Arquivo da categoria: dermatologista

Sete benefícios da prática sexual para a pele

Prática rejuvenesce a pele, melhora hidratação e brilho, desobstrue poros, previne a acne e acelera renovação e cicatrização do tecido cutâneo.

Apesar do assunto ser ainda um grande tabu, a prática sexual vai muito além do prazer e é extremamente benéfica para o organismo, sendo capaz, por exemplo, de melhorar o humor, diminuir dores e auxiliar na queima de calorias. E os benefícios do sexo não param por aí, já que, de acordo com a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a prática também é capaz de promover a melhora da qualidade da pele.

“Isso porque durante o sexo são liberados uma série de hormônios e substâncias, como o estrogênio e a testosterona, que estão diretamente envolvidos na manutenção da saúde da pele”, destaca a médica. Quer saber quais são esses benefícios? A médica listou abaixo. Confira:

Pinterest

Mais brilho e hidratação – assim como um exercício físico, durante o sexo, o fluxo sanguíneo aumenta, passando a levar oxigênio e nutrientes de forma mais eficaz para os tecidos, incluindo a pele. “Além disso, o sistema linfático passa a trabalhar em maior velocidade, desintoxicando o organismo e diminuindo a retenção de líquidos. Como resultado, a pele ganha um aspecto mais saudável, tornando-se hidratada, corada e viçosa”, afirma a dermatologista

Melhora da textura – “O sexo e, principalmente, o orgasmo promovem um aumento nos níveis de testosterona e estrogênio, hormônios que estão ligados não só a beleza e a saúde da pele, mas também dos cabelos e das unhas, tornando-os mais fortes e com uma textura melhor.”

Ação anti-idade – a prática sexual promove o estímulo da produção das fibras de colágeno e elastinas, que são responsáveis por conferir sustentação e elasticidade ao tecido cutâneo. “Logo, há um risco menor da pele tornar-se flácida ou apresentar rugas e linhas de expressão precocemente, além de tornar-se mais firme, elástica e com menos sinais de envelhecimento”, diz a Dra. Paola.

Acelera a cicatrização e regeneração da pele – a prática sexual fortalece e favorece a regeneração da pele, o que pode tornar a cicatrização mais rápida. “Além disso, estudos apontam que o sexo melhora o sistema imunológico, que também está envolvido no processo de cicatrização da pele”, completa a especialista.

Redução do estresse – o sexo diminui o nível de cortisol, conhecido como hormônio do estresse, melhorando, consequentemente, a qualidade do sono e retardando o aparecimento de rugas e linhas de expressão. “Isso porque o cortisol potencializa o estado inflamatório persistente do tecido cutâneo, diminuindo a longevidade e a atividade das células que compõem a pele, o que a torna mais propensa a ter rugas”, explica a médica. “Por causa da diminuição do estresse, o sexo também reduz a acne, já que o cortisol estimula a produção de oleosidade excessiva pelas glândulas sebáceas.”

Sensação de bem-estar – “A sensação de prazer durante o sexo é causada pela liberação de endorfinas, que são analgésicos naturais do organismo que conferem sensação de bem-estar, felicidade e euforia, o que acaba influenciando positivamente na aparência da pele.”

Desobstrução dos poros – é comum suarmos durante o sexo, assim como quando realizamos qualquer tipo de esforço físico intenso. “E o suor auxilia na eliminação de sujidades acumuladas no interior dos poros, desobstruindo-os e, consequentemente, prevenindo a formação de cravos e espinhas”, finaliza a médica.

Fonte: Paola Pomerantzeff é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), tem mais de 10 anos de atuação em Dermatologia Clínica. Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina Santo Amaro, a médica é especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Oito erros comumente realizados na hora do banho que podem prejudicar a saúde

Apesar de parecer um hábito simples, existe uma série de cuidados que devem ser tomados durante o banho para evitar o surgimento de condições que podem afetar a pele, os cabelos e o organismo como um todo

Seja de manhã para acordar ou à noite para relaxar, não há nada melhor do que tomar um bom banho. Mas, por mais simples e rotineiro que esse hábito possa parecer, existem certas práticas que nós realizamos durante o banho que podem ser prejudiciais para a pele, os cabelos e o organismo, como a falta de higienização das toalhas, o tipo de sabonete utilizado ou a temperatura da água.

Por isso, mesmo durante o banho mais rápido, devemos tomar alguns cuidados para evitar sofrer com problemas como ressecamento da pele e dos cabelos e até mesmo infecções. Então, para ajudar você a aproveitar o banho da melhor maneira possível, reunimos um time de especialistas para dar dicas sobre como realizar esse hábito. Confira:

Tomar banho em excesso: principalmente no verão, é comum tomarmos mais de um banho por dia. Mas é importante tomar cuidado com esse hábito, pois o excesso de banhos pode interferir no ambiente cutâneo saudável, prejudicando o manto hidrolipídico e a microbiota. “Limpar demais a pele, sem repor a umidade, pode causar um ressecamento em um primeiro momento e depois a produção rebote de mais oleosidade. Além disso, o excesso de lavagens pode desequilibrar o microbioma da pele, uma ‘população’ de bactérias boas que nos protegem contra doenças e outros problemas, como ressecamento e sensibilidade da pele”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por isso, o recomendado é que você tome banhos no máximo duas vezes por dia.

Tomar banho com água quente: água quente pode remover demais a oleosidade da pele, favorecendo o ressecamento, descamação, irritação e o efeito rebote, que leva ao aumento da produção de oleosidade. Logo, o ideal é optar por banhos frios. “Além de prevenir a perda da oleosidade natural da pele, a água fria ajuda a contrair os vasos sanguíneos, fechando os poros e diminuindo a vermelhidão e o inchaço, e aumenta a circulação na região, conferindo ao rosto um aspecto mais brilhante e saudável”, destaca Claudia Marçal, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Outra opção é optar por banhos curtos, com menos de dez minutos, em água morna, que já são suficientes para manter a pele e o cabelo com uma aparência brilhante e saudável. Se tiver dúvidas quanto a temperatura da água, basta observar os espelhos e o box: caso estejam embaçados, é melhor diminuir a temperatura.

MyMedicineBox

Lavar os cabelos excessivamente: todo mundo sabe que não lavar os cabelos pode favorecer o surgimento de uma série de problemas, como queda e caspa. Mas realizar a higienização em excesso é igualmente prejudicial. “Não remover demais a oleosidade dos fios estimula a produção de sebo pelas glândulas sebáceas. Por isso, o recomendado é que você lave os cabelos de acordo com as suas necessidades. Por exemplo, quem pratica atividades físicas ou utiliza pomadas nos cabelos deve higienizá-los diariamente para remover impurezas e resíduos de produtos que podem ficar acumulados nos fios. Já quem tem cabelos oleosos e grossos pode aumentar um pouco o espaço entre as lavagens, que deve ser ainda maior no caso de pessoas de cabelos secos e finos”, recomenda Lucas Fustinoni, médico divulgador científico nas áreas de Tricologia e Estética, Fellowship de Estética em Miami e membro da World Trichology Society.

Utilizar o sabonete errado: usar apenas um sabonete durante o banho é prejudicial para a pele, pois o tecido cutâneo de diferentes regiões possui características e necessidades específicas. Por isso, o recomendado é que você tenha dois sabonetes diferentes: um para o corpo e outro para o rosto. “O pH do sabonete corporal é incompatível com a pele do rosto. Logo, se utilizado nessa região, pode causar desidratação e, em seguida, o efeito rebote. E o mesmo vale no caso contrário, já que, por ser mais suave, o sabonete facial pode não ser eficaz na remoção de sujidades e oleosidade do corpo”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Além disso, é importante evitar o uso de sabonetes com ação antisséptica. “Isso porque esse tipo de sabonete pode reduzir a quantidade dos microrganismos responsáveis por manter o pH da pele em equilíbrio, tornando-a ressecada, desprotegida e mais suscetível a doenças como dermatite e acne e aos danos ambientais que causam o envelhecimento precoce”, completa Cassiano.

Shutterstock

Passar o sabonete onde você não deveria: utilizar o sabonete em todo o corpo é a ação mais natural. Mas existe uma região que, ao contrário do que muitos pensam, não deve ser higienizada com sabão. “A vagina não necessita de assepsia, pois, além de acumular menos sujidades, possui pH menos ácido, que, quando desequilibrado devido à higienização, favorece a proliferação de agentes patógenos que podem causar infecções. Logo, o ideal é realizar a higienização apenas da vulva, que é a parte externa do órgão genital feminino”, explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU.

AlamyStockPhoto

Não trocar a toalha com frequência: é fundamental trocar e higienizar as toalhas pelo menos uma vez por semana. “Isso porque as toalhas são um ambiente propício para a proliferação de fungos e bactérias, além de acumularem óleos, células da pele e outros detritos, o que pode aumentar o risco de infecções de pele e irritações”, alerta Claudia. Além de lavar regularmente, é importante secar as toalhas corretamente para mantê-las livres de microrganismos nocivos. Logo, o ideal é pendurá-las em um local fresco, com bastante circulação de ar e pouca umidade e esperar até que sequem completamente.

Usar a mesma toalha para o corpo e rosto: segundo Claudia, além de lavá-las com regularidade, é importante utilizar toalhas diferentes para o corpo e para o rosto. “Isso porque alguns resquícios de produtos que você coloca em seu corpo, como hidratantes e fragrâncias, podem ficar na toalha e serem transmitidos para o seu rosto, obstruindo os poros, favorecendo o surgimento de cravos e espinhas e causando erupções cutâneas”, completa a dermatologista.

Não hidratar a pele após o banho: e os cuidados não devem ser restringidos apenas ao momento do banho em si. Após se enxugar, é fundamental realizar a hidratação da pele da face e do corpo para manter a barreira de proteção do tecido intacta. “Para isso, o ideal é buscar produtos cujos veículos sejam à base de fosfolipídeos, que formam uma segunda pele e protegem a derme de forma mais efetiva diminuindo a perda de água por evaporação. A associação do ácido hialurônico de alto e baixo peso molecular também é uma ótima opção, pois os ativos atuam em sinergia para estimular a produção de hidratação natural em todas as camadas da pele”, destaca Paola.

Você pode investir em substâncias como Hyaxel, DSH CN, Nutriomega 3, 6, 7 e 9. Para hidratar a face, por exemplo, você pode optar pelo uso do sérum 4D, da Buona Vita, que contém quatro ácidos hialurônicos, incluindo os de alto e baixo peso molecular, para promover hidratação nas camadas mais profundas da pele e preenchimento das rugas.

Já para o corpo, aposte no Nutribalm Lipid Replenish, da Ada Tina Italy, um hidratante corporal com Niacinamida Clareadora de textura leve e macia capaz de hidratar, nutrir, proteger e manter a pele integra e saudável, sendo assim capaz de prevenir o envelhecimento e o escurecimento da pele. “Aplicar os hidratantes após o banho é uma ótima maneira de melhorar a penetração dos ingredientes cosméticos. Mas tome cuidado na hora de aplicar os produtos para não deixar de lado regiões como pescoço, área dos olhos, joelhos e cotovelos. Além disso, evite realizar movimentos muito bruscos e repetitivos, que podem irritar a pele, fazendo com que os produtos percam o seu efeito”, finaliza Isabel Piatti, Consultora Executiva em Estética e Inovação Cosmética e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita.

Sem enrolação: tricologista esclarece dúvidas sobre cabelos cacheados e crespos

O Brasil é uma nação de diversidades. E isso se traduz também nos cabelos, sendo o país com mais tipos no mundo. Entre eles, os fios cacheados e crespos são maioria, representando 70% deles, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Beleza Natural, em parceria com a Universidade de Brasília (UnB).

Mas se antes as madeixas encaracoladas eram motivo (desnecessário) de vergonha, hoje elas ganham cada vez mais visibilidade, com produtos e tratamentos específicos. Um “carinho” merecido, na opinião da médica especializada em Dermatologia clínica e cirúrgica e tricologista, Carla Bortoloto, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD).

“As madeixas crespas e cacheadas necessitam de cuidados especiais, já que devido ao formato espiralado do fio, a oleosidade natural do cabelo, produzida na raiz, enfrenta dificuldades para chegar às pontas, tornando-os mais frágeis e ressecados”, explica.

Daí a importância em se manter os cuidados com a higiene e hidratação dos fios, além de procurar se alimentar de forma balanceada para manter os fios longe de problemas como frizz, quebra e queda.

A seguir, a médica esclarece algumas das principais dúvidas sobre a saúde e a beleza dos cabelos crespos e cacheados:

O cabelo crespo cresce menos?
Na verdade, os fios cacheados e crespos crescem na velocidade normal, mas devido à sua textura, eles enrolam, causando a impressão de “encolhimento”. Para “aumentar” a velocidade de crescimento dos cachos o ideal é manter uma alimentação equilibrada, com frutas, vegetais, proteínas e minerais. Usar suplementos orais também pode ajudar, mas essas vitaminas devem sempre ser prescritas por um especialista.

Foto: GoodHousekeeping

Os cabelos crespos caem mais?
Perde-se, em média, de 100 a 120 fios de cabelo por dia. Os cabelos crespos são mais frágeis, por isso quebram mais, mas caem na mesma quantidade que os outros tipos de fios. O que causa a impressão de que os cabelos crespos caem mais é o fato de que às vezes, os fios se soltam da raiz, mas ficam enrolados nos outros cachos e vão se acumulando ali ao longo do dia. Então, na hora de pentear ou de lavar, a quantidade de cabelos “em queda” parece maior. Para evitar a queda, invista na alimentação balanceada e saudável, incluindo no cardápio frutas, legumes, vegetais, grãos e outros alimentos in natura (de origem vegetal e animal). Além disso, mantenha os cuidados gerais com a higiene e evite processos químicos muito agressivos.

Cabelos crespos e cacheados têm mais pontas duplas?
As pontas duplas são causadas por agressões à cutícula do cabelo (parte externa do fio) e podem surgir em qualquer tipo de fio. Entretanto, o problema é mais recorrente nos crespos e cacheados, não apenas devido à sua fragilidade natural, mas, principalmente, aos excessos térmicos, como o uso de chapinha e secador, e químicos, como tinturas, progressivas e relaxamentos. Para prevenir o problema, o ideal é reforçar a hidratação dos fios. Além disso, tratamentos como queratinização e cauterização auxiliam na reposição da massa dos cabelos.

Realizar hidratações caseiras é o suficiente para manter a saúde e beleza dos fios cacheados e crespos?
Não. As mechas cacheadas e crespas possuem características e necessidades próprias, em especial precisar de uma maior hidratação. As hidratações caseiras não conseguem penetrar integralmente na fibra capilar, tornando o cabelo quebradiço, com frizz e pontas ressecadas. Além disso, alguns ingredientes utilizados nessas receitas, como as frutas cítricas, podem manchar a pele e, em casos mais graves, ocasionar queimaduras no couro cabeludo.

Os danos causados pelo uso de química são mais fortes nos cabelos crespos?
De maneira geral, todos os tipos de cabelo sofrem com a ação das químicas, seja coloração, alisamento, relaxamento. No entanto, o cabelo crespo tem uma estrutura mais frágil que o torna mais propenso à quebra. Por isso, os cuidados com esse tipo de fio devem ser redobrados. Da escolha dos produtos às técnicas empregadas, tudo deve levar em consideração a textura original das mechas.

Produtos com queratina fazem bem aos cabelos crespos?
A queratina (proteína responsável por dar rigidez ao fio) é o principal componente do cabelo, mas ela vai se desgastando aos poucos devido a agressões externas, como a exposição ao sol, por conta da radiação e do calor, a poluição, o excesso de produtos químicos. Tratamentos como a queratinização ou o uso de produtos que apresentem queratina em sua formulação podem ajudar a reconstruir a fibra e acabar com a porosidade, entretanto é preciso estar atento, pois o excesso da proteína pode tonar a haste capilar rígida demais, tornando o fio mais fácil de quebrar. Por isso é importante sempre contar com a avaliação de um profissional para saber se essa reposição é de fato necessária.

O cobre presente na água faz mal aos cabelos crespos?
O cobre presente na água do chuveiro vai acumulando nos fios a cada lavagem, tornando os cabelos mais frágeis e sensíveis aos raios UV emitidos pelo sol e também aos tratamentos químicos, como alisamentos e colorações. Uma forma de prevenir o problema é usar no chuveiro um filtro para barrar o cobre, encontrado em loja de materiais de construção.
Vale lembrar, no entanto, que na alimentação, o cobre desempenha papel fundamental. Alimentos como fígado, lentilha e semente de girassol e chocolate, auxiliam na composição celular e para cabelos o cobre fundamental para o crescimento, tanto em velocidade quanto em volume.

Pinterest

Por que o cabelo crespo sofre com a ação a água do mar?
Em contato com a água do mar, os cabelos sofrem um processo de desidratação. Resultado: fios opacos, com eletricidade estática (frizz) e, em alguns casos, mais quebradiços e “elásticos”. Para curtir o mar sem estresse, capriche nas hidratações durante o período. Fios hidratados possuem escamas mais fechadas e ficam menos suscetíveis aos danos. E a recuperação também é mais fácil.

Fonte: Carla Bortoloto é médica especializada em Dermatologia Clínica e Cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD).

Dermatologista alerta para riscos de tratamentos estéticos caseiros

A Internet é como um livro de receitas que compartilha orientações sobre os mais variados tratamentos estéticos caseiros, de soluções simples a resultados milagrosos. No entanto, é preciso ficar alerta, já que qualquer método oferece risco à saúde, como explica a dermatologista Cibele Tamietti Durães, da Clínica Leger.

“Todo tratamento estético realizado em casa, sem supervisão médica, tem seus riscos, pois cada pele é única e nem sempre o que é bom para uma será para outra”, explica Cibele, que é membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Você já se aventurou em alguma dessas receitas e não conquistou o resultado que queria? Cibele é categórica ao falar dos riscos aos quais você se expôs: “Produtos e substâncias aparentemente inofensivas podem desencadear irritações e alergias. Procedimentos realizados de forma incorreta, ou com aparelhos não confiáveis, podem provocar queimaduras na pele e até necrose tecidual no local, com consequentes manchas e cicatrizes”.

Esfoliantes caseiros, o uso de limão como clareador, remoção de pintas e verrugas em casa. a dermatologista alerta para o risco de cada processo. Confira:

Quais os perigos das receitas de esfoliantes com grânulos muito grosseiros para a pele e intervalos não adequados entre as esfoliações?

Pinterest

Os esfoliantes com grânulos grosseiros podem agredir a pele e escoriá-la, e se a pele for muito fina e sensível, o estrago será ainda pior. Como consequências, podem aparecer marcas e manchas na pele. É preciso cautela e supervisão do profissional na escolha de um esfoliante.

O uso do limão como clareador de manchas também oferece riscos para a pele? Quais?

O uso de limão como clareador vem da cultura popular, mas o limão, além de não clarear a pele, pode deixar resíduos (mesmo após lavar a pele) que, expostos à radiação solar, ocasionam uma reação denominada “fotofitodermatose”. Ela consiste em uma queimadura na pele, com consequentes manchas escuras, e até bolhas ou cicatrizes.

Quais os perigos da remoção caseira de pintas e verrugas?

Getty Images

São dois os principais riscos. Primeiro, uma lesão que aparenta ser inofensiva, mas pode se tratar de uma lesão maligna ou câncer de pele, e ao tentar remover de forma inadequada só piora o diagnóstico e a evolução da lesão, agravando a doença. Segundo, o próprio processo de remoção, de forma incorreta, pode causar agressões na pele, dificuldade de cicatrização, manchas e cicatrizes.

O microagulhamento com dermaroller é um procedimento estético para estímulo de colágeno e elastina, que melhora o aspecto da pele. No entanto, muitas pessoas têm aderido às versões caseiras desse tratamento. Qual é a gravidade de realizar esse procedimento em casa? O que pode ocasionar?

São vários os riscos deste procedimento realizado em casa. O procedimento feito fora de um ambiente preparado aumenta muito os riscos de infecções por bactérias, fungos e vírus, podendo desencadear não só uma infecção localizada, mas também uma infecção generalizada (quando a infecção se espalha pelo corpo). O processo evolutivo da infecção também pode deixar manchas escuras e cicatrizes. O demaroller deve ser de uma marca de qualidade e reconhecido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para não correr o risco de a agulha se soltar do roller e ficar presa na pele. A forma de utilizar o roller requer movimentos e pressão sobre a pele de forma correta, além da escolha adequada do tamanho da agulha para cada situação. O uso de forma errônea pode causar escoriações na pele, com consequentes manchas e cicatrizes. E se trata de um procedimento doloroso, que requer anestesia. Sem a anestesia a dor limita os movimentos, deixando-os ainda mais inadequados, de forma não homogênea e com maior chance de escoriações.

Na internet, podemos ver diferentes anúncios de aparelhos que conseguem congelar gordura em casa. Que risco isso pode trazer para o corpo e para a pele do paciente?

Esses aparelhos chegam a menos de zero grau Celsius, diminuindo a passagem de oxigênio e causando a morte das células de gordura, além de ocasionar um grande processo inflamatório no local. O uso de aparelhos requer treinamento, tecnologia reconhecida pela Anvisa, entre outras exigências. Esses procedimentos realizados de forma incorreta, ou com aparelhos não confiáveis, podem ocasionar queimaduras na pele e até necrose tecidual.

Existe algum tratamento caseiro confiável?

Nenhum tratamento na pele, sem supervisão médica, é totalmente confiável, por mais inofensivo que possa parecer. Pois são muitas as variáveis que interferem na pele, que é o maior órgão humano e é muito suscetível ao ambiente, ao clima e a situações do dia a dia.

Fonte: Clínica Leger

Três tendências de beleza perigosas que você deve seguir somente com orientação médica

Médicos reforçam uma mensagem que deveria ser óbvia: nem todo modismo é seguro. Por isso, tome muito cuidado antes de se aventurar em uma tendência de beleza

Quando se trata de cuidados com a pele, parece que sempre há uma nova tendência. É necessário tomar muito cuidado com os modismos populares de cuidados com a pele ou de tratamentos estéticos. Nem todas as pessoas estão aptas a passar por algum procedimento, por isso a indicação médica é fundamental sempre. Abaixo, as três principais tendências que reforçam a ideia de que nem todo modismo é livre de ser perigoso:

Harmonização facial e injetáveis nem sempre são seguros

A aplicação de toxina botulínica e substâncias preenchedoras para rejuvenescer a face têm ficado cada vez mais populares. O problema é que, com a demanda por injetáveis crescendo cada vez mais, começam a surgir versões mais baratas destes procedimentos que, apesar de parecerem um bom negócio à primeira vista, podem trazer sérias complicações, ainda mais se forem aplicados por profissionais não-médicos.

“A aplicação de produtos de qualidade duvidosa pode levar a consequências como irritações, reações inflamatórias, alergia e infecções”, alerta a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. “Quando falamos de preenchedores o cuidado deve ser ainda maior, pois ainda hoje são utilizadas substâncias como o metacrilato, um preenchedor permanente e de baixo custo que, apesar de ter registro na Anvisa, possui uma grande taxa de complicação a longo prazo, podendo provocar o aparecimento de nódulos endurecidos e avermelhados que necessitam de cirurgia para serem retirados”, destaca a cirurgiã plástica.

Dessa forma, é importante ressaltar que o procedimento deve ser realizado apenas por um médico, como um cirurgião plástico ou dermatologista. “Isso por que o procedimento requer grande conhecimento das estruturas faciais, visto que o rosto é uma região de grande vascularização, e destreza no manuseio de agulhas e cânulas por parte do profissional. Além disso, apenas o profissional especializado poderá realizar uma avaliação correta do seu rosto, tratando apenas as partes necessária para garantir um resultado natural e um procedimento sem complicações”, explica o cirurgião plástico Paolo Rubez, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O tratamento antiacne sem prescrição pode piorar sua pele

A acne é uma doença inflamatória de pele que tem causa multifatorial e, se um dermatologista não for consultado, o corpo pode não responder tão bem ao tratamento. Na verdade, pode haver até mesmo um processo de piora: o chamado efeito rebote. “Existem alguns produtos que secam demais a pele, dando a impressão do controle da oleosidade, porém o sistema biológico desenvolve mais óleo para dar o equilíbrio necessário. Este desenvolvimento com produção de mais óleo é chamado de efeito rebote e, associado à descamação da pele causada pelo ressecamento, aumenta o acúmulo da acne, piorando o processo infeccioso e formando comedões”, explica a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Para um tratamento efetivo contra a acne, o primeiro passo é consultar um médico que fará uma verdadeira investigação para começar o tratamento. Em alguns casos, ele pode pedir um exame genético. Segundo o geneticista Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral Multigene, quando você sabe qual o genótipo de genes pró-inflamatórios, você consegue modular a expressão desse gene.

“Então se é um processo inflamatório exagerado que está piorando a acne, o que você pode fazer: você genotipa alguns genes, o TNF-alfa é um deles que está associado com o processo inflamatório, e se o indivíduo tem um alelo (forma alternativa de um determinado gene) que leva a um processo inflamatório mais intenso, você vai usar alguns ativos orais em uma determinada concentração para frear e adequar a expressão desse gene”, diz o geneticista.

“Isso significa que para haver essa adequação, você vai precisar de mais ativos orais ou tópicos em uma concentração maior, para frear essa maior produção, já que está sendo produzido em maior intensidade por esses dois alelos”, explica ele. E o exame pode ajudar até mesmo no controle da dieta, já que alguns alimentos estimulam a inflamação no corpo. “Então, se você tiver uma dieta adequada, você vai minimizar a inflamação sistêmica. E inclusive vai minimizar a inflamação na pele que está levando à acne”, afirma Sady.

Além disso, em alguns casos o médico pode indicar limpeza de pele feita por esteticista, que ajuda a limpar os cravos. E acredite: espremer o seu cravo em casa não é a mesma coisa que limpeza de pele. “Isso por que, quando você espreme um cravo, pode estar na verdade empurrando o sebo e as bactérias para o fundo do poro causando inflamação e até mesmo uma espinha. Podendo evoluir para uma cicatriz. O ideal é que a extração seja feita por uma profissional através da limpeza de pele para diminuir o risco de inflamações ao invés de alastrar o problema ainda mais”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Aspiradores de poros podem causar lesões na pele

Cravos são um desconforto estético para muitas pessoas, que utilizam das mais diversas técnicas para se verem livres destes poros entupidos de sebo e óleo. Uma dessas técnicas consiste na remoção das impurezas presentes nos poros por meio de gadgets conhecidos como removedores de cravos ou aspiradores de poros. Mas, afinal, esses aparelhos realmente funcionam? “Ao contrário dos cosméticos, que atuam sobre os cravos através da esfoliação e dissolução do sebo e células mortas, os removedores de cravos utilizam a sucção para extrair fisicamente as sujidades de dentro dos poros”, explica Paola.

“O problema é que esses aparelhos podem ser perigosos quando utilizados da maneira incorreta, pois a grande pressão exercida pelo dispositivo sobre a pele pode provocar o surgimento de lesões como cicatrizes, manchas, vasinhos e hematomas.” Segundo a dermatologista, o uso do aparelho é ainda mais arriscado para pacientes que sofrem com rosácea, pele sensível ou vasinhos no rosto, já que força da sucção pode agravar essas condições.

“Além disso, esses aparelhos também são pouco eficazes e funcionam apenas como uma solução temporária, já que os poros tendem a entupir novamente após certo tempo”, alerta a especialista. Além da rotina skincare recomendada pelo dermatologista, sessões de limpeza de pele com um profissional capacitado são fundamentais para a extração dos cravos já instalados na pele. Existem também medicamentos orais que podem acabar definitivamente com o problema em casos mais graves. “Caso você sofra constantemente com cravos e espinhas, o ideal é que você consulte um dermatologista”, finaliza Paola.

Dia Mundial da Psoríase: dermatologista orienta sobre como manter a pele a salvo de lesões

Hoje, 29 de outubro, é o Dia Mundial da Psoríase. A data foi estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2004, para divulgar informações sobre a doença e sobre a melhor qualidade de vida de seus portadores

A médica especializada em dermatologia clínica e cirúrgica Carla Bortoloto explica que a psoríase é uma doença crônica que atinge em torno de 3% da população mundial. “Trata-se de uma doença não contagiosa, mas a maior preocupação em relação a ela é o aumento da probabilidade de um paciente evoluir para outras patologias, como diabetes, hipertensão arterial ou problemas cardiovasculares, uma vez que ela não apresenta cura, apenas controle”, comenta a especialista.

A seguir, a médica enumera alguns cuidados que os portadores de psoríase devem ter para manter a saúde da pele:

Banho

MyMedicineBox

O ideal é que o banho seja rápido, não ultrapassando 10 minutos, com água em 37˚C. O sabonete deve apresentar pH neutro e ser glicerinado. Já o uso de buchas não é indicado, uma vez que pode agredir a pele. Para se secar, opte por toalhas macias e não “esfregue”, principalmente nas áreas lesionadas.

Hidratação

Foto: OnHealth

Hidratar a pele é fundamental para quem tem psoríase, principalmente nas regiões mais acometidas pelas lesões. Uma dica para aumentar a penetração do hidratante é aplicá-lo logo após o banho, quando os poros estão mais dilatados, devido à temperatura da água. Para reduzir o risco de alergias, prefira os produtos sem perfume ou cor. Evite, ainda, cremes e loções que possuam ureia em sua formulação, uma vez que o ativo pode irritar as áreas da pele em processo de cicatrização.

Esfoliação

Foto: LiveAbout

Não é recomendado que pacientes com psoríase realizem esfoliações. O ato pode lesionar a pele, desencadeando uma nova crise.

Exposição ao sol

Os raios solares atuam como anti-inflamatório sobre as lesões. Para aproveitar desse benefício, deve-se tomar de sol – até às 10h ou após as 16h – cerca de 10 a 15 minutos, ao dia. Depois do banho de sol, o hidratante deve ser aplicado, para evitar o ressecamento da pele.

Depilação

Royalt Free Images

A depilação pede atenção especial. Quando a psoríase está controlada e a pele livre de lesões, qualquer método de depilação – lâmina, cera, a laser – pode ser empregado, desde que não irrite sua pele. Por outro lado, se a pele estiver inflamada, o recomendado é trata-la antes de realizar qualquer tipo de depilação para que o quadro não se agrave.

Vestuário

Prefira as roupas mais soltas e de tecidos naturais, como algodão, linho e seda, permitindo que a pele possa respirar, impedindo a proliferação de bactérias e fungos.

Fonte: Carla Bortoloto é médica especializada em Dermatologia clínica e cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD).

Confira os cinco mitos mais comuns sobre cuidados com a pele

Muitas informações sobre cuidados com a pele circulam na internet e são amplamente disseminadas por pessoas influentes nas redes mas, é importante saber o que é verdade e o que é mito, de acordo com a medicina, para não correr nenhum risco e conseguir cuidar da saúde da sua pele. A dermatologista Simone Stringhini, líder da clínica Stringhini Dermatologia Avançada, Membro da Academia Americana de Dermatologia e com 30 anos de experiência, listou os cinco principais mitos e informações equivocadas que circulam por aí.

1- Hidratantes repõe a água da pele

É até equivocado utilizar o termo “hidratar a pele” porque, na verdade, o hidratante não vai repor água, ele vai adicionar óleo na pele para reforçar a barreira cutânea e evitar a perda de água que já está no corpo. A dermatologista alerta que, a única forma de hidratação do corpo é ingerindo água. Por isso que, em alguns casos, pessoas com pele oleosa não tem a necessidade de passar hidratante, mas isso vai depender de cada caso e o dermatologista é que poderá indicar o que é mais recomendado.

2- O colágeno ingerido vai para a pele

O colágeno é uma proteína que nós temos em todo o corpo humano e, na pele, ele é o responsável por garantir a firmeza. A medida que vamos envelhecendo, o corpo vai perdendo a capacidade de produzir colágeno e, consequentemente, diminui a concentração em todo o corpo, o que causa a flacidez. Ele pode ser encontrado em diversos alimentos derivados dos animais, como carnes, peixes, ovos, queijos, leite, entre outros. Mas, com o passar dos anos, o organismo também vai perdendo a capacidade de absorver colágeno desses alimentos e é importante suplementar para diminuir a velocidade do envelhecimento. Mas, o colágeno que é ingerido em forma de cápsula ou pó não é absorvido diretamente pela pele. O que acontece é que, primeiramente, essa molécula irá ser degradada em aminoácidos, que são absorvidos pelo estômago e, posteriormente, serão utilizados para várias funções no organismo e, uma delas, será para a síntese de colágeno pela pele. Caso o médico opte por recomendar o colágeno, o horário mais indicado, segundo Simone, é antes do café da manhã, em jejum, pois depois das refeições, com o estômago cheio, a absorção pode ser menor.

3- Ginástica Facial rejuvenesce

Esse talvez seja o mito mais popular. A ginástica facial vem ganhando muitos adeptos, nos últimos tempos. Mas é importante entender que a ginástica atua diretamente nos músculos faciais e não na pele. Então, esses movimentos repetitivos não rejuvenescem e, podem até causar rugas, dependendo da intensidade e da frequência com que são feitos, pois a maior parte do envelhecimento facial é causado pela perda de elasticidade e, consequente, flacidez da pele. Os músculos também envelhecem, mas eles não são os maiores responsáveis pelo aspecto de envelhecimento facial. Então, quando é praticada a ginástica facial os músculos estão sendo estimulados à hipertrofia, assim como o corpo durante a musculação na academia, por exemplo. Mas isso não trará resultados no aspecto de rejuvenescimento e, pior, esses movimentos repetitivos juntamente com as expressões faciais feitas durante a ginástica podem acabar marcando a pele, causando rugas e trazendo o efeito de envelhecimento. A dermatologista diz que não existe uma ginástica para pele, apenas tratamentos dermatológicos avançados é que trarão o resultado do rejuvenescimento. Além disso, ela sugere ter bastante cautela com a ginástica facial, que pode acabar tendo efeito contrário ao esperado.

4- Cremes faciais tratam rugas e flacidez

Os cremes faciais são ótimos aliados do skincare e de uma pele saudável, mas a função deles é de hidratar e prevenir, então eles podem clarear manchas, melhorar o aspecto de cicatrizes e até prevenir rugas. O que não são capazes de fazer efetivamente é tratar as rugas e flacidez, reverter os sinais de envelhecimento que já surgiram. Para isso, são necessários tratamentos em consultório com o dermatologista, que pode fazer uso de injetáveis e equipamentos, como o laser, de acordo com o caso.

5- Pele negra não precisa usar filtro solar

ThatSister

Isso é um mito muito perigoso. Todos os tipos de pele necessitam de filtro solar para proteger dos raios ultravioletas (UV), prejudiciais à saúde. Além disso, a pele negra é mais propensa a manchas, e o protetor solar ajuda a evitar o aparecimento delas, assim como do melasma. Para facilitar o dia a dia, uma opção é utilizar base de maquiagem com filtro solar, o que ajuda na praticidade da rotina. Esse tipo de produto contém a proteção necessária, assim como o filtro solar normal e funciona como base com cor, um produto dois em um.

Fonte: Simone Stringhini é formada em medicina pela UFRJ, tem especialização em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, foi a pioneira na área de estética, dentro da dermatologia, no Brasil; tendo sido a primeira dermatologista a fazer o procedimento de peeling no país.

Avon e dermatologista Jardis Volpe explicam como estimular o colágeno da pele do rosto

Entenda a importância do colágeno e saiba como identificar o melhor tratamento para estimular essa importante proteína em diferentes idades

Os últimos tempos nos levaram a dar uma pausa na nossa rotina. Neste contexto, os rituais de beleza e de bem-estar ganharam um novo valor, inclusive o skincare. Além da alimentação e de um estilo de vida saudável, um bom creme facial é um importante aliado nesse processo de autocuidado. Mas, para identificar o tratamento adequado, é preciso estar atento ao processo de mudança da pele em cada fase da vida.

Sabemos que o colágeno compõe quase 80% da pele e, consequentemente, é a proteína estrutural mais crítica, no entanto, diminui cerca de 1% ao ano a partir dos 30 anos. Para estimular a produção do colágeno, a Avon traz um tratamento revolucionário em skincare com o lançamento da exclusiva tecnologia Protinol. Primeira solução tópica do mercado capaz de impulsionar a produção de dois tipos de colágeno ao mesmo tempo: o tipo I e tipo III.

A inovação que já estava disponível na forma concentrada em ampolas de tratamento, agora passa a integrar os cremes diários de Renew. Foram enriquecidas as tradicionais linhas Reversalist, Ultimate e Platinum dia e noite – indicadas para as faixas etárias de 30+, 45+ e 55+, respectivamente. Renew Reversalist é ideal para vitalidade e renovação após a aparição dos primeiros sinais, enquanto Renew Ultimate entrega firmeza e restauração para rugas moderadas e Renew Platinum promove elasticidade, definição e contorno para peles mais maduras e com rugas profundas.

Para entender um pouco mais sobre como estimular o colágeno por meio dos cuidados de skincare, a Avon convidou o dermatologista Jardis Volpe para falar sobre o tema:

Skincare: um momento de autocuidado

Para o ritual de cuidados com a pele do rosto, a dica é reservar um horário especial para esse momento. Transformando em uma experiência positiva, um momento de autocuidado e de prazer. “Cuidar da pele é como cultivar uma planta. É um processo contínuo e os resultados são percebidos aos poucos. Assim, é preciso manejar as expectativas, celebrando as pequenas mudanças diárias que surgem como resultado desse carinho dedicado para o momento”, explica Volpe.

Identifique os sinais dados pela pele sobre o processo de perda de colágeno

Ao longo dos anos é comum a pele perder a capacidade de produção de colágeno, proteína responsável por dar mais firmeza e sustentação a ela. De acordo com o dermatologista, o processo de perda de colágeno se inicia na faixa dos 30 anos e vai aumentando com o tempo. Na faixa dos 50, durante os anos da menopausa, esse movimento se acentua. Assim, é essencial prestemos atenção na nossa pele para que possamos identificar os sinais que ela emite para nos alertar sobre a perda de colágeno, como por exemplo, a flacidez e a perda de viço. A partir do momento em que constatamos essa deficiência, é importante utilizarmos tratamentos que estimulem a produção de colágeno para a reposição deste nutriente. Mas, mesmo antes dos 30 anos, são indicados os rituais preventivos. Quanto mais cedo incorporamos o cuidado com a pele, maior é o benefício percebido em longo prazo. Para tanto, existem três passos diários básicos: limpeza com um produto indicado para a região, aplicação de tratamento indicado para a faixa etária, e por último, o uso de protetor solar.

Utilize um tratamento específico para a sua faixa etária

Depois de identificar as demandas da pele, é importante buscar um tratamento com produtos específicos para cada idade. “Em cada momento da vida a nossa pele possui uma necessidade diferente, que exige um tratamento específico. É indicado que seja utilizado um produto que corresponda a nossa faixa etária, pois ele terá a formulação ideal para atender as demandas da nossa pele”, alerta Volpe. “Na faixa dos 30 anos, nós precisamos de soluções que entreguem vitalidade e renovação, a partir dos 45 anos, o foco é estimular a firmeza e restauração e, depois dos 55 anos, os tratamentos devem ajudar na elasticidade, definição e contorno facial” reforça o dermatologista.

Dicas para cuidar da pele

No dia a dia, muitas vezes, deixamos de lado alguns hábitos para cuidar da nossa pele e da nossa saúde, por isso, vale reforçar algumas dicas importantes. “Todas as peles, em todas as idades, precisam de um ritual de cuidado de três passos: limpeza, tratamento e proteção. Além disso, é importante beber água regularmente e manter uma alimentação mais saudável, evitando alimentos industrializados e com alto teor de açúcar. Outra dica é incorporar durante o ritual de skincare massagens faciais, realizando movimentos ao aplicar os produtos, facilitando a absorção dos ativos pela pele”, finaliza Volpe.

Todos os produtos Avon podem ser adquiridos por meio das revendedoras Avon ou pelo e-commerce. SAC: 0800 708 2866, de segunda a sábado das 8h às 20h.

Pecados capitais de beleza que envelhecem e tornam a pele mais vulnerável

Com a flexibilização da quarentena, tome cuidado com esses descuidos na rotina porque eles podem deixar sua pele mais suscetível aos danos externos (e ambientais), o que leva ao envelhecimento precoce

Muitas pessoas ainda ignoram os cuidados com a pele e, mais cedo ou mais tarde, sofrem as consequências. Mas mesmo quem já tem uma rotina skincare pode enfrentar alguns problemas, por falta de informação (ou indicação adequada), preguiça ou ansiedade em ver resultados rápidos. É necessário ter cuidado e cautela, pois alguns desleixos ou abusos podem ser considerados pecados capitais contra a sua pele: e eles favorecem o envelhecimento precoce. Consultamos os melhores experts em beleza e saúde da pele para listar os pecados que, definitivamente, você deve evitar.

mulher usando protetor solar

Não usar filtro solar no frio, em dias nublados ou chuvosos – pode parecer fora de realidade, mas as queimaduras solares também acontecem em dias nublados, no outono e no inverno. E além disso, menos visível que os danos das queimaduras, há alterações subcutâneas que nem sempre percebemos na hora – apenas quando os anos passam. “Isso ocorre porque as nuvens absorvem por volta de 10% da radiação ultravioleta, ou seja, apesar do dia não estar ensolarado, ele tem praticamente a mesma intensidade de radiação ultravioleta que um dia megaensolarado”, destaca a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A dermatologista lembra que o índice mínimo de filtros solares recomendado é FPS 30. “Mas, para algumas peles muito sensíveis ou com manchas, o ideal é abusar de um FPS mais alto, porque há, sim, diferença de proteção entre FPS. E o protetor deve garantir proteção contra UVA, radiação ultravioleta A, um tipo de radiação que atinge a pele mais profundamente, causa o fotoenvelhecimento, aparecimento das rugas e manchas”, afirma. O fotoprotetor deve ser usado todo dia e repassado após três horas em exposição direta e após quatro horas em ambientes fechados.

mulher cosmetico serum

Abusar do uso de retinoides – nenhum retinoide (retinol ou ácido retinoico) deve ser usado sem que haja a prescrição de um dermatologista! Dito isto, vamos entender por que isso acontece: “Estamos falando de um ácido (vitamina A ácida), que pode provocar irritabilidade, hipersensibilidade, até uma queimadura, quando mal utilizado, em concentração acima do que a pele pode suportar, ou muitas vezes sendo utilizado de uma maneira inadequada, sem orientação médica”, diz a dermatologista Claudia Marçal, professora-fundadora do Dermacademy MB e membro da SBD. Outro problema que pode surgir na pele, com o excesso desse ácido, são os vasinhos: “Quando fazemos peeling ou usamos ácidos, estamos criando um processo inflamatório, ‘queimando a pele’ para ela descamar. Se esse processo for excessivo, abusivo, pode gerar, sim, os vasinhos no rosto”, argumenta Aline Lamaita, angiologista e cirurgiã vascular, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. De acordo com a Dra. Claudia, geralmente os retinoides são prescritos no inverno e não devem ser usados de maneira contínua, pois a pele fica mais fina, avermelhada e delicada, o que a deixa susceptível a agressores ambientais, como mormaço, calor, luz visível, poluição e especialmente o sol. “Seu uso é obrigatoriamente noturno, e o ideal é começar com a aplicação de duas a três vezes por semana, intercalados com nutritivos adequados à pele, como Overnight Repair, Progenitrix, Vitamina C e nutriomega 3, 6, 7 e 9”, diz a dermatologista. E lembre-se: no dia seguinte, é necessário lavar o rosto e usar um filtro solar potente.

mulher usando serum pele

Usar bons produtos na hora errada – quando usamos produtos noturnos durante o dia, corremos o risco de fotossensibilização. Um dos principais erros, nesse sentido, é fazer uso de ácidos de manhã. “Esses produtos podem fazer a pele descamar e deixá-la mais sensível, o que é um perigo tendo em vista que a radiação solar e a poluição podem causar muito mais danos”, explica Isabel Piatti, especialista em Estética e Cosmetologia, conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita, embaixadora do CIA – Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas, e Membro do Conselho Científico da Academia Brasileira de Estética Científica – ABEC. Então é importante que esses produtos, quando prescritos pelo dermatologista à noite, ou quando é possível observar no rótulo os posicionamentos “over night”, “creme para noite”, “night cream”, sejam utilizados de fato à noite. “Durante a noite a pele vai experimentar um período de reparação celular, então, os cremes devem ajudar a pele a renovar as células”, afirma Isabel. É o caso do Tenso Active, que é o anti-idade noturno da linha Day & Night da Buona Vita. O creme combate as rugas e minimiza as linhas de expressão e flacidez. Por outro lado, durante o período matutino, a fotoproteção da pele é essencial, então além do filtro solar, devemos apostar em ativos antioxidantes com ações específicas contra poluição e outras agressões ambientais. O Gel Creme Nanocápsulas, creme diurno da linha da Buona Vita, traz Vitamina C para ação antioxidante e FPS 30 para proteger a pele.

cotovelo pele cuidados

Negligenciar as “áreas esquecidas” – na rotina de beleza diária da pele, muitas pessoas concentram-se no rosto, afinal é a região onde surgem rugas e linhas de expressão. “Porém, outras regiões do corpo, como joelhos e cotovelos, também sofrem igualmente, e às vezes até mais (por conta das características da pele da região), com os danos externos que levam ao processo de envelhecimento precoce. Logo, necessitam de cuidados tanto quanto o rosto”, diz a dermatologista Kédima Nassif, membro da SBD. Além disso, não podemos esquecer do pescoço e colo, que também demonstram sinais do envelhecimento. No caso dos joelhos e cotovelos, abuse da vitamina E e óleos naturais. Para o pescoço, colo e a área atrás da orelha, o ideal é estender os cuidados do rosto, com hidratantes associados a antioxidantes com Vitamina C, Alistin e Hyaxel, além da fotoproteção. “Também é necessário usar cremes específicos para área dos olhos e lembre-se de usar um fotoprotetor, já que, nos últimos anos, a incidência de câncer de pele aumentou em 10% nas pálpebras. Vale a pena também apostar nos óculos escuros com proteção UV”, acrescenta Kédima.

envelhecimento pele mulher

Acreditar que a pele é “imutável” – é um erro comum insistir em cosméticos e fórmulas que foram boas e deram resultados 10 anos atrás. Conforme vão mudando as características da pele, os cuidados que devemos ter com ela se modificam também. Como na adolescência, em que a pele tem tendência a ser mais oleosa, na faixa dos 50 anos há cada vez mais um ressecamento cutâneo. Para fugir do básico na hora de hidratar a pele, o ideal é oferecer ao tecido cutâneo algo a mais, como os peptídeos. Existem centenas de diferentes peptídeos, que são feitos a partir de diferentes combinações de aminoácidos. Eles estimulam a comunicação e proliferação celular, no geral. Segundo o farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy, os peptídeos agem na pele quase como se fossem medicamentos: “Eles penetram, vão ao encontro do receptor, ligam-se à célula e produzem determinado efeito. Existem peptídeos que estimulam produção de elastina, ácido hialurônico e agem na cicatrização da pele. Eles são realmente muito importantes”, diz o diretor da marca, que tem dois produtos com peptídeos pró-colagênicos, que trabalham fortemente para estimular colágeno: Collagen Peptide e Sustent C Pro-Collagen. Os produtos agem de maneira eficiente no estímulo ao colágeno, deixando a pele mais jovem.

shutterstock botox

Acreditar que procedimentos fazem milagres – é muito comum que as pessoas procurem por procedimentos para rejuvenescer acreditando que sairão do consultório quase que irreconhecíveis. “Porém, não existem procedimentos que rejuvenescerão o rosto em uma única sessão de maneira rápida e simples, pois é impossível reverter de uma única vez todos os danos do envelhecimento causados ao longo de anos”, diz a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). “O ideal então é conversar com seu médico para verificar a possibilidade da combinação de diferentes procedimentos que, realizados em uma determinada sequência e ao longo de um certo tempo, potencializarão os resultados esperados”, recomenda a cirurgiã. Após a cirurgia, também é preciso adequar alguns hábitos, como parar de fumar, diminuir a quantidade de açúcar e sal na alimentação e ter muito cuidado com bebidas alcoólicas.

mulher madura rosto creme olhos grisalha

Pensar que os cremes mais caros serão a salvação da sua pele – para quem fica muito ligado em novidade, é bom saber que nem sempre comprar um produto inovador vai ser a salvação. “Essa paciente precisa ter a orientação de um especialista, de seu dermatologista. Porque muitas vezes esse produto não é adequado para o tipo de pele, época do ano, fototipo e condições naturais genéticas daquela pele”, afirma Claudia. Além disso, os cremes não fazem milagres. “Quando falamos sobre investimento em anti-aging, isso tem de partir da mudança da qualidade de vida dessa pessoa, pois nós sabemos que a genética é importante, mas ela não responde pela maior parte, quando falamos em equilíbrio e longevidade e com qualidade de vida. Então, os tripés de sustentação como alimentação, atividade física e proteção à ação danosa da radiação ultravioleta. Além disso, ter uma vida com menos estresse é fundamental”, diz a médica. “Muitas vezes, essa paciente precisa de nutracêuticos como Exsynutriment, InCell e Bio-Arct para promover, de dentro para fora, um estímulo às proteínas de sustentação da pele. E hoje temos muitas tecnologias em consultório que podem ser indicadas para um tratamento completo e eficaz do paciente”, finaliza a médica.

 

Rugas em excesso podem dificultar expressão das emoções e deixar o rosto triste e cansado

Pesquisas já relacionaram o excesso de rugas à percepção emocional dos pacientes. Rosto com muitas marcas de expressão pode dar sinais falsos de que o paciente está triste, cansado ou zangado

As rugas não só deixam o rosto mais envelhecido como seu excesso pode dificultar a expressão de emoções, deixando a face com aspecto mais triste e cansado. Há alguns anos, pesquisadores da Penn State University pediram a um grupo de participantes, em um estudo, para examinar 64 faces e classificá-las com base nas emoções que percebiam nas imagens. Em média, as fotos que mostram adultos mais velhos foram classificadas como mais zangadas ou tristes em comparação às fotos de pessoas mais jovens, apesar de cada rosto fotografado mostrar emoções neutras.

shutterstock mulher madura pensando
Shutterstock

“Vincos na boca e na testa podem fazer com que as pessoas pareçam estar franzindo a testa em uma expressão de que estão chateadas”, afirma o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Este não é o primeiro estudo a examinar a ligação entre rugas e percepção emocional.

Um estudo anterior realizado por pesquisadores da Universidade Humboldt, em Berlim, descobriu que as pessoas mais jovens tinham dificuldade em julgar os rostos dos adultos mais velhos, e muitas vezes percebiam que tinham mais “emoções confusas” do que imagens semelhantes de pessoas mais jovens.

A dificuldade se configura com o excesso de rugas. Segundo a dermatologista Claudia Marçal, independentemente da idade, seja aos 40, aos 50 ou 80, é possível ter rugas, mas é necessário ter uma pele tratada, bonita, viçosa, luminosa, hidratada, tonificada.

“Até mesmo pacientes que pretendem fazer uma cirurgia plástica para diminuir as rugas necessitam de uma ajuda dermatológica para melhorar a qualidade dessa pele”, explica Farinazzo.

“Por exemplo, mesmo uma paciente de 80 anos com sulcos, marcas, linhas ao redor da boca e entre as sobrancelhas, pode e precisa ter uma pele luminosa, com um quadro de tonicidade e uma pele que por si só seja reconhecida como uma bem cuidada”, diz a dermatologista.

De acordo com o cirurgião plástico, este estudo mostra que as pessoas que buscam procedimentos de cirurgia plástica, como ritidoplastia, facelifts ou injeções de toxina botulínica, não estão fazendo isso simplesmente por vaidade. “Existem problemas reais associados aos primeiros sinais de envelhecimento, de forma que o paciente pode apresentar falsamente a ideia de que está enfrentando tristeza e depressão, ou ainda parecer nervoso demais”, diz o cirurgião.

“Felizmente, existem muitos tratamentos que podem ajudar a tratar rugas no rosto e pescoço. Embora os de lifting facial sejam os mais conhecidos e definitivos, outros podem optar pelos injetáveis para paralização muscular (toxina botulínica), preenchimento (ácido hialurônico) e estímulo de colágeno (bioestimuladores), que também trazem bons resultados”, afirma o médico.

mulher rugas nasoge

“O mais importante é consultar um médico para indicação precisa dos tratamentos que devem ser realizados, que muitas vezes podem ser feitos em conjunto entre dermatologistas e cirurgiões para o melhor resultado. Além disso, é muito importante que o resultado seja natural, pois um rosto paralisado também demonstra dificuldade de expressar sentimentos”, finaliza Farinazzo.

Fontes:
*Cláudia Marçal é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Professora e fundadora do Dermacademy MB, plataforma online de ensino a dermatologistas. Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. Proprietária do Espaço Cariz, em Campinas – SP.
*Mário Farinazzo é cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da Unifesp e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz e Oswaldo Cruz entre outros.