Arquivo da categoria: comportamento

Seis dicas para superar o fim de um relacionamento, por Tatiana Pimenta*

Prepare-se: você escutará muitos conselhos quando comentar com os amigos que seu relacionamento amoroso chegou ao fim. Alguns dirão coisas que irão lhe tocar profundamente, desencadeando reflexões transformadoras. Outros, oferecerão palavras que você julgará bobas — que talvez até lhe irritem.

A intenção é sempre a mesma: ajudar. Mas as pessoas são diferentes — e seus modos de enfrentar as consequências da vida, também. Neste artigo, compartilho seis dicas para superar o fim de uma história, de um amor. Mas, assim como seus amigos, o que temos a dizer não é uma fórmula mágica.

Permita-se ler as sugestões sem prejulgamentos. Ignore aquelas que não conversarem com suas dores. Fixe naquelas que mais lhe incomodarem. Afinal, o que mais nos perturba, é o que primeiro precisamos resolver. Siga a leitura e, se puder deixar nos comentários algum conselho que acredite valioso, complemente nossa lista!

1. Respeite seu tempo

mulheres brindando vinho champanhe

Um clichê, sabemos. É um conselho tão batido, mas tão batido, que o desprezamos. Contudo, ele é um mandamento que não deveríamos perder de vista. Respeitar o próprio tempo é aceitar a temporada de choros, sem culpa. É entender que a tristeza não faz as malas no dia seguinte à partida do amor. Portanto, aceite convites para sair de casa, abrace oportunidades de se divertir. Mas não se cobre recuperação instantânea de um fim de relacionamento. Por outro lado, respeitar seu tempo é, também, não aceitar a fossa como moradia fixa. Seu tempo merece ser tratado com dignidade. Não o transforme numa tormenta infinita. Se perceber que o desânimo está indo longe demais, procure ajuda de um psicólogo. Ele lhe auxiliará a descobrir novos caminhos para o pensamento.

2. Invista na autoimagem

yoga-jeviniya- pixabay
Foto: Jeviniya-Pixabay

Aviso: essa dica não sugere que você tire zilhões de selfies e compartilhe nas redes sociais, para mostrar que está bem! Autoimagem é um olhar para si, não para a aprovação ou impressão do outro. Investir na auto imagem é priorizar o relacionamento saudável com a pessoa inevitavelmente constante em toda a sua vida: você. Se você se colocar para baixo, terá que conviver, a cada segundo, com essa personalidade derrotista que alimentou. Um relacionamento tóxico, não necessariamente, é algo que envolve duas pessoas. Você, sozinho, pode se boicotar, violentar, desmerecer. Não seja, para si mesmo, o que não gostaria de encontrar ou receber de outro alguém. Num primeiro momento, pode lhe soar superficial. Mas indicamos: cuide da própria beleza! Nada de pensar em padrões! Lembre-se que a ideia é acarinhar a autoestima, dar ênfase ao que se tem de autêntico e original.
Descubra formas de autocuidado que lhe dão prazer. Pode ser através da alimentação, de uma atividade física (que tal dança? yoga? luta?), de um ritual de beleza com cosméticos de texturas, cores e perfumes extasiantes. Convoque os sentidos. A autoestima, por vezes, realmente começa de fora para dentro.

3. Deixe o passado em seu devido lugar

fotografias memoria lembranças pixabay

Não espere esquecer a pessoa com quem conviveu. Isso não vai acontecer — a não ser que você sofra de alguma espécie de amnésia… Entretanto, não a chame para seu presente. Memórias irão lhe ocorrer. Mas não as deixe como parâmetros para um relacionamento futuro. Quando olhamos para trás, editamos nossa percepção. Já percebeu? A memória seleciona “cenas”, escolhendo o que ignorar e o que exibir.
Você pode lembrar do relacionamento que acabou só pelas “partes boas”, criando uma expectativa irreal de um próximo parceiro, que precisará ser tudo aquilo que a memória estabeleceu como padrão de felicidade. Ou pode lembrar apenas das coisas ruins e enxergar indícios de repetições em atitudes que, na verdade, não têm correspondência com a experiência do passado. Aprenda com os erros e evite ciladas. Porém, não confunda bom senso com fixação. Outra coisa de suma importância: nada de stalkear a vida do antigo amor pelas redes sociais! Nem através de amigos em comum. Cedo ou tarde, isso lhe trará mais sofrimento. Sua meta é romper o vínculo e dar espaço a novas conquistas, novas histórias, novas memórias. Mantenha isso em mente!

4. Isso também vai passar

mulher ouvindo musica fone de ouvido stocksnap pixabay

Faça disso um mantra. Repita, para si mesmo, quantas vezes precisar. Não apenas em situações de términos. Essa é uma das principais dicas de relacionamento com a vida! Tudo passa. Infelizmente, até o que é bom. Como ensinou Guimarães Rosa, vida é travessia.

5. Pense positivo

mulher livro bebida vinho pexels
Pexels

É bem difícil um relacionamento acabar quando ambos estão apaixonados, vamos admitir. E se o interesse — ao menos de uma das partes — já não era “aquilo tudo”, podemos presumir que o namoro ou casamento não estava em seus melhores dias.
Então, o que foi mesmo que você perdeu? O sofrimento pode ocorrer, em grande medida, pela imposição da mudança, pela famosa saída da zona de conforto — ainda que, de conforto, houvesse pouco ali. Foque em notar o que o fim trouxe de bom. Foque em perceber quantos fins — de circunstâncias e humores negativos — a ruptura trouxe consigo. Perceba a possibilidade de recomeços, de tempo de maior qualidade com amigos ou envolvimento com coisas que gostava — mas havia deixado para trás em função da rotina do relacionamento. Reencontre-se! Aproveite a liberdade. Reinvente seu cotidiano. Dê espaço para suas preferências e escolhas individuais. Faça do momento um desafio de evolução pessoal.

6. Acredite em um novo relacionamento

jovem mulher usando celular pexels

Se você prestou atenção às dicas anteriores, chegará a essa preparado! Por via das dúvidas, faça um “checklist” antes de avançar. Autoestima bem-resolvida?  Desenvolvimento pessoal em ordem? Vínculo rompido? Tempo de choradeira encerrado? Então é hora de dar chances ao acaso! Também não fique esperando o novo amor bater em sua porta. Não aguarde alguém lhe resgatar do limbo. Note as pessoas ao seu redor e faça-se notar. Se gostar da ideia, aceite que amigos lhe apresentem pessoas interessantes. Abra-se para pessoas de seu convívio, amizades que podem virar algo mais. Saia de casa, quando tiver a oportunidade. É sempre simpático dar uma mãozinha para o destino. Uma opção bem funcional são os aplicativos e sites de relacionamento. Pesquise quais plataformas seriam mais compatíveis com o seu perfil e com o que procura. Seja responsável, cuide-se, mas permita-se algumas paqueras virtuais — e encontros reais. Apenas certifique-se de que, independente do meio que escolher para conhecer gente nova, suas expectativas devem estar com os pés no chão. É natural que algumas tentativas resultem em erro. Aceite e siga em frente!

Um pequeno adendo

casal separado

Todas essas dicas de como superar o fim de um relacionamento são para homens e mulheres, ok? A dor não faz distinção de sexo. E o comportamento, ao contrário do que se possa cogitar, é muito semelhante entre humanos. As demonstrações podem variar, claro. Assim como o tempo de superação e as estratégias utilizadas. Afinal cada um de nós tem personalidade única. O que não muda é que, depois de um fim de relacionamento, se houver abertura, um novo tende a chegar em seu lugar. E quando as pessoas estão de bem consigo mesmas, a probabilidade é de que seus relacionamentos melhorem. Tenham maior qualidade e maturidade. Ou seja, o fim é estágio necessário para que a felicidade floresça novamente, ainda mais segura de si.

*Tatiana Pimenta é CEO e fundadora da Vittude, plataforma que conecta psicólogos e pacientes. Faz psicoterapia pessoal há quase sete anos, sendo apaixonada por psicologia e comportamento humano. Idealizadora do Consultório Virtual da Vittude, desenvolvido especialmente para atendimentos de saúde, de forma segura e sigilosa.

Dia Mundial de Conscientização do Albinismo

Em clima de #tbt, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) adere ao Dia Mundial de Conscientização do Albinismo (13 de junho), relembrando o vídeo do músico brasileiro Hermeto Pascoal, que conta como é viver com a doença. A entidade também realiza uma campanha nos stories da SBD no Facebook e Instagram com vídeos depoimentos de conscientização de outros albinos do Brasil.

O albinismo é uma doença genética, não contagiosa, que ocorre a partir de uma deficiência/incapacidade de produção da melanina, pigmento que dá cor à pele, cabelo e olhos e protege a pele contra a radiação ultravioleta. Dessa forma, os albinos são altamente propícios aos danos causados pelo sol. “São pessoas que podem apresentar envelhecimento precoce, danos actínios e câncer da pele ainda muito jovens. É justamente a prevenção do câncer da pele, muito frequente entre os albinos, a maior preocupação dos médicos dermatologistas. Quanto mais cedo e regular o cuidado para evitar lesões cancerosas, melhor a condição de vida dos albinos.”, explica Sérgio Palma, Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

albinismo 2

Além disso, como a principal fonte de vitamina D é proveniente da exposição solar, os albinos precisam fazer suplementação para evitar problemas decorrentes da deficiência dessa vitamina, como alterações ósseas e imunológicas. A alteração genética também modifica a estrutura e o funcionamento ocular, gerando possíveis problemas visuais.

Os pacientes albinos podem e devem levar uma vida normal, apenas precisam ter mais cuidados no dia a dia para evitar complicações decorrentes das suas condições genéticas. É necessário se proteger muito bem do sol com medidas fotoprotetoras (protetor solar, roupas que cubram áreas do corpo que ficam expostas aos raios solares e óculos escuros com proteção contra os raios UVA e UVB, por exemplo) e se consultar periodicamente com um médico dermatologista associado à SBD. De forma simultânea, é importante que passem por consultas com médicos oftalmologistas.

Confira trechos dos depoimentos dos albinos

“As dificuldades de um albino começam pela baixa visão e a falta de pigmento da pele. Sabe como é difícil você estar no ônibus ou numa sala de aula e ser ignorada por todos? Assim foi a minha trajetória até hoje” – Verônica Melo

“Ser albina é conviver com uma sociedade cheia de preconceitos e admirações também, pois infelizmente muitos ainda não entendem sobre o albinismo” – Viviane Ferreira

marcos-andreza-e-andre - foto gustavo lacerda
Os irmãos Marcos, Andreza e André – Foto: Gustavo Lacerda

“Nós necessitamos de respeito e dignidade de toda e qualquer pessoa com e sem melanina, pois temos direito à vida, ao trabalho e às relações humanas, assim como qualquer outra pessoa” – Andreza Aguida

“Gostaria que o Governo Federal e todas as esferas lançassem um olhar para a população albina do Brasil e começassem a fazer políticas públicas. É disso que a gente precisa” – Roberto Rillo Biscaro

Fonte: SBD

Sexo impacta positivamente no humor e na vida profissional

No Dia dos Namorados, especialista do Hapvida explica os benefícios de um relacionamento sexual saudável

O Dia dos Namorados é comemorado nesta quarta-feira, dia 12 de junho, e uma vida sexual satisfatória é fundamental para proporcionar bom humor, sentimentos positivos e estabilidade hormonal. O sexo, além de trazer benefícios à saúde, influencia diretamente no comportamento e na relação amorosa e afetiva das pessoas.

O psicólogo do Hapvida Saúde, André Isaac Assunção, afirma que o sexo pode ter impacto também na vida profissional. “Ter estabilidade de humor, uma vida sexual que satisfaça cada um, pode favorecer a saúde emocional nas relações interpessoais e no trabalho. Estudos apontam que o sexo gera felicidade. Isso acontece porque durante o ato o corpo libera sensações de bem-estar”, comenta.

Apesar de ser positivo, o sexo pode se tornar um problema para aqueles que, por algum motivo, não se satisfazem nesta área. Quando isso acontece, é necessário entender qual é barreira e buscar o melhor tratamento com urologista, ginecologista ou psicólogo. A psicoterapia é importante no auxílio de traumas, angústias, dificuldades e outros fatores emocionais que estejam acumulados e que proporcionam negatividade.

Existem casos em que as pessoas apresentam problemas comportamentais, mas não têm consciência de que eles estão relacionados à vida sexual. “Mudanças de comportamento, angústias, preocupações e sensações de incapacidade são fatores observáveis. Além disso, a autoestima e autoconfiança também precisam de investigação e autoconhecimento”, completa Assunção.

casal na cama iStock
iStock

Por fim, para comemorar o Dia dos Namorados com sexo saudável, vale destacar a importância do uso do preservativo. Além disso, o diálogo entre as partes envolvidas pode gerar uma experiência ainda mais prazerosa com resultados positivos na vida de cada um.

Fonte: Hapvida

Pessoas de 50+ são maioria entre os que procuram sites de relacionamento

O interesse de pessoas na faixa dos 50 anos por sites e aplicativos de encontro cresceu muito nos últimos anos no Brasil. Isso pode ser explicado por alguns fatores, como a facilidade de encontrar alguém com as mesmas afinidades e conhecer pessoas sem ter de sair de casa e se expor, por exemplo.

Segundo pesquisa do Match Group LatAm (detentora das marcas ParPerfeito, Divino Amor, G Encontros, SingleParentMeet, OurTime e Femme) realizada em abril de 2018, com 5.200 pessoas de várias idades, a faixa que englobava 50 a 59 anos era a maior: 35%. E a estratégia de segmentar sites por nichos deu muito certo por aqui, e o Our Time, voltado a pessoas acima dos 50, foi o que mais cresceu. Tanto que, em 2017, respondeu por 20% do faturamento da empresa.

A pesquisa mostrou que a maioria dos entrevistados (60%) é a favor do uso de sites e apps porque, por meio deles, já sabe se o outro possui os mesmos interesses e características que buscam em alguém antes de marcar um encontro. Aquele antigo preconceito de conhecer alguém usando esses métodos não existe mais: 83% disseram não ter problema em contar que encontrou alguém desse modo, enquanto 57% afirmaram conhecer casais que se encontraram e se casaram por meio desses recursos.

Entre os pesquisados, 36% responderam que não tinham medo de iniciar um novo relacionamento. Uma questão feita a todos foi o que achavam sobre encontrar alguém aos 50 anos, 97% disseram que era “incrível”. Já para a questão “Você acha mais fácil encontrar alguém depois dos 50?”, 50% acharam que sim, “porque as pessoas são mais maduras nesta idade”.

mulher computador lendo

Um dos dados mais interessantes é que, não importa a faixa etária, praticamente todos os entrevistados disseram que entram nas redes sociais para pesquisar a pessoa com quem estão conversando. E a rede social preferida é o Facebook (92%). A maioria confessou que a intenção era ver fotos.

“É uma forma mais rápida de conhecer pessoas, mais cômoda que sair, ir a bares ou festas. Tenho visto pessoas nesta faixa etária usando mais o Facebook, que dá a percepção de que quem está lá é conhecido e, assim, pode-se antecipar algo sobre a historia de vida do outro: o que faz, se trabalha, se é divorciado, tem filhos etc. Além disso, procuram quem tem amigos em comum, o que dá mais segurança e confiança”, afirma Vânia Calazans, psicóloga clínica da Elo Clinica De Saúde

Vânia diz que o preconceito sobre essa forma de conhecer pessoas é coisa do passado. Para ela, já é uma situação bastante comum, especialmente graças aos jovens, que usam muito os apps. “Isso ajudou a desconstruir a ideia de ser algo apelativo, feito por desesperados. Eu conheci histórias de relacionamentos bem sucedidos que se iniciaram assim. O preconceito diminuiu até porque, hoje, todos nós usamos muito as redes sociais, e isso se tornou mais familiar e habitual”.

Com ela concorda a terapeuta e sexóloga do site Solteiros50, Carla Cecarello: “Hoje em dia, o que rege o mundo é a Internet, e as pessoas nesta faixa também se renderam à tecnologia. Além disso, pelos sites e apps, abre-se um leque enorme de possibilidades e a pessoa pode ‘voltar ao mercado’ sem se expor tanto”.

Para Carla, as principais dificuldades desse público é aprender a mexer nos apps, em termos de funcionalidade: “Depois dessa fase, surge a dúvida: será que essa pessoa quer só sexo? Como há muita gente inscrita, é preciso selecionar com cuidado. Converse bastante, até por vídeo chamadas. Seja real no perfil, não adianta se mostrar diferente do que se é, pois do outro lado podem estar fazendo o mesmo, e você não vai gostar”, ensina.

Mais razão, menos emoção

computador mulher pixabay

Como dizem que na Internet as pessoas podem ser o que quiserem, Vânia aconselha aqueles que chegarem ao estágio do encontro ao vivo, que o ideal é se manter o mais racional possível: “Muitas vezes esses encontros ocorrem após algumas conversas virtuais. Nelas, um fala muito o que o outro quer ouvir, só apontando aspectos positivos, após ter algumas informações e entender o que o outro quer ouvir. É o começo de um jogo de sedução muito forte”, afirma.

Segundo a psicóloga, isso faz com que a pessoa vá ao encontro pré-disposta a se encantar e, neste sentido, é importante se manter racional e objetivo. Perceber quem é o outro e se manter, na medida do possível, atento aos sinais evita envolvimento com alguém interesseiro ou maldoso. “É importante buscar informações: a pessoa expõe a vida nos perfis sociais, quem são os amigos? Quanto mais informações, maior a segurança. Não se encante apenas com o que o outro quer mostrar”.

“Se gostar da pessoa, vá conhecê-la, mas não a deixe vir te buscar. Se chegar o momento de se relacionar sexualmente, vá para um motel, nunca para casa. E sempre use preservativo”, acrescenta Carla.

O desbravador

O site Coroa Metade nasceu no fim de 2012 e segue o modelo de matchmaker, sites de encontros, surgidos nos EUA, nos quais as pessoas preenchem amplos cadastros antes de começar a teclar. Seu diferencial foi ser voltado apenas para pessoas maduras. “A idade torna as pessoas mais seletivas. O site é procurado basicamente por homens e mulheres que não têm tempo a perder em encontros sem sentido, mas que ainda acreditam que é possível encontrar sua metade”, conta Airton Gontow, idealizador e diretor da página.

Em dezembro de 2018, o site chegou à marca de 489 mil cadastros e 76 casamentos realizados. Sobre o nome, Gontow explica: “Vimos que algumas pessoas não querem ser chamadas de coroas, mas o nome teve 84% de aprovação em uma pesquisa. De maneira geral, as pessoas percebem que é um nome carinhoso e, acima de tudo, hoje a moda não é esconder a idade, mas mostrar que se tem saúde e qualidade de vida, na idade que a pessoa tem.”

Agora, com todas essas informações e dicas, quem ainda estiver sozinho pode tentar a sorte e passar o próximo dia 12 de junho bem acompanhado.

Veja dicas de postura e segurança para usar sites ou apps de encontro*

Sixty-and-Me mulher computador

– Coloque fotos e preencha tudo, inclusive sobre quem procura.
– Seja verdadeiro em seu perfil.
– Escolha fotos que mostrem os melhores ângulos, mas nunca, em hipótese alguma, antigas que não mostrem como você é hoje;
– Antes de enviar uma mensagem, dê uma última lida. Isso serve tanto para uma reflexão quanto para uma revisão.
– Não deixe que a carência afetiva faça com que você se desvie do que procura. Se não deseja, em hipótese alguma, namorar uma pessoa que fume ou que more em outro estado, não gaste seu tempo com esse perfil.
– Atenção aos detalhes: se a pessoa interessada por você perguntar três vezes, ainda que em dias diferentes, qual sua profissão ou quantos filhos você tem, é um forte indício de que está flertando ao mesmo tempo com várias pessoas.
– Primeiro encontro: sempre em um lugar público. Não marque na sua casa e também não deixe a pessoa buscá-lo. Peça para alguém telefonar para você, e responda algo do tipo: “cheguei, sim, está tudo bem, estou em tal lugar…”, para deixar claro que sabem que você foi encontrar uma pessoa que conheceu no site. Na hora de voltar, por mais simpática e atraente que a pessoa seja, retorne também por conta própria.
– Entre com o coração aberto e acredite que sempre é tempo para ser feliz. Mágoas fazem parte da vida, mas ingresse no site com a mente atenta, lembrando das dicas e de tudo o que você sonha e busca.
– Em muitos lugares você pode encontrar pessoas maravilhosas, mas também as aproveitadoras. O mesmo ocorre na Internet, onde é ainda mais fácil criar um personagem fictício para conquistar e ludibriar;
– Existem normas de segurança. Uma fundamental: nunca, em hipótese alguma, envie dinheiro para a pessoa de quem você está se aproximando. E denuncie aos organizadores do site se alguém pedir dinheiro para você ou mesmo se tiver atitudes inconvenientes;

TECLADO COMPUTADOR
– Ainda neste tema, os motivos mais alegados pelas pessoas desonestas são: tratamento de doenças graves ou de contas hospitalares; liberação de passaporte, bagagem e entrada no país; pagamento de passagem para ir ao seu encontro; liberação de presente de valor ou dinheiro supostamente enviado para você; pagar contas, inclusive de telefone para continuar se comunicando; liberação de heranças (algumas vezes dizem que precisam se casar rapidamente para receber o espólio deixado por um parente distante). Esses são os mais utilizados. Não acredite e, repito, em hipótese alguma mande dinheiro qualquer que seja o motivo alegado;
– Como golpistas agem ao mesmo tempo em vários países, preste atenção nas mensagens com frases ficam repletas de erros ortográficos, de concordância ou mesmo sem nexo; muitos erros de português e palavras em outros idiomas, especialmente o inglês;
– Não são todos, mas boa parte dos golpistas virtuais diz que é ligada à marinha, exército ou aeronáutica. Também costumam dizer que atuam em áreas onde precisam viajar constantemente ou em lugares como plataformas de petróleo.
– Embora as vítimas preferenciais sejam mulheres, não é verdade que apenas elas sofram com golpistas. Para atrair homens, são colocadas fotos de mulheres extremamente bonitas, com perfis falsos.
– Não mande fotos comprometedoras nem se exponha em vídeos. Essas imagens podem ser mais tarde utilizadas para extorsão.
– Diz um velho ditado que “o segundo casamento é o triunfo da esperança sobre a experiência”. Muitas, talvez a maioria das pessoas que frequenta sites de relacionamento, acumularam tristezas e, em algum momento, disseram que não iriam mais casar. Mas a esperança de encontrar alguém que realmente seja compatível fala mais alto.
– Uma das melhores formas para conhecer alguém é se tornar uma pessoa cada vez melhor. Leia bons livros, assista a bons filmes, acompanhe as notícias, pratique ações beneméritas e conviva com pessoas boas, que tenham o que dizer e que, mais que palavras, tenham atitude e se preocupem com os outros.
– O termo Relacionamento Virtual não é completamente correto. Afinal, o meio é que virtual! O que vale é o olhar, o cheiro, o toque, o beijo, a energia. Mesmo com toda a mecanização do mundo moderno, continuamos a ser, felizmente, absolutamente humanos, em busca de carinho e de amor.
*por Airton Gontow, idealizador e diretor do site Coroa Metade

Elas encontraram o amor

Paulo Sérgio Calabria e Shirlei Pires - casal que se conheceu no site Coroa Metade
Paulo Sérgio e Shirlei 

A técnica em laboratório Shirlei Aparecida Pires, hoje com 55 anos, entrou no Coroa Metade em julho de 2013, após o término de um relacionamento de quatro anos. Isso por insistência de uma amiga, que estava preocupada com a tristeza que ela sentia. Queria que Shirlei se distraísse e conversasse com pessoas diferentes. “Meu apelido era Suzy 4 e, no começo, encarei como brincadeira, não levava fé. Porém, percebi que poderia conhecer alguém para compartilhar os momentos da vida. Procurei concentrar-me nas pessoas maduras como eu, resolvidas e independentes, que buscassem cumplicidade e companheirismo. Pessoas bem resolvidas tendem a saber o que querem, sem grandes rodeios”, conta Shirlei.

Ela chegou a conhecer alguns homens ‘interessantes, respeitáveis, educados e sinceros’. Mas foi apenas um que chamou a atenção dela, pela transparência e clareza de ideias, o ‘Piritubano’: Combinava com o que eu queria e, além disso, morava no bairro em que nasci e minha mãe vive até hoje: Pirituba. Conversamos muito pelo chat do site, até que passamos para o telefone e, mais tarde, marcamos um encontro, em um lugar público. Quase deu tudo errado e chegamos a nos perder. Eu me atrasei e, veja só, meu telefone estava sem sinal. Não sei como, mas consegui identificá-lo. Cheguei até ele e, com uma mistura de expectativa e dúvida perguntei: ‘Paulo!?’. E, assim, tudo começou.”, afirma. Hoje, ela e Paulo Sérgio Calábria, 56 anos, moram juntos.

daniela.jpg
Daniela e Adriano

Já a consultora financeira Daniela Fabbrocini, de 52 anos, conheceu o namorado, Adriano, também com 52, no Happn. Ela se cadastrou no aplicativo em janeiro de 2018 e, em agosto, conheceu o atual companheiro. “Eu estava no Rio num congresso e resolvi ativar o aplicativo para ver se tinha alguém na mesma região. Gostei do que ele falou no seu perfil e começamos a conversar, mas não nos encontramos de primeira. Voltei pra São Paulo e passamos a nos falar durante horas quase todos os dias. Até que nos encontramos e, em agosto de 2018, começamos a namorar”. Daniela conta que também já fez uso de outros dois aplicativos de paquera, mas acha que é exceção entre pessoas da sua idade. “A maioria das minhas amigas tem muito preconceito com aplicativos. Depois que percebem que é possível conhecer pessoas legais, pra namorar, começam a mudar de ideia”.

Sites de encontro voltados a pessoas maduras
Coroa Metade 
Solteiros50 
Our Time 

mulher executiva celular
Pexels

Sites de encontro (gerais)
Amor & Classe 
Be2 
Poppin 
ParPerfeito 
OneAmour 
Match 
Namoro Online 
POF.com 

Aplicativos de encontro
Badoo
Happn
Tinder
Lovoo
eHarmony
Once
OK Cupid
Kickoff

Dia dos Namorados… qualquer maneira de amor vale a pena

Paula e Bebeto

Ê vida, vida, que amor brincadeira, à vera
Eles se amaram de qualquer maneira, à vera
Qualquer maneira de amor vale a pena
Qualquer maneira de amor vale amar
Pena, que pena, que coisa bonita, diga
Qual a palavra que nunca foi dita, diga
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor vale amar
Qualquer maneira de amor vale a pena
Qualquer maneira de amor valerá
Eles partiram por outros assuntos, muitos
Mas no meu canto estarão sempre juntos, muito
Qualquer maneira que eu cante esse canto
Qualquer maneira me vale cantar
Eles se amam de qualquer maneira, à vera
Eles se amam é prá vida inteira, à vera
Qualquer maneira de amor vale o canto
Qualquer maneira me vale cantar
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor valerá
Pena, que pena, que coisa bonita, diga
Qual a palavra que nunca foi dita, diga
Qualquer maneira de amor vale o canto
Qualquer maneira de amor vale me vale cantar
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor valerá

Compositores: Caetano Veloso / Nascimento Milton

casais.jpg

O que as relações nos ensinam sobre saúde emocional

Todo mundo acredita que tem saúde emocional, até que suas emoções sejam efetivamente postas à prova. E nada melhor do que estar em uma relação para que isso aconteça. Para Frésia Sa, fisioterapeuta especializada em Saúde Integrativa, quando nos relacionamos, entendemos que é preciso abrir mão de muitas “verdades” para construir uma vida juntos, aprendemos a exercitar a saúde emocional.

Em plena semana do Dia dos Namorados, é inevitável não falar sobre a saúde dos relacionamentos, que andam passando por mudanças drásticas nos dias de hoje, mas continuam sendo nossa maior escola. “É difícil resumir o que as relações nos ensinam sobre saúde emocional, porque elas são, realmente, a maior escola das emoções”. A frase é da fisioterapeuta especializada em Saúde Integrativa, Frésia Sa, que utiliza técnicas como Microfisioterapia e Psych-K para encontrar memórias traumáticas e crenças limitantes que estejam nos impedindo de viver relações saudáveis.

Estar em uma relação nos faz mais vulneráveis e nos proporciona entrar em situações em que o entendimento de si e do outro são fundamentais. Se você é refém do controle, do ciúme, da falta de amor próprio, da competição, como será um parceiro ou uma parceira no amor? Entende como se relacionar é quase um vestibular para ver quem tem equilíbrio nas emoções?

Segundo Frésia, o que mais vemos por aí, infelizmente, são relações tóxicas ou baseadas em jogos de poder: “quem manda mais, quem sabe mais, quem dita as regras, quem dá a última palavra. E isso é mesmo necessário na vida a dois? O que era para ser uma convivência amorosa se torna uma verdadeira zona de guerra. E sabem por que? Porque entramos no relacionamento sem saber exatamente o que queremos, sem conhecer nossas fragilidades e nossas questões emocionais”, explica ela.

Frésia lembra que é a convivência que traz tudo isso à tona: “nossos traumas, nossos medos, nossas incertezas, tudo aparece, amplifica e se torna mais “real” no dia a dia”. Então, a saída é não se relacionar? “Não, a saída é se conhecer, é entender as suas motivações na relação, como você lida com os sentimentos, o que é amor pra você. Essas são questões fundamentais para encontrar equilíbrio nas relações. E pouca gente procura esse caminho, de se cuidar e de criar seu próprio universo antes de se abrir para o outro”, explica ela.

As relações nos ensinam que saúde emocional também é uma forma de amor

Antes de amar o outro, precisamos nos amar. “Talvez aí esteja o maior erro dos relacionamentos”, lembra a fisioterapeuta. Começamos a nos relacionar pelo amor ao outro e esquecemos do maior amor que existe, o que precisamos sentir por nós mesmos. Dizem que a gente só dá o que tem, não é mesmo? Como você pode acreditar que dá amor, se não descobriu ainda o que é amor para você?

casal relacionamento

O equilíbrio das emoções parte do trabalho do amor próprio, do entendimento da própria história, daquilo que nos machuca, que nos faz fugir do que é real e que, muitas vezes, nos faz cuidar do outro par deixar de cuidar de nós mesmos. Não cometa esse erro! “Cuidar de você é fazer crescer o amor, esse mesmo que você vai oferecer a quem estiver disposto a aceitar você como realmente é, a entender suas virtudes e seus defeitos e a ser um parceiro de vida. Para o que der e vier”, finaliza Frésia.

Fonte: Biointegral Saúde

Como a microfisioterapia pode ajudar nos relacionamentos

Descobrir memórias traumáticas não é algo simples e nem pode ser feito por qualquer pessoa. Nosso corpo guarda essas informações com o intuito de nos proteger da dor. Mas, ao contrário, pode provocar dores e doenças sem que percebamos, e influenciar nossas relações.

Curar nossa forma de lidar com os relacionamentos pode ser uma urgência, ainda mais quando entramos em um mês de comemorar o dia dos namorados, e pode ser que você esteja em uma relação tóxica ou sozinho, fugindo de se relacionar. E as causas dessas situações nada ideais? Pode ser uma decepção recente, um amor que não deu certo e deixou marcas. Mas pode ser que as causas sejam muito mais profundas e que a mente consciente não consiga explicar. E aí, como fazer?

Ocorre que algumas situações, quando são muito traumáticas, acabam sendo apagadas da nossa memória consciente. É uma forma do corpo tentar nos proteger de passar novamente pela lembrança daquela dor. Mas o organismo não deixa passar nada. As memórias traumáticas varridas do cérebro acabam alojadas em células dos nossos tecidos. A microfisioterapia mapeou o corpo humano e conseguiu verificar em que partes cada tipo de memória fica gravada, possibilitando inclusive identificar possíveis causas e data-las.

E por que isso é importante? Segundo o fisioterapeuta especializado em Saúde Integrativa, Sergio Bastos Jr, que, entre outras ferramentas, utiliza a microfisioterapia para encontrar causas “escondidas” de dores e doenças, nossos relacionamentos refletem a saúde da nossa mente e da nossa emoção: “quanto mais buscamos entender o que realmente nos move na vida, mais facilmente vamos construir relações saudáveis”.

“Seres humanos com emoções equilibradas atraem relacionamentos também equilibrados e conseguem, de forma consciente, trabalhar para o equilíbrio da vida a dois”. Para ele, não há relacionamento saudável se uma das partes tem doenças da emoção: “quando não entendemos de onde vêm nossos sentimentos, podemos ser guiados pela inconstância, pela necessidade de controle, pelo medo, pelo ciúme, e mais, podemos desenvolver doenças que vão, também atrapalhar as relações, como alergias, distúrbios do sono, ansiedade, entre outros”, revela o fisioterapeuta.

casal abraço ar livre.jpg

Buscar as causas primárias de dores, doenças e inclusive de comportamentos que não entendemos e que não nos fazem bem pode ser o começo de um caminho de relações mais satisfatórias. “Os casais podem se beneficiar e muito do tratamento das nossas memórias traumáticas, encontrando entendimento mútuo e criando vínculos ainda mais fortes”, garante o fisioterapeuta.

Fonte: Biointegral Saúde

Maksoud Plaza enaltece o protagonismo dos casais neste dia dos namorados

Em uma ou três noites inesquecíveis e personalizadas, pacotes harmonizam temáticas e jantar especial

Sair da rotina e aquecer a relação é a combinação perfeita para comemorar o Dia dos Namorados. Pensando em proporcionar novas experiências aos casais, o Maksoud Plaza reserva a melhor harmonização entre o ícone da hotelaria paulistana e a alta gastronomia, em pacotes especiais para satisfazer cada perfil.

Jantar para o casal: por que não explorar as sensações que um ambiente temático proporciona? Sendo assim, o Maksoud Plaza Hotel preparou noites especiais para os casais que podem combinar jantar e hospedagem, ou apenas uma das opções.

A irresistível experiência começa ainda no lobby, decorado especialmente para a data, e que se estende ao restaurante 150 Maksoud, onde haverá jantar à luz de velas, com um menu exclusivo preparado para a data.

Uma seleção de ingredientes foi pensada para agradar aos variados tipos de paladar – peixe, camarão, cortes nobres e aspargos -, ditam a entrada e prato principal, e a sobremesa enaltece os clássicos da pâtisserie. Os pratos do jantar são harmonizados com taça de espumante e vinho de acordo com cada opção do menu – seja carne vermelha ou branca.

Para complementar a noite, há duas opções principais que surpreendem casais de todos os gêneros: o Sensations, destinado para os que desejam apimentar a relação; e o Romântico para aqueles que não abrem mão do tradicional com gostinho de clássico.

Sensations: o Pacote Sensations conta com uma diária em suíte com decoração especial e sob medida para toda forma de amor. Dentre os mimos, há garrafa de vinho espumante, doces ultrafinos do chef, flores, café da manhã servido no apartamento e roupão especial para os dois. O ápice é o presente especial Secret Play: conjunto de brinquedos para duas pessoas composto por óleos e aromatizantes especiais, venda e acessórios eróticos.

Romântico: a mesma premissa segue o Pacote Romântico, que contempla decoração da suíte premium inspirada no nome. O casal recebe espumante e morangos com chocolate e café da manhã servido no apartamento.

Seja Sensations ou Romântico, não é preciso ter pressa para sair: há late check-out até às 18h. E a comemoração especial de dia dos namorados acontece nos dias 12, 14 e 15 de junho.

Pacote Sensations (10).jpg

Pacote Sensations: valor: R$ 865,00 em quarto Premium
Pacote Romântico: valor: R$ 765,00 em quarto Premium
Jantar para o casal: valor: R$ 420,00
Pode ser vendido sozinho ou com hospedagem (valor: jantar + pacote)

Informações
Para visualizar o menu completo, clique aqui

As reservas são feitas pelo telefone (11) 3145-8000 ou diretamente pelo EventBrite.
.

Quatro ideias para parecer mais jovens transformando o look

Tudo o que quase toda mulher deseja é parecer mais jovem do que é realmente. O que acha de conhecer alguns bons truques de moda que facilitarão essa “tarefa” para você? Quem dá as dicas é a consultora de moda e influenciadora Deborah Zandonna. Confira:

1-Use cores vibrantes:

viola davis stealthelook
Foto: stealthelook

As cores são a primeira coisa que vemos e sempre comunicam algo no look. Preto, bege, marrom são cores lindas e elegantes, mas se você optar somente em vestir esses tons pode parecer mais velha do que é. Use um vermelho, laranja ou a cor da moda, para dar um up no seu visual.

2- Atualize seu guarda-roupa:

gizlileylak
Foto: Gizlileylak

Modernidade anda de mãos dadas com a mocidade. Fique de olho se aquela peça que você tanto ama (lembrando que roupas boas duram muitos anos) está fora de moda. Não precisa se desfazer da roupa, mas guarde para quando houver um retorno da tendência. Refresque seu look.

3- Adote o jeans

sandra-bullock
Pinterest

Para parecer mais jovem, nada como um jeans. Mas use jeans com o corte do momento e com uma lavagem moderna.

4- Invista na terceira peça

jennifer aniston

“A terceira peça tem a função de tirar a produção do óbvio e torná-la mais interessante e dependendo pode dar aquele toque jovial que tanto almeja. Aqui pode entrar também a mistura de estilos que eu tanto amo”, ensina a consultora.

“Ponto de atenção: existe uma linha tênue entre como se vestir para parecer mais jovem de forma elegante e como tentar parecer mais jovem utilizando peças de um guarda-roupa adolescente. Saiba que as duas opções não são, nem de longe, a mesma coisa! Use sempre o bom senso e se tiver dúvidas consulte meu Instagram que está cheio de boas dicas. Mas experimente sem medo e não se prenda a sua idade, ok?”, finaliza Deborah.

“Dores e as delícias” dos 50 anos: psicóloga explica pontos positivos e desafios

Especialista indica principais mudanças dessa fase e como aproveitar “o auge da vida”

É inegável que há mudanças físicas e psicológicas quando chegamos aos 50 anos. No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, elas não são necessariamente mudanças negativas. Pelo contrário: é o auge da vida, quando nos sentimos mais confiantes, seguros e com ainda mais garra para realizar sonhos.

Para falar sobre o novo conceito de ter 50 anos, Vânia Calazans, psicóloga clínica e hipnoterapeuta cognitiva especialista em transtornos de ansiedade, conta quais são as dores e as delícias de chegar nessa década e já adianta: é bom, sim, completar meio século.

De acordo com ela, hoje é possível chegar aos 50 anos em plena forma física, mental e estética: “Existem muitos recursos como, atividade física, suplementação, dietas específicas e produtos de beleza e estética. Tudo isso facilita um envelhecimento mais saudável e traz autoconfiança”, explica a especialista. “Quando a mulher faz 50 anos, ela está no auge da vida”.

Veja abaixo as mudanças positivas e negativas que acontecem quando chegamos aos 50 anos.

casal 50

Autoconfiança: de acordo com Vânia, quando chegamos aos 50 anos a autoconfiança aumenta. “Normalmente a pessoa já está mais realizada profissionalmente, mais segura, se sentindo muito experiente. Então, aquelas inseguranças próprias de uma idade mais jovem, ficam para trás”, explica. “No caso da mulher, se aos 30 anos ela pensava em se casar, aos 50 está pensando em aproveitar a vida, viajar, desfrutar melhor a companhia das pessoas. Ela tem mais confiança para escolher com quem quer estar”, completa.

mulher estudando wiseGEEK

Autoestima: a psicóloga explica que a maioria das mulheres – o gênero que mais sofre com pressões sobre o corpo – já não se importa mais com a avaliação alheia, passando a aceitar seu próprio corpo, sua postura e se sentir confortável consigo mesma. “A mulher se sente mais autêntica. Ela sabe que pode ser uma mulher interessante, sedutora”.

shutterstock maturidade mulher brinde vinho

Maturidade: Vânia conta que existem vários estudos que mostram que pessoas acima dos 50 anos têm uma satisfação maior em relação à vida. Elas lidam melhor com frustrações, valorizam mais os bons momentos, priorizam a qualidade de vida, procuram alimentar uma vida social rica, divertida e já não têm tanto espaço emocional para se preocupar com bobagens. “Com essa mudança de olhar, a maturidade vem, sim, em função das experiências de vida. A pessoa com 50 anos já passou por inúmeras experiências e já sabe lidar melhor com dificuldades e sabe negociar de uma forma mais efetiva. Sabe aquela história de você ter razão ou ser feliz? Normalmente nesse momento as pessoas optam pela felicidade”, diz.

shutterstock mulher 50 praia
Shutterstock

Vida financeira mais estável: aos 50 anos, uma grande parte das pessoas já têm melhores condições financeiras do que aos 30 anos, por exemplo. Isso traz mais tranquilidade, e é um ponto muito positivo. “Normalmente a pessoa está com a vida mais resolvida. Há mais independência, mais autonomia e é possível planejar mais viagens, ou desfrutar melhor a companhia das pessoas”, aponta Vânia.

mindfulness- mulher meia idade

Controle das emoções: quando jovens, somos por muitas vezes dominados pelas emoções. Com a maturidade, esse cenário geralmente muda, e traz muitos benefícios para as decisões ou situações que devemos lidar. “A partir dos 50 anos, as pessoas têm, sim, uma condição maior de lidar com emoções. Não há mais aquele ímpeto da juventude, aquela ânsia de viver as coisas tão intensamente”, diz Vânia. A vida, nesse momento, já ensinou muitas coisas por meio das experiências vividas, e esse aprendizado é muito rico, pois vai tornando as pessoas mais conscientes, fazendo com que elas tenham mais condições de lidar com as limitações que a vida nos impõe, e gerenciar melhor as frustrações, explica a psicóloga.

shutterstock mulher profissao 50.jpg
Shutterstock

Realização de sonhos: apesar de a realização de sonhos ser uma prioridade em todas as fases da vida, Vânia explica que, a partir dos 50 anos, sobra um pouco mais de espaço para eles. “Isso acontece porque a pessoa não está mais tão preocupada em enfrentar a vida. Normalmente muitos já criaram os filhos, já estão com vida profissional mais estabilizada e podem usufruir daquilo que construíram. É um momento da vida que sobra mais espaço e mais tempo para que a pessoa olhe para si, se enxergue e se priorize”, explica a psicóloga, acrescentando: “Ela passa a ir em busca daquilo que entende que vai trazer felicidade e satisfação”.

exercicios

Mudanças hormonais: a mulher aos 50 anos, por exemplo, está passando ou está próxima da fase da menopausa, e essa mudança hormonal impacta tanto fisicamente como emocionalmente. “Os sintomas psíquicos mais presentes são alteração de humor, tristeza, flutuação emocional, cansaço, desânimo, pouca paciência, pavio mais curto”, explica a psicóloga. Com isso, essa fase da vida pode ficar conturbada, caso a mulher não procure ajuda médica. “O ideal é consultar um ginecologista para entender a necessidade ou não de fazer reposição hormonal”, diz. Vale lembrar que nem todas as mulheres reagem da mesma forma na menopausa. “No entanto, muitas vezes por causa dos sintomas físicos, como insônia e ondas de calor, há interferência na vida social da mulher, pois esses fatos mexem muito com o humor, então ela se sente mais cansada e às vezes com falha de memória. A alteração hormonal também pode impactar na vida sexual da mulher”. Por isso, é importante manter uma alimentação equilibrada, a prática de atividade física e sempre consultar um médico para que essa transição hormonal seja tranquila.

George Clooney 7438_SIZED
 Foto: Douglas Kirkland

E não pense que os homens escapam: por volta dessa idade, há o que se chama popularmente de andropausa, a deficiência androgênica do envelhecimento masculino. Por essa razão, é importante que os homens também consultem um médico para avaliar como está a saúde e equilibrar os hormônios, se for necessário.

mulher meia idade grisalho

Perdas físicas: Vânia explica que é importante ter em mente que a partir dos 50 anos, as perdas físicas começam a ser mais frequentes, afinal, nem todos conseguem ter a mesma flexibilidade de antes. “É importante entender e aprender a lidar com as restrições que são inerentes a essa fase da vida. Isso, se não for bem trabalhado, pode trazer tristeza ou melancolia. A tecnologia nos permite acesso a inúmeras atividades que melhoram nossa qualidade de vida, mas se estiver difícil internalizar essas mudanças, a ajuda psicoterápica é bem-vinda. É preciso lembrar de valorizar os bons momentos e jamais se isolar, pois isso pode aumentar a tristeza e levar à depressão”, diz a psicóloga.

Estudos científicos

Dores

 

Delícias

 

Mulheres começam a sentir os sintomas da menopausa, como cansaço e alterações do sono. Em ambos os sexos, também aparecem sintomas físicos como fraqueza muscular, de cabelos e unhas, ganho de peso e ressecamento da pele. Os novos 50 buscam especialistas para manter vitalidade e atividades. (Fontes: Pesquisas Best Age, 2018; Instituto Lumina) A curva da felicidade tem o formato da letra U, e indica que a felicidade é maior no começo da vida, diminui ao longo dos anos e atinge seu ponto mais baixo por volta dos 45 anos. Depois volta a subir, mostrando que as pessoas mais velhas com boa saúde, estabilidade financeira e afetiva podem sentir-se tão felizes quanto as pessoas mais jovens, de acordo com a antropóloga brasileira Mirian Goldenberg, especialista em envelhecimento.
25% dos brasileiros nessa faixa etária temem mais as mudanças no corpo e a sensação de se sentirem feios do que a pobreza ou a doença. A segunda principal preocupação do brasileiro com 50 anos ou mais é a falta de dinheiro (20%), seguida pela solidão (18%), sentir-se inútil (14%), ser um peso para outras pessoas (11%). (Fonte: Instituto Locomotiva, 2019). O Youtube é a plataforma preferida de vídeos para pessoas entre 45-55 anos, com preferência três vezes maior que o segundo player. No canal, a troca de experiências intergeracionais é uma realidade (Fontes: Video Viewers, Provokers/Google, 2018).

 

Celebridades que comemoram 50 anos em 2019:

Adriana Esteves
Cate Blanchett

rs_634x1024-190106170609-634-catherine-zeta-jones-2019-golden_globes-red-carpet-fashions.ct.010619
Catherine Zeta-Jones
Dan Stulback
Dave Grohl
Dira Paes
Ellen Pompeo
Gerard Butler

gwen-stefani-new-music-2017
Gwen Stefani
Jack Black
Jason Bateman
Jason Priestley
Javier Bardem
Jay-Z

-jennifer-aniston-vf
Jennifer Aniston
Jennifer Lopez
Marcos Pasquim
Marilyn Mason

Wild Turkey McConaughey HR
Matthew McConaughey
Monica Martelli
Paul Rudd
Peter Dinklage
Renee Zellweger