Arquivo da categoria: Boca

Especialistas dão dicas de saúde bucal para o público 50+

Com o passar dos anos, problemas bucais podem se agravar, porém, hoje em dia, por exemplo, repor um dente perdido não é mais tão caro ou complicado

Com certeza você já ouviu falar que a pele que terá quando mais velho irá refletir os cuidados que teve quando jovem, como não tomar muito sol ou fumar. Pois com a saúde bucal é a mesmíssima coisa. Seu sorriso aos 50 anos é o resultado dos cuidados que você teve com a higiene dental, e com as visitas frequentes ao dentista, na infância e na juventude. Afinal, algumas coisas não têm idade, e cuidar da saúde é uma delas.

No entanto, questões que foram negligenciadas ou ignoradas podem piorar, e muito, com o passar dos anos. As mais comuns são as cáries e os problemas gengivais, além do aumento da sensibilidade, como explica Luciana Aparecida de Sousa Iwamoto, Presidente da Câmara Técnica de Ortodontia do CROSP (Conselho Regional de Odontologia de SP): “A sensibilidade pode se agravar com a idade, pois, com o passar do tempo, é normal haver retração gengival, que expõe áreas do dente que não estão protegidas pelo esmalte dental, e que podem ser particularmente doloridas quando atingidas por alimentos e bebidas quentes ou frias”.

Luciana Aparecida de Sousa Iwamoto

Ela também explica que pessoas acima dos 50 anos podem se queixar de boca seca (xerostomia). Isso surge em decorrência do uso de medicamentos ou algum problema de saúde não tratado. “Enfermidades preexistentes (diabete, problemas cardíacos, câncer) também podem afetar a saúde da boca. Qualquer doença existente deve ser informada ao dentista para que ele possa ter uma visão completa da situação e poder ajudar de forma mais específica”, acrescenta. 

“A doença periodontal – doença inflamatória causada pelas bactérias bucais acumuladas na superfície do dente ao longo do dia que causa sangramento gengival e destruição do osso que sustenta o dente, e pode levar à perda dental se não tratada – começa a predominar depois dos 40, 45 anos. Portanto, o problema bucal mais comum depois dos 50 anos é a perda de dentes por falta de prevenção e do não tratamento desta doença”, aponta Marcelo Cavenague, especialista em Periodontia e em Prótese Dentária.

A boa notícia é que a grande maioria dos problemas tem solução. Mas e o paciente nesta faixa etária? É mais disciplinado e se cuida melhor que os jovens? Cavenague afirma que não: “A esmagadora maioria dos pacientes cuida mal dos próprios dentes, independente de idade. Nem sempre este cuidado deficiente é culpa apenas dele. A higiene bucal exige um aprendizado que é de responsabilidade dos profissionais da área. Além disso, o paciente tem que querer aprender e mudar seus velhos hábitos para atingir um nível ideal de higiene. Só a combinação de orientação profissional e dedicação do paciente leva a um bom resultado”.

E quais os erros mais comuns? Segundo Cavenague são fazer a escovação rapidamente, sem dar atenção aos contornos e reentrâncias e sem alcançar corretamente o espaço entre a gengiva e os dentes; não usar fio dental, na maioria das vezes porque acha que machuca, pois sempre que usa, sangra; utilizar bastante pasta de dente achando que isso compensa a escovação rápida; confiar que o bochecho com antisséptico substitui uma boa higiene; achar que se não comeu nada não precisa escovar; não prestar atenção naquilo que se está fazendo, agindo de forma automática.

Fábio Sato, especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, conta que os cuidados básicos envolvendo a saúde bucal, com o passar da idade, devem ser aprimorados. Isso porque as defesas do organismo acabam se enfraquecendo, bem como a própria habilidade manual na higiene bucal. Dessa forma, o cuidado rigoroso com a escovação dentária, uso de fio dental e a atenção com próteses dentárias devem ser aumentados. “Além disso, a visita regular ao profissional cirurgião-dentista deve ter uma frequência maior, com intervalos ideais de seis meses. E, dependendo das condições de saúde bucal, até mesmo com menor espaçamento”, avisa.

Dentes alinhados

Se antes apenas crianças e adolescentes usavam aparelhos ortodônticos, agora vemos pessoas de todas as idades com aquele sorriso metálico. Sem contar aqueles que usam os alinhadores invisíveis e nem percebemos. Isso seria sinal de conscientização ou influência da Internet e das redes sociais?

Para Luciana, um sorriso bonito e saudável tem a mesma importância seja na adolescência ou na terceira idade: “Nunca é tarde para sorrir, felizmente, culturalmente, tudo melhorou. Idade não é empecilho para a colocação de aparelho. Creio que devemos envelhecer com as funções preservadas e otimizadas”.

Ela frisa que não existe uma idade limite para o uso do aparelho dentário, porém, lembra que o ideal é realizar uma avaliação ainda na fase de crescimento, pois quanto antes for detectado o problema, melhor o prognóstico. “Porém, como falei, nunca é tarde demais para corrigir o que incomoda. Contrariamente do que se pensa, não existe limite de idade para o uso do aparelho. Claro que uma avaliação criteriosa da saúde bucal e dentária deve ser realizada antes do procedimento”.

Também devemos levar em conta que, alguns anos atrás, os aparelhos ortodônticos eram mais limitados esteticamente. Mas hoje há mais opções. Por exemplo, os aparelhos ortodônticos fixos podem ser metálicos, de porcelana, de safira ou autoligado. “Há uma outra filosofia de tratamento ortodôntico fixo que é por meio do aparelho lingual que, como o próprio nome diz, é instalado por trás (ao lado da língua) e não aparece no sorriso. E, por último, o sistema dos alinhadores invisíveis, no qual o tratamento funciona por meio de uma sequência de placas removíveis e transparentes, facilitando, assim, as escolhas do paciente”, explica a profissional.

Fábio Sato

Sato acrescenta que, atualmente, muitos tratamentos odontológicos que, anos atrás eram restritos a uma pequena parcela da população, estão muito mais acessíveis, pela maior disponibilidade, inclusive no setor público. Há também a questão custo-benefício que, apesar de ainda parecer elevado, diminuiu em relação ao que era. “A Internet também tem um peso [na divulgação], pois torna a informação mais acessível ao público em geral em relação aos problemas de saúde bucal e formas de tratamento. Somando tudo isso, pessoas que no passado não tiveram a possibilidade de conseguir, por exemplo, um tratamento ortodôntico, hoje estão realizando o sonho de corrigir a oclusão e melhorar a qualidade de vida”.

Luciana menciona uma outra questão trazida pela Internet, e que vale para todas as idades: “Claro que as redes sociais fazem uma pressão por perfeição, o que tem afetado a qualidade de vida das pessoas, e termina por proporcionar maior desejo das pessoas em possuir um corpo e um sorriso perfeitos, mas é preciso cuidado para não se desenvolver transtornos psicológicos”.

E os pacientes? Se cuidam ou são relapsos?

Depositphotos

Para Sato, apesar de termos no Brasil o maior número de profissionais cirurgiões-dentistas do mundo, nossos números em relação à saúde bucal não são dos melhores: “Claro que isso é causado principalmente em decorrência da desigualdade de acesso ao tratamento odontológico, mas, de modo geral, observamos que o brasileiro não valoriza a questão da saúde bucal, não tem uma cultura de prevenção e vai atrás do tratamento somente quando a situação se agrava, necessitando de procedimentos mais invasivos e, consequentemente, de maior custo, e acaba não tendo condições de realizá-los de forma adequada”.

“Dificilmente se encontra uma pessoa que não cuide de seus dentes por opção. O que é comum é cuidar mal, achando que está cuidando bem, como, por exemplo, achar que não precisa de fio dental porque os dentes são um pouco separados”, conta Cavenague, acrescentando: “Na maioria das vezes, esta má higiene ocorre por falta de orientação profissional ou pela pessoa não ter dado muita atenção quando recebeu orientação do dentista”. 

Marcelo Cavenague

Para Luciana, o tema é mais profundo e engloba questões educacionais, culturais e socioeconômicas. Ela cita a mais recente Pesquisa Nacional de Saúde, feita pelo IBGE, em 2019, e divulgada em setembro de 2020, que constatou que apenas 12,9% dos brasileiros têm plano odontológico.

O mesmo levantamento apontou que, dos 162 milhões de brasileiros acima de 18 anos, 34 milhões perderam 13 dentes ou mais. Pior: 14 milhões perderam todos os dentes. “Além disso, menos da metade dos brasileiros consultou um dentista nos 12 meses anteriores à data da entrevista. Desse universo, apenas 36% das pessoas com renda menor que um quarto do salário mínimo foram ao dentista. Os dados são alarmantes em razão das consequências, que vão da perda dental até o acometimento de problemas de saúde mais graves”, lamenta.

Porém, nem sempre é uma questão financeira, pois há aqueles que mesmo tendo boa condição social, reclamam dos custos de um tratamento. “De fato, é muito comum ver pessoas de carro importado, telefone celular novinho, smartwatch, reclamando do preço de uma restauração. Mas esta situação tem a ver com o valor que se dá às coisas. Existem muitos pacientes que valorizam muito nosso trabalho também. Costumo dizer que não existe tratamento mais barato que a prevenção. Frequentar o dentista, mesmo sem nenhum sintoma, ajuda a diagnosticar problemas no início. Porém, se a pessoa passa anos sem ir a um consultório, é bem provável que a conta seja alta pelo acúmulo de problemas não diagnosticados precocemente”, afirma Cavenague. 

Perda dental

Freepik

Perder um dente, como a pesquisa do IBGE apontou, é algo muito comum para a população brasileira. Porém, não tomar providências para repô-lo é algo ruim em qualquer idade, pois a posição dos dentes não é fixa. E quanto mais os anos passam, pior a situação geral se torna.

“Com o tempo, os dentes vizinhos ao espaço que ficou, vão ‘tombando’ em direção àquele espaço. Quanto mais demora se leva para repor um dente perdido, mais essas mudanças são notadas, portanto, em uma idade mais avançada, a chance de ter maior acúmulo de alterações de posição aumenta”, alerta Cavenague.

Vale lembrar que a perda dentária não é exclusividade dos mais velhos. E ela causa transtornos em várias esferas, por exemplo, a funcional, com redução óssea, diminuição da capacidade de mastigação e de absorção de nutrientes, problemas de oclusão (mordida) e inúmeros outros danos dentários, musculares e articulares.

“Esteticamente, a perda dos dentes deixa a aparência do rosto mais envelhecida, a boca vai ficando murcha, o queixo vai perdendo a forma ideal. E todos esses efeitos causam um impacto emocional muito negativo, diminuindo a autoestima. A pessoa passa a ter dificuldade de sorrir, de socializar e até de conseguir um novo emprego”, afirma Luciana.

Ela gosta de lembrar que o tratamento devolve a função e a estética dentária, propiciando melhora na qualidade de vida do paciente. Esta reposição pode ser realizada por meio de tratamento ortodôntico, com fechamento de espaços, com próteses fixas e removíveis ou, até mesmo, com próteses sobre implante. 

Prevenção é o segredo

Foto: Zahnreinigung/Pixabay

Como foi dito no início da matéria, se uma pessoa cuidar bem dos dentes e se consultar periodicamente com um dentista de confiança, a dentição pode durar a vida inteira. “Independentemente de idade, essa pessoa pode ter dentes e gengivas saudáveis, mas, para isso, precisa fazer a escovação pelo menos três vezes ao dia e usar fio dental. Além de regularmente consultar o dentista para exames completos e limpeza periódica”, enfatiza Luciana.

Reforçando o conselho da colega, Cavenague comenta: “Tenha um bom relacionamento com um profissional de confiança e frequente o consultório, mesmo que não tenha nenhum sintoma. A doença periodontal, por exemplo, apresenta poucos sinais em seus estágios iniciais. No máximo, o paciente percebe um ligeiro sangramento gengival e acha normal. O diagnóstico precoce é de responsabilidade do cirurgião dentista. Quando for à consulta, questione sobre sua saúde gengival. Mesmo que ele não seja especialista na área, estará capacitado a orientá-lo e encaminhá-lo a um especialista, se for necessário.”. 

Divulgação

Sato finaliza, enfatizando que os tratamentos odontológicos evoluíram muito ao longo do tempo: “Por exemplo, os implantes dentários são excelentes opções de reabilitação para os pacientes que perderam os dentes, com tratamentos sem dor e com excelentes resultados. E a correção ortodôntica, como foi dito, é possível de ser realizada atualmente com uso de alinhadores sem a necessidade de uso de braquetes e fios metálicos, como no passado. Enfim, a idade hoje não é empecilho para o cuidado odontológico”.

Cuidados gerais para manter a saúde bucal

=Evite o consumo exagerado de açúcar (atenção especial para aquele “escondido”, como em pães, salgadinhos e biscoitos)
=Fuja de bebidas açucaradas ou muito ácidas
=Não fume
=Mantenha uma alimentação saudável no dia a dia

=Utilize fio dental e escova interdental
=Escove os dentes sempre após as refeições e antes de dormir
=Consulte um dentista regularmente (a periodicidade é individualizada e deve ser determinada pelo profissional para cada paciente)

Fontes:
Fábio Sato é formado em Odontologia pela Universidade de São Paulo, mestre e doutor em Cirurgia Bucomaxilofacial. Inscrito no CROSP na especialidade de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial; Coordenador do Capítulo do Estado de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial; Membro da Internacional Association of Oral and Maxillofacial Surgeons.
Luciana Aparecida de Sousa Iwamoto, formada em Odontologia pela Universidade Guarulhos, habilitação em Prótese Dentária, especialização em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares ( ABO SP), Implantodontia (UnG) e Prótese Dentária ( UCLA), mestrado e doutorado em ciências da saúde pelo programa de cirurgia transacional, nota 6 CAPES, na Universidade Federal de São Paulo. Presidente da Câmara Técnica de Ortodontia do CROSP.
Marcelo Cavenague formado em Odontologia pela FZL, é Secretário da Câmara Técnica de Periodontia do CROSP; Especialista em Periodontia e em Prótese Dentária; Mestre em Anatomia.

Mitos & verdades sobre a escovação dental

Consultora da GUM esclarece quais são os cuidados necessários para uma higiene bucal adequada

Ao longo da vida, ouvimos várias dicas sobre como manter o sorriso sempre saudável. Dizem que se deve escovar os dentes logo após as refeições, que o café pode escurecer os dentes, que a troca da escova dental deve ser recorrente, entre outras indicações. Mas será que de fato todas elas são verdadeiras?

Abaixo, a consultora da GUM, Sara Paz, analisa as dúvidas mais frequentes quando o assunto é higiene bucal e revela quais afirmações são verdade e quais não passam de um mito. Confira:

A troca de escovas deve ser frequente:

Verdade. Com o tempo, as cerdas vão perdendo sua eficácia, necessitando de mais força na hora da escovação. Sara Paz recomenda que a troca do utensílio seja realizada a cada três meses. “A troca frequente da escova evita que sua dentição e gengiva sejam prejudicadas”, afirma.

Cerdas duras limpam melhor:

Foto: Pixabay

Mito. Escovas com as cerdas duras podem causar desgaste da superfície dental. “O ideal é que é que ela possua cerdas macias, que se adaptam às diferentes áreas da cavidade oral”, explica a consultora.

É preciso usar grande quantidade de creme dental:

Foto: Bruno/Germany-Pixabay

Mito. As grandes responsáveis pela limpeza são as escovas de dentes. O excesso de creme dental pode ser considerado um desperdício, pois gera a necessidade de se livrar mais rápido do produto. A consultora ressalta que a quantidade de pasta ideal é correspondente a um grão de ervilha.

É preciso escovar os dentes imediatamente após as refeições:

Foto: StayAtHomeMum

Mito. A higienização é realmente necessária depois das principais refeições, mas é recomendado que se espere ao menos 30 minutos após o consumo de alimentos. “Esse tempo é necessário para que a saliva cumpra seu papel e neutralize o pH de alimentos e bebidas”.

Enxaguantes bucais previnem a escovação:

Mito. Os enxaguantes bucais devem ser utilizados como um complemento da rotina de higiene bucal, sem o auxílio da escovação e do fio dental seu uso praticamente não tem utilidade. “Quando utilizados como auxiliares, promovem a redução de placa bacteriana, mau hálito e gengivite”, informa.

A higienização noturna é mais importante:

Foto: JanFidler/Morguefile

Verdade. O fluxo de saliva é menor durante a noite, deixando os dentes mais vulneráveis. Dessa forma, a umidade na cavidade oral, somada a pouca movimentação, colabora para a proliferação de bactérias presentes na boca. A consultora chama atenção para a importância do uso de creme dental com flúor na última escovação do dia. “Ele é o responsável repor todos os minerais perdidos durante o dia”.

Excesso de escovação prejudica a dentição:

Foto: J. Durham

Verdade. O excesso de escovação de escovação pode desgastar o esmalte do dente e encolher a gengiva. Sara orienta que escovar a cavidade oral três vezes ao dia é ideal. “Escovar após as principais refeições e antes de dormir é mais do que suficiente para uma boa higiene bucal”, garante.

Café escurece os dentes:

Verdade. Bebidas e alimentos com muito corante podem manchar os dentes por conta da porosidade do esmalte dentário. De acordo com a consultora da GUM, bebidas como café, chá, vinhos e refrigerantes e alimentos como açaí e ketchup devem ser consumidos de forma moderada.

Chiclete sem açúcar auxilia contra cáries:

Foto: Isilaltay

Mito. “Apesar de não causarem cáries, chicletes sem açúcar não as previnem. Eles não substituem a limpeza realizada por meio da escovação, uso do fio dental e enxaguante bucal, que são a melhor forma de garantir um sorriso saudável”, aponta.

Fonte: GUM

Perda dentária: uma questão muito além da estética

A perda dentária na primeira infância costuma ser motivo de comemoração. A partir dos seis anos, há a perda dos dentes de leite e nascem os primeiros dentes permanentes. Mas, na idade adulta, é motivo de preocupação e cuidados.

Segundo o presidente da Câmara Técnica de Periodontia do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), Benedicto Sergio Bassit, a perda dentária pode ocorrer por diversas razões, desde um trauma externo até o surgimento de uma doença periodontal. “As doenças sistêmicas, como por exemplo o diabetes, também possibilita o acúmulo de bactérias nos dentes, podendo provocar a perda dentária”, explica.

Tratamentos odontológicos avançados podem reduzir os danos

Depositphotos

Considerando que a arcada dentária é composta de 32 dentes, e que cada um tem a sua função, a perda de dentes pode acarretar consequências, não só para o sorriso, mas também para a saúde. “Alguns problemas bucais podem surgir, como, por exemplo, a má oclusão, o que dificulta a mastigação e trituração dos alimentos, podendo ocasionar problemas no aparelho digestório”, enumera. Segundo o especialista, o hábito de roer unhas, usar os dentes como ferramenta (abrir garrafa, morder lápis etc.), mastigar gelo, chupar limão também devem ser evitados.

“Na área da saúde bucal, os avanços tecnológicos são de grande relevância. Podemos contar com diversos tratamentos modernos e eficazes, o que resulta em excelentes resultados. Hoje, por exemplo, o paciente pode optar por um planejamento digital que, através de uma apresentação gráfica, poderá visualizar a perspectiva do resultado final do trabalho a ser desenvolvido na sua boca”, fala Bassit.

Restaurações estéticas, aparelhos ortodônticos, tratamentos endodônticos de ponta e laserterapia são algumas das alternativas para amenizar os danos e/ou corrigir falhas dentárias. “Em caso de perda da raiz do dente, podemos contar com a reposição do mesmo, fazendo uso do implante dentário, que nada mais é do que a implantação de uma raiz artificial de titânio.” Vale ressaltar que quando um dente não apresenta mais suporte periodontal ou em caso de fratura de raiz se faz necessário a extração do mesmo.

A prevenção ainda é o melhor tratamento

Segundo Bassit, apesar de todos os avanços, a forma mais apropriada de evitar o problema ainda é a prevenção.”Não podemos deixar de falar sobre a higiene bucal que é a escovação, uso do fio dental e a extrema importância da consulta periódica ao dentista, que garante a permanência dos dentes na boca”.

Além das consequências físicas, a perda dos dentes pode afetar o psicológico e a autoestima. “Vivemos num mundo onde a primeira impressão é a que fica. A saúde bucal influencia diretamente a nossa vida pessoal, profissional e o convívio familiar, podendo desencadear reações emocionais diversas como: vergonha em se colocar socialmente e insegurança em se comunicar. Por isso, vale dizer que um rosto harmonioso, com os dentes bem cuidados, melhora a comunicação e influencia positivamente a vida do paciente”, garante.

Fonte: CROSP

Como usar batom escuro: confira dicas para não errar ou borrar

Maquiadora apresenta alguns truques para melhorar o acabamento da make

Atualmente, as bocas andam meio escondidas, mas não para todos. E, além disso, vamos torcer e nos empenhar para que as vacinas contra a Covid-19 nos tragam um pouco mais de esperança em dias melhores.

Mas voltando ao tema do post, o batom escuro é comumente usado tanto para eventos noturnos quanto diurnos, principalmente por deixar o visual mais marcante. Porém, quando aplicado de maneira errada, o efeito pode não gerar o resultado esperado. Por isso, a maquiadora Anya Bagatin, que atende pelo GetNinjas, maior aplicativo de contratação de serviços da América Latina, preparou algumas dicas para que o batom escuro não borre ou saia do contorno da boca com facilidade. Confira a seguir:

Dreamstime

=Primeiro, contorne os lábios com o lápis delineador em todo o contorno da boca. A cor do lápis não é tão importante assim, já que vamos praticamente cobrir os lábios depois com o batom, mas procure usar um subtom da cor do batom.

Freepik

=Agora, comece preenchendo aos poucos, neste caso, a sugestão é usar um pincel de boca. “Eu faço um X no lábio superior e vou ligando as extremidades preenchendo todo o contorno de lápis. Algumas pessoas gostam de aumentar esse contorno, por isso, é recomendado fazê-lo com atenção para não comprometer a harmonia facial”, orienta.

MAC

=Verifique se não borrou e se a boca está totalmente preenchida.

=Errou? Tudo bem! Se o borrado acontecer com um batom vermelho, roxo ou vinho, por exemplo, você só precisa escolher uma outra cor que neutralize estes tons. Neste caso, a maquiadora comenta que a make pode ser corrigida com o corretivo ou a base. “Em alguns casos, até mesmo o pó compacto pode ajudar, mas é preciso o uso de um pincel para contornar o erro até que fique imperceptível”, complementa.

#DicaNinja com uma esponjinha triangular, dê batidinhas delicadas para assentar a base/corretivo e depois finalize com o pó compacto.

Fonte: GetNinjas

Máscara não é desculpa para mau hálito

São várias as causas do mau cheiro na boca. Saiba como agir para resolver o problema de uma vez por todas

As máscaras têm sido nossas aliadas na prevenção do coronavírus e o acessório deve permanecer por mais algum tempo como medida de segurança, bem como o afastamento físico. Mas nem o distanciamento entre as pessoas e o uso do EPI é desculpa para descuidar dos hábitos de higiene.

De acordo com a Associação Brasileira de Pesquisas dos Odores Bucais, quatro em cada dez brasileiros têm halitose e a dúvida que fica é: o que causa o mau hálito? Paulo Zahr, dentista e presidente da OdontoCompany, explica como surge o problema e quais os hábitos devemos manter para nos livrar deste incômodo.

Sujeira na língua

Pixabay

A maior parte dos problemas de mau hálito se associa à sujeira na língua, região onde o acúmulo de bactérias produz uma cor esbranquiçada ou amarelada, além do odor característico. Para tratar essa causa, a pessoa deve usar um limpador específico, que consegue remover os restos de alimento ao pressionar o órgão responsável pelo paladar em movimentos de trás para frente.

Cáries

Doenças na boca também podem provocar mau cheiro, como é o caso de cáries, gengivite, placas bacterianas e até periodontite (infecção na gengiva que pode destruir o osso maxilar). O principal motivo são as bactérias, que, ao se desenvolverem, produzem o odor estranho. O tratamento depende do diagnóstico do dentista, mas também pode envolver cuidados com a higiene bucal.

Má alimentação

Se você não tem horários bem regulados para se alimentar, corre maior risco de ter halitose. Pessoas que ficam sem comer por um período superior a cinco horas, tendem apresentar o odor, motivo que justifica o mau hálito ao acordar. Para contornar a situação, não deixe de fazer uma refeição no período entre três e quatro horas e mantenha-se hidratado. “Alguns alimentos, como a couve galega, couve-flor e brócolis ajudam a formar enxofre no organismo, substância que favorece a eliminação de gás pela boca. Mastigar alho e cebola também podem deixar um forte odor no local. Então, se tiver alguma reunião presencial ou um encontro, uma sugestão é evitar esse consumo no dia”, avisa Zahr.

O hábito de fumar

Thinkstock

Uma das consequência do uso do cigarro é a secura que causa na boca, que ocorre devido a diminuição da produção normal de saliva. O resultado é que, sua função de proteger e limpar a microflora bucal é afetada, incidindo diretamente no odor.

Condições médicas

Foto: MD-Health

Em decorrência da gastrite ou má digestão, problemas no estômago provocam comumente a eructação, cujos gases chegam à boca e contribuem para o mau hálito. Outro motivo que leva ao odor é a diabetes, pois um dos sintomas da doença é o hálito cetônico, que provém da formação indevida de corpos cetônicos em alta quantidade no organismo. “O mal-estar pode ser causado, ainda, por infecções na garganta e sinusite. Se esse for o caso, fazer gargarejos com água e sal são uma indicação para remover o pus e diminuir o incômodo”, recomenda o especialista.

Como tratar?

O primeiro passo é recorrer a boa higiene bucal, com a escovação de duas a três vezes por dia ou sempre após as refeições e uso de fio dental, que elimina restos de comida e acaba com a formação de placa bacteriana, e do enxaguante bucal apropriado. Se ainda insistir os sintomas, vale recorrer ao dentista, que poderá indicar um tratamento específico. “Com o acompanhamento clínico, você pode usar enxaguante bucal antisséptico específico para acabar com os germes do mau hálito, principalmente se os vilões forem a sujeira na língua e os restos de alimento na boca”, afirma o profissional, que também sugere o aumento na ingestão de água, redução no consumo de álcool, café e bebidas ácidas.

Fonte: OdontoCompany

RK b KISS lança Jelly Lippies, gloss labial com vitamina E para lábios naturais e hidratados

A RK by KISS, marca do grupo KISS New York, lançou uma nova aliada aos cuidados com os lábios: os gloss labiais, Jelly Lippies.

Com efeito vinílico, são três opções que oferecem um acabamento mais firme, confortável e prático de usar tanto sozinho como por cima de outro batom. Além do acabamento, são formulados com Vitamina E, ativo que hidrata de maneira natural e protege contra radicais livres, evitando o envelhecimento precoce da pele.

Os novos gloss labiais da RK by KISS estão disponíveis nas versões: Clear, transparente; Mermaid: com leve tom rosado; e Love, com fundo mais avermelhado. Cada embalagem conta com 14ml de produto e um aplicador chanfrado acoplado à embalagem, o que torna a aplicação muito prática.

RK by KISS Jelly Lippies – 14ml – Preço sugerido ao consumidor: R$ 11,90

Fonte: RK by KISS–

SAC: (11) 2369-4004 | Instagram: @rkbykissbrasil 

Aprenda a identificar cinco doenças que se manifestam pela boca

Muitos sintomas comuns do dia a dia podem indicar problemas maiores

Muita gente não sabe, mas a nossa boca, assim como nossos olhos, é um grande indicador de como vai a saúde. Por vezes, aftas, feridas que não cicatrizam, mudanças no paladar ou até o mau hálito, podem indicar que há um problema mais sério acontecendo em nosso organismo.

A Odontologia Integrativa, que reúne novos conceitos com as Práticas Integrativas e Complementares, busca fazer essa conexão e visualizar as doenças bucais de forma mais profunda, com visão interdisciplinar. Para simplificar, ela enxerga nossa boca como um reflexo do que ocorre em nosso corpo e mente.

A especialista na prática, Rosely Cordon, nos ensina a quais sintomas devemos nos atentar para identificar 5 dessas doenças.

1. Anemia

Pixabay

A anemia acontece em nosso organismo decorrente da falta de alguma substância essencial para o funcionamento, como o ferro ou a vitamina B12. Apesar de os sintomas mais comuns serem a fadiga, falta de ar ou palidez, ela também pode se manifestar em nossa língua. As papilas podem diminuir ou desaparecer, deixando-a com um aspecto liso. Por causa disso, o paciente pode também perder o senso do paladar.

2. Diabetes


O nível desequilibrado de insulina e glicemia no sangue pode causar sintomas bucais como mau hálito, boca seca e um aumento nos casos de cárie. Tais condições de saúde bucal são a porta de entrada para infecções, que interferem diretamente no aumento da glicemia.

3. Câncer Bucal

iStock

Esse tipo de câncer, em seus primeiros estágios, pode se assemelhar com aftas comuns. Para tirar a dúvida, a dica é esperar de uma semana à no máximo 10 dias, tempo em que aftas normalmente cicatrizam. Se depois desse período elas não sumirem, deve-se consultar o odontologista. Também é importante observar se estas feridas surgiram após a colocação de alguma prótese e neste caso, buscar ajuda do profissional o mais rápido possível, pois pode indicar uma má adaptação.

4. Leucemias


As leucemias, um tipo de câncer sanguíneo, podem causar uma gengivite. Mas antes de se preocupar, primeiro deve-se checar as outras causas possíveis, como a limpeza incorreta dos dentes, tabagismo ou até a gravidez. Caso ela persista apesar do tratamento básico, pode ser indicativo de um problema mais grave.

5. Imunossupressão

Pinterest

A redução da eficiência do sistema imunológico pode levar ao desenvolvimento de muitos problemas orais, como aftas, herpes e até a candidíase bucal, caracterizada por placas esbranquiçadas no interior da boca, mais conhecidas como ‘sapinho’. Também nos deixa mais vulneráveis ao coronavírus, que tem como um de seus primeiros sintomas a perda do paladar. O enfraquecimento desse sistema pode ocorrer por diversos motivos, como falta de vitamina D ou uma doença autoimune, como a artrite reumatoide, lúpus ou o HIV. Neste momento de pandemia, é sempre bom estar atento ao nosso sistema imunológico, importantíssimo para nos defender de qualquer doença.

Rosely Cordon é cirurgiã dentista é pós-graduada em Bases da Medicina Integrativa pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, pesquisadora Mapas de Evidências Clinicas e de conteúdo para Vitrine de Conhecimento- Rede MTCI das Américas, BIREME, BVC, OPAS 2020. Projetos: Portal Todos pela Odontologia e Sorrir Muda Tudo. Canes Quality Treinamento Vivenciais. 

 

Descubra os quatro problemas mais comuns na língua

Dentista lista cuidados para garantir a saúde do músculo que é um dos mais importantes do corpo

Ter uma boca saudável, vai muito além de escovar os dentes depois de cada refeição. A língua, por vezes negligenciada, acumula uma grande quantidade de bactérias que podem provocar algumas doenças, caso a higiene bucal não seja bem feita. Para evitar transtornos, o dentista e presidente da rede OdontoCompany, Paulo Zahr, explica a seguir quais doenças são mais frequentes em consultórios e o que fazer para evitá-las e tratá-las.

1. Língua pilosa

Healthline

A língua pilosa não é um problema grave e ocorre quando existe um acúmulo de ceratina, fungos ou bactérias nas papilas gustativas, que ficam mais alongadas, dando uma aparência de pelos na língua. O problema pode ser causado por hábitos de higiene incorretos, tabagismo, infecções e reação adversa a alguns medicamentos. A boa notícia é que o tratamento é simples, sendo necessário apenas procurar um dentista para identificar a causa, seguir as recomendações quanto à higiene bucal, suspender o uso de tabaco ou substituir medicamentos, se for o caso. “Os sintomas devem desaparecer após uma semana de tratamento. No entanto, caso persistam, procure um estomatologista para verificar a necessidade de recorrer a medicamentos antifúngicos ou antibióticos”, salienta Zahr.

2. Afta

Pinterest

Pode afetar tanto a língua quanto a boca. É caracterizada por pequenas lesões arredondadas que causam dor e, muitas vezes, dificultam a alimentação e a fala. Seu aparecimento pode estar relacionado a diversos fatores, como mordidas na língua, estresse, doenças autoimunes ou até mesmo pelo consumo de alimentos cítricos, como abacaxi e limão. “As aftas costumam desaparecer de forma espontânea após 7 ou 10 dias, sem deixar cicatrizes. Quando isso não acontece ou quando são muito frequentes, é recomendado procurar um dentista”, orienta o especialista.

3. Sapinho

Bigstock

O sapinho ou candidíase oral é uma doença caracterizada pelo surgimento de placas esbranquiçadas na língua e interior da boca, vermelhidão, sensação de ardência e sabor desagradável. Ela ocorre devido a uma infecção causada por fungos e não é contagiosa. Alguns fatores como hábitos inadequados de higiene, fumo e uso de medicamentos podem favorecer o desenvolvimento da doença, assim como alguns grupos de pessoas são mais suscetíveis ao problema, como bebês recém-nascidos, usuários de drogas, com alimentação inadequada ou sistema imunológico debilitado, no caso, de pacientes com HIV ou transplantados, por exemplo. “O tratamento é feito com remédios antifúngicos em forma de gel ou creme aplicados de forma tópica. Após o início do tratamento, os sintomas devem desaparecer em duas semanas. No caso do sapinho causado por medicamentos, é preciso conversar com seu médico para verificar a possibilidade de mudar a dosagem ou substituir a medicação”, alerta Zahr.

4. Câncer Bucal

Foto: Zahnreinigung/Pixabay

É preciso visitar o dentista com regularidade para garantir a saúde da boca e evitar problemas mais graves como o Câncer Bucal, que não é tão incomum quanto a maioria das pessoas imagina. “Esse tipo de câncer é mais frequente em homens com mais de 40 anos e pode ser fatal, caso não seja diagnosticado de maneira precoce. Ao notar qualquer alteração na aparência e textura da língua, não hesite em procurar um profissional qualificado”, finaliza.

Fonte: OdontoCompany

Saiba quais são maiores problemas de saúde quando se deixa de ir ao dentista

Patrícia Bertges explica que deixar de ir ao dentista periodicamente ou negligenciar os cuidados básicos de higiene bucal pode ter consequências muito mais severas do que a perda dos dentes, levando até mesmo a doenças com risco de morte.

Muitas vezes a higiene bucal diária é negligenciada e só nos lembramos de ir ao dentista somente quando estamos sentindo dores e já é tarde demais para atuar de forma preventiva, sendo necessário recorrer ao consultório dentário em caráter de emergência. Além disso, muitos problemas de saúde têm origem na boca e até mesmo infartos do miocárdio podem estar associados a uma má higiene bucal.

Patrícia relata que é preciso não apenas manter a higiene bucal em dia mas também ter consultas regulares com o dentista: “Mas e se teve todos os cuidados durante o ano e não sente dores? Mesmo assim deve marcar uma consulta com um dentista Mesmo que faça uma higienização completa todos os dias, existem locais na boca que podem acumular placa bacteriana e, consequentemente, resultar em problemas dentários .”

Por esse motivo, a dentista aponta quais são os cinco principais problemas de saúde associados a deixar de visitar um dentista regularmente. Confira:

1-Endocardite bacteriana

mulher dor coração enfarte medicalnews today

Endocardite é o nome que damos à inflamação das estruturas internas do coração, principalmente das válvulas cardíacas. A doença surge habitualmente quando uma bactéria que está circulando na corrente sanguínea se aloja em uma das válvulas cardíacas, multiplicando-se e formando o que chamamos de vegetação valvar. A vegetação das válvulas é um emaranhado de bactérias, glóbulos brancos, glóbulos vermelhos, fibrinas e restos celulares, que é capaz de destruir a própria válvula e impedir o normal funcionamento do coração. Uma das principais causas desta doença é a falta de cuidado com a higiene bucal, que leva as bactérias que estão na boca para a corrente sanguínea através de uma gengivite ou inflamação local, podendo ocasionar em infarto, AVC, embolia pulmonar, isquemia dos membros e até mesmo, morte.

2-Cáries que pode virar um tratamento de canal ou até a perda de um dente

shutterstock_carie
Shutterstock

Quase 90 por cento da população mundial pode ter cáries, segundo estimativas. A cárie é provocada pela ação de determinadas bactérias que podem originar a destruição parcial ou total do dente, ocasionando na perda do mesmo ou até mesmo em dor extrema que culmina na necessidade de se extrair os nervos do local através de um tratamento de canal. A presença dessas bactérias na boca, associada a uma alimentação inadequada e a uma higiene oral deficiente, facilita o aparecimento de cáries. Em situações extremas, a cárie dentária pode originar infecções de extensão variável e que podem ter graves repercussões na saúde geral do indivíduo.

3- Gengivite e periodontite

dentista 1 (002)

Gengivite é o termo médico para a inflamação das gengivas, que costuma provocar vermelhidão, inchaço e sangramento do tecido das gengivas, especialmente quando escova os dentes ou usa o fio dental. Já periodontite (ou doença periodontal) é uma infecção bacteriana dos tecidos especializados, ligamentos e ossos que rodeiam e apoiam os seus dentes, conhecidos coletivamente como o periodonto. É a segunda e mais grave fase da doença gengival. Uma vez que se sofre de periodontite, é irreversível e pode levar à perda permanente de dentes.

4- Perda óssea e dentária por falta de manutenção de aparelho ortodôntico

colgate aparelho dente

Sem a devida manutenção e cuidado, pacientes que estão em tratamento ortodôntico e não comparecem regularmente ao dentista podem vir a ter perda óssea e perda dentária, devido ao acúmulo de bactérias na região e problemas ortodônticos.

5- Pacientes que têm implantes dentários (protocolo) precisam ir regularmente ao dentista

implante

Muitos pacientes não respeitam a necessidade de ir ao dentista pelo menos semestralmente para fazer uma limpeza dos seus implantes dentários, o que pode levar a desenvolver uma peri-implantite e até culminar na perda dos implantes, fazendo com isto que haja a necessidade de se realizar cirurgias mais invasivas para a recolocação de um novo implante dental.

Fonte: Patrícia Bertges

Joli Rouge Lacquer, novo batom Clarins

Não se deixe enganar pelas aparências. Joli Rouge Lacquer parece um verniz labial fluido, mas guarda uma surpresa… na verdade, é um batom que derrete e nutre, ultra fácil de aplicar e que deixa os lábios super deliciosos e beijáveis. Com o Joli Rouge Lacquer, tudo o que disser será brilhante.

Brilho do vinil e cor intensa

A fórmula desses 5 batons com acabamento em envernizado e formato bastão possui um alto conteúdo de pigmentos para fornecer um resultado de cor intensa e ousada, como um bom batom líquido. Seu ultra brilho de longa duração vem de uma textura com mais de 70% de óleos vegetais.

Por trás do seu acabamento em envernizado, os benefícios do bálsamo para os lábios. Como a Clarins nunca compromete o conforto, sua fórmula de bálsamo ultra hidratante, enriquecida com extrato de salicórnia e óleos vegetais, hidrata e suaviza os lábios dia após dia.

Hidratação por 8 horas

Os laboratórios Clarins selecionaram extrato orgânico de salicórnia que cresce ao longo das costas da Europa, por sua incrível capacidade de resistir a condições costeiras hostis (ventos, marés etc.). Graças a esse extrato, a água fica retida nas células. Os lábios ficam incrivelmente confortáveis e hidratados..

O batom com acabamento em verniz

É o primeiro e único truque que você usará em si própria. O Joli Rouge Lacquer tem toda a aparência de um gloss labial, mas quando você o abre, é um bastão.Sua textura ultrassuave é rápida e fácil de aplicar, como um batom comum. Derrete nos lábios, para revesti-los de modo brilhante, imediato e intenso, com um brilho deslumbrante de verniz.

jolie varios

Joli Rouge Lacquer = Preço sugerido: R$ 139,00

Informações: SAC 0800 704 3440