que trazem ao organismo, estão: a melhora e prevenção de quadros alérgicos, regular o intestino, evitando a constipação e a diarreia, o que traz benefícios positivos para  a imunidade. Bebidas fermentadas como iogurtes, kefir, kobumchas, chucrute, alimentos à base de soja, FLV’s (frutas, legumes e verduras) contém uma grande quantidade de probióticos e podem auxiliar no controle do colesterol.

Além dessas dicas, a foodtech e a nutricionista prepararam um e-book com essas e outras dicas sobre como ter uma vida melhor e mais conectada com os princípios da sustentabilidade e bem-estar. Para estimular os leitores a consumirem esses alimentos e cuidarem da saúde, a Raízs liberou 30%off em primeiras compras utilizando o cupom EUQUERORAIZS30.

Linha Soul Good Kopenhagen perfeita para quem não abre mão do estilo de vida equilibrado

Produtos com zero adição de açúcares, opções zero lactose e sem glúten passaram a fazer parte da rotina dos brasileiros

Não é de hoje que as pessoas começaram a se preocupar mais com a saúde e a pandemia abriu os olhos para esses cuidados. A prática regular de atividade física, a conquista de um corpo e mente saudável, e uma boa alimentação, são as grandes aspirações da atualidade.

Não à toa, o Brasil ocupa a 7ª posição no mercado de alimentos e bebidas saudáveis no mundo, com consumidores que buscam aliar praticidade a boa alimentação. De acordo com a Euromonitor internacional, o setor cresceu 33% entre 2015 e 2020. E a expectativa é que até 2025 cresça mais 27%. O mesmo levantamento mostra que a indústria de bebidas e comidas saudáveis atingiu um tamanho de mercado de R$ 100,2 bilhões em 2020.

De olho nessa tendência, a Kopenhagen destaca a linha Soul Good, com bombons, tabletes e cremes, sem glúten e com opções zero lactose, zero adição de açúcares e sem adoçantes artificiais, perfeitos para aqueles que não abrem mão de um estilo de vida mais equilibrado e saudável, e que valorizam itens com ingredientes naturais e muito sabor, além de ser fonte de fibras. A clássica Língua de Gato da marca também ganha a versão Soul Good e os Spreads deixam o portfólio completo, seja para comer no café da manhã ou ao longo do dia.

A linha faz parte da rotina dos consumidores e vem se solidificando no ponto de venda. “Isso reforça a tendência de que as pessoas estão em busca de bem-estar e optam por um estilo de vida mais leve e equilibrado, consumindo alimentos mais saudáveis, mas sem abrir mão de produtos saudáveis e gostosos”, afirma Maricy Porto, diretora executiva da Kopenhagen.

A marca SoulGood, que já conta com 16 produtos, foi criada com a finalidade de inserir a Kopenhagen cada vez mais na rotina do consumidor que, muitas vezes, consumia os outros produtos mais indulgentes com certa moderação. Com a linha Soul Good o cenário mudou e agora mesmo aqueles que são amantes de atividades físicas ou que possuem uma dieta mais restritiva, podem consumir chocolate todos os dias.

Hoje estamos nas academias, nas corridas de rua e cada vez mais presente na vida e na rotina de milhares de brasileiros, seja porque tem alguma restrição alimentar ou porque optaram por um estilo de vida mais saudável”, conta Maricy.

Soul Good está investindo forte em comunicação e marketing, ampliando a exposição de seus produtos em diversas frentes: “Hoje somos patrocinadores oficiais das corridas Santander Track&Field 2022 e temos grandes collabs em andamento. Estamos voltando nossos esforços para mostrar para o consumidor que é possível comer chocolate sem culpa, destacando os benefícios que ele oferece para o corpo”, conclui Maricy.

Precisa reduzir o consumo do sal? Confira como usar ervas e especiarias para dar sabor aos pratos

Universo de aromas, sabores e cores das ervas e especiarias ajuda a montar pratos deliciosos sem precisar mexer no saleiro. Kitano dá dicas de preparos do cotidiano explorando só os temperos

As ervas e especiarias nos proporcionam um universo de aromas, sabores e cores tão marcantes, que é possível usá-las como substitutas do sal, deixando o saleiro guardadinho para a criação de alguns pratos. 

Especialista na arte de temperar e presente na vida dos brasileiros há seis décadas, a Kitano mostra como os temperos são ótimos aliados na transformação do gosto das refeições. A lista de sugestões conta com pimenta do reino preta, orégano, cominho, páprica e tomilho. Veja como tornar o dia ainda mais saboroso. 

Ovo frito com Pimenta-do-Reino Preta: 

O tradicional ovo frito é um bom exemplo de como investir em um preparo sem sal. Uma pitada de Pimenta do Reino Preta em Pó Kitano sobre o ovo na frigideira é suficiente para dar um toque levemente picante. A pimenta do reino preta também combina na preparação de verduras, massas, molhos e carnes.

Orégano na Batata

O gosto robusto do orégano ajuda a salgar a batata e ainda leva seu gosto marcante à refeição. Uma curiosidade: o orégano em pó da Kitano é selecionado da sépala da flor (que fica abaixo da pétala) e não da folha, o que dá um sabor mais intenso ao tempero. 

Feijão com Cominho

O feijão nosso de cada dia também pode ser preparado com riqueza de sabor contando apenas com os aromas presentes nas ervas e especiarias. O alho, cebola e o bacon complementam o time que deixará o feijão irresistível. A receita e o preparo do feijão com cominho, para quatro porções, são feitas da seguinte forma.

Ingredientes:

● 1 e 1/4 xícara (chá) de feijão

● 3 xícaras (chá) de água

● 2 colheres (sopa) de azeite

● 50 g de bacon picadinho

● 1 cebola pequena picada

● 2 dentes de alho picados

● 1 colher (chá) de Cominho Kitano

Modo de preparo: coloque o feijão em um recipiente e cubra com água. Deixe de molho por 3 horas. Escorra e descarte a água. Coloque o feijão em uma panela de pressão e acrescente a água. Leve ao fogo médio por 15 minutos depois do início da pressão. Em outra panela, aqueça o azeite e frite os cubinhos de bacon. Junte a cebola e, quando começar a dourar, acrescente o alho. Misture por 1 minuto, acrescente o feijão cozido e o cominho. Adicione o caldo do cozimento e deixe ferver até que o caldo esteja no ponto desejado.

s pedaços de frango. Frite em panela alta, com óleo bem quente, deixando dourar (aproximadamente 15 minutos). Retire, coloque em papel toalha para escorrer e disponha numa travessa, enfeitando com salsa picada.

Frango a Passarinho com Páprica, Tomilho e Cheiro-Verde

Sabe o que acontece quando um trio de peso de temperos se junta para uma refeição? O resultado é comida boa. Que o diga o frango a passarinho temperado com páprica doce, tomilho, cheiro-verde, entre outros ingredientes. Nada de sal! Com suas características próprias, os três temperos dão ao frango frito um paladar magnífico, sendo difícil parar de comer. Confira a receita desse prato:

Ingredientes:

● 12 pedaços de frango cortados na junta (passarinho)

● 5 dentes de alho amassados 

● 1 cebola bem picada

● 4 colheres (sopa) de cheiro-verde Kitano

● 5 colheres (sopa) de suco de limão

● 1 colher (café) de tempero baiano Kitano

● 1 xícara de farinha de trigo

● 1 colher (sopa) de tomilho Kitano

● 1 colher de sopa de páprica doce Kitano

● 1 colher (chá) de fermento em pó

Modo de preparo: misture em tigela, com os pedaços de frango, o alho amassado, a cebola, o cheiro verde, o limão a páprica e o tomilho. Deixe descansar por 10 minutos. Em uma tigela à parte e misture a farinha de trigo. Coloque a segunda mistura em cima da primeira e tampe, agitando bem, para que a farinha e os ingredientes se misturem bem aos pedaços de frango. Frite em panela alta, com óleo bem quente, deixando dourar (aproximadamente 15 minutos). Retire, coloque em papel toalha para escorrer e disponha numa travessa, enfeitando com salsa picada.

Fonte: Kitano