Arquivo da categoria: menopausa

Sim, você pode engravidar na pré-menopausa, por Rodrigo Ferrarese*

Durante a pré-menopausa seus hormônios estão em modo “ioiô” e seus ovários continuam a liberar óvulos. Tradução: uma gravidez é perfeitamente possível.

Conforme você se dirige para “a grande mudança”, também conhecida como menopausa, é bom ter em mente que as trocas de fraldas podem não estar totalmente fora de cogitação (e não estou falando de netos). É isso mesmo: durante a pré-menopausa, ou perimenopausa, que são os anos que antecedem a menstruação final, você ainda pode engravidar.

Essa “transição da menopausa” traz ciclos de ovulação imprevisíveis, à medida que os níveis de estrogênio e progesterona aumentam e diminuem, respectivamente. Durante esses anos de níveis de hormônio “ioiô”, seus ovários continuam a liberar óvulos para fertilização. Tradução: uma gravidez é perfeitamente possível.

Como saber se posso engravidar na pré-menopausa?

A matemática é simples: se você ainda não atingiu a menopausa – definida como 12 meses consecutivos sem menstruação – você ainda pode engravidar. Muitas mulheres, quando deixam de fazer o controle da natalidade – e já estão há anos sem se preocupar em engravidar – , acabam desenvolvendo uma falsa sensação de segurança.

Da mesma forma, mulheres com histórico de infertilidade podem presumir que “aos 40 é que não vai acontecer”. O mesmo se aplica a mulheres com falência ovariana prematura. Pois saibam que, embora essas pacientes possam parecer que estão na menopausa, ainda podem ovular e descobrir uma gestação.

Será que estou grávida ou na pré-menopausa?

Getty Images/iStockphoto

Uma gestação é mais rara durante a pré-menopausa? Sim. No entanto, muitas mulheres grávidas não apresentam qualquer mudança física além da falta de menstruação, sintoma que pode ser confundido com perimenopausa. Assim, se você está na pré-menopausa e vivenciando menstruações irregulares, vale considerar, sim, uma gravidez, especialmente se não estiver usando nenhum método contraceptivo.

Caso a menopausa não tenha sido confirmada e nenhuma forma de contracepção tenha sido usada, vale fazer o teste de gravidez mesmo se você está entre 50 e 60 anos. Isso é especialmente importante para pacientes com sintomas abdominais, que podem indicar uma gravidez tubária com risco de vida.

Como se proteger contra uma gravidez não planejada?

Para evitar a chegada de um bebê no caminho para a menopausa, use um método anticoncepcional eficaz, seguro e apropriado até que a menopausa seja confirmada. Lembrando que o planejamento familiar natural (a famosa tabelinha) não é recomendado para mulheres na pré-menopausa, já que a menstruação irregular dificulta a previsão da ovulação.

Existem muitas opções de contracepção. O ideal é, ao considerar as opções de controle de natalidade, conversar com o seu médico e fazer os exames necessários. Ele pode discutir riscos, taxas de eficácia, e também opções para alívio dos sintomas da pré-menopausa (que, sim, muitas mulheres já começam a vivenciar).

*Rodrigo Ferrarese é formado pela Universidade São Francisco, em Bragança Paulista. Fez residência médica em São Paulo, em ginecologia e obstetrícia no Hospital do Servidor Público Estadual. Atua em cirurgias ginecológicas, cirurgias vaginais, uroginecologia, videocirurgias; (cistos, endometriose), histeroscopias; ( pólipos, miomas), doenças do trato genital inferior (HPV), estética genital (laser, radiofrequência, peeling, ninfoplastia), uroginecologia (bexiga caída, prolapso genital, incontinência urinaria) e hormonal (implantes hormonais, chip de beleza, menstruação, pílulas, DIU…).

7 mitos e verdades que você precisa saber sobre menopausa

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o climatério corresponde ao período entre o final da fase reprodutora até a senilidade. Dentro deste período, ocorre a menopausa, definida com a interrupção permanente da menstruação, reconhecida após 12 meses consecutivos de amenorreia (ausência de menstruação).

De acordo com a pesquisa publicada no periódico médico Menopause Review Przeglad Menopauzalny, entre 80% e 90% das mulheres sofrem com um ou vários sintomas da menopausa. Com o aumento da expectativa de vida, estima-se que as mulheres terão de conviver com alguns desses sintomas por cerca de 1/3 de suas vidas.

A pesquisa aponta que ondas de calor, acompanhadas de disfunções sexuais, estão entre os sintomas mais comuns nesse grupo em toda a América Latina. No caso das ondas de calor, também conhecidas como fogachos, cerca de 75% das mulheres são acometidas nos primeiros 3, 5 anos após a menopausa.

“Embora seja uma fase fisiológica, toda mulher passará por esse período de transformações e desafios. Daí a importância de ter acesso às informações corretas que ajudem a passar por este período sem tanto sofrimento”, pondera Claudia Chang, pós-doutora em endocrinologia e metabologia pela USP e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Para ajudar a conhecer melhor os fatos sobre a menopausa, a endocrinologista selecionou os principais mitos e verdades que cercam este período da mulher:

Há dietas específicas para menopausa

Mito. A alimentação neste período, assim como deve ser em todas as fases da vida, precisa apenas ser saudável e equilibrada. No entanto, há determinados alimentos que podem minimizar os sintomas, como a soja, por exemplo, que atua no mesmo receptor do hormônio feminino. Já o consumo de leite e derivados (nas mulheres que não têm intolerância) é essencial para obter maior aporte de cálcio e minimizar a perda de massa óssea, muito comum na menopausa. Outra dica é aumentar também o consumo de proteína, evitando a perda de massa muscular (massa magra).

A mulher não pode mais engravidar

Imagem: FIV/FR

Verdade. No climatério, ainda é possível engravidar, já que o corpo está em fase de transição do período reprodutivo para o não reprodutivo. Com a menopausa já instalada e passado um ano de amenorreia (ausência da menstruação), a diminuição dos tamanhos dos ovários e a queda da produção hormonal ovariana inviabilizam uma gestação. “Uma das formas de a mulher engravidar nesta fase seria por meio da reprodução assistida, conhecida como fertilização in vitro, ressalta Claudia.

A mulher fica mais suscetível a algumas doenças

Verdade. Como a menopausa é marcada pela queda na produção do estrogênio, hormônio responsável pela distribuição da gordura corporal, pela fixação do cálcio nos ossos e pelo equilíbrio das gorduras no sangue, há alterações no corpo, como o maior acúmulo de gordura visceral/abdominal e possíveis riscos de diabetes, osteoporose e doenças cardiovasculares, como o acidente vascular cerebral (AVC), infarto e hipertensão.

Menopausa só ocorre após os 50 anos

Mito. A faixa etária mais comum de ocorrência da menopausa na população brasileira é de 51,2 anos. No entanto, algumas mulheres podem chegar à menopausa antes dos 40 anos, a chamada menopausa precoce. Isso pode ocorrer por diversos fatores como hereditariedade, consumo contínuo de alguns medicamentos, depressão, intervenções médicas como cirurgias, quimioterapias e radioterapias, ou devido à insuficiência ovariana primária.

Há alterações de humor, sono, libido e aumento de ansiedade

Verdade. Os fatores psicológicos e fisiológicos mais relacionados com a menopausa envolvem nervosismo, depressão, insônia, irritabilidade, alteração de humor, labilidade emocional, problemas de memória, diminuição da libido e predisposição ao estresse. “Nesta fase, a queda da produção estrogênica gera uma sobrecarga fisiológica, podendo resultar em fadiga física ou estafa mental, alterando o sono e favorecendo problemas psicológicos”, completa a especialista.

Há ganho de peso

Verdade. Com a redução de massa magra, ocorre a diminuição da taxa metabólica basal e, consequentemente, a energia necessária para manter as funções do organismo em repouso. Além disso, pela queda do estrogênio, há maior acúmulo de gordura na região abdominal, elevando a resistência ao hormônio insulina, o que resulta no aumento de açúcar no sangue.

Reposição hormonal é a melhor forma de tratar a menopausa

Parcialmente verdade. Embora a reposição hormonal seja a melhor estratégia do ponto de vista farmacológico, nem todas as mulheres têm indicação ou podem fazer uso da reposição. Alguns aspectos precisam ser observados, como a via de administração hormonal, as doses e os tipos dos hormônios. Tudo isso tem influência nos riscos e na resposta ao tratamento.
Para as mulheres que possuem alguma contraindicação há outras terapias que podem ser indicadas para tratamento dos sintomas climatéricos, como antidepressivos, acupuntura e homeopatia.

“Vale lembrar que a prática de atividade física regular, associada à alimentação saudável, é importante para minimizar sintomas climatéricos, favorecer o ganho de massa óssea e aumentar a taxa metabólica basal. Além disso, ao notar sinal de diminuição ou ausência da menstruação, o indicado é se consultar com um especialista que fará avaliações, solicitação de exames e um tratamento adequado. Afinal, por mais que, cedo ou tarde, a menopausa chegue para todas as mulheres, cada uma tem suas particularidades e necessidades”, finaliza Claudia Chang.

Fonte: Claudia Chang é graduada em medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Residência em clínica médica geral pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Residência Médica em endocrinologia e metabologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Título de especialista em endocrinologia e metabologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM). Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Doutorado (PhD) em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) em colaboração com a Michigan University (EUA).

Eucerin incrementa linha para peles maduras e menopausadas

Hyaluron-Filler + Elasticity apresenta novo produto que combate o envelhecimento da pele em três dimensões e best-seller da família ganha nova fórmula com maior FPS

A pele madura e menopausada requer cuidados especiais e Eucerin tem uma linha repleta de produtos de altíssima performance desenvolvidos especialmente para esse tipo de pele. A família Hyaluron-Filler + Elasticity ficou ainda melhor, com uma nova fórmula e um novo produto que chegam para o portfólio da marca este mês.

A grande novidade da linha é o novo Hyaluron-Filler + Elasticity 3D Sérum que trata o envelhecimento da pele em três dimensões: ajuda na redução de rugas, melhora a elasticidade e o volume da pele, além de reduzir a hiperpigmentação senil, ou seja, as manchas causadas pelo envelhecimento da pele. Sua fórmula inovadora conta, além de Arctiin e da Tecnologia Eucerin de Ácido Hialurônico, com o exclusivo Thiamidol Patenteado, que reduz comprovadamente a produção de melanina, prevenindo o reaparecimento da hiperpigmentação com o uso regular, apresentando resultados em a partir de duas semanas de uso.



O Hyaluron-Filler + Elasticity 3D Sérum pode ser usado tanto de dia, quanto à noite, e ainda acelera o processo de produção de colágeno, além de contar com uma textura de sérum levíssima e de rápida absorção. Outro destaque do lançamento é a embalagem airless, que garante o aproveitamento total do produto e faz com que ele não oxide, pois impede a entrada de oxigênio dentro do recipiente.

O já conhecido Hyaluron-Filler + Elasticity Dia foi reformulado e agora conta com um maior fator de proteção solar, que passa de 15 para 30, reforçando a proteção contra o fotoenvelhecimento da pele. Além disso, o Hyaluron-Filler Dia FPS30 conta com Arctiin, que melhora o reforço da elasticidade da pele, com Silybum Marianum, que nutre e melhora a luminosidade da pele, e com a tecnologia Eucerin de Ácido Hialurônico, que auxilia na redução de rugas profundas e linhas finas.

Este novo creme anti-idade para peles maduras com com proteção UVA e UVB tem uma textura espessa e uniforme, garantindo maior nutrição e hidratação da pele, e é uma excelente base para maquiagem e é não comedogênico, ou seja, é um produto que evita assim a obstrução dos poros.

O novo Hyaluron-Filler + Elasticity Dia FPS30 e o novo Hyaluron-Filler + Elasticity 3D Sérum já estão disponíveis nos principais pontos de beleza e farmácias do Brasil.

Informações: Eucerin

Pós-menopausa: o que muda no corpo da mulher e como manter uma vida sexual saudável

Por volta dos 50 anos, o corpo da mulher sofre, naturalmente, queda dos níveis de estrogênio; atrofia vaginal é um dos sintomas mais recorrentes associado a pós-menopausa, atingindo atualmente 294 milhões de mulheres no mundo;

A sexualidade na meia-idade ainda é permeada por tabus e preconceitos. Independentemente da faixa etária, ter uma vida sexual ativa é sinônimo de saúde e bem-estar para o corpo e mente. Mas, com o passar dos anos, as transformações do nosso corpo podem intervir no aspecto sexual.

O ginecologista, Luciano de Melo Pompei, explica que a perda de hormônios pode levar a mudanças no corpo e no desejo sexual. “Isso acontece porque a queda dos níveis de estrogênio na menopausa pode fazer com que as mulheres tenham fogachos e suores noturnos, atrapalhando o sono e diminuindo o interesse pelo sexo. E esse déficit hormonal também pode causar secura vaginal, tornando a relação sexual desconfortável”, pontua.

Segundo o especialista, a condição chamada atrofia vaginal resulta em tecidos mais finos e ressecados, que são mais facilmente irritados e machucados. Embora comum, a condição ainda gera muitas dúvidas por ser subdiagnosticada.

“A produção mais lenta de lubrificação na vagina quando a mulher está excitada pode significar que haverá dor e desconforto durante o sexo com penetração. Mas isso não quer dizer que você não pode ter intimidade com seu parceiro. A secura vaginal pode ser minimizada pontualmente com ajuda de lubrificantes solúveis em água e hidratantes vaginais. Há também possibilidades terapêuticas hormonais capazes de tratar essa condição de forma eficaz e confortável”.

O médico reforça que a falta de informação sobre os sintomas da pós-menopausa, como a atrofia vaginal, faz com que a mulher não se atente aos sinais e aceite o desconforto como se fosse parte de um processo de envelhecimento.

“Essa percepção de que os sintomas desse período da vida da mulher não podem ser controlados, impede que ela busque uma solução para esses desconfortos. Já existem alguns tratamentos hormonais que atuam no foco do problema, de forma assertiva e com aplicação no local. A mulher madura não precisa conviver com essa condição. Por isso, é tão importante que ela converse sobre as mudanças do seu corpo com seu médico de confiança”, finaliza o ginecologista.

Atrofia vaginal: pesquisa aponta que 45% das mulheres na pós-menopausa sofrem com ela

Sintomas são pouco discutidos e a condição ainda é subdiagnosticada; desconforto afeta a autoestima e impacta a qualidade de vida

Questões culturais, constrangimento e receio estão entre os principais tabus na hora de falar sobre a saúde íntima da mulher. Com o passar dos anos, durante o climatério, essa situação pode ficar ainda mais complexa. A atrofia vaginal, também conhecida como vaginite atrófica, ocorre quando há o afinamento e a inflamação das paredes vaginais devido ao declínio do hormônio estrogênio, que deixa de ser produzido pelos ovários.

“A atrofia vaginal é um dos sintomas da pós-menopausa que, geralmente, acomete as mulheres a partir dos 50 anos de idade. Entre os sinais mais comuns estão a secura, queimação, irritação, coceira e dor durante a relação sexual. É preciso ter consciência sobre essa doença e saber que existe tratamento”, destaca o ginecologista Luciano Pompei.

O diagnóstico da atrofia vaginal é feito por meio da avaliação dos sinais e sintomas e exame ginecológico. “Uma das questões que dificultam o diagnóstico assertivo da atrofia vaginal é o fato de muitas mulheres acreditarem que os sintomas são parte natural do envelhecimento. A vergonha de falar sobre o assunto, também costuma ser uma barreira para o tratamento. Sentir dor durante a relação sexual, por exemplo, não é normal. Todo e qualquer sintoma relacionado à saúde da vagina deve ser relatado aos profissionais de saúde”, afirma o especialista.

Tratamento

Freepik

No Brasil existem diversos tratamentos disponíveis para esta condição. Entre eles, lubrificantes vaginais sem ingredientes hormonais ativos, hormônios na forma de creme vaginal ou óvulos e comprimido de estradiol, lançado recentemente. “Trata-se de um comprimido, intravaginal, que proporciona uma liberação gradual e controlada do estradiol (um tipo de estrogênio que o corpo produz) nas células da mucosa vaginal. É um tratamento seguro e eficaz de longo prazo. Quanto mais cedo for iniciado, melhor para a paciente”, explica o especialista.

O medicamento deve ser administrado, com orientação médica, em três etapas: na primeira e segunda semana de uso é necessária uma aplicação diária do comprimido, já no período de manutenção, a aplicação é mais espaçada, apenas duas vezes por semana.

“A fácil administração do comprimido e eficácia comprovada gera uma grande aderência ao tratamento. Os incômodos causados pela atrofia vaginal têm um impacto significativo não apenas no bem-estar físico, mas também no emocional e psicológico da mulher”, ressalta Luiz Steffen, diretor médico da Besins Healthcare, laboratório responsável pela terapia.

Atrofia vaginal: 45% das mulheres na pós-menopausa sofrem com a doença

Sintomas são pouco discutidos e a condição ainda é subdiagnosticada;Desconforto afeta a autoestima e impacta a qualidade de vida

Questões culturais, constrangimento e receio estão entre os principais tabus na hora de falar sobre a saúde íntima da mulher. Com o passar dos anos, durante o climatério, essa situação pode ficar ainda mais complexa. A atrofia vaginal, também conhecida como vaginite atrófica, ocorre quando há o afinamento e a inflamação das paredes vaginais devido ao declínio do hormônio estrogênio, que deixa de ser produzido pelos ovários.

“A atrofia vaginal é um dos sintomas da pós-menopausa que, geralmente, acomete as mulheres a partir dos 50 anos de idade. Entre os sinais mais comuns estão a secura, queimação, irritação, coceira e dor durante a relação sexual. É preciso ter consciência sobre essa doença e saber que existe tratamento”, destaca o ginecologista, Luciano Pompei.

O diagnóstico da atrofia vaginal é feito por meio da avaliação dos sinais e sintomas e exame ginecológico. “Uma das questões que dificultam o diagnóstico assertivo da atrofia vaginal é o fato de muitas mulheres acreditarem que os sintomas são parte natural do envelhecimento, e isso não é verdade. A vergonha de falar sobre o assunto, também costuma ser uma barreira para o tratamento. Sentir dor durante a relação sexual, por exemplo, não é normal. Todo e qualquer sintoma relacionado à saúde da vagina deve ser relatado aos profissionais de saúde”, afirma o especialista.

Freepik

Tratamento

No Brasil existem diversos tratamentos disponíveis para esta condição. Entre eles, lubrificantes vaginais sem ingredientes hormonais ativos, hormônios na forma de creme vaginal ou óvulos e comprimido de estradiol, lançado recentemente.

“Trata-se de um comprimido, intravaginal, que proporciona uma liberação gradual e controlada do estradiol (um tipo de estrogênio que o corpo produz) nas células da mucosa vaginal. É um tratamento seguro e eficaz de longo prazo. Quanto mais cedo for iniciado, melhor para a paciente”, explica o especialista.

O medicamento deve ser administrado, com orientação médica, em três etapas: na primeira e segunda semana de uso é necessária uma aplicação diária do comprimido, já no período de manutenção, a aplicação é mais espaçada, duas vezes por semana.

“A fácil administração do comprimido e eficácia comprovada gera uma grande aderência ao tratamento. Os incômodos causados pela atrofia vaginal têm um impacto significativo não apenas no bem-estar físico, mas também no emocional e psicológico da mulher”, ressalta Luiz Steffen, diretor médico da Besins Healthcare, laboratório responsável pela terapia.

Cabelos: como lidar com as alterações que a menopausa traz

Tricologista alerta para o cuidado com a alimentação e suplementação nutricional para a diminuição as alterações e perdas de cabelos

A menopausa é um momento importante da vida das mulheres. Não apenas pelas mudanças significativas no padrão endócrino que até o início do climatério se mostrava mais regular, mas também porque acompanha outras mudanças que são significativas no sentido da fisioanatomia geral do organismo. O médico e tricologista Adermir Leite Junior aponta que entre as alterações nessa fase da vida da mulher “Cabelos secos, quebradiços, distróficos, eflúvio telógeno crônico, alopecia androgenética e alopecia senil são frequentes e os cuidados para manter a qualidade dos fios e reduzir o risco de perda capilar passa pela alimentação”.

Getty Images

Especialista na área tricológica há mais de duas décadas, Leite Junior cita um dos estudos onde as informações são esclarecedoras e ajudam a explicar essa associação. “Em um artigo publicado no periódico Menopause Reviews (2016), a médica Goluch-Koniuszy deixa claro o quanto a dieta é fundamental para a manutenção da saúde capilar. Partindo de uma base simples, a de que muitos alimentos têm nutrientes essenciais para a produção de hormônios esteroides, assim como para a formação de fios com boa estrutura proteica. Dentre os compostos que devem estar presentes nos alimentos para uma boa saúde capilar, os aminoácidos sulfurados, como a cisteína e a metionina, são precursores de queratina e estão em maior destaque. A L-Lisina ajuda a saúde da pele e da região do folículo piloso, conhecida como bainha radicular interna, responsável pela forma e volume dos cabelos”.

Ele ressalta o quanto uma dieta com compostos essenciais durante toda a vida é benéfica para manter a saúde capilar e que, durante a menopausa, essa alimentação não pode ser esquecida, mas, ao contrário, incrementada. O médico complementa ainda que no estudo a autora elenca duas recomendações:

– Alguns minerais são importantes para o crescimento capilar: zinco, ferro, cobre, selênio, silício, enxofre, magnésio e cálcio.

– Ajudam na saúde do cabelo: vitamina C, vitamina A e vitamina do complexo B.

Foto: Jeltovski

Sobre os polifenóis, a autora lembra que os flavonoides, classe de polifenóis mais estudada em mulheres na menopausa, são importantes antioxidantes. Neste grupo encontram-se as flavononas, flavonas, isoflavonas e as antocianinas. Na superfície da pele, essas substâncias agem com antirradicais livres e, nas porções mais profundas da pele, agem como protetoras contra as radiações ultravioletas. Também melhoram a circulação sanguínea, o que acaba por contribuir para a saúde dos cabelos, além de algumas agirem como fitormônios, podendo contribuir com a atividade das células da papila dérmica e da matriz dos folículos pilosos.

O tricologista destaca ainda que “os flavonoides do chá verde estimulam o crescimento dos cabelos por aumento da fase de anágena, a de maior atividade na raiz dos cabelos. Alguns flavonoides podem inibir a enzima 5-alfa-redutase, que tem papel importante no surgimento da calvície masculina e feminina, como é o caso do Saw palmetto, também conhecido como Serenoa repens”.

Alguns alimentos já são velhos conhecidos por aliar sabor e benefícios. É o caso do chocolate com cacau 70% ou mais, e vegetais/frutas em geral, que no estudo são apontados como boas fontes de flavonoides, e entram como sugestão alguns bem conhecidos no Brasil e que o médico considera de fácil integração na dieta: cebola, tomate, pimenta, pimentão brócolis, frutas vermelhas, maçã, frutas cítricas, uvas e grãos que, em geral, também são ricos em flavonoides.

“É muito importante lembrar que uma boa alimentação é a base de uma boa saúde. No caso dos cabelos, em especial das mulheres na menopausa, os cuidados com a alimentação são importantíssimos para que alterações de qualidade e quantidade de fios não sofram interferência. O processo de aging capilar, já descrito na literatura médica, não está apenas vinculado ao embranquecer dos fios, mas também às mudanças de estrutura que os fios desenvolvem, assim como ao surgimento de alopecias de severidade variada”, explica o tricologista.

Além da alimentação e suplementação nutricional, ele lembra que cuidados medicamentosos e cosméticos podem ser fundamentais para a boa saúde e manutenção dos cabelos, principalmente quando a mulher já tem predisposição à perda capilar ou sofre com outras patologias que, de certa forma, podem causar perda de cabelos direta ou indiretamente.

Fonte: Ademir C. Leite Jr. é médico, Presidente da Academia Brasileira de Tricologia. É certificado como Tricologista pela Internacional Association of Trichologists (IAT). Membro e diretor da IAT. Palestrante internacional e diretor da Classe nica HTRI e do CAECI onde ministra cursos em Tricologia. Autor de vários livros.

Além de dores durante o sexo, ressecamento vaginal pode causar infecção bacteriana

Dor durante ou após a relação sexual, coceira, queimação e infecção bacteriana: esses são alguns dos sintomas de ressecamento vaginal. De acordo com a Women’s Health Concern, uma associação que trabalha em conjunto com a Sociedade Britânica para a Menopausa, aproximadamente 17% das mulheres entre os 18 e 50 anos sofrem com secura vaginal bem antes de entrarem na menopausa, o que geralmente ocorre após os 50 anos.

Há diversos fatores que podem ter relação com o ressecamento vaginal, inclusive o estresse. “A lubrificação acontece pelo fluxo de sangue que passa pela zona genital quando a mulher está excitada. Isso ocorre normalmente durante as preliminares da atividade sexual, então, se ela estiver nervosa ou estressada, certamente irá influenciar no nível hormonal e ela não vai conseguir ficar lubrificada”, explica a sexóloga da INTT, Lauren Souza.

O ressecamento vaginal é mais comum durante o pós-parto, tratamento de câncer, menopausa e uso de medicamentos específicos. “É fato que a secura vaginal ocorre, na maioria da vezes, após a menopausa, pois é nesse período que a mulher passa por alterações hormonais e tem uma queda na produção de estrogênio, o que causa uma atrofia na região da vagina, levando à secura”, diz Lauren.

Mas esse problema não é restrito apenas às mulheres depois da menopausa, muitas não sabem, no entanto, que a lavagem em excesso e a utilização de produtos inadequados na hora de realizar a higiene da região intima podem influenciar e agravar o ressecamento vaginal. Pensando nisso, a INTT Cosméticos decidiu lançar o Vagisex: um hidratante intravaginal à base de ácido hialurônico que restaura naturalmente a umidade vaginal.

O ácido hialurônico é uma molécula natural responsável pela manutenção do nível correto de hidratação nos tecidos e que, quando utilizado por um determinado período, proporciona lubrificação e umidade. Ele fixa-se à parede vaginal, formando uma superfície hidratada e permanece até a descamação das células epiteliais, que ocorre geralmente em três dias, hidratando, dessa maneira, o tecido da região.

Livre de hormônios e parabenos, além se der testado ginecologica e dermatologicamente, o Vagisex deve ser utilizado diariamente após a última urina do dia, devendo-se dormir com o produto. A forma de uso é bem simples e prática: no total são 10 aplicadores e uma bisnaga de 30g. Em geral, o tratamento dura em torno de dez dias e possui preço sugerido de R$ 65,00.

Informações: INTT Cosméticos

Medicamento para combater osteoporose em pacientes de alto risco de fratura chega ao mercado

Único com dupla ação, a nova terapia reverte de forma rápida e eficaz a porosidade dos ossos, evitando fraturas secundárias que geram alto índice de morbidade e mortalidade

A Amgen, uma das empresas líderes em biotecnologia no mundo, anuncia o lançamento do romosozumabe, o primeiro e único construtor ósseo com duplo mecanismo de ação: evita perda de massa óssea, ao mesmo tempo que regenera as partes já comprometidas pela doença.

Aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no final de 2020, o anticorpo monoclonal é indicado para o tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa com alto risco de fratura ou pacientes que falharam ou são intolerantes a outra terapia de osteoporose disponível. A terapia traz a possibilidade de aumentar a densidade mineral óssea e fortalecer a estrutura esquelética do corpo humano, reduzindo significativamente o risco de fratura.

‘’Este lançamento era muito esperado e representa um grande avanço no tratamento de casos graves de osteoporose, pois embora tenhamos excelentes medicamentos disponíveis no Brasil, nenhum deles conseguia ao mesmo tempo aumentar a massa óssea e evitar a reabsorção. O remédio aumenta a densidade mineral óssea e evita a perda óssea ao mesmo tempo, fortalecendo a estrutura esquelética de forma mais rápida, reduzindo, assim, a possibilidade de novas fraturas, o que é especialmente relevante nesse momento de pandemia’’ afirma Ben-Hur Albergaria, ginecologista e vice-presidente da Comissão Nacional de Osteoporose.

A osteoporose, conhecida por acometer principalmente idosos, é uma condição metabólica que se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea e aumenta o risco de fraturas. Além de idosos, mulheres em menopausa e pacientes de alto risco (com fratura prévia, histórico familiar de fratura de quadril e pacientes com quedas frequentes) também são afetados e geralmente descobrem a doença após a primeira fratura.

O lançamento do romosozumabe traz para o mercado uma possibilidade de mudar o cenário da incapacitação por fraturas, principalmente em pacientes de meia idade com fragilidade óssea por osteoporose3. O medicamento demonstrou em estudos que reduz rapidamente o risco de fratura e constrói um novo osso com 12 meses de terapia.

Apenas no Brasil, são cerca de 10 milhões de brasileiros afetados pela osteoporose – a maioria sem conhecimento até o momento da primeira fratura óssea. “As fraturas relacionadas à osteoporose representam um importante desafio e um empecilho para o envelhecimento saudável. Esse tipo de fratura, particularmente a de quadril, promove hospitalização, frequente perda da independência e necessidade de auxílio permanente para os cuidados da vida diária. O medicamento chega ao Brasil como uma importante ferramenta terapêutica para o manejo desse problema de saúde pública”, afirma o especialista.

Saiba mais sobre fraturas

iStock

Segundo a Federação Internacional de Osteoporose, mais de 8 milhões de fraturas são causadas pela doença todos os anos no mundo. Um levantamento global da instituição mostra que em pessoas acima de 50 anos de idade, na maioria mulheres, sofrerão uma fratura por fragilidade óssea ao longo de suas vidas.

Além disso, um ano depois de uma fratura de quadril, 24% dos pacientes idosos vão a óbito. Outro estudo demonstra que 60% dos pacientes necessitam de assistência para realizar atividades como alimentar-se, vestir-se ou ir ao banheiro, e 80% precisam de ajuda em atividades como fazer compras ou dirigir.

A aprovação pelo órgão regulador foi baseada no estudo Frame, que avaliou mulheres pós menopausa que apresentam osteoporose, a redução significativa de novas fraturas vertebrais (coluna) e fraturas clínicas (sintomáticas) em 12 meses em comparação com o placebo, além do estudo ARCH, que utilizou o mesmo público, e evidenciou a indicação nos pacientes com alto risco de fratura e quando tratados com o medicamento por 12 meses, seguido por mais 12 meses com alendronato, comparado a outro grupo que tratou apenas com alendronato por 24 meses, havendo redução significativa na incidência de novas fraturas vertebrais e não-vertebrais e de quadril durante o período do estudo.

Fonte: Amgen

Parece, mas não é: entenda o que é perimenopausa, período que antecede a menopausa

Apesar de possuir sintomas similares àqueles da menopausa, a perimenopausa é um processo distinto que marca a transição para o fim da idade reprodutiva da mulher

A menopausa é um grande marco na vida da mulher, afinal, é caracterizada pela suspensão definitiva da ovulação e, consequentemente, da menstruação. Porém, o que poucas mulheres sabem é que esse processo não se inicia de maneira repentina. Na verdade, uma série de alterações que afetam o organismo da mulher devido ao envelhecimento ocorrem antes do início da menopausa em um período conhecido como perimenopausa.

“A perimenopausa pode ser definida como um período de transição entre a fase fértil da mulher e a menopausa, ocorrendo próxima à ultima menstruação e sendo marcada, principalmente, por uma grande oscilação nos níveis hormonais”, explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU.

Como resultado dessas alterações hormonais, a mulher pode sentir uma série de sintomas que são comumente confundidos com aqueles que ocorrem durante a menopausa, incluindo ciclo menstrual desordenado, ondas de calor, aumento da sudorese, principalmente durante a noite, redução do apetite sexual, surgimento de condições urinárias, tontura, dores de cabeça, mudanças de humor e aumento da pressão.

“Mas, apesar de possuírem sintomas similares, a perimenopausa e a menopausa são processos distintos, principalmente porque durante a perimenopausa ainda há ovulação, o que quer dizer que a mulher é fértil, podendo então engravidar. Além disso, a mulher na perimenopausa ainda pode sofrer com doenças comuns durante a idade reprodutiva, como a síndrome do ovário policístico e a endometriose”, afirma a ginecologista.

Outro fator que pode facilitar que mulher confunda esses dois períodos é o fato de ser difícil determinar o início exato da perimenopausa, que pode variar caso a caso, cabendo então ao ginecologista, através da observação dos sintomas, identificá-lo. “Geralmente, a perimenopausa tem início entre os 30 e 40 anos de idade e pode durar cerca de 1 a 3 anos, terminando quando a ovulação é interrompida e a menstruação não ocorre há mais de 12 meses, o que marca o início oficial da menopausa”, diz a médica.

Mas ela ressalta que, assim como a menopausa, a perimenopausa é um processo natural do envelhecimento feminino. Logo, não existem maneiras para prevenir ou retardar seu início, que é definido geneticamente. Felizmente, mulheres que sofrem demais com as alterações hormonais podem adotar alguns cuidados para diminuir os sintomas característicos desse período.

“Uma das alternativas, por exemplo, é a reposição hormonal, que visa restabelecer as funções normais do organismo, tornando a adaptação para essa nova fase da mulher mais tranquila”, destaca. Além disso, é importante que a mulher adote um estilo de vida saudável, que é essencial para auxiliar no controle dos sintomas da perimenopausa.

“Por isso, procure beber bastante água, durma bem e evite o cigarro e a ingestão excessiva de álcool. É indispensável também praticar regularmente exercícios físicos, o que contribui para o controle do peso, melhora a qualidade do sono e diminui a irritabilidade”, recomenda a especialista. “Investir em uma dieta equilibrada também é fundamental nesse período de transição, devendo ser rica, principalmente, em cálcio, fibras, frutas, vegetais e grãos integrais.”

Por fim, Eloisa ressalta que, apesar da perimenopausa ser um processo natural que afetará todas as mulheres em algum momento da vida, é indispensável que se consulte um ginecologista ao notar seus primeiros sintomas. “Isso porque apenas o profissional especializado poderá realizar uma avaliação para realmente confirmar que se trata do início da perimenopausa, excluindo assim a possibilidade de condições sérias que podem provocar sintomas similares”, finaliza.

Fonte: Eloisa Pinho é ginecologista e obstetra, pós-graduada em ultrassonografia ginecológica e obstétrica pela Cetrus. Parte do corpo clínico da clínica GRU Saúde, é formada pela Universidade de Ribeirão Preto; realiza atendimentos ambulatoriais e procedimentos nos hospitais Cruz Azul e São Cristovão, faz parte do corpo clínico dos hospitais São Luiz, Pró Matre, Santa Joana e Santa Maria.