Arquivo da categoria: coronavirus

“Tripé da Saúde”: profissionais fazem alerta sobre como se manter saudável na pandemia

Série de vídeos em alusão ao Dia Mundial da Saúde (7 de abril) traz especialistas dando dicas importantes

“Um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças ou enfermidades”. É como a Organização Mundial da Saúde (OMS) define “saúde”. Após mais de um ano enfrentando a pandemia do novo coronavírus, profissionais do Hospital Marcelino Champagnat e do Hospital Universitário Cajuru, ambos do Grupo Marista, se unem para fazer um alerta sobre como se manter saudável em meio ao isolamento físico e restrição de atividades.

A campanha “Amor é S2 e Saúde é S3 – A importância do autocuidado físico, mental e social” entrou no ar em 7 de abril trazendo uma série de vídeos com médicos de diversas áreas. Os vídeos podem ser acompanhados nas redes sociais do Grupo Marista pelo Facebook, Instagram e YouTube.

Além da ausência de doenças, para ser saudável também é necessário analisar o corpo, a mente e até mesmo o contexto social no qual a pessoa está inserida. Ou seja, um conjunto de bons hábitos contribui para o menor risco de desenvolvimento de doenças, mas o ambiente também influencia. O diretor-geral da área de saúde do Grupo Marista, Álvaro Quintas, destaca que uma boa saúde se constrói diariamente.

“Possuímos uma lista extensa de hábitos que nos fazem ser saudáveis (ou não), mas podemos resumir em quatro itens: além do tripé de bem-estar da OMS (mental, físico e social), eu incluiria o espiritual. Precisamos lembrar que todos caminham juntos e que também é importante cuidar dos outros. Saúde e amor se conectam dessa maneira”, comenta.

Saúde mental

A Organização Mundial da Saúde enfatiza que saúde mental é “mais do que apenas a ausência de transtornos mentais ou deficiências, mas também cuidar do bem-estar e da felicidade contínuos”. De acordo com a médica cardiologista do Hospital Marcelino Champagnat, Camila Hartmann, o pensamento positivo faz muita diferença na saúde mental, ainda mais diante da pandemia do novo coronavírus. 

“Sabemos que pessoas felizes têm mais sucesso. O bem-estar mental está muito atrelado a como as pessoas enxergam o mundo e a forma de interpretação de cada situação. E isso depende da saúde mental de cada pessoa. Ela é o reflexo de outras questões na saúde, como a qualidade do sono, exercício físico e convívio social. Tudo isso traz felicidade e, junto com o pensamento positivo, podem ser a ‘chave’ para uma boa saúde mental”, analisa.

Diante das dificuldades enfrentadas nos últimos 13 meses, ter uma mente saudável é um dos principais desafios. “Fazer uma reflexão sobre o dia a dia e questões que importam de verdade nos fazem enxergar e definir os aspectos que não devemos abrir mão e os que precisamos deixar de lado. Tentar organizar prioridades e incluir na rotina as coisas que trazem felicidade faz com que as pessoas se sintam mais realizadas e vivam melhor”, aconselha Camila.

Saúde física

Já o bem-estar físico se refere às condições do nosso corpo, mas que vão além da ausência de doenças. É um aspecto mais amplo, pois tem relação com a disposição, vida saudável, autoestima física e força. A coordenadora do serviço de Check-up do Hospital Marcelino Champagnat, Aline Moraes, explica os motivos pelos quais os exercícios fazem bem para o corpo e também para a mente: “O primeiro passo é escolher uma atividade física que goste. Assim, será mais fácil de encontrar prazer e felicidade ao fazer o exercício”. 

Para ela, quando as pessoas percebem que o corpo está cansado, devem escutá-lo. “Precisamos nos mexer para que haja uma injeção de energia e reequilíbrio dos hormônios. Há estudos que apontam que exercícios físicos são extremamente eficazes para tratar depressão leve e moderada, sem o auxílio de medicamentos psiquiátricos”, explica.

Em meio ao isolamento social, é preciso adaptar também os exercícios físicos e realizá-los em casa ou em ambientes seguros. “Realizar tarefas simples, como arrumar a casa, subir escadas, dançar, cuidar do jardim e ter um momento de lazer com a família é importante para a ativação e o relaxamento do corpo. Além disso, faz com que tenhamos mais vontade de nos manter ativos. Começar devagar, com pequenos passos, faz com que o próprio corpo desenvolva a necessidade de fazer exercícios físicos contínuos”, conta a médica.

Saúde social

The Advertiser

Por fim, a saúde social faz parte do “tripé” para a busca de uma vida mais saudável. De acordo com o coordenador da Comissão de Cuidados Paliativos do Hospital Universitário Cajuru, Ronnie Ikeda, cultivar relacionamentos com a família, amigos, colegas de trabalho e comunidade em geral, por meio de trabalhos voluntários, têm grande importância na busca pelo bem-estar.

“Estamos vivendo um momento atípico e, para prezar quem amamos, respeitamos o distanciamento social. Nesse ano, foi necessária uma adaptação para manter a saúde social em dia, mas de longe – seja com encontros virtuais, happy hour online e celebrações importantes realizadas em formato drive thru, por exemplo. Mesmo assim, muitos laços foram reatados e outros amarrados com mais força. Isso porque, devido à pandemia, precisamos nos aproximar ainda mais da família e dos amigos para amenizar o estresse causado pela distância física e imposições restritivas”, comenta o Ikeda.

Pixabay

A saúde social também pode ser mantida ativa por meio de livros, filmes e redes sociais. “Cada um tem sua personalidade. Uns gostam mais do relacionamento interpessoal e necessitam de mais contato. Outros são mais introspectivos e preferem um bom livro, meditação, orações ou até mesmo o ócio.  Cada um precisa identificar o que traz mais felicidade e prazer. Além disso, a solidariedade também faz bem, pois é capaz de melhorar a saúde social.”, reforça Ikeda. Ele lembra ainda que “ações coletivas proporcionam maior qualidade de vida não apenas para quem as realiza, mas principalmente para as pessoas que têm menor acesso à saúde”.

Fonte: Grupo Marista

Fleury Medicina e Saúde apresenta quatro novos testes para diagnóstico de coronavírus

Clientes terão a opção de fazer os exames de RT-PCR na saliva, teste rápidos molecular e de antígeno para detecção do Sars-CoV-2, além da sorologia que identifica anticorpos neutralizantes. Entenda as diferenças e quando cada um deles é mais indicado

O Fleury Medicina e Saúde disponibiliza quatro novos testes para diagnóstico do novo coronavírus (Sars-CoV-2). A partir de agora, os clientes contarão com a RT-PCR com coleta de amostra de saliva, os testes rápidos de antígeno e molecular e a pesquisa de anticorpos neutralizantes, que pode ser útil para avaliar a reposta do indivíduo à vacina.

Todos estão disponíveis nas unidades das marcas do Fleury Medicina e Saúde em São Paulo ou nos hospitais parceiros. Somando o RT-PCR em tempo real em secreção respiratória, a sorologia (anticorpos IgG e IgM), a empresa oferece em março, no total, um arsenal de seis testes à comunidade médica e seus pacientes para enfrentamento da pandemia do Covid-19.

“A crescente sofisticação do portfólio de exames para Covid-19, com novos testes com sensibilidade muito próxima do RT-PCR padrão-ouro, menor tempo de resposta, maior conveniência e conforto para os pacientes, é um importante recurso de apoio para a tomada de decisão médica, melhorando o desfecho de cada caso e evitando potenciais transmissões”, afirma Celso Granato, diretor clínico e infectologista do Grupo Fleury.

Segundo Granato, a área de Pesquisa e Desenvolvimento e os consultores médicos acompanham toda a literatura científica sobre o SARS-CoV-2 e os lançamentos da indústria da saúde para desenvolver, em tempo cada vez mais reduzido, metodologias mais sensíveis e amigáveis para o atendimento na ponta dos serviços de saúde. “Tudo isso sem abdicar da segurança do paciente e qualidade do resultado, segundo as melhores práticas laboratoriais nacionais e internacionais para garantir a precisão e confiabilidade do resultado”, ressalta o especialista.

Saiba mais sobre cada teste

RT- PCR em tempo real em material de vias respiratórias

iStock

Considerado o exame molecular padrão-ouro pela Organização Mundial da Saúde (OMS), segue um protocolo com três fases e diferentes enzimas a cada etapa: a extração, a amplificação e a detecção do material genético do vírus. Deve ser realizado entre o 3º e o 10º dias após o início dos sintomas. Assintomáticos que foram expostos ao vírus devem esperar cinco dias após o último contato com a fonte de infecção. Quem precisa de laudo para seguir protocolos de prevenção deve cumprir os prazos determinados pelo requerente. Seu desempenho não é afetado pelas novas variantes do Sars-CoV-2. O teste está disponível desde fevereiro de 2020.
Prazo de resultado: 1 dia. Valor: R$ 420,00.

RT-PCR em tempo real em saliva – (novo)

Stock Adobe

O novo exame é realizado pelo mesmo método de RT-PCR do padrão-ouro, mas com coleta mais confortável: o paciente deposita a saliva em um tubo, seguindo orientações. Além da praticidade, a técnica reduz o risco de que gotículas se espalhem no ambiente, dando maior segurança a todos. Apresenta sensibilidade pouco menor do que o teste que analisa material das vias respiratórias: a cada 100 pessoas positivas para coronavírus em amostras colhidas com swab, o teste efetuado em saliva identifica 94 casos positivos. Seu desempenho não é afetado pelas novas variantes do Sars-CoV-2. Prazo: o resultado fica disponível em até 1 dia. Valor: R$ 420,00.

Teste molecular rápido (amplificação isotérmica) – (novo)


Assim como a RT-PCR, este novo teste detecta o material genético do vírus em amostra das vias respiratórias, porém com resultado mais rápido. Deve ser feito na primeira semana de sintomas. A concordância de seu resultado com o obtido por meio da RT- PCR é de praticamente 100%, desde que a amostra seja colhida até o 7º dia de sintomas. Prazo: até 4 horas. Valor: R$ 500,00.

Teste rápido de antígeno (novo)

Foto: Pascal Rossignol/Reuters

Este novo teste detecta a presença de proteínas do vírus nas vias respiratórias. A maior sensibilidade (96%) é obtida quando a coleta é feita até o 5º dia de sintomas, com pico no 3º e 4º dias. Para casos com maior tempo de evolução, a sensibilidade pode ser menor. Disponível em hospitais parceiros. Prazo: em até 8 horas. Consultar valor em hospitais parceiros.

Pesquisa de anticorpos (sorologia “tradicional”)

Usada para detectar anticorpos específicos contra o Sars-CoV-2, indicativos de que houve infecção pelo vírus anteriormente. Deve ser feita pelo menos 14 dias após o início dos sintomas, ou 21 dias após a exposição de risco, respeitando o tempo necessário para que o corpo produza anticorpos em níveis detectáveis. Prazo: 1 dia útil. Valor: R$ 360,00

Pesquisa de anticorpos neutralizantes (novo)

Este exame é capaz de avaliar com maior precisão se os anticorpos contra Sars-CoV-2 produzidos são realmente protetores contra a doença. O teste pode ser uma ferramenta útil para avaliar a resposta das pessoas à vacina, situação em que se sugere- aguardar 30 dias após a última dose prevista para o esquema da vacina em questão. Prazo: até quatro dias. Valor: R$ 375,00.

Informações sobre os exames e agendamento: Grupo Fleury

Médica faz relato emocionante sobre o primeiro ano de pandemia

Especialista ressalta que a falta do engajamento da população, sobre as medidas de proteção à pandemia, interfere no bem-estar emocional e psicológico dos profissionais da saúde

Ao som da frequência de batimentos cardíacos dos pacientes nos leitos e com olhar atento a cada um deles, por mieo da parede de vidro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto, a médica Intensivista Lívia Corrêa de Castro, falou sobre sua atuação neste primeiro ano de pandemia.

Depois de uma longa jornada de plantão no dia anterior, a profissional que atua pela Pró-Saúde no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), parou suas atividades por alguns minutos para destacar os principais desafios vivenciados nesse tempo de pandemia, antes de iniciar a visita médica do dia.

Com 12 anos de atuação no HRBA, unidade mantida pelo Governo do Pará, no município de Santarém, Lívia conta que os profissionais não imaginavam iniciar 2021 de um jeito tão difícil quanto foi o ano anterior.

“Nessa segunda onda temos recebido doentes mais graves, com um número maior de pacientes adoecendo. Classifico essa segunda onda bem pior do que a primeira. Apesar de termos a experiência de um ano atrás, temos muitas batalhas dentro da UTI. É uma luta pessoal porque trabalhamos com o cansaço, indo ao nosso extremo”, compartilha.

Medo do desconhecido

Há um ano, no dia 11 de março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou oficialmente a pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). No Brasil, a primeira morte devido ao vírus aconteceu um dia depois do anúncio da OMS.

A médica Intensivista comenta que, quando os primeiros casos começaram a chegar à unidade, que é referência para tratamento da Covid-19, mesmo com os treinamentos prévios, a ansiedade diante do desconhecido era uma realidade.

“No início a gente tinha muito medo de se contaminar, medo de sair na escala do plantão, medo de levar a doença para nossa família em casa”, explica.

Medos que permanecem até hoje, mas que não são maiores que um único sentimento: “Medo de não acabar, parece que não vai acabar nunca. A gente não para de receber paciente. A impressão que temos é que não está acabando e que estamos lutando contra um inimigo invencível”, afirma a médica.

Desrespeito da população x famílias desmoronadas

Pixabay

Nestes 12 meses de enfrentamento à pandemia, Lívia relata que as jornadas de plantão na UTI têm sido longas. Ela conta que diversas vezes, ao sair do hospital, se deparou com pessoas aglomeradas nas ruas, sem máscaras de proteção, marcando encontros e até festas clandestinas, e diz ter a sensação de que a população vive em um mundo paralelo, longe do universo que enfrenta uma pandemia global.

“Vivemos uma realidade no hospital em que vemos famílias se desmontando, pessoas morrendo, apesar de todo o nosso esforço. E quando a gente sai na rua, percebe que as pessoas não têm noção da gravidade do que a gente vive hoje”, comenta.

A profissional menciona, inclusive, problemas entre os parentes. “Eu já tive várias discussões com minha própria família, porque percebo que não entendem o que está acontecendo e a gente tenta levar isso para nossa casa. Mas, realmente, quem está fora do ambiente de UTI não tem noção do que esse vírus causa nas pessoas.”

A médica reforça que é um vírus extremamente letal para quem precisa internar num leito de UTI. “É muito triste vermos a rua lotada, gente marcando festa, ficamos nos sentindo um extraterrestre no meio de tudo isso. Parece que nosso trabalho é todo em vão.”

Vidas perdidas

A médica intensivista Lívia Corrêa de Castro

O Brasil ultrapassou a marca de 270 mil pessoas mortas pela Covid-19. Emocionada e emocionando os colegas da UTI que acompanhavam seu relato, a médica destacou o sentimento dos profissionais da saúde, quando ocorre a perda de um paciente.

“A gente se sente derrotado. É um sentimento de impotência gigante que nos faz pensar se queremos continuar nessa vida, sabe? Então, é muito ruim viver isso. Toda a equipe sofre, é bem complicado”, relata.

Lívia alerta a população que o vírus veio para ficar, e que é necessário a população aprender a conviver com ele, se protegendo. Para que isso ocorra, a profissional chama atenção para a mudança de comportamento de todos.

“Compreendo que está todo mundo cansado do vírus, da pandemia, mas é preciso entender que há uma nova rotina de uso da máscara, álcool em gel, manter o distanciamento físico. É uma doença devastadora e essa devastação não ocorre só na vida dos doentes, mas na vida da equipe de saúde que cuida de todos”, conclui.

Vitórias dos pacientes

O HRBA é uma unidade estratégica do Governo do Pará, gerenciado pela Pró-Saúde, que presta atendimento 100% gratuito a uma população de 1,3 milhão de pessoas residentes em 30 municípios do Oeste do Pará.

A unidade, que recebeu o primeiro paciente suspeito no dia 19 de março de 2020, realizou em 1 ano de pandemia diversas mudanças estruturais, para atender casos da doença.

“Na primeira fase abrimos 52 leitos para Covid-19. Neste segundo momento, a unidade passou a oferecer 96 leitos, fez adequações para atender os pacientes de outras especialidades, aumentou a capacidade de disponibilização de oxigênio, contratou mais de 200 novos profissionais, entre outras ações, em busca de prestar assistência de qualidade”, destaca Hebert Moreschi, diretor Hospitalar do HRBA.

400 altas de recuperados

O Regional do Baixo Amazonas já realizou 2.567 notificações no protocolo de Covid-19, efetivando 1.108 internações. Nesta quinta-feira, 11/3, alcançou a marca de 400 altas de pacientes recuperados da Covid-19.

O empresário Eliésio Gama foi o primeiro paciente recuperado da doença a receber alta médica no HRBA. Com 50% de comprometimento pulmonar, ele passou 12 dias internado.

“Lembro quando estava saindo do hospital, todos com medo. Que bom seria se tivessem continuado com medo, que provavelmente hoje não estaria como está. Se puder, fique em casa, não aglomere e evitem esse vírus”, alertou.

O número de pacientes recuperados tem como um dos principais fatores o empenho contínuo da equipe multiprofissional que está na linha de frente de combate à doença.

“São médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, fisioterapeutas e auxiliares de higiene e limpeza que fazem plantões diários levando assistência segura aos internados. Profissionais que trabalham incansavelmente, com agilidade e competência sempre com foco na resolutividade e humanização. Juntos, cremos que dias melhores virão, com a sensibilização de todos”, conclui Moreschi.

Fonte: Comunicação – Pró-Saúde

Infectologistas respondem as principais dúvidas sobre a vacinação contra o vírus Sars-CoV-2

Devo me vacinar mesmo após contrair o vírus? Posso tomar as doses da vacina em locais diferentes? Veja essas e outras respostas sobre o processo de imunização

Quem contraiu a Covid-19 recentemente pode tomar a vacina?
Sim: entretanto, recomenda-se esperar ao menos 30 dias após término dos sintomas para que a infecção não atrapalhe a eficácia da vacina.

O pré-cadastro no site “Vacina Já” garante que eu serei convocado para tomar a vacina?
Não:
o “Vacina Já” somente agiliza o tempo de cadastro do paciente no momento da vacinação.

Quanto tempo após tomar a vacina eu estarei de fato protegido?
Para as vacinas utilizadas atualmente no Brasil — CoronaVac, do Instituto Butantan, e AstraZeneca, da Oxford — espera-se que a proteção efetiva ocorra após os 14 dias de vacinação da segunda dose.

Devo abandonar o uso das máscaras ou qualquer outro meio de proteção logo após tomar vacina?
Não.
O uso de máscara continuará fazendo parte da nossa rotina até quando houver imunidade coletiva.

Após quanto tempo depois de tomar a primeira dose eu poderei tomar a segunda?
Ao tomar a vacina CoronaVac, o indivíduo deve esperar entre 14 dias e 28 dias para receber a segunda dose. Para a vacina da AstraZeneca, de 4 a 12 semanas. Vale lembrar que é preciso seguir a recomendação dos profissionais de retornar ao local de vacinação somente na data da segunda dose, marcada no comprovante de vacina.

Gestantes ou lactantes podem tomar a vacina?
Os estudos de liberação das vacinas contra a Covid-19 não foram realizados em gestantes ou lactantes originalmente. Portanto, ainda não há resposta concreta. De acordo com o Ministério da Saúde “as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições, a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e o médico prescritor.” Dessa forma, caberá aos envolvidos (profissional e paciente) avaliarem o risco de contágio versus o risco de efeitos colaterais durante a gestação.

Eu já contraí a Covid-19, mesmo assim devo tomar a vacina?
Sim.
Apesar de ser incomum, em 1% dos pacientes que já tiveram infecção pela Covid-19, pode haver nova infecção e apenas a vacina conseguirá dar proteção eficaz contra o vírus.

Quais reações a vacina pode causar no organismo?
A reação principal da vacina é a proteção, conseguida por meio da produção de memória imunológica pelos componentes da vacina. Do ponto de vista de efeitos adversos as vacinas CoronaVac e AstraZeneca têm reações que podem durar de 24h a 48h e geralmente melhoram com analgésico comum. Alguns deles são:
Cefaleia
Náuseas
Diarreia
Dor no local da aplicação
Febre

Existe uma vacina melhor que a outra? Qual a diferença de resultados entre elas?
Todas as vacinas liberadas para uso só conseguem aprovação se tiverem o mínimo de proteção necessária para evitar infecções pela Covid-19 e as únicas diferenças entre elas são em relação à quantidade de efeitos adversos, número de doses e o tipo de vacina.

Quais documentos são obrigatórios apresentar no dia da vacinação?
Para o Estado de São Paulo, recomenda-se realizar o pré-cadastro no site “VacinaJá”, além de apresentar obrigatoriamente, no dia da vacinação, um documento com foto, CPF e número do cartão do SUS. Confira a relação de documentos obrigatórios para o seu estado.

Foto: Lisa Ferdinando

O que significa a taxa de eficácia divulgada pelas farmacêuticas fabricantes das vacinas?
A taxa de eficácia é o quanto a vacina protege contra uma infecção. Quando se fala em eficácia global quer dizer o quanto a vacina protege o indivíduo do vírus. Essa porcentagem pode ainda ajudar a definir quanto da população deveria ser vacinada para evitar novas transmissões.

Quem faz uso de medicamentos controlados pode tomar a vacina normalmente?
Sim.
Não há contraindicação ao uso das vacinas disponibilizadas atualmente no país em combinação com medicamentos controlados.

Se eu demorar para tomar a segunda dose mais do que o recomendado, é possível que a imunidade se perca?
Recomenda-se tomar a vacina dentro do intervalo proposto pelo fabricante a fim de garantir a eficácia da vacina.

Iamspe

Qual a diferença entre as vacinas aprovadas? Principalmente referente às reações adversas de cada uma.
A vacina AstraZeneca tem eficácia geral descrita de 82%, porém variam de acordo com a idade e as populações diferentes, podendo ser menor em alguns grupos e maior em outros.
Já a CoronaVac tem eficácia geral de 50.38%. Em relação aos efeitos adversos, as duas vacinas apresentam resultados muito semelhantes, tendo discreto aumento de reações adversas na vacina da AstraZeneca em relação à CoronaVac.

Posso tomar a primeira dose da vacina AstraZeneca e a segunda da CoronaVac?
Não.
Ainda não há segurança para dizer que as vacinas se complementam.

Tomei a primeira dose num determinado lugar. Posso tomar a segunda em outro lugar?
Preferencialmente não
. A recomendação neste momento é que se retorne ao mesmo local da primeira dose — salvo em caso de troca de Estado.

Existem exames que comprovam a presença de anticorpos contra a Covid-19 após a vacinação? Se sim, quais são?
Existe um exame chamado pesquisa de anticorpos neutralizantes, que poderia avaliar proteção pós-vacina, porém está em fase de avaliação.

Fonte: Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe)

Um ano de pandemia: o que devemos manter para deixar a limpeza da casa em ordem

Prestes a ‘fazer aniversário’, pandemia ainda requer cuidados extras para diminuir as chances de contágio

Já estamos devidamente habituados com a pandemia. Sabemos que é extremamente importante utilizar máscaras, manter o distanciamento social e lavar bem as mãos, se possível complementando com álcool em gel. Afinal, em março teremos completos um ano desde a chegada do coronavírus no Brasil.

E, desde as primeiras notícias da doença em solos brasileiros, uma série de novos protocolos em relação à limpeza foi implementada. Mas, e agora, depois desse tempo? O que precisamos manter? Renato Ticoulat, presidente da Limpeza com Zelo, relembra algumas dicas importantes que não devem ser esquecidas, mesmo com a chegada da vacina e a retomada das nossas atividades cotidianas.

=Tirar os sapatos antes de entrar em casa: esse simples ato evita que não só covid, mas outros vírus e doenças entrem em nosso lar. Para não ter problemas com vizinhos, logo depois de chegar, retire os sapatos na porta de entrada, usando luvas, e passe uma solução desinfetante neles.

=Lave as mãos com frequência e, principalmente, sempre que chegar de locais como supermercados, banco, trabalho, escola etc.

=Se trouxer alimentos ou produtos para dentro de casa, lave-os bem antes de armazená-los em armários ou geladeira.

=Sempre que possível, desinfete superfícies de alto contato, como interruptores, maçanetas de portas, controle remoto, porta da geladeira, do forno e micro-ondas. Outro objeto que fica muito exposto a sujidades e contaminantes é o nosso celular, que também merece essa atenção. A desinfecção pode ser feita com álcool 70% e um pano limpo e seco.

=Prefira aspirador de pó a vassoura, que pode levar a sujeira de um cômodo ao outro, em vez de eliminá-la.

=Nunca utilize o mesmo pano para limpar diferentes áreas da casa. Isso causa a contaminação cruzada, quando levamos sujeira de um cômodo ao outro, como do banheiro para o quarto, por exemplo.

Freepik

=Não misture diferentes produtos de limpeza: a junção de dois ou mais produtos, que têm em sua composição diversos agentes químicos, pode ser nociva à nossa saúde e emitir gases, causando alergias e reações.

Fonte: Limpeza com Zelo

Site esclarece dúvidas sobre vacinas contra Covid-19 que começam a ser aplicadas no Brasil

Depois de receber autorização das autoridades de saúde, a campanha de vacinação contra a Covid-19 começa a ser distribuída para a população da primeira fase, que engloba profissionais de saúde na linha de frente de combate à doença, além de idosos.

O trabalho de desenvolvimento das vacinas foi intenso e cerca de um ano após o surgimento da pandemia, a imunização já está sendo disponibilizada. Apesar de o tema ser destacado diariamente na mídia, muitas são as dúvidas relacionadas a esse tipo de proteção. Para esclarecer as principais questões, o Campus São Paulo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) lançou uma página na internet, no formato de perguntas e respostas.

O conteúdo aborda pontos como a eficácia, tempo de proteção e efeitos colaterais existentes no processo de imunização.

Os interessados podem acessar a página clicando aqui.

Covid-19: orientações nutricionais para reforçar sistema imunológico*

O nosso sistema imunológico tem como principal função a proteção contra infecções causadas por bactérias, vírus e outros patógenos. Fatores como genética, meio ambiente, estilo de vida, estado nutricional – ou mesmo a interação de todos esses fatores – influenciam o sistema imunológico, e isso pode explicar as grandes diferenças entre as pessoas neste quesito.

A nutrição tem sido estudada há décadas em seu importante papel na imunidade. Conforme ocorre com os outros sistemas corporais, o sistema imunológico depende de nutrientes adequados para seu bom funcionamento e estudos mostram que as células imunes podem ser particularmente sensíveis à ausência ou redução de certos nutrientes e componentes dos alimentos.

Pesquisas evidenciam que a deficiência ou inadequação nutricional está associada ao comprometimento da função imunológica, contribuindo para o aumento da morbidade e mortalidade por infecções. Dessa forma, melhorar o estado nutricional e a quantidade de vitaminas e minerais é essencial para garantir a saúde imunológica, seja por meio da ingestão alimentar ou de suplementos.

Alimentos indispensáveis para o sistema imunológico:

Ômega-3: peixes (sardinha, atum, arenque, salmão selvagem), castanhas, amêndoas, nozes

Pixabay

Compostos bioativos (antioxidantes e anti-inflamatórios): frutas vermelhas/arroxeadas, verduras, legumes e sementes em geral

Bazinga1k980/Pixabay

Prebióticos: (cebola, alho, alho-poró, chicória, farinha de banana verde, batata-doce, batata yacon, biomassa de banana verde) e fibras (cereais integrais, frutas, verduras, legumes, sementes) para a saúde do intestino

Pixabay

Selênio: principal fonte castanha-do-pará (recomendado 3 unidades/dia)


Vitaminas do complexo B: levedura nutricional, sementes oleaginosas, cereais integrais

Foto: Scibosnian

Vitamina D: peixes de água salgada, ovos e manteiga

Vitamina E: azeite de oliva extravirgem, castanhas, avelã, semente de girassol, abacate

Steve Buissinne/Pixabay

Vitamina A: cenoura, batata-doce, folhas de brócolis, manga, couve

Vitamina C: abacaxi, acerola, laranja, kiwi, goiaba, brócolis, frutas cítricas, frutas vermelhas, talos da couve, salsa

Pixabay

Zinco: sementes como gergelim, chia, linhaça, castanhas, amêndoas, cereais integrais, casca da tangerina, feijões, principalmente feijão azuki

Os alimentos desta lista devem fazer parte da composição diária da dieta. Suplementos nutricionais poderão ser indicados conforme necessidade individualizada. E deve-se evitar alimentos industrializados em geral, devido à baixa qualidade nutricional.

Além de manter um padrão saudável de alimentação, regular os níveis de estresse e sono também auxiliam no sistema imunológico. Níveis elevados de estresse contribuem para o aumento de cortisol circulante. Sabe-se que os níveis de cortisol interferem diretamente na qualidade do sono. Um sono inadequado pode causar menor eficiência das células imunitárias – ou, em outras palavras, baixar a imunidade.

*Gislaine Engelmann é nutricionista clínica do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC)

Até três bilhões de pessoas podem não tomar vacina contra Covid-19 até o fim de 2021

A consultoria Boston Consulting Group (BCG) apresenta quatro fatores essenciais para garantir o combate eficaz à pandemia e indica três cenários de lançamento da vacina, enquanto as medidas atuais de combate a pandemia são mantidas e melhoradas

Apesar da intenção de aumentar a fabricação, agilizar os processos de aprovação e distribuição de vacinas, o cenário mais otimista indica que até 3 bilhões de pessoas ao redor do mundo permanecerão desprotegidas até o final de 2021, com base na capacidade de produção atual da vacina globalmente. Essa é uma das principais análises do estudo “Vaccines Aren’t the End of the Fight, but the End of the Beginning” do Boston Consulting Group (BCG). De acordo com a consultoria, quatro fatores são essenciais para garantir um combate eficaz à pandemia global de coronavírus: disponibilidade, eficácia, segurança e captação.

Foto: Lisa Ferdinando

Para o BCG, a disponibilidade da vacina é uma questão fundamental e se refere a quanto tempo levará para fabricar, distribuir e administrar doses suficientes para proteger uma população global de quase 8 bilhões de pessoas. Já a eficácia dela representa uma possibilidade de que um número maior de pessoas seja vacinado até que a imunidade coletiva seja alcançada. O terceiro fator apontado é a segurança – os testes realizados com vacinas nos últimos meses ajudam a garantir que elas são seguras. O último fator é a captação e está relacionado à importância da vacina ser tão eficiente quanto as estratégias e políticas de comunicação destinadas a gerar confiança em sua segurança e eficácia.

O estudo ressalta que mesmo com um lançamento de vacina de grande sucesso, o público ainda usará máscaras de proteção facial e manterá as medidas de distanciamento social por muitos meses após a autorização regulatória. A expectativa mais otimista é de que essas precauções sejam tomadas até o segundo semestre de 2021. No entanto, se a implementação da vacina for bem menos sucedida, tais intervenções podem permanecer por outros 15 meses ou mais.

O BCG apresenta também três cenários de lançamento da vacina que variam de otimista a pessimista e destacam a necessidade de agilidade e resiliência. Neste sentido, a consultoria ressalta que os países de baixa e média renda provavelmente enfrentarão um cronograma de recuperação mais longo.

Freepik

No cenário otimista, a pandemia persistiria por menos de um ano, o número de infecções diminuiria gradualmente e o vírus estaria sob controle antes do final do terceiro trimestre de 2021. Já no cenário intermediário, o lançamento bom, mas não ótimo, da vacina atrasa o fim da pandemia em cerca de seis meses, até o primeiro trimestre de 2022. O cenário pessimista, por sua vez, sugere que o lançamento não segue conforme o planejado. Nesse caso, surgem ondas subsequentes de casos de coronavírus e a pandemia persiste por mais dois anos.

O estudo pode ser acessado na íntegra clicando aqui.

Fonte: Boston Consulting Group

Cinco mudanças trazidas pelo coronavírus que devem sobreviver à pandemia

2020 foi um turbilhão, mas deixará um legado importante para o dia das pessoas

Depois de meses de pandemia da Covid-19, a vacina contra o vírus já é uma realidade bastante próxima, com países como Inglaterra, Canadá e Estados Unidos sendo os primeiros a iniciar a imunização de seus habitantes. No Brasil, por enquanto, o início da vacinação pelo páis está prometida para a próxima semana. A conferir.

Mesmo que ainda não haja uma certeza de quando haverá o início de uma vacinação em massa por aqui, agora as pessoas já conseguem vislumbrar uma luz no fim do túnel, mas, é importante reforçar que o coronavírus segue infectando milhares de pessoas por dia e tirando milhares de vidas Brasil afora. Não podemos, portanto, agir como se a doença não fosse mais uma ameaça, pois, o considerável aumento do número de casos no país e o surgimento de uma segunda onda de contágio na Europa nos comprovam justamente o contrário.

E quando a pandemia passar, alguns hábitos que foram construídos e mudanças que foram implementadas na vida das pessoas devem permanecer. Até porque, após toda população ser vacinada, ainda demorará algum tempo para termos dados confiáveis sobre como será a vida pós-pandemia. De acordo com especialistas, a vacina impedirá que a pessoa adoeça, mas não se sabe se impedirá a infecção e transmissão a outra pessoa não vacinada.

Isso significa que os mesmos protocolos preventivos que todos seguiram ao longo de 2020 – do distanciamento físico ao uso de máscaras de proteção – ainda devem ser seguidos. Além disso, outras mudanças que se instalaram neste período vieram para ficar de vez e, acreditem, isso é algo bastante positivo. Veja quais são eles e a opinião de especialistas:

Home Office – Trabalhando do sofá

Durante a pandemia, a tecnologia também permitiu que qualquer pessoa que trabalha sentada atrás de um computador pudesse se manter distante da sede da empresa e, este novo formato será adotado permanentemente por muitas companhias. No Brasil, os dois mil atendentes do call center da Tim permanecerão em home office. No Magazine Luiza cerca de 1.500 funcionários — de um total de 40 mil— não precisarão mais ir ao escritório. Até mesmo a Prefeitura de São Paulo implementou o trabalho remoto de forma definitiva para os seus mais de 120 mil servidores.

Com esta mudança, empresas podem reduzir os custos de infraestrutura abrindo mão de espaços físicos ou mesmo alugando lugares menores, além de fazer uma economia considerável com energia elétrica, internet, manutenção e suprimentos. Já para os colaboradores, o home office possibilitou, sobretudo, qualidade de vida sem a exaustiva jornada que incluía horas perdidas no trânsito, diminuição de gastos com transporte, alimentação e roupas e também maior convivência com a família.

“A pandemia acelerou a implementação de um sistema de trabalho que levaria ainda muitos anos para ser adotado de forma abrangente. Havia muitas dúvidas sobre a eficiência do home office e se as pessoas manteriam a performance devido às distrações de casa – de filhos à televisão – mas passados nove meses, muitas empresas relatam que a produtividade permaneceu nos níveis anteriores à pandemia, ou até mesmo aumentou. Portanto, esta é uma mudança trazida pela pandemia que, daqui pra frente, deve se estabelecer e fazer parte da vida das pessoas”, explica o consultor em gestão, governança corporativa e planejamento estratégico, Uranio Bonoldi.

“Anywhere Office” – Meu escritório é onde eu estiver

A pandemia desmistificou o home Office comprovando às empresas que as pessoas podem produzir ainda mais de suas próprias casas e agora está entrando em cena um novo conceito: o “Anywhere Office”, ou, ‘escritório em qualquer lugar’. Esta nova modalidade vai se estabelecer como uma grande guinada com relação à dinâmica de como muitos trabalham atualmente: se com internet e um laptop podemos trabalhar, o escritório será onde estivermos.

E não se trata de nomadismo digital que é quando a pessoa trabalha de um hostel em Bora Bora ou de um café em Berlim, mas de adequar as necessidades profissionais à vida em um local que contribua para a realização pessoal com saúde física e mental. Por exemplo: por quê viver em apartamentos minúsculos em uma grande cidade se há possibilidade de morar e trabalhar em espaços maiores no interior ou mesmo no litoral? Segundo uma pesquisa da plataforma de comércio OLX, a procura por imóveis em cidades do interior cresceu cerca de 30% no mês de julho. Ao que tudo indica ao observarmos metrópoles pelo mundo, este pode ser o início de um verdadeiro êxodo urbano.

“A partir deste novo formato de trabalho, quando não mais for preciso se deslocar diariamente para ir ao escritório, as pessoas passaram a desejar viver em lugares mais espaçosos para trabalhar e ainda conviver de forma mais harmoniosa com a família. Agora, a prioridade é uma vida mais confortável em lugares onde o custo de vida é mais baixo e com mais segurança – os grandes centros urbanos não são compatíveis com esta nova realidade. Consigo identificar esta mudança como o início de uma nova tendência de comportamento”, comenta Dante Seferian, CEO da construtora e incorporadora Danpris.

Produtos que aumentam a proteção? Queremos (precisamos)!

Com o início da vacinação que se aproxima no Brasil, sabemos que em alguns meses a pandemia de coronavírus pode ser apenas uma lembrança pra lá de desagradável. No entanto, ainda não se pode dizer com certeza qual é o futuro da Covid-19. Com base em outras infecções, há poucos motivos para acreditar que o coronavírus SARS-CoV-2 irá embora em breve, mesmo quando as vacinas estiverem disponíveis. Um cenário mais realista é que ele será adicionado à (grande e crescente) família de doenças infecciosas que são conhecidas como “endêmicas” na população humana.

Além disso, especialistas vêm afirmando que mesmo que vacinadas, as pessoas ainda podem carregar e espalhar o vírus e, por conta disso, o uso de máscaras e outras medidas de proteção, como lavar as mãos com frequência e manter distanciamento social, serão necessárias até que a maioria da população seja inoculada. Sendo assim, produtos surgidos com a pandemia com propriedades antibactericidas e antivirais devem fazer parte de nossas vidas de maneira permanente daqui pra frente.

E não estamos falando apenas de máscaras, mas de plásticos que inativam o coronavírus e vêm sendo utilizados para cobrir superfícies diversas, tecidos que por possuírem propriedades anti Covid-19 estão ajudando o setor hoteleiro a expandir as medidas para a segurança de seus hóspedes e até de pisos e tintas de parede que intensificam a proteção das pessoas contra esta doença e outras infecções.

“A pandemia da Covid-19 deflagrou uma nova etapa na guerra com os micróbios. Uma luta histórica contra várias doenças de origem viral ou bacteriana, entre elas a gripe, que reaparece todo ano e, segundo alguns cientistas, poderá vir ainda mais forte. De olho nisso, precisamos criar e aperfeiçoar barreiras contra esses patógenos. E, quanto mais combatermos esses problemas pela raiz, mais evitaremos novos surtos e pandemias. Usar máscaras, lavar as mãos e utilizar produtos com ação antiviral seguirão mesmo após a aprovação da vacina contra o coronavírus. São hábitos que não têm mais volta. Até porque, quando uma epidemia for embora, podemos ter outra batendo à nossa porta”, explica Daniel Minozzi, químico e fundador da Nanox, empresa brasileira de nanotecnologia.

Eventos híbridos – o mundo ao alcance das mãos

Jagrit ParajuliPixabay

Dizer que os últimos meses foram um turbilhão seria um eufemismo. Em questão de dias, eventos ao vivo e conferências planejadas com meses de antecedência foram repentinamente adiadas ou canceladas. Os eventos virtuais se tornaram parte da rotina e, rapidamente, o segmento teve que reaprender a ser eficaz neste novo formato.

Durante este período, uma das lições mais importantes que a indústria de eventos aprendeu foi que, embora os eventos virtuais certamente tenham seus benefícios, os eventos ao vivo sempre serão uma parte importante de qualquer programação de eventos. Sendo assim, os eventos híbridos – aqueles que combinam experiências presenciais e virtuais – serão uma parte essencial na indústria de eventos daqui em diante e serão responsáveis por uma verdadeira transformação na interação do público.

Mas não espere simplesmente uma transmissão ao vivo de uma webcam em um canto, pois é preciso manter os participantes engajados. Agora, do mesmo jeito que os organizadores têm uma equipe de produção para eventos presenciais, precisarão também de uma equipe de produção focada exclusivamente na experiência virtual. “Desde que a pandemia de COVID-19 começou, os eventos virtuais se tornaram a nova opção para empresas e marcas que buscam manter seus clientes engajados durante o longo período de bloqueio. Agora que o mercado lentamente começa a retornar, é preciso se adaptar novamente e os eventos híbridos permitirão aumentar o seu alcance com a transmissão para um público maior do que jamais seria possível pessoalmente”, explica Natasha de Caiado Castro, especialista em inteligência de mercado e CEO da Wish International.

Telemedicina – saúde pela tela

Com o Covid-19, a medicina despontou como um dos segmentos que mais se valeram da tecnologia para assegurar que a população mantivesse seus fluxos de controle sem comprometer ainda mais o sistema de saúde. No início da pandemia, o Governo Federal autorizou que a prática de consultas virtuais pudesse ser realizada. Desta forma, muitos casos não emergenciais puderam ser tratados sem que os prontos-socorros ficassem lotados de casos que podiam ser facilmente orientados à distância com o devido suporte especializado. Passado este momento crítico, este avanço apoiado por recursos tecnológicos que fazem parte do dia a dia das pessoas, permitirá fechar todo o ciclo do atendimento: do telediagnóstico ao acompanhamento contínuo do paciente, facilitando o processo, salvando mais vidas e garantindo que um número muito maior de pessoas tenha acesso à devida opinião médica ao alcance de um clique. “As plataformas de atendimento virtual são um legado positivo para a saúde. A telemedicina estimula a busca por diagnóstico preciso, evita a automedicação e promove a tomada de decisões com respaldo clínico especializado. Esse acesso correto aos serviços de saúde melhora a eficiência do setor como um todo. E olhando para o bem estar do paciente, promove melhores desfechos clínicos, garantindo diagnósticos precoces, orientações e encaminhamento correto”, afirma Vitor Moura, CEO da startup de saúde VidaClass.

“A melhor vacina é a que está disponível mais rápido e que pode vacinar mais gente”

Afirmação é do médico e pesquisador da USP Marcio Bittencourt. Nos testes, a Coronavac reduziu em 78% casos que precisariam de assistência médica e 50,4% da doença em geral, com qualquer nível de gravidade

por Luiza Caires – Jornal da USP

“A melhor vacina é a que está disponível mais rápido e que pode vacinar mais gente, e a melhor saída da pandemia é ter alguma vacina razoavelmente eficaz e segura.” A frase do médico e pesquisador da USP Marcio Sommer Bittencourt refletiu o tom que parte da comunidade científica tenta transmitir à população em relação à Coronavac. Cinco dias após a divulgação ao público de parte das informações e quatro dias após a submissão à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do pedido para seu registro emergencial, o Instituto Butantan apresentou, nesta terça-feira (12), mais números e a metodologia da vacina contra a covid que desenvolveu com o laboratório Sinovac.

Coletiva do Instituto Butantan nesta terça-feira (11) reuniu pesquisadores para detalhes sobre o estudo da Coronavac. Eficácia global da vacina na pesquisa com profissionais de saúde na linha de frente da pandemia foi de 50,4% – Foto: reprodução

Na quinta-feira (7) uma coletiva de imprensa informou que a vacina apresentou eficácia de 78% para prevenir casos relativamente leves, mas que precisam de algum tipo de assistência médica, e 100% para prevenir casos graves, que demandam internação, assim como óbitos. Faltava a porcentagem global de eficácia, que incluía casos da doença, em qualquer nível de gravidade. É o que, no estudo, os especialistas chamam de “desfecho primário”. Levando isso em conta, a eficácia da vacina é de 50,4%. Ou seja, a chance de desenvolver a doença tomando a vacina, por este estudo, é cerca de 50% menor para quem foi vacinado quando comparado a quem não foi. E a chance de, mesmo infectado, não desenvolver sintomas graves com necessidade de assistência nem ir a óbito é 78% menor entre quem tomou a vacina. Este último número é o que os especialistas chamam de “desfecho secundário” ou desfecho clínico.

Como ponto favorável à vacina, o diretor do estudo Ricardo Palácios ressaltou que o estudo foi desenhado para ser o mais rigoroso possível, sugerindo que a eficácia global pode ter caído por isso. Ela foi testada em profissionais de saúde em contato direto com pacientes com coronavírus – o número de casos em trabalhadores que atuam na linha de frente contra a covid é maior. “Se quisermos comparar os diferentes estudos, é como comparar uma pessoa que faz uma corrida num terreno plano com outra que corre num terreno íngreme e cheio de obstáculos. Isso foi o que fizemos: colocar obstáculos”, disse. Participaram 12.476 pessoas em 16 centros clínicos localizados em oito Estados brasileiros.

Natalia Pasternak – Foto: Arquivo Pessoal

Presente no evento, a presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC) Natalia Pasternak chamou a atenção para a efetividade da vacina no “mundo real”. De acordo com a microbiologista, não adiantaria termos uma vacina com 90% de eficácia e poucas pessoas imunizadas porque a vacina não chegou até elas. Por exemplo, porque não temos freezers adequados para armazená-las. Natalia ressaltou que a Coronavac tem potencial de prevenir casos graves e mortes e agora é preciso investir o quanto antes numa campanha publicitária e de vacinação.

Para ela, essa vacina é só o começo do fim da pandemia, e as medidas de prevenção devem continuar. Podem surgir outras melhores, inclusive essa mesma continua sendo pesquisada, aprimorada. “Se essa vacina é o começo, vamos começar!”, concluiu.

Marcio Bittencourt – Foto: arquivo pessoal

Marcio Bittencourt, que integra Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica Hospital Universitário (HU) da USP, também defende os benefícios da Coronavac. “Para uma vacina desenvolvida em um ano, que pode ser produzida em larga escala localmente, distribuída facilmente sem problemas, acho um espetáculo. Sim, tem outras que nas pesquisas foram melhores, mas se você não consegue distribuir não adianta nada”, diz. E ilustra:

“Sendo simplista, ao vacinar 1 milhão com vacina que reduz 95%, o máximo que você protegeu foram 950 mil pessoas. Mas ao vacinar 200 milhões com uma vacina que reduz 50%, você protege até 100 milhões de pessoas. E entre os que pegam, a maioria nem de médico precisa.”

Segurança

Nas etapas anteriores, os cientistas já haviam concluído que a Coronavac era segura e eficaz em produzir imunidade. A fase 3 foi realizada principalmente com o objetivo de saber se o imunizante, de fato, impedia que uma pessoa ficasse doente. Mesmo assim, continuam sendo acompanhados quaisquer reações e eventos adversos com os participantes.

Como mais um ponto a favor da segurança do produto, André Siqueira, pesquisador da Fiocruz que atuou como pesquisador principal do estudo da Coronavac no Rio de Janeiro, ressalta que a taxa de eventos adversos nos grupos placebo e vacinados foram similares, e menores em ambos os grupos após a segunda dose. Entre as reações foram relatadas dor no local da aplicação, dor de cabeça e fadiga.

A Anvisa tem dez dias para responder ao pedido de uso emergencial, após a entrega de todos os dados. O pedido de registro definitivo no Brasil, segundo o diretor do Butantan, deve ser feito pela Sinovac, assim como o pedido de registro em outros países, conforme os dados todos forem consolidados. “A Sinovac recolhe os dados dos estudos e é ela que submete o pedido de registro, inicialmente à MNPA, que é a ‘Anvisa chinesa’, e também à Anvisa ”, disse Dimas Covas.

Detalhando os dados

Durante o evento desta terça, foram apresentados os principais números do estudo. No grupo placebo, 3,6% dos participantes tiveram covid-19 (167 em um total de 4.599). No grupo vacinado, 1,8% pegaram a doença (85 em um total de 4.653).

No grupo placebo, 0,7% (31 participantes entre os 4.653) precisou de assistência médica por covid-19. No grupo vacinado, somente 0,15% (7 de 4.599 participantes) precisou de assistência médica. Ao comparar 0,15%, com 0,7%, chegamos a taxa de 78% pessoas a menos desenvolvendo sintomas graves.

Para André Siqueira, os resultados são positivos na prevenção de infecções que sobrecarregam os serviços de saúde, em especial infecções graves, de modo que podem ter um impacto relevante para a saúde pública. “O quão impactante vai depender do número de doses disponibilizadas, da cobertura populacional nos diferentes Estados e da rapidez desta administração”, fatores que, destaca ele, não estão claros no plano de imunização divulgado pelo Ministério da Saúde.

André Siqueira – Foto: INI/Fiocruz

Ele explica que a taxa de eficácia de 78% apresentada pelo Instituto Butantan foi calculada utilizando como desfecho principal um índice da OMS (ver tabela abaixo), mas considerando somente a pontuação maior ou igual a 3, comparando-se o grupo vacinado e o não vacinado. “Este score vai de 0, que é o assintomático, a 10, que é óbito; 2 é o paciente sintomático, mas independente; 3 é quando a pessoa é confirmada para infecção pelo coronavírus, sintomática, e tem necessidade de intervenção, mas perdeu de certa forma a independência do 2, que é paciente com sintoma leve.”

Já a taxa de 100% foi atingida considerando as formas graves, acima de 4, que precisam de internação. Ou seja, o que não entrou na conta dos 78%, e que não havia sido apresentado ainda pelo governo, era o grupo 2, que é a infecção sintomática, mas que não demanda cuidados médicos, e os assintomáticos.

Coronavac

A vacina da Sinovac é produzida com vírus inativado, incapaz de causar a doença. Quando introduzida no organismo, ativa o sistema imunológico para que ele reconheça aquele corpo estranho e produza anticorpos para se defender.

Os testes mostraram que serão necessárias duas doses da Coronavac – aplicadas em intervalos de 21 dias para garantir imunidade. Segundo o secretário de Estado da Saúde Jean Gorinchteyn, São Paulo já tem disponíveis 10,8 milhões de doses da vacina, e até a primeira quinzena de fevereiro chegarão mais 35 milhões. Dimas Covas anunciou que o Instituto Butantan tem capacidade para produzir 1 milhão de vacinas por dia.

O governador João Doria afirmou que a primeira fase da campanha de vacinação deve ser iniciada em 25 de janeiro deste ano. Profissionais de saúde, indígenas e quilombolas vão receber as primeiras doses.

Eficácia tira foco de outras discussões

O médico e pesquisador do Instituto de Psiquiatria (IPq) da USP José Galucci Neto acredita que estamos voltando muita atenção à questão da eficácia, quando este não é um problema. “A nossa maior chance de fracassar será na hora de transformar a vacina em um programa efetivo de vacinação que atinja a população, capilarize.”

Para ele, considerando que essa será uma campanha de vacinação imensa, talvez a maior da história do País, o Ministério da Saúde teria que ter mobilizado de maneira coesa sociedade civil, profissionais de saúde e a classe política, os governos federal e estaduais. “Mas não houve até o momento nenhum tipo de campanha nem de esclarecimento nem de mobilização. Pelo contrário, as mensagens são sempre ambivalentes, ambíguas.” Para Galucci Neto, tudo indica que o governo federal assumiu o risco de não se preparar acreditando que a pandemia de alguma maneira estivesse menos impactante agora ou já controlada. Haja vista que não adquiriu insumos como seringas e está dependendo de estoques que podem ser usados, mas teriam como endereço outras campanhas vacinais, como sarampo, BCG que vão ter que acontecer em paralelo.

“Não sabemos como está o PNI [Programa Nacional de Imunização], o quanto foi desestruturado, e se vai ter a mesma potência que tinha antes. Na época do H1N1, o PNI vacinou 80 milhões de pessoas em três meses. Mas eles já tinham, antes de começar a campanha, 100 milhões de doses da vacina estocadas e insumos preparados”, recorda. “Acho improvável, da maneira como as coisas estão sendo feitas, que o Ministério da Saúde consiga dar conta das duas coisas de maneira organizada.” Com tudo isso, o pesquisador acha que discutir neste momento se a eficácia é 50% ou 60% acaba sendo “picuinha”, ainda que ele tenha críticas sobre a maneira como foi feita a comunicação do governo estadual sobre a Coronavac. “Passando dos 50%, o Ministério teria que estar preparado para começar a vacinação assim que a Anvisa aprovar, mas não está. Honestamente, estou muito preocupado.”

Fonte: Jornal da USP

.