Arquivo da categoria: comportamento

“Dores e as delícias” dos 50 anos: psicóloga explica pontos positivos e desafios

Especialista indica principais mudanças dessa fase e como aproveitar “o auge da vida”

É inegável que há mudanças físicas e psicológicas quando chegamos aos 50 anos. No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, elas não são necessariamente mudanças negativas. Pelo contrário: é o auge da vida, quando nos sentimos mais confiantes, seguros e com ainda mais garra para realizar sonhos.

Para falar sobre o novo conceito de ter 50 anos, Vânia Calazans, psicóloga clínica e hipnoterapeuta cognitiva especialista em transtornos de ansiedade, conta quais são as dores e as delícias de chegar nessa década e já adianta: é bom, sim, completar meio século.

De acordo com ela, hoje é possível chegar aos 50 anos em plena forma física, mental e estética: “Existem muitos recursos como, atividade física, suplementação, dietas específicas e produtos de beleza e estética. Tudo isso facilita um envelhecimento mais saudável e traz autoconfiança”, explica a especialista. “Quando a mulher faz 50 anos, ela está no auge da vida”.

Veja abaixo as mudanças positivas e negativas que acontecem quando chegamos aos 50 anos.

casal 50

Autoconfiança: de acordo com Vânia, quando chegamos aos 50 anos a autoconfiança aumenta. “Normalmente a pessoa já está mais realizada profissionalmente, mais segura, se sentindo muito experiente. Então, aquelas inseguranças próprias de uma idade mais jovem, ficam para trás”, explica. “No caso da mulher, se aos 30 anos ela pensava em se casar, aos 50 está pensando em aproveitar a vida, viajar, desfrutar melhor a companhia das pessoas. Ela tem mais confiança para escolher com quem quer estar”, completa.

mulher estudando wiseGEEK

Autoestima: a psicóloga explica que a maioria das mulheres – o gênero que mais sofre com pressões sobre o corpo – já não se importa mais com a avaliação alheia, passando a aceitar seu próprio corpo, sua postura e se sentir confortável consigo mesma. “A mulher se sente mais autêntica. Ela sabe que pode ser uma mulher interessante, sedutora”.

shutterstock maturidade mulher brinde vinho

Maturidade: Vânia conta que existem vários estudos que mostram que pessoas acima dos 50 anos têm uma satisfação maior em relação à vida. Elas lidam melhor com frustrações, valorizam mais os bons momentos, priorizam a qualidade de vida, procuram alimentar uma vida social rica, divertida e já não têm tanto espaço emocional para se preocupar com bobagens. “Com essa mudança de olhar, a maturidade vem, sim, em função das experiências de vida. A pessoa com 50 anos já passou por inúmeras experiências e já sabe lidar melhor com dificuldades e sabe negociar de uma forma mais efetiva. Sabe aquela história de você ter razão ou ser feliz? Normalmente nesse momento as pessoas optam pela felicidade”, diz.

shutterstock mulher 50 praia
Shutterstock

Vida financeira mais estável: aos 50 anos, uma grande parte das pessoas já têm melhores condições financeiras do que aos 30 anos, por exemplo. Isso traz mais tranquilidade, e é um ponto muito positivo. “Normalmente a pessoa está com a vida mais resolvida. Há mais independência, mais autonomia e é possível planejar mais viagens, ou desfrutar melhor a companhia das pessoas”, aponta Vânia.

mindfulness- mulher meia idade

Controle das emoções: quando jovens, somos por muitas vezes dominados pelas emoções. Com a maturidade, esse cenário geralmente muda, e traz muitos benefícios para as decisões ou situações que devemos lidar. “A partir dos 50 anos, as pessoas têm, sim, uma condição maior de lidar com emoções. Não há mais aquele ímpeto da juventude, aquela ânsia de viver as coisas tão intensamente”, diz Vânia. A vida, nesse momento, já ensinou muitas coisas por meio das experiências vividas, e esse aprendizado é muito rico, pois vai tornando as pessoas mais conscientes, fazendo com que elas tenham mais condições de lidar com as limitações que a vida nos impõe, e gerenciar melhor as frustrações, explica a psicóloga.

shutterstock mulher profissao 50.jpg
Shutterstock

Realização de sonhos: apesar de a realização de sonhos ser uma prioridade em todas as fases da vida, Vânia explica que, a partir dos 50 anos, sobra um pouco mais de espaço para eles. “Isso acontece porque a pessoa não está mais tão preocupada em enfrentar a vida. Normalmente muitos já criaram os filhos, já estão com vida profissional mais estabilizada e podem usufruir daquilo que construíram. É um momento da vida que sobra mais espaço e mais tempo para que a pessoa olhe para si, se enxergue e se priorize”, explica a psicóloga, acrescentando: “Ela passa a ir em busca daquilo que entende que vai trazer felicidade e satisfação”.

exercicios

Mudanças hormonais: a mulher aos 50 anos, por exemplo, está passando ou está próxima da fase da menopausa, e essa mudança hormonal impacta tanto fisicamente como emocionalmente. “Os sintomas psíquicos mais presentes são alteração de humor, tristeza, flutuação emocional, cansaço, desânimo, pouca paciência, pavio mais curto”, explica a psicóloga. Com isso, essa fase da vida pode ficar conturbada, caso a mulher não procure ajuda médica. “O ideal é consultar um ginecologista para entender a necessidade ou não de fazer reposição hormonal”, diz. Vale lembrar que nem todas as mulheres reagem da mesma forma na menopausa. “No entanto, muitas vezes por causa dos sintomas físicos, como insônia e ondas de calor, há interferência na vida social da mulher, pois esses fatos mexem muito com o humor, então ela se sente mais cansada e às vezes com falha de memória. A alteração hormonal também pode impactar na vida sexual da mulher”. Por isso, é importante manter uma alimentação equilibrada, a prática de atividade física e sempre consultar um médico para que essa transição hormonal seja tranquila.

George Clooney 7438_SIZED
 Foto: Douglas Kirkland

E não pense que os homens escapam: por volta dessa idade, há o que se chama popularmente de andropausa, a deficiência androgênica do envelhecimento masculino. Por essa razão, é importante que os homens também consultem um médico para avaliar como está a saúde e equilibrar os hormônios, se for necessário.

mulher meia idade grisalho

Perdas físicas: Vânia explica que é importante ter em mente que a partir dos 50 anos, as perdas físicas começam a ser mais frequentes, afinal, nem todos conseguem ter a mesma flexibilidade de antes. “É importante entender e aprender a lidar com as restrições que são inerentes a essa fase da vida. Isso, se não for bem trabalhado, pode trazer tristeza ou melancolia. A tecnologia nos permite acesso a inúmeras atividades que melhoram nossa qualidade de vida, mas se estiver difícil internalizar essas mudanças, a ajuda psicoterápica é bem-vinda. É preciso lembrar de valorizar os bons momentos e jamais se isolar, pois isso pode aumentar a tristeza e levar à depressão”, diz a psicóloga.

Estudos científicos

Dores

 

Delícias

 

Mulheres começam a sentir os sintomas da menopausa, como cansaço e alterações do sono. Em ambos os sexos, também aparecem sintomas físicos como fraqueza muscular, de cabelos e unhas, ganho de peso e ressecamento da pele. Os novos 50 buscam especialistas para manter vitalidade e atividades. (Fontes: Pesquisas Best Age, 2018; Instituto Lumina) A curva da felicidade tem o formato da letra U, e indica que a felicidade é maior no começo da vida, diminui ao longo dos anos e atinge seu ponto mais baixo por volta dos 45 anos. Depois volta a subir, mostrando que as pessoas mais velhas com boa saúde, estabilidade financeira e afetiva podem sentir-se tão felizes quanto as pessoas mais jovens, de acordo com a antropóloga brasileira Mirian Goldenberg, especialista em envelhecimento.
25% dos brasileiros nessa faixa etária temem mais as mudanças no corpo e a sensação de se sentirem feios do que a pobreza ou a doença. A segunda principal preocupação do brasileiro com 50 anos ou mais é a falta de dinheiro (20%), seguida pela solidão (18%), sentir-se inútil (14%), ser um peso para outras pessoas (11%). (Fonte: Instituto Locomotiva, 2019). O Youtube é a plataforma preferida de vídeos para pessoas entre 45-55 anos, com preferência três vezes maior que o segundo player. No canal, a troca de experiências intergeracionais é uma realidade (Fontes: Video Viewers, Provokers/Google, 2018).

 

Celebridades que comemoram 50 anos em 2019:

Adriana Esteves
Cate Blanchett

rs_634x1024-190106170609-634-catherine-zeta-jones-2019-golden_globes-red-carpet-fashions.ct.010619
Catherine Zeta-Jones
Dan Stulback
Dave Grohl
Dira Paes
Ellen Pompeo
Gerard Butler

gwen-stefani-new-music-2017
Gwen Stefani
Jack Black
Jason Bateman
Jason Priestley
Javier Bardem
Jay-Z

-jennifer-aniston-vf
Jennifer Aniston
Jennifer Lopez
Marcos Pasquim
Marilyn Mason

Wild Turkey McConaughey HR
Matthew McConaughey
Monica Martelli
Paul Rudd
Peter Dinklage
Renee Zellweger

 

 

Os maiores mentores do cinema

O aconselhamento pode ser fundamental para o desenvolvimento dos personagens

É normal que durante o desenvolvimento do protagonista em um filme ele passe por diversas provações e dificuldades. Muitas vezes, para que este progresso seja efetivo, é necessário que o personagem busque o aconselhamento de uma pessoa que já passou por alguma coisa parecida.

Reconhecendo a importância deste arquétipo, a Knowe, plataforma de mentoria e aconselhamento profissional sob demanda, preparou uma lista com alguns dos maiores mentores do cinema. Confira:

Yoda – Star Wars

yoda e luke

O sábio mestre Jedi, que por anos foi líder do Conselho, é responsável por auxiliar o jovem Luke Skywalker em seu processo de aprendizado para se tornar o principal guerreiro da Aliança Rebelde em Star Wars, a franquia mais rentável do cinema. Antes de se tornar professor de Luke, Yoda foi um dos mais sábios e poderosos Jedi de todos os tempos.

Gandalf – O Senhor dos Anéis

gandalf

Personagem das épicas histórias ambientadas na Terra Média de J.R.R.Tolkien, Gandalf é o responsável por orientar guerreiros, anões, elfos e hobbits na guerra contra Sauron, na trilogia “O Senhor dos Anéis”. Antes disso, o Mago ajudou um grupo de anões e um Hobbit na batalha contra o poderoso dragão Smaug em “O Hobbit”.

Lester Bangs – Quase Famosos

almost-famous1

Interpretado no cinema por Philip Seymour Hoffman (1967/2014), Lester Bangs é essencial para o crescimento pessoal e profissional do protagonista Russell Hammond no longa “Quase Famosos”. O filme acompanha a história de um garoto de 15 anos que deve acompanhar a banda Stillwater em sua primeira excursão pelos Estados Unidos para escrever uma matéria para a revista Rolling Stone.

John Keating – A Sociedade dos Poetas Mortos

Dead-Poets-Society-John-Keating-Robin-Williams-1-696x469

Em um dos seus papéis mais emblemáticos, Robin Williams (1951/2014) é John Keating, um professor de poesia diferente do tradicional no clássico “Sociedade dos Poetas Mortos”. Apoiado em uma metodologia bem diferente da habitual, ele usa as aulas revolucionárias para inspirar seus alunos a perseguirem suas paixões independente do que as outras pessoas querem impor.

Senhor Miyagi – Karatê Kid

karate kid

Para ensinar artes marciais ao jovem Daniel San em Karatê Kid, Senhor Miyagi, um mestre de karatê utiliza métodos nada ortodoxos, com atividades cotidianas, como pintar uma parede, consertar a cerca ou limpar um carro. Aos poucos, Daniel se especializa e enfrenta as pessoas que faziam bullying com ele em um campeonato de luta.

Frankie Dunn – Menina de Ouro

menina de ouro

Vivendo o ex-treinador de boxe que passou a vida nos ringues Frankie Dunn, Clint Eastwood decide ajudar a jovem lutadora Maggie Fitzgerald (Hilary Swank) em sua trajetória de determinação até se tornar uma lutadora profissional.

Fonte: Knowe

Meditação: indiana Didi Sudesh chega ao Brasil para série de palestras

A codiretora da Brahma Kumaris na Europa promoverá uma série de atividades com o tema “Quem medita transforma e se transforma”, em comemoração aos 40 anos de atividade no país

Equilíbrio, lucidez e concentração: estas são algumas das características comumente associadas à meditação, atividade que vem crescendo cada vez mais devido aos inúmeros benefícios trazidos para o corpo e para a mente de seus praticantes. Ao contrário do que se pensa, o exercício da meditação está ao alcance de todos, podendo ser realizado até mesmo nos lugares considerados mais adversos, como o trânsito, o ambiente de trabalho ou locais ruidosos.

Para ajudar o público a desenvolver essa capacidade, a Brahma Kumaris, organização mundial dedicada à transformação pessoal, oferece, em todo o Brasil, cursos gratuitos que ensinam a meditar sem a aplicação de rituais ou mantras, de olhos abertos e em qualquer momento, desenvolvendo nas pessoas o poder de escolher pensamentos positivos em vez de sentimentos negativos e inúteis. Como consequência, o praticante passa a viver em harmonia e se torna capaz de criar relacionamentos melhores, mais felizes e saudáveis, ao enxergar a vida de forma mais positiva.

Comemorações

Em 2019, a Brahma Kumaris completa 40 anos de atuação no Brasil. Para marcar este momento, a organização programou, para todo o ano, uma série de palestras e intervenções com o objetivo de tornar a prática ainda mais conhecida do grande público. Assim, cada pessoa se tornará apta a encontrar a felicidade, o amor, a paz, a pureza e a verdade, contribuindo assim para a transformação do mundo ao redor.

Essas atividades serão guiados pelo tema “Quem medita transforma e se transforma”. A Palestra Magna, que inicia oficialmente as comemorações, ocorre em 16 de maio, às 19h30, no Memorial da América Latina (Memorial da Inclusão – Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564/Portão 10 – Barra Funda), em São Paulo, com a presença de Didi Sudesh, codiretora da Brahma Kumaris para a Europa, e Ken O’Donnell, coordenador da Brahma Kumaris na América do Sul.

Ambos são uma importante referência no ensino do Raja Yoga em escala mundial. Didi Sudesh é mestre na técnica há mais de 60 anos, além de bacharel em Letras e Ciências Políticas pela Universidade de Punjab, na Índia. Já viajou para mais de cem países conduzindo seminários e palestras sobre desenvolvimento pessoal e a prática da meditação. Ken O’Donnell pratica e ensina meditação desde 1975. É autor de 18 livros sobre desenvolvimento pessoal e de organizações, sendo alguns deles traduzidos em nove idiomas. Para a palestra em São Paulo, as inscrições devem ser feitas pelo site clicando aqui.

Da capital paulista, eles seguem para Serra Negra (SP), com palestra gratuita, sem necessidade de inscrições, no dia 17, às 19h, no Rádio Hotel. A codiretora da Brahma Kumaris na Europa também levará a palestra “Quem medita transforma e se transforma” para Limeira e Piracicaba, em São Paulo, nos dias 19 e 20 de maio (domingo e segunda).

Desta vez, ela estará acompanhada de Luciana Marques de Souza Ferraz, socióloga e coordenadora da Brahma Kumaris no Brasil. Em Limeira, a apresentação acontece às 19h, no Teatro Vitória. Em Piracicaba, às 19h30, no Clube de Campo. A entrada é franca para ambas, sem necessidade de inscrições.

Este ciclo de palestras tem seu encerramento em Salvador (BA), no dia 23 de maio, às 19h, no Salão Nobre da Reitoria da UFBA, com a presença de Didi Sudesh. Haverá também apresentação da pianista Luciane Cardassi e performance da dançarina Cibele Brasil. A entrada é franca, sem necessidade de inscrição prévia.

Atuação

A Brahma Kumaris é um movimento espiritual mundial dedicado à transformação pessoal. Seu verdadeiro compromisso é ajudar as pessoas a transformarem sua perspectiva em relação ao mundo, apoiada na cultura de uma profunda consciência coletiva de paz e dignidade individual de cada ser. Fundada na Índia em 1937, difundiu-se para mais de 110 países em todos os continentes. Presente no Brasil desde 1979, atua hoje em mais de 30 cidades em 11 estados, beneficiando com sua ação centenas de pessoas diariamente.

Estima-se que cerca de 1 milhão de pessoas adotem a prática de forma regular e contínua na Brahma Kumaris em todo o mundo – número que cresce consideravelmente se consideramos os praticantes eventuais.

Segundo a coordenadora nacional da Brahma Kumaris, Luciana Marques de Souza Ferraz, a meditação praticada nas sedes tem um objetivo maior do que ser apenas um método que acalma e relaxa. Serve como uma ferramenta para a transformação pessoal em relação a velhos hábitos e o desenvolvimento de qualidades e comportamentos mais positivos e construtivos. A atividade abre um espaço para que os praticantes possam parar, respirar e entender que existe um mundo de emoções e pensamentos que precisam ser trabalhados para restabelecer o equilíbrio e a conexão entre corpo, mente e espírito.

Meditação a distância

Além dos cursos presenciais a Brahma Kumaris oferece a modalidade de ensino a distância, com o objetivo de beneficiar às pessoas que moram em cidades onde a organização não está presente. O curso de meditação a distância foi criteriosamente elaborado para garantir os mesmos resultados obtidos com a prática presencial. Para mais informações, clique aqui.

CCT-0004_19K_banner-site

“Quem medita transforma e se transforma” em São Paulo – SP
Data: 16/05/2019
Horário: 19h30
Local: Memorial da América Latina – Memorial da Inclusão – Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564/Portão 10 – Barra Funda
Entrada gratuita
Inscrições aqui

“Quem medita transforma e se transforma” em Serra Negra – SP
Data: 17/05/2019
Horário: 19h
Local: Rádio Hotel – Rua Cel. Pedro Penteado, 387 – Centro
Entrada gratuita sem necessidade de inscrição

“Quem medita transforma e se transforma” em Limeira – SP
Data: 19/05/2019
Horário: 19h
Local: Teatro Vitória – Praça Toledo Barros, s/nº – Centro
Entrada gratuita sem necessidade de inscrição

“Quem medita transforma e se transforma” em Piracicaba – SP
Data: 20/05/2019
Horário: 19h30
Local: Clube de Campo – Rua Torquato da Silva Leitão, 297 – São Dimas
Entrada gratuita sem necessidade de inscrição

“Quem medita transforma e se transforma” em Salvador – BA
Data: 23/05/2019
Horário: 19h
Local: Salão Nobre da Reitoria da UFBA – Rua Augusto Viana s/n – Canela
Entrada gratuita sem necessidade de inscrição

Feminicídio: é essencial que as vítimas de violência doméstica e familiar registrem BO*

Dados divulgados recentemente revelaram que os casos de feminicídio aumentaram 76% no primeiro trimestre de 2019 em São Paulo, se comparados ao mesmo período do ano anterior.

Há quatro anos entrou em vigor a Lei 13104/15 que alterou o Código Penal para incluir mais uma modalidade de homicídio qualificado, o feminicídio, ou seja, quando o crime for praticado contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, esclarecendo que ocorrerá em duas hipóteses: (i) quando o crime envolve violência doméstica e familiar; (ii) quando há menosprezo ou discriminação à condição de mulher. A pena estabelecida é de 12 a 30 anos de reclusão, tendo sido incluído no rol de crimes hediondos.

Desde que a lei entrou em vigor, os casos de feminicídio vêm aumentando, mas isso não significa um aumento na quantidade de mortes de mulheres em função do gênero, mas a conscientização sobre a tipificação do feminicídio.

Embora seja um passo necessário, a punição mais severa não é suficiente para o combate à violência contra a mulher. É necessária uma ação conjunta, com a adoção de políticas públicas de acolhimento da mulher que é vítima de violência doméstica e educação de gênero para conscientização sobre a questão, o que é previsto na Lei Maria da Penha.

As medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha são fundamentais e têm relação direta com a diminuição de números de feminicídio. Inclusive, desde abril de 2018, o seu descumprimento passou a ser tipificado como crime.

É essencial que as vítimas de violência doméstica e familiar registrem Boletim de Ocorrência e busquem ajuda na rede de atendimento. Dados estatísticos revelam que a maioria de vítimas de feminicídio nunca registrou boletim de ocorrência ou obteve uma medida de proteção, sendo que romper o silêncio e deferir medidas de proteção é uma das estratégias mais efetivas na prevenção do feminicídio.

casal tristeza

*Daniela S. Martins Cavalcante é graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 1997. Pós Graduada em Direito Penal pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP. Possui grande experiência na área penal, atua na defesa de casos concretos em todas as esferas, instâncias e tribunais.

 

Para existir saúde plena, o intestino tem que funcionar bem, por Leonard Verea*

O intestino determina, em grande parte, nossas emoções, estado mental e até preferências alimentares. Da saúde do intestino depende a saúde do cérebro. À primeira vista, essas afirmações podem parecer irreais – mas não são. Considere os seguintes fatos:

O intestino tem mais neurônios que a medula espinhal – cerca de 100 milhões – perdendo apenas para o cérebro em número de neurônios. Ele fabrica muito mais serotonina que o cérebro. Mais exatamente 95% dela são fabricadas e armazenadas no intestino. Serotonina é um neurotransmissor – substância química fabricada pelos neurônios e que possui papel vital na transmissão e processamento das informações e estímulos sensoriais por meio dos neurônios.

intestino-flora-pixabay

O equilíbrio da serotonina determina, em última análise, o “fundo musical” dos nossos pensamentos. Dependendo do fundo musical, uma mesma cena (pensamento) pode ser interpretada como alegre, triste, pavoroso, engraçado, neutro, relaxante ou aterrorizante.

Além da serotonina, o intestino fabrica e utiliza mais de 30 neurotransmissores – substâncias envolvidas na transmissão e processamento das informações pelos neurônios, tanto do intestino quanto do cérebro. Todos esses neurônios e neurotransmissores são necessários para a complexa função que é a passagem dos alimentos pelo intestino – a chamada digestão.

O processo de digestão envolve, entre outras coisas, o monitoramento da pressão exercida pelo alimento na parede do intestino a cada momento; o movimento coordenado desse alimento ao longo do intestino; o progresso do processo digestivo; a concentração de sal, nutrientes, acidez, alcalinidade – tudo isso sem ajuda do cérebro.

Ao mesmo tempo, esses mesmos neurônios e neurotransmissores, em conjunto com os do cérebro, fazem parte da rede neural responsável pela conexão entre o bem-estar emocional e o bem-estar físico. E também, é claro, o mal-estar.

Neurotransmissores como a serotonina conectam o que ocorre no cérebro com o que ocorre no intestino e vice-versa. A quase totalidade de quem sofre de doenças crônicas envolvendo o cérebro, como, por exemplo, depressão, pânico, ansiedade, enxaqueca, autismo, esquizofrenia etc, sofre também de problemas no sistema digestivo em maior ou menor grau, como constipação intestinal (intestino preso), síndrome do intestino irritável (alternância entre períodos com intestino muito solto e períodos com intestino preso), cinetose (enjoo fácil quando em movimento, por exemplo, numa simples viagem de carro ou ônibus), colite, doença de Crohn (tipo especial e potencialmente grave de inflamação no intestino), e todo tipo de má digestão e intolerâncias alimentares.

Emoções extremamente fortes podem causar desde “frio no estômago” até diarreia e/ou vômitos. Quantos de nós não lembramos de pelo menos um dia muito importante, na infância ou adolescência – pode ter sido uma viagem muito esperada, um prêmio muito antecipado, um final decisivo de torneio ou competição, ou até uma prova escolar – quando, justamente naquele dia, aconteceu uma diarreia e/ou vômito “inexplicável”?

vomito-dor-doente-mulher-african-rubiz

Situações de estresse podem também provocar um aumento da permeabilidade do intestino, resultando na absorção de “pedaços” maiores, incompletamente digeridos, de material digestivo, os quais, uma vez na circulação sanguínea, não são reconhecidos pelo organismo como nutrientes a serem aproveitados, mas, sim, como corpos estranhos a serem atacados pelo sistema imunológico, provocando reação com produção de anticorpos. Uma reação inútil, que apenas serve para criar todo um estado inflamatório no nosso corpo e cérebro, o que predispõe a uma série de doenças. Isso além de diminuir o “gás” de nosso sistema imunológico para combater os vírus e bactérias causadores de doenças que realmente importam, e predispondo, em consequência, a toda sorte de infecções.

Alimentos ásperos, de impossível digestão – inclusive muitas das tão festejadas “fibras” – podem causar irritação e dano às delicadíssimas células epiteliais que recobrem o intestino, resultando em aumento da permeabilidade do intestino com as mesmas consequências do parágrafo anterior.

Você já se perguntou como os “chás emagrecedores” funcionam? Eles agem provocando irritação no intestino, o que resulta em digestão incompleta, absorção incompleta, aumento da velocidade do “trânsito intestinal” e eliminação mais rápida de alimentos que poderiam ter sido muito melhor digeridos. Não sem que alguns desses “pedaços” tenham sido indevidamente absorvidos, provocando – mais uma vez – um estado inflamatório em todo nosso organismo.

A esta altura você já deve ter compreendido que o mesmo processo vale para quem faz uso muito frequente de laxantes – naturais ou não. E inflamação inútil é exatamente o que não precisamos. As mais variadas doenças são causadas e/ou “turbinadas” por processos inflamatórios. Não apenas doenças acompanhadas de dor – como enxaqueca, cólicas menstruais, tendinites, fibromialgia e muitas outras “ias”, “ites” e dores que existem no universo –, mas também doenças que não envolvem dor física. Porém, envolvem processos inflamatórios, como esclerose múltipla, esquizofrenia, autismo, entre uma série de problemas de ordem cerebral, mental e comportamental.

Cada vez mais, a ciência vem percebendo que por trás de todas as doenças existe um componente inflamatório. Tais reações de anticorpos contra “pedaços” mal digeridos de nutrientes pode ter consequências ainda mais desastrosas, na eventualidade de um desses “pedaços” ser confundido, pelo sistema imunológico, como sendo uma parte do corpo. Nesse caso, anticorpos começam a atacar estruturas do próprio corpo (por exemplo da glândula tireoide, cérebro, articulações ou qualquer outro órgão ou tecido), simplesmente por confundirem essas estruturas pertencentes ao nosso organismo com a estrutura química tridimensional de algum desses “pedaços” de material digestivo presentes, indevidamente, na circulação.

Esta confusão e ataque a estruturas do nosso próprio corpo por parte dos anticorpos recebe o nome de autoimunidade. Doenças autoimunes são aquelas que resultam do ataque a órgãos e tecidos do corpo pelos nossos próprios anticorpos. Alguns exemplos são doença celíaca, diabetes do tipo I, tireoidite de Hashimoto, artrite reumatoide e doenças cerebrais como esclerose múltipla.

Até mesmo doença de Parkinson (Nature Communications 5, artigo número: 3633, publicado em 16 de abril de 2014), autismo (Molecular Psychiatry 18:1171-1177, Nov 2013), e transtorno obsessivo-compulsivo (http://www.health.harvard.edu/blog/can-an-infection-suddenly-cause-ocd-201202274417) passaram a fazer parte da lista de suspeitos de possível fundo autoimune.

intestino cerebro news medical

Podemos também olhar a conexão intestino-cérebro por outro ângulo: uma criança (ou adolescente, ou adulto) não come bem, vive à base de “produtos alimentícios” industrializados, refinados, desvitalizados, pobres em nutrientes e que até prejudicam, de uma forma ou de outra, a integridade do intestino e absorção de nutrientes necessários para o bom funcionamento do cérebro.

Com o tempo, isso causa prejuízo das funções mentais mais sofisticadas, como memória, atenção, concentração e humor. Isso, por sua vez, leva a um aumento do estresse que, como vimos acima, resulta em um prejuízo ainda maior da função de absorção de nutrientes pelo intestino, criando um círculo vicioso que, inevitavelmente, resulta em doenças e piora do estado mental e comportamental.

Qual a doença, ou qual a manifestação indesejável do estado mental e/ou comportamental que uma pessoa poderá ou não apresentar, dependerá das predisposições genéticas que ela possuir.

Esse círculo vicioso somente pode ser quebrado por meio do conhecimento que você começa a adquirir ao ler este artigo. Afinal, somente o conhecimento pode levar a mudanças-chave no estilo de vida.

Você ou suas crianças têm “alimentação rica em fibras”? À luz do que foi discutido, isso pode não ser tão bom quanto se imagina. Tudo depende das fibras utilizadas. O termo “fibras” pode incluir elementos que, mesmo moídos, esfarelados, cozidos e mastigados, continuam “duros”, “pontudos”, “cortantes” e agressivos para a delicada camada celular que compõe as vilosidades e criptas microscópicas do nosso intestino, causando má absorção, aumento da permeabilidade, e todas as possíveis consequências.

Você cozinha seus alimentos o quanto mais depressa, na panela de pressão, para economizar tempo e conta de luz/gás? Lembre-se que o cozimento lento (por mais tempo, no fogo baixo) ajuda a pré-digerir os alimentos, de modo a tornar o processo digestivo menos agressivo e menos oneroso para nosso intestino, otimizando a absorção de nutrientes e preservando a integridade do tecido epitelial intestinal.

Deixar grãos de molho por 24 horas (feijão, arroz integral, lentilhas, grão-de-bico etc), antes de cozinhá-los lentamente, é uma maneira excelente de aumentar a digestibilidade desses grãos, e minimizar a agressividade deles para com nosso intestino. Nossos antepassados da era ‘pré-alimentos-industrializados’ sempre faziam isso. Ah, e também deixavam o pão fermentar naturalmente por muitas horas, o que melhora a digestibilidade do trigo.

feijao-branco

Hoje vivemos em um mundo com cada vez menos tempo para cozinhar, porém cada vez mais doente. Colite, enxaqueca, depressão, pânico, intestino irritável, comportamento agressivo, autismo, distúrbio bipolar e doenças autoimunes estão cada vez mais frequentes, segundo as estatísticas.

Conclusão: para existir saúde plena, o intestino tem que funcionar bem.

Leonard Verea psiquiatra

*Leonard F. Verea é médico psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina e Cirurgia de Milão, Itália. Especializado em Medicina Psicossomática e Hipnose Dinâmica. Especialista em Medicina do Trabalho e Medicina do Tráfego. É membro de entidades nacionais e internacionais. Atua como diretor do Instituto Verea e da Unicap, empresa voltada à implementação e manutenção das condições de saúde e segurança no ambiente de trabalho.

Nota da Redação: os artigos aqui publicados não refletem, necessariamente, a opinião do blog.

Estudo faz raio-x do comportamento da geração de mais de 50 anos

O Grupo Bradesco Seguros realizou no último dia 24, em São Paulo, o segundo encontro do ‘Diálogos da Longevidade’, cujo objetivo é discutir os impactos de um tema cada vez mais urgente para a vida de todos: a longevidade.

O evento contou com a participação de Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, e de Alexandre Kalache, gerontólogo e presidente do ILC (Centro Institucional da Longevidade, em português). Na ocasião, foi apresentada uma pesquisa inédita sobre o tema. O estudo ‘Longeratividade’ identificou quem são os brasileiros 50+, como eles se comportam nessa fase da vida e se relacionam com as questões financeiras, mapeando hábitos tecnológicos, saúde, lazer e profissão, além de avaliar o grande potencial de consumo desse público.

“A população 50+ tem espírito jovem e está ciente que pode ter uma vida plena e ativa. Esse público mais maduro é muito representativo, são 54 milhões de brasileiros, ou seja, um quarto da população. Não é preciso explicar quão relevantes são para a sociedade e para o mercado”, revela Renato Meirelles.

“De forma pioneira entre as empresas brasileiras, a Bradesco Seguros firmou em 2004 sua aposta no tema Longevidade, tornando-se uma referência nacional através de múltiplas iniciativas. Nestes 15 anos, a expectativa de vida do brasileiro cresceu cerca de 5 anos. E o subgrupo populacional que mais rapidamente cresce é precisamente o dos 50+, objeto dessa pesquisa pioneira, apoiada pela Bradesco Seguros, que nos ajudará, a todos, na formulação de políticas e intervenções que possibilitem um último terço de nossas vidas mais produtivo prazeroso. Ganhamos todos.”, comenta Kalache.

Realizada pelo Instituto Locomotiva a pesquisa ‘Longeratividade’ analisou dados secundários e bancos de dados próprios de um público de mais de 50 anos, além de uma pesquisa online com 2184 mil pessoas a partir de 16 anos, em 2018.

Envelhecimento e Expectativas de Vida

casal meia idade feliz

O Brasil é hoje um dos países que mais rapidamente envelhecem no mundo. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a expectativa de vida dos brasileiros está cada vez maior. Enquanto em 1940 era de pouco mais de 40 anos, hoje ultrapassa 75 anos e deverá superar 81 anos em 2050. Hoje, temos 54 milhões de brasileiros com mais de 50 anos, ou seja, um quarto da população. Até 2050, 43% da população terá 50 anos ou mais – serão aproximadamente 98 milhões de pessoas.

A pesquisa ‘Longeratividade’ aponta que essa expectativa também faz parte do sentimento da população: sete em cada dez entrevistados acreditam que viverão até os 80 anos ou mais. Entre os 50+, apenas 10% se consideram velhos, e o principal medo que esse público tem em relação ao envelhecimento são as mudanças no corpo e a falta de dinheiro.

Finanças, Saúde e Bem-Estar

contas escritorio gadini pixabay

Os brasileiros 50+ movimentam em renda um valor de R$ 1,8 trilhão ao ano (metade dessa renda vem do trabalho). Ou seja, são um público com grande potencial de consumo. Segundo dados da pesquisa, nos próximos 12 meses esse público pretende comprar móveis para casa (30% ou 9,8 milhões de pessoas), smartphone (12% ou 6,5 milhões), geladeira e notebook (11% ou 3,6 milhões) e máquina de lavar – (9% ou 2,9 milhões).

A pesquisa aponta ainda que 18% ou 9,7 milhões pretendem viajar de avião para algum destino no Brasil, 10% ou 5,4 milhões querem fazer curso profissionalizante, 6% ou 3,2 milhões pretendem fazer faculdade e 4% ou 2,2 milhões querem fazer uma viagem internacional.

No entanto, mais da metade afirma que não está fácil pagar as contas atualmente. 82% se preocupam com o futuro e 69% dizem ter atualmente uma condição financeira menos favorável do que imaginavam ter nessa idade. Apenas 35% tem algum dinheiro guardado.

O estudo também abordou a relação dos 50+ com as empresas e descobriu que 77% deles afirmam que as pessoas que aparecem nas propagandas comerciais costumam ser muito diferentes delas. Já 87% desse público gostaria de ser mais ouvido pelas empresas.

mulher computador lendo

A porcentagem de brasileiros 50+ que estão conectados à internet atualmente é de 28%. Porém, entre os já conectados e digitalizados, a maioria acessa a internet todos os dias, e 85% utilizada Facebook e WhatsApp.

No aspecto saúde e bem-estar, para os 50+ ter uma alimentação saudável, fazer exames preventivos e evitar o estresse são fatores que contribuem para uma vida longeva e de qualidade. A grande maioria tem a percepção de gastar demais com a própria saúde.

Fonte: Grupo Bradesco Seguros

Cinco passos minimalistas para mudar de carreira e de vida

Como a prática do minimalismo pode te ajudar a trocar de carreira e mudar de vida

Desde a escola até a vida adulta aprendemos de forma receptiva e não ativa. Ouvimos uma pessoa que sabe mais do que nós, professores, e fazemos provas ao fim dos semestres para atestarmos que captamos o conteúdo passado. Não somos treinados a aprendermos de forma ativa, sendo proativos, buscando o conhecimento. Isso é refletido na nossa vida profissional. Optamos por profissões em que a linha de ganhos, em reais ou em outra moeda, seja rápida e sempre ascendente.

Além da forma de aprendizado nas escolas, também somos imersos a uma quantidade robusta de informações, redes sociais, padrões de consumo e de quem devemos ser ou perseguirmos ser. Aqui entra a propaganda em massa que não é apenas direcionada a adultos mais também a crianças e adolescentes. Nessa lógica social e vigente, buscando o que não queremos, mas não nos dando conta disso, entramos em um ciclo de acumularmos coisas, relacionamentos rasos, e pouca procura por nós mesmos.

Para se ter ideia em números: no ano de 1983, as companhias gastaram 100 milhões de dólares em publicidade para crianças. Já em 2006, essa cifra subiu para 17 bilhões. Nesse contexto, muitos pais trabalham mais, encurtam o tempo de convivência com as crianças e muitas vezes têm profissões que não os fazem felizes.

Nesse ciclo, trocar de carreira quando se tem filhos pode ser algo impossível. Para aqueles que não são casados e não têm crianças pode parecer mais fácil, porém, mudar de profissão exige um planejamento principalmente mental e isso independe se você mora com outras pessoas, se tem família ou se é responsável por outro indivíduo.

O minimalismo consiste na ideia de “menos é mais”, porém, algo que muitos confundem é que a prática não é a oposição ao capitalismo e/ou ao consumo. E, sim, uma mudança de hábitos no consumo compulsivo. Quantos de nós temos roupas e outros itens em casa que não têm finalidade? Ou como o próprio estudioso Joshuan Fields afirma quanto de nós temos “coisas” que não nos fazem felizes?

Aplicar o minimalismo além do seu lar pode ser algo difícil, porém trará uma vida mais simples e pode ajudar a mudar de carreira e/ou escolher uma profissão que o fará mais feliz.

Seguem 5 ações do especialista em carreira da Minds Idiomas, Fabiano Castro ,que já mudou a vida de milhares de alunos/profissionais:

1) Avalie cada item/coisa que tem em casa e no ambiente de trabalho

mesa sala trabalho.jpg

Veja se realmente você usa esse objeto, há quanto tempo não o usa, e se ele tem um propósito, uma finalidade e/ou se lhe faz feliz. É um processo. Você não vai conseguir se desfazer de tudo o que não é útil rapidamente, porém, persista. Cheque o que pode ser doado e o que tem que ir para o lixo. Aos poucos, essa “faxina” no externo intervirará no seu interno e nas suas decisões no dia a dia.

2) Observe os seus comportamentos automáticos

Comportamento_repetitivo.jpg

Nós, seres humanos, somos programados para ficarmos insatisfeitos. Isso porque somos formados pelos nossos hábitos e, muitas vezes, não paramos para observá-los. Olhe como você utiliza o seu tempo, o que come, o que realmente veste, com quem conversa, quantas vezes olha para o celular, enfim. Somos formados por esses hábitos e ao percebermos que podemos mudá-los reprogramamos a forma como pensamos e concomitantemente podemos alterar as nossas ações. Isso fará você trabalhar melhor, planejar a sua mudança de carreira, se assim desejar, e construir relacionamentos mais sólidos.

3) Consciência no uso da tecnologia

mulheres usando celular smartphone.jpg

Quanto de nós afirmamos que a falta de tempo nos impede de fazer coisas diariamente. Todavia, um estudo da Nokia revelou que, na média, um indivíduo checa o seu celular 150 vezes por dia. Isso acontece, entre outras razões, porque buscamos a sensação da dopamina que consiste no sentimento de recompensa quando retuitamos algo, recebemos cliques em uma foto, e checamos quem visualiza os nossos stories no Instagram.

Ocorre que, sem o uso consciente do tempo que destinamos por dia aos nossos smartphones, não colocamos em prática experiências realmente importantes para nós. Como um trabalho satisfatório, uma conversa realmente centrada ao que está sendo dito e ouvido, uma viagem, ou a degustação de um bom prato. Viva o presente e real, a tecnologia pode e deve ser usada, mas com consciência.

4) Lembre-se que as suas escolhas precisam ser justificadas apenas para si mesmo, e não ao outro

mulher deitada pensando.jpg

Aqui, não estou afirmando a falta de empatia mas, sim, ampliando o debate de que o minimalismo tem a ver intrinsecamente com o que é importante para o indivíduo. Na forma mais singular possível. Ou seja, os itens físicos e escolhas emocionais têm a ver com o propósito que isso tem para esse ser humano. Mantenha coisas e pessoas que lhe fazem felizes e tenham uma finalidade. Isso envolve carreiras, relacionamentos, e até escolhas “banais” do dia a dia.

5) Dê-se liberdade

mulher alegre flor natureza.jpg

O minimalismo concede mais tempo, ou seja, mais liberdade. Mesmo que você more com outras pessoas e tenha que compartilhar das suas escolhas/decisões e, claro, entrar em acordo com os que divide o próprio teto e assim crescer como grupo faça isso por você. O minimalismo não é uma competição de quem tem menos e consegue viver com menos. É uma nova forma de viver mais. Ter mais saúde, trabalhar com o que se gosta, ter mais tempo para os filhos, amigos, e vivenciar experiências reais.

Fonte: Minds Idiomas

Humildade também é sinal de inteligência, por André Castro*

“A humildade não está na pobreza, não está na indigência, na penúria, na necessidade, na nudez e nem na fome. A humildade está na pessoa que tendo o direito de reclamar, julgar, reprovar e tomar qualquer atitude compreensível no brio pessoal, apenas abençoa” Chico Xavier.

Um dia, após uma de minhas palestras, o curador do evento se aproximou de mim e, ao me elogiar, agradeceu minha humildade, dizendo, para minha surpresa, que é comum os palestrantes serem “metidos”.

Esse comentário fez com que eu escrevesse este artigo e refletisse que, assim como devemos ser humildes para aprender, também devemos ser humildes para ensinar. Afinal, não somos melhores que ninguém. Posso, possivelmente, saber mais a fundo um determinado assunto, mas certamente não todos.

Por que, então, não agimos mais como uma criança de sete anos que interage com outra criança com seu coração aberto para novas amizades e curiosidades? Já parou para pensar nisso? Que todos nós somos semelhantes, que possuímos algumas habilidades, outras não e, assim, também, as outras pessoas. Que cada um tem o seu tempo, sua velocidade, suas necessidades e suas virtudes.

Há um tempo acompanhava, nas redes sociais, um colega que treinava para uma prova de 10km. Mesmo sem muito interesse, eu era levado a acompanhar o passo a passo da sua preparação já que diariamente fotos eram postadas. No dia do evento, foram inúmeros cliques durante o início da prova, mas, para minha surpresa, nenhum clique ao final. Tempo depois eu soube que a prova não havia sido concluída por motivos físicos.

Então me pergunto: por que só o lado feliz e vencedor é mostrado nas redes sociais e também na vida? Por que não mostrar também quando não alcançamos o que queríamos, apesar de todo esforço e que, assim, estaremos prontos para uma nova tentativa, a fim de superar ou mostrar sem medo ou receio que somos humanos e propensos a erros e insucessos?

Humildade é mostrar sua vulnerabilidade, que nem tudo está sempre tão bem assim. Humildade também é sinal de inteligência, unindo os indivíduos ao contrário do orgulho. Sendo humilde e ajudando os demais, a chance de um dia você ser ajudado passa a ser maior, pois lembre-se que todos nós precisamos de algum tipo de ajuda em algum momento da vida.

“Para o orgulhoso a humildade é uma humilhação” Eclesiástico 13.20

mãos amizade solidariedade

Esperar o tempo da vida para as respostas que queremos de imediato é outro sinal de humildade. Lembrar que por mais que sejamos bem sucedidos profissionalmente, tenhamos conhecimento ou posição social não somos nada mediante os acasos da vida e do tempo. Que nunca saberemos com quem realmente estamos falando, pois todos têm suas bagagens, suas histórias e consequentemente seus valores.

Não queira estar sempre certo, apenas os tolos estão sempre corretos, os sábios procuram estar atentos a novos conhecimentos, aceite críticas e não fique melindrado com elas.

Antes de ser um excelente profissional, seja um bom ser humano, procurando ter a consciência de quem se é, que somente um ser humano pode salvar a vida de outro e, aí, talvez, um dos maiores exemplos de humildade seja confessar a outro ser humano precisar dele para existir.

“O dinheiro faz homens ricos, o conhecimento faz homens sábios e a humildade faz grandes homens” Gandhi

*Andre Castro é dentista com especialização em odontopediatria e MBA em gestão em planos de saúde. Como empreendedor, fundou e dirigiu, durante 21 anos, a operadora de planos odontológicos Oral Clean, experiência que lhe deu conhecimentos e habilidades do mundo dos negócios. Como Palestrante, uniu suas experiências para ajudar a transformar vidas por meio de suas palestras sobre superação, entusiasmo e qualidade de vida. Hoje é convidado para palestrar em inúmeros eventos pelo Brasil o que tem proporcionado a oportunidade de dividir seus conhecimentos e entusiasmo pela vida com as pessoas ajudando-as, assim, a descobrir que o sucesso é ser feliz.

Sete atitudes para fugir dos bad-habits que ajudam a envelhecer sua pele

Diariamente, somos expostos a diversos agressores ambientais como os raios ultravioleta, a poluição, a fumaça e, além disso, alguns bad-habits como dormir pouco e fumar também colaboram para o envelhecimento precoce da pele.

“Alguns marcadores do processo de envelhecimento levam à desnaturação celular e aceleram o envelhecimento cronológico. Mas a partir do momento em que você diminui a exposição a esses agressores, mantém uma rotina skin-care adequada ao seu tipo de pele e modifica alguns hábitos, há uma profunda mudança na qualidade da pele”, afirma Valéria Marcondes, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. A médica propõe sete atitudes para renovar a pele:

Use filtro solar

protetor -solar- rosto

A exposição solar sem fotoproteção é o mais importante agressor da pele, que leva a um dano cumulativo, inclusive com a formação de dímeros de pirimidina, relacionados com mudança nas bases do DNA e que provocam reações de mutação celular, com consequente fotoenvelhecimento precoce, inflamação, melasma e um aumento do risco de cancerização, segundo a dermatologista. “O filtro deve ter proteção eficiente contra as radiações UVA e UVB, mas também deve proteger da luz visível e da Infrared – o filtro precisa fornecer uma proteção de amplo espectro”, explica a médica. “Esse protetor deve contar com filtros físicos, como o óxido de zinco e dióxido de titânio, associado a filtros químicos para aumentar o grau de fotoproteção. A exposição direta ao sol deve ser feita preferencialmente antes das 10 horas da manhã e após as 16 horas, para evitar o dano oxidativo e a produção de enzimas que degradam colágeno, resultando em uma pele mais flácida, com rugas e manchas”, diz a médica.

Crie uma rotina de cuidados com a pele

mulher lavando o rosto

Ter uma rotina de cuidados diários é muito importante para a beleza e saúde da pele. Os passos de limpeza, com higienização complementar com tônicos ou águas micelares, assim como hidratação e fotoproteção são essenciais para manter a pele cuidada e saudável. “Consulte sempre um dermatologista, para prescrição de substâncias rejuvenescedoras como alfa e poli-hidroxiácidos, retinoides, vitamina C, ácido ferúlico, Vitamina E, peptídeos, antioxidantes e fatores de crescimento”, explica. “Eles colaboram muito para a hidratação, luminosidade e textura da pele.”

Diminua o açúcar

chocolates doces bombons sweetlouise pixabay
Foto: SweetLouise/Pixabay

A ingestão de açúcar em excesso na dieta colabora para um processo de glicação, que é quando as fibras de colágeno e elastina endurecem por reagirem com esses açúcares. “Com isso, elas perdem a questão da maleabilidade, da flexibilidade, da sustentação e ancoragem da pele. O açúcar também está ligado, segundo estudos, ao aparecimento de manchas”, explica a dermatologista Dra Valéria. O acúmulo de AGEs (espécies avançadas de glicação) gera ação inflamatória e envelhecimento precoce de todo o sistema. “Para reverter esse quadro, é necessária a aplicação tópica e o uso de produtos via oral com ação antiglicante e desglicante. Mas a diminuição do açúcar na dieta é necessária”, explica. Atenção também aos carboidratos, que viram açúcar no fim da digestão!

Controle o estresse

mulher estresse trabalho

O estresse também afeta nossa pele de maneira importante, segundo a dermatologista, na medida em que descargas constantes de adrenalina e outros hormônios (como cortisol e prolactina) potencializam o estado inflamatório persistente no tecido cutâneo e reduz o tempo de vida e a atividade das células. “A acne também é uma manifestação comum que tem relação com pacientes que sofrem com o estresse”, afirma a médica.

Pratique exercícios físicos

Outdoor Running Series

Durante a atividade física, toda a circulação é estimulada. “O sistema arterial (sangue que “alimenta” os músculos em movimento, por exemplo) aumenta seu fluxo, e consequentemente, o aporte de nutrientes e oxigênio para todos os tecidos, inclusive a pele. Os sistemas venoso e linfático também aumentam a velocidade de drenagem, retirando toxinas e diminuindo a retenção de líquidos. Isso se reverte na pele deixando-a mais hidratada, corada e mais viçosa”, explica a médica. “Com a melhora da oxigenação das células, isso contribui também para uma aparência mais saudável da pele”, completa.

Durma melhor

dormir sono despertador relogio

A falta de sono diminui todo o metabolismo do ciclo circadiano, o que compromete o tempo necessário para que ocorra o reparo e regeneração durante o período noturno. “Então isso afeta a produção natural de melatonina que também é parte da defesa antioxidante primária do nosso organismo”, explica a Dra Valéria. Nessa questão, outro ponto também deve ser analisado: a forma como dormimos. “O fato de dormir com o rosto de lado ou de bruços ajuda a formar rugas de dinâmica importantes, e que muitas vezes nos faz envelhecer mais assimetricamente com demarcações mais profundas das linhas e das rugas. O ideal é dormir com a barriga para cima”, conta.

Pare de fumar

cigarro parar fumar tabaco pixabay

O consumo de cigarro induz ao envelhecimento, já que as substâncias tóxicas presentes estão associadas à vasoconstrição periférica por um período de dez minutos, o que diminui o fluxo sanguíneo para o tecido cutâneo e cabelos. “Isso traz consequências na perda da viço e luminosidade da pele além de favorecer o amarelamento do tecido; também há uma perda de firmeza por conta da oxigenação e nutrição diminuídas”, comenta.

Por fim, a médica lembra que a consulta com um dermatologista é sempre importante a fim de indicar os melhores produtos e tratamentos para manter a saúde da pele.

Fonte: Valéria Marcondes é dermatologista da Clínica de Dermatologia Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia com título de especialista e da Academia Americana de Dermatologia. Foi fundadora e é membro da Sociedade de Laser.

Aplicativo classifica locais considerados com risco de assédio a mulheres

Plataforma tem o objetivo de reduzir casos de violência e foi selecionada como finalista do programa Campus Mobile, iniciativa do Instituto NET Claro Embratel

SafeGirl é um aplicativo desenvolvido para contribuir na prevenção de assédio sexual. Pensada para o público feminino, a solução faz parte dos projetos finalistas do Campus Mobile, concurso de inovação e empreendedorismo do Instituto NET Claro Embratel, em parceria com a Associação do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC/USP) e o apoio da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, que incentiva a formação de talentos junto a alunos universitários e recém-formados para atuação no mercado de conteúdos e novos serviços de telefonia móvel.

A solução, criada por Mateus Bezerra da Silva, estudante da Universidade Federal do Amapá, e Vitor Hugo Moraes e Brenda Sá, da Universidade Federal do Maranhão, incentiva mulheres a compartilhar no aplicativo a experiência que vivenciam nos lugares que frequentam, a partir de uma classificação com diferentes graus de segurança.

“A plataforma serve para empoderar as mulheres, reduzindo o número de casos de violência, combatendo diversas formas de opressão e proporcionando um espaço de promoção e proteção dos Direitos Humanos”, comenta Mateus.

celular carro pixabay
Pixabay

Além da classificação dos locais, outras funcionalidades devem ser adicionadas no aplicativo, como descontos para usuárias, acesso às leis que garantem seus direitos e também o contato de organizações de combate à violência contra mulher.

Viagem ao Vale do Silício

O aplicativo dos estudantes concorre com outros dois projetos na categoria Diversidade do Campus Mobile. Os vencedores do concurso serão premiados pelo Instituto NET Claro Embratel com uma viagem ao Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos, para uma imersão nas principais empresas de tecnologia do mundo, como Google, Facebook, Twitter e até mesmo a Universidade de Stanford, para finalizarem os projetos. O resultado final, com a indicação dos vencedores, será divulgado no dia 6 de maio.

Na sétima edição, o Campus Mobile, concurso de ideias e soluções para telefonia móvel, já premiou 18 aplicativos ao longo dos últimos anos. Durante o programa os participantes selecionados recebem monitoria de especialistas da área de inovação para o aperfeiçoamento dos projetos. Eles também participam de uma semana presencial em São Paulo, que conta com maratona de programação, palestras e visitas a empresas parceiras.

Fonte: Instituto Net Claro Embratel