Arquivo da categoria: dor nas costas

Dor lombar pode estar relacionada ao encurtamento muscular

Má postura e redução da atividade física são fatores de risco para problemas nos músculos

Há meses, a maior parte da população brasileira se encontra em isolamento social, ou seja, dentro de casa. Ficar em casa é essencial para prevenir o contágio pelo novo coronavírus. Porém, o confinamento pode gerar outros problemas de saúde, como a perda da flexibilidade, graças ao encurtamento muscular.

Segundo a fisioterapeuta Walkíria Brunetti, especialista em Pilates e RPG, para compreender o que é o encurtamento dos músculos, é preciso entender sobre postura: “A postura é definida como um ajuste que as partes do corpo fazem em determinada posição para realizar os movimentos. A postura precisa proporcionar conforto, harmonia e sustentação ao corpo”.

Sedentarismo: o vilão da boa postura

“Porém, as posturas adotadas na rotina da quarentena, como ficar sentado muito tempo e sem muita chance de caminhar ou fazer outras atividades físicas, impactaram num encurtamento das cadeias musculares que atuam nos movimentos de extensão e flexão, principalmente do quadril, joelhos e pernas”, comenta Walkíria.

“Embora haja diversos fatores de risco que influenciam nos desvios posturais, o sedentarismo é um dos mais importantes. Quanto menos usamos nosso corpo, mais afetamos nossa saúde muscular. Ou seja, ficamos “enferrujados”. Fica difícil calçar um sapato, vestir-se, pegar um objeto no alto, abaixar-se”.

Portanto, o encurtamento diminui a flexibilidade, a mobilidade e a amplitude dos movimentos, além de enfraquecer os músculos. Outro ponto é que muitas pessoas acabaram ganhando peso durante a quarentena, sendo que esse foi outro fator de risco que pesou no encurtamento muscular.

Dores e lesões

Problemas de encurtamento muscular aumentam a chance de lesões lombares crônicas e de dores. “As restrições impostas por estes encurtamentos podem resultar em lesões musculoesqueléticas e dificuldades nas atividades de vida diária”, cita Walkíria.

“As alterações posturais e na marcha também podem ser consequências desse encurtamento, assim como dores nos membros inferiores e até mesmo discrepância no comprimento das pernas”, reforça a fisioterapeuta.

RPG

Pinterest

O encurtamento muscular pode ser tratado de várias formas. Para Walkíria, a RPG (Reeducação Postural Global) é uma das melhores técnicas. “Nas sessões de RPG usamos posturas específicas para o alongamento de músculos organizados em cadeias musculares. Isso proporciona o posicionamento correto das articulações e o fortalecimento dos músculos, os quais corrigem disfunções, não só da coluna vertebral, como também de outras articulações”.

O alongamento global é assim chamado, pois alonga vários músculos pertencentes a mesma cadeia muscular, simultaneamente. “A RPG parte do pressuposto de que um músculo encurtado cria compensações em músculos próximos ou distantes. Um exemplo é que quando ocorre um encurtamento da cadeia muscular anterior, há projeção da cabeça para frente, juntamente com os ombros, aumento da cifose torácica, assim como joelhos e calcâneo valgo e pés planos”, comenta Walkíria.

Dicas para prevenir o encurtamento muscular

Para Walkíria, a principal recomendação é manter-se em movimento o máximo possível. “Muitas pessoas ainda estão em isolamento social, trabalhando de casa, ou porque são do grupo de risco, entre outros motivos. Mas isso não justifica permanecer o dia todo sentado ou deitado. Veja algumas dicas.

Caminhar: pequenas caminhadas ao ar livre são um ótimo começo para movimentar o corpo. Se não for possível sair, procure andar dentro de casa. O importante é evitar ficar o tempo todo sentado ou deitado. Varrer a casa, passar um pano e outros serviços domésticos podem contribuir para manter-se em movimento.

Alongar: o alongamento é importante, mas deve ser feito com cuidado e, se possível, com orientação de um fisioterapeuta ou profissional de educação física. É preciso alongar todas as partes do corpo, todos os dias.

Fortalecer: mesmo em casa, é possível fazer um trabalho de fortalecimento dos músculos. Vale a criatividade, como usar saco de arroz, feijão, garrafinhas de água, entre outros objetos. Porém, isso também deve ser feito com orientação de um profissional para evitar lesões.

 

 

O frio chegou e, com ele, as dores nas articulações

Frio e dores articulares, entenda a relação

Você já percebeu que as dores nas articulações pioram bastante no frio? Sim, e não depende da idade. Quem tem problemas nas articulações sabe que no inverno, naqueles dias mais frios, as articulações ficam mais doloridas e mais sensíveis.

Porque isso acontece e como temos que lidar com isso para minimizar as dores?

Em primeiro lugar, precisamos entender o que são dores articulares. São dores nas juntas. Pode ser no ombro,  no joelho, no quadril, no tornozelo e nos punhos. As causa são diversas, entre elas, as mais comuns são: artrose, artrite, doenças reumatológicas, históricos de lesões traumáticas e fraturas.

Na verdade, existe uma infinidade de doenças ~que pode causar dores nas articulações e, quando chega o inverno, nesses dias mais frios, os consultórios de especialistas ficam lotados de pacientes reclamando que as dores pioraram.

“O motivo mais comum dessas dores articulares no frio se deve, em primeiro lugar, ao fato de ficarmos mais parados no inverno, mais imóvel e mais contraídos e, com isso, a musculatura também fica mais enrijecida e a articulação acaba sentindo essa rigidez da musculatura e da articulação. Isso gera mais dor”, explica o ortopedista, especialista e referência em cirurgias do joelho e trauma do esporte Samuel Lopes.

“Existem também duas questões mais técnicas que podem explicar o porquê da pior das dores articulares com a chegada do frio. A primeira delas é que o líquido sinovial, que fica dentro das articulações para ajudar a lubrificá-las, fica um pouco mais espesso e a alteração da viscosidade deste líquido gera mais rigidez na articulação, causando, naturalmente, mais dor”, explica o especialista.

A segunda questão são as alterações de circulação. Na circulação periférica, mãos e pés principalmente, são os locais que mais sofrem com essas alterações, pode existir uma diminuição da circulação periférica e isso vai gerar mais dor.

Lopes conta que isso ocorre com poucos pacientes, que podem ter alterações circulatórias e, em alguns casos, com portadores da doença de Renault, que não é muito comum, mas que causa alteração da circulação periférica e gera dedos roxos, por exemplo, o que é um alerta para que as pessoas observem se podem estar diante deste problema.

E o que fazer para minimizar as dores articulares no frio?

#1 – Movimentar-se e manter a rotina de exercícios

Pixabay

Para minimizar essas dores que pioram com o frio, o primeiro ponto é procurar não ficar parado o tempo todo e se movimentar. Fazer algum tipo de exercício físico, um alongamento, uma caminhada, mesmo que dentro de casa e manter uma rotina de exercícios de preferência, orientada por um profissional.

#2- Mantenha-se agasalhada, hidratada e consuma alimentos quentes


Mantenha-se sempre agasalhada nos dias nos dias mais frios e procure consumir alimentos mais quentes. E não se esqueça de manter o corpo hidratado. Beba bastante líquido, mesmo os quentes, porque eles também vão ajudar no controle da dor.

#3- Não pratique a automedicação.

FreeGreatPictures

Não podemos falar de dor sem lembrar de algumas coisas muito importantes, e a primeira delas é não fazer a automedicação. Tomar remédios anti-inflamatórios pode ser a pior decisão que você pode tomar, segundo Lopes, pois você corre o risco de ter os efeitos colaterais e criar outros problemas até mais sérios. Contudo, se você sente que não está conseguindo, não tente ficar lidando com a dor. Procure um profissional. Se você tem dor e se é persistente, se já está incomodando há algum tempo, procure um especialista para que ele possa avaliar e dar o diagnóstico e tratamento corretos. É necessário identificar a origem e a causa e, aí sim, atacar a origem do problema e não só ficar lidando com a dor. Mas, isso, somente um profissional poderá fazer.

Fonte: Samuel Lopes é médico ortopedista, especialista em cirurgias do joelho e trauma do esporte. Membro efetivo da sociedade Brasileira de Ortopedia (SBOT), Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ) e da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte. Chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Juiz de Fora – MG.

 

Pesquisa da Fiocruz aponta aumento de dor nas costas durante a pandemia

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que ouviu mais de 44 mil pessoas entre abril e maio, aponta que 41% dos entrevistados passaram a sentir dores nas costas. Enquanto isso, entre os que já sofriam de dores crônicas, mais de 50% afirmam que o desconforto aumentou durante a quarentena.

tab2tab1

O aumento dos quadros de dor podem estar relacionados com a falta de estrutura existente no home office, além do sedentarismo causado pela falta de atividades físicas.

Segundo o médico ortopedista, especialista em coluna, Antônio Krieger alguns hábitos podem ajudar a prevenir o problema e o espaço para o trabalho em casa pode ser adaptado

“A cadeira deve ter apoio para os braços, regulagem de altura e preferencialmente um apoio para a coluna lombar. Ombros e pescoço devem se manter relaxados e o monitor do computador deve estar ajustado para que fique na altura da direção dos olhos. Isso irá evitar que você tenha que esticar, distorcer ou mexer no pescoço”, comenta o especialista. “No caso de notebooks, você pode usar livros para elevar altura da tela e usar acessórios periféricos para substituir o teclado e o touchpad. Os pés devem estar apoiados no chão e os joelhos levemente abaixo do quadril”, completa Krieger.

Promover intervalos regulares e alongamentos durante a jornada também podem ajudar a evitar quadros de dor nas costas.

iStock- dor nas costas mulher

Atividades físicas, mesmo que feitas em casa utilizando o peso do próprio corpo, também podem colaborar para o fortalecimento da musculatura que sustenta a coluna. Entre estes exercícios estão agachamentos, levantamento terra, abdominais e todas as suas variações possíveis, de acordo com o nível do condicionamento físico de cada pessoa.

“Exercícios de fortalecimento do core – o centro de gravidade do corpo composto por músculos abdominais, lombares, glúteos e oblíquos podem ser realizados por todos as pessoas sem a necessidade de equipamentos ou grandes espaços. Fortalecer esta musculatura, ajuda a sustentar e proteger a coluna”, garante Krieger.

Dor na coluna: veja como fortalecer core de forma simples durante isolamento

Exercício simples pode mudar a rotina de trabalho e até melhorar a qualidade de vida

O momento de quarentena nos convida a ficar mais parados. Colocar uma série em dia, ficar mais tempo sentado durante o home office e encostar no sofá entre uma atividade e outra. Embora essas ações sejam completamente compreensíveis durante o isolamento social, é preciso ficar atento: nosso corpo foi projetado para o movimento.

Como explica Rafael Tomazetti, professor de musculação especializado em treino personalizado da Cia Athletica Unidade Anália Franco, uma das principais ferramentas para manter o equilíbrio do corpo é o fortalecimento do core. Mas o que é isso?

“O core é tudo que está relacionado ao centro do corpo. É dessa região que partem todos os movimentos, portanto é preciso ter uma atenção redobrada, devido às consequências das mudanças da rotina”, explica.

Como nosso corpo foi projetado para se movimentar, é comum sofrer algumas alterações com uma rotina mais desacelerada, como o aparecimento de dores nas costas, dores nos joelhos, desânimo e até mesmo dificuldade para respirar.

Quais são os principais problemas com a falta de fortalecimento do core?

Está com uma dorzinha nas costas? Com a nova rotina, essa queixa tem se tornado cada vez mais comum. É com o fortalecimento do core que conseguimos minimizar os danos do home office e rotina de menos movimentos.

“Um dos primeiros sintomas de um corpo pouco fortalecido são as dores na coluna vertebral, principalmente na região lombar. Isso acontece principalmente pelo core pouco fortalecido”, explica.

Outros problemas podem ser desenvolvidos pela falta de fortalecimento do centro do nosso corpo. “A falta de sustentação do tronco ou mal condicionamento da musculatura do core podem causar inúmeros problemas no corpo todo por falta de alinhamento. Sem contar que a dor nos impede de fazer atividades básicas do dia a dia”.

Como fortalecer o core dentro de casa, sem lesões?

O educador físico ressalta que é importante planejar o dia com hábitos saudáveis, e se exercitar não é apenas um fator estético. Atividade física tem um poder indiscutível para ganhar disposição, aliviar o estresse, diminuir a ansiedade e, além disso, fortalecer o sistema imunológico.

É possível condicionar essa região com apenas um exercício: a tradicional prancha ventral. “O movimento gera estabilidade na coluna vertebral e proporciona força. O ponto chave para realizar esse exercício é alinhar cabeça, tronco e quadril no mesmo plano, e ativar a musculatura do abdômen sugando o seu umbigo nas costas”, orienta o educador físico.

Esse tipo de exercício é extremamente simples, e são exige nenhum tipo de equipamento: apenas um espaço em que caiba o seu corpo inteiro. Depois que o praticante se acostumar com a prancha, ó possível variar nas posições e alternar com exercícios que movimentem outras regiões, para não ficar monótono.

Veja um treino simples montado pelo professor:

prancha ventral
Prancha ventral
ponte dorsal
Ponte Dorsal

· Realizar 20 segundos de prancha ventral e depois 20 segundos de ponte dorsal, descansando 30 segundos entre as séries. É importante repetir de duas a três vezes.
· As repetições devem ser alternadas: faça um exercício e em seguida execute o outro, lembrando de sempre respeitar o tempo de descanso.
· Não se esqueça de alongar no final do exercício. O relaxamento pode proporcionar mais ainda uma sensação de alívio.

Fonte: Companhia Athletica

Microfisioterapia pode ser opção de tratamento do nervo ciático

Tem um ditado que diz: dor não curada, dor instalada. O fisioterapeuta Sérgio Bastos Jr, que trabalha com Saúde Integrativa, lembra que as dores na coluna, especialmente no nervo ciático, podem ter origem física, mas também serem pautadas por traumas vividos e que, se não tratados, podem se tornar dores efetivas no corpo. A questão com o nervo ciático é, talvez, uma das mais comuns que encontramos por aí.

O ciático é o maior nervo do corpo humano, chamado, muitas vezes, de “o grande nervo ciático”, lembra Sérgio Bastos Jr, fisioterapeuta e sócio da Biointegral Saúde, onde trabalha com Saúde Integrativa. “Quando alguém tem um problema relacionado a ele, pode sentir dores extremas e, inclusive, ter uma certa paralisia do corpo, já que ele começa na coluna lombar e se estende pela perna até o dedão do pé, impedindo que haja movimento sem sofrimento, quando inflamado”, explica ele, que questiona: “Microfisioterapia pode ser usada para minimizar e até eliminar dores ligadas ao Nervo Ciático? A resposta é: sim.”

Nervo-Ciatico

Segundo o fisioterapeuta, a microfisioterapia atua encontrando a causa primária de dores e doenças, que estão, geralmente, conectadas com memórias traumáticas gravadas em tecidos de determinadas regiões do corpo. “Dependendo do lugar e intensidade dessas memórias – e esse diagnóstico pode ser feito na própria sessão de microfisioterapia, é possível entender a origem e, inclusive, a fase da vida em que o trauma aconteceu”, revela o especialista. Mas, antes de falar em tratamento, ele nos ajuda a entender um pouco sobre a dor ciática.

A dor ciática geralmente aparece quando existe compressão ou inflamação do nervo. E pode provocar dor intensa no fundo das costas, na região dos glúteos ou pernas, e muita dificuldade em manter a coluna ereta. Como o nervo ciático “passeia” por mais de uma região do corpo, o tipo de dor que sentimos pode ter diferentes origens emocionais, por exemplo. “A nossa coluna indica sempre o quanto estamos certos das nossas verdades e caminhando em direção à vida que desejamos”, lembra o especialista.

Se a dor ciática está localizada na região lombar, geralmente tem sua origem nessa dificuldade de autossustentação, de orientar e comandar a própria vida. “A coluna é o nosso direcionamento”, revela o fisioterapeuta, “então, como está o seu direcionamento de vida? Você se sente capaz de dirigir seus próprios passos e seguir para onde realmente deseja e manda o seu coração. Essa pode ser uma boa pergunta para quem sofre de dores ciáticas na região lombar”.

A dor na região glútea pode provocar dificuldade de sentar-se, por exemplo. E aí, pode estar conectada a uma questão de poder – “É como se perdêssemos o nosso trono, que pode ser tanto o poder financeiro, a voz de comando, o prestígio. A dor na parte glútea do nervo tem uma conotação de “valor” muito forte”, explica.

Já as pernas são nosso meio de locomoção e, ao mesmo tempo, a forma como nos comportamos diante da autoridade e das situações da vida. “Por isso” – lembra ele – “tanto pode estar conectada a um medo de reagir ao novo ou de seguir em busca de seus próprios sonhos, como pode ser uma tradução do receio de ter que se curvar a pessoas ou acontecimentos que não são o que esperávamos. Independentemente de como a dor surgiu, o que mais precisamos entender é que ela pode ter, sim, uma origem emocional”.

nervo ciatico everyday health
Ilustração: Everyday Health

 

“E é aí que a microfisioterapia entra”, finaliza o fisioterapeuta, “encontrando as raízes do que nos aflige, entendendo o tipo de origem que essa dor tem, para que seja tratada de forma física, incluindo aí exercícios de fisioterapia e, claro, o tratamento médico adequado, mas também que seja entendida como uma resposta do organismo a um processo traumático que precisa ser resolvido, ou, mesmo com todos os tratamentos, a dor pode voltar a aparecer”.

Fonte: Biointegral Saúde

Como sua coluna pode “sobreviver” à era dos smartphones? Gislaine Milena Marton*

O smartphone faz parte do cotidiano das pessoas de praticamente todas as idades. E, na mesma proporção que são úteis para a vida, esses aparelhos podem prejudicar a postura. Há, inclusive, em trâmite no Senado Federal, um projeto de lei (PLS 55/2018) que obriga fabricantes de equipamentos eletrônicos a avisarem seus consumidores sobre os efeitos nocivos que o uso contínuo de celulares pode ter na coluna cervical.

jovem mulher usando celular pexels

A proposta já foi aprovada pela Comissão de Fiscalização e Controle (CTFC), agora será analisada pelo Plenário do Senado e, se aprovada, segue para a Câmara dos Deputados.

Achou exagero? Saiba que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 37% dos brasileiros convivem com dores ou danos na coluna cervical devido à má postura ao manusear aparelhos como smartphones, tablets e laptops.

Mas se não há como viver sem esses aparelhos tão úteis, é imprescindível ajustar essa convivência entre a tecnologia e a saúde da coluna. Para começar, sempre que for olhar o Instagram, Facebook ou enviar mensagem no WhatsApp mantenha o pescoço reto, apoie os cotovelos no tronco e flexione os braços de maneira que o celular fique na altura dos olhos. Se estiver sentado, a dica é colocar um travesseiro ou outro objeto em cima as pernas, como se fosse uma mesinha, para apoiar os cotovelos, ou apoiá-los diretamente em uma mesa mesmo.

Com essa simples reeducação postural, é possível aliviar a carga sobre os ombros, evitando que o peso da cabeça, que tem por volta de 6 kg, fique inclinada para frente, prejudicando toda a coluna e causando dores no pescoço, de cabeça, na cervical e nas costas. Esse hábito ruim ainda pode desencadear quadros de protusões discais, hérnias de disco, hipercifose (a famosa “corcunda’’), escoliose (quando a coluna forma um “S”), além de parestesias (“formigamentos”) nos braços e contrataturas musculares.

Por isso, é importante que se tenha um cuidado especial também com crianças e adolescentes nesse quesito. O fato de ficar “curvado” para lidar com o celular prejudica, e muito, a postura e o alinhamento da coluna da criança e do adolescente. Como eles estão em fase de crescimento, o momento é o ideal para corrigir esses erros posturais e afastar de uma vez os riscos de doenças da coluna mais graves que possam surgir. Por isso, pais, mães e responsáveis, fiquem atentos. A prevenção é o melhor remédio!

mulher celular cama

E, seja para adultos, pessoas mais jovens e crianças, o método da Reeducação Postural Global (RPG) é muito indicado e é ideal para prevenir alterações e possíveis deformidades decorrentes da má postura. Mas, é importante sempre lembrar de que alongamento e fortalecimento são os melhores amigos de uma coluna saudável, porque esses exercícios mantém a flexibilidade e amplitude dos movimentos e fortalecem a musculatura e as estruturas do pescoço, colaborando com uma boa postura. Por isso, é sempre importante investir em atividades que proporcionem tais resultados.

Então, de hoje em diante, sempre que for curtir uma foto nas redes sociais, pense: postura correta! Sua coluna agradecerá.

*Gislaine Milena Marton é fisioterapeuta e proprietária da clínica Quality Fisio & Pilates

Hérnia de disco é uma das principais causas de dor nas costas

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 70 a 85% da população tem ou terá um episódio de dor nas costas no decorrer da vida

Uma das principais causas de quadros dolorosos relacionados à coluna vem da hérnia de disco. Estima-se que a hérnia discal lombar afeta de 2% a 3% da população. A prevalência é de 4,8% em homens e 2,5% em mulheres.

Segundo Iuri Weinmann, neurocirurgião e especialista em cirurgia da coluna, as hérnias de disco lombar e cervical costumam aparecer entre os 40 e 50 anos, havendo outros picos de incidência entre 25 e 35 anos e, menos frequentemente, entre 50 e 60 anos. Em 76% dos casos, a pessoa tem um antecedente de dor lombar até uma década antes.

Fatores de risco

“Hoje, há fortes indícios de que a genética tem mais influência no desenvolvimento da hérnia de disco do que os fatores ambientais. Porém, hábitos como carregar muito peso (principalmente exercendo esforço intenso de forma súbita), sedentarismo, excesso de atividades que demandem muito da coluna, má postura, tabagismo e processo natural de envelhecimento são importantes fatores de risco”, explica Weimann.

Onde tudo começa

hernia de disco

“Na coluna se encontram os discos intervertebrais, estruturas que ficam entre as vértebras cuja principal função é amortecer o impacto de um osso no outro. Quando há desgaste desses discos eles podem romper-se e pressionar os nervos mais próximos, levando à dor. A hérnia de disco pode atingir a região cervical ou a região lombar, sendo esta última a mais comum”, explica o especialista.

“Tipicamente, a hérnia de disco lombar começa como uma lombalgia, uma simples dor nas costas. Mas, em geral, essa dor evolui para uma lombociatalgia, que ocorre quando a dor lombar está associada à irradiação para os membros inferiores (pernas e pés) devido à compressão da raiz do nervo, como a do ciático”, afirma Weimann.

A hérnia de disco cervical começa com uma dor no pescoço que irradia para os ombros ou braços, causando fraqueza muscular e formigamento quando há compressão da raiz nervosa. “É importante entender que nem toda hérnia de disco vai causar dor. A herniação, degeneração do disco e a estenose (compressão) do canal espinal não são responsáveis individualmente pela dor. É preciso levar em conta a compressão mecânica e as mudanças inflamatórias que ocorrem no disco e na raiz nervosa”, explica o neurocirurgião.

Cirurgia minimamente invasiva

Após o diagnóstico da hérnia de disco, o médico irá realizar o tratamento conservador, que pode incluir repouso, medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos, acupuntura, fisioterapia e fortalecimento muscular. Na maioria dos casos, a evolução é boa. Porém, cerca de 5 a 10% dos pacientes vão precisar de cirurgia para tratar a hérnia de disco, especialmente se for grande e estiver comprimindo os nervos.

“Há vários tipos de cirurgias que podem ser feitas. Entre elas a microcirurgia e discectomia tradicional, empregando a microtécnica microcirúrgica; a microsdiscectomia tubular, com ou sem auxílio endoscópico, e a microdiscectomia totalmente endoscópica. Contudo, buscamos cada vez mais realizar procedimentos minimamente invasivos devido aos seus comprovados benefícios, como recuperação mais rápida, menor risco de infecções e menor tempo de internação hospitalar,”, diz o Weinmann.

Segundo o neurocirurgião, as técnicas cirúrgicas que reúnem estas vantagens são as duas últimas (microsdiscectomia tubular com ou sem auxílio endoscópico e a microdiscectomia totalmente endoscópica). “Cada técnica conta com sua melhor aplicabilidade em diferentes situações. Estes procedimentos permitem ao cirurgião visualizar o local exato da lesão com grande aumento graças aos monitores de alta definição e exatidão”.

hernia de disco

As vantagens desse procedimento quando comparadas aos da cirurgia clássica de hérnia de disco são inúmeras. “É usada anestesia local com sedação em vez de anestesia geral. Isso permite, por exemplo, operar pacientes que não poderiam se submeter a uma sedação geral. O corte na pele é menor, o sangramento é mínimo, há menos dor no pós-operatório e a recuperação é mais rápida. Todos os benefícios desse tipo de cirurgia são importantes para que o paciente retorne às atividades cotidianas, especialmente ao trabalho”, finaliza o médico.

Dor lombar é principal causa de incapacidade no trabalho

540 milhões de pessoas no mundo sofrem com uma dor tão comum que a estimativa é a de que 80% da população mundial experimentará esse problema ao menos uma vez na vida: a lombalgia, ou a famosa dor na lombar. O problema é que, em muitos casos, essa dor – que se torna crônica –, afasta os pacientes de suas atividades diárias, sendo a principal causa de incapacitação no trabalho no mundo, segundo estudo publicado na The Lancet no começo do ano passado.

E o pior: a maioria dos pacientes recebe tratamento errado, com medicamentos à base de opioides, enquanto a fisioterapia e a reeducação postural seriam os melhores meios para corrigir o problema. Mas, para aliviar a dor, o tratamento com LEDs do Sportllux pode ser a solução, uma vez que conferem ação analgésica e anti-inflamatória. O equipamento de uso domiciliar traz as luzes vermelha e infravermelha para promover melhora das dores e tem três opções de tamanho para se adaptar às diversas áreas do corpo.

Segundo o estudo, no Reino Unido, quando juntamos os dias de trabalho perdidos por trabalhadores, isso contabiliza 1 milhão de anos de vida produtiva perdida por conta da dor na lombar. Acontecendo em todas as faixas etárias, na maioria dos casos, não há uma causa específica, mas trabalhos com maior exigência física e pessoas obesas estão mais propensas a sentir esse tipo de dor.

dor nas costas
Ilustração: Typography Images/Pixabay

Segundo o fisioterapeuta Alexandre Ribeiro Alcaide, especialista em fisioterapia esportiva e músculo-esquelética e sócio fundador da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (Sonafe), a fisioterapia auxiliará no fortalecimento dos músculos e articulações, além da redução da dor, enquanto o equipamento será um importante coadjuvante.

“A fototerapia, com a Terapia com Luz de Baixa Potência, também pode ser usada no tratamento e prevenção desta condição. Isso porque são equipamentos que realizam fotobiomodulação, ou seja, utilizam da estimulação fotodinâmica para promover efeitos fisiológicos, atuando na recuperação dos músculos e articulações e evitando dores”, completa o fisioterapeuta.

O Sportllux age por meio da fotobiomodulação ou Low Level Light Therapy (LLLT), que tem a capacidade de transformar a energia da luz em efeito fisiológico, com cada comprimento de onda atuando em cromóforos (alvos) específicos e gerando respostas terapêuticas.

Segundo o médico angiologista Álvaro Pereira de Oliveira, quando ocorre a interação da luz com os tecidos há um aumento de ATP (energia) mitocondrial e óxido nítrico. “O ATP auxilia na contração muscular e o óxido nítrico tem efeito analgésico, por isso essa tecnologia é tão interessante para esse tipo de dores”, afirma o médico. Dessa forma, o equipamento atua no reparo tecidual das lesões em nervos periféricos, além de aliviar a dor e atrasar o aparecimento da fadiga muscular, podendo ainda ter uma ação protetora sobre o desenvolvimento do dano induzido pelo uso excessivo do celular. Se utilizado corretamente, o aparelho também é capaz de aliviar a dor crônica e aguda.

sportllux_m___medium.jpg

Quanto ao modo de uso para lesões, o produto deve ser utilizado durante 20 minutos, duas vezes ao dia, sendo confortavelmente posicionado no local de aplicação.

Fontes:
– Alexandre Ribeiro Alcaide é fisioterapeuta especializado em Fisioterapia Esportiva e Músculo-Esquelética e sócio fundador da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (Sonafe).
-Cosmedical: empresa especializada em oferecer tratamentos seguros e inovadores aos seus clientes, desde terapia capilar à recuperação de musculatura pós-esforço físico. Pioneiros no uso da fotobiomodulação através de LED’s de baixa intensidade e acostumados à alta tecnologia, a empresa vem se tornando referência em equipamentos homecare. A Cosmedical fabrica, comercializa e importa equipamentos para a saúde há mais de 15 anos. A eficácia e a segurança dos produtos são medidas por testes clínicos rigorosos, realizados por grandes instituições europeias e brasileiras. 

Dor na coluna é a segunda mais frequente no ser humano

Muito tempo olhando para o celular e se exercitar de forma errônea pode causar danos irreversíveis na estrutura da coluna.

Ocupando o segundo lugar do ranking dos sintomas que mais acometem a população – perdendo apenas para as dores de cabeça – as dores na coluna têm diversas causas e poucas soluções, uma vez que suas alterações degenerativas são irreversíveis. Por isso, é importante identificar a causa dessa dor e tratá-la o quanto antes, mudando, inclusive, alguns hábitos como o sedentarismo, o tabagismo e o sobrepeso, fatores que contribuem para o aumento dos casos.

“Independente do fator causal, é sempre bom lembrar que a natureza é capaz de regenerar e reparar as lesões. Quando aliada ao tratamento médico, é possível obter uma melhora gradativa dos sintomas, assim como uma boa cicatrização (quando a intervenção cirúrgica se faz necessária) além de readaptação do indivíduo através de sessões de fisioterapia. Ou seja, caso você seja diagnosticado com uma crise, não é preciso se desesperar” – afirma o coordenador médico da equipe de ortopedia do Hospital Dom Alvarenga, William Martins Ferreira.

Embora a dor nas costas em si pode estar relacionada a problemas mais graves que envolvem desde o infarto, aneurisma, pneumonia, pedras nos rins e infecção urinária, as causas mais comuns são: artrose lombar, mecânica (musculoligamentar) e hérnia discal. As atividades corriqueiras, como carregar peso com muita intensidade e frequência, sentar-se de forma inadequada, praticar atividade física sem acompanhamento profissional e passar horas navegando na internet pelo smartphone são alguns dos agravantes.

Nestes casos, alguns ajustes ergonômicos ajudam a amenizar os sintomas. “O posicionamento adequado na hora de sentar e deitar, o ajuste do peso de acordo com o seu biotipo e preparo físico durante a atividade física, e se atentar à postura enquanto olha para o celular são fatores imprescindíveis para não agravar o quadro de dor” – conclui.

dor na coluna.png

Por isso, se a coluna travar é muito provável que seja necessária uma intervenção medicamentosa para reverter essa situação intensa e, muitas vezes, incapacitante. Fique atento a qualquer sinal de dor, pois elas podem estar relacionadas a outras doenças, desde as mais graves até as menos comuns, como: cólica renal, problemas pulmonares, problemas cardíacos, problemas gastrointestinais e até doenças reumáticas ou tumorais.

Fonte: Hospital Dom Alvarenga

Unicid abre vagas para tratamento gratuito de dor lombar

Sessões de fisioterapia são destinadas a homens e mulheres com idade entre 18 e 80 anos que sofrem de dor lombar

A Universidade Cidade de São Paulo (Unicid), instituição que integra o grupo Cruzeiro do Sul Educacional, está com vagas abertas para tratamento de dor lombar, no Campus Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo. O projeto faz parte do programa de Pós-Graduação em Fisioterapia da Instituição e será realizado por alunos e professores da Unicid.

Com direito a 12 sessões gratuitas de fisioterapia, o tratamento é destinado a homens e mulheres, com idade entre 18 e 80 anos, que sofram de dor lombar há pelo menos três meses.

dor nas costas
Ilustração: Typography Images/Pixabay

Tratamento gratuito de dor lombar
Requisitos: homens e mulheres, com 18 a 80 anos de idade, que sintam dor lombar há pelo menos 3 meses.
Local: Clinica de Fisioterapia da UNICID, na Rua Melo Peixoto, 1407, Bloco C – Tatuapé – Metrô Carrão.
Inscrições: pelo telefone ou WhatsApp (11) 97709-5450 (Irlei dos Santos).

Unicid

Fundada em 1972, a Universidade Cidade de São Paulo – Unicid é referência na formação de profissionais da área da saúde, com cursos tradicionais e pioneiros na região como Fisioterapia, Odontologia, Enfermagem e Medicina, que é reconhecido com nota máxima pelo MEC. Além disso, reúne cursos respeitados em diversas áreas do conhecimento e possui mais de 53 mil alunos na graduação, pós-graduação lato e stricto sensu, presenciais e a distância, cursos de extensão e programas de parcerias no Brasil e no exterior. Integra o grupo Cruzeiro do Sul Educacional, um dos mais representativos do país, com mais de 250 mil alunos, que reúne instituições academicamente relevantes e marcas reconhecidas em seus respectivos mercados, além de colégios de educação básica e ensino técnico.