Arquivo da categoria: frutas

Aprenda a preparar terrine de chocolate com calda de frutas vermelhas e sorvete de cacau

Quer aproveitar a gastronomia do Itacaré Eco Resort sem sair de sua casa? Aprenda a preparar a deliciosa “Terrine de chocolate com calda de frutas vermelhas e sorvete de cacau” presente no cardápio do resort.

Concebida por Jandes Morais, novo Chef do Resort, a receita é uma deliciosa sugestão para os dias mais quentes. Confira a seguir o passo a passo.

Terrine de chocolate com calda de frutas vermelhas e sorvete de cacau

Ingredientes:

Terrine
500g de chocolate meio amargo
150g de manteiga
6 ovos
4 colheres de sobremesa de açúcar
6 colheres de sobremesa de farinha de trigo

Modo de preparo
Derreter o chocolate com a manteiga no banho maria. Bater os ovos na batedeira, juntar o açúcar, acrescentar ao chocolate derretido. Peneirar a farinha e juntar ao restante da mistura e mexer. Untar uma forma de terrine com manteiga e farinha de trigo. Assar a 150° por 40 minutos.

Para a calda
500 g de frutas vermelhas congeladas
300 g de açúcar
500 ml de água
1 limão

Modo de preparo
Juntar todos os ingredientes com o suco do limão e ferver por 10 minutos. Bater metade da calda no liquidificador

Para o sorvete
1 kg polpa de cacau
500 ml creme de leite fresco
200g de açúcar
50g de glucose
5g de emulsificante
20g de liga neutra

Modo de preparo
Misturar todos os ingredientes e bater no liquidificador. Colocar no refrigerador por duas horas
Bater na batedeira e voltar ao refrigerador até endurecer.

Dica: sirva quente
Rendimento: 12 fatias

Fonte: Itacaré Eco Resort

Pêssego: confira os benefícios que a fruta traz

Uma das frutas mais apreciadas e gostosas também traz benefícios à saúde. Confira abaixo:

Pêssegos ajudam a curar

Thinkstock

Não se deixe enganar pelo tamanho pequeno e pele delicada de um pêssego. Apenas um de tamanho médio tem até 13,2% da vitamina C de que você precisa a cada dia. Este nutriente ajuda o corpo a curar feridas e mantém o sistema imunológico forte. Também ajuda a se livrar dos “radicais livres” – substâncias químicas que têm sido associadas ao câncer porque podem danificar as células.

Ajuda a visão

O antioxidante betacaroteno dá aos pêssegos a bela cor laranja-dourada. Quando você o ingere, seu corpo o transforma em vitamina A, que é a chave para uma visão saudável. Também ajuda a manter outras partes do corpo, como o sistema imunológico, funcionando como deveria.

Mantém a digestão funcionando sem problemas

Um pêssego médio pode fornecer de 6% a 9% das fibras de que seu corpo precisa todos os dias. Alimentos ricos em fibras podem protegê-lo de problemas de saúde, como diabetes, doenças cardíacas e câncer colorretal. Mas o benefício que você notará mais acontece no banheiro: obter fibras suficientes pode ajudar a prevenir a constipação.

Ajudam você a manter um peso saudável

Com menos de 60 calorias, os pêssegos não têm gorduras saturadas, colesterol ou sódio. E mais de 85% de um pêssego é água. Além disso, os alimentos ricos em fibras ajudam na saciedade. Quando você os come, leva mais tempo para sentir fome novamente.

Oferece vitamina E

Nozes e sementes são as fontes mais conhecidas dessa vitamina, mas os pêssegos também a fornecem. Este antioxidante é importante para muitas das células do seu corpo. Também mantém o sistema imunológico saudável e ajuda a dilatar os vasos sanguíneos para evitar que o sangue coagule por dentro.

Mantém os ossos saudáveis

O potássio pode ajudar a equilibrar os efeitos de uma dieta rica em sal. Também pode diminuir a pressão arterial, juntamente com as chances de pedras nos rins e perda óssea. Você precisa de cerca de 4.700 miligramas de potássio todos os dias, e é muito melhor obtê-lo com alimentos do que com um suplemento. Um pêssego pequeno tem 247 miligramas de potássio e um médio pode fornecer até 285 miligramas de potássio.

Alivia dor de estômago

Thinkstock

Se você tiver problemas de estômago, um lanche de pêssegos em calda pode ser uma boa ideia. Eles têm uma textura macia, são mais pobres em fibras do que as frutas frescas e são fáceis de digerir. Como parte da chamada “dieta gastrointestinal leve”, pêssegos enlatados podem ajudar a aliviar dores de estômago e aliviar a diarreia e os gases.

Faz você sorrir

Por mais doces que sejam, os pêssegos podem ajudar a manter os dentes saudáveis ​​porque contêm flúor. Esse mineral, que você encontra na pasta de dente, também está presente em alguns alimentos, incluindo pêssegos. Também ajuda a eliminar os germes da boca que podem causar cáries.

Escolha um pêssego perfeito

Getty Images

Quanto mais doce o cheiro, mais maduro o pêssego (afinal, eles são membros da família das rosas). Eles estão prontos para serem comidos quando cedem à pressão suave do dedo. Os pêssegos firmes podem ficar na bancada por alguns dias para amadurecer, mas, quando estiverem prontos, coloque-os na geladeira. Deixá-los fora, quando estiverem maduros, diminuirá a vitamina C.

Seja criativo

Getty Images

Sim, você pode comer um pêssego fresco, mas por que parar por aí? Você também pode assar, grelhar, aquecer ou refogar esta fruta polpuda. Adicione fatias de pêssego amassadas (suavemente) ao seu chá gelado ou limonada ou jogue algumas no liquidificador com iogurte ou leite para fazer um smoothie saudável. O molho picante de pêssego também é uma cobertura doce e saudável para peixes ou frango.

A prima próxima

Foto: Max Straeten/Morguefile

Os pêssegos têm muitos nutrientes na pele (apenas certifique-se de lavá-los antes de comê-los, para se livrar da sujeira.) Se você não é fã da textura felpuda, opte por uma nectarina. Elas são realmente pêssegos no coração. Apenas um gene diferente lhes dá uma casca lisa.

Fonte: WebMD

Problemas sérios que quem não consome frutas e vegetais pode ter (e dicas para inclui-los na dieta)

Não se engane: vegetais e frutas são componentes importantes da dieta humana, ricos em macro (carboidratos, gorduras e proteínas) e micronutrientes (vitaminas e minerais), e você pode ter sérios problemas ao optar por não consumi-los

Apenas um em cada três brasileiros consome frutas e vegetais regularmente, um número baixo. Mas ainda há aquelas pessoas que não comem esses alimentos de jeito nenhum, o que pode ser extremamente perigoso. “Frutas e vegetais contêm importantes compostos bioativos que demonstraram ter efeitos benéficos na saúde humana. Eles são fontes e ricos em vitaminas A, C, E e K e minerais como potássio, magnésio, cálcio. Além disso, também são uma boa fonte de fibras alimentares e possuem propriedades antioxidantes, além de fornecer também macronutrientes, como proteínas, carboidratos e gorduras boas”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

“Sabemos que é impossível obter todos esses nutrientes de uma única fruta ou vegetal; portanto, é necessário incluir uma variedade de frutas e vegetais na dieta. Mas quem não consome frutas e vegetais está mais sujeito a deficiências e uma infinidade de doenças”, completa a médica.

De acordo com Marcella, algumas das doenças causadas pela deficiência de vitaminas incluem: escorbuto (causado pela deficiência de vitamina C), cegueira noturna (causada por deficiência de vitamina A), doença hemorrágica ou distúrbio hemorrágico (causado pela deficiência de vitamina K), anemia, osteoporose e bócio, que são doenças causadas pela deficiência de minerais (ferro, cálcio e iodo, respectivamente), entre outras.

Abaixo, a médica explica mais seis sérias consequências ao não consumir frutas e vegetais:

Problemas cardiovasculares: uma dieta rica em frutas e vegetais reduz o risco de problemas cardiovasculares e complicações futuras. “Estima-se que o risco de doenças cardíacas entre os indivíduos que ingerem mais de cinco porções de frutas e vegetais por dia seja reduzido em 20%, em comparação com aqueles que comem menos de três porções por dia”, afirma a médica. De acordo com a revisão Effects of Vegetables on Cardiovascular Diseases and Related Mechanisms, o consumo de vegetais está inversamente correlacionado ao risco de doenças cardiovasculares.

“Pesquisas de vários estudos epidemiológicos mostram que vegetais como aspargos, aipo, alface, brócolis, cebola, tomate, batata, soja e gergelim têm grande potencial na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares. Esses vegetais apresentam ação protetora do coração principalmente por seus efeitos antioxidantes, anti-inflamatórios e antiplaquetários”, diz a médica nutróloga.

“Frutas e vegetais ajudam a regular a pressão arterial e a glicose no sangue; eles também têm um efeito favorável no perfil lipídico. Além disso, previnem danos ao miocárdio, modulam as atividades enzimáticas, regulam a expressão gênica e as vias de sinalização associadas a doenças cardiovasculares”, conta a médica.

Problemas digestivos: frutas e vegetais são uma boa fonte de fibras, o que estimula o bom funcionamento do intestino, melhorando a saúde imunológica, e ajuda na digestão adequada e fácil dos alimentos. “Frutas ricas em vitamina C e potássio, como maçãs, laranjas e bananas, são particularmente boas para a digestão. De acordo com um estudo publicado na revista Nature Chemical Biology, vegetais de folhas verdes contêm sulfoquinovose, um açúcar que atua como fonte de energia para a bactérias benéficas da microbiota intestinal, formando uma barreira protetora que impede o crescimento e a colonização por bactérias ruins, que podem causar constipações, distensões, dores abdominais e cólicas”, diz a médica.

Câncer: as evidências sugerem que a inclusão de frutas e vegetais na dieta reduz o risco de câncer. As bagas (uvas, pepino, abóbora, melão e melancia, por exemplo) contêm antocianina, que demonstrou um efeito inibidor no câncer de cólon. “Os vegetais crucíferos (brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, nabos e folhas verdes escuras) também demonstraram ter um efeito preventivo contra o câncer. Um estudo publicado no Journal of Food and Drug Analysis descobriu que o polifenol floretina presente nas maçãs inibe o crescimento das células do câncer de mama”, explica a médica.

Distúrbios metabólicos: segundo Marcella, a síndrome metabólica é caracterizada por glicose no sangue aumentada, pressão arterial elevada, dislipidemia e obesidade abdominal. “Uma dieta rica em frutas e vegetais está associada a um risco reduzido de diabetes mellitus, dislipidemia, hipertensão e obesidade. A ingestão de vitamina C, devido ao seu efeito antioxidante, demonstrou ter uma associação inversa com a síndrome metabólica. Alimentos ricos em fibras ajudam a reduzir a lipoproteína de baixa densidade e equilibrar os níveis de glicose no sangue”, diz a médica. Uma dieta que promove o consumo de vegetais e frutas para melhorar o controle da pressão arterial é particularmente útil na prevenção de doenças metabólicas.

Visão: vegetais de folhas verdes e frutas coloridas contêm carotenoides, que aumentam o desempenho visual do olho e ajudam a prevenir doenças oculares relacionadas à idade, segundo a médica nutróloga. “Os carotenoides luteína e zeaxantina têm ação protetora contra cataratas; também ajudam na prevenção de doenças oculares relacionadas ao envelhecimento e degeneração macular”, completa.

Depressão: numerosos estudos encontraram ligações entre o consumo de frutas e vegetais e a depressão. Estudos mostram que a depressão é menos provável em pessoas que consomem uma variedade maior de frutas e vegetais.

Como incluir na dieta?

Muitas pessoas simplesmente não gostam do sabor de frutas e vegetais, mas é improvável que elas não gostem de todos. “O ideal é tentar achar frutas e vegetais cujos sabores agradem ao paladar”, diz a médica. Abaixo, ela dá pequenas dicas de como adicionar mais vegetais e frutas à dieta:

*Experimente sucos de frutas com verduras (por exemplo morango com couve);
*Invista nas vitaminas de frutas, que podem ajudar a diversificar os nutrientes;

Foto: Cook For Your Life


*Inclua vegetais folhosos, como o espinafre, na omelete;
*Tente comer verduras e vegetais em sopas;
*Faça preparações em receitas que incluam vegetais, como o macarrão com brócolis ou couve;

*Refogue e acrescente mais temperos aos vegetais.

Por fim, a médica diz que em casos em que o paciente não consegue mesmo disfarçar o gosto das frutas e verduras, ainda é possível consumir alguns desses alimentos na forma liofilizada. “A liofilização ou criodessecação é um processo de desidratação em que o produto é congelado sob vácuo e o gelo formado, sublimado. Esse processo é utilizado em alimentos que apresentam um alto teor de água. O resultado é um pó que pode ser adicionado ao arroz, feijão, macarrão, molho e preparações caseiras, conferindo os nutrientes do alimento sem interferir no sabor”, diz a médica. “O mais importante é buscar um meio de incluir esses alimentos, que são fundamentais para a saúde”, finaliza.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

É época de tangerina, aproveite a deliciosa fruta fonte de vitamina C

A tangerina (Citrus reticulata), também conhecida como mexerica e bergamota, possui várias espécies, dentre elas está a Poncã (ou ponkan), Olé, Carioca e Verona. A safra no Brasil vai de abril a setembro.

São frutas cítricas de pele fina e sabor memorável, que variam de muito doce a azedo. São brilhantes e perfumadas, apreciadas por pessoas de todas as idades, e colhidas durante o inverno, quando a paisagem parece monótona e adormecida. Nativas do sudeste da Ásia, a tangerina fresca é uma das frutas mais populares e consumidas do país.

O que percebemos como sabor típico da tangerina, é na verdade uma combinação de sabor e aroma, que juntos, deixam uma sensação inesquecível na boca. O gosto é principalmente pelos níveis de açúcares e ácidos e as proporções relativas entre eles, enquanto o aroma é derivado de uma mistura de diferentes fragrâncias voláteis, incluindo álcoois, aldeídos, cetonas, terpenos e esteres.

É o segundo maior grupo de frutas cítricas cultivados depois das laranjas. Elas compartilham muitas características, como poucas ou nenhuma semente, sabor doce, cor e casca macia que facilita descascar.

=A poncã, é a mais popular e consumida, com textura suculenta e sabor doce vibrante. Ela tem a casca mais grossa, coloração mais amarelada e em geral, é mais doce que os outros tipos de tangerina.
=A carioca é achatada, tem textura rugosa, cor alaranjada mais forte e seu sabor é doce com toque mais ácido.
=A Verona é claramente a espécie mais azeda. Possui sabor marcante, bastante suculenta e diferencial é não tem sementes.
=A Olé tem uma pele ligeiramente áspera e seu sabor é mais suave que a poncã.

Segundo a nutricionista Adriana Stavro, as tangerinas por estarem intimamente relacionados, possuem um perfil nutricional muito semelhante. São fonte de minerais, fibras, fito químicos bioativos, como alcaloides e carotenoides e são excelente fonte de vitamina C, um nutriente que fortalece o sistema imunológico.

=A vitamina C contribui para a defesa imunológica, apoiando várias funções celulares do sistema imune inato e adaptativo.
=É um antioxidante altamente eficaz, devido à sua capacidade de doar elétrons, protegendo biomoléculas importantes contra danos causados por oxidantes gerados durante o metabolismo celular e pela exposição às toxinas e poluentes (fumaça de cigarro, poluição, agrotóxicos).
=A vitamina C suporta a função de barreira epitelial contra patógenos e promove a atividade de eliminação de oxidantes da pele, protegendo potencialmente o estresse oxidativo ambiental.
=A deficiência de vitamina C resulta em imunidade prejudicada e maior suscetibilidade a infecções.
=Por sua vez, as infecções afetam significativamente os níveis de vitamina C, devido ao aumento da inflamação e dos requisitos metabólicos.

Além dos benefícios nutricionais mencionados acima, a melhor parte das tangerinas é o fato de elas estarem amplamente disponíveis com ótimo custo benefício. Aproveite.

Fonte: Adriana Stavro é nutricionista mestre pelo Centro Universitário São Camilo. Especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Pós graduada em Nutrição funcional pela VP e em Fitoterapia pela Courses4U

Com a chegada do inverno, conheça cinco frutas ideais para consumir na estação

Nutricionista da Dietbox elenca as melhores escolhas na hora das compras para os dias mais frios do ano

Adobe Stock


O inverno se iniciou no Brasil na última segunda-feira (21) e, com a chegada da nova estação, uma dúvida paira no ar: quais frutas estão em seu melhor momento de plantação e colheita? Júlia Canabarro, nutricionista da Dietbox, startup de nutrição, explica que é nessa época que frutas como kiwi e morango – ricas em vitamina C – marcam presença nas feiras e mercados e escolher consumi-las em sua devida estação, além de beneficiar a saúde, garante alimentos mais saborosos e nutritivos.

“Durante os dias mais frios e secos do ano, é natural que nosso organismo fique mais suscetível a vírus como gripes, resfriados e outras doenças respiratórias. Para isso, nada melhor que priorizar o consumo de frutas que fortaleçam nossa imunidade. Vale deixar isso em mente: além de saudáveis, alguns alimentos estão em seu auge no inverno e podem ser encontrados com mais facilidade, a um preço mais acessível e, claro, com ainda mais sabor”, acrescenta a profissional.

Abaixo, Júlia elencou cinco opções que não podem ficar fora da lista de compras na hora de fazer a feira:

Avocado

Famoso por sua versatilidade, o avocado é rico em gorduras boas, como a ômega-3 e as vitaminas C, E e K. O fruto pode ser utilizado tanto em preparos de receitas salgadas – como a famosa guacamole – quanto doces, saladas de frutas e vitaminas. A nutricionista explica: “O avocado conta com propriedades antioxidantes perfeitas para o fortalecimento do sistema imunológico nos dias mais frios. Priorizá-lo no inverno, quando nosso organismo ‘pede’ por alimentos mais gordurosos, é uma ótima opção.”


Kiwi

O kiwi costuma ser consumido in natura no café da manhã, mas suas possibilidades vão além: sucos, vitaminas e até mousses podem ser preparados com a fruta. A nutricionista da Dietbox explica seus benefícios: “Assim como o abacaxi, laranja e limão, ele fortalece a imunidade por ser rico em vitamina C. É um bom aliado para ajudar a proteger o organismo nos três meses de inverno”.


Morango

AlexasFotos/Pixabay

Além de fortalecer a imunidade por sua alta taxa de vitamina C, o morango ajuda na diminuição de inflamações, por ser rico em compostos anti-inflamatório. Por ser um “coringa”, adquiri-lo no inverno é o momento certo para morangos mais maduros, doces e saborosos. “O melhor de tudo é que, além de saudável, ele é o rei das receitas doces. Afinal, é difícil dizer não a sobremesas como tortas e bolos de morango. Mas, vale lembrar que equilíbrio é a chave para uma alimentação balanceada”, pondera Júlia.

Caqui

Foto: Ceeline/Pixabay

A fruta, rica em vitaminas A, C e fibras, se destaca por seu sabor adocicado. Bom para os dias frios por fortalecer a imunidade, o caqui também combate o estresse e é indicado para o bom funcionamento do intestino, pois evita a prisão de ventre. A nutricionista acrescenta: “o melhor de tudo é que, além de mais saborosa, seu preço durante o inverno é o mais baixo do ano. Junto disso, a fruta é rica em antioxidantes, auxiliando na diminuição de radicais livres.”

Carambola

Pixabay

Por último, conhecida por seu popular formato de estrela, a carambola conta com uma baixa quantidade de calorias sendo indicada para aqueles que desejam consumir alimentos mais leves. A fruta ainda é rica em antioxidantes, combatendo o envelhecimento e ajudando na proteção das células do corpo. “A carambola também auxilia na hidratação por seu alto teor de água, além de ser muito saborosa. Para os dias mais frios que nos esperam, ela é uma ótima pedida para compor uma salada de frutas por sua grande quantidade de vitamina C”, finaliza Júlia.

Fonte: Dietbox  

Aumento modesto no consumo de frutas, vegetais e grãos reduz risco de diabetes, aponta estudos

Dois estudos publicados em julho no British Medical Journal associam maior consumo de frutas, vegetais e alimentos integrais a um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2. Acredite se quiser, o aumento no consumo pode ser até modesto para evitar o problema

Sabemos dos benefícios de frutas, vegetais e grãos para a nossa saúde, justamente por fornecerem macro e micronutrientes importantes para o funcionamento do organismo. Mas acredite se quiser, dois estudos recentes, ambos publicados em julho no British Medical Journal, relacionam um aumento, mesmo que modesto, na ingestão de frutas, vegetais e grãos inteiros a um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2.

“Uma maior ingestão desses alimentos em um contexto de uma dieta saudável pode ajudar a prevenir o diabetes tipo 2 segundo os estudos”, afirma a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

No primeiro estudo, uma equipe de pesquisadores europeus examinou a associação entre os níveis sanguíneos de vitamina C e carotenoides (pigmentos encontrados em frutas e vegetais coloridos) com o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Os níveis de vitamina C e carotenoides são indicadores mais confiáveis da ingestão de frutas e vegetais do que o uso de questionários dietéticos. As descobertas são baseadas em 9.754 adultos que desenvolveram diabetes tipo 2 de início recente e um grupo de comparação de 13.662 adultos que permaneceram sem diabetes durante o acompanhamento entre 340.234 participantes da Investigação Prospectiva Europeia sobre Câncer e Nutrição (EPIC) – Estudo InterAct em oito países europeus.

Segundo a médica, após o ajuste para estilo de vida, fatores de risco sociais e dietéticos para diabetes, níveis mais elevados de vitamina C e carotenoides no sangue e sua soma quando combinados em um “escore composto de biomarcador” foram associados a um risco menor de desenvolver diabetes tipo 2. “Os pesquisadores calculam que cada aumento de 66 gramas por dia na ingestão total de frutas e vegetais foi associado a um risco 25% menor de desenvolver diabetes tipo 2. Sabemos que as frutas e vegetais são ricos em fibras que diminuem a inflamação e estão relacionados à melhoria do metabolismo da glicose, lipídios e tecido adiposo em pesquisas experimentais em humanos e animais”, afirma a médica. “Sabe-se também que diferentes fibras alimentares têm diferentes efeitos na saúde”, diz.

No segundo estudo, pesquisadores nos Estados Unidos examinaram associações entre a ingestão total e individual de grãos integrais e diabetes tipo 2. As descobertas são baseadas em 158.259 mulheres e 36.525 homens que estavam livres de diabetes, doenças cardíacas e câncer e participaram do Nurses ‘Health Study, Nurses’ Health Study II e Health Professionals Follow-Up Study. Após o ajuste para estilo de vida e fatores de risco dietéticos para diabetes, os participantes da categoria mais alta para o consumo total de grãos inteiros tiveram uma taxa 29% menor de diabetes tipo 2 em comparação com os da categoria mais baixa. “Para alimentos de grãos inteiros individuais, os pesquisadores descobriram que consumir uma ou mais porções por dia de cereais matinais de grãos inteiros frios ou pão integral estava associado a um risco menor de diabetes tipo 2 (19% e 21% respectivamente)”.

Foto: Jules -Stonesoup

Para outros grãos inteiros, o consumo de duas ou mais porções por semana, em comparação com menos de uma porção por mês, foi associado a um risco 21% menor no caso da farinha de aveia e 12 % menor risco de desenvolver diabetes para arroz integral e gérmen de trigo. “Ambos os estudos são observacionais, portanto, não podem estabelecer a causa, e há uma possibilidade de que alguns dos resultados possam ser devido a fatores não medidos. No entanto, ambos os estudos levaram em consideração vários fatores de risco de estilo de vida bem conhecidos e marcadores de qualidade da dieta, e as descobertas confirmam outras pesquisas que relacionam uma dieta saudável com uma saúde melhor”, afirma a médica nutróloga.

Dessa forma, ambas as equipes de pesquisa dizem que suas descobertas fornecem mais suporte para as recomendações atuais para aumentar o consumo de frutas, vegetais e grãos inteiros como parte de uma dieta saudável para prevenir o diabetes tipo 2. “E para frutas e vegetais, as descobertas também sugerem que o consumo mesmo de uma quantidade moderadamente maior entre as populações que normalmente consomem baixos níveis pode ajudar a prevenir o diabetes tipo 2, portanto incluir esses alimentos na rotina é fundamental por todos os seus benefícios”, finaliza a médica.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Veja quais hábitos alimentares ajudam a manter a saúde e o bem-estar no outono

Nutricionista da Dietbox afirma que alimentos ricos em nutrientes e vitaminas tornam o organismo fortalecido, ficando menos suscetíveis aos resfriados

Outono, época de temperaturas amenas, das tradicionais folhas caídas ao chão, dias mais curtos e noites mais longas. Com temperaturas mais baixas, tornando propenso o aparecimento de resfriados, é importante alertar para os cuidados com a saúde e como fortalecer o sistema imunológico com uma alimentação balanceada, conforme ressalta Júlia Canabarro, nutricionista da Dietbox, software de nutrição.

“Doenças como gripes acometem as pessoas com sistema imunológico frágil e uma alimentação rica em nutrientes e vitaminas pode ajudar a reforçar as defesas do organismo. Opte pelo consumo de frutas, legumes, verduras, grãos e carnes magras para variar o cardápio e manter o organismo mais resistente”, pondera a especialista.

Nas estações mais frias, costuma-se ingerir alimentos ricos em calorias, uma vez que o corpo gasta mais energia para se manter aquecido. “Uma dica é preparar alimentos chamados comfort foods para aquecer o organismo, mas que não sejam necessariamente hipercalóricos”, orienta Júlia Canabarro.

A nutricionista da Dietbox lista dicas importantes para seguir na alimentação saudável e manter a saúde e o bem-estar no Outono:

=Consuma alimentos ricos em vitamina C: alimentos que possuem alta concentração dessa vitamina têm o poder de ajudar na prevenção de doenças infecciosas do sistema respiratório, podem reduzir as chances de anemia ao favorecer a absorção de ferro e aumentam a imunidade.

=Tente ingerir uma menor quantidade de produtos industrializados.

Foto: Pinterest

=Aposte em sopas com legumes, verduras e proteínas magras. É uma comida que vai aquecer o corpo e dar aquela sensação de conforto e saciedade.

=Evite alimentos calóricos e cheios de gorduras. O corpo pode pedir por alimentos calóricos para tentar se aquecer e manter a temperatura corporal. Nesses casos, procure por chás quentes e café com canela.

iStock

=Beba água: independente da estação e das temperaturas, a água é fundamental para o funcionamento do corpo. Mas, nessa época, o organismo também precisa de água para se manter hidratado, mesmo se não sentir sede.

=Para os chocólatras, é possível comer chocolate, mas investindo em um meio amargo ou no amargo – eles têm maior teor de cacau, dão energia e são fontes de gorduras boas. Consuma moderadamente.

Foto: California Avocado Comission

=Consuma alimentos que deem mais saciedade. Frutas com aveia ou farelo de aveia, abacate, batata doce e cereais integrais são ótimas opções.

Pixabay

=Para quem ingere bebidas alcoólicas, uma tacinha de vinho também está liberada. Vinhos são fontes de flavonoides e protegem a saúde cardiovascular.

Fonte: Dietbox

Conheça os malefícios do refrigerante e entenda como consumi-lo pode afetar a saúde

Cyntia Maureen, nutricionista da Superbom, aponta como a bebida prejudica o corpo e destaca os benefícios do consumo de sucos naturais

Comumente conhecido pelo excesso de açúcar, o refrigerante é uma bebida que dificilmente desagrada o paladar. Seja nas refeições diárias, em grandes festas ou pequenas confraternizações, ele sempre se faz presente pelo prazer gerado a cada gole. De acordo com o IBGE, no Brasil, o refrigerante foi responsável por 71,6% das vendas de bebidas não alcoólicas no ano de 2019.

Esses dados devem ser considerados alarmantes, tendo em vista que seu consumo traz diversos malefícios à saúde, como retenção de líquidos, aumento de peso, distensão abdominal, enfraquecimento dos ossos, aumento de processo inflamatório e até câncer.

Segundo Cyntia Maureen, nutricionista da Superbom, refrigerantes são compostos por uma grande quantidade de açúcar, sódio e conservantes, grandes vilões da saúde. Ela explica que sua ingestão pode trazer diversas consequências ao corpo de uma só vez. “Devido aos elementos presentes em sua fórmula, a bebida não possui nenhum valor nutricional, a famosa caloria vazia. Pelo contrário, seus ingredientes são capazes de provocar doenças a longo prazo”, afirma.

Antes de evidenciar quais são seus malefícios, a especialista aponta o motivo das pessoas não conseguirem se manter longe da bebida. “Ao ingerir açúcar, é ativado um sistema de recompensa no cérebro, que gera satisfação pelo que está sendo consumido. Além disso, a cafeína também gera um efeito de dependência”, relata. Uma lata de refrigerante seria capaz de causar vômitos se não fosse a presença do ácido fosfórico, que reduz a percepção do dulçor do líquido. Graças ao componente, o cérebro reage bem e o paladar se torna cada vez mais viciado.

A nutricionista destaca que os altos níveis de sódio e açúcar presentes no refrigerante prejudicam a circulação, diminuem a ação da insulina e desequilibram os níveis de sódio no organismo. “Ele pode até causar aumento da pressão arterial ou diabetes tipo 2”, destaca. Além disso, seu consumo diário favorece a retenção de líquido, provoca inchaço e deixa o sangue mais denso, favorecendo a formação de coágulos.

Foto: Arker

O ácido fosfórico também impede o corpo de absorver o cálcio necessário para fortalecer os ossos, desenvolvendo problemas como cáries e osteoporose. “Por conta da acidez, o organismo utiliza o cálcio dos ossos e dentes para neutralizar os efeitos da bebida”, informa a nutricionista. Esse ácido também se encontra no gás do refrigerante, responsável por dilatar o estômago e prejudicar a absorção de nutriente dos alimentos. “A gaseificação ocasiona mais acidez no sistema digestivo, causando gastrite, azia e flatulências. Além disso, também gera a falsa sensação de saciedade e provoca fome em menores intervalos de tempo, por isso o aumento de peso é estimulado”, explica.

Cyntia ainda ressalta que optar por refrigerantes lights ou diets não traz nenhum benefício. “Em suas novas versões, a indústria exclui o açúcar, mas acrescenta, componentes ricos em sódio, o que dobra a quantidade de sal presente no líquido, que segue fazendo mal ao corpo”, descreve. Sem nenhum valor nutricional à saúde, seu consumo é diretamente ligado as taxas de obesidade e facilita o desenvolvimento de tumores. Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), a comorbidade mencionada está associada a 13 tipos de câncer, como o de estômago e intestino.

Freepik

Como forma de reduzir os efeitos da bebida, Maureen indica que a melhor opção é evitar o refrigerante e substituí-lo por água e sucos de frutas naturais. “Optar por sucos integrais é uma ótima escolha, pois além de serem ricos em água, também são fontes de fibras, vitaminas e minerais, que colaboram para o bom funcionamento do intestino, controlam os níveis de glicemia e colesterol, auxiliam no funcionamento dos rins e favorecem a digestão. Assim, é possível continuar saboreando cada gole e, melhor ainda, trazendo benefícios ao corpo”, finaliza.

Confira abaixo algumas opções disponíveis no catálogo da Superbom ideais para substituirem o refrigerante no seu dia a dia:

Suco de Uva Tinto Integral 1l

O suco de uva integral Superbom é um produto 100% natural, produzido a partir de uma única variedade de uva: a Isabel. Tendo características próprias e extremamente marcantes dessa uva, esse saboroso suco de uva tem um sabor único desde 1925. Excelente como acompanhamento para refeições, lanches, também é indicado para pré e pós treino, o suco de uva integral Superbom é uma bebida saudável que oferece muitos benefícios à saúde e também está disponível em 300 ML ou 1 L.

Suco de Tangerina Integral 1l

O suco de tangerina da Superbom Integral é um suco 100% fruta, feito especialmente para quem deseja ter uma vida mais equilibrada. Saboroso, o suco de tangerina é uma bebida saudável feita a partir de frutas selecionadas que oferecem a doçura característica da tangerina somada ao valor energético da vitamina C.

Suco de Maça Integral 1l

O suco de maçã Superbom é um suco 100% natural, produzido a partir das mais selecionadas frutas. Dentre os nutrientes deste produto, destacamos a quercetina, antioxidante que melhora a função cerebral bem como age como um anti-inflamatório natural.

Fonte: Superbom

Como montar um café da manhã low carb com opções saudáveis e deliciosas

É muito comum escutar que o café da manhã é a refeição mais importante do dia, e por isso, independente dos hábitos alimentares de cada um, é importante tomar um cuidado especial com a escolha dos alimentos. E para ajudar àqueles que querem montar um café da manhã saudável e reforçado com opções low carb, a startup de alimentação saudável Liv Up resolveu dar algumas dicas.

Quando se fala no método low carb, ou seja, uma rotina de alimentação baixa no consumo de carboidratos, é importante frisar que o ideal é que não seja uma alimentação restritiva. Os carboidratos não devem ser extintos, apenas reduzidos, ou em certas situações, substituídos por alternativas de índice glicêmico menor. Isso porque os alimentos ricos em carboidratos, como pães, cereais, biscoitos, massas, entre outros, além de compor uma média de 50% dos nutrientes ingeridos diariamente, são importantes fontes de energia para o organismo.

Contudo, os carboidratos. quando ingeridos, viram açúcar no organismo e o consumo em excesso pode ser prejudicial à saúde. Assim, as opções low carb surgem tanto para quem quer perder peso, quanto para quem busca se alimentar bem e reduzir as porções de açúcar.

Viviane Kim, uma das nutricionistas da Liv Up, ensina: “Ao optar por uma rotina alimentar de redução de carboidratos, é necessário suprir os gastos de energia elevando o consumo de gorduras e proteínas”.

Dessa forma, enquanto alguns alimentos são cortados, outros são incorporados para ajudar no equilíbrio nutricional de uma rotina alimentar saudável. Confira algumas sugestões que a empresa separou do seu cardápio:

Quiche low carb de frango

O quiche de frango da Liv Up tem em seu recheio um extrato de tomate que traz um sabor especial e deixa o prato mais colorido. Alguns outros ingredientes como tomilho, salsinha, e demais temperos naturais, dão um toque final que deixa qualquer um com água na boca.

Ovos cage free

Foto: Scibosnian

Importantes fontes de proteína e ricos em vitaminas, para um café da manhã low carb, uma boa opção é apostar em uma omelete com queijo branco. Na Liv Up, os ovos são cage free, ou seja, as galinhas são criadas livres gaiolas e recebem espaço e condições para viver como se estivessem na natureza.

Frutas (seleção e orgânicos)

Além de ricas em nutrientes, também aumentam a sensação de saciedade e ajudam no bom funcionamento do intestino, porém, em uma alimentação low carb, é preciso se atentar à escolha de qual fruta consumir já que algumas delas possuem bastante açúcar. Na Liv Up, as frutas podem ser encontradas na opção de cesta de orgânicos ou ainda é possível escolher morangos ou laranjas orgânicos disponíveis à parte da cesta.

Castanhas

Sunnysun0804/Pixabay

São oleaginosas ricas em ácidos graxos, potássio, magnésio e fibras, que além de serem fontes de gordura boa, ajudam na regulação do colesterol. Uma boa opção da Liv Up, principalmente para quem quer algo prático, são as castanhas-de-caju ou as castanhas-do-pará – ótimas para consumir sozinhas, ou para incrementar iogurtes e demais preparações.

Fonte: Liv Up

2021 é o Ano Internacional das Frutas e Vegetais; entenda a importância desses alimentos

Criada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, campanha visa conscientizar a população sobre a importância do consumo de frutas e vegetais para a manutenção da saúde e prevenção de doenças. Médica nutróloga dá dicas sobre como consumir e conservar esses alimentos

Todos sabemos a importância de uma alimentação saudável, balanceada e diversificada, rica, principalmente, em frutas e vegetais. Porém, nem todos colocam em prática esse hábito. Na verdade, estudos1 estimam que 3,9 milhões das mortes em todo mundo em 2017 foram recorrentes do consumo insuficiente de frutas e vegetais. Então, visando conscientizar a população sobre a importância do consumo regular desses alimentos, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2021 como o Ano Internacional das Frutas e Vegetais.

“Excelentes fontes de fibras, vitaminas, minerais e fitoquímicos benéficos, as frutas e vegetais são parte indispensável de uma dieta saudável, sendo essenciais para o bom funcionamento do organismo e prevenção de uma série de doenças”, explica Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

E são inúmeros os benefícios das frutas e vegetais. Segundo Marcella, esses alimentos são, por exemplo, fundamentais para o crescimento e desenvolvimento adequado durante a infância, devendo assim serem introduzidos já a partir dos seis meses de idade e mantidos como uma parte regular da dieta ao longo de toda a vida.

“Além disso, o consumo adequado de frutas e vegetais é capaz de aumentar a longevidade, potencializar o sistema imunológico, melhorar a saúde mental, do coração e do intestino e reduzir o risco de condições como ansiedade, depressão, câncer, diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares”, ressalta a médica. Mas de nada adianta ingerir apenas uma maçã por dia como forma de conseguir tais benefícios. “A recomendação geral para o consumo de frutas e vegetais é de, no mínimo, 400 gramas por dia, sendo que as porções devem ser compostas de frutas e vegetais variados”, aconselha a nutróloga.

No entanto, pode ser um pouco difícil definir o que exatamente são frutas e vegetais, afinal, não existe uma definição amplamente aceita para essa categoria de alimentos. Mas, segundo material divulgado pela Assembleia Geral das Nações Unidas para promoção do Ano Internacional das Frutas e Vegetais, consideram-se frutas e legumes partes comestíveis de plantas em seu estado bruto ou minimamente processado, excluindo-se raízes, tubérculos, leguminosas, oleaginosas, sementes, ervas, temperos e estimulantes como chás, café e cacau.

“Por sua vez, alimentos processados e ultra processados derivados de frutas e vegetais também não se enquadram nessa categoria de alimentos, incluindo sucos de caixinha, vinhos, ketchup e molhos de tomate, xaropes, conservas, fermentados e substitutos de carne à base de vegetais”, completa.

Foto: Nicole Perry/Popsugar Photography

Então, a primeira dica para aumentar o consumo de frutas e vegetais é apostar nos alimentos mais naturais. “Devemos sempre optar por frutas e vegetais frescos ou minimamente processados, isto é, que passaram apenas por procedimentos que não afetam sua qualidade, como higienização e separação, mantendo assim seus valores nutricionais. Inclusive, a escolha de frutas pré-cortadas e saladas prontas é uma boa dica para aqueles que alegam falta de tempo”, diz Marcella.

iStock

Além disso, procure consumir, no mínimo, cinco porções de frutas e vegetais por pelo menos cinco dias na semana, dando preferência a alimentos de diferentes tipos e cores. “Montar um prato composto por frutas e vegetais variados e coloridos é uma ótima maneira de potencializar a saúde, pois, na maioria dos casos, as cores desses alimentos estão relacionadas aos nutrientes que contêm. Por exemplo, frutas e vegetais de cor roxa ou azul geralmente possuem altas quantidades de antioxidantes que auxiliam na prevenção do câncer e derrames, enquanto alimentos da cor vermelha ajudam na melhora da saúde cardiovascular. Da mesma forma, frutas e vegetais brancos e marrons são ricos em potássio e possuem propriedades antibacterianas e antivirais, enquanto aqueles de cor laranja contribuem com a visão e a beleza da pele devido ao betacaroteno”, afirma a especialista.

Mas, de acordo com a médica, a melhor forma de adotar esse novo hábito alimentar é através do prazer. Por isso, o ideal é tentar achar frutas e vegetais cujos sabores agradem ao seu paladar. “Vale também apostar nos sucos, incluir vegetais em sopas e caldos, fazer refogados, acrescentar temperos para disfarçar o gosto e preparar receitas que você já gosta, mas em versões que incluam vegetais, como macarrão de espinafre ou lasanha com berinjela”, recomenda.

Em último caso, é possível também consumir alguns desses alimentos na forma liofilizada. “Utilizada em alimentos que apresentam alto teor de água, a liofilização ou criodessecação é um processo de desidratação em que a fruta ou vegetal à vácuo é congelado e, posteriormente, sublimado. O resultado é um pó que pode ser adicionado ao arroz, feijão, macarrão, molho e preparações caseiras, conferindo os nutrientes do alimento sem interferir no sabor”, completa.

No entanto, o aumento no consumo de frutas e verduras vai muito além das mudanças nos hábitos alimentares propriamente ditos. Por exemplo, a alta perecibilidade desses alimentos é um fator que faz com que muitas pessoas deixem de comprá-los por medo de estragarem. Mas a boa notícia é que é possível contornar o problema por meio de alguns cuidados.

“Por exemplo, para conservar as frutas por mais tempo, é interessante separá-las pela quantidade de etileno que emitem, visto que esse gás é o responsável pelo amadurecimento das frutas. Abacate, banana, manga, maçã, mamão, maracujá, pera e tomate, por exemplo, são algumas das frutas que mais emitem etileno, devendo então serem armazenadas em ambientes ventilados e frescos. Já abacaxi, limão, goiaba, laranja, melancia, morango e uva não produzem tanto etileno, devendo então serem guardadas separadas das frutas do primeiro grupo”, explica a médica.

“Já para aumentar a vida útil dos vegetais, uma boa estratégia é lavá-los assim que chegarem do mercado ou feira, secando-os bem e guardando-os em sacos plásticos bem fechados. Caso o alimento seja muito úmido, vale a pena retirar um pouco da umidade com um papel toalha. E deixe para temperar a salada apenas quando for consumi-la, já que os alimentos crus duram mais tempo.”

Infelizmente, uma série de outros fatores alheios ao indivíduo também dificultam a procura da população pelas frutas e vegetais, incluindo a disponibilidade, visto que muitos desses alimentos são sazonais e a acessibilidade, já que, principalmente as frutas, podem ser caras, e questões culturais, pois nossos gostos são diretamente influenciados pela cultura em que estamos inseridos.

“Até mesmo fatores como políticas nacionais, segurança dos alimentos, falta de conhecimento e a grande publicidade em torno dos alimentos processados também interferem no consumo de frutas e vegetais pela população. Justamente por esses motivos que campanhas governamentais, como o Ano Internacional das Frutas e Vegetais, são tão importantes para conscientizar e informar a população de diversas faixas etárias e classes sociais sobre a importância de uma alimentação balanceada e diversificada na manutenção da saúde e na prevenção de doenças”, finaliza a médica.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.