Arquivo da categoria: animais

Dia das Aves: espécies podem retornar a regiões que se tornaram mais calmas e limpas

Políticas públicas em áreas urbanas e rurais precisam contribuir para com a preservação

Mudanças provocadas pela pandemia de Covid-19 em áreas urbanas e rurais ocasionaram redução da poluição e dos ruídos em algumas regiões. Uma consequência positiva é a volta de animais silvestres a locais dos quais eles haviam sido afugentados. Esta movimentação pode ser observada entre espécies de aves, cujo dia é celebrado em 5 de outubro.

Nos primeiros meses da quarentena, por exemplo, foram avistados patos silvestres em uma fonte em Roma e nos canais de Veneza, na Itália. Na Índia, um pavão foi flagrado circulando pelas ruas. Os registros foram noticiados por veículos de imprensa de diferentes países. Em bairros de cidades brasileiras, moradores passaram a avistar pássaros mais frequentemente, o que pôde ser observado em diversas postagens em redes sociais digitais.

Conforme explica Cristina Maria Pereira Fotin, membro da Comissão Técnica de Médicos-veterinários de Animais Selvagens do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), essa circulação ocorre porque os animais procuram ambientes que ofereçam condições mais favoráveis, como abrigo seguro e alimento.

De acordo com a médica-veterinária, a sociedade pode contribuir ainda mais para que haja a presença das aves ao preservar árvores frutíferas que atraem pássaros e outros animais silvestres. “É fundamental manter a flora existente, fomentar programas de plantio e o consumo consciente para a redução da produção de lixo e resíduos.”

Cristina alerta, entretanto, quanto à importância de não oferecer alimentos ou água para atrair as aves, uma vez que esta prática pode provocar desequilíbrios na dieta de espécies e, ainda, atrair animais com potencial de transmissão de doenças, como ratos, mosquitos, entre outros.

Planejamento urbano e controle de queimadas são cruciais

Foto: Frank Magdelyns/Pixabay

Para a médica-veterinária Hélia Maria Piedade, que faz parte da Comissão Técnica de Animais Selvagens do CRMV-SP, a arborização urbana, incluindo espécies de plantas benéficas para alimentar e abrigar aves, deve fazer parte do planejamento das cidades.

“São fundamentais, ainda, medidas para manter os gatos domésticos restritos dentro das residências”, sinaliza Hélia, sobre uma ação de fomento à guarda-responsável que também reduz as chances de os felinos, com seu comportamento predador natural, atacarem aves jovens e ninhos.

Neste contexto, o controle da ocorrência de fogo em áreas verdes é outro tópico enfatizado pela médica-veterinária, cujos impactos são drásticos para toda a fauna silvestre. “Com o fogo, falta alimento, abrigo e parceiros, o que gera desequilíbrio de todo um sistema complexo das relações entre os animais, plantas e meio ambiente”, afirma a profissional.

Saiba o que fazer se encontrar uma ave ferida

Exoticvetclinic.com

É comum as pessoas encontrarem aves feridas nas ruas e estradas, em varandas e quintais das residências. Hélia orienta que a primeira medida é verificar se de fato há sinal de que a ave está machucada.

“Muitas vezes está apenas desorientada ou cansada. Nestas situações, geralmente, são filhotes inexperientes”, diz a médica-veterinária, que sugere observar se há outra ave da mesma espécie por perto ou algum ninho. “Caso o local não represente risco imediato ao animal, deixe que ele descanse”, explica Hélia.

Se realmente for necessário recolher o animal, Cristina explica que a ave deve ser envolvida com uma toalha e colocada em uma caixa ventilada e fechada, de forma a proporcionar sensação de segurança e diminuir o estresse. “Evite pressionar a região peitoral da ave, que controla a respiração. Do contrário, algumas espécies podem causar ferimentos com o bico ou garras na tentativa de se defenderem.”

Depois, é preciso levar o animal para atendimento em centros de reabilitação e fauna silvestre ou entregá-lo em um posto de polícia ou guarda ambiental, para que seja direcionado a pontos de tratamento especializado, os quais, posteriormente, farão a soltura do animal em local apropriado, quando a ave estiver preparada.

Hélia enfatiza a delicadeza da constituição física das aves. “Não é recomendo que pessoas não habilitadas façam algum tipo de manobra ou procedimento, tanto para preservar a ave, como para evitar que a pessoa se contamine por uma possível doença que possa ser transmitida.”

Permanecer com a ave não é permitido

Aves de vida livre são protegidas pela Lei Federal nº 9605/98, conhecida como “Lei de Crimes Ambientais”, que proíbe “matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente”.

Isso significa que não é permitido ao cidadão permanecer com a ave em casa. Todo animal silvestre que necessite de resgate deve ser encaminhado o mais breve possível para os locais autorizados pelo órgão ambiental competente.

Confira alguns órgãos que podem receber animais resgatados no Estado de São Paulo clicando aqui:

Fonte: CRMV-SP

ADIADA: Campanha de doação de sangue une tutores e cães para fazer o bem

RECEBEMOS A INFORMAÇÃO, VIA ASSESSORIA DE IMPRENSA, QUE A CAMPANHA FOI ADIADA E QUE NÃO HÁ NOVA DATA A SER DIVULGADA POR ENQUANTO.

Ação do West Plaza beneficia Banco de Sangue Paulista e Banco de Sangue Pet

Unindo um passeio com o melhor amigo e a oportunidade de fazer o bem, o Shopping West Plaza proporciona mais um momento incrível com o seu pet. No próximo dia 30, quarta-feira, o empreendimento promove Campanha de Doação de Sangue Humano e Pet. O objetivo é que os doadores incentivem amigos e familiares a ajudarem outras pessoas e que também levem seus cachorros para ajudarem outros cachorros.

Para os humanos a ação, realizada em parceria com o Banco de Sangue Paulista, acontece com agendamento prévio de horários, seguindo as normas de distanciamento social, higiene e controle de fluxo, a fim de contribuir com todos os cuidados na prevenção contra o novo coronavírus. O agendamento deve ser feito pelo WhatsApp do shopping no número 11 94516-3051. O horário da doação acontece das 8h às 16h, no bloco A, 1º piso.

MedicalNewsToday

Os interessados em participar da ação precisam ter mais de 16 anos, estar bem de saúde e portar documento de identidade oficial com foto, além de preencher alguns pré-requisitos, como:

• Não fumar por, pelo menos, duas horas antes da doação;
• Não ter ingerido bebidas alcoólicas por, no mínimo, 12 horas antes da coleta;
• Gestantes e lactantes não podem doar (exceto mães de crianças a partir de 1 ano);
• Em caso de ter tido alguma infecção recentemente, a doação é liberada após 14 dias depois do tratamento de antibióticos;
• Não ter realizado procedimentos como aplicação de piercings e/ou tatuagens nos últimos 12 meses;
• Menores de 18 anos só podem realizar as doações mediante termo de autorização dos responsáveis;
• Para os idosos doarem, a primeira doação deve ter sido até os 61 anos.

Já para os benfeitores pet, a iniciativa realizada em parceria com o Pets & Life, tem como objetivo arrecadar contribuições para o Banco de Sangue Pet. Das 12h às 18h, o West Plaza recebe um hemocentro móvel que fará a coleta no Boulevard do centro de compras. Cada bolsa de sangue pode salvar a vida de até três cães.

Antes da coleta é realizado o hematócrito (exame que verifica se o cão não possui anemia) e exame físico do animal. Após a doação os cachorros recebem gratuitamente exames de sangue e acompanhamento renal, essa parceria garante um controle geral da saúde do pet.

Para participar da ação os cachorros devem possuir no mínimo 15kg e seguir alguns critérios:

• Ter entre 1 e 8 anos;
• Estar clinicamente saudável;
• Estar vacinado e vermifugado (comprovado via carteira de vacinação);
• Estar sem pulgas e carrapatos;
• Não ter passado por procedimento cirúrgico recente (nos últimos dois meses);
• Caso seja fêmea, não estar no período de gestação ou com filhotes.

Serviço – Campanha de Doação de Sangue Shopping West Plaza
Endereço: Av. Francisco Matarazzo – Água Branca, São Paulo – SP
Data: 30/09

Doação de Sangue humano Horário: Das 8h às 16h Local: Bloco B, 1º piso Agendamento: WhatsApp 94516-3051

Doação de Sangue Pet Horário: 12h às 18h Local: Boulevard

Informações: Shopping West Plaza – Telefone (11) 3677 4236.

Pet terapia: maneira alternativa de levar conforto e carinho a crianças e idosos

Cães terapeutas contribuem para a socialização e equilíbrio emocional das pessoas

A Terapia Assistida por Animais (TAA), popularmente conhecida como pet terapia, tem como objetivo despertar a socialização, diminuir o estresse, aumentar a autoestima, motivar, descontrair e entreter as pessoas. Normalmente é realizada em instituições como casas de repouso, hospitais, orfanatos e entidades assistenciais. A atividade é essencial para deixar o ambiente mais acolhedor e leve, além de permitir que, em alguns casos, o assistido lembre-se de algum animalzinho que teve ao longo da vida.

pet-terapia

Os principais fundamentos da pet terapia estão ligados à parte emocional, concentração e socialização. “Cães de raças mais dóceis são os que obtêm os melhores resultados. O Golden Retriever, por exemplo, consegue perceber as mudanças de humor. Se uma pessoa começa a se debater ou chorar, ele chega próximo e intervém de alguma forma”, revela Carla Bonfin, psicóloga e voluntária do grupo de pet terapia “Pelo Carinho”, de Belo Horizonte, apoiado pela Origens, linha de alimentos para cães e gatos do Grupo Adimax, que possui um projeto social voltado a essa terapia alternativa.

Mas engana-se quem pensa que a TAA se limita a cães de raça, os SRDs (Sem Raça Definida) são igualmente bem-vindos, pois o fator determinante é o comportamento do animal. Desta forma, gatos, cavalos, pássaros, golfinhos e elefantes também possuem efeitos terapêuticos sobre as pessoas.

Todo esse envolvimento benéfico entre animais e humanos está presente no projeto Nutrindo Amor, que percebeu a importância da pet terapia na vida das pessoas. “A maioria das ações são realizadas por voluntários acompanhados dos próprios pets, que levam conforto a pessoas que estão debilitadas de alguma forma, seja fisicamente ou emocionalmente”, explica André Sano, coordenador do marketing social da Adimax, empresa responsável pelo projeto e que realiza parcerias com grupos de pet terapia pelo Brasil, oferecendo assistência e incentivo a esses grupos, além de alimento para os animais.

mulher-com-gato-gata-pixabay

A história da pet terapia

pet terapia

A pet terapia surgiu em 1792, quando o filantropo Willian Tuke indicou o uso de animais domésticos no tratamento de doentes de um asilo em Londres (Inglaterra) e, desde então, vem ganhando cada vez mais espaço na sociedade devido aos resultados positivos. Os principais beneficiados da terapia são pacientes no espectro autista, com demência, paralisia cerebral e transtornos mentais. Porém existem pesquisas que utilizam o tratamento auxiliar também em casos de AVC, obesidade e hipertensão.

Um estudo realizado com pacientes crianças pelo Departamento de Ciências e Saúde da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, mostrou que um grupo submetido a um tratamento pós-operatório com a presença de cães terapeutas, teve o nível de estresse mais baixo e a percepção de dor modificada comparado àquele sem a presença do animal. Ao ter uma resposta emocional positiva devido a presença dos cães, que distraem e entretêm com carinho, a recuperação tanto física como mental dos pacientes teve uma melhora.

No Brasil, a TAA é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito).

Fonte: Adimax

P.S. Você gosta de animais? Eu criei um site só para falar sobre eles, nossos amados amigos. É o Se Meu Pet Falasse. Se inscreva para receber avisos de novos posts. Tem saúde, comportamento, adoção, fofuras… Você vai gostar!

Inverno pede atenção redobrada às articulações dos pets

Kauê Ribeiro da Silva, veterinário da Vetnil, reforça a importância do acompanhamento veterinário

Assim como os humanos, pets também podem sofrer de problemas nas articulações. Ainda que a enfermidade seja bastante comum durante todo o ano, a chegada do inverno requer ainda mais atenção dos tutores aos possíveis sinais clínicos. Segundo Kauê Ribeiro da Silva, veterinário e analista de desenvolvimento de produtos da Vetnil, problemas articulares podem surgir principalmente em pets idosos, mas complicações preexistentes, como traumas e displasias, também são fatores de risco.

cachorro labrador quieto deitado dor

Entre as principais doenças articulares, pode-se destacar a osteoartrose, que gera dor crônica e acomete em torno de 20% dos cães e gatos em geral. Kauê recomenda que para evitar problemas mais graves, é fundamental que seja realizado um acompanhamento veterinário desde os primeiros sintomas. Com as consultas, o profissional poderá inclusive recomendar uma terapia preventiva (utilizando medicamentos condroprotetores), além de outras medidas como exercícios físicos de leve intensidade e controle de peso, caso o animal apresente sobrepeso.

O veterinário ressalta ainda a importância de se atentar a todos os sinais. Cães com dor crônica em decorrência de doenças articulares tendem a apresentar alterações de comportamento, atrofia muscular, dificuldade de caminhar e se movimentar, letargia e tendem a lamber constantemente as articulações acometidas.

gato deitado triste doente Gundula Vogel por Pixabay
Gundula Vogel/Pixabay

Já os gatos costumam apresentar maior irritabilidade, menor tolerância ao contato (como nos momentos de escovação ou carinho), mudança dos locais usuais de descanso, além de poderem diminuir a interação com o dono e a ingestão de água e comida (principalmente quando o comedouro e bebedouro estão em locais altos – o que normalmente é positivo, mas representa uma dificuldade para um gato com dor).

“Ao observar alguma dessas manifestações ou quaisquer outras no pet, é fundamental que o tutor o leve ao veterinário para que seja realizado um diagnóstico correto e tratamento adequado. A dor crônica é muito prejudicial à saúde dos pets, assim como à nossa, e se torna mais difícil de tratar quanto mais tempo se leva para iniciar a terapia”, complementa Kauê.

Valley Vets, Cardiff
Foto: Valley Vets, Cardiff

Dentre as possibilidades de terapia, a realização de exercícios físicos leves é recomendada, já que os exercícios elevam a temperatura corporal e melhoram a circulação sanguínea, o que ajuda a diminuir a contração muscular e auxilia na reversão dos processos que causam dores musculares e articulares. Outros efeitos benéficos do exercício incluem evitar o sobrepeso e a atrofia muscular (consequências que podem piorar o quadro e a dor articular).

Nesse sentido, um exercício fácil e prazeroso de se realizar com seu cão são os passeios, porém deve-se prestar atenção às regras de isolamento e cuidados para não promover a transmissão da Covid-19. Assim, os tutores devem utilizar máscaras e preferir locais com o mínimo possível de circulação de pessoas.

mulher-mascara-cachorro-passeio-pixabay-silviu-costin

Ao retornar às suas casas, é recomendado higienizar as patas dos cães com solução antisséptica (à base de clorexidina, por exemplo) e lavar bem as mãos, tomando cuidado para que roupas potencialmente contaminadas não contaminem outros objetos da casa. Para os gatos, a utilização de itens de enriquecimento ambiental e de brinquedos que o estimulem é recomendada, mas o tratamento para reduzir a dor e promover a saúde articular deve ser realizado de forma conjunta.

Kauê ainda destaca produtos da Vetnil que podem contribuir para os cuidados com os pets durante o inverno:

Condroton é um medicamento que atua na causa primária das enfermidades articulares, proporcionando melhor qualidade de vida para o animal. Ele é indicado no tratamento de artropatias em geral, doenças tendíneas, pós-operatório de cirurgias articulares, prevenção de doenças osteoarticulares e como auxiliar para os casos de fratura. O Condroton Injetável, com indicação para cães e gatos, está disponível em frasco ampola de 10 ml, enquanto o Condroton, com indicação para cães, tem apresentação em comprimidos de 500 mg e 1000 mg, disponíveis em frascos plásticos com 60 comprimidos.

Geripet é um suplemento formulado especialmente para suprir as principais demandas nutricionais de cães e gatos com idade mais avançada, possuindo nutrientes específicos para uma melhor qualidade de vida de animais idosos. Geripet está disponível em frascos contendo 30 comprimidos.

Meloxinew Comprimido é um anti-inflamatório não esteroidal com atividade preferencial na inibição da COX-2. É indicado para cães e gatos no tratamento da inflamação e dor, aguda ou crônica, nos casos que envolvam tecidos moles ou musculoesqueléticos, além de ser indicado no controle da dor e inflamação em pós-operatório. O produto está disponível em apresentações de 0,5, 1, 2 e 4 mg, em cartuchos contendo 1 blíster com 10 comprimidos e displays contendo 12 blísteres com 10 comprimidos cada.

Ômega3+SE é um suplemento à base dos ácidos graxos essenciais da família ômega-3, obtidos de peixes marinhos de águas frias e fornece EPA e DHA na proporção ideal, além de possuir a Vitamina E e o Selênio, que são potentes antioxidantes. O produto tem duas apresentações, o Ômega3+SE 550 e o Ômega3+SE® 1100, ambos disponíveis em frascos contendo 30 cápsulas.

Fonte: Vetnil

P.S. Você gosta de animais? Eu criei um site só para falar sobre eles, nossos amados amigos. É o Se Meu Pet Falasse. Se inscreva para receber avisos de novos posts. Tem saúde, comportamento, adoção, fofuras… Você vai gostar!

 

Drive-thru Solidário arrecada livros usados em prol de animais de rua

O Colégio Singular e o Cursinho Singular Anglo, com unidades em Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, por meio da Espa – Equipe Singulariana de Proteção aos Animais, estão promovendo o Drive-thru Solidário – Campanha de doação de livros.

A ação está arrecadando, por tempo indeterminado, todos os gêneros e tipos de livros, os quais serão encaminhados para uma protetora independente, que atualmente cuida de mais de 200 animais de rua. Os livros serão vendidos e transformados em dinheiro para compra de ração.

Quem quiser colaborar poderá deixar suas doações em uma das unidades do colégio ou cursinho, entre às 10 e 17 horas. Os endereços estão disponíveis no portal – clique aqui.

mprossicomunicações_singular

Espa

A missão da equipe sempre foi amenizar o grave problema social do abandono de animais gerado por falta de políticas públicas para proteção e controle de natalidade. Quando surgiu seu papel era apenas assistencial, mas muitas ações foram agregadas, como: arrecadação e distribuição de ração para os abrigos, incentivo à adoção de animais abandonados ou SRD – sem raça definida – e não a compra de pets.

O projeto também foi inserido no material pedagógico do Singular, com foco na guarda responsável, proteção ambiental e tráfico de animais, envolvendo alunos da Educação Infantil ao Ensino Fundamental II.

Continental Shopping promove Campanha e Cãopanha do Agasalho

Arrecadação de agasalhos e cobertores acontece diariamente das 12 às 18 horas

O Continental Shopping em parceria com o Rotary Parque Continental promove Campanha do Agasalho. Na ação serão arrecadas roupas e acessórios de inverno, cobertores e mantas que serão doados para instituições da região.

Em parceria com a Avama (Ação animal Pró Vida Animal e Meio Ambiente) o empreendimento também receberá doações para a Cãopanha do Agasalho. O objetivo dessa ação é receber roupas e mantas para os animais e ração para cães e gatos que estão na instituição à procura de um novo lar.

A contribuição pode ser feita presencialmente, de segunda a domingo, das 12 às 18 horas, diretamente no estacionamento do shopping próximo à Drogasil.

morador de rua e cachorro

Campanha do Agasalho e Cãopamanha do Agasalho Continental Shopping
Horário: de segunda a domingo das 12h às 18h
Local: estacionamento (Rua Eva Terpins)
Endereço: Avenida Leão Machado, 100 – Jaguaré – São Paulo – SP
Mais informações: (11) 4040-4981

Crimes contra animais também aumentam na quarentena e exigem atenção redobrada

Ocorrências podem ser sinalizadoras também de violência doméstica. “Teoria do elo” aponta para um padrão do perfil de agressores nos núcleos familiares

Com o isolamento social necessário para reduzir os casos de Covid-19, há maior convivência entre os familiares nas residências e destes com seus animais. E durante este período, infelizmente, dados têm demonstrado o aumento do número de casos de violência doméstica e de maus-tratos contra cães, gatos e outras espécies de estimação. Não é apenas na alta das estatísticas que esses crimes têm pontos em comum. Autores de crueldades contra animais são potenciais agressores/abusadores de pessoas. É o que explica a chamada “Teoria do Elo”.

Jon Ross via Flickr
Jon Ross/Flickr

O termo Teoria do Link – também conhecida como Teoria do Elo – surgiu há quase 50 anos, após estudos baseados em casos reais, nos Estados Unidos, levarem ao entendimento de que autores de crueldades contra animais são potenciais agressores/abusadores de pessoas, em especial de populações consideradas vulneráveis.

Um levantamento feito pelo autor do livro “Maus-tratos aos Animais e Violência Contra Pessoas”, Marcelo Robis Francisco Nassaro, mostra que, dentre as mais de 600 pessoas autuadas por maus-tratos a animais pela Polícia Militar Ambiental do Estado de São Paulo, em 2013 e 2014, 34% possuíam registros por outros crimes, sendo que os mais violentos – de lesão corporal, homicídio e estupro – representam 20% do total registrado.

O novo cenário desenhado pela quarentena tem sido motivo de alerta para o aumento da violência doméstica – aquela praticada no núcleo familiar contra mulheres, idosos, crianças e adolescentes e pessoas com deficiência – , cujos números assustam. Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, entre 1º de março e 18 de maio, houve crescimento nas denúncias de violência a grupos vulneráveis. O registro foi de 12,1 mil casos no País só neste período, sendo São Paulo o Estado com maior concentração (3,4 mil).

O recorte de violência doméstica sofrida por mulheres no Estado é ainda mais grave. Dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) mostram que 20 casos resultaram em feminicídio em março deste ano, uma alta de 53% se compararmos com os 13 registrados no mesmo mês do ano passado.

No que diz respeito a ocorrências de crimes contra cães, gatos e outras espécies de estimação, o aumento foi superior a 10%. Na Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa) da SSP-SP, o número de denúncias passou de 4.108 no início de 2019 para 4.524 no mesmo período deste ano. Um dos fatores que podem ter contribuído para este acréscimo é o maior tempo de permanência das pessoas em ambiente doméstico e este contexto requer atenção redobrada, seja entre os médicos-veterinários, que podem vir a receber casos em suas clínicas, consultórios e hospitais, seja pela população em suas vizinhanças. Flagrantes e casos suspeitos devem ser notificados à polícia para a proteção dos animais e de famílias envolvidas.

cachorro com medo animal humane society
Animal Human Society

Perfil comum dos agressores é investigado

A médica-veterinária Tália Missen Tremori, que integra a Comissão Técnica de Medicina Veterinária Legal (CTMVL) do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), tem experiência no assunto em sua atuação profissional e acadêmica. Em um de seus trabalhos como orientadora de pesquisa, foram selecionados boletins de ocorrência registrados na Delegacia da Mulher do município de Botucatu.

A partir dos documentos, de entrevistadas concedidas pelas vítimas e de exames nos animais destas mulheres, algumas das conclusões deste pequeno recorte regional já foram alarmantes: “Um terço das vítimas confirmou que seus pets sofreram algum tipo de agressão”.

No sentido de auxiliar na elucidação de crimes contra animais, identificar seus autores e, assim, também chegar a possíveis vítimas humanas do criminoso, o recém-inaugurado Ambulatório de Corpo de Delito e Medicina Veterinária Legal do Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, atende casos de animais vivos encaminhados pela polícia civil da região.

“Já recebemos seis cães com lesões graves, a maior parte de autoria desconhecida. Entendemos que o trabalho – desempenhado por profissionais, pesquisadores e estagiários –, pode ajudar na solução de casos em que famílias precisam ser salvas”, comenta a médica-veterinária Noeme Souza Rocha, responsável pela implantação do ambulatório, também integrante da CTMVL/CRMV-SP.

É preciso estar sensível aos pequenos sinais

gato com medo Diana Parkhouse via Flickr
Diana Parkhouse/Flickr

Entretanto, não são apenas os equipamentos policiais e os relacionados à Medicina Veterinária Legal que entram em contato com pets vítimas de maus-tratos e outros crimes. Os cidadãos podem identificar situações na rua onde moram, na casa ao lado ou a partir do relato de amigos ou familiares.

Quando há socorro, as clínicas, consultórios e hospitais médico-veterinários são locais com maior chance de receberem animais vítimas de crimes. “Já fiz atendimentos clínicos em que a tutora relatou que seu parceiro foi o autor da agressão contra o animal. Frequentemente, esse cônjuge pratica essa violência como forma de ameaça e agressão psicológica à mulher, o que já configura um contexto de violência doméstica”, comenta Tália.

Por isso, é crucial, principalmente em um momento de isolamento social, que os profissionais e a população estejam atentos a sinais – alguns bem claros, outros bastante discretos – que evidenciem contextos de violência doméstica.

GettyImages cachorro com medo
Getty Images

“O comportamento das pessoas e a forma como relatam o ocorrido deixam pistas. Além disso, em caso da presença do agressor, a reação dos animais também pode apresentar indícios”, comenta a médica-veterinária Cristiane Pizzuto, presidente da Comissão Técnica de Bem-Estar Animal (CTBEA) do CRMV-SP.

Aos médicos-veterinários em atendimento de casos, ela orienta a elaboração de um relatório técnico e a notificação à polícia, podendo contar com o apoio das informações disponíveis no Guia Prático Para Avaliação Inicial de Maus-tratos a cães e gatos do CRMV-SP, disponível aqui.

Tália enfatiza que levar os casos às autoridades é também um dever dos profissionais, previsto no Código de Ética do Médico-veterinário. “A atitude é uma responsabilidade, sendo que o principal resultado pode ser a interrupção de ciclos de violência, impedindo desdobramentos mais graves.”

Como denunciar

violencia domestica 1

Em caso de crimes contra animais, está disponível a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa), aqui.
Para denúncias de casos de violência doméstica, é possível registrar ocorrências por meio da Delegacia Eletrônica – aqui – e, também pelo Ligue 180.
Para ambos os casos, todas as delegacias de polícia físicas também podem ser procuradas. Em situações de flagrante, a Polícia Militar deve ser acionada pelo 190.

Fonte: CRMV-SP

TikTok se une à ativista Luisa Mell e lança campanha de engajamento em prol dos animais

Valor arrecadado será destinado ao funcionamento da organização e a projetos de proteção animal do Instituto Luisa Mel

O TikTok, destino líder para vídeos móveis de formato curto, se uniu ao Instituto Luisa Mell para realizar uma campanha de doação de fundos que ajudará a manter esse trabalho que é reconhecido pela sociedade por resgatar, todos os anos, centenas de animais em situação de maus-tratos e abandono.

Até o dia 12 de maio, a campanha #Adotei estará disponível na página inicial do aplicativo e deve engajar milhares de pessoas a participar, afinal, como não amar e querer ajudar a causa animal?

A ação consiste no compartilhamento da hashtag #Adotei e no uso do filtro Vira-Lata Caramelo. Escolhido por ser o representante de uma “raça” genuinamente brasileira, esse “SRD” (cão sem raça definida) há muito tempo conquistou o coração das pessoas por seu carisma e popularidade.

“Queremos chamar vocês para essa campanha linda do TikTok, cujo objetivo é conscientizar. Por isso eles nos chamaram para lançarmos juntos essa campanha maravilhosa com a hashtag #adotei. Então você posta um vídeo lindo com seu adotado, se não tiver use o filtro do Caramelo e compartilhe. Vamos inundar o TikTok com o #Adotei”, comemora Luisa Mell.

A expectativa é chegar a 15 milhões de visualizações até o fim da campanha. Com o alcance desse número, poderá ser doada a quantia equivalente a até uma tonelada e meia de ração, que ajudará as ações do Instituto.

“Criadores de vídeos de todas as partes do país e do mundo estão convidados a extravasar a criatividade, demonstrando carinho e respeito para desta forma ajudar o Vira-Lata Caramelo a impactar o maior número de pessoas. No Brasil, todos os anos, o trabalho de ONGs e da população tem ajudado a resgatar milhares de animais das ruas e de ambientes de maus tratos e esta é uma causa relevante na qual nós acreditamos”, afirma Rodrigo Barbosa, TikTok Community Manager no Brasil.

Artistas como a Anitta e Gui Araújo também estão apoiando a campanha.

adotei luisa

Sobre o Instituto Luisa Mell:

O Instituto Luisa Mell foi uma das primeiras instituições a entrar no TikTok e atua, principalmente, no resgate de animais feridos ou em situação de risco, na sua recuperação e adoção. Entre cães e gatos, a ONG mantém cerca de 300 animais, todos resgatados das ruas. Na sede do Instituto, esses animais são protegidos, alimentados e aguardam pela chance de serem adotados e terem uma vida digna, cercada de amor por seus tutores.

O Instituto também atua pela proteção do Meio Ambiente, em ações cidadãs, ajudando a educar crianças e adultos sobre a importância de respeitar a Natureza e os animais. Também ajuda os órgãos públicos a fiscalizar o cumprimento e a denunciar crimes de maus-tratos ou qualquer outro previsto no Artigo 32 da Lei 9.605/98.

Entenda a diferença entre o coronavírus humano e os coronavírus em animais

O uso indevido de produtos veterinários destinados à prevenção do coronavírus em animais, fora da indicação oficial contida em suas bulas, pode ocasionar graves reações adversas

A Zoetis esclarece que são falsos os conteúdos que associam o atual surto de coronavírus humano (SARS-CoV-2) aos coronavírus observados em animais de companhia e de produção.

Não devemos associar os produtos veterinários à recente pandemia de COVID-19 (causada pelo SARS-CoV-2), pois trata-se de tipos de vírus diferentes que possuem diferenças marcantes quanto aos seus hospedeiros e capacidade de provocar doença.

A diferença entre os vírus

mulher-alergia-pet-gato-cat-allergies

Os coronavírus pertencem à família Coronaviridae. Nessa família, temos os gêneros Alfa e Betacoronavírus, que geralmente infectam mamíferos, enquanto os Gama e Deltacoronavírus geralmente infectam pássaros e peixes. O coronavírus canino, que pode causar diarreia, e o coronavírus felino, que pode causar peritonite infecciosa felina (PIF), são ambos Alfacoronavírus. Estes já são conhecidos há décadas e não são transmitidos aos seres humanos.

O coronavírus bovino (BCov), que pode causar diarreia nos animais, e o Gamacoronavírus, que pode causar bronquite infecciosa das galinhas (BIG), são também conhecidos há muitos anos, não são transmitidos aos seres humanos e não estão associados ao atual surto de coronavírus.

Alerta

O uso indevido de produtos veterinários destinados à prevenção do coronavírus, tanto para animais de companhia e de produção, em quaisquer espécies fora da indicação oficial contida em suas bulas, pode ocasionar graves reações adversas.

“As vacinas veterinárias são indicadas apenas para aplicação em animais, conforme indicado em bula, e contêm cepas do coronavírus específicas para cada espécie. Os coronavírus animais, apesar de pertencerem à família Coronaviridae, não são relacionados ao atual vírus humano que causa a Covid-19 (SARS-CoV-2). Portanto, não faz o menor sentido injetar em seres humanos uma vacina destinada a cães para prevenir a Covid-19. Além de não funcionar, a vacina pode provocar reações adversas graves, como alergias, lesões no ponto de injeção e outros problemas sérios”, explica o médico-veterinário Alexandre Merlo, Gerente Técnico e de Pesquisa Aplicada da Zoetis.

Monitoramento

mulher cachorro inverno frio

Além do constante cuidado com a saúde das pessoas, a Zoetis segue monitorando um possível efeito do SARS-CoV-2, que causa a Covid-19, em animais de companhia e de produção, por meio do seu Centro Global para Doenças Emergentes. Até o momento, não há evidência de que estes animais transmitam o SARS-CoV-2 a seres humanos.

A Zoetis ressalta ainda que a situação pode mudar conforme a evolução do Covid-19, e que está comprometida em manter todos informados em caso de alterações relevantes.

Fonte: Zoetis

11 curiosidades destacam o Direito Animal na família brasileira

Eles fazem parte da família e ocupam um lugar físico e emocional no dia a dia das pessoas. Os pets têm ganhado cada vez mais espaço e importância, sendo reconhecidos, muitas vezes, como “filhos peludos” em muitos lares brasileiros. Da mesma forma que casos de violência doméstica também os acometem, essas questões têm atraído mais a atenção das pessoas, inclusive no Direito e em suas interpretações.

“Refletir e entender como a relação entre seres humanos e animais vem sendo construída faz com que saibamos respeitar esses laços sociais e as novas configurações de família”, afirma a mestre e professora universitária Andreia Bonifácio que, em 2019, lançou o livro “A família contemporânea brasileira à luz do Direito Animal”. A obra pretende abordar não só as normas que versam sobre os animais no Brasil, mas auxiliar na reflexão sobre o espaço que vem sendo ocupado pelos animais de estimação na sociedade brasileira.

Segundo a pesquisadora em Direito Animal, há muitas curiosidades entre a relação das pessoas com os animais. E por isso o Direito tem se manifestado dentro dela. Confira abaixo:

separação casal cachorro chicago tribune

=Assim como as crianças, os pets podem estar em processos que envolvem guarda e pensão alimentícia;
=É cada vez mais comum vermos animais compondo fotos familiares como membros importante das famílias, a exemplo de books de “casais grávidos”;
=Animais de estimação também sofrem violência doméstica;

homem carregando cachorro
=Essas famílias são conhecidas no Direito como família multiespécie;
=Já existem comissões na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e órgãos como o IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família) que vêm tratando justamente sobre o tema;
=Animais vêm sendo registrados em alguns cartórios brasileiros;
=Nem toda família brasileira considera os animais de estimação como membros;

menina criança e gato
=A convivência entre animais e crianças gera benefício para ambos em termos de aprendizados;
=Viajar e deixar o animal de estimação em casa, agora, configura abandono;
=Tutores de gatos geralmente possuem temperamento, personalidade e perfis diferenciados em relação aos tutores de cães;

gato na cama com mulher getty
Getty Images

=Diante do interesse de muitos alunos e de tanta mudança na sociedade e no Direito, diversas universidades já vêm adotando a disciplina de Direito Animal de forma autônoma.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, defender animais e seus direitos não significa humanizá-los ou enaltecê-los acima das pessoas. “Acredito que deve haver a igual consideração de direitos a cada espécie de animal, pois os animais possuem sentimentos e não são coisas. Devemos compreender que antes mesmo de nos considerarmos dominadores e proprietários da natureza, somos parte da mesma”, explica a pesquisadora.

Andreia-Bonifacio----1-

Fonte: Andreia de Oliveira Bonifácio Santos é mineira, professora de Direito e mestre em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. Seu trabalho no meio universitário vem ganhando destaque a partir de palestras e pesquisas na área, e pelas lições utilizando curiosidades, dicas e “memes” sobre Direito Animal no Instagram.