Arquivo da categoria: finanças

Nutricionista mostra que é possível ter uma boa alimentação sem gastar muito

Conhecer propriedades dos alimentos, investir na otimização do tempo e adotar novos hábitos fazem bem ao corpo e ao bolso

Fazer um planejamento financeiro, para a carreira e até pessoal é algo que faz parte do dia a dia. Mas poucas pessoas têm em mente planejar a alimentação para que o que venha à mesa seja saudável sem pesar no bolso. É isso que faz a nutricionista Lilian Guedes, especializada em nutrição esportiva e responsável pelo Departamento Gestão de Saúde do Grupo Géia.

Segundo ela, o alto custo está relacionado a má gestão da rotina alimentar. “Quem não se programa, geralmente consome produtos mais caros, calóricos e sem tanto valor nutricional. A correria do dia a dia ligada a má administração do tempo é um perigo para a alimentação, pois faz com que se troque a comida caseira por lanches em fast-foods, salgados na padaria da esquina”, diz.

Na Géia, por exemplo, os colaboradores e funcionários assistem palestras sobre saúde e prevenção, recebem orientações de profissionais, tem acesso a consultas nutricionais e planos alimentares pessoais e personalizados, com o objetivo de instigar os trabalhadores a se preocuparem e prestar mais atenção em sua alimentação.

“Atualmente, nossos colaboradores estão mais antenados e preocupados com sua saúde, tivemos diversos casos de funcionários que mudaram seus hábitos alimentares após as instruções e acompanhamento da Géia. Um dos casos mais impactantes é um colaborador que tinha uma alimentação muito restrita e extremamente resistente a mudança, onde não ingeria nada de legumes, verduras e frutas. Hoje, com as novas orientações e grande disponibilidade de frutas na empresa, ele consome folhas, frutas e legumes, como alface, maçã, banana, cenoura e beterraba”, conta Lilian.

Produtos Feira de Orgânicos (2)

Para os que desejam minimizar os gastos, alguns hábitos como planejar um cardápio semanal, fazer uma lista de compras para levar apenas o necessário e reservar um horário do dia ou da semana para preparar as marmitas fazem total diferença. Também é interessante dar preferência às feiras livres, caso tenha fácil acesso, pois além do preço mais baixo é possível encontrar alimentos que estejam dentro da sazonalidade (frutas, verduras e legumes que sejam da época).

A importância dos grupos alimentares

O cardápio saudável é aquele que compreende os grupos alimentares (proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais) de forma harmônica, fornecendo assim, as quantidades adequadas de nutrientes para manutenção das funções vitais.

A grande dificuldade – e também o segredo – para se montar um cardápio saudável é entender a hierarquia dos alimentos e dosar a quantidade calórica e nutritiva para cada porção. Ou seja, o que deve ser prioridade e nunca faltar nas refeições diárias.

Com o planejamento da rotina e o conhecimento dos grupos alimentares fica bem mais fácil e barato manter uma boa alimentação. Para isso, Lilian indica:

arroz integral Jules -Stonesoup
Foto: Jules -Stonesoup

Carboidratos: por serem a principal fonte de energia do corpo humano, os carboidratos formam a base de nossa alimentação. “Importante escolher as melhores fontes, como tubérculos como mandioca, inhame e cereais integrais como aveia, quinoa e arroz integral”, alerta a nutricionista.

alimentos organicos

Vegetais e frutas cruas: o ideal é consumir diariamente vegetais e frutas cruas durante as refeições. “Esses tipos de alimentos fornecem uma grande quantidade de fibras alimentares e água, o que ajuda na digestão e prolonga a saciedade”, explica.

ovos cozidos stocksy
Stocksy

Proteínas: fortalecem a estrutura do corpo humano, sendo amplamente necessárias em todas as refeições.

“Para a montagem de refeições equilibradas, o Guia Alimentar para População Brasileira é a melhor ferramenta, pois tem uma linguagem simples, ilustrações lindas e educativas, além de desmistificar diversas crenças sobre alimentação”, sugere a especialista.

Fonte: Grupo Géia

Como planejar uma viagem de férias com pouco dinheiro

Especialistas explicam como reduzir gastos, evitar dívidas e investir para multiplicar recursos e garantir o passeio

Para muitas pessoas o maior desafio na hora de planejar as férias é a situação financeira. Por mais que que pareça difícil, é possível planejar a tão sonhada viagem com pouco dinheiro. Antes de tudo, é importante definir quais são as prioridades e entender o que cabe no seu bolso.

Para ajudar a concretizar esse objetivo, especialistas da Magnetis, primeira fintech de gestão de investimentos fundada no Brasil, separou os principais passos desta jornada.

Para onde ir?

aeroporto viagem mulher pixabay 2

Definir o destino tem grande influência na organização financeira, porque dependendo da distância, a viagem pode ficar bem mais cara. Por isso, é preciso avaliar o que é mais importante: conhecer outro país? Ir a um local em que se possa aproveitar programas ao ar livre? Conhecer culturas diferentes? Todos esses fatores terão influência na decisão sobre o destino da sua viagem.

Muitas pessoas sonham em viajar para o exterior, mas devido a cotação da moeda local, principalmente na Europa, essas viagens tendem a sair mais caras, sendo necessário um orçamento maior.

Se o objetivo for viajar e gastar menos, vale repensar o destino. O Brasil tem ótimas opções e para todos os gostos, com alternativas muito interessantes em relação ao custo total. Além da moeda ser a mesma, os voos domésticos tendem a custar menos dependendo do local escolhido. Mas se você não abre mão de sair do país, na América do Sul existem destinos interessantes, com preço mais baixo do que outros locais turísticos, e vai te permitir gastar menos.

Quanto tempo de viagem?

quarto de hotel 2

Na hora de planejar também é importante pensar em quanto tempo deseja passar no local, sabendo que quanto mais dias fora de casa, maior o custo final. O preço de hospedagem, alimentação, compras e assim por diante, que podem gerar um custo maior, têm que ser avaliados.

Alguns desses quesitos podem ser driblados com pacotes de viagem, que incluem estadia, passagens, alimentação, e outros serviços. Na maioria das vezes pode sair mais barato contar com uma operadora de viagens do que escolher cada detalhe por conta própria.

Pesquisar o valor das passagens com meses de antecedência pode te dar um grande desconto. Além de promoções, a possibilidade de ter mais tempo para pagar até a viagem garante uma preocupação a menos. O mesmo vale para hospedagem, já que pacotes com descontos podem ser encontrados meses antes do que quando se fecha tudo em cima da hora.

Além disso, sempre confira quais serviços estão incluídos na hospedagem. Existem hotéis que oferecem café da manhã durante a estadia, o que já representa uma economia. Outros têm parceria para descontos em passeios e traslados gratuitos do aeroporto para o local, veja qual se encaixa melhor no seu plano de viagem, afinal, avaliar o custo benefício é fundamental quando se tem pouco dinheiro.

Só leve o que for essencial

mulher no aeroporto

O excesso de bagagem é outro fator que merece atenção, então leve somente o necessário. Esse é um custo extra que é fácil de ser evitado, lembrando que diversos viajantes têm o costume de comprar muitos itens durante a viagem, é justamente nesse momento que se perde o controle do peso das bagagens e, se o intuito é justamente gastar pouco, não faz sentido cair na tentação da compra compulsiva. Pense sempre em economizar.

Economize antes da viagem

calculadora cartões

Não existe fórmula mágica para ter dinheiro para viajar: é preciso poupar uma quantia se deseja atingir esse objetivo. Abrir mão de hábitos que custam caro e fazer uma reserva financeira para a viagem é crucial. É importante encarar os planos de férias como qualquer outra meta financeira, como fazer algum curso, adquirir aposentadoria, comprar a casa própria, e assim por diante.

Algumas dicas simples são:

=Reduzir gastos com lazer;
=Pesquisar dados antes de fazer qualquer compra;
=Não gastar mais do que ganha;
=Economizar por alguns meses antes da viagem;
=Comprar à vista sempre que puder;
=Evitar dívidas;
=Investir para ter suas economias multiplicadas;
=É possível, sim, viajar com pouco dinheiro, tudo depende de um bom planejamento e um pouco de força de vontade na economia.

Sobre a Magnetis

Magnetis é a primeira fintech de gestão de investimentos fundada no Brasil. Desde 2015, ajuda as pessoas a atingir suas metas de vida por meio de investimentos mais inteligentes. Com algoritmos que escolhem as melhores carteiras e um time de consultores sempre à disposição, já montou mais de 230 mil planos de investimento para ajudar as pessoas a investir no que importa. A empresa foi vencedora do prêmio Fintech Awards Latam em 2017, na categoria modelo de negócios. É parceira da GPS Investimentos, subsidiária do grupo suíço Julius Baer e maior gestora independente de patrimônio de alta renda no Brasil, e da Easynvest, corretora de valores com mais de 50 anos de atuação no mercado.

 

Inverno: especialista lista quais aparelhos mais consomem energia elétrica

O aumento no valor da conta nesta época do ano é de, em média, 30% ou mais, devido ao uso de chuveiro, aquecedor, máquina de lavar-louças e torneira aquecida

No dia 21 de junho iniciou-se o inverno, período em que a conta de energia elétrica costuma aumentar, por conta do uso do chuveiro em potência máxima, um dos aparelhos que mais consome energia em uma casa, entre outros eletrodomésticos como aquecedor, geladeira, ferro de passar, lava-louça, máquina de secar roupa, torneira elétrica, entre outros.

Segundo o CEO e especialista em eficiência energética da W-Energy, Wagner Cunha Carvalho, o chuveiro elétrico é o vilão neste período, pois consome, em média, 30% a mais de energia que nos dias quentes. “O cuidado com o uso do chuveiro elétrico precisa ser dobrado, pois, além do alto consumo de energia, também há o desperdício de água, já que o tempo do banho costuma ser maior. Isso sem falar no uso de torneiras aquecidas, máquina de secar roupas e aquecedores”, explica.

mulher chuveiro banho

No Brasil, temos uma média de consumo, por pessoa, de 180 litros de água por dia, sendo que a indicação é de cerca de 110 litros/dia. “Passamos por uma recente crise hídrica e por isso o recurso merece toda atenção também nos dias mais frios. Banhos muito longos, uso demasiado da máquina de lavar roupas ou louças, ainda mais com o uso de água quente, afetam o setor”, relembra Carvalho.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que as contas de luz no mês de junho (2019) terão bandeira tarifária verde, mas isso não significa um descuido quanto ao gasto e consumo mensais.

Outra dica importante é estar atento às luzes dos ambientes, equipamentos de uso intermitente em tomadas, que interferem no consumo de energia e na eficácia de outros aparelhos. Na escala de maior gasto, estão o ar-condicionado – na função quente ou fria – e a geladeira, que no total do consumo de uma casa representa 30%, o chuveiro elétrico 25%, a iluminação 20%, aparelho de televisão 10%, o ferro elétrico 6%, máquina de lavar 5% e todos os demais, como micro-ondas, roteadores, etc., 4%.

candelabro lampada luz pixabay

“Um ponto esquecido é o tipo de iluminação do ambiente. Lâmpadas decorativas podem consumir bastante energia sem percebermos. A tecnologia LED (Light Emitter Diode), hoje em dia, é uma das mais eficientes e contribui muito para redução do consumo. As famílias que viajarem neste período do inverno devem desligar o maior número possível de aparelhos e colocar a geladeira em potência baixa, pois mesmo na opção de stand by, apresentam consumo”, finaliza o especialista.

Fonte: Wagner Cunha Carvalho é administrador de empresas, especialista em Sustentabilidade – Eficiência Energética e Hídrica. É diretor de relacionamentos e negócios da empresa W-Energy e possui larga experiência em gerenciamento de grandes projetos nos segmentos Comerciais, Industriais, Saúde e de Infraestrutura. Membro do Instituto para a valorização da Educação e da Pesquisa no Estado de São Paulo (Ivepesp). 

Dez dicas de cuidados nas compras para o Dia das Mães

O Dia das Mães de 2019 deve movimentar mais de R$ 24 milhões no comércio, segundo dados divulgados pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), sendo que 78% dos consumidores devem realizar pelo menos uma compra no período.

O consumidor deve estar bem informado e ter cautela nas compras, pois a segunda maior data do varejo brasileiro deve ser encarada como uma oportunidade de fazer um bom negócio e evitar “pegadinhas” ou danos materiais.

Antes de sair para as compras, é bom ler o e-book do advogado Sérgio Tannuri, especialista em Defesa do Consumidor, com as orientações básicas e dicas preciosas para fazer a melhor compra e não ter dor de cabeça futura com reclamações ou prejuízos.

“Em geral, os consumidores vão para shopping ou lojas de departamentos, mas temos verificado o aumento das compras online. O e-book “O dia é das Mães e o direito é de todos!” tem dicas simples, mas o principal é oferecer informação para ter cuidado antes de sair para a compra e não ser lesado. A linguagem é de fácil entendimento e acessível para qualquer pessoa”, explica Tannuri.

10 Dicas para compras no Dia das Mães

Compras em lojas físicas

FreeGreatPicture compra cartão sacola
· Quando o preço da etiqueta é diferente do valor cobrado no caixa, o preço menor prevalece;
· Quando comprar peças de roupa, preste atenção na qualidade dos tecidos, das costuras, botões, fechos e outros detalhes. Saiba que o fornecedor somente é obrigado a trocar se a roupa estiver com defeito;
· No caso de eletrônicos, peça ao vendedor que demonstre como se usa o aparelho – em caso de eletrodomésticos, preste atenção se a voltagem é a mesma da casa de destino;
· Na compra de algum móvel, teste a sua resistência de acordo com a finalidade (sente-se, deite-se, apoie-se etc.);
· Verifique todas as condições de pagamento – quando possível, prefira o pagamento a vista e peça desconto. Exija a nota fiscal do pedido, que deverá constar modelo, marca, cor, valor e data da entrega.

Compras em ambiente digital

compras pela net tel
· Pesquise a reputação da empresa em sites de reclamações antes de realizar uma compra ou contratar um serviço. O consumidor pode checar os dados cadastrais de uma empresa clicando aqui;
· Só compre em sites que tenham o ícone de um cadeado fechado no alto do seu navegador de acesso à internet. Ao clicar no cadeado, deve aparecer o certificado de segurança do site. Isso significa que é um ambiente virtual seguro e os dados do seu cartão não serão abertos;
· Antes de concluir a compra, verifique se há despesas com fretes e taxas adicionais, bem como o prazo de entrega da mercadoria ou execução do serviço. Se a mercadoria chegar depois da celebração do Dia das Mães, a empresa não só poderá ser obrigada a devolver o valor pago pela mercadoria, inclusive com o valor do frete incluso, como também o cliente terá direito à reparação pelas perdas e danos, por ver frustrada a sua pretensão de presentear (artigo 35 do CDC);
· Imprima o pedido ou contrato firmado ou arquive em meio digital seguro que permita uma futura impressão. Guarde a confirmação do pedido com o número do protocolo, descrição dos itens comprados e o prazo de entrega;
· Em compras online, há o “direito de arrependimento”: o consumidor pode devolver o produto ou cancelar o serviço – sem dar nenhuma satisfação – e obter o seu dinheiro de volta. O direito de arrependimento só pode ser aplicado para compras feitas fora do estabelecimento comercial e com a peça (no caso de mercadoria) intacta e sem uso. O prazo para o arrependimento é de 7 (sete) dias, contados a partir da assinatura do contrato ou do ato de recebimento do produto ou serviço, de acordo com o artigo 49, do Código de Defesa do Consumidor.

capa.png

O e-book “O dia é das Mães e o direito é de todos!” pode ser baixado pelo site Pergunte Pro Tannuri.

Estudo faz raio-x do comportamento da geração de mais de 50 anos

O Grupo Bradesco Seguros realizou no último dia 24, em São Paulo, o segundo encontro do ‘Diálogos da Longevidade’, cujo objetivo é discutir os impactos de um tema cada vez mais urgente para a vida de todos: a longevidade.

O evento contou com a participação de Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, e de Alexandre Kalache, gerontólogo e presidente do ILC (Centro Institucional da Longevidade, em português). Na ocasião, foi apresentada uma pesquisa inédita sobre o tema. O estudo ‘Longeratividade’ identificou quem são os brasileiros 50+, como eles se comportam nessa fase da vida e se relacionam com as questões financeiras, mapeando hábitos tecnológicos, saúde, lazer e profissão, além de avaliar o grande potencial de consumo desse público.

“A população 50+ tem espírito jovem e está ciente que pode ter uma vida plena e ativa. Esse público mais maduro é muito representativo, são 54 milhões de brasileiros, ou seja, um quarto da população. Não é preciso explicar quão relevantes são para a sociedade e para o mercado”, revela Renato Meirelles.

“De forma pioneira entre as empresas brasileiras, a Bradesco Seguros firmou em 2004 sua aposta no tema Longevidade, tornando-se uma referência nacional através de múltiplas iniciativas. Nestes 15 anos, a expectativa de vida do brasileiro cresceu cerca de 5 anos. E o subgrupo populacional que mais rapidamente cresce é precisamente o dos 50+, objeto dessa pesquisa pioneira, apoiada pela Bradesco Seguros, que nos ajudará, a todos, na formulação de políticas e intervenções que possibilitem um último terço de nossas vidas mais produtivo prazeroso. Ganhamos todos.”, comenta Kalache.

Realizada pelo Instituto Locomotiva a pesquisa ‘Longeratividade’ analisou dados secundários e bancos de dados próprios de um público de mais de 50 anos, além de uma pesquisa online com 2184 mil pessoas a partir de 16 anos, em 2018.

Envelhecimento e Expectativas de Vida

casal meia idade feliz

O Brasil é hoje um dos países que mais rapidamente envelhecem no mundo. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a expectativa de vida dos brasileiros está cada vez maior. Enquanto em 1940 era de pouco mais de 40 anos, hoje ultrapassa 75 anos e deverá superar 81 anos em 2050. Hoje, temos 54 milhões de brasileiros com mais de 50 anos, ou seja, um quarto da população. Até 2050, 43% da população terá 50 anos ou mais – serão aproximadamente 98 milhões de pessoas.

A pesquisa ‘Longeratividade’ aponta que essa expectativa também faz parte do sentimento da população: sete em cada dez entrevistados acreditam que viverão até os 80 anos ou mais. Entre os 50+, apenas 10% se consideram velhos, e o principal medo que esse público tem em relação ao envelhecimento são as mudanças no corpo e a falta de dinheiro.

Finanças, Saúde e Bem-Estar

contas escritorio gadini pixabay

Os brasileiros 50+ movimentam em renda um valor de R$ 1,8 trilhão ao ano (metade dessa renda vem do trabalho). Ou seja, são um público com grande potencial de consumo. Segundo dados da pesquisa, nos próximos 12 meses esse público pretende comprar móveis para casa (30% ou 9,8 milhões de pessoas), smartphone (12% ou 6,5 milhões), geladeira e notebook (11% ou 3,6 milhões) e máquina de lavar – (9% ou 2,9 milhões).

A pesquisa aponta ainda que 18% ou 9,7 milhões pretendem viajar de avião para algum destino no Brasil, 10% ou 5,4 milhões querem fazer curso profissionalizante, 6% ou 3,2 milhões pretendem fazer faculdade e 4% ou 2,2 milhões querem fazer uma viagem internacional.

No entanto, mais da metade afirma que não está fácil pagar as contas atualmente. 82% se preocupam com o futuro e 69% dizem ter atualmente uma condição financeira menos favorável do que imaginavam ter nessa idade. Apenas 35% tem algum dinheiro guardado.

O estudo também abordou a relação dos 50+ com as empresas e descobriu que 77% deles afirmam que as pessoas que aparecem nas propagandas comerciais costumam ser muito diferentes delas. Já 87% desse público gostaria de ser mais ouvido pelas empresas.

mulher computador lendo

A porcentagem de brasileiros 50+ que estão conectados à internet atualmente é de 28%. Porém, entre os já conectados e digitalizados, a maioria acessa a internet todos os dias, e 85% utilizada Facebook e WhatsApp.

No aspecto saúde e bem-estar, para os 50+ ter uma alimentação saudável, fazer exames preventivos e evitar o estresse são fatores que contribuem para uma vida longeva e de qualidade. A grande maioria tem a percepção de gastar demais com a própria saúde.

Fonte: Grupo Bradesco Seguros

Saiba como acertar suas contas

É possível se livrar das dívidas definitivamente gerenciando o orçamento corretamente

De acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgada no último ano, 41,6% da população adulta no país está incluída em cadastros de restrição de crédito.

O desemprego e a crise explicam em parte a dificuldade que grande parte das pessoas enfrenta para pagar as dívidas e fechar o mês com a conta bancária positiva. Mas, além disso, outro fator que influencia o endividamento é a falta de gestão do orçamento familiar.

Para sair dessa situação e fazer com que os custos e gastos caibam na renda mensal, é necessário estar aberto e ter flexibilidade para fazer mudanças no dia a dia.

Para começar, é preciso entender os seus gastos, com um levantamento de sua vida econômica: com a ajuda de uma planilha, some todos os seus ganhos (salários, pensões, extras, etc.) e, em seguida, liste as despesas ao longo do mês, com o maior detalhamento possível. Assim, é possível identificar quais gastos podem ser cortados. Para isso, é preciso mudar de estilo de vida, estabelecendo prioridades e avaliando a possibilidade de mudar alguns hábitos, que podem passar pela substituição itens de seu consumo por outros mais baratos (como, por exemplo, substituir o plano de TV por assinatura por um serviço de streaming, mais em conta).

Porém, se estiver na faixa dos superendividados (com 100% ou mais de sua renda comprometida), as mudanças precisam ser radicais. Considere morar em um lugar mais barato, mudar seus filhos de escola e vender o carro. Essas são algumas medidas que, com certeza, vão ajudá-lo a alcançar o equilíbrio.

Não comprometa mais de 30%

mulher contas
Caso boa parte da sua renda mensal (mais do que 30%) esteja sendo usada para o pagamento de dívidas, chegou o momento de rever os seus hábitos. Caso contrário, será difícil colocar as finanças em dia.

Como pagar as dívidas

contas escritorio gadini pixabay
Descubra o quanto do seu orçamento está comprometido. Para isso, divida o total das dívidas pela renda familiar. Se cerca de 30% de sua renda está indo para as dívidas, é preciso cortar alguns gastos pessoais. Todo dinheiro extra que entrar na conta, como o 13° salário, deve ser usado primeiro para quitar as contas.

Repense o uso do cartão de crédito

cartão de crédito
Só use o cartão se puder pagar o total da fatura – além de comprometer sua renda com o parcelamento, há, ainda, as taxas de juros.

Renegociar a dívida é um caminho

homem mulher trabalho negocio

Outra alternativa para colocar a vida financeira em ordem é tentar a renegociação da dívida: entre em contato com o fornecedor, reconheça que está em dificuldade financeira e fale sobre a possibilidade de acordo, ampliação de prazos ou redução de taxas. A negociação, no entanto, deve ser feita por escrito e com a assinatura de duas testemunhas. Se não tiver jeito e a nova transação precisar ser feita por telefone, peça o número de atendimento e o número do registro da renegociação. Anote o nome da pessoa com quem falou, dia e hora, e peça que o documento seja enviado por escrito confirmando o acordo. E nunca deixe de cumprir os novos prazos ajustados: os juros podem ser ainda mais altos do que os da dívida original.

Empréstimo só em último caso

Reserva-de-Emergência-6-dicas-básicas-para-acabar-com-o-estresse-financeiro
A melhor alternativa para quitar seus débitos é com ajustes nos gastos, evitando ao máximo pedir empréstimos. Se não tiver como evitar, opte pelo consignado: é o que pratica os menores juros do mercado e, normalmente, é pouco burocrático. Mas se não tiver direito a esta modalidade, faça uma extensa pesquisa sobre os tipos de empréstimo existentes no mercado para escolher a opção mais vantajosa.

Aluguel

mulher segurando caixas freepik
Freepik

É possível pensar em se mudar para um lugar mais em conta, mas também é possível negociar o valor do aluguel direto com o proprietário: alegue que você sempre foi um bom pagador ou, se for o caso, que outros imóveis similares ao que você mora estão mais baratos.

Transporte

new-york-taxi
By: Prawny

Em alguns casos, andar de táxi ou usar aplicativos de transporte pode ser mais vantajoso do que manter um carro. Se você não pode abrir mão do seu veículo, fique atento às formas de economizar no combustível: se seu carro é flex, multiplique o valor da gasolina por 0,7. Se o resultado for maior em comparação ao preço do álcool, abasteça com esse combustível. Se for menor, prefira a gasolina.

Fonte: Proteste

 

 

Dicas básicas para acabar com o estresse financeiro

Crise financeira é uma das fases mais difíceis que um indivíduo pode vivenciar. São contas para pagar, família para sustentar, prestações, empréstimos para quitar e dentre outras responsabilidades que acabam trazendo muito estresse para a rotina da pessoa.

Por conta disso, o site de empréstimo online Reserva de Emergência, listou seis dicas básicas que poderão lhe ajudar nesta fase.

Reserva-de-Emergência-6-dicas-bá11.png22

 

As mulheres e a relação com o dinheiro no século 21, por Natalia Cunha*

Antigamente, as mulheres não precisavam se preocupar com as finanças, pois os homens eram os provedores da casa. Fazia parte da cultura conservadora que elas não tivessem envolvimento com o dinheiro. A maioria se dedicava às tarefas domésticas e aos filhos, ou seja, serviam exclusivamente à família.

Pesquisas afirmam que a insegurança da mulher em lidar com o tema vem principalmente das sequelas da cultura machista em que apenas o homem se revelava como um profissional, provedor, assim como falado anteriormente. Isso explica a menor tendência feminina às jornadas integrais de trabalho, não há uma divisão igualitária das tarefas cotidianas na estrutura familiar brasileira, diferente do que acontece em muitos países desenvolvidos, a exemplo disso, a Suécia.

A critério de exemplo, em 2003, Araújo e Scaflon realizaram uma pesquisa em que participaram 2.000 domicílios brasileiros e chegaram à conclusão de que o trabalho doméstico continua sendo designado às mulheres, gerando assim dupla jornada onde pode influenciar a dificuldade da mulher em administrar o dinheiro.

Muito embora alguns estudos apontem para o fato de que as mulheres decidem na hora da compra, o que ocorre é que a decisão de onde/como investir o dinheiro que sobrou no mês fica a cargo dos homens, ou seja, o provedor continua decidindo o destino das finanças em dias atuais.

guarda roupa duvida

Eu diria que hoje a mulher tem quase 50% do seu orçamento destinado a “estética”, dessa forma comprometendo seus rendimentos. No entanto, no meio masculino, isso é irrelevante e a mulher tem uma cobrança imposta pela sociedade. Elas pagam mais caro a coparticipação em seus convênios, pois usam mais que os homens. Exemplo simples, homem pode, durante uma semana, trabalhar com uma calça e uma camiseta branca e a mulher tem uma cobrança para não pode repetir roupas.

Qual seria a solução para isso?

Devemos ficar esperando a sociedade entender que a mulher não é uma “vitrine de moda”? Será mesmo que temos que esperar a sociedade entender isso ou cabe a nós mostrarmos no dia a dia ? Ou mudar nossa postura diante das cobranças excessivas de imagem da sociedade, que impactam diretamente em nossas finanças?

Conseguimos enxergar um posicionamento feminino maior no mercado de trabalho, alcançando assim cargos de diretoria e muitas delas empreendendo. Essa participação mais sólida é um processo que precisou do movimento feminista para mudar e está melhorando, lentamente é claro, pois há muito preconceito enraizado, mas esse posicionamento ainda está longe de ter uma igualdade. Exemplo disso é a desigualdade salarial entre os gêneros, assim como afirma pesquisa do IBGE de 2018, em que mulheres ganham no máximo 77,5% dos rendimentos masculinos.

É quase nulo encontrar conteúdos de cunho financeiro destinado às mulheres, sendo este tema voltado sempre aos homens, numa linguagem masculina e em veículos de comunicação voltado a eles, o que o torna distante do público feminino e assim dificultando o acesso àquelas que tenham realmente interesse em conhecer mais sobre este universo.

Apesar dos poucos avanços culturais neste sentido, existem literaturas, APPs que foram desenvolvidos e publicados para o nicho feminino, no qual ensinam, estimulam e aconselham mulheres a lidar com suas próprias finanças e a realizarem investimentos, dessa forma quebrando paradigmas sobre o seu relacionamento com o dinheiro.

Existe a questão da oferta X demanda. Eu acredito que para mudar essa tendência da pink tax, da mulher ainda vista como bonequinha de luxo, tem que mudar a cultura… porém para isso acontecer, tem que haver uma mudança de tendência. É paradoxal, são assuntos correlacionados.

A solução está na conscientização: a mulher empoderada, que toma para si o conhecimento, que exige que lhe vendam informações e não apenas maquiagens, que vai à luta pela equiparidade salarial.

mulher contas

Tome como exemplo quando as “chapinhas” entraram no mercado brasileiro. Custavam uma fortuna, era o valor de um salário mínimo na época. Com o passar do tempo a demanda aumentou, todas queriam esse acessório de beleza, com isso os preços caíram e hoje é totalmente acessível ter uma.

Com o conteúdo de finanças voltado ao universo feminino tem que ser assim: as mulheres têm que exigir, para que o mercado forneça isso à elas e desse modo, somente assim, poderá se iniciar um processo de modificação cultural sobre o relacionamento mulher x dinheiro.

*Natalia Cunha é administradora executiva, formada pela Universidade Anhembi Morumbi e com capacitação em Psicologia Econômica pela B3 Educação. Atuou em mais de seis anos na área financeira, em empresas como Banco Pan-americano, Nextel, Banco Itaú, Laboratório Cerba LCA e Cummins Brasil. Hoje, atua como consultora financeira na Plano Consultoria, empresa que há dois anos ajuda pessoas a manterem uma relação equilibrada com suas finanças.

Dicas para não descuidar das finanças no Carnaval

Muita gente conta os dias para a chegada do Carnaval e se divertir nos bloquinhos, mas há quem prefira aproveitar os dias de folga para viajar. No entanto, para isso é preciso colocar tudo na ponta do lápis e saber quanto será possível gastar com passagens, hospedagem, passeios e alimentação. Quando falta organização financeira, as contas podem sair do controle e se transformar em dívidas atrasadas que são uma verdadeira bola de neve.

Neste ano o Carnaval será nos dias 4 e 5 de março e ainda há tempo para se programar. Deixar de se divertir por estar sem dinheiro não é mais desculpa, pois existem fintechs que fazem empréstimos a partir de 200 reais de forma rápida, sem burocracia e 100% online, como é o caso da Ferratum. A startup libera o dinheiro na conta em até 24 horas permitindo curtir o Carnaval de forma organizada, sem apertos financeiros. Veja algumas dicas para aproveitar ao máximo o feriado mais aguardado do ano:

1 – Estabeleça um limite de gastos

calculadora cartões

Existe a velha máxima: ‘Nunca dê um passo maior do que as pernas’. Com dinheiro é a mesma coisa: não gaste mais do que tem. Crie uma planilha com os gastos mensais fixos como aluguel, condomínio, luz e até cartão de crédito e faça um controle mensal do que é possível diminuir e até cortar. Assim você saberá quanto sobra para gastar com lazer e se programa para não extrapolar com a viagem do Carnaval.

2 – Pesquise antes de fechar negócio

Precipitar-se comprando a primeira oferta que aparece nunca é um bom negócio para o bolso. Muitas vezes uma passagem pode sair pela metade do preço em outra companhia aérea ou em um horário com menor procura. Isso também vale para hotéis, hostels e pousadas. Deixar para comprar em cima da hora também não é boa ideia, pois tudo fica muito mais caro. O ideal é se planejar e comprar passagens e reservar hotel com antecedência de pelo menos dois meses.

3 – Aproveite para conhecer destinos menos badalados

paisagem5

No Carnaval e em outros feriados, as pessoas geralmente optam por viajar para cidades famosas pelas festas como Rio de Janeiro, Salvador, Olinda e Recife, o que encarece bastante o valor de passagens e hospedagem destes lugares. Mas em um país tão grande quanto o Brasil, existe um sem número de destinos interessantes e bem mais em conta para conhecer, basta procurar. Existem opções de locais para amantes da natureza, para quem quer curtir praia, se refugiar na montanha e até mesmo passear no shopping. O melhor de tudo é que será bem mais barato!

4 – Viaje com um grupo de amigos

Transporte, alimentação, gasolina, diária de hotel são apenas algumas das despesas que temos quando viajamos. Aproveite a animação do carnaval para convidar os seus amigos e familiares para a viagem. Neste caso, quanto mais pessoas viajarem, melhor, pois será mais economia para o seu bolso. Isso sem contar que a diversão será muito maior, não é mesmo?

5 – Curta os blocos e festas da sua cidade

carnaval-de-rua

Se você fez as contas e a viagem está fora de cogitação, aproveite as atrações de sua própria cidade. Muitas promovem festas e blocos que garantem a diversão em todos os dias de festa. Claro que ainda haverá gastos com drinques, fantasias, locomoção e uns lanches, mas no final sairá muito mais em conta do que viajar e o melhor: as finanças ficarão sob controle.

Sobre a Ferratum

Ferratum é uma fintech multinacional fundada em 2005 na Finlândia, foi uma das primeiras empresas no mundo a oferecer crédito online com tecnologia inovadora. No Brasil oferece uma plataforma 100% online para solicitar empréstimos de forma rápida e sem burocracia.

Estética e beleza devem entrar no planejamento financeiro?

Em nome da sua autoestima, a beleza não deve ficar de fora dos seus sonhos

Todo início de ano requer uma reflexão sobre sob diversos aspectos da vida, inclusive o financeiro. O planejamento de gastos é de extrema importância para ter uma organização entre as despesas e investimentos, que merecem a devida atenção. E quanto mais controlado for, mais se obtém sucesso nos sonhos e planos para o futuro, alcançando os objetivos almejados.

Uma das técnicas mais usadas nesse projeto – que deve se iniciar anualmente e ter um acompanhamento e atualização mensal – é o uso de planilhas financeiras. Orçamentos domésticos devem ser diariamente lançados nesta organização. É necessário anotar todos os ganhos e gastos, até mesmo aquele consumo na rua, sem previsão. Os pequenos valores influenciam no resultado final e surpreende quem se controla financeiramente.

calculadora cartões

Outras dicas importantes são: compare os preços e, sempre que possível, opte pelos preços mais em conta; pague à vista quando tiver desconto; utilize o cartão de crédito com critério e faça uma lista realista com metas. Tudo isso ajuda a ser assertivo nas aquisições.

No planejamento financeiro – diferente do que muitos pensam – deve entrar tudo, até mesmo aquele “sonho de tratamento estético ou cirurgia plástica”. O projeto de ficar mais bonita e ter aquele corpo perfeito também devem constar no programa de gastos no início do ano e nos acompanhamentos mensais. Afinal, investir em si mesmo é salutar e contribui para a autoestima e a felicidade individual, o que reflete em todas as demais áreas da vida.

“Ainda bem que, diferente de antigamente, as cirurgias plásticas estão muito mais acessíveis, mas tudo deve ser bem avaliado para a segurança do paciente. Porém, neste caso, como envolve a saúde, o ideal é pesquisar preços, sem abrir mão dos melhores médicos e hospitais”, afirma Arnaldo Korn, diretor do Centro Nacional – Cirurgia Plástica, empresa especializada na intermediação financeira na área de procedimentos estéticos.

Surgeon Hands Drawing Correction Lines On Stomach

É possível encontrar diversas opções que auxiliam em um planejamento do orçamento que inclui a beleza. Entre os mais procurados, está o financiamento de cirurgias plásticas. “É uma alternativa que realiza o sonho das pessoas sem pesar no bolso nestes tempos de crise”, analisa o diretor. Os parcelamentos podem ser feitos em até 48 meses.