Arquivo da categoria: carreira

Amuletos contra inveja no trabalho; se proteja

Sabe quando você recebe aquela promoção, seus planos estão indo superbem e seu chefe sempre te elogia? Esses são alguns dos sentimentos que todos querem viver no ambiente de trabalho, não é mesmo? No entanto, essa felicidade pode desagradar outros.

“Muitas pessoas gostariam de estar onde você está ou até mesmo inconscientemente algumas podem enviar vibrações negativas e prejudicar seu crescimento profissional. Em determinadas situações, conseguimos identificar quem são essas pessoas, mas nem sempre isso é possível, por isso os amuletos são ótimas fontes de proteção” afirma Juliana Viveiros, espiritualista da plataforma iQuilíbrio.

Para te ajudar a combater o mau-olhado, Viveiros elencou 7 amuletos fáceis de encontrar, basta escolher o que mais combina com você. Veja!

Hamsá ou mão de Fátima

O hamsá ou a mão de Fátima é um símbolo muito usado pelo povo islâmico. Ele representa proteção contra inveja e mau olhado. Hamsá em árabe significa o número cinco que está relacionado com os cinco dedos das mãos, os cinco pilares da religião (fé, oração, caridade, peregrinação e jejum) e também os cinco níveis da alma. Esse amuleto pode ser usado contra inveja no trabalho de várias maneiras, como no colar, em pulseira, anel, brinco, no chaveiro ou em um objeto de decoração que pode ser deixado em cima da sua mesa.

Pimenta

A pimenta é um dos amuletos mais conhecidos contra inveja. Se você optar pela pimenta pode tanto usar em algum adereço, como também pode plantá-la em um vasinho e deixá-la no seu trabalho. Caso não queira levar para o trabalho, pode cultivá-la em casa também, pois ela vai sugar todas as energias ruins que estiver em você, contribuindo também para sua limpeza espiritual.

Olho grego

Certamente você já viu em algum lugar o famoso olho Grego, aquele olho azul com branco, como na imagem abaixo. Ele também é conhecido como olho turco ou Nazar. Ele não é apenas bonito, carrega também um grande poder de afastar a inveja, proteger contra o mal e afastar energias ruins de quem o utiliza. Ele também é conhecido como olhar de Deus que protege, traz paz e ilumina. Por ser muito popular, é fácil encontrá-lo de diferentes maneiras, como em acessórios, chaveiros e objetos de decoração. Assim, você tem muitas opções de levá-lo para o trabalho para afastar a inveja.

Figa

Outro amuleto usado para espantar o mau olhado e inveja no trabalho é a figa. O símbolo é uma mão fechada com o polegar entre o dedo indicador e do meio. Além da inveja, ela também oferece proteção, afastando perigos, má sorte e energias negativas. Ela pode estar contida em um patuá que você fizer e também pode ser usada em chaveiro ou como pingente. Geralmente ela é feita em madeira e também é comum encontrá-la como um objeto de decoração.

Alho

Depositphotos

Você sabia que o alho também pode ser considerado um ótimo amuleto contra inveja no trabalho? Basta você comer um dente de alho para afastar a negatividade de você. Mas, é claro que depois disso é bom ficar atento ao hálito para não afastar quem você não quer!

Sal grosso

Você já se sentiu pesada, com a energia lá embaixo e alguém falou pra você tomar um banho de sal grosso para ajudar? Pois é! O sal grosso é um poderoso amuleto contra a inveja no trabalho. Você pode colocar em um potinho e deixar na sua gaveta, pode ter em seu patuá ou quando se sentir muito carregada pode tomar um banho também. “Mas, é bom estar atento e saber como fazer esse banho, pois o sal grosso é muito poderoso e pode limpar até mesmo as energias boas que você quer que fiquem com você. Para isso, aprenda a fazer um banho de sal grosso da forma correta antes de sair por aí jogando sal para todo lado” aconselha Viveiros.

Plantas

Foto: Mercado Livre

As plantas além de deixarem o ambiente mais feliz e bonito são também ótimos amuletos para contra pessoas invejosas. Algumas delas possuem um efeito ainda mais eficiente e direcionado para isso, como a espada-de-são-jorge, a arruda e a comigo-ninguém-pode, além da pimenteira que já mencionamos anteriormente.

“Não julgue os seus sonhos, ame-os! Saiba o porquê você deseja e acredite no seu potencial, entenda também o motivo pelo qual você quer que determinadas coisas aconteçam e lute para conquistar, não dê abertura para que outra pessoa fale da sua vida ou das coisas que você conquistou” conclui a espiritualista da iQuilíbrio.

Fonte: iQuilíbrio

Violência psicológica no ambiente de trabalho: o que é e como agir?

Dimitre Sampaio Moita, professor do curso de Psicologia da Universidade Cruzeiro do Sul, explica como as agressões no trabalho podem afetar a saúde mental das vítimas

Nos últimos anos, relatos de violência psicológica no ambiente profissional aumentaram, e diversas pessoas vêm sofrendo com as fortes agressões psicológicas no trabalho, o que resulta em sérios problemas na saúde mental dessas vítimas.

Segundo o professor do curso de Psicologia da Universidade Cruzeiro do Sul, Dimitre Sampaio Moita, a violência no trabalho está relacionada a diversos fatores e processos sociais que estão ligados a uma estrutura social desigual e injusta.

Barbora Franzová/Pixabay

“Quando se trata especificamente da violência no trabalho, é comum que a sociedade pense apenas nos termos de causas externas, desconsiderando aspectos ligados à organização do trabalho. Porém, com uma visão mais criteriosa, essa atitude requer a consideração de características como condições de emprego, relações interpessoais, tarefas, prazos e metas, cujas definições são determinadas no seio de relações de poderes desiguais”, comenta o professor.

A prática de agressões no âmbito corporativo, ocasiona na vítima sofrimento e sentimentos de humilhação, o que pode gerar a Síndrome do Esgotamento Profissional, mais conhecido como Burnout e o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, ambos estão relacionados a essas agressões psicológicas.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o termo violência e assédio no mundo corporativo, trata-se de um conjunto de comportamentos e práticas inaceitáveis, de ocorrência única ou repetida, que visem, causem, ou sejam susceptíveis de ocasionarem dano físico, psicológico, sexual ou econômico.

“Os agressores praticam ataques com frequência de maneira repetida, utilizando as principais características da vítima, como jeito, capacidade, gênero, sexualidade, raça, origem, ou até mesmo pontuais, relacionadas com elementos contextuais como o não cumprimento de metas ou a ausência no trabalho, por exemplo. Vale lembrar, que o comportamento do agressor pode envolver ameaças, ofensas e até agressões físicas”, afirma o especialista.

Para o professor, em muitos casos, a denúncia da violência relacionada ao trabalho costuma não acontecer por parte dos trabalhadores, dadas as preocupações como a perda do emprego, ou represálias que levariam a mais sofrimento.

“A forma como cada pessoa reage aos atos violentos está relacionada tanto com aspectos de sua história de vida e dos recursos que dispõe para enfrentá-los, quanto com aspectos contextuais, como a organização e solidariedade do coletivo de trabalhadores, que integram políticas de denúncia e fiscalização dos ambientes de trabalho”, explica.

O especialista ressalta que os agressores, costumam estar presentes em empresas onde a própria instituição, possui uma cultura que favorece a prática da violência e não apresenta políticas justas e acolhedoras.

“O importante a se considerar quanto às ações da pessoa agressora, é o quanto a organização de trabalho pode incentivar tais práticas, com uma cultura que favorece ideias de que essa violência faz parte da atividade realizada”, orienta.

Foto: CPA/Canada

Dimitre Moita enfatiza que ao sofrer violência, o trabalhador tem o direito de mobilizar a Justiça do Trabalho para que a situação seja encerrada. Isso pode ser feito por meio dos sindicatos da categoria profissional que compõe ou do Ministério Público do Trabalho. “É necessário reforçar que tais situações representam ataques a direitos fundamentais das pessoas e à sua dignidade, o que é incompatível com o ambiente democrático e de garantias que desejamos construir como nação”, finaliza.

Fonte: Universidade Cruzeiro do Sul 

O sucesso da vida nas mãos da sua energia emocional*

Não é segredo para ninguém, que manter as emoções e os sentimentos em dia é tarefa primordial para quem deseja alcançar o sucesso na vida e no trabalho. Quando você acorda feliz, vai para o trabalho se sentindo bem, a sua energia está em uma vibração alta e isso fará toda a diferença não só nos ambientes em que frequenta, como nas atitudes que terá durante o dia.

Aprender a se manter positivo e a dominar os seus sentimentos negativos é a chave principal para melhorar o seu olhar sobre a vida, tomar decisões mais assertivas, lidar bem com os problemas e potencializar a sua energia.

Dois fatores são determinantes para se aprender a lidar com os seus sentimentos e emoções, um é praticar o autoconhecimento, e o outro é usar a inteligência emocional. Quem aprende a dominar os sentimentos e emoções consegue lidar melhor com os desafios que fazem parte das nossas rotinas. O que nos faz ter sucesso na vida é a forma com que lidamos com os nossos sentimentos e emoções.

Não são apenas as nossas emoções que impactam a energia e, consequentemente, favorecem ou dificulta as ações diárias. Mas os ambientes influenciam as pessoas de maneiras diversas, e alguns conseguem tirar os melhores proveitos das situações, sejam elas positivas ou negativas. No entanto, outros se abalam mais com as questões diárias.

Quando se fala em energia emocional vem à nossa mente a ideia da inteligência emocional. Um termo que se tornou muito conhecido nas obras de Daniel Goleman, ele define a inteligência emocional como uma maneira de entender os processos cognitivos para além dos pensamentos lógicos e racionais. As nossas emoções e sentimentos são tão fortes que se tornam 90% a 80% do sucesso de nossas vidas. Por outro lado, os elementos intelectuais ficam com os 10% a 20% restantes.

É fato que se você for uma pessoa positiva, tiver os pensamentos bons e o otimismo em dia, a sua energia será alta e, assim, tomará as melhores decisões. Ser otimista é um dos requisitos básicos para dar o melhor de si no trabalho e na vida. Ver a vida de uma maneira otimista ajuda a minimizar as questões diárias.

As pesquisas comprovam que as pessoas mais otimistas conseguem resultados melhores do que as pessimistas. Uma delas foi feita pela Universidade do Texas e publicada no jornal Psychology and Aging. Participaram 1.558 pessoas de uma comunidade de americanos de origem mexicana. O objetivo era verificar se havia ligações entre emoções positivas e problemas de saúde. Eles constataram que aquelas pessoas com uma visão positiva da vida tinham uma probabilidade significativamente menor de ter problemas nessas áreas.

Os pesquisadores acreditam que isso acontece provavelmente porque os otimistas cuidam mais de suas saúdes, se preocupam em se alimentarem corretamente e tem ânimo para praticarem atividades físicas. Existem estudos que estabelecem uma forte correlação entre o ânimo e a felicidade dos colaboradores e os resultados da organização. E para criar motivação, é preciso, justamente, de um ambiente positivo.

Segundo pesquisa realizada pela plataforma HSPW (Heathy & Safe Place to Work) com foco no mercado corporativo, um dos pontos levantados pelos participantes foi a má qualidade de vida que o trabalho presencial pode possibilitar. A questão foi levantada por 45% dos colaboradores.

Foto: Joseph Mucira/Pixabay

Se as empresas e pessoas trabalharem as suas energias emocionais, seja desenvolvendo a inteligência emocional, conhecendo-se melhor, o sucesso, a produtividade e a energia tanto das pessoas quanto dos ambientes se tornarão melhores. O uso da energia pessoal nos permite estar em sintonia com o mundo que nos rodeia. Quando ela é positiva se torna impulsionada de uma maneira mais assertiva.

*Jean Patrick é master coach e treinador comportamental, CEO e founder head coach do Instituto que leva seu nome.

Terapeuta dá dicas de como conviver com pessoas falsas no trabalho?

Especialista dá dicas de como identificar e conviver com essas pessoas; saiba como agir para não criar situações ruins no trabalho.

Em tempos de mercado de trabalho com déficit de vagas e excesso de profissionais em busca de emprego, vale usar diversas estratégias para ganhar destaque e se manter no emprego. Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Carreers, entre as táticas usadas está a falsidade. Mas como identificar que uma pessoa está sendo falsa com os colegas no ambiente de trabalho e até deseja puxar o tapete deles?

Segundo a especialista, a pessoa falsa pode se passar por alguém gentil e prestativo. Porém, também é possível perceber que ela fará fofocas de colegas ao mesmo tempo em que tentará ser simpática e bajuladora. “A falsidade pode ser consequência de uma baixa autoestima ou até mesmo de uma necessidade de tentar parecer o que não é. Se você já se lembrou de alguém assim, pode desconfiar que essa pessoa só pensa nela mesma e nas conquistas que pretende alcançar”, explica Madalena Feliciano.

Madalena também alerta que a máscara, uma hora ou outra, vai cair. “Se você ainda não sabe se aquele ou aquela colega é dissimulado, não se preocupe. Com o tempo, você vai perceber se ela se contradiz, se ela fala mal de alguém pelas costas e vai acabar identificando a falsidade ali”, comenta.

Como agir

Imagine que você seja o assunto dessa pessoa, que está tentando te colocar em um nível inferior em relação aos seus outros colegas e chefes. Como você reagiria? Muitas pessoas com certeza iriam discutir e cobrar satisfação. Porém, esse pode não ser o melhor caminho. “Resolver a situação com um diálogo pode ser a melhor atitude, mas desde que o diálogo seja feito de maneira discreta. Isso porque originar situações de discussões acaloradas e brigas no ambiente de trabalho pode ser muito prejudicial para a sua carreira, podendo levar até a demissão”, esclarece a especialista.

Madalena também ressalta que o primeiro passo que deve ser tomado com essas pessoas que querem impedir seu progresso é se afastar, pois gastar energia com quem não deseja seu bem pode ser muito desgastante e te atrapalhar. No entanto, se afastar não significa que você deve parar de falar e ignorar a existência da outra pessoa. A relação deve existir, sendo estritamente profissional. O problema é querer ser amigo dessa pessoa.

“Dessa maneira, com o tempo, a pessoa que prefere se tornar um personagem no trabalho vai perdendo mais espaço, por isso, não é preciso dar muita atenção a essas pessoas. Saber trabalhar em equipe pode ser um diferencial seu no mercado, e essas pessoas vão se complicar nesse sentido. Por isso, quem convive com uma alguém falso pode ficar tranquilo e manter todo o foco apenas no seu trabalho que, no final, você será recompensado”, conclui Madalena.

Madalena Feliciano: é empresária, CEO de três empresas, Outliers Careers, IPCoaching e MF Terapias, consultora executiva de carreira e terapeuta, atua como coach de líderes e de equipes e com orientação profissional há mais de 20 anos, sendo especialista em gestão de carreira e desenvolvimento humano. Mater Coach, Master em PNL e Hipnoterapeuta, realiza atendimento personalizado para: fobias, depressão, ansiedade, medos, gagueira, pânico, anorexia, entre muitos outros.

Mulher 50+: como liderar um time mais jovem, antenado, onde tudo é mais high tech?

O mês das mulheres é carregado de reflexões. Se no passado a data tinha um viés comercial, hoje ela representa, entre outras coisas, a conquista de novos espaços no mercado de trabalho e cargos de liderança. Quando direcionamos a conversa para o público feminino acima dos 50 anos, os questionamentos são ainda mais sensíveis, uma vez que a carreira profissional escolhida por cada uma de nós parece ter prazo de validade. E esse é apenas um dos nossos mais profundos dilemas.

Sou Diretora de Recursos Humanos e Customer Experience de umas das maiores startups de saúde do país, com mais de 60% do time formado por mulheres. No meu guarda-chuva, lidero uma equipe jovem, composta por cerca de 800 colaboradores que, na maior parte, ou está no primeiro emprego ou vivencia a primeira experiência em gestão. Eu poderia me sentir mais confortável coordenando uma equipe com mais tempo de estrada. Por outro lado, acho extremamente prazeroso poder acompanhar e contribuir com o desenvolvimento de profissionais e líderes tão jovens que vem trazendo resultados tão positivos.

Quando me perguntam como eu faço para estar inserida em um ambiente de tecnologia e inovação, digo que a sede pelo conhecimento e a humildade precisam falar mais alto sempre. Em reuniões ou conversas informais, constantemente registro termos e informações menos familiares para depois pesquisar. Sabe esse “incômodo” que aparece quando nos sentimos “por fora” dos assuntos? Ele é fundamental para nos provocar a ampliar nosso repertório.

Nos dias atuais, ser gestor acima dos cinquenta traz desafios ainda maiores do que somente desenvolver e capacitar pessoas com autonomia. É mostrar fragilidades — e isso não tem nada a ver com a ideia de “sexo frágil”. Mostrar fragilidade é deixar claro que não sabemos tudo, que temos dificuldades, que somos feitas de carne e osso, suscetíveis a falhas. É apresentar o nosso currículo para além do que está descrito no LinkedIn. Parece contraditório, mas quem eu sou por trás do crachá me conecta melhor ao grupo de colaboradores da empresa. Sou casada, adoro cozinhar, tenho dois filhos, fui atleta, gosto de corrida de rua, faço musculação e dança. Essa sou eu.

Vejo mulheres com 40, 50, 60 anos dizerem que ficaram para trás, alegando que o tempo passou e que agora é tarde demais para se destacarem e conseguirem uma posição de prestígio. A meu ver, sair deste lugar é o primeiro passo para uma revolução. É sim um grande desafio dividir o dia a dia de uma companhia com pessoas de outra geração, mas — aqui entre nós — se a gente quiser, as diferenças podem ser complementares e isso só tem a agregar no ambiente de trabalho. Ter disposição para ensinar e humildade para aprender é uma troca inexplicável.

iStock

As mulheres são fantásticas na liderança. Sabem fazer gestão, são organizadas, observadoras e se posicionam com maestria. Por isso, para as nem tão jovens, diria para continuarem correndo atrás dos seus objetivos profissionais sem medo dos desafios que possam surgir. Já para as mulheres iniciando a carreira, aconselho que sejam persistentes na busca do conhecimento. Ser líder não é fácil. E a mulher em uma posição de liderança mostra o poder de transformação do mercado de trabalho. Mulheres, brilhem!

*Sônia Norões é Diretora de RH e Customer Experience da Beep Saúde, healthtech líder em serviço domiciliar no Brasil.

Mês da Mulher: 69% das mulheres são a principal provedora de renda do lar

Levantamento da Provu mostra o comportamento financeiro das mulheres e quais são suas prioridades

No dia 8 de março comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data foi oficializada nos anos 1970 pela ONU como símbolo da luta histórica das mulheres pela igualdade de direitos em relação aos homens. Muitos avanços aconteceram de lá pra cá e a mulher vem assumindo cada vez mais o protagonismo de suas vidas.

Ilustração: Pete Linforth/Pixabay

Exemplo disso, são os dados de uma uma pesquisa quantitativa online realizada com mais de 950 clientes de empréstimo da Provu, fintech especializada em meios de pagamento e crédito pessoal, que mostram que 69,3% das respondentes são a principal fonte de renda do lar.

Quanto às 30,7% que responderam não ser fonte de renda principal, 69% têm o marido como principal provedor; 8,8% indicam o pai e 8,5% apontam a mãe como fonte financeira primordial.

A Provu também perguntou às entrevistadas sobre prioridades financeiras: 69,4% responderam que é manter as contas pagas e em dia; para 11,6% é evitar entrar em dívidas; e para 6,8% é aumentar a renda mensal. A organização financeira também é um ponto importante para manter as prioridades mensais e 74,3% delas anotam os gastos e entradas de dinheiro, seja em planilhas ou caderninho; e 15,3% utilizam aplicativos para gerir as finanças.

Para entender um pouco mais sobre o comportamento da mulher depois de honrar suas contas e despesas mensais, a Provu ainda perguntou sobre reservas financeiras e investimentos. Atualmente, 59,6% das respondentes não têm reserva emergencial; 68% dizem que já tiveram, mas precisaram utilizar e 30% não tem sobra na renda mensal para guardar dinheiro. Apenas 34,1% das mulheres fazem algum tipo de investimento mensal – 48,3% utilizam poupança; 14% fazem CDB; e 12,8% disseram que investem em Fundos de Renda Fixa.

“Ainda precisamos de muitos avanços no que diz respeito à equidade de gênero, mas, assim como a pesquisa mostra, é inegável que cada vez mais as mulheres estão independentes e, quando se trata de conquistas financeiras, ter essa autonomia é fundamental para realizar sonhos e sair de situações de dependência”, comenta Bianca Sidoti, CCO da Provu.

Fonte: Provu

5 habilidades emocionais das mulheres que homens necessitam desenvolver

O sexo feminino já aprende desde cedo a lidar com situações e emoções que muitas vezes o homem é poupado

Uma das ferramentas mais importantes para o ser humano viver bem é a habilidade de controlar suas emoções e seus impulsos. Na maioria dos casos, essas habilidades são desenvolvidas ao longo do tempo e das experiências, porém, algumas pessoas aparentam já terem nascido com essa aptidão ou a maioria delas.

As mulheres, por exemplo, na maioria das vezes possuem naturalmente uma percepção positiva de sua consciência em relação ao seu estado de humor, entre outras emoções. Conseguem identificar com facilidade os gatilhos e impactos das próprias ações ou aqueles ao seu redor. Sabe aquela intuição feminina? Então, nada mais é que sua habilidade em lidar com as situações de forma mais controlada e equilibrada, sugerindo os riscos previamente, como também os sucessos iminentes das tomadas de decisões.

Jonathan Duque, especialista em comportamento humano e inteligência emocional, lista as principais características que as mulheres possuem que as tornam mais emocionalmente inteligentes que os homens.

Getty Images

1 – Autoconhecimento – Habilidade de lidar com multitarefas: Duque costuma dizer que quando uma mulher decide uma coisa, nada pode pará-la. Essa obstinação feminina é resultado de um conhecimento profundo que a mulher adquire de si. Elas sabem onde estão e onde querem chegar e sabem exatamente cada passo para trilhar o caminho. Quando a mulher decide focar em algo, mesmo carregando o mundo nas costas, ela tende a alcançar seu objetivo. Não se distrai com facilidade! É um instinto protetor que todas carregam em si.

2- Gestão – Habilidade no controle das funções: embora muitas mulheres tomem muitas tarefas para si e consigam administrá-las, possuem uma habilidade natural de saber delegar, orientar e cobrar os resultados de forma gentil e clara. Muitos dizem que é a intuição feminina, mas aqui é preferível chamar de inteligência emocional, que faz com elas tenham muito mais clareza das habilidades de cada um para distribuir funções e cobrar os resultados que cabem a cada pessoa. Possuem uma visão ampla do todo e conseguem administrar as tarefas com agilidade.

Depositphotos

3- Autocontrole – Resolução de problemas: outra característica forte em uma mulher é o domínio de seus impulsos e emoções. “Mesmo que o desejo seja muito grande por algo, elas conseguem se controlar e fazer escolhas inteligentes” – comenta o especialista. É natural que sintam vontade de agir em algumas situações, mas conseguem, muitas vezes mais que os homens, controlar com mais facilidade essas sensações, ou seja, desenvolvem a capacidade de raciocinar durante situações adversas e encontrar soluções de forma mais rápida.

4- Adaptabilidade – Capacidade de lidar com mudanças: essa é uma habilidade que já nasce com a mulher e ao longo do tempo vai se aperfeiçoando ainda mais. Desde pequena a mulher lida com mudanças bruscas em sua vida. Por essa razão, sabe lidar com as transformações de forma mais leve que o homem. Fatores como puberdade, gestação, trabalho, multifunções, tudo isso desenvolve na mulher a aptidão de acostumar-se as condições diferentes das quais vive.

5- Motivação e comunicação: a motivação é a junção de fenômenos emocionais, biológicos e sociais que impulsionam alguém ao seu objetivo e isso a mulher sabe bem criar em si. Seja pelo seu instinto ou por fatores fisiológico, já que tendem a produzir mais dopamina (neurotransmissor que atua sobre as emoções e a atenção) que homens, toda mulher carrega em si uma força interior muito forte, sustentada não apenas pelas suas vontades ou sonhos, mas também pelos seus dependentes. Isso faz com que elas se mantenham mais motivadas que homens e deem o melhor de si em qualquer projeto que assumam para si. Seja cuidar do filho, da casa ou gerir uma empresa. Tudo é potencializado.

Fonte: Jonathan Duque é empresário do ramo de automação, beleza e serviços gerais, tornou-se especialista em inteligência emocional e comportamento humano e ministra cursos e treinamentos para pessoas que precisam alavancar sua vida em diferentes áreas.

Mulher: a arte de ser multitarefa

Com maiores responsabilidades e salários, as mulheres procuram por homens que as ajudem nas tarefas domésticas e as apoiem profissionalmente

Durante as últimas décadas do século XX, dentre os vários acontecimentos históricos, um dos fatos marcantes foi a inserção cada vez maior da mulher no mercado de trabalho. Depois de lutarem muito, elas finalmente conquistaram o direito do voto em 1932 – mas não ficaram satisfeitas com essa vitória: elas querem sempre mais, e estão conseguindo.

Pode não parecer, mas as conquistas no âmbito feminino vão desde a permissão para usar de calças compridas até o direito não só de votar, como também de serem eleitas. Aos poucos, a classe feminina prova a sua competência, profissionalismo, criatividade e liderança, conquistando mais espaço e rompendo as barreiras do preconceito.

No mercado de trabalho deve-se muito a fatores econômicos, culturais e sociais do país, mas, independente disso, ficou claro que tanto elas quanto seus parceiros gostaram dessa nova função assumida pelas mulheres.

“As mulheres hoje procuram homens que as entendam e apoiem as suas carreiras, e não que as tornem “mulheres do lar” durante os sete dias da semana”, opina Madalena Feliciano, gestora de carreira e hipnóloga. Muitos casais hoje optam por não terem filhos ou apenas por terem filhos mais tarde, para que possam aproveitar por mais tempo os privilégios do namoro ou casamento com a renda mais estabilizada – objetivo difícil de ser adquirido quando ambos ainda são muito jovens e estão adentrando o mercado de trabalho, salvo exceções.

O que antes era uma forma de submissão ao homem, hoje deu lugar a mulheres executivas, presidentas, governadoras, líderes, mestres e doutoras. “E elas aproveitam essas oportunidades para acrescentarem o seu toque feminino, fazendo com que muitas profissões cresçam e sendo reconhecidas cada vez mais pelos homens, que até pouco tempo tinham preconceito em serem comandados por mulheres”, afirma Madalena.

Devido a essas mudanças, o homem brasileiro começou a ajudar mais nas tarefas domésticas, apesar de ainda ser a mulher quem dedica mais tempo aos afazeres do lar, e cuidar dos filhos. Não se sabe exatamente o que tem motivado os homens a colaborarem mais, se é um maior grau de conscientização ou o fato de suas mulheres não terem mais tanto tempo para a casa, já que passam muitas horas na rua, mas é fato de que eles perceberam que os papéis mudaram e estão dispostos a ajudar e a manter a mulher ao seu lado.

Getty Images

O ideal é dividir as tarefas do lar e deixar tudo claro desde o início do namoro. Querer mudar uma pessoa depois pode ser tarde. É preciso que os dois saibam ceder quando necessário, afinal, é isso o que torna um relacionamento saudável. “Para isso, digo para os casais fazerem uma lista rica em detalhes, das suas funções domésticas e do trabalho. Depois, as listas devem ser comparadas para que as funções de cada um possam ser reorganizadas com base em uma conversa franca, para que haja equilíbrio entre as duas partes”, afirma Madalena.

Informações: Madalena Feliciano

Menos autocrítica e mais autocompaixão

Mestre em Psicologia Positiva pela Universidade da Pennsylvania nos Estados Unidos e Pós Graduada em Terapia Focada em Compaixão pela Universidade de Derby na Inglaterra, Adriana Drulla ensina quatro passos que ajudam a corrigir os próprios erros usando a autocompaixão

Quando você se critica o tempo inteiro, pensando sobre como é incompetente, inferior ou inadequado, ou ruminando sobre todos os erros do passado, você destrói a autoconfiança que precisa para evoluir. O autoataque pode carregar sentimentos de desprezo, raiva ou impaciência em relação a si mesmo.

Quando você sofre por antecipação “espero que eu não estrague tudo”, antes de uma apresentação importante. Ou quando recebe um elogio e julga “não foi tão bom assim”, “qualquer um poderia ter feito a mesma coisa”. A autocrítica severa inflaciona a culpa e desconsidera todos os fatores externos que contribuíram para que você agisse de tal forma.

O autocriticismo excessivo impede a pessoa de arriscar novos sonhos, de se colocar em público, de progredir profissionalmente ou nos relacionamentos. Quando o erro é aversivo demais, evitamos tentar. Segundo Adriana Drulla, uma das ironias a respeito do autocriticismo excessivo é que sofremos nas mãos do crítico interno, mas, mesmo assim, tememos abandoná-lo. Achamos que nossa evolução pessoal depende da autocrítica.

“De certa forma, isso não deixa de ser verdade. Mas é a correção compassiva que nos ajuda a melhorar. É ela que nos dá clareza para avaliar os nossos comportamentos e assumir a responsabilidade por nossos erros, nos tornando melhores como indivíduos e como parceiros”, explica a especialista.

Quando a motivação é compassiva, olhamos para nossos erros não porque somos inferiores, mas porque queremos o que é melhor para nós e para os demais. Ser bom e valoroso não implica ser livre de erros e defeitos. Podemos melhorar sempre porque somos humanos e, portanto, naturalmente imperfeitos.

Na autocorreção compassiva, não é o senso de valor que está em jogo, mas o bem-estar. A seguir, Adriana destaca quatro dicas para quem se corrigir com mais autocompaixão:

Considere primeiro seus próprios valores – você pode até criticar a sua conduta ou o seu comportamento, mas não duvidar sobre o seu valor. Você pode até ter feito algo ruim, mas isso não significa que você seja ruim. Para que a decepção em relação à conduta não atinja seu autoconceito, lembre-se que defeitos e erros são o que nos fazem humanos, iguais aos demais, e não diferentes ou inferiores. Nossos erros são parte de quem somos, mas eles não nos definem.

Avalie a natureza dos acontecimentos – o ambiente pode nos moldar e raramente somos os únicos responsáveis. Até nossas características pessoais se desenvolveram a partir do ambiente em que vivemos. Muitos fatores contam para nossas atitudes. Certamente outras pessoas agiriam como você, em situação similar. Erros não são frutos de má vontade ou incompetência.

Será sempre sua responsabilidade assumir e consertar seus erros – porém é mais fácil e produtivo pensar em soluções a partir das habilidades ou dos recursos que você já tem. Se você está decepcionado porque costuma perder a paciência com alguém, pense como você pode usar a sua capacidade e recursos para agir diferente da próxima vez.

Seja compreensivo consigo mesmo – converse com você como falaria com um grande amigo que passasse por uma situação similar. Ou então reflita sobre como alguém que te ama e te admira falaria com você diante desta situação. Conectar-se com o seu amor próprio, antes de corrigir-se é essencial.

Fonte: Adriana Drulla é Mestre em Psicologia Positiva pela Universidade da Pennsylvania (EUA), e pós-graduada em Terapia Focada em Compaixão pela Universidade de Derby (Inglaterra). Estudou com Martin Seligman, psicólogo fundador da psicologia positiva e com Paul Gilbert, psicólogo criador da Terapia Focada em Compaixão.

Festival de trabalho e empreendedorismo 50+ está com inscrições gratuitas abertas

MaturiFest 2021 trará cases de empresas, palestrantes de peso e oficinas práticas de forma 100% digital e gratuita

A 4ª edição do MaturiFest está com inscrições abertas, o evento gratuito acontecerá de forma 100% online de 26 a 29 de julho, das 14h às 20h30. Assim como nos anos anteriores, o festival traz para debate o futuro do trabalho e empreendedorismo 50+ no Brasil.

“Depois de um ano e meio de pandemia, o maior desafio é manter as pessoas engajadas em um evento online. O cansaço em torno de lives e conexões por telas é imenso, por isso, o MaturiFest busca acolher as pessoas com a promoção de um evento ainda mais prático e dinâmico”, explica Mórris. “Diferente do ano passado, nesta edição todos os participantes terão acesso gratuito às salas de networking e mentoria de carreira, isso reproduz um pouco o ar do festival físico e ajuda a engajar os participantes das mais diferentes regiões do Brasil”, completa o executivo.

Além disso, a grande novidade desta edição será a apresentação de cases de Inclusão de profissionais 50+por grandes empresas, como Credicard e Kimberly-Clark, e a realização de oficinas práticas que visam estimular a atualização e o empreendedorismo, com temas voltados ao marketing digital, vendas, preparação para entrevistas, finanças, marca pessoal, ferramentas de trabalho remoto e muito mais. Todas as iniciativas também têm como público empresas interessadas em diversidade etária.

Serão mais de 25 horas de conteúdos, 30 salas de networking, oficinas e mentorias e passarão por lá aproximadamente 60 palestrantes renomados, como Wellington Nogueira, Alexandre Kalache, Cris Guerra, Costanza Pascolato, Marc Tawil, Mirian Goldenberg, Beia Carvalho, Maria Cândida e o norte-americano Chip Conley. A agenda será voltada tanto para empresas quanto ao público 50+ e composta por temas como o trabalho do futuro, reinvenção profissional, transformação de carreira e vida, jornada do empreendedorismo maduro, trabalho autônomo, tecnologia, marketing e presença digital. Além de conteúdos inspiradores, seja com pessoas conhecidas como cases de pessoas 50+ que se reinventaram

Para criar uma grande rede de networking e troca rica de conhecimento, os profissionais maduros também poderão se conectar participando da iniciativa “Eu Busco / Eu Ofereço”, onde vão poder destacar o que buscam no mercado de trabalho e o que podem oferecer entre si ao longo do evento.

As inscrições para o festival podem ser realizadas até o primeiro dia de evento (26 de julho) e a participação é gratuita. Há também a opção do ingresso solidário que terá 60% do valor revertido como doação a organizações que apoiam idosos e crianças em situação de vulnerabilidade social. Quem optar por este formato de pagamento, terá acesso ainda a todo o conteúdo gravado para visitá-lo quando quiser.

MaturiFest 2021
Data: de 26 a 29 de julho
Horário: das 14h às 20h30
Inscrições gratuitas: MaturiFest