Arquivo da categoria: criança

Novos roteiros na Cave do Sol, vinícola para adultos e crianças

Meditação, experiência kids com suco de uva e degustação com chocolate são as novidades que já estão em operação

Novidades não param de brotar no Vale dos Vinhedos. A Cave do Sol, mais nova vinícola do destino, inaugurada em setembro de 2020, acaba de lançar mais três roteiros para quem busca viver experiências únicas e seguras, que vão além de visitas guiadas e degustações orientadas. Pensadas para adultos e crianças, em grupos limitados, essas vivências contemplam yoga e meditação na cave, degustação de suco de uva para as crianças e uma degustação harmonizada com chocolate.

No espaço mais particular e restrito, a própria Cave do Sol, destino das degustações especiais e onde está a Enoteca da vinícola, acontece a ‘Saudação ao Sol’, uma aula de yoga e meditação para apenas seis pessoas, conduzida pelos instrutores Augusto e Manoela Schiavenin. Na Cave, o sol, imortalizado na arte de um mosaico multicolorido, ganha a luz natural do astro, faça chuva ou faça sol, iluminado naturalmente por uma cavidade idealizada pela família.

Ali, de forma inédita, os visitantes poderão relaxar para, posteriormente, visitar a vinícola e suas obras de arte, além de degustar espumantes e sucos de uva e saborear uma mesa de antepastos. Cada participante ganha uma taça de cristal personalizada.

Para quem aprecia chocolates, a Cave do Sol está oferecendo em qualquer dia da semana mediante agendamento prévio, a ‘Experiência Vinhos & Chocolates’. O roteiro inclui visita à vinícola e suas obras de arte, além da degustação de cinco estilos de chocolates com vinhos e espumantes. O participante ganha uma taça de cristal personalizada. Para crianças, a experiência é adaptada, substituindo os vinhos por três tipos de suco de uva.

Pensando nos ‘baixinhos’, a Cave do Sol criou uma experiência lúdica e saudável. Enquanto os pais fazem a visita pela vinícola, as crianças se divertem degustando três tipo de suco de uva puro, além de chocolates ou cookies infantis e de um kit pinturinha que acompanha o livreto Purinho, personagem do suco de uva. Como recordação, cada criança ganha um copo de suco de uva personalizado. É a ‘Experiência Kids Suco Puro’.

Para a diretora Cristiane Passarin, as novidades foram pensadas para contemplar toda a família. “O Sol é a nossa grande inspiração. A partir dele, criamos espaços como a própria Cave do Sol que reúnem uma energia mística que faz com que as pessoas queiram desfrutar deste ambiente. Ao mesmo tempo, recebemos famílias com crianças pequenas que podem se divertir com os nossos sucos sem adição de açúcar, água, conservantes, aromatizantes ou qualquer outro tipo de aditivo, somente uva”, destaca.

Novos Roteiros Cave do Sol

Saudação ao Sol (Adultos)
O quê? Aula de yoga e meditação, visita à vinícola e suas obras de artes, degustação de espumantes e sucos de uvas e uma mesa de antepastos. Uma taça de cristal personalizada por participante.
Quando? 10 de julho7 de agosto.
Horário: das 9h30min às 11h30min
Valor: R$ 180,00 por adulto.

Experiência Vinhos & Chocolates (adultos e crianças)


O que? Visita à vinícola e suas obras de arte, degustação de cinco estilos de chocolates harmonizado com vinhos e espumantes e uma taça de cristal exclusiva.
Quando? Diariamente, mediante agendamento prévio.
Horários: de segunda a sábado, às 11h 13h, 14h30min e 15h30min. Aos domingos, às 11h, 13h e 14h30min.
Valor: R$ 90,00 por adulto; R$ 45,00 por criança

Produtos degustados:


Drágeas de Amêndoas com chocolate meio amargo
Vinho: Cave do Sol Chardonnay
Bombom 70% Cacau
Vinho: Cave do Sol Cabernet Sauvignon
Barra de Café 70% Cacau
Vinho: Cave do Sol Tannat
Damasco com chocolate ao leite
Espumante: Solar do Vale Prosecco
Chocolate branco com nozes
Espumante: Solar do Vale Moscatel

Experiência Suco Puro (Crianças)

Degustação de 3 tipos de suco de uva puro
Degustação de cookies infantis ou Degustação de chocolates
Kit pinturinha, contendo um livreto do Purinho, personagem do suco de uva, e uma caixa de lápis para colorir
Ganha 1 copo de suco personalizado
R$ 45,00 se optar por chocolates / R$ 30,00 se optar por cookies no acompanhamento.
Diariamente, horários agendados conforme a escolha da experiência dos pais.

Cave do Sol: RS 444 KM 20,7, no Vale dos Vinhedos. Agendamento pelo e-mail turismo@cavedosol.com.br ou pelo telefone/WhatsApp 54 98418.9882

Mês da família: campanha arrecada doações em prol de crianças e adolescentes com câncer

Instituto Ronald McDonald busca aumentar as chances de cura do câncer infantojuvenil no Brasil aos mesmos patamares dos países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

No mês de maio é celebrado o Dia Internacional da Família (15), e para reconhecer o valor da instituição familiar e ajudar tantas famílias que lutam pela vida dos seus filhos em tratamento oncológico, o Instituto Ronald McDonald está promovendo uma campanha de arrecadação online. A instituição sem fins lucrativos, que há 22 anos atua para aproximar famílias da cura do câncer infantojuvenil no Brasil, pede apoio de toda a sociedade para manter seus projetos e ajudar crianças e adolescentes com câncer, que apresentam um quadro de imunidade muito frágil devido ao tratamento oncológico, sendo mais um perfil no grupo de risco da Covid-19.

“Sem a ajuda que recebemos, nem sei se teria minha filha comigo hoje. O sonho dela é ser curada do câncer. Depois que isso tudo passar e quando ela crescer, Júlia será modelo e estilista. E eu tenho certeza que ela vai realizar todos esses sonhos”. Esse é o relato emocionado de Milene Pereira, mãe da pequena Julia Moreno Faria, de 13 anos, que desde os primeiros meses de vida luta contra o câncer. Julia é uma das crianças que integra as famílias auxiliadas através de doações e projetos do Instituto Ronald McDonald.

Vicente Nascimento e o filho Antônio, de 13 anos, hóspedes da Casa Ronald McDonald Belém

No Brasil, o câncer é a doença que mais mata na faixa etária de 1 a 19 anos, segundo o Instituto Nacional de Câncer, o Inca. A cada hora, no país, surge um novo caso em crianças e adolescentes. No atual cenário da pandemia da Covid-19, o dado se torna ainda mais alarmante, visto que pacientes oncológicos costumam apresentar imunossupressão, seja pela própria doença, seja pelo tratamento, o que os tornam mais suscetíveis a infecções, e não podem interromper o tratamento oncológico.

Devido ao contexto mundial, o Instituto Ronald McDonald realizou em 2020 uma revisão estratégica, e suspendeu a grade de eventos presenciais de arrecadação prevista, principal fonte de doações da instituição. A suspensão resultou em uma queda nas receitas. Mesmo com esse cenário, a organização sem fins lucrativos impactou, só no ano passado, de 154 mil crianças e adolescentes e seus familiares, através de 78 projetos apoiados em 17 Estados e o Distrito Federal no Brasil.

Em 22 anos de história na oncologia pediátrica do Brasil, o Instituto Ronald já investiu mais de R$ 341 milhões mudando a vida de milhares de famílias que lutam pelas vidas de seus filhos. A organização já apoiou 1.624 projetos de mais de 100 instituições de todo o país.

“Ao longo desses 22 anos de história, o Instituto investiu em diversos programas com o objetivo de promover saúde e qualidade de vida de crianças e adolescente com câncer antes, durante e após o tratamento. Mas nada disso teria sido possível sem a parceria e auxílio de voluntários, parceiros e amigos da causa, que através da dedicação incansável, se doaram para mudar a realidade e futuro de milhares de famílias. Mas agora, temos mais um desafio, enfrentar a pandemia do Coronavírus e mais do que nunca precisamos de doações”, solicita o superintendente do Instituto Ronald McDonald, Francisco Neves.

Os recursos arrecadados serão investidos na causa da oncologia pediátrica. Para doar, basta clicar aqui.

Alienação parental vira problema com a pandemia

Paulo Eduardo Akiyama, advogado atuante em Direito de Família, indica curso on-line do CNJ para evitar esse tipo de conflito

A incidência de atos de alienação parental teve um crescimento bastante relevante desde março de 2020 segundo pesquisas feitas por institutos como o Observatório da Alienação Parental. A crise entre casais separados tornou-se mais constante, com discussões e demais conflitos no que se refere aos filhos. Além da privação de convivência imposta ao genitor não guardião, ainda se estendeu a toda família deste. As crianças acabaram sendo afastadas da convivência dos parentes com a desculpa da pandemia e eventual contaminação pelo coronavírus.

Paulo Eduardo Akiyama, advogado atuante em Direito da Família e sócio do escritório Akiyama Advogados Associados, informa que, em 25 de abril, é lembrado o Dia Internacional Contra a Alienação Parental, e sugere aos pais que realmente desejam o melhor aos seus filhos que se inscrevam na oficina de pais e mães do CNJ – Conselho Nacional de Justiça para poderem entender como os casais separados devem se comportar em relação à prole, afim de evitar a prática de atos alienantes.

O advogado destaca que os casos aumentaram por conta da obrigatoriedade do distanciamento social e deslocamento, causando mudança nas visitas pré-estabelecidas. “Muitos detentores da guarda, utilizando-se desta desculpa, atuando fortemente na prática de atos alienantes. Não podemos esquecer que filhos não são mobília da casa, mas sim, seres humanos que necessitam conviver com ambos os genitores e seus familiares. Claro que dentro de uma segurança sanitária, mas também deve-se garantir a convivência para a segurança psicológica”, alerta.

Akiyama ainda ressalta que a comunicação por videoconferência não substitui a convivência presencial entre o genitor não guardião e a prole. “A videochamada, como antes da pandemia, sempre é vista como um meio de comunicação temporária, ou seja, naqueles dias em que não esteja estabelecida a visita, mas não substitui a visita presencial, o contato, o calor humano, o diálogo, a participação em atividades, tudo isto é salutar a criança. A videoconferência trata-se apenas de um paliativo para contato, mas não é convivência”, observa.

Para o advogado, comportamentos alienantes que devem ser sempre evitados pelos genitores, como por exemplo, interromper abruptamente a ligação ou fazer comentários do tipo “chega de lero-lero”, entre outras manifestações. “Isto é prejudicial principalmente para a criança. Muitos pais esquecem que seus atos vão de encontro ao subconsciente da criança, que grava estas informações de repúdio e que, em um futuro próximo, se manifestará no seu comportamento”, adverte.

Ainda segundo Akiyama, qualquer um dos lados que age desta forma, esquece que as crianças crescem e um dia se darão conta do que lhes foi imposto, criando assim uma enorme decepção, em especial, com relação ao genitor praticante dos atos alienantes. “Na internet podemos encontrar vídeos que descrevem este comportamento, depoimentos de pessoas que foram vítimas da alienação parental”, exemplifica.

O advogado orienta sempre seus clientes a agirem em consenso para manter a convivência presencial, prolongando os dias de visita estabelecidos, visto que as aulas não têm ocorrido de forma presencial e também é optativo para os pais que não desejam enviar seus filhos à escola por medo da pandemia. “Há casos em que recomendei ao invés de o genitor visitante pegar o filho na sexta-feira ou no sábado, buscar na quinta feira e em vez de devolver no domingo, retornar com a criança na segunda-feira. Em vários casos isto ocorreu com enorme sucesso, quando não há prática de alienação parental”, comemora.

Fonte: Paulo Akiyama é formado em economia e em direito desde 1984. É palestrante, autor de artigos, sócio do escritório Akiyama Advogados Associados e atua com ênfase no direito empresarial e direito de família.

Pais separados: quem fica com as crianças nas férias escolares?

As férias podem ter um significado diferente para os casais que estão em processo de divórcio ou perto de se divorciar. Quando há filhos e o casamento termina, os pais buscam dividir o tempo de convivência com as crianças. Mas, nas férias escolares, aceitar quem fica com os pequenos pode se tornar um problema.

A convivência é geralmente estabelecida por meio de uma decisão judicial ou então em um acordo entre as partes. Mesmo que o seu divórcio ainda não seja definitivo, deve ser ajustado um regramento temporário e que fornecerá as orientações.

O regime de guarda compartilhada é a regra atual no que se refere à guarda de filhos, salvo exceções estabelecidas pelo juiz. Tanto a mãe quanto o pai tem responsabilidade sobre a criação dos filhos quando a vida conjugal chega ao fim. Mas nessa época do ano surgem dúvidas e disputas. Como serão as viagens e as férias escolares?

Foto: Stocksnap/Pixabay

A maioria dos arranjos inclui uma dessas três opções: não há uma programação especial para feriados e férias; pode haver um cronograma especificado, mas os pais podem concordar em flexibilizar esse cronograma; ou são inflexíveis, seguindo acordos sem negociação entre as partes.

Muitas famílias têm o hábito de passar as férias de verão na casa de tal vô/vó ou na casa da praia dos tios ou padrinhos. E agora? Mesmo que a lei não defina claramente uma regra para esse tipo de situação, o ideal é que haja diálogo e equilíbrio entre pai e mãe separados.

“O importante é pensar nas crianças. Mesmo que a busca por alegria e paz durante esse período seja um desafio gigantesco, certamente isso é possível se os pais concordarem em permanecer flexíveis e colocarem as necessidades dos filhos em primeiro lugar”, comenta a advogada gaúcha Martina Madche, colaboradora do site Idivorciei.

Se o filho ainda é pequeno, por exemplo, o período de convivência exclusiva deve ser mais curto e mais frequente. Isso se aplica, inclusive, quando a criança ainda não dorme sozinha na casa nova de um ou de outro. É preciso paciência na adaptação. Por isso, não é aconselhável, nestes casos, que se tire muitos dias de férias com a criança. Ela pode ficar triste e não aproveitar os dias de descanso.

“Se você está pedindo ao ex-parceiro ou parceira que desista de algo, esteja disposto a dar, em troca, algum tempo extra com os filhos. Embora você tenha a opção de rediscutir tudo em juízo, os tribunais preferem que as partes resolvam seus problemas entre si e decidam o que é melhor para as crianças, em vez de pedir para um juiz que o faça”, lembra Martina.

Uma modificação nas regras provavelmente não terá sucesso se for simplesmente baseada na própria conveniência ou na conveniência do/a ex. O ideal é consultar um advogado especializado em direito da família para receber orientações, já que é comum que os pais separados priorizem suas próprias emoções ao tomar decisões importantes sobre as férias.

“Você e o/a ex devem sempre tentar manter o foco nos filhos, deixando-os saber ao longo da temporada de férias que eles são amados por vocês dois. Mas se estiver enfrentando qualquer tipo de questão jurídica familiar, como divórcio, guarda, pensão alimentícia ou necessidade de modificações, pode entrar em contato com diversos advogados por meio do Idivorciei para agendar uma consulta inicial”, aconselha a advogada.

Em relação às viagens, é bom lembrar que, desde 2019, uma lei federal determina que nenhum menor até 16 anos pode viajar para fora da cidade onde mora desacompanhado dos pais ou responsáveis, sem autorização judicial. A nova lei modificou o artigo 83 do Estatuto da Criança e do Adolescente que regula as viagens de crianças e adolescentes em território nacional. Para viagens ao exterior, se a criança estiver acompanhada apenas de um dos pais, precisa ter autorização expressa do outro, com firma reconhecida em cartório. Outra forma de conseguir essa autorização é por meio de decisão judicial.

Fonte: Idivorciei

Seis questões que podem te fazer incluir mais peixes na alimentação

Pesquisadora da Secretaria de Agricultura e Abastecimento informa que peixe é um alimento saudável para adultos e crianças

O peixe é um alimento rico em proteínas de alto valor biológico e minerais, como cálcio, zinco, magnésio e ferro, além de algumas espécies serem fonte de gordura boa, como o ômega 3. O pescado é um alimento altamente nutritivo e traz como mais uma vantagem a preparação rápida, em poucos minutos, trazendo praticidade para o dia a dia das famílias.

A pesquisadora do Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Cristiane Rodrigues Pinheiro Neiva, responde seis dúvidas frequentes sobre o consumo de pescado que vão te fazer incluir mais peixes na alimentação. Confira!

Quais as melhores espécies para consumir?

Pixabay

No Brasil é possível encontrar uma rica diversidade de espécies de pescado, ou seja, de peixes, crustáceos (camarões e caranguejos), moluscos (ostras, mexilhões, polvo e lula), répteis (rã e jacaré), além de algas. “Portanto, temos muitas oportunidades de variar o consumo de espécies marinhas ou de água doce, provenientes da pesca ou da aquicultura ou ainda em preparações simples ou gourmet”, diz Cristiane. Os consumidores podem variar a preparação utilizando pescados magros, como pescada, linguado, merluza ou bacalhau, e gordos, como sardinha, salmão, atum e cavalinha. “O sabor de cada espécie sofre influências do conteúdo de gordura, sendo, em geral, os peixes gordos considerados por alguns consumidores como os mais saborosos, enquanto os magros apresentam sabor suave e agradam paladares mais requintados”, explica a pesquisadora do IP.

Os benefícios à saúde são reais?

Sim. Segundo Cristiane, há muitos dados científicos sobre os benefícios que o consumo de pescado e algas trazem a saúde, como redução do risco de morte por doença coronária e derrame, diminuição do risco de diabetes, aumento do período de gestação e melhora do desenvolvimento cognitivo e do desenvolvimento neural infantil – quando consumido antes e durante a gestação – e redução do risco de câncer de tireoide em mulheres.

O pescado é um alimento do futuro?

De acordo com a pesquisadora do IP, o pescado representa um alimento importante para o futuro em termos de nutrição, segurança alimentar e sustentabilidade e é a terceira proteína mais consumida pela humanidade depois de cereais e leite. “Uma alimentação rica e segura na infância estimula uma alimentação saudável na vida adulta. Portanto, a criança que cresce comendo peixe, provavelmente será um consumidor saudável quando adulto”, afirma.

Não gosto do cheiro… o que fazer?

O cheiro de peixe pode ser desagradável para muitas pessoas e é um indicador de como está o frescor do pescado, sendo uma característica importante para ser observada na compra do produto. “Peixes frescos e com qualidade apresentam cheiro e sabor suaves, sendo os odores ruins sinais de deterioração. Escolha locais de compra que demonstrem e garantam a procedência e os cuidados higiênicos e sanitários necessários e recomendados pelas autoridades sanitárias”, explica Cristiane. Como o peixe e os frutos do mar estragam mais rápido do que outras carnes, organize-se quanto a quantidade comprada e sua conservação refrigerada até o momento do preparo. Na dúvida congele pequenas porções a serem consumidas de cada vez, descongele-as sob refrigeração e evite o recongelamento.

Como fazer com a presença de espinhas?

Lena Eriksson/Pixabay

Algumas espécies de peixe possuem pequenos ossos ou espinhas intramusculares, o que pode causar acidente na hora do consumo. A sugestão é atenção para a retirada desses espinhos antes do consumo ou o preparo de peixes sem esses organismos, como cação, pirarucu, pintado, tambaqui e bagre, principalmente, quando se for servir pratos à base de pescado para as crianças. Outra opção é a compra de filé ou de carne mecanicamente separada que apresentam menores chances de terem espinhas.

Peixe pode ser consumido por crianças?

Sim, podem. Os especialistas em saúde recomendam incluir o pescado de duas a três vezes por semana para adultos, com porções de 100 a 120g, e de uma a duas vezes por semana para as crianças com porções de 30g a mais, conforme a idade. O Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, desenvolvido pelo Ministério da Saúde, recomenda a partir do sexto mês, pode-se fazer a introdução do peixe na dieta dos bebês.

As crianças podem ser mais receptivas ao pescado se a escolha começar por espécies com sabor mais suave como a pescada, a tilápia ou o linguado. Para conquistar o paladar infantil busque novas formas de preparo e inove nas receitas.

Cristiane sugere o preparo, por exemplo, de iscas ou pedaços de peixes empanados em casa. “Comece temperando o peixe com sal e limão, mergulhe as tiras no ovo batido e cubra com farinha de rosca caseira, regue com azeite, leve ao forno e sirva com um delicioso molho de iogurte ou mostarda com mel. O preparo ao forno de filés com azeite, tomates, cebolas e batatas em rodelas e ervas frescas, pode ser uma ótima alternativa a fritura! Não esqueça da praticidade dos enlatados no preparo de saladas de batata, patês e molhos para massas”, orienta a pesquisadora do IP.

Muitas crianças têm acompanhado o aumento de consumo de peixes crus, o qual pode acontecer com os cuidados relacionados a manipulação e conservação adequados antes do preparo para que não haja risco de contaminação microbiológica. “O peixe cru fica delicioso e mais seguro se servido como ceviche, mergulhado no caldo de limão, azeite e rodelas finas de cebola”, diz Cristiane.

Mais informações

Para mais informações sobre o consumo de pescado, acesse as publicações da série Pescado é Saúde, produzidas pelo IP e a Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro):

Pescado é Saúde – Aproveitamento Integral do Pescado
Pescado é saúde: salga, secagem e defumação
Pescado é saúde: uso do frio

Veganismo na infância, pode?

Nutricionista explica como pais veganos podem educar os filhos dentro do estilo de vida que elimina o consumo de produtos de origem animal

No domingo, 1º de novembro, comemora-se o Dia Mundial do Veganismo. E muitos adultos, adeptos ao veganismo, estão ensinando os filhos a seguirem o mesmo estilo de vida, mas ainda restam dúvidas sobre como substituir produtos de origem animal na rotina das crianças, inclusive quando se trata da alimentação, por ser um fator decisivo no desenvolvimento saudável dos pequenos.

“É importante que os pais informem o pediatra sobre o hábito alimentar da família, principalmente após o período de aleitamento materno exclusivo, para que o médico atue na prevenção de carência de nutrientes na criança, recomendando a suplementação de vitaminas se necessário”, informa a nutricionista Jessica Santos, da Superbom.

Confira abaixo alimentos que não podem faltar no cardápio de uma criança vegana

Vegetais de folhas escuras: espinafre, escarola e rúcula devem fazer parte das refeições de todo vegano porque o principal nutriente presente nesses tipos de vegetais é o ferro, encontrado também na carne vermelha, e extremamente necessário para as crianças já que melhora a resistência a infecções e previne a anemia. 

Leguminosas: variedades como feijão, grão-de-bico e ervilha além de também serem fontes de ferro, são considerados ótimos substitutos da carne animal porque têm alta concentração de proteínas, fundamentais para o bom funcionamento do organismo das crianças.

Pixabay

Cereais integrais: ricos em vitaminas do complexo B e de fibras alimentares, os cereais contribuem para a melhora do sistema digestivo e também são uma ótima fonte de energia por terem carboidratos complexos. “Esses cereais podem ser introduzidos na alimentação dos pequenos através de pães, biscoitos e massas feitos com farinhas integrais”, sugere. 

Miroro/Pixabay

Substitutos de carnes e queijos: por fim, a nutricionista indica ainda alimentos prontos enriquecidos com vitaminas que podem substituir os de origem animal no cardápio das crianças como proteínas vegetais e queijos veganos, sendo que algumas opções ainda tem a vitamina B12, importante para quem tirou a carne animal da alimentação. 

Sugestões de produtos – Superbom

Proteínas da ervilha – Superbom

As opções de carnes 100% plant-based feitas a partir da proteína da ervilha da Superbom são enriquecidas com vitaminas A, B12, B9, além dos minerais ferro e zinco, portanto nutritivos para as crianças e toda a família. Estão disponíveis nas versões: Frango Vegano, Coxinha Vegana, Steak sabor Peixe e Burger Gourmet vegan.

Queijos veganos Superbom

Os queijos veganos da Superbom são nutritivos e saborosos, ideias para compor lanches e refeições das crianças. Disponível nos sabores cheddar, prato, mussarela, provolone, parmesão e na versão gourmet brie, cheddar, parmesão e mussarela.

Fonte: Superbom

Graacc promove 1ª Corrida Virtual para arrecadar recursos

Valor arrecadado com inscrições desta nova modalidade de corrida será destinada ao tratamento de crianças e adolescentes no Hospital do Graacc, referência em casos de alta complexidade

O Hospital do Graacc leva sua tradicional corrida e caminhada para a Internet e abre inscrições para a 1ª edição da “Corrida Virtual do Graacc”. Entre os dias 13 de outubro e 20 de dezembro, os corredores poderão se inscrever para participar das provas nos percursos de 3K, 5K, 10K ou nas novas modalidades de 21K e 42K.

Após a inscrição, o participante corre ou caminha utilizando um aplicativo de corrida ou GPS para cronometrar o tempo, como o Strava ou Garmin, comprova a realização do percurso, enviando foto ou informações pelo aplicativo da 99 Run e recebe o kit escolhido via correio, em qualquer região do Brasil.

“Vale ressaltar que para cumprir o desafio, os participantes devem manter as regras de distanciamento social e evitar fazer o percurso em locais com possíveis aglomerações. O ideal é correr em esteiras ou locais com pouco fluxo de pessoas, sempre respeitando as regras em vigor contra a Covid-19”, comenta Tammy Allersdorfer, Superintendente de Desenvolvimento Institucional do Graacc.

1ª Corrida Virtual Graacc

Após ter de cancelar em maio a 20ª edição da Corrida e Caminhada que acontecia tradicionalmente no Dia das Mães, por conta da pandemia do novo coronavírus, a corrida deste ano será virtual. Além dos tradicionais percursos realizados na prova física como a caminhada de 3K e as corridas de 5K e 10K, a corrida virtual traz mais duas novidades, a prova de 21K e de 42K, ideal para atletas que gostam de percursos longos.

São três opções de kits de inscrição: medalha (R$ 59,90); medalha e camiseta personalizada (R$ 99,90) ou medalha, camiseta personalizada e caneca (R$ 159,90). As inscrições podem ser feitas no site funil.99run.com/99run/graacc.

Corrida solidária

Além de manter o corpo em movimento, contribuindo com a boa saúde física e mental, os participantes contribuem para que crianças e adolescentes possam ter todas as chances de cura do câncer com qualidade de vida. Recebendo não apenas atendimento ambulatorial, mas também sessões de quimioterapia e radioterapia, cirurgias, transplante de medula óssea, além dos cuidados de uma equipe multidisciplinar especializada no tratamento do câncer infantojuvenil, com nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, fisiatras, cardiologistas, dentistas, professores, entre outras especialidades. A taxa média de cura do Hospital do Graacc é de mais de 70%, índice comparável aos melhores centros especializados no mundo.

1ª Corrida Virtual Graacc
Inscrições: de 13 de outubro a 20 de dezembro de 2020.
Período de realização: um ano a partir da data de inscrição
Inscrições e informações: 99 run
Aplicativo: 99 Run
Patrocínio Master: Comexport
Patrocínio: Bloomberg, doTerra e United Airlines
Apoio: AçoTubo, Cosan, Instituto Alcoa e Novartis

Pizza Prime lança sabor doce no Dia das Crianças

Comprando uma redonda grande, o cliente leva grátis a versão pequena da Kibueno, a nova opção de pizza da rede

Especialmente hoje, dia 12 de outubro, a rede Pizza Prime vai fazer uma promoção especial que inclui o lançamento da Kibueno, uma incrível pizza de massa leve e crocante coberta com creme de leite ninho, morangos fatiados e cacau em pó salpicado. Na compra de uma redonda grande, o cliente leva de graça a versão Kibueno pequena, para deixar o Dia das Crianças muito mais gostoso e completo.

A Pizza Prime é a maior rede de pizzarias 100% brasileira e oferece um cardápio bem variado, com mais de 60 sabores, incluindo versões tradicionais, doces, veganas, especiais e primes. Todas as massas passam pelo processo de longa fermentação, o que garante crocância, maciez e leveza, proporcionando uma experiência gastronômica inesquecível.

A promoção é válida apenas no Dia das Crianças e para pedidos feitos pelo site, WhatsApp e aplicativo próprio da rede, que pode ser baixado no App Store ou Google Play.

Ensinar criança a cozinhar pode ajudar no gosto por uma alimentação saudável

Fazer os filhos terem uma dieta variada e balanceada é dilema de quase 90% dos pais, segundo levantamento feito em todas a regiões brasileiras

Quase nove em cada dez pais brasileiros relatam entraves para fazer os filhos terem uma dieta variada e balanceada, segundo um levantamento feito por uma renomada revista brasileira especializada em saúde. O levantamento divulgado em julho deste ano foi feito com mais de mil famílias em todas a regiões do país apontou como principal problema, alegado por 61% dos entrevistados, a rejeição dos filhos em experimentar novos alimentos.

Para ajudar na solução desse dilema comum a milhares de pais e mães a dica da chef e professora de culinária Adriana Gomes é algo que muitos adultos temem em fazer: levar as crianças para a cozinha. Mas segundo a chef, desde que tudo seja feito de forma segura, respeitando as limitações naturais de cada idade e o acompanhamento cuidadoso dos pais, cozinhar pode se tornar uma atividade lúdica que irá reforçar a ligação da criança com o alimento.

“Você não precisa fazer isso todo dia, obviamente, mas separe ao menos um dia na semana para levar seu filho ou filhos para cozinha. Ao se envolver com o preparo da comida, mesmo que seja uma ajuda simples, a criança irá se comprometer e ter mais curiosidade com o alimento”, explica a chef de cozinha que, a convite da Marajoara Laticínios, assinou três receitas práticas que podem ser feitas por crianças com a ajuda dos pais. As receitas estarão disponíveis nas redes sociais e no portal da marca na internet, a partir de hoje, 12 de outubro, Dia da Criança.

Outra dica dada pela chef é o uso de receitas que levam leite, que é um alimento que está muito presente na dieta das crianças, principalmente nos primeiros anos de vida, seja na mamadeira, no achocolatado ou no iogurte. “Uma das receitas que iremos ensinar é o Geladinho de Chocolate Trufado, que é super adequado às crianças, desde que observada suas tolerâncias. É simples, nutritivo, refrescante e vai super bem o ano todo. O seu preparo leva leite, creme de leite e leite condensado”, afirma a chef.

Confira a seguir a receita sugerida por Adriana para criançada fazer com os pais em casa.

Geladinho Trufado

Ingredientes
1 caixa de leite condensado;
1 caixa de creme de leite (200gr);
1 1/2 xícara de leite integral;
1 colher de sopa de Liga Neutra
200 g de chocolate tipo cobertura derretido
saquinhos para embalar com 6 cm largura

Modo de preparo
Derreta o chocolate no micro-ondas e coloque 3 colheres em cada saquinho, espalhe até a metade da altura do saquinho e reserve. Para o creme coloque todos os ingredientes no liquidificador ou use um mixer para bater bem por 2 minutos. Preencha os saquinhos, feche dando um nó e leve para o freezer, onde deverá ficar por no mínimo 6 horas. Depois é só aproveitar com a criançada.

Fonte: Marajoara Laticínios

“Ser criança”*

“Ser criança é dureza-
Todo mundo manda em mim-
Se pergunto o motivo,
Me respondem “porque sim”.

Isso é falta de respeito,
“Porque sim” não é resposta,
Atitude autoritária
Coisa que ninguém gosta!

Adulto deve explicar
Pra criança compreender
Esses “podes” e “não podes”,
Pra aceitar sem se ofender!

Criança exige carinho,
E sim! Consideração!
Criança é gente, é pessoa,
Não bicho de estimação!”

Ilustração: clker-free pixabay

*Tatiana Belinky