Arquivo da categoria: Mulheres

5 nutrientes essenciais para a saúde feminina

Tentar equilibrar as demandas da família e do trabalho, pode tornar difícil para qualquer mulher manter um estilo de vida saudável. Mas a comida certa pode não só melhorar a beleza da pele, cabelo, aumentar a energia e ajudar a manter um peso saudável, mas também apoiá-la nas diferentes fases da vida.

Quando crianças, as necessidades alimentares de meninos e meninas são muito semelhantes. Mas na puberdade, as mulheres começam a desenvolver necessidades nutricionais específicas e à medida que envelhecem o aporte nutricional também muda.

A nutricionista Adriana Stavro explica que as mulheres tendem a precisar de menos calorias ao longo da vida, mas a necessidade de vitaminas e minerais vão aumentando. As alterações hormonais associadas à menstruação, à gravidez e à menopausa significam que as mulheres têm maior necessidade de alguns nutrientes, ela cita quais são:

Cálcio – entre outras coisas, o cálcio é necessário para formação e fortalecimento dos ossos e dentes, regular o ritmo cardíaco e garantir que seu sistema nervoso funcione adequadamente. A deficiência de cálcio pode levar a problemas de humor, como irritabilidade, ansiedade, depressão e dificuldades para dormir. “A ingestão insuficiente faz com que o corpo retire cálcio de seus ossos para garantir o funcionamento normal das células, o que pode levar osteoporose. Boas fontes alimentares incluem laticínios, vegetais verdes folhosos, certos peixes, grãos, tofu, repolho e abobrinha.” esclarece Adriana Stavro.

Pixabay

Magnésio – aumenta a absorção de cálcio do sangue para os ossos. Na verdade, o corpo não pode utilizar cálcio sem magnésio. Boas fontes incluem vegetais verdes folhosos, abobrinha, brócolis, alabote, pepino, feijão verde, aipo e uma variedade de sementes.
Vitamina D: A vitamina D também é fundamental para o metabolismo adequado do cálcio. “Você pode obter vitamina D a partir da luz solar, e de alguns alimentos como salmão, camarão, leite fortificado com vitamina D, bacalhau e ovos.” ressalta Adriana.

Ferro – ajuda a formar hemoglobina que transporta oxigênio no sangue. Ele é importante para manter a pele, o cabelo e as unhas saudáveis. Devido à quantidade de sangue perdido durante a menstruação, as mulheres em idade fértil precisam de um aporte maior do mineral, assim como durante a gestação e amamentação. A deficiência de ferro leva a anemia ferropriva, muito comum em mulheres. Adriana relata,que a anemia causa fraqueza, exaustão, baixo rendimento físico e mental, problemas emocionais como depressão, irritabilidade e dificuldade de concentração. Boas fontes incluem proteínas de origem animal, verdes folhosos e feijões.

Folato ou vitamina B9 – é outro nutriente que muitas mulheres não recebem o suficiente. “O folato pode reduzir muito a chance de defeitos neurológicos congênitos quando ingerido antes da concepção e durante as primeiras semanas de gravidez. A B9 também pode diminuir o risco de uma mulher ter doenças cardíacas e certos tipos de câncer. O folato pode ser encontrado naturalmente nos alimentos, como vegetais folhosos verde-escuros, feijões, grão-de-bico e frutas cítricas”, finaliza Adriana.

Adriana Stavro é nutricionista Mestre pelo Centro Universitário São Camilo. Curso de formação em Medicina do Estilo de Vida pela Universidade de Harvard Medical School. Especialista em Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional pelo Instituto Valéria Pascoal (VP) Pós-graduada EM Fitoterapia pela Courses4U.

5 dicas para prevenir a osteoporose na menopausa

Se você tem tido fraturas com muita facilidade, fique atento: pode ser um indício de osteoporose. Segundo dados da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF), a doença acomete cerca de 200 milhões de mulheres no mundo todo, aproximadamente um décimo daquelas com 60 anos, um quinto das com 70 anos, dois quintos das com 80 anos e dois terços das com 90 anos.

No Brasil, segundo a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso), são cerca de 10 milhões de casos, sendo que 75% deles só são descobertos depois da primeira fratura. Uma perda de 10% na coluna pode dobrar o risco de fratura nas vértebras, enquanto uma redução de 10% na massa óssea do quadril aumenta em 2,5 vezes as chances de quebra da bacia. O Ministério da Saúde estima que 50% da população feminina, a partir dos 50 anos, sofrerá alguma fratura osteoporótica no decorrer do tempo.

“A doença causa a diminuição da massa óssea, resultando em ossos frágeis e porosos. O grande perigo é que a osteoporose não causa dor, ou seja, muitas pessoas só a descobrem quando há alguma fratura. Quem está mais propício ao problema é a mulher, sendo mais comum a partir da menopausa, após 12 meses de amenorreia (ausência de menstruação)”, afirma Carlos Moraes, ginecologista e obstetra pela Santa Casa/SP, Membro da Febrasgo e médico nos hospitais Albert Einstein, São Luiz e Pro Matre.

Segundo Claudia Chang, pós doutora em endocrinologia e metabologia pela USP e Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a osteoporose costuma surgir entre os 45 e 55 anos. “Neste período, a chance é maior por conta do desequilíbrio hormonal, principalmente pela queda do estrogênio, hormônio que, dentre outras funções, serve como uma proteção natural aos ossos. Com essa diminuição, o desgaste ósseo acelera. Daí a importância de maiores cuidados com a saúde durante e após a menopausa”.

O que fazer para prevenir a osteoporose

Por não haver cura, é essencial prevenir o quadro de osteoporose, conhecendo tanto os fatores de risco como os hábitos que ajudam a reduzir as chances de desenvolver a doença. São eles:

Abandone o cigarro


O cigarro prejudica a massa óssea de forma direta e indireta. As substâncias tóxicas presentes no produto enfraquecem as células responsáveis pela formação dos ossos e modificam o metabolismo do estrogênio, o hormônio feminino que tem como função proteger o tecido ósseo.

Mexa o corpo!


A atividade física tem efeito protetor sobre o tônus e a massa muscular. Exercícios como corridas e caminhadas são essenciais para prevenir a fraqueza óssea, além de fortalecer o sistema imunológico. Musculação, em especial, deixa os ossos mais resistentes e protegidos pelo ganho de massa muscular e contribui para o aumento do equilíbrio, fator importante para evitar quedas, que são situações comuns em pessoas idosas e que geralmente provocam fraturas. “A massa óssea se desenvolve até os 20 anos e atinge o auge de sua densidade aos 30. Sendo assim, quanto melhor for a qualidade do osso até este período, mais lenta será sua perda”, frisa a endocrinologista.

Aposte na vitamina D


O sol é a principal fonte de vitamina D – 80% da formação dessa vitamina provém dos raios solares, que ativam a síntese da substância em nosso organismo, auxiliando na absorção e fixação nos ossos. O ideal é se expor ao sol 15 minutos por dia, evitando entre 10h e 16h, quando a radiação é mais intensa. Se não for possível, uma alternativa é o uso de suplementação de vitamina D em cápsulas ou gotas, que deve ser feita com acompanhamento médico.

Adote uma alimentação saudável


É preciso consumir alimentos que forneçam as quantidades ideais de cálcio para o organismo, além de vitamina D e de outros elementos, como magnésio e fósforo. Confira os alimentos indicados na prevenção contra a osteoporose:

  • Leite e derivados: ótimas fontes de cálcio, proteína e fósforo.
  • Peixes gordurosos: como o salmão, contêm cálcio, vitamina D, proteínas e magnésio.
  • Fígado e óleo de fígado: excelentes fontes de vitamina D.
  • Verduras verdes: brócolis, couve, repolho, agrião, por exemplo, são ricos em cálcio e magnésio.
  • Leguminosas: por exemplo, feijão, grão-de-bico e lentilha, contêm proteínas, ferro e magnésio.
  • Cogumelos: shiitake, shimeji e champignon são boas fontes de vitamina D.

“Com o envelhecimento, o osso perde cálcio, tendendo a ficar mais fraco. Daí a importância de reforçar o consumo desse mineral, principalmente na menopausa. No entanto, assim como a deficiência do cálcio é prejudicial, o excesso também é, podendo ocasionar perda da função renal, entre outros problemas. Por isso, o uso de suplementos à base de cálcio deve ter indicação e acompanhamento do médico. O consumo proveniente dos alimentos é sempre preferível, sendo a suplementação indicada apenas em casos específicos”, pontua Claudia.

Densitometria óssea


Pouco invasivo, o exame mede a densidade do osso e pode diagnosticar a osteoporose ainda em estágios primários, o que possibilita o tratamento imediato e evita o diagnóstico tardio. Já antes dos 40 anos, recomenda-se o exame apenas se houver outro fator de risco envolvido, como histórico familiar ou dificuldade de o organismo absorver o cálcio.

“Feita de forma adequada, a prevenção pode reduzir em até 70, 40 e 30% os riscos de fraturas de coluna, fêmur e costelas, pulsos e pés, respectivamente. Para quem faz uso de medicamentos que possam causar a osteoporose, registre tudo durante os acompanhamentos médicos. Lembre-se: os ossos são fundamentais para a sustentação do nosso corpo, além de servirem de proteção a muitos órgãos”, finaliza Moraes.

Mulher 50+: como liderar um time mais jovem, antenado, onde tudo é mais high tech?

O mês das mulheres é carregado de reflexões. Se no passado a data tinha um viés comercial, hoje ela representa, entre outras coisas, a conquista de novos espaços no mercado de trabalho e cargos de liderança. Quando direcionamos a conversa para o público feminino acima dos 50 anos, os questionamentos são ainda mais sensíveis, uma vez que a carreira profissional escolhida por cada uma de nós parece ter prazo de validade. E esse é apenas um dos nossos mais profundos dilemas.

Sou Diretora de Recursos Humanos e Customer Experience de umas das maiores startups de saúde do país, com mais de 60% do time formado por mulheres. No meu guarda-chuva, lidero uma equipe jovem, composta por cerca de 800 colaboradores que, na maior parte, ou está no primeiro emprego ou vivencia a primeira experiência em gestão. Eu poderia me sentir mais confortável coordenando uma equipe com mais tempo de estrada. Por outro lado, acho extremamente prazeroso poder acompanhar e contribuir com o desenvolvimento de profissionais e líderes tão jovens que vem trazendo resultados tão positivos.

Quando me perguntam como eu faço para estar inserida em um ambiente de tecnologia e inovação, digo que a sede pelo conhecimento e a humildade precisam falar mais alto sempre. Em reuniões ou conversas informais, constantemente registro termos e informações menos familiares para depois pesquisar. Sabe esse “incômodo” que aparece quando nos sentimos “por fora” dos assuntos? Ele é fundamental para nos provocar a ampliar nosso repertório.

Nos dias atuais, ser gestor acima dos cinquenta traz desafios ainda maiores do que somente desenvolver e capacitar pessoas com autonomia. É mostrar fragilidades — e isso não tem nada a ver com a ideia de “sexo frágil”. Mostrar fragilidade é deixar claro que não sabemos tudo, que temos dificuldades, que somos feitas de carne e osso, suscetíveis a falhas. É apresentar o nosso currículo para além do que está descrito no LinkedIn. Parece contraditório, mas quem eu sou por trás do crachá me conecta melhor ao grupo de colaboradores da empresa. Sou casada, adoro cozinhar, tenho dois filhos, fui atleta, gosto de corrida de rua, faço musculação e dança. Essa sou eu.

Vejo mulheres com 40, 50, 60 anos dizerem que ficaram para trás, alegando que o tempo passou e que agora é tarde demais para se destacarem e conseguirem uma posição de prestígio. A meu ver, sair deste lugar é o primeiro passo para uma revolução. É sim um grande desafio dividir o dia a dia de uma companhia com pessoas de outra geração, mas — aqui entre nós — se a gente quiser, as diferenças podem ser complementares e isso só tem a agregar no ambiente de trabalho. Ter disposição para ensinar e humildade para aprender é uma troca inexplicável.

iStock

As mulheres são fantásticas na liderança. Sabem fazer gestão, são organizadas, observadoras e se posicionam com maestria. Por isso, para as nem tão jovens, diria para continuarem correndo atrás dos seus objetivos profissionais sem medo dos desafios que possam surgir. Já para as mulheres iniciando a carreira, aconselho que sejam persistentes na busca do conhecimento. Ser líder não é fácil. E a mulher em uma posição de liderança mostra o poder de transformação do mercado de trabalho. Mulheres, brilhem!

*Sônia Norões é Diretora de RH e Customer Experience da Beep Saúde, healthtech líder em serviço domiciliar no Brasil.

Mês da Mulher: 69% das mulheres são a principal provedora de renda do lar

Levantamento da Provu mostra o comportamento financeiro das mulheres e quais são suas prioridades

No dia 8 de março comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data foi oficializada nos anos 1970 pela ONU como símbolo da luta histórica das mulheres pela igualdade de direitos em relação aos homens. Muitos avanços aconteceram de lá pra cá e a mulher vem assumindo cada vez mais o protagonismo de suas vidas.

Ilustração: Pete Linforth/Pixabay

Exemplo disso, são os dados de uma uma pesquisa quantitativa online realizada com mais de 950 clientes de empréstimo da Provu, fintech especializada em meios de pagamento e crédito pessoal, que mostram que 69,3% das respondentes são a principal fonte de renda do lar.

Quanto às 30,7% que responderam não ser fonte de renda principal, 69% têm o marido como principal provedor; 8,8% indicam o pai e 8,5% apontam a mãe como fonte financeira primordial.

A Provu também perguntou às entrevistadas sobre prioridades financeiras: 69,4% responderam que é manter as contas pagas e em dia; para 11,6% é evitar entrar em dívidas; e para 6,8% é aumentar a renda mensal. A organização financeira também é um ponto importante para manter as prioridades mensais e 74,3% delas anotam os gastos e entradas de dinheiro, seja em planilhas ou caderninho; e 15,3% utilizam aplicativos para gerir as finanças.

Para entender um pouco mais sobre o comportamento da mulher depois de honrar suas contas e despesas mensais, a Provu ainda perguntou sobre reservas financeiras e investimentos. Atualmente, 59,6% das respondentes não têm reserva emergencial; 68% dizem que já tiveram, mas precisaram utilizar e 30% não tem sobra na renda mensal para guardar dinheiro. Apenas 34,1% das mulheres fazem algum tipo de investimento mensal – 48,3% utilizam poupança; 14% fazem CDB; e 12,8% disseram que investem em Fundos de Renda Fixa.

“Ainda precisamos de muitos avanços no que diz respeito à equidade de gênero, mas, assim como a pesquisa mostra, é inegável que cada vez mais as mulheres estão independentes e, quando se trata de conquistas financeiras, ter essa autonomia é fundamental para realizar sonhos e sair de situações de dependência”, comenta Bianca Sidoti, CCO da Provu.

Fonte: Provu

5 habilidades emocionais das mulheres que homens necessitam desenvolver

O sexo feminino já aprende desde cedo a lidar com situações e emoções que muitas vezes o homem é poupado

Uma das ferramentas mais importantes para o ser humano viver bem é a habilidade de controlar suas emoções e seus impulsos. Na maioria dos casos, essas habilidades são desenvolvidas ao longo do tempo e das experiências, porém, algumas pessoas aparentam já terem nascido com essa aptidão ou a maioria delas.

As mulheres, por exemplo, na maioria das vezes possuem naturalmente uma percepção positiva de sua consciência em relação ao seu estado de humor, entre outras emoções. Conseguem identificar com facilidade os gatilhos e impactos das próprias ações ou aqueles ao seu redor. Sabe aquela intuição feminina? Então, nada mais é que sua habilidade em lidar com as situações de forma mais controlada e equilibrada, sugerindo os riscos previamente, como também os sucessos iminentes das tomadas de decisões.

Jonathan Duque, especialista em comportamento humano e inteligência emocional, lista as principais características que as mulheres possuem que as tornam mais emocionalmente inteligentes que os homens.

Getty Images

1 – Autoconhecimento – Habilidade de lidar com multitarefas: Duque costuma dizer que quando uma mulher decide uma coisa, nada pode pará-la. Essa obstinação feminina é resultado de um conhecimento profundo que a mulher adquire de si. Elas sabem onde estão e onde querem chegar e sabem exatamente cada passo para trilhar o caminho. Quando a mulher decide focar em algo, mesmo carregando o mundo nas costas, ela tende a alcançar seu objetivo. Não se distrai com facilidade! É um instinto protetor que todas carregam em si.

2- Gestão – Habilidade no controle das funções: embora muitas mulheres tomem muitas tarefas para si e consigam administrá-las, possuem uma habilidade natural de saber delegar, orientar e cobrar os resultados de forma gentil e clara. Muitos dizem que é a intuição feminina, mas aqui é preferível chamar de inteligência emocional, que faz com elas tenham muito mais clareza das habilidades de cada um para distribuir funções e cobrar os resultados que cabem a cada pessoa. Possuem uma visão ampla do todo e conseguem administrar as tarefas com agilidade.

Depositphotos

3- Autocontrole – Resolução de problemas: outra característica forte em uma mulher é o domínio de seus impulsos e emoções. “Mesmo que o desejo seja muito grande por algo, elas conseguem se controlar e fazer escolhas inteligentes” – comenta o especialista. É natural que sintam vontade de agir em algumas situações, mas conseguem, muitas vezes mais que os homens, controlar com mais facilidade essas sensações, ou seja, desenvolvem a capacidade de raciocinar durante situações adversas e encontrar soluções de forma mais rápida.

4- Adaptabilidade – Capacidade de lidar com mudanças: essa é uma habilidade que já nasce com a mulher e ao longo do tempo vai se aperfeiçoando ainda mais. Desde pequena a mulher lida com mudanças bruscas em sua vida. Por essa razão, sabe lidar com as transformações de forma mais leve que o homem. Fatores como puberdade, gestação, trabalho, multifunções, tudo isso desenvolve na mulher a aptidão de acostumar-se as condições diferentes das quais vive.

5- Motivação e comunicação: a motivação é a junção de fenômenos emocionais, biológicos e sociais que impulsionam alguém ao seu objetivo e isso a mulher sabe bem criar em si. Seja pelo seu instinto ou por fatores fisiológico, já que tendem a produzir mais dopamina (neurotransmissor que atua sobre as emoções e a atenção) que homens, toda mulher carrega em si uma força interior muito forte, sustentada não apenas pelas suas vontades ou sonhos, mas também pelos seus dependentes. Isso faz com que elas se mantenham mais motivadas que homens e deem o melhor de si em qualquer projeto que assumam para si. Seja cuidar do filho, da casa ou gerir uma empresa. Tudo é potencializado.

Fonte: Jonathan Duque é empresário do ramo de automação, beleza e serviços gerais, tornou-se especialista em inteligência emocional e comportamento humano e ministra cursos e treinamentos para pessoas que precisam alavancar sua vida em diferentes áreas.

Shopping Taboão promove 2ª Corrida e Caminhada Mulheres Largam na Frente

Inscrições vão até dia 16 de março ou até atingir o limite

Em celebração ao mês das mulheres, o Shopping Taboão promove a 2ª Corrida e Caminhada Mulheres Largam na Frente. Buscando repetir o grande sucesso da primeira edição, a ação acontece no dia 20 de março e já está com as inscrições abertas, exclusivas para mulheres.

O estacionamento e corredores do empreendimento se transformam em um grande espaço de convivência para as participantes poderem usufruir de diversas ações desenvolvidas por parceiros e as corredoras podem escolher a distância de 3K e 6K e, para quem prefere a caminhada, o circuito é de 3k.

“A corrida virou um marco de empoderamento e união feminina. Temos muito orgulho de tudo que vivemos na primeira edição e a meta é aumentar ainda mais esse sentimento. Mais uma vez, este é o momento de marcar e dar voz às lutas e as conquistas femininas”, afirma Mariuche Ismerim, gerente de marketing do Shopping Taboão.

A primeira largada está prevista para às 9h30. Inscrições abertas no site oficial do evento, no valor de 60 reais. A participação só é permitida para mulheres, acima de 16 anos. A entrega do kit acontece no dia 19 de março, das 11h às 19h, no Shopping Taboão.

Mais informações disponíveis no site Mulheres na Frente.

2ª Corrida e Caminhada Mulheres Largam na Frente – Shopping Taboão
Quando: 20 de março
Inscrições: Até 16 de março ou até atingir o limite de inscrições
Distâncias: 3K e 6K Corrida ou 3K Caminhada
Valor: R$ 60,00
Retirada do Kit: 19/03 no Shopping
Local: Shopping Taboão
Endereço: Rodovia Régis Bittencourt, 2643 – Taboão da Serra
Mais informações: pelo site ou telefone (11) 3164-7830

Dia Internacional da Mulher: saúde bucal feminina em foco

Saiba quais são os cuidados e as orientações necessárias para atravessar momentos como a gestação, a amamentação, a menopausa e o uso de contraceptivos

Os cuidados com a saúde bucal devem fazer parte da rotina de todos. Porém, fatores como hormônios, gestação, amamentação, menopausa e uso de contraceptivos requerem cuidados extras por parte das mulheres. Algumas doenças gengivais estão comprovadamente relacionadas a problemas pertinentes à saúde feminina, o que reforça a necessidade de maior atenção ao grupo.

Com objetivo de orientá-las sobre a importância de manter a saúde bucal em dia e, assim, atravessar com tranquilidade todas as fases que a mulher passa em sua vida, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp) elencou algumas informações importantes.

Saúde bucal durante a gestação

De acordo com a cirurgiã-dentista Adriana Mazzoni, especialista em odontopediatria, a gestação é responsável por diversas transformações. Nesta fase, até a composição da saliva apresenta variação devido à condição hormonal, mudança de dieta (apetite por alimentos ácidos e exóticos) e maior ingestão de alimentos em horários não usuais. Tais condições podem alterar a estrutura do esmalte dentário, bem como elevar a presença de ácidos estomacais por causa dos sucessivos vômitos. Combinados à falta ou incorreta higiene bucal, esses pontos favorecem o aparecimento de cáries.

Também nesta fase pode ocorrer um maior sangramento gengival, por conta do depósito de placa bacteriana e gengivite, e, em alguns casos, ocorre a periodontite. O granuloma gravídico ou tumor gravídico é outro quadro possível no período. Ele se apresenta como uma lesão inflamatória na gengiva marginal de coloração avermelhada intensa e consistência flácida, que sangra com facilidade ao toque, é indolor e de fácil remoção e tratamento.

Os riscos de lesões ou complicações para a gestante são os mesmos do que para qualquer pessoa, exceto nos casos em que ela apresenta infecção na cavidade bucal; essa, por sua vez, pode atingir o feto por meio da corrente sanguínea, alterando ou comprometendo sua formação, conforme alerta Mazzoni: “Se a gestante apresenta a doença periodontal e ela não é combatida nesse período, corre-se o risco de serem liberadas na corrente sanguínea determinadas toxinas que podem alcançar a placenta e estimular a produção de citocinas e prostaglandinas, comprometendo as contrações uterinas e favorecendo o parto prematuro”, alerta.

Pré-natal odontológico

O pré-natal odontológico permite educar e cuidar da saúde da gestante e, consequentemente, do bebê. Trata-se de um momento propício para abordar temas relacionados à higiene bucal e à atenção necessária durante a gestação, entre eles, os tratamentos preventivos, curativos e a alimentação saudável da gestante, além de orientar a gestante quanto à importância dos cuidados bucais com o futuro bebê, como esclarece a cirurgiã-dentista Adriana Mazzoni sobre a relevância nas movimentações da boca. “É oportuno nesta consulta abordar a amamentação e saber o que a paciente deseja, reforçando a importância do leite materno e de todo o movimento que a amamentação proporciona no crescimento e desenvolvimento saudável da criança”.

A odontopediatra reforça que a melhor época para a consulta odontológica é o segundo trimestre de gestação, pois, no primeiro trimestre, os enjoos podem atrapalhar os procedimentos, no terceiro, o peso pode causar desconforto à paciente, que fica muito tempo sentada na cadeira odontológica. Mazzoni salienta que essa sugestão visa apenas o conforto: “Não há impedimento para atendê-la em qualquer época do período gestacional e nenhum procedimento é contraindicado. Pacientes com maior frequência de vômitos precisam de acompanhamento odontológico mais frequente”, completa.

Contraceptivos requerem maior atenção com a saúde bucal

Os contraceptivos previnem uma gravidez indesejada, portanto, sua utilização é, muitas vezes, indispensável. Contudo, seu uso pode interferir na saúde bucal das mulheres. Isso ocorre porque as bactérias na cavidade bucal estão em equilíbrio e, quando esse equilíbrio é descompensado, há proliferação delas, muitas vezes não desejáveis, ocasionando a cárie ou doença periodontal. Esse desequilíbrio está relacionado à dieta, higiene e medicamentos, como os contraceptivos, que possuem o risco de aumentar a ocorrência da doença gengival.

Um outro exemplo da influência dos contraceptivos na saúde bucal está relacionado à alveolite, uma complicação pós-cirúrgica. Neste caso, após a extração de um dente, o alvéolo dentário permanece aberto e apresenta infecção, que provoca dor intensa e mau odor por alguns dias. O uso de contraceptivos orais pode potencializar o surgimento da alveolite, uma vez que o estrogênio presente nestes medicamentos e em outras drogas tem efeito fibrinolítico, o que atrapalha o processo de cicatrização e formação de colágeno.

Menopausa e terceira idade

Cabelos, unhas, pele, desconforto causado pela ardência bucal são alguns dos problemas que envolvem a terceira idade na menopausa. Segundo a cirurgiã-dentista Denise Tibério, especialista em odontogeriatria, a perda óssea causada pela diminuição de hormônios pós-menopausa é comum. Contudo, ela esclarece que a osteoporose está relacionada com a reserva de tecido ósseo acumulada durante toda a vida.

Como explica a Dra. Denise, outra situação comum ao envelhecimento é a diminuição da eficiência mastigatória por perda de massa muscular, fazendo com que os idosos busquem se alimentar de comidas mais fáceis de mastigar, o que leva a não estimulação das glândulas salivares e a consequente diminuição de saliva, já tão comprometida pelos efeitos colaterais da polifarmácia.

Por fim, a odontogeriatra alerta para a mudança de hábito: “Já que a higiene bucal é fundamental, é importante lembrar que o uso de medicamentos contínuos, que se torna maior na terceira idade, também pode diminuir ou reduzir a quantidade de saliva, o que tende a contribuir para a deterioração da cavidade bucal”, explica. Ela lembra ainda que, quando há diminuição de saliva, comprometimento dental e de periodonto (gengiva), aos poucos, há uma modificação na escolha da alimentação, o que leva a um comprometimento nutricional.

Sendo assim, as mulheres precisam estar mais atentas à saúde bucal em todos os períodos de sua vida. Por isso, a recomendação é que se mantenha uma higiene bucal preventiva e que faça o acompanhamento com o cirurgião-dentista nos intervalos estipulados pelos profissionais.

Fonte: Crosp

Mulheres Positivas lança vaquinha online para ajudar ucranianas

Após fala sexista do deputado Arthur do Val, aplicativo lançou a Vaquinha Respeito Mulheres Positivas Ucrânia, que tem como meta chegar a R$ 3 milhões

O aplicativo Mulheres Positivas lançou neste sábado, dia 5 de março, uma vaquinha online para ajudar mulheres ucranianas. A ação para criar o Vaquinha Respeito Mulheres Positivas Ucrânia já estava sendo planejada e foi impulsionada pelas falas sexistas do deputado estadual Arthur do Val (Podemos-SP), conhecido como “Mamãe Falei”, que teve áudios vazados em que descrevia as mulheres ucranianas como “fáceis porque são pobres”, entre outros comentários. O crowdfunding já recebeu doações de empresários como Alberto Leite, do setor de Tecnologia.

A plataforma Mulheres Positivas foi criada em 2010, e desde então, vem promovendo o desenvolvimento pessoal e profissional de mulheres com cursos livres e divulgação de vagas de trabalho. “Todas as mulheres do mundo merecem respeito, ainda mais as ucranianas, que vivenciam estado de vulnerabilidade e terror neste momento de guerra. Não bastassem as violências cometidas em meio ao conflito pelos soldados invasores, ainda surge esse ato deplorável de sexismo por parte de um parlamentar brasileiro”, diz Fabi Saad, empreendedora e criadora do Mulheres Positivas e eleita recentemente como umas das 20 personalidades femininas brasileiras mais influentes pela revista Forbes, ao comentar a episódio envolvendo Arthur do Val. “Temos como objetivo ajudar e apoiar concretamente mulheres do Brasil e do mundo. No caso das ucranianas, estamos muito contentes com o resultado da nossa campanha e em atuar para mitigar a situação de milhares de pessoas em estado de calamidade”.

Algumas horas após ser criada, a vaquinha do Mulheres Positivas em prol das ucranianas já havia arrecadado mais de R$ 30 mil em doações online. A meta da vaquinha é arrecadar R$ 3 milhões e já estão encaminhadas tratativas com a Embaixada da Ucrânia no Brasil para o envio do montante arrecadado ao país.

Mulher: a arte de ser multitarefa

Com maiores responsabilidades e salários, as mulheres procuram por homens que as ajudem nas tarefas domésticas e as apoiem profissionalmente

Durante as últimas décadas do século XX, dentre os vários acontecimentos históricos, um dos fatos marcantes foi a inserção cada vez maior da mulher no mercado de trabalho. Depois de lutarem muito, elas finalmente conquistaram o direito do voto em 1932 – mas não ficaram satisfeitas com essa vitória: elas querem sempre mais, e estão conseguindo.

Pode não parecer, mas as conquistas no âmbito feminino vão desde a permissão para usar de calças compridas até o direito não só de votar, como também de serem eleitas. Aos poucos, a classe feminina prova a sua competência, profissionalismo, criatividade e liderança, conquistando mais espaço e rompendo as barreiras do preconceito.

No mercado de trabalho deve-se muito a fatores econômicos, culturais e sociais do país, mas, independente disso, ficou claro que tanto elas quanto seus parceiros gostaram dessa nova função assumida pelas mulheres.

“As mulheres hoje procuram homens que as entendam e apoiem as suas carreiras, e não que as tornem “mulheres do lar” durante os sete dias da semana”, opina Madalena Feliciano, gestora de carreira e hipnóloga. Muitos casais hoje optam por não terem filhos ou apenas por terem filhos mais tarde, para que possam aproveitar por mais tempo os privilégios do namoro ou casamento com a renda mais estabilizada – objetivo difícil de ser adquirido quando ambos ainda são muito jovens e estão adentrando o mercado de trabalho, salvo exceções.

O que antes era uma forma de submissão ao homem, hoje deu lugar a mulheres executivas, presidentas, governadoras, líderes, mestres e doutoras. “E elas aproveitam essas oportunidades para acrescentarem o seu toque feminino, fazendo com que muitas profissões cresçam e sendo reconhecidas cada vez mais pelos homens, que até pouco tempo tinham preconceito em serem comandados por mulheres”, afirma Madalena.

Devido a essas mudanças, o homem brasileiro começou a ajudar mais nas tarefas domésticas, apesar de ainda ser a mulher quem dedica mais tempo aos afazeres do lar, e cuidar dos filhos. Não se sabe exatamente o que tem motivado os homens a colaborarem mais, se é um maior grau de conscientização ou o fato de suas mulheres não terem mais tanto tempo para a casa, já que passam muitas horas na rua, mas é fato de que eles perceberam que os papéis mudaram e estão dispostos a ajudar e a manter a mulher ao seu lado.

Getty Images

O ideal é dividir as tarefas do lar e deixar tudo claro desde o início do namoro. Querer mudar uma pessoa depois pode ser tarde. É preciso que os dois saibam ceder quando necessário, afinal, é isso o que torna um relacionamento saudável. “Para isso, digo para os casais fazerem uma lista rica em detalhes, das suas funções domésticas e do trabalho. Depois, as listas devem ser comparadas para que as funções de cada um possam ser reorganizadas com base em uma conversa franca, para que haja equilíbrio entre as duas partes”, afirma Madalena.

Informações: Madalena Feliciano

Diabetes cresce mais rapidamente entre mulheres, durante a pandemia

Sociedade Brasileira de Diabetes também alerta para o avanço da doença entre adultos jovens

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) alerta para o avanço do diabetes na população brasileira, sobretudo entre a parcela feminina. A recém-lançada edição da pesquisa Vigitel aponta um crescimento de 11,6% no conjunto da população adulta que referiram diagnóstico médico de diabetes, nas capitais brasileiras. Em 2019, a pesquisa apontou que 7,4% da população apresentava a doença. Em 2020, esse percentual subiu para 8,2%. Esse crescimento, contudo, não se mostrou equitativo.

Em meio à população masculina a doença aumentou 0,2% (de 7,1% em 2019 para 7,3% em 2020). Contudo, entre as mulheres, o avanço foi mais acelerado – saltou de 7,8% no primeiro ano para 9%, no segundo. Em todo o país, segundo o recém-lançado Atlas do Diabetes 2021 da IDF (sigla em inglês para Federação Internacional de Diabetes), 15,7 milhões de pessoas, de 20 a 79 anos, apresentam quadro de diabetes.

O endocrinologista Marcio Krakauer, coordenador do Departamento de Saúde Digital, Telemedicina e Tecnologia em Diabetes da Sociedade Brasileira de Diabetes, aponta que apesar de, tradicionalmente, as mulheres apresentarem maior cultura de acompanhamento médico, o cenário de dificuldades sociais e econômicas, observado nos últimos anos, atingiu a população feminina com maior intensidade – com potencial impacto em suas condições para prevenção do diabetes, como acesso à alimentação de qualidade, rotina de atividades físicas e outros.

O especialista destaca ainda que os dados da pesquisa Vigitel revelaram que a velocidade de crescimento de novos diagnósticos mostrou-se mais expressiva entre adultos jovens. O percentual de mulheres de 25 a 34 anos que relataram diagnóstico da doença mais que dobrou de um ano para outro, passando de 1,3% para 2,9%. Entre os homens, essa velocidade ascendente foi observada na faixa de 18 a 24 anos.

Krakauer aponta que as facilidades cotidianas contribuem para o sedentarismo, visto que a demanda física tende a ser cada vez menor a execução das mesmas atividades. “Precisamos criar uma cultura ativa ligada ao bem-estar e saúde preventiva. A prática de atividades físicas e alimentação saudável podem se tornar elementos de prazer quando associados à rotina e preferência de cada pessoa. O que não podemos é normalizar esse contingente cada vez mais jovem de pessoas com diabetes. Hoje, a pessoa com diabetes pode ter uma vida completamente normal, quando a doença é bem monitorada. Mas por que não adotar essa rotina de autocuidado antes de desenvolver a doença e ficar suscetível a uma série de complicações?”

Fonte: SBD