Arquivo da categoria: coronavirus

Cuidado: máscara de tecido inapropriado pode causar tontura e dor de cabeça

Ao comprar ou confeccionar em casa uma máscara de proteção as pessoas devem tomar alguns cuidados, tanto com o tecido quanto com o tamanho da mesma. O pneumologista no Super Dr. Saúde Integrada, em Ponta Grossa (PR), Pedro Compasso, explica que algumas pessoas relatam dor de cabeça e tonturas devido ao uso prolongado da máscara de contenção, no entanto esses sintomas neurológicos podem estar relacionados ao tecido da máscara, a qual “precisa evitar a projeção de partículas, mas não prejudicar a respiração”, afirma.

Segundo o médico, as máscaras impermeáveis e de tecidos muito grosso não permitirão a ventilação, a passagem do ar, o que seria o mesmo que a pessoa respirar dentro de uma câmera fechada.

“Esta concentração mais alta de gás carbônico que a própria pessoa fica jogando na máscara pode sim resultar em sintomas no corpo e neurológico como tontura e dor de cabeça, por isso é importante que a máscara caseira seja de tecidos como TNT, tricoline e algodão, e ajustável ao formato do rosto, cobrindo totalmente a boca e o nariz”, alerta.

mulher mascara cachorro passeio pixabay silviu costin

Outra recomendação é que a máscara de tecido seja trocada a cada duas horas, evitando a umidade da mesma. No momento de troca é importante não colocar as mãos no meio da máscara, já que o tecido pode estar contaminado. É preciso puxar pelos elásticos que envolvem as orelhas.

Em relação ao uso em crianças o médico observa que a recomendação da Academia Americana de Pediatria (APP) é para que a máscara não seja utilizada em menores de dois anos de idade.

“O uso de máscaras entre em bebês, menores de dois anos, pode fazer com que os pequenos tenham dificuldades para respirar, pois eles contam com vias aéreas menores, e pode até mesmo levar ao sufocamento e estrangulamento. A orientação é evitar sair de casa com as crianças”, diz.

Fonte: Super Dr. Saúde Integrada

Maratona de revezamento virtual reúne atletas profissionais e amadores em prol do HSP

Evento é iniciativa de alunos e ex-alunos da Unifesp e profissionais que atuam na trincheira do HSP

No próximo dia 24 (domingo) será realizada uma maratona virtual que tem como objetivo socorrer, em alguma medida, o Hospital São Paulo. A iniciativa partiu de profissionais que atuam na instituição hospitalar e de alunos e ex-alunos da Unifesp.

Toda ajuda é bem-vinda e os participantes podem escolher entre correr ou caminhar. O importante é fazer o desafio dentro de casa – seja na esteira, no corredor ou na varanda. Para validar o tempo basta tirar uma foto do painel da esteira ou usar um registro de aplicativos de corrida. Depois, é só postar no grupo Nico Runners (Facebook).

As inscrições custam R$ 101,00 e devem ser depositadas diretamente na conta corrente do hospital: Banco Santander, AG. 0212, C/C 13004068-1, CNPJ 61.047.007/0001-53 (Colsan Associação Beneficente de Coleta de Sangue).

maratona

Informações: Dr. Wilson Anzai (11) 98346-7146

Aposte nos alimentos in natura e evite os ultraprocessados; entenda a diferença

Principalmente durante o isolamento, é fundamental saber o que comemos. Saiba diferenciar os tipos de processamento alimentício e descubra de que forma eles podem afetar sua saúde

Mais do que nunca, precisamos estar atentos à alimentação. Porém, ainda existe muita desinformação e dúvida sobre a origem dos alimentos e sua qualidade nutricional. Por exemplo, você já deve ter ouvido falar que é necessário diminuir o consumo de alimentos processados na quarentena, pois eles trazem malefícios à saúde. Mas, afinal, o que são esses alimentos? Todo alimento processado é realmente ruim? Qual a diferença entre alimentos processados e ultraprocessados?

“Como a gente sai menos para comprar os alimentos, é melhor investir naqueles que duram mais tempo. Mas isso não quer dizer que a comida não precisa ser saudável. Então, temos que relembrar que devemos consumir verduras, legumes, frutas e alimentos ricos em nutrientes”, afirma o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e médico voluntário no atendimento a casos suspeitos de Covid-19 no Hospital São Paulo.

Mas quais são esses alimentos ricos em nutrientes?

dieta_cetogenica alimentos carnes

Alimentos in natura e minimamente processados: de acordo com Marcella Garcez, médica nutróloga, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia, os alimentos in natura são aqueles obtidos de plantas ou animais que chegam ao consumidor sem terem passado por nenhum tipo de processamento. “Já os alimentos minimamente processados são os alimentos in natura que sofreram alterações mínimas na indústria através de processos como secagem, pasteurização, fermentação ou congelamento para torná-los mais acessíveis e seguros. No entanto, a eles ainda não foram adicionados sal, açúcar ou outra substância”, explica.

verduras legumes frutas

Dessa forma, nessa categoria se enquadram alimentos como frutas, legumes, verduras, hortaliças, grãos, nozes, leite (sem aditivos e açúcar) e ovos. “Geralmente, são alimentos que não contam com lista de ingredientes como aqueles encontrados no mercado. Eles são os próprios ingredientes”, afirma a médica.

frutass

“Essa alimentação está ligada à manutenção do sistema imunológico em dia. As pessoas com sistema imunológico mais forte vão enfrentar o novo vírus com maior destreza. Existem inúmeras vitaminas importantes nesse processo, dentre elas a vitamina C, presente na laranja, limão, mexerica, abacaxi, goiaba, maçã, repolho, acelga, espinafre, berinjela, entre outros”, afirma Farinazzo.

queijos

Alimentos processados: “São produtos derivados diretamente de alimentos in natura, mas que passaram por um processo de adição de sal, açúcar, óleo ou vinagre para torná-los mais duráveis e agradáveis ao paladar. Por ser um processo que altera a qualidade nutricional dos alimentos, o consumo exagerado de produtos processados pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade. São exemplos de alimentos processados produtos como legumes em salmoura ou pratos congelados, extrato de tomate, carne seca, frutas em calda, queijo e pães.”

salame-espanhol
Foto: Own work

Alimentos ultraprocessados: segundo a médica, são formulações industriais fabricadas a partir de substâncias extraídas ou derivadas de outros alimentos (sal, açúcar, óleos, proteínas e gorduras) e sintetizadas em laboratório (corantes, aromatizantes, conservantes e aditivos). “No geral, os alimentos ultraprocessados possuem sabor mais agradável e um grande prazo de validade, mas são pobres nutricionalmente e ricos em calorias, gorduras e aditivos químicos, favorecendo então a ocorrência de deficiências nutricionais, doenças do coração, diabetes, colesterol e obesidade”, alerta a especialista.

crackers biscoito bolacha agua e sal

Por isso, o ideal é evitar alimentos como bolachas, guloseimas, sorvetes, salgadinhos de pacote, refrigerantes e bolos prontos para o consumo. “Uma boa estratégia é evitar deixar em casa muita oferta de alimentos muito ricos em açúcar e gordura, como chocolates, bolos e doces, que devem ser consumidos com bastante parcimônia”, diz o médico.

file de frango e salada pixabay
Pixabay

Então, para aqueles que pretendem adotar uma alimentação balanceada, basta seguir a dica de Marcella: “A regra de ouro para uma alimentação adequada e saudável é optar sempre pelos alimentos in natura ou minimamente processados, assim como as preparações culinárias, evitar os alimentos processados e restringir ao máximo o consumo dos alimentos ultraprocessados”.

Fontes:
Marcella Garcez: médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.
Mário Farinazzo é cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Formado em Medicina pela Unifesp, o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Unifesp, Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da Unifesp e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz, Oswaldo Cruz, entre outros.

Especialistas dão dicas de como melhorar imunidade com proximidade do inverno

Alimentação adequada, eliminar maus hábitos, atividade física moderada e questões psicológicas contribuem com o sistema imunológico

Com o número crescente de casos de coronavírus no Brasil e a aproximação do inverno, a busca de medidas e reforços para o sistema imunológico têm se tornado cada vez mais comum. Embora o objetivo seja a prevenção de doenças, ampliar as defesas do corpo é algo que deve ser feito constantemente.

O sistema imunológico atua como uma proteção contra agentes indesejáveis que tentam invadir o corpo. Em tempos de pandemia, quando se tem uma série de ações que contribuem para a imunidade, as pessoas tornam-se menos vulneráveis, de forma que o organismo consiga se defender melhor.

A melhor maneira de evitar a contaminação é seguir as recomendações de prevenção da Organização Mundial da Saúde (OMS) e estar saudável. Para ajudar nesse processo, conheça algumas ações capazes de fortalecer o sistema imunológico.

Alimentação saudável

frutas-citricas

Uma alimentação saudável e balanceada é composta por vários nutrientes, vitaminas e sais minerais que exercem funções além do seu papel fisiológico e que podem também modular o funcionamento do sistema imunológico, a chamada imunonutrição.

Para Vera Salvo, conselheira do Conselho Regional de Nutrição 3, “alimentos ricos em vitamina C, como acerola, goiaba, laranja, limão, kiwi e verduras, além de vitamina E, ácido fólico, zinco, selênio, carotenoides e ácidos graxos ômega 3 e 6, contêm os principais fatores para fortalecer o sistema imunológico”.

Ela também destaca a importância da hidratação. “Isso ajuda o intestino a funcionar normalmente. A manutenção da microbiota intestinal pode funcionar como barreira para microrganismos indesejáveis. Além disso, a desidratação altera a fluidez do sangue, comprometendo o transporte de nutrientes e oxigênio e, como consequência, a atividade celular adequada”.

Eliminação dos maus hábitos

salada legumes verdura

A nutricionista ressalta que “não existe um alimento milagroso capaz de fortalecer o sistema imunológico”. O que vai ajudar é o hábito de se alimentar regularmente, de maneira equilibrada, priorizando os alimentos saudáveis, frescos e reduzindo a frequência de ultraprocessados e deixando de usar qualquer tipo de substância tóxica, que contem uma série de compostos químicos que não são reconhecidos pelo organismo.

Atividade física moderada

exercicio em casa

Praticar exercícios físicos é importante para manter o corpo ativo. Waldecir Lima, profissional da Educação Física e presidente da Comissão de Saúde do Conselho Regional de Educação Física 4ª Região – São Paulo, ressalta que a atividade física mantém a comunicação entre o sistema nervoso e o sistema imunológico.

“O exercício pode fortalecer diversas situações, minimizando a produção de citocinas que facilitam a inflamação no organismo, e aumentam a produção e a ação de citocinas anti-inflamatórias. Ou seja, o exercício tem papel importante no equilíbrio do sistema imunológico”, pontua.

Com relação a intensidade dos exercícios, ele alerta. “É importante que a atividade seja prescrita por um profissional, que seja moderada e feita constantemente. Do ponto de vista profissional, ela tem a imune estimulação e vai fortalecer o sistema”.

Questões psicológicas e o sono

Cerca de 40% da população apresenta algum tipo de distúrbio do sono

Dentre os aspectos psicoemocionais que afetam a imunidade, o estresse e ansiedade são os principais. Nesse cenário de pandemia, eles têm sido notados com frequência. A ansiedade está ligada ao controle do futuro e o estresse às incertezas do dia a dia. Ao controlar essas emoções, é possível ter o sistema imunológico preservado.

É importante ter uma rotina estabelecida, o que afasta os pensamentos ruins e leva à atenção para outras atividades. O sono também compõe este cenário. “A função do sono é trazer o descanso físico e emocional para as pessoas. Quando isso não acontece, é como se houvesse uma sobrecarga emocional. Por isso, é importante ter uma rotina e dormir de 7 a 9 horas por dia. Ter uma condição de sono saudável trará um saúde emocional melhor”, finaliza a psicóloga Dalva Chaves Pereira.

Psiquiatra analisa porque o número de suicídios tem aumentado durante pandemia

Por trás da máscara protetora contra o vírus pode estar uma outra doença mascarada: a depressão, responsável por 97% dos casos que levam ao suicídio

O Brasil registra mais de 13 mil casos de suicídio por ano, segundo dados do Ministério da Saúde. Considerado pela OMS como o oitavo país do mundo com maior número de casos e levar 32 brasileiros por dia, o suicídio é uma questão de saúde pública que pode ser prevenível em 90% dos casos, mas, durante a pandemia, os números tendem a aumentar.

O psiquiatra Diego Tavares, especialista em depressão e bipolaridade do Hospital das Clinicas da FMUSP, alerta que a depressão do transtorno bipolar causa o dobro dos casos de suicídio da depressão clássica, mais conhecida pela maioria das pessoas. Mas por que pouco se fala na depressão com bipolaridade em um tempo em que confusão de sentimentos tem tomado conta da população em geral?

Segundo o especialista, em transtornos de humor a maior parte das pessoas ao se deparar com temas relacionados a suicídio como automutilação, tentativas de suicídio e o próprio suicídio consumado, acaba dando atenção exclusiva aos fatores agravantes mas não aos fatores predisponentes biológicos como as doenças psiquiátricas.

Muitos são os estressores ou gatilhos que levam ao suicídio, ainda mais em um tempo de tantas incertezas, medos e inseguranças, mas pouco se fala sobre as raízes de um comportamento suicida. E é disso que precisamos falar quando pretendemos prevenir o suicídio: agir nas raízes do problema.

“Quem se suicida está doente, isso é um fato, mesmo que a doença esteja silenciosamente oculta, e na maior parte dos casos está, o suicídio traz, em algum grau, alguma desordem no sistema nervoso, nas regiões desregulação emocional. O suicídio é um problema que começa no cérebro e termina na ação, agravado por estressores psicossociais”, diz.

Para exemplificar, Tavares enumera os tipos de depressão:

mulher depressao cansaço cama pixabay p

Depressão melancólica: é a retratada nos filmes e, por isso, é o que a maior parte das pessoas acredita ser a única. É um tipo grave, porém raro de depressão, em que os pacientes podem apresentar intensa lentidão motora, ficam de cama, parados o tempo todo, não comem, não tomam banho e têm acentuada perda da capacidade de sentir prazer por coisas antes prazerosas. A característica principal da melancolia é a completa ausência de reatividade do humor, ou seja, a pessoa não se anima com nenhum estímulo positivo.

Sindrome-do-Panico-2 ansiedade

Depressão ansiosa: os pacientes apresentam sintomas depressivos menos graves, porém há uma proeminência maior de sintomas ansiosos (medo intenso, preocupação, tensão, hipervigilância e insegurança).

depressão mulher tristeza

Depressão atípica: a pessoa sente um humor de apatia, sono excessivo durante o dia, aumento exagerado de apetite e reatividade do humor (melhora com fatores positivos eventuais). Costuma ser confundida com um esgotamento físico ou problemas como anemia, deficiência de hormônios etc.

mulher humor bipolar mnt
Foto: MedicalNewsToday

Depressão mista: é a mais perigosa e a que apresenta o maior risco de suicídio. São quadros de depressão com maior agitação mental, desespero, angústia, dificuldade de concentração por distração e pensamento acelerado, maior irritabilidade, comportamentos compulsivos que aliviam a depressão (fumar, beber, usar maconha, gastar dinheiro, abuso de calmantes, se masturbar etc), aumento da fala (reclamando e sofrendo com a depressão), labilidade de humor (momentos de grande variação emocional). Neste tipo, os pacientes podem apresentar com maior frequência ideias de suicídio como fenômeno associado ao intenso desespero e angústia presentes nesses quadros. Ocorre com frequência no transtorno bipolar, devido a mistura de elementos da depressão com elementos da fase maníaca (agitação, desespero, pensamento rápido, impulsividade aumentada etc).

De acordo com o especialista, a principal causa de suicídio são as depressões do transtorno bipolar (15% de frequência). Os tratamentos de depressões melancólicas, ansiosas e atípicas podem ser feitos apenas com medicamentos da classe dos antidepressivos mas quadros de depressão mista precisam de medicamentos da classe dos estabilizadores de humor (sozinhos ou associados aos antidepressivos).

pexels mulher mar solidao tristeza
Pexels

“Mas, o mais importante de tudo é tratar a depressão como prevenção ao suicídio e sabermos que nem toda depressão se expressa da mesma maneira e que alguns tipos apresentam maior risco de suicídio. A depressão quando é grave não se cura sozinha e merece tratamento com medicamento e psicoterapia”, finaliza o especialista.

Fonte: Diego Tavares é graduado em medicina pela Faculdade de Medicina de Botucatu – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FMB-UNESP), fez residência médica em Psiquiatria pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP). Psiquiatra Pesquisador do Programa de Transtornos Afetivos (Gruda) e do Serviço Interdisciplinar de Neuromodulação e Estimulação Magnética Transcraniana (SIN-EMT) do IPQ-HC-FMUSP e coordenador do Ambulatório do Programa de Transtornos Afetivos do ABC (PRTOAB)

Renner traz opções de produtos para proteção e autocuidado

Produtos como álcool em gel e lenços umedecidos antissépticos podem ser encontrados no site da marca

Em um cenário cada vez mais delicado e cauteloso, o autocuidado se mostra ainda mais importante no dia a dia. Para facilitar essa rotina, a Renner traz opções de produtos práticos para proteger e também hidratar a pele, como lenços umedecidos antissépticos para as mãos, álcool em gel, sabonetes líquidos, entre outros produtos que nos ajudam a conviver com essa nova realidade. Todos os produtos estão à venda no e-commerce da Renner.

Para cuidados

Como já sabemos, os cuidados com a mãos precisam estar redobrados neste momento. O hábito de lava-las sempre que possível e manter o uso do álcool gel constantemente é reitorado a cada momento. Na Renner é possível encontrar álcool em gel 70%, além de lenços umedecidos antissépticos, que contribui com a prevenção de uma maneira bem prática.

gel antisseptico renner

Gel Antisséptico para mãos Alchemia (R$ 19,90)

renner lenço

Lenço umedecido antisséptico para mãos Alchemia (R$ 19,90)

Para as crianças, a Renner conta também com opções de álcool em gel em embalagens divertidas, que podem incentivar as crianças a manterem o hábito do autocuidado. Os frascos possuem formatos de tubarão, coelho, unicórnio e gatinho, e todos têm fragrâncias diferentes, deixando as mãozinhas limpas e perfumadas. A embalagem é de fácil aplicação, ideal para o dia a dia, e ainda acompanha holder personalizado para transportar o álcool em gel.

Gel antisséptico para mãos Alchemia (R$ 19,90)

Lavar constantemente as mãos também é uma recomendação indispensável atualmente. Para quem está se cuidando muito neste momento e também dá prioridade aos produtos menos impactantes ao meio ambiente, a Renner conta com uma linha de sabonetes da Alchemia Bio, que leva o Selo Re – Moda Responsável. Os produtos são veganos e biodegradáveis, com opções na versão líquida, em barra e também esfoliante. Para complementar, um creme para as mãos, também da Alchemia Bio, ajuda na hidratação, já que a pele pode ter algum tipo de ressecamento devido ao uso mais frequente do álcool em gel.

alchema hibisco renner

Sabonete líquido Alchemia Bio (R$ 29,90)

alchema renner

Creme hidratante para mãos Alchemia Bio (R$ 19,90)

Informações: Lojas Renner

Tricologista desaconselha deixar de lavar os cabelos durante a pandemia

Viviane Coutinho também recomenda continuar a hidratar os fios e deixar os secadores e pranchas de lado

thinkstock cabelo oleoso

O distanciamento social vem provocando mudanças nos costumes das pessoas. Uma delas é lavar menos os cabelos. Pesquisa feita por uma das maiores fabricantes de produtos de higiene do mundo (Unilever) aponta que as quarentenas diminuíram em até 25% a demanda por produtos como xampu e condicionador. A tricologista Viviane Coutinho desaconselha a medida.

“O cabelo é um dos nossos marcadores de saúde, mantê-los saudáveis é primordial . E uma ação superimportante é conservá-los limpos. Lembrando que o couro cabeludo é pele e retém sujidade. E, quando desequilibrado, pode gerar disfunções na saúde e futuras quedas. Um conselho que sempre dou é higienizá-lo mais neste período, pois ele também é um condutor de contaminação”, pontua a profissional.

Aliás, Viviane afirma que não podemos deixar de ter outros cuidados com os fios, como hidratação, na quarentena.

mulher cabelo oleoso

“Os nossos cabelos sofrem agressões físicas o tempo todo, como o pentear, a poluição, a água quente, o atrito com o travesseiro, o desembaraçar. E alguns cabelos sofrem, além disso, agressões químicas, perdendo nutrientes importantes para composição de fios saudáveis. Portanto, é essencial que nós devolvamos esses nutrientes para equilibrar novamente o cabelo”, esclarece a expert, que aconselha a deixar para depois os procedimentos que agridem os fios.

“Nesta época de pandemia, um conselho em que tenho dado é deixar os cabelos descansarem de tantos procedimentos, deixar de usar secadores e chapinhas, neste momento, faz com que eles sofram menos agressões. Se unir a isto a um cronograma capilar, entregando nutrientes, seus cabelos só irão te agradecer”, aconselha a tricologista.

Além de aconselhar a manter os cabelos limpos, a profissional faz outras recomendações para evitar que o novo coronavírus se aloje nos fios: “Se sair à rua, prendê-los ou usar touca e trocar fronha de dois em dois dias”.

Viviane também lembra que a alimentação é primordial para manter a nutrição dos cabelos em dia.

cabelo oleoso

“Lembrando que, como nossos cabelos são anexos do corpo, nossos estoques precisam estar bem para que eles recebam os nutrientes. Devemos acrescentar à nossa alimentação bastante proteínas (afinal, a maior parte dos fios são compostos por elas), legumes e verduras. Além de evitar gorduras, carboidratos e açúcares, que prejudicam a saúde capilar”, finaliza.

Fonte: Viviane Coutinho é pós-graduada em tricologia e terapia capilar pela Universidade Anhembi Morumbi; certificada pela Internation Association of Trichologists; Membro da Academia Brasileira de Tricologia; Docente da Academia Brasileira de Tricologia

 

Nutricionista do HCor esclarece mitos sobre alimentos e imunidade

Hábitos saudáveis contribuem com o fortalecimento do sistema imunológico, no entanto, especialista alerta que não existe alimento milagroso

Gargarejo com vinagre elimina o vírus da garganta? Comer alho combate o contágio pelo coronavírus? Derivados do leite facilitam infecções respiratórias? Em meio a pandemia de Covid-19, muitas informações incorretas e fake news circulam pela internet e acabam confundido a população sobre o papel da alimentação equilibrada na prevenção de doenças.

A gerente de nutrição do HCor, Rosana Perin, esclarece que diversos fatores colaboram para o fortalecimento do sistema imunológico, responsável por atuar na defesa contra vírus, bactérias e doenças que ameaçam e “atacam” nosso corpo. Entre essas atitudes, a manutenção de hábitos saudáveis e constantes, como a alimentação equilibrada, sem grandes restrições e excessos, tem grande destaque. “É incorreto apontar que um alimento ou micronutriente, de maneira isolada, vai favorecer a imunidade e eliminar problemas de saúde”, destaca.

A especialista desvendou alguns mitos recentes sobre alimentação e relacionou fontes de vitaminas e nutrientes para incluir nas refeições:

Ingerir alho ajuda na prevenção de infecções virais?

purple Garlic in a bowl
Depositphotos

O alho é rico em componentes que auxiliam nos processos de defesa do corpo, no entanto, não há comprovação científica e nem estudo relacionando o alho com o desenvolvimento de Sars-CoV-2 ou a prevenção de outras doenças.

Tomar vitamina C todos os dias fortalece minha imunidade?

Glass and jug of orange juice and fruits

De fato, a vitamina C tem papel importante na modulação da imunidade, assim como a vitamina D, por exemplo. No entanto, também não é a vitamina C que, sozinha, contribuirá diretamente para o fortalecimento do sistema imune.

Consumo de leites e derivados favorecem as infecções respiratórias?

getty images laticinios
Não existem estudos que comprovem essa relação. Algumas pessoas desenvolvem alergias, que podem desencadear sintomas no trato respiratório, no entanto, não são quadros virais.

Vinagre é mais eficiente do que álcool gel e pode matar vírus quando utilizado para gargarejos?

vinagre de maçã
O vinagre não é um produto relativamente ineficaz na destruição de microrganismos. O gargarejo com água morna e sal também não previne o coronavírus, que infecta as células do pulmão e não da garganta ou nariz, apenas as “portas de entrada” do vírus no organismo. Esse tipo de mistura apenas alivia a irritação na garganta.

Alimentação equilibrada

mulher-bebendo-agua-sol-calor-pixabay
Pixabay

Aumentar a imunidade depende de quantidades suficientes de vitaminas, substâncias e sais minerais. Não se esqueça da hidratação, que desempenha papel fundamental na regulação da temperatura corporal, transporte de nutrientes e na eliminação de substâncias tóxicas. Ao longo do dia, alterne o consumo de água com suco de frutas, água de coco, bebidas reidratantes e chás.

Dicas da nutricionista do HCor para aumentar a imunidade:

oleos sustentavel

Vitamina D: excelente aliado do sistema imunológico. Presente nos óleos e peixes. Lembre-se também da exposição solar por meia hora para auxiliar na absorção. A suplementação deve ser orientada por profissional, quando necessária.

frutas-citricas
Frutas cítricas: laranja, acerola, kiwi, tomate, além de brócolis, couve e pimentão verde e vermelho são ricos em vitamina C, antioxidante que aumenta a resistência do organismo.

brocolis JPPI
Foto: JPPI

Vegetais verde-escuros: brócolis, couve, espinafre são ricos em ácido fólico e auxilia na defesa do organismo, e pode ser encontrado no feijão e em cogumelos.

leguminosas
Alimentos ricos em zinco: nutriente que combate resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico. Encontrado na carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas.

oleaginosas mixto pixabay
Oleaginosas: além de zinco, as nozes, castanhas e amêndoas são ricos em vitamina E. Ela é benéfica, principalmente para os idosos, agindo no combate à diminuição da atividade imunológica por conta da idade.

Fonte: HCor

Cinco fatos que usuários de lentes de contato precisam saber durante pandemia

Um novo estudo tranquiliza quem usa o produto e mostra quais os cuidados necessários para garantir a saúde e o bem-estar em tempos de Covid-19

Em meio ao avanço do novo coronavírus, o cuidado com a higiene e limpeza dos itens pessoais deve ser redobrado. As medidas de prevenção adotadas e repassadas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) devem ser seguidas corretamente para garantir a segurança e o conforto de todos nesse momento, inclusive daqueles que utilizam lentes de contato.

De acordo com nova pesquisa publicada no jornal Contact Lens & Anterior Eye (CORE) os usuários de lentes de contato podem ficar tranquilos enquanto ao seu uso durante a pandemia, desde que seguindo adequadamente as orientações de higiene.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase um em cada cinco brasileiros (19%) possui alguma necessidade de correção visual. Por isso, uma das principais recomendações é manter as mãos sempre limpas e evitar levá-las aos olhos.

De acordo com a Thais Packer, oftalmologista da Johnson & Johnson Vision é importante seguir as orientações fornecidas pelas autoridades de saúde pública. “Nesse momento é importante conscientizarmos toda a população com informações relevantes sobre prevenção na propagação do novo vírus. Para os usuários de lentes de contato, a rotina não precisa mudar, desde que as recomendações de cuidados sejam seguidas rigorosamente”.

Confira as cinco dicas dos especialistas sobre lentes de contato para ter segurança e conforto:

lentes de contato - Foto J. Durham
Foto: J. Durham/MorgueFile

1. Você pode continuar usando as lentes de contato: atualmente, não há evidências científicas de que os usuários de lentes de contato tenham um risco mais elevado de contrair o novo coronavírus em comparação com os usuários de óculos. Consulte o seu oftalmologista com perguntas.

lavando maos lavar mãos pixabay
2. Os bons hábitos de higiene são essenciais: a lavagem e a secagem completas das mãos são essenciais, assim como o uso e o cuidado adequados das lentes de contato, garantindo uma boa higiene do estojo das lentes de contato e limpando regularmente os óculos com água e sabão. Esses hábitos podem ajudá-lo a manter-se saudável e longe de consultórios ou hospitais neste momento.

istockphoto- mulher mascara oculos metro

3. Os óculos regulares não oferecem proteção extra: nenhuma evidência científica comprova os rumores de que os óculos comuns oferecem proteção contra o novo coronavírus, uma posição apoiada pelos Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

freepik mulher madura grisalha oculos rosto
Freepik

4. Mantenha as mãos longe do rosto: se é usuário de lentes de contato, óculos ou mesmo se não precisa de correção visual, evite tocar o nariz, a boca e os olhos com as mãos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e as recomendações do CDC.

mulher doente gripe
5. Se estiver doente, interrompa o uso temporariamente: os usuários de lentes de contato que estiverem doentes devem voltar temporariamente a usar óculos. Você pode retomar o uso de novas lentes de contato e estojos de lentes assim que você voltar à saúde total.

Fonte: Acuvue / Johnson & Johnson Vision

Criamigos lança campanha para minimizar distanciamento social

Buscando diminuir distâncias e minimizar a solidão imposta a muitos por conta do isolamento social obrigatório pela pandemia da Covid-19, a rede de franquias personalizáveis Criamigos lança campanha “Abrace o Bem”, que tem como objetivo conectar voluntários com pessoas que estejam sozinhas e sintam a necessidade de conversar, por telefone.

Para se inscrever, basta entrar em contato com a franquia nas redes sociais ou pelo site da marca. A partir das inscrições, a Criamigos faz uma lista de participantes com horários disponibilizados e os conectará com quem está precisando de algum tipo de apoio, por meio de telefone ou videochamadas.

“Atualmente, temos pouco mais de 20 pessoas, entre eles, nossos oficineiros que estão dispondo de tempo para ouvir quem esteja precisando. Nossa parte é fazer a ponte entre quem quer ajudar com quem precisa ser ajudado – incluindo lares de idosos. É o mínimo que podemos fazer para ajudar a sociedade em que estamos inseridos a passar por esse momento com um pouco mais de amor e solidariedade”, pontua a sócia fundadora da marca, Natiele Krassmann.

shutterstock mulher usando celular
Shutterstock

Sobre a Criamigos

Fruto da parceria entre as empresárias Veronicah Sella e Natiele Krassmann, a Criamigos nasceu em 2016, em Gramado (RS), com o objetivo de transformar boas memórias e recordações em um negócio único: a criação de pelúcias personalizadas. Com a proposta de resgatar o brincar, o brinquedo e os momentos em família, a rede de franquias conta, atualmente, com 19 unidades espalhadas pelo Brasil, que já transformaram mais de 50 mil ursos em sonhos reais. Facebook / Instagram.