Arquivo da categoria: comportamento

Caso Henry Borel: o casamento da psicopatia com o narcisismo perverso*

Na última semana o Brasil foi surpreendido com mais uma história de dor e comoção, com a morte do pequeno Henry Borel, de quatro anos. Uma tragédia com mais dois personagens investigados como suspeitos do crime: a mãe de Henry e o padrasto do menino. Muitos se perguntam porque tanta crueldade. E o que chama a atenção é a frieza com que os fatos se deram, além do comportamento apresentado pela mãe e pelo padrasto. Traçando um perfil psicológico dos dois, diante do que tem sido noticiado, podemos ver que a união de traços de psicopatia do padrasto com sinais de narcisismo perverso da mãe pode ter sido determinante para o desfecho trágico dessa história.

A psicopatia é mais comum do que se pensa. Infelizmente, os psicopatas vivem entre nós e essa identificação não é muito simples. Estudos estatísticos demonstram que o transtorno possui níveis de intensidade e que, de cada 100 pessoas, em torno de quatro a cinco podem apresentar sintomas característicos ao distúrbio.

HealthyPlace

Os psicopatas se apresentam, na maioria dos casos, como simpáticos e amáveis. São sempre cativantes e, muitas vezes, prestativos. A sedução é uma das características marcantes deste personagem. Também são inteligentes e sábios. O lado negativo fica por conta da frieza e dos cálculos estrategistas diante das situações, pois não sentem culpa alguma. Além disso, o remorso não faz parte de seu rol de sentimentos. Psicanaliticamente falando, possuem uma predominância da instância psíquica de personalidade ID, o que explica o modo de vida voltado, único e exclusivamente para seu prazer pessoal e para o atingimento de seus objetivos e metas. Não importa o que o outro sente ou quer, importa o que eu desejo – essa é a bandeira que um psicopata empunha.

A psicopatia é muitas vezes confundida com um transtorno de conduta. O diagnóstico final que decreta afetações do transtorno relata disfunções neurológicas associadas a um conjunto de sentimentos influenciados por crenças limitantes natas ou aprendidas ao longo da vida. Os primeiros sinais podem aparecer ainda quando criança, em um grau mais leve e moderado. Por isso, é muito importante um acompanhamento profissional de perto quando se identificar qualquer indício de alteração comportamental motivado por perversidades e frieza. Um psicopata, quando criança, apresenta algumas características muito peculiares como: mentiras frequentes, dificuldade em seguir regras, são antissociais, insensibilidade emocional, conturbações ao tentar manter amizades, praticam bullying e até podem vir a cometer pequenos delitos transgressores, como roubos, violências e vandalismos.

Mas cuidado, o diagnóstico final que decreta que a pessoa pode ser um psicopata ou não, para ser realmente finalizado com êxito, pauta-se na ancoragem de intensidade e frequência com que esses episódios e comportamentos acontecem. O mais comum é que, por serem muito inteligentes e inquietos quanto à busca por conhecimento, a grande maioria dos psicopatas têm ciência das características do seu posicionamento destoante dentro da sociedade e, com isso, camuflam seus reais sentimentos e ações – o que causa grande dificuldade na definição do distúrbio.

Visto que existem diferentes graus de psicopatia, que variam desde os mais leves, moderados e até os graves, podemos afirmar que nem todos chegam a se tornar assassinos. Podem desempenhar papéis de destaque em seu meio social e usar de algum poder conferido a eles para praticar delitos com total frieza emocional que, em muitos casos, chegam a impressionar. Podendo também ser autores de fraudes, golpes, estelionatos e roubos.

Os psicopatas podem, ainda, mostrar uma faceta carregada de sinais que demonstram que o distúrbio da psicopatia é latente. São eles: egocentrismo; mentiras; trapaças e manipulações; ausência de culpa, remorso e empatia; observação constante ao comportamento do outro, analisando os passos de suas vítimas; alterações severas de humor, com ataques de agressividade; podem ser superficiais e eloquentes; estão sempre envolvendo emocionalmente as pessoas que se encontram vulneráveis; vivem a elogiar todos e a perfeição faz parte de seus objetivos. Porém, os psicopatas nunca buscam ajuda porque não se sentem incomodados com suas ações. São desprovidos de sentimentos e mudar não está nunca em seus planos.

Getty Images

Analisando o perfil da mãe do pequeno Henry, podemos identificar indícios claros de desenvolvimento de uma personalidade de natureza narcísica perversa, onde a maior preocupação é consigo mesma. Pessoas que apresentam esse distúrbio estão sempre em busca da perfeição estética, afinal manter uma máscara sedutora para a sociedade é o mais importante. O foco está sempre voltado para as aparências, onde o excesso de vaidade prevalece em detrimento da empatia e compaixão pelo outro. Não conseguem fazer muitos vínculos emocionais e uma pitada de egoísmo está sempre presente em seu caráter perturbador.Esse perfil narcísico, normalmente, não consegue se abalar com o luto. E isso ficou claro, na história triste e dramática do filho, vítima de maus tratos e agressões.

A junção destas duas personalidades doentias, certamente, foi o estopim determinante na morte trágica da criança de quatro anos. A busca por poder e status percebida em ambos personagens descritos aqui, padrasto e mãe, associada a todas as características de desvios de conduta e de transtornos, foram fatores cruciais que completam essa receita desastrosa que culminou na morte de uma criança indefesa, vulnerável e sofrida.

Portanto, o casamento do narcísico e do psicopata pode potencializar a perversidade severa que irá rejeitar a presença de um terceiro personagem. Provavelmente, motivo que levou às práticas de maus-tratos, com o intuito consciente e velado de eliminar um obstáculo: o menino. O casal, motivado por seus sintomas transgressores, não conseguiam transmitir afeto e amor para a criança. Visto que a sedução doentia e aparente da mãe e o papel forçado de bom moço e bom político do padrasto misturou-se com a perversidade e frieza requintada presentes no crime.

Depositphotos

Enfim, se nem tudo que reluz é ouro, fica claro que todo o cuidado é pouco no quesito relacionamentos. O charme e a inteligência utilizados para impressionar e seduzir o outro podem ser ingredientes bombásticos. Neste caso, a ausência de sentimentos denuncia os fatos e, infelizmente, Henry foi vítima do lado sombrio da mente de pessoas que deveriam apenas proteger e amar.

*Andréa Ladislau é doutora em Psicanálise Membro da Academia Fluminense de Letras; Administradora Hospitalar e Gestão em Saúde Pós Graduada em Psicopedagogia e Inclusão Social Professora na Graduação em Psicanálise Embaixadora e Diplomata In The World Academy of Human Sciences US Ambassador In Niterói. Professora Associada no Instituto Universitário de Pesquisa em Psicanálise da Universidade Católica de Sanctae Mariae do Congo. Professora Associada do Departamento de Psicanálise du Saint Peter and Saint Paul Lutheran Institute au Canada.

Livro-caixinha traz dicas para uma boa qualidade do sono e evitar noites de vigilância

Pelo menos 73 milhões de brasileiros sofrem com algum distúrbio do sono – os dados são da Associação Brasileira de Sono. E, durante a pandemia, por conta do estresse, da ansiedade e da depressão, esse quadro parece ter piorado ainda mais. Para ajudar os leitores a terem uma boa noite de sono e prestar mais atenção nos detalhes que envolvem a qualidade desse repouso, a Matrix Editora lançou o livro caixinha Qualidade do Sono – 50 práticas para ajudar a dormir melhor de Abdré Barbosa.

São 50 cartões que podem ser lidos de forma aleatória e que contém dicas que vão desde os alimentos indicados para comer antes de dormir até sugestões do que pensar, falar, ler. Com isso, é possível se desligar um pouco das notícias, do mundo lá fora e focar no relaxar e no repouso tão fundamentais para que o dia seguinte seja produtivo.

Alguns exemplos:

A partir das 20h, eduque sua mente a trazer a concentração para o aqui e agora. Evite embarcar em pensamentos ansiosos do amanhã. Esses pensamentos estimulam o sistema ansiogênico: joga noradrenalina no corpo, aumenta o cortisol (hormônio do estresse) e deixa você em alerta, dificultando o sono.

Antes de dormir, agradeça por algo que aconteceu ao longo do seu dia. Feche os olhos e volte a atenção a, pelo menos, quatro coisas boas que aconteceram. Essa atividade, além de ajudar a desacelerar a mente, produz relaxamento pois cada memória boa está associada a experiências emocionais boas (mais dopamina) e isso ajuda a relaxar.

Tomar um copo de leite morno, além de ativar memórias sensoriais de quando éramos crianças, ajuda a relaxar de dentro para fora por causa da temperatura do leite. Também é rico em triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, que ajuda a relaxar.

Sobre o autor
André Barbosa é psicólogo clínico especializado em terapia cognitivo-comportamental. Escreve mensalmente em blogs e jornais, além de criador e administrador de algumas das maiores páginas do Instagram (@opsicologo) e do Facebook (opsicologooficial) sobre psicologia. Já publicou pela Matrix Editora os livros-caixinha Desafios Comportamentais, Caixinha Antidepressão e Curativo Emocional.

Livro caixinha Qualidade do Sono – 50 práticas para ajudar a dormir melhor – Matrix Editora – Preço: R$ 37,00

Avon e Juliana Rakoza dão três dicas para não borrar a maquiagem ao chorar

A vida é uma caixinha de surpresa e todos estamos sujeitos a ser pegos pela emoção e cair no choro, às vezes, de tanto rir ou em algum momento triste. Dentro do Big Brother Brasil isso é bem perceptível, os confinados ficam mais sensíveis e se emocionam com pequenos e grandes acontecimentos dentro da casa. Essa semana inclusive, algumas pessoas se questionaram o porquê de a Juliette não secar suas lágrimas e sua resposta foi de quem entende tudo de maquiagem.

Para entender melhor como se prevenir dessa situação de quando os sentimentos escorrem em forma de lágrimas, a Avon conversou e pegou dicas incríveis com a maquiadora, influenciadora e vencedora do 24º Prêmio Avon de Maquiagem, Juliana Rakoza, que ensinou três dicas para não borrar a make ao cair no choro, seja vendo o BBB21, um filme triste, ou gargalhando. Confira abaixo:

Escolha os produtos certos
Para aqueles momentos que sabemos que a emoção poderá escorrer em forma de lágrima é preciso escolher os produtos mais adequados, àqueles que serão aliados e não inimigos. Para esse momento a nossa maquiadora recomenda: “Opte sempre por itens à prova d’água – lápis de olho, delineador, máscara de cílios. Isso será fundamental para que a maquiagem não fique manchada de preto ou qualquer outra cor que irá estragar sua produção”, ensina Ju Rakoza.

Não esfregue os olhos
“Quando terminar de chorar, não esfregue ou faça alguma fricção forte sobre os olhos, isso poderá retirar todos os produtos do lugar e deixar a pele manchada. Além do mais, será mais difícil de consertar alguma possível falha, que deverão ser resolvidas com batidinhas”, explica a vencedora do Prêmio Avon de Maquiagem.

Deixe as lágrimas caírem
A dica de ouro que a maquiadora nos ensinou para nunca mais ter problema com as lágrimas é “Deixe-as caírem, nunca esfregar ou passar a mão para limpá-las, pois quando você passa a mão essa água vai tirar todas as camadas que você colocou na sua pele, base, corretivo, pó, blush, entre outros. A lágrima costuma sempre escorrer pelo mesmo lugar, após esse momento de emoção você pode esperar secar e dar batidinhas. Assim, você corrige qualquer falha que possa ter ocorrido na maquiagem, aproveitando um pouco do produto que está ao lado desse caminho que ela percorre”, finaliza.

Sugestão de produtos:


Base Líquida Matte Power Stay (R$ 59,99): possui acabamento matte que dura por 24 horas e mantém aparência fresca. Cobre as imperfeições, olheiras, marcas da pele, marcas avermelhadas, reduz a aparência de poros, possui sensação confortável e combina com o tom de pele, conferindo aparência natural. É indicada para todos os tipos de pele. Fácil de aplicar, a base permite a construção de camadas.

Corretivo Líquido Power Stay (R$ 27,99): com 18 horas de duração, cobre linhas finas, manchas e olheiras. Possui a tecnologia ComforLast que mantém os pigmentos no lugar e garante uma aparência de produto recém aplicado. Com cobertura média a alta, proporciona um acabamento natural e confortável para te acompanhar o dia todo sem transferir ou escorrer.

Lápis Delineador de Longa Duração Avon (R$ 26,99): possui longa duração, não transfere ou borra e o mais incrível: á prova d’água!

Máscara de Cílios Super à prova d’água (R$ 29,99): é composta pelo Complexo Caring Triple Oil: óleos de mamei, amêndoa e rícino, vai manter os cílios elevados e curvados durante todo o dia deixando-os mais pretos e destacados! Máscara com incrível duração de até 12 horas. Resiste ao calor e a umidade. Seu pincel cônico facilita a aplicação alcançando até os fios mais difíceis.

Todos os produtos Avon podem ser adquiridos por meio das revendedoras Avon ou pelo e-commerce

SAC: 0800 708 2866, de segunda a sábado das 8h às 20h

Fotos BBB: 2021 TM Endemol Shine Group B.V sob licença Globo

Primeiro de abril: confira dez mentiras sobre medicamentos

No Dia da Mentira, a Extrafarma desvenda os mitos mais comuns relacionados aos medicamentos

Existem diversos mitos sobre medicamentos que ouvimos durante a nossas vidas. Muitos acabam, algumas vezes, prejudicando o tratamento ou, até mesmo, nos induzindo a erros quem podem acarretar danos importantes para a saúde. Pensando nisso, a farmacêutica da Extrafarma, Ana Emilia Batista, desvendou alguns mitos:

Todos os medicamentos fazem mal ao estômago se tomados em jejum.
Mentira.
Ingerir medicamentos com o estômago vazio pode até facilitar sua absorção pelo organismo, e em alguns casos essa é a recomendação. Mas é preciso tomar cuidado, pois alguns tipos de medicamento com acidez elevada podem, sim, irritar o estômago se tomados em jejum. “O ideal é sempre seguir a recomendação de um médico ou farmacêutico, que estão preparados para identificar o horário mais indicado para a ingestão.

Imagem: Farmacêutico Digital

É seguro tomar medicamentos vencidos se não estiverem com aparência alterada.
Mentira.
Mesmo que a cor e cheiro do medicamento estiverem sem alterações, sua ingestão não é indicada se o prazo de validade estiver expirado. Isso porque não há estudos confiáveis que indiquem que os medicamentos mantêm sua eficácia após o prazo recomendado. Em alguns casos, o consumo pode ser até prejudicial para a saúde, provocando reações adversas no organismo.

Stock Photos

Não é preciso completar o tratamento se os sintomas desaparecerem.
Mentira.
O fim dos sintomas não indica a cura da doença. Em muitos casos, como em tratamentos que exigem antibióticos, a interrupção do tratamento antes do tempo indicado pelo médico pode até tornar as bactérias mais resistentes.

O melhor local para guardar os medicamentos é o banheiro, para que estejam sempre à vista.
Mentira.
Por ser um local úmido, e muitas vezes abafado, o banheiro não é a opção ideal para manter os medicamentos. Para que não tenham sua composição alterada, os medicamentos devem ser mantidos em local fresco e arejado, longe da luz e de fontes de calor.

Pixabay

Vitamina vencida não perde o efeito.
Mentira.
O princípio é o mesmo. Quando o laboratório vende um composto vitamínico, ele assegura que as vitaminas funcionarão como esperado se for consumida conforme a orientação médica e dentro do prazo de validade. Após o vencimento, pode haver alterações na fórmula e perda de efeito.

Pixabay

Colírios podem ser usados até seu vencimento.
Mentira.
Muitos colírios não contêm conservantes para evitar problemas de irritação ocular. Desta forma, após aberto, o colírio deve ser utilizado conforme orientação médica e descartado ao final do tratamento, ainda que esteja dentro do prazo de validade.

Medicamentos genéricos são menos eficientes.
Mentira.
Todos os medicamentos genéricos devem ter sua equivalência comprovada em laboratório, conforme determina a legislação. Isso significa que os genéricos têm a mesma eficiência que os remédios de referência, que são certificados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

iStock

Injeções são mais eficientes que comprimidos.
Mentira.
Na verdade, trata-se de uma informação desatualizada. Algumas décadas atrás, os comprimidos tinham uma biodisponibilidade (porcentual de aproveitamento de uma substância pelo organismo) que variava entre 40% e 60%, enquanto a das injeções era de aproximadamente 80%. Porém, com os diversos avanços da indústria farmacêutica nos últimos anos, a biodisponibilidade dos comprimidos atuais varia entre 90% e 95%.

Fonte: Extrafarma

Saiba mais sobre o processo de luto e entenda como lidar com ele

O luto é um conjunto de reações humanas relacionadas a uma morte simbólica ou real que causa impacto significativo na vida de alguém. Cada um se enluta à sua maneira e todos que enfrentam a dor do luto vivem cada um desses processos de maneira singular.

Saiba mais neste artigo escrito pela psicóloga e psicopedagoga, Karina Okajima Fukumitsu.

Luto Coletivo

O luto coletivo é outro conceito importante e que vem sendo observado nos momentos atuais, em razão do aumento no número de vítimas da Covid-19, só no Brasil, ultrapassamos o número de 300 mil mortes, até o momento. Não é por acaso que observamos um aumento expressivo do sofrimento existencial. Neste artigo, falaremos sobre o processo de luto, as principais dificuldades e maneiras para preservar sua saúde existencial. Acompanhe e entenda.

Em meu livro “Suicídio e luto: histórias de filhos sobreviventes” (Lobo Editora, 2020) discorro sobre um novo paradigma tanto para a compreensão quanto para a intervenção do processo de luto, o modelo de processo dual do luto ou Dual Process Model of Grief, DPM (Stroebe; Schut, 1999, tradução nossa), proposto por Margaret Stroebe, por seu marido Wolfgang Stroebe e pelo assistente Henk Schut, apresentado em 1994, em uma conferência na Grã-Bretanha, e com a primeira publicação em 1999, por meio do artigo “The Dual Process Model of Coping with Bereavement: Rationale and Description”.

O modelo, que coloca em questão as fases do processo de luto descritas em estudos anteriores, traz reflexões acerca do redimensionamento dos papéis e tarefas sociais e considera o luto um processo que envolve a constante oscilação entre dois estressores ambivalentes – a “orientação para perda” e a “orientação para a restauração”. Dessa maneira, oferece possibilidades para a compreensão do luto como um processo dinâmico e regulador de enfrentamento e conciliação com novos papéis (Parkes, 1998; Cândido, 2011).

Além de lidar com a morte da pessoa, o enlutado se vê diante do impacto da ausência e, por isso, situações que se referem à elaboração da perda de per si e o imenso desejo de restaurar a vinculação com o morto serão vivenciados na “orientação para a perda”. Posteriormente, a busca da restauração da vida começa a emergir. Nesse sentido, o redimensionamento e a descoberta de papéis, a busca de reorganização prevalecem. É importante salientar que a oscilação entre “voltar-se para a perda” e “voltar-se para a restauração” permite que o enlutado encontre significados e que possa, dialeticamente, compreender seu processo de luto (Fukumitsu, 2020, p. 51).

Na pandemia, temos notado um número crescente de pessoas afetadas. Nesse caso, não só quem teve de passar pela experiência da morte de seus familiares e amigos, mas também pessoas que apresentam dificuldade para lidar com esse momento tão difícil. Estamos em crise e, como supramencionado, reagimos de maneiras diferentes. Maya Angelou tem uma frase que acredito ser pungente para este momento de nossas vidas: “Você não pode controlar todos os eventos que acontecem com você, mas você pode decidir a não ser reduzido por estes eventos” (You may not control all the events that happen to you, but you can decide not to be reduced by them).

Não podemos nos autorizar a sucumbir nesta crise pandêmica e o processo de luto é a possibilidade de respondermos a toda situação que vai na contramão de nossas expectativas e desejos.

Elizabeth Kübler-Ross, uma das autoras que faz parte do acervo de minhas diretrizes nos estudos sobre luto, foi uma profissional que se dedicava ao acompanhamento de pacientes na proximidade da morte. Kübler- Ross (1997) propõe fases do lidar com o luto: choque, negação, revolta e raiva, luto e dor, barganha com Deus, tristeza, aceitação (p.161). Mas, como percebo o luto como processo de crise existencial, explicarei a compreensão sobre este processo.

No luto não usamos maquiagem

“No luto não usamos maquiagem” -, é a frase recorrente que menciono em meus cursos. Digo isso, pois acredito que o luto é o momento mais puro que a pessoa pode se apresentar. A dor do luto não nos permite mascarar o que sentimos. Cada um enfrentará sua travessia de sofrimento. Para tanto, é preciso considerar alguns sentimentos que fazem com que a gente sinta que está no primeiro carinho de uma montanha russa.

Em virtude de a morte de alguém que amamos trazer impactos que não temos dimensão de suas consequências, não é raro ouvir que ao receberem a notícia de morte, alguns relatam o momento do choque. Nesta fase, o enlutado vive um período de estado de ameaça constante no qual existe uma confusão acerca da realidade e descrença de que aquilo está realmente acontecendo. Podemos dizer que, nesse momento, ocorre uma sensação semelhante a uma anestesia, uma proteção do próprio organismo para ajudar o enlutado a dar os primeiros passos nessa nova realidade. Nesse sentido, também não devemos julgar quem nega, pois “o sentido pertence ao ‘sentidor’, aquele que sente a dor” (Fukumitsu, 2014, p. 59).

Lidar com situações que nos fazem sentir impotentes provoca raiva. Nessa direção, é comum que pessoas em processo de luto se dê conta de sua indignação em relação ao que foi impactado. O organismo produz uma substância chamada novocaína, que é responsável por eliminar aquele amortecimento temporário inicial. Desaparecendo a sensação de anestesia, a pessoa começa a ter de lidar com a sensação de agonia física e mental. Dessa forma, a fadiga e dificuldade de executar tarefas simples são expressivas neste momento. Sendo assim, a pessoa em luto tenta resguardar as poucas energias que lhe parecem restar. Quando a pessoa não consegue mais executar as tarefas comuns do seu dia a dia, se sente prostrada e sem motivação para continuar, é um sinal de alerta para buscar ajuda profissional.

Quais são as principais dificuldades no processo de luto?

Certo dia, ouvi Teresa Vera Gouvêa dizendo que atualmente não se fala mais sobre “aceitação do luto”, mas sim, em “adaptação à situação adversa”.

No caso específico da pandemia que estamos vivendo, a sensação de incerteza e incapacidade toma conta de muitas pessoas. Uma mudança brusca na realidade conhecida pode ser relacionada com o luto, pois houve a perda do mundo presumido. Isso quer dizer que o luto se aplica não só ao falecimento de um ente querido, mas também acontece em situações de mortes simbólicas, tais como, a mudança de estilo de vida como a que estamos vivenciando com a pandemia.

Aceitar o que aconteceu não significa concordar com o evento. A pessoa enlutada busca forças para lhe dar impulso para a nova configuração da vida que se instala. A mudança nas atitudes é lenta e gradual, e a reapropriação de atitudes e a restauração de nossa existência vêm aos poucos.

A passagem da transformação da dor em amor ou processo de extrair flor de pedra se inicia.

Extrair flor de pedra é, portanto, a possibilidade de a pessoa exercitar sua capacidade de transcendência. Ou seja, quando a pessoa extrai o conhecimento que não aprendeu com ninguém e apresenta uma ação criativa para oferecer algo generoso e amoroso para a humanidade, por exemplo, quando uma pessoa oferece cuidados que nunca recebeu aos outros, encontrando assim, um sentido para sua vida (Fukumitsu, 2019, p. 189).

Nesse sentido, extrair flor de pedra significa perdoar a si mesmo por ter de lidar com a situação e aceitar que a perda de fato aconteceu representa esforço hercúleo e que nos auxilia a resgatar os bons momentos que a morte não é capaz de furtar.

O luto envolve um longo caminho a ser trilhado e a passagem por vários momentos áridos. Não existe um prazo para superar o luto, tampouco uma fórmula para se viver a experiência do luto, porque isso varia significativamente de uma pessoa para outra. A dor une e muitas vezes, buscar um profissional da área de saúde mental pode ajudar.

Parkes (1998, p.22-3) ensina que a dor do luto é tanto parte da vida quanto a alegria de viver; é, talvez, o preço que pagamos pelo amor, o preço do compromisso. Ignorar este fato ou fingir que não é bem assim é cegar-se emocionalmente, de maneira a ficar despreparado para as perdas que irão inevitavelmente ocorrer em nossa vida, e também para ajudar os outros a enfrentar suas próprias perdas.

O processo de luto faz com que a pessoa perceba que existem enfrentamentos diversos e que novas possibilidades devem ser estabelecidas para que a vida continue. Nunca somos os mesmos após uma perda, seja ela real ou simbólica. A vida é arte que leva tempo para continuar a viver, construindo novos laços e guardando na memória os bons momentos e a experiência que a pessoa falecida proporcionou. Repito. Nenhuma morte deve furtar as histórias e as experiências que tivemos com quem partiu.

Se você está passando por um processo de luto ou conhece alguém nessa situação, busque orientação profissional.

Karina Okajima Fukumitsu é psicóloga, psicopedagoga e Pós-doutorado e doutorado em Psicologia pelo Instituto de Psicologia (USP). Mestre em Psicologia Clínica pela Michigan School of Professional Psychology. Coordenadora da Pós-graduação em “Suicidologia: Prevenção e Posvenção, Processos Autodestrutivos e Luto” da Universidade Municipal São Caetano do Sul. Coordenadora, em parceria, da Pós-graduação “Morte e psicologia: promoção da saúde e clínica ampliada”; coordenadora, em parceria, da Pós-graduação “Abordagem Clínica e Institucional em Gestalt-terapia” da Universidade Cruzeiro do Sul. Membro-efetivo do Departamento de Gestalt-terapia do Instituto Sedes Sapientiae e co-editora da Revista de Gestalt do Departamento de Gestalt-terapia do Instituto Sedes Sapientiae. Podcaster “Se tem vida, tem jeito”. Consultora ad hoc do hospital Santa Mônica.

Fundação Dom Cabral e Hype50+ lançam estudo sobre impacto da longevidade na sociedade brasileira

Para investigar os múltiplos impactos sociais da extensão de vida do brasileiro, o FDC Longevidade – projeto desenvolvido pela Fundação Dom Cabral (FDC) com apoio técnico da Hype50+ e patrocínio da Unimed-BH – lança o TrendBook Sociedade.

Quais são as 10 profissões do futuro quando pensamos na longevidade dos brasileiros e na necessidade de criar oportunidades novas de trabalho associadas a novas demandas demográficas? Essa é uma das perguntas respondidas pelo TrendBook Sociedade. Embora as previsões do impacto da longevidade descrevam cenários de 2030 ou 2050, a realidade de 2021 já revela os efeitos do envelhecimento em diversas áreas, inclusive, na atividade profissional.

A carreira que mais cresceu na última década foi a de cuidador de idosos. Em dez anos, o Brasil passou de 5.263 cuidadores (2007) para 34.051, em 2017 – segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No entanto, apesar do crescimento de 547% no número de profissionais, a regulamentação e a velocidade de formação dos cuidadores não acompanham a necessidade de cuidado da população madura. Para  ver todo o estudo, clique aqui. 

A lacuna se repete, também, em outras profissões. Hoje, o Brasil tem um déficit de 28 mil geriatras; em Estados como Acre, Amapá e Roraima, o número de profissionais não passa de cinco, de acordo com dados do Ministério da Saúde e IBGE (PNAD | 2017). O TrendBook Sociedade, um mapeamento que compõe o terceiro eixo do projeto FDC Longevidade – iniciativa da Fundação Dom Cabral (FDC) com apoio técnico da Hype50+ e patrocínio da Unimed-BH – reflete que o descompasso tem uma raiz.

Para surgirem novos profissionais, é preciso uma formação em massa da força de trabalho. A limitação de cursos e grades curriculares, especialmente na área da saúde, que contemplem as necessidades do envelhecimento, é um dos maiores gargalos para atender às demandas do país. Até 2017, por exemplo, apenas duas universidades brasileiras ofereciam uma graduação em Gerontologia, segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 

Em contrapartida, novas profissões nascem para atender às pessoas, mostrando mais uma vez que a sociedade caminha mais rápido que qualquer instituição. Dessa forma, uma carreira inexistente hoje pode ser a dos sonhos de quem prestar vestibular em 2030. O TrendBook Sociedade traz uma lista das 10 profissões ligadas à longevidade populacional. O estudo completo traz, ainda, análises aprofundadas sobre o impacto do envelhecimento populacional na sociedade; os capítulos do estudo investigam dimensões como as novas sociedades envelhecidas; cenários prateados; trabalho e previdência versus extensão da vida; mercado de trabalho; e mapa social da longevidade. Destaque, também, para entrevistas exclusivas com o gerontologista Alexandre Kalache e o economista Roberto Teixeira da Costa, além de artigo de Flávia Ranieri, arquiteta com especialização em Gerontologia, que compõem o conteúdo.

Longevidade: desafios e oportunidades

Foto: Meetcaregivers

De acordo com Michelle Queiroz, professora-associada da FDC e coordenadora do FDC Longevidade, o expressivo aumento da expectativa de vida, considerada uma conquista da humanidade, gera impactos profundos na sociedade que podem, inclusive, serem analisados a partir de inúmeras perspectivas.

“No recorte desta publicação, optamos por priorizar alguns dos principais desafios no campo do etarismo, previdência, trabalho e desigualdade social e, também, trouxemos exemplos de soluções e atores que fazem acontecer dentro deste ecossistema. Apesar de termos capítulos segmentados, facilitando a compreensão dos temas, na vida as linhas que as separam são quase inexistentes. Nossa intenção é descortinar olhares para uma visão integrada das diferentes dimensões de impacto, contribuindo para despertar o valor do engajamento social!”, avalia a especialista.

Segundo Layla Vallias – especialista em Economia Prateada, cofundadora da Hype50+ e Janno, coordenadora do estudo Tsunami Prateado (maior mapeamento brasileiro sobre longevidade) –, a prática de inovação, empreendedorismo e pesquisa de tendências traz o desafio de disseminar entre os gestores de grandes marcas, indústrias e governos dados que comprovam o quanto o envelhecimento da população apresenta oportunidades reais. “A revolução que estamos vivendo nos obriga a revisitar conceitos, quebrar padrões e discutir tabus. Para os mais estratégicos, é nesse oceano azul da longevidade que residem as grandes oportunidades para o futuro”, afirma.

Do ponto de vista do mercado de trabalho à luz da longevidade, a especialista aponta que as perspectivas são igualmente boas. “Todos os mercados e setores de trabalho serão profundamente impactados pelo envelhecimento da população; quem antes observar essa realidade e se preparar para atendê-la, sai na frente. Esse é um caminho sem volta: todos os profissionais, da saúde à hotelaria, da indústria de beleza à moradia deverão ser, necessariamente, profissionais capacitados para a longevidade”, defende.

Para o diretor-presidente da Unimed-BH, Samuel Flam, a longevidade ressignificou a forma como vemos a realidade. “Hoje, não estamos apenas vivendo mais; estamos vivendo com qualidade, mantendo a produtividade e cultivando hábitos saudáveis. Como empresa de saúde, a Unimed Belo Horizonte está atenta a esse cenário e vem contribuindo, há quase 50 anos, para promover mais saúde e qualidade de vida para a população com mais de 60 anos. Afinal, nossa vocação e nosso propósito são cuidar de pessoas. Por isso, para nós, é uma grande honra contribuir com este projeto, capitaneado pela Fundação Dom Cabral, com o objetivo de colocar a longevidade em perspectiva. Conhecer melhor essa geração, da qual faço parte, é fundamental para que possamos, dentro do que é possível, projetar o amanhã. Estamos certos de que esta pesquisa traduz o espírito de nosso tempo e servirá como importante insumo para o futuro”, analisa.

Insights do estudo

| 10 Profissões do futuro para cuidar do envelhecimento

Novas profissões nascem para atender às pessoas, mostrando mais uma vez que a sociedade caminha mais rápido que qualquer instituição. Dessa forma, uma profissão inexistente hoje pode ser a carreira dos sonhos de quem prestar vestibular em 2030. O TrendBook Sociedade traz uma lista das 10 profissões ligadas à longevidade populacional.

  1. Cuidador de Idosos | Responsável por auxiliar nas tarefas domésticas para garantir o bem-estar da pessoa idosa. Higiene pessoal, suporte no cuidado médico e acompanhamento em consultas são atribuições do trabalho.  Média salarial: R$ 1.271,82
  2. Geriatra | Esse profissional é o médico especialista no tratamento de idosos, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da longevidade. Atua ao lado de enfermeiros, fisioterapeutas e educadores físicos. Média salarial: R$ 8.271,27
  3. Gerontólogo| A Gerontologia estuda o processo de envelhecimento pela perspectiva social, psicológica e biológica. Média salarial: R$ 3.793,25
  4. Terapeuta ocupacional | Costuma trabalhar em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), clínicas e hospitais, apoiando os maduros a manter sua autonomia na sua rotina, a partir das habilidades, limitações e reservas de saúde de cada pessoa. Média salarial:  R$ 2.598,45
  5. Conselheiro de aposentadoria |Essa é uma das 10 tendências de profissão do futuro, segundo a Fundação Instituto Administração (FIA). Além do planejamento financeiro, esse profissional apoia na decisão de alternativas de investimento, escolha de plano de saúde, plano de carreira e programação do tempo. Média salarial: Não há.
  6. Consultor de bem-estar para idosos | Interdisciplinar, sem uma formação própria, essa profissão combina conhecimentos diversos de finanças, recursos humanos e até saúde e bem-estar. Pessoas formadas em Gerontologia ou terapia ocupacional podem exercê-la. Média salarial: Não há.
  7. Bioinformacionista | Vindo da Biomedicina, esse profissional combina as informações genéticas com a metodologia clínica para desenvolver medicamentos personalizados cada vez mais eficientes para doenças genéticas. Média salarial: Entre R$ 4 mil e R$ 7 mil.
  8. Cuidador remoto | Conhecido como Walker/Talker, por meio de uma plataforma on-line, essa pessoa é contratada para passar um tempo com os maduros, praticando a escuta ativa e a conversa, para diminuir a solidão e manter ativa sua sociabilidade. Média salarial: Não há.
  9. Curador de memórias pessoais | O trabalho envolve desde a investigação de notícias e biografias para pessoas que perderam a memória até criação de biografias, perfis póstumos, histórias de famílias e empresas. O resultado pode ser entregue na forma de livro, filme ou uma experiência em realidade virtual. Média salarial: Não há, mas o piso cobrado pelo trabalho é de R$ 1 mil.
  10. Especialista em adaptação de casa | Com a tendência de Aging in Place, é cada vez mais necessária a adaptação de casas de família para atender às necessidades dos idosos. As modificações vão do tipo de piso à altura da prateleira, largura dos corredores e adaptação do banheiro. Média salarial: Não há, mas pode ser comparada a de um arquiteto ou gerontólogo.

Trabalho e Previdência Versus Extensão da Vida

Mabel Amber/Pixabay

No capítulo, O Bê-á-Bá da Previdência, o TrendBook Sociedade traz uma análise sobre o sistema previdenciário nacional – um pacto entre gerações no qual trabalhadores de hoje são os responsáveis por custear a aposentadoria daqueles que saíram do mercado de trabalho – e a relação futura com o aumento da longevidade populacional. Em 1980, a proporção era de 9,2 pessoas em idade ativa trabalhando para cada aposentado; em 2060 serão 1,6 trabalhador para cada idoso. Na prática, há grandes desafios no modelo da previdência nacional, sendo o aumento da taxa do envelhecimento um dos principais.

Em entrevista ao estudo, o economista Roberto Teixeira da Costa analisa formas de encarar a aposentadoria e aponta como os brasileiros de diferentes gerações podem se preparar para o futuro. “Acredito que deveríamos criar mecanismos para redistribuição de renda para aposentados; recursos que mitiguem os problemas causados pela desigualdade”, avalia.
Estamos diante de uma condição social inédita. A geração baby boomer é a primeira a ingressar na aposentadoria em uma era em que as pessoas vivem mais de 100 anos.

O estudo analisa as previdências sociais pelo mundo e traz o Índice Global de Pensões, que aponta que muitos países estão promovendo mudanças em direção a sistemas mais sustentáveis. Entre as medidas comuns, aumento da idade para se aposentar; aumento do nível de poupança (dentro e fora dos fundos de pensão); ampliação da cobertura de pensões privadas para toda a força de trabalho, incluindo autônomos e contratados; preservar os fundos de aposentadoria, limitando o acesso aos benefícios antes da idade de aposentadoria; e aumento da confiança de todas as partes interessadas por meio da transparência dos planos de pensão.

As novas sociedades envelhecidas

Free Images

No capítulo, destaque para O Telhado Branco do Mundo que analisa A Década do Envelhecimento Saudável – parte da Estratégia Global sobre o Envelhecimento e a Saúde, da Organização Mundial da Saúde (OMS). O documento recomenda que até 2030 seja conduzido um plano de colaboração combinada, catalítica e sustentada em prol da temática. Um alerta pertinente recai para a questão de gênero. As mulheres costumam viver mais do que os homens; em 2017, elas eram 64% da população mundial 60+, sendo que 61% tinham mais de 80 anos.

As que nascerem entre 2020 e 2030 terão uma expectativa de vida de três anos a mais do que os homens nascidos no mesmo período. Entretanto, o estudo mostra que as mulheres maduras são mais pobres; têm menos economias e ativos que os homens por conta de uma jornada de vida de discriminação – algo que afeta a equidade de oportunidades.

Entre os países que integram a Organização para a Cooperação de Desenvolvimento Econômico (OCDE), a pensão paga às mulheres é, em média, 27% menor do que a dos homens. As maduras estão, em algumas partes do mundo, entre as mais vulneráveis à pobreza e em desvantagem quando o assunto abarca propriedades e heranças de terras. Por conta das barreiras educacionais, as mulheres são desproporcionalmente afetadas pela automação das funções, pelas mudanças tecnológicas e pela inteligência artificial. A força de trabalho feminina compõe o maior número de cuidadores não remunerados, incluindo o setor informal.

Preconceito contra um futuro longevo

O ageísmo está dentro de casa, nas ruas e nas empresas. Na pandemia, o grupo de 60+ foi o mais atingido pelo desemprego: mais de 1,3 milhão de pessoas com sessenta anos ou mais deixaram de trabalhar ou de procurar emprego, o que representa 64% dos brasileiros sem uma colocação profissional. Para a geriatra Karla Giacomin, vice-presidente do Centro de Longevidade Internacional-Brasil (ILC-Brazil), a invisibilidade no processo do envelhecimento e dos direitos relacionados à velhice prejudica a inclusão do tema nas pautas políticas.

Preparar o mundo para o envelhecimento

Foto: MedicalNewsToday

Cresce o número de cidadãos acima de 60 anos nas zonas urbanas do mundo; os governantes precisam levar em consideração as necessidades e demandas dessa população prateada. O estudo mostra que o número de pessoas 60+ irá crescer 16 vezes até 2050. Para auxiliar governos e países a criarem um ambiente age-friendly, a OMS criou um guia com diretrizes de como transformar cidades em espaços onde pessoas de todas as idades possam viver de forma saudável. O TrendBook Sociedade analisa as recomendações nos tópicos Engajamento social, Serviços municipais e Infraestrutura.

Cada vez mais sozinhos. No Brasil, já são mais de 4 milhões de 60+ que vivem sozinhos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); na cidade de São Paulo, dos mais de 1,8 milhão de idosos, 290.771 (16%) vivem sozinhos; desses, 22.680 têm mais de 90 anos. O estudo traz um mapa, por Estado, dos sessenta mais que residem sozinhos.

Cenários prateados

Na análise, iniciativas em vários países que mostram a adaptação das sociedades à conquista da longevidade. Prédios públicos, transporte, moradia, participação social, trabalho e engajamento cívico, comunicação e informação. Além disso, traz um ranking das melhores cidades brasileiras para viver após os sessenta anos: São Caetano do Sul, São Paulo (longevidade e bem-estar); São Paulo, capital (finanças); Atibaia, São Paulo (habitação); Birigui, São Paulo (educação e trabalho); Caraguatatuba, São Paulo (cultura e engajamento); Brusque, Santa Catarina (qualidade de vida); e Campo Largo, Paraná (cuidados com a saúde).

Ecossistema social da longevidade

Na análise, iniciativas de governos, empresas, sociedade civil, coletivos e indivíduos têm apoiado o envelhecimento do país em prol da qualidade de vida dos sessenta mais.
Embora as iniciativas sejam pontuais e muito associadas à saúde, despontam ações que ampliam o repertório governamental para abarcar setores como cultura, lazer e habitação. Por outro lado, a sociedade civil se mobiliza com iniciativas criativas para combater uma ameaça da longevidade, sobretudo em tempos de pandemia: a solidão. Incluir o idoso na ágora pública tende a ser a resposta dada por muitas das iniciativas, tanto governamentais quanto da sociedade civil.

Um aspecto interessante trazido pelo inusitado contexto de distanciamento social foi a nova dimensão de compreensão social do papel e dos desafios enfrentados pelos mais velhos na sociedade. De invisíveis, eles passaram a ser vistos como um grupo de risco que deveria ser protegido. Nesse cenário, muitos cidadãos decidiram conduzir iniciativas para combater o isolamento e o etarismo; ações para incluir os longevos de maneiras possíveis e seguras. Surgindo a partir do interesse de um indivíduo, de uma família, de uma comunidade, de uma universidade, de uma empresa ou até de uma rede internacional. O estudo traz iniciativas brasileiras como a Vila do Idoso (São Paulo); SESC (atividades culturais e esportivas); Governo da Paraíba (moradia); Brasília, Distrito Federal (Sua Vida Vale Muito); Me pede que eu canto (Rio de Janeiro, iniciativa da sociedade civil); Meninas de Sinhá (Belo Horizonte, Minas Gerais), entre outros. No Mapa Social da Longevidade, perfis de pessoas que estão transformando a forma de envelhecer no país.

Fonte: Hype50+

Em novo livro, Padre Fábio de Melo fala sobre viver e morrer

Em novo livro “A hora da essência”, ele analisa a importância de se reconciliar com si mesmo e valorizar a vida antes que seja tarde demais

Analisar a vida, a partir da perspectiva da morte, é o tema do novo livro do Padre Fábio de Melo. Publicado pela Editora Planeta, A hora da Essência sugere a importância de cuidar de si mesmo em toda a existência, e não somente quando se está prestes a morrer.

As reflexões surgem por meio da comovente história de uma paciente com câncer, Sofia, e suas conversas com uma das enfermeiras, Ana. Mesmo de férias, esta decide cuidar da recém-chegada ao hospital para tratamento, com um fim anunciado pelo diagnóstico médico. A partir deste encontro, entre sorrisos e lágrimas, uma nova perspectiva se apresenta para a paciente.

As mãos de Ana dançam delicadamente sobre a minha cabeça. O carinho me devolve ao tempo em que me deitava no colo de meu pai. Ele tinha o hábito de fazer carinho em mim, assim como agora Ana o faz. A ternura dos gestos ultrapassa o corpo que recebe. É na alma que ele derrama seus melhores efeitos. A mão que afaga acorda o que em mim é imaterial. (A hora da essência, p. 45)

A partir da percepção de Sofia sobre seu estado de saúde, a relação com a enfermeira e os diálogos entre as protagonistas, a narrativa aprofunda questões que antecedem a doença. Ao longo do livro, a paciente-narradora resgata também as dolorosas recordações sobre as escolhas feitas, principalmente em torno do filho e o abandono do ex-marido.

A hora da essência é prefaciada pela médica e também escritora Ana Cláudia Quintana Arantes, a quem o padre dedica a obra. Autora do best-seller A morte é um dia que vale a pena viver, Ana afirma que, diante da morte, não é possível viver a partir de teorias. “A verdade não é uma teoria, é uma experiência”. Tanto é que Sofia, antes de morrer, toma atitudes para recuperar o que havia deixado para trás.

De vez em quando a vida nos surpreende em absoluto desgoverno. Tudo fora, alheio, exilado. Mas há outros momentos em que nos surpreende em absoluta concordância. Tudo dentro, consciente e reconciliado. A hora da essência talvez seja isso. O turno da vida em que a liturgia das horas nos põe num caminho só: o que nos faz chegar a nós mesmos. (A hora da essência, p. 87)

Sinopse

A hora da essência relata a conversa de duas mulheres, uma delas em vias de morrer. Por meio da conversa entre as duas, padre Fábio propõe uma análise sobre a vida, o que podemos fazer para viver melhor e como é viver a essência – não deixando para cuidar da vida só às vésperas de morrer. Uma das mulheres descobre um câncer incurável, é hospitalizada e, no hospital, conhece uma enfermeira com quem conversa sobre a sua vida, escolhas, etc. Ainda antes de morrer, toma atitudes para recuperar o que havia deixado para trás ou perdido..

Sobre o autor

Foto: Kleber-Alepereira

Padre Fábio de Melo é mineiro da cidade de Formiga, graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado em Educação e mestre em Teologia Sistemática. Ele se dedica ao trabalho de evangelização pela arte em diversas áreas de atuação: padre, professor universitário, escritor, cantor e compositor. É autor de vários livros, entre eles: Tempo de Esperas, Orfandades, É sagrado viver, Quem me roubou

A hora da essência
Autor: Padre Fábio de Melo
Editora: Planeta
Páginas: 264 páginas
Formato: 16×23 brochura
Preço: R$ 54,90
Link de pré-venda: Livrarias Curitiba

Dicas para aplicar Feng Shui em casa

Consultora holística de organização e interiores do GetNinjas explica como renovar a energia do lar

A pandemia fez com que os brasileiros passassem mais tempo em casa por conta do trabalho e estudo remoto, bem como por causa da reclusão. Sem a correria, as pessoas perceberam como seus lares interferem no seu bem-estar e para tornar os ambientes mais confortáveis e agradáveis, uma solução é investir em uma repaginada na decoração e se aprofundar no Feng Shui, técnica chinesa milenar de harmonização dos espaços.

Para ajudar aqueles que querem equilibrar a energia da casa, a Karis Brito, consultora holística de organização e interiores em São Paulo cadastrada no GetNinjas, selecionou quatro dicas sobre a aplicação do Feng Shui.

O que é

Primeiramente, Karis esclarece que Feng Shui não tem nenhuma ligação com religião. Trata-se de uma técnica chinesa milenar de harmonização dos espaços. Com o Feng Shui é possível identificar padrões vibratórios de energia de um determinado local — por meio da leitura da planta baixa e da observação – e harmonizar seus espaços garantindo bem-estar e equilíbrio mental e espiritual para os moradores do imóvel.

Benefícios

“A nossa casa é como a nossa alma, reflete nossa essência e nosso estado de espírito!”, explica a consultora. Sendo assim, ao harmonizar a energia do lar com o Feng Shui, os moradores podem ter inúmeros benefícios, tais como: ter mais saúde, melhorar a carreira, obter prosperidade, ter mais criatividade e concentração, solucionar problemas de relacionamento, conquistar realização pessoal, aumentar o foco e cultivar o otimismo. Entretanto, o primeiro passo para conquistar tais benefícios é depositar intenção e confiança ao seguir o Feng Shui.

Home Office

“No home office é importante que a mesa esteja posicionada de uma forma em que a pessoa sentada veja quem está entrando no local; é o que chamamos de posição de comando. Precisamos estar na posição de comando para que nossa vida flua e a gente consiga tomar as rédeas da vida. Porém é preciso evitar que o móvel fique de costas para a janela, pois essa é uma posição desfavorável para o sucesso. Outra posição que deve ser evitada é a de manter a mesa de frente para a porta de entrada, pois dessa forma, há muito desgaste de energia e a pessoa pode se sentir cansada e ter falta de foco e ânimo para trabalhar”, aconselha Karis.O que evitar

Há algumas arrumações e organizações de móveis que devem ser evitadas e que são fáceis de reproduzir na casa, tais como: posicionar o sofá de costas para a porta de entrada ou posicionar sofá, cama, mesa de costas para a janela. Segundo o Feng Shui, a cozinha e o fogão simbolizam prosperidade, e por isso, é preferível manter o espaço sempre limpo e evitar usar apenas uma das bocas do eletrodoméstico.

Fonte: GetNinjas

Dia Mundial da Água: mais de 6 milhões de famílias brasileiras não recebem água encanada

ONG faz alerta para a falta de acesso a esse recurso em meio à segunda onda da pandemia

Hoje, no Dia Mundial da Água (22), o acesso a esse importante recurso natural é celebrado. Com dia instituído em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e protagonista de um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS 6), o direito à água segue sendo negado a milhões de pessoas no mundo todo. No Brasil, 6,1 milhões das casas brasileiras não contam com abastecimento diário de água (IBGE, 2019). São 18,4 milhões de brasileiros sem poder lavar as mãos e se higienizar todos os dias. Situação que é agravada pela segunda, e mais forte, onda da pandemia do Coronavírus.

Pia comunitária instalada em São Paulo -foto: Bianca Moreira/Habitat Brasil

Diante desse cenário, a Habitat para a Humanidade Brasil, organização que atua para combater as desigualdades e garantir que pessoas em condições de pobreza tenham um lugar digno para viver, segue trabalhando para apoiar quem mais está sendo impactado pela pandemia.

ClipStock

Desde o ano passado, a organização vem desenvolvendo projetos com foco em acesso à água, saneamento básico e higienização. Mais de 450 pias comunitárias já foram instaladas em favelas e regiões periféricas para que mais de 130 mil pessoas possam higienizar as mãos todos os dias. A Habitat Brasil também está beneficiando famílias de baixa renda com melhorias em suas casas a fim de eliminar as precariedades que podem agravar a transmissão do novo vírus. As obras emergências vão desde a instalação de caixas d’água, como a reforma de banheiros, e adequação nas casas para melhorar a circulação de ar. Talita mora na comunidade do Boqueirão, em São Paulo, e foi uma das beneficiadas pelo projeto.

Talita posa em frente ao novo baheiro – Foto: Bianca Moreira/Habitat Brasil

“Minhas crianças tinham medo de usar o vaso porque ele não estava bem fixado, tinham medo de usar o banheiro à noite porque não tinha luz de madrugada. Antes nem pia tinha pra gente escovar os dentes. A gente tinha que escovar no chuveiro. Também não tinha descarga, toda vez que a gente usava o banheiro tínhamos que encher um balde. A Habitat reformou tudo. Eu agradeço imensamente. Essa reforma fez muita diferença na minha vida e na dos meus filhos”, conta Talita. Cerca de 110 famílias já foram atendidas desde setembro de 2020.

No Nordeste, a organização ainda atua com a construção de cisternas para coleta e armazenamento da água da chuva. Mais de 500 cisternas já foram construídas na região do semiárido pernambucano, beneficiando famílias que convivem com a seca.

“Além disso, seguimos monitorando e pautando o poder público pela garantia desses direitos. Neste Dia Mundial da Água, queremos lembrar que a democratização do saneamento básico e da água potável são demandas urgentes do nosso país e não descansaremos até que esses direitos sejam garantidos a todas e todos”, conclui Socorro Leite, Diretora Executiva da Habitat para a Humanidade Brasil.

Sobre a Habitat para a Humanidade Brasil

Habitat para a Humanidade Brasil é uma organização da sociedade civil que, desde 1992, atua para combater as desigualdades e garantir que pessoas em condições de pobreza tenham um lugar digno para viver. Presente em mais de 70 países, a organização promove incidência em políticas públicas pelo direito à cidade e soluções de acesso à moradia, água e saneamento, em articulação com diversos setores e comunidades.

A importância de estimular a beleza natural e de saber dosar procedimentos estéticos

Aplicativos que mudam a aparência podem ocasionar insatisfação com a imagem e a busca por aparência perfeita irreal

De um lado, uma avalanche de filtros “embelezadores” no Instagram; de outro, alguém descontente com sua aparência real. Pronto! A situação perfeita para riscos tanto físicos como psicológicos que podem, ainda, dar origem a vários problemas, entre os quais está o transtorno disfórmico corporal, ou seja, vê defeitos onde não existem ou se incomoda demais com certas características na frente do espelho.

Como explica a diretora clínica da rede Meu Dermato, Daniella Cury, a busca de uma beleza ideal, irretocável, seguindo padrões impostos pela mídia do corpo e rosto perfeitos é ilusória, irreal. “Buscar melhorar algumas áreas com a proposta de sentir-se bem, é ótimo. O problema é maximizar o que é belo o tempo todo e atrelar que somente com uma boca carnuda, uma pele totalmente lisa sem rugas, olhos amendoados, e uma série de procedimentos estéticos será, de fato, feliz e ‘de acordo com os padrões atuais’”.

Entre os procedimentos mais procurados atualmente está a harmonização facial com ácido hialurônico e Botox. “Muitas pessoas acabam abusando das aplicações e perdem suas características originais, ficando irreconhecíveis, sem expressão ou plastificadas, o que não é nem bonito, tampouco saudável”, explica Daniella.

Por essa razão, contar com um médico dermatologista capacitado e de confiança é fundamental. Ele é capaz de avaliar com exatidão a real necessidade do paciente, evitando assim problemas futuros e possibilitando até mesmo um maior acesso – vide uma redução no montante investido pelo paciente, muitas vezes não necessário.

Meu Dermato

Um novo conceito em medicina dermatológica, a rede de clínicas Meu Dermato tem como objetivo democratizar o acesso a estética, realçando a beleza natural dos pacientes, por meio de procedimentos acessíveis, seguros e modernos, realizados por uma equipe de médicos dermatologistas especialistas. Hoje já conta com quatro unidades em funcionamento (Paulista, Vila Olímpia, Itaim e Moema).