Arquivo da categoria: peixe

Receita de lombo de peixe com batatas salteadas

Que tal uma receita nova para deixar seu fim de semana cheio de sabor? Gallo traz para você uma receita superfácil de preparar e muito saborosa. O lombo de peixe com batatas salteadas que é de dar água na boca. Confira o passo a passo:

Lombo de peixe com batatas salteadas

Ingredientes
Azeite Gallo Extra Virgem Reserva a gosto
6 lombos de pescada
4 dentes de alho
Sal, pimenta do reino e tomilho a gosto
Raspas de limão
500g de batatas
Alecrim e alcaparras a gosto

Modo de preparo:
Tempere os lombos de peixe com metade do alho picado, sal, pimenta do reino, tomilho, regue com Azeite Gallo Extra Virgem Reserva e misture delicadamente com as mãos. Após, coloque o peixe em uma travessa e leve ao forno pré aquecido a 180ºC por cerca de 20 minutos ou até o peixe estar dourado. Enquanto isso, corte as batatas ao meio e em gomos, coloque em uma panela com água e sal, deixando cozinhar por cerca de 20 minutos. Quando estiverem prontas, escorra as batatas. Em uma frigideira, aqueça o Azeite Gallo Extra Virgem Reserva, junto ao restante do alho e o alecrim , deixando por 1 minuto. Em seguida , adicione as batatas já escorridas e salteie por 3 minutos, juntando as alcaparras. Juntamente com os lombos de peixe já prontos na travessa, coloque as batatas, a pimenta e mais um pouco de tomilho. Antes de servir, finalize com um fio de Azeite Gallo Extra Virgem Reserva. Bom apetite.

Tempo de preparo: médio
Dificuldade: fácil
Rendimento: 6 pessoas

Fonte: Gallo

Salmão ao Molho de Laranja, para você variar no almoço de Páscoa

Nós, brasileiros, adoramos bacalhau, especialmente em datas comemorativas, como a Páscoa. Porém, nem sempre estamos com vontade de repetir pratos, ou até precisamos economizar. Sendo assim, a Água Doce ensina como variar neste período. Que tal optar pelo delicioso salmão? A receita segue abaixo:

Salmão ao molho de laranja

Ingredientes
450g de salmão em postas
1 colher de café de pimenta do reino
½ colher de café de sal refinado
50ml de azeite de oliva
3 dentes de alho picados
100ml de suco de laranja
2 colheres de sopa de mostarda
1 colher de café de páprica doce
3 colheres de sopa de mel
1 colher de café de pimenta dedo de moça picadinha
1 colher de sopa de cebolinha

Modo de preparo:
Tempere as postas de salmão com sal e pimenta do reino e reserve. Em uma tigela, faça um molho misturando o azeite, o alho, o suco de laranja, a mostarda, a páprica, o mel, pimenta dedo de moça e a cebolinha. Em uma travessa, acomode as postas de salmão, regue com o molho e cubra com papel alumínio, em seguida leve ao forno por 10 minutos. Sirva e decore como preferir.

Tempo de Preparo: 30 minutos

Rendimento: 4 porções

Fonte: Água Doce Sabores do Brasil

Bacalhau da Noruega ensina como escolher e preparar o melhor peixe

Marca representada pelo Conselho Norueguês da Pesca é símbolo de origem e qualidade dos produtos exportados pelo país nórdico

A Páscoa está chegando e uma das estrelas da data é o Bacalhau da Noruega. Seja no bolinho, na salada ou no almoço de domingo, lá está ele. Tanto o autêntico Bacalhau da Noruega, o Gadus morhua, quanto os peixes salgados secos da Noruega, Saithe, Zarbo ou Ling são ideais para a preparação dos mais variados pratos, sendo ideal para todos os dias, pois além de serem saudáveis, rendem até 30% a mais após o dessalgue sem perder o sabor e a qualidade.

O que é bacalhau?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre o que é ou do que é feito o bacalhau. O autêntico Bacalhau da Noruega é o Gadus morhua (da família Gadidae) vem das águas frias e cristalinas dos mares que circulam o Polo Norte, na Noruega, garantindo a melhor qualidade e o sabor único. O conhecimento e a experiência únicos da Noruega constituem uma das maiores comunidades de pesquisa e desenvolvimento em pesca e produtos do mar do mundo, que incluem desde o tamanho dos peixes até os métodos de pesca. Além disso, o país nórdico possui sistemas de rastreabilidade que permitem que as informações sobre os peixes sejam rastreadas em toda a cadeia de alimentos.

O Bacalhau da Noruega é altamente saudável, tem baixo teor de gordura – cada 100g do peixe possui aproximadamente 160 calorias, é fonte de proteínas, cálcio, ferro e rico em ômega 3, além de ser livre de conservantes artificiais, porque é apenas peixe e sal. Tanto o Bacalhau da Noruega quanto os outros peixes salgados secos da Noruega, Saithe, Zarbo e Ling, rendem até 30% a mais após o dessalgue, ou seja, ganham o volume que perderam durante o processo de salga e secagem.

Como escolher:

Para ter certeza de que está levando o produto certo para casa, é preciso saber diferenciar todos os tipos de bacalhau. Por aqui, podemos encontrar cinco tipos de peixes salgados secos da família Gadidae, que a partir da nova legislação de janeiro de 2019 devem ser denominados da seguinte forma:

Gadus morhua

Bacalhau Salgado Seco Gadus morhua– Considerado o mais nobre bacalhau, esse tipo é pescado no Atlântico Norte e apresenta postas altas, largas e coloração palha e uniforme, quando salgado e seco. Depois de cozido, sua carne se desfaz em camadas claras e tenras.

Saithe Salgado Seco da Noruega Pollachius virens – Possui sabor mais forte e coloração menos clara. Quando cozido, sua carne macia desfia com facilidade. É o tipo perfeito para preparar bolinhos, saladas e ensopados.

Ling Salgado Seco da Noruega – Molva molva – O mais estreito entre os peixes tipo bacalhau. Sua carne branca e apetitosa é perfeita para pratos desfiados, assados, cozidos e grelhados.

Zarbo Salgado Seco da Noruega – Brosme brosme – É o menor entre os cinco peixes tipo bacalhau. É mais roliço do que o Ling e possui barbatana dorsal contínua. É ótimo para a preparação de pratos desfiados, caldos, pirões e bolinhos.

Os peixes salgados secos da Noruega: Saithe (Pollachius virens), Ling (Molva molva) e Zarbo (Brosme brosme) provenientes da Noruega, são feitos com peixes da mesma família do qual se faz o Bacalhau (Gadus morhua). São salgados e secos da mesma forma e com o mesmo padrão de qualidade, são espécies de peixes diferentes, devem ser denominados como tal, mas são submetidas ao mesmo processo.

Na hora da compra, é importante checar a origem do produto para ter a certeza de que está levando para casa o autêntico Bacalhau da Noruega. Busque pelas etiquetas, logo e pergunte ao vendedor para se certificar que o produto é realmente exportado pela Noruega.

Como dessalgar:

O método de dessalgue do bacalhau, que ganha aproximadamente 30% a mais de volume, pode até levar um tempo a mais, mas é muito simples. É recomendado mergulhar o bacalhau em água fria, com pedras de gelo, dentro da geladeira e usar duas partes de água para cada parte de bacalhau, trocando duas vezes por dia, no mínimo, e mantendo o bacalhau na geladeira, para ficar bem conservado.

O tempo de dessalgue depende da altura das postas, seguindo a indicação:
Bacalhau Desfiado: 6 horas (trocar a água de 3 em 3 horas)
Postas normais: 24 horas (trocar a água de 6 em 6 horas)
Postas grossas: 40 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)
Postas muito grossas: 48 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)
Lombos muito grossos: 72 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)

Como conservar o peixe em casa:

Ao comprar o bacalhau na bandeja, retire o filme plástico. Faça o mesmo no caso de comprar no saquinho. Coloque em vasilhame bem limpo, seco e com tampa. Se for salgado e seco, deve ser mantido em refrigerador (nunca manter em temperatura ambiente, em armários, prateleiras etc). Pincelar com azeite para evitar o ressecamento. E o mais importante, nunca congele o bacalhau ainda salgado. Depois do processo de dessalgue, pode congelar o peixe, pois o bacalhau não perde seu sabor autêntico e único e estará sempre pronto para consumo em inúmeras receitas, ideal para todos os dias.

Tipos de cortes:
Você sabia que para cada tipo de corte existe uma receita diferente? Tanto o autêntico Bacalhau da Noruega como os peixes salgados secos da Noruega são ideais para consumir o ano inteiro. Os cortes centrais (altos) são os lombos, parte mais alta e nobre, ideal para assar e grelhar, além de serem ótimos para receitas que utilizem o pedaço inteiro, depois de assado, grelhado ou cozido. Esse corte solta pétalas claras e tenras, que deixam os pratos bem bonitos. Os pedaços abaixo dos lombos são as postas médias, também conhecidas como filés, perfeita para serem consumidas inteiras ou também em pétalas. É uma ótima opção para ser consumido em churrasco. As partes mais extremas das laterais e a mais próxima ao rabo, são as postas finas, que após dessalgadas podem ser retiradas pétalas e até mesmo desfiadas para o preparo de inúmeras receitas.
Já o rabo e a pele também podem ser utilizados para o preparo de caldos, que vão deixar inúmeras preparações com um sabor incrível.

Receitas para a data:

Bacalhau da Noruega assado com purê de abóbora e beterraba

Ingredientes:
2 lombos de Gadus morhua da Noruega, após dessalgar
2 dentes de alho
1 ramo de tomilho
1 ramo de alecrim
50ml de azeite
350g de abóbora
20g de manteiga
200g de beterrabas cozidas
50ml de suco de beterraba
50g de couve cortada em tiras
20g de sementes de abóbora
200ml de óleo ou azeite para fritar
Sal
Pimenta-do-reino
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Modo de fazer:
Colocar o alho e o tomilho sobre os lombos de Bacalhau da Noruega e regar com o azeite.Levar a assar em forno preaquecido a 180ºC durante 15 a 20 minutos e reservar. Para o purê de abóbora, assar os cubos de abóbora descascados e temperados com o alecrim, o sal e a pimenta-do-reino durante 35 minutos na mesma temperatura. Depois de assada, triturar com a manteiga até que a textura fique cremosa. Para o purê de beterraba, triturar a beterraba cozida e temperar com sal e pimenta-do-reino. Servir os lombos de bacalhau assado com os purês, a couve frita em óleo e as sementes de abóbora.

Bolinho de Bacalhau com pimenta-dedo-de-moça recheado com queijo ⠀
⠀⠀⠀⠀


Ingredientes:
300g de postas finas de peixe salgado seco da Noruega Saithe, Zarbo ou Ling, após dessalgar
300g de batata asterix descascada
1 gema
2 colheres de sopa (10g) de salsinha picada
2 colheres de chá (6g) de pimenta-dedo-de moça bem picada
100g de queijo muçarela em cubinhos
Óleo vegetal para fritura ⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Modo de fazer:
Colocar bastante água em uma panela de tamanho médio e levar ao fogo alto, quando formar as primeiras bolinhas no fundo, abaixar o fogo e colocar as postas finas de peixe salgado seco Saithe, Zarbo ou Ling. Deixar cozinhar em fogo brando por 3 minutos. Retirar com uma escumadeira e deixar o Saithe escorrer bem. Nessa mesma panela (não descartar a água) acrescentar a batata e deixe cozinhar até ficar bem macia. Depois de retirar da água, escorrer e amassar a batata ainda quente.
Com o Saithe, Zarbo ou Ling já mais frio, retirar a pele, as espinhas e desfiar com um pano limpo. Em uma tigela, acrescentar a batata amassada, o peixe desfiado, a gema, a salsinha e a pimenta-dedo-de-moça e misturar muito bem. Pegar cerca de 1 colher de sopa de massa, abra um buraco com o dedo e rechear com o queijo muçarela em cubinhos. Fechar com mais massa de bolinho e modelar com o auxílio de 2 colheres de sopa. Fritar em óleo quente até dourar.

Bacalhau da Noruega com manteiga, alho e limão siciliano

Ingredientes:
4 lombos de Gadus morhua da Noruega, após dessalgado
4 colheres de sopa (80g) de manteiga em temperatura ambiente
2 unidades de limão siciliano
1 cabeça de alho
1 colher de sopa (10g) de queijo parmesão ralado
2 folhas de louro
1 colher de sopa (5g) de salsinha picada
Pimenta-do-reino a gosto
3 colheres de sopa (18g) de farinha de rosca
1 pitada de sal

Modo de fazer:
Reservar os 4 dentes de alho. O restante do alho, amassar com a lateral de uma faca. Com o bacalhau já dessalgado, colocar bastante água em uma panela funda e adicione os dentes de alho amassados e as folhas de louro. Levar a panela ao fogo e não deixe a água ferver, quando começar as bolhinhas no fundo, abaixar o fogo, colocar os lombos e deixar cozinhar em fogo brando por 8 a 10 minutos, para não alterar o sabor ou a textura. Retirar o bacalhau e com delicadeza tirar a espinha central e transferir para um refratário. Temperar com um pouco de pimenta-do-reino e reservar. Em uma tigela, colocar a manteiga, o queijo parmesão, a farinha de rosca, uma pitada de sal, o alho amassado, raspas de 1 limão siciliano, em seguida o suco deste limão siciliano, a salsinha picada e misturar bem. Colocar 1 colher de sopa desta mistura em cada lombo de bacalhau.
Leve ao forno a 180ºC por 15 minutos. Retirar do forno e decorar com rodelas de limão siciliano cortadas ao meio e, se quiser, colocar mais salsinha picada ou raspas de limão siciliano.

Salada de Bacalhau da Noruega

Ingredientes:
500g de peixe salgado seco da Noruega, Saithe, Ling ou Zarbo, após dessalgar
6 batatas inglesas médias
12 ovos de codorna
1 xícara de chá de azeite de oliva
4 colheres de sopa de vinagre de vinho branco
Sal a gosto
Pimenta-do-reino a gosto
10 azeitonas pretas para decorar
1 pé de alface
2 tomates cortados em gomos
1 pimentão verde cortado em tiras
Mostarda
Salsa picada a gosto

Modo de fazer:
Cozinhar o peixe salgado seco da Noruega no vapor até ficar bem macio.
Retirar as pétalas do peixe e misturar com as batatas, previamente cozidas e cortadas em cubos pequenos.

Molho:
Deve ser preparado com antecedência. Cozinhar os ovos e retirar as gemas de quatro ovos. Amassar com o garfo e passar na peneira fina. Misturar com o azeite, vinagre, mostarda, salsa, sal e pimenta-do-reino. Enfeitar com a alface, tomates, pimentão, azeitona preta e o restante dos ovos. Servir com o molho a gosto.

Fonte –Bacalhau da Noruega

Receita especial para semana santa: salada de bacalhau confitado com grão-de-bico

Celebrar a semana santa e a Páscoa com um delicioso prato feito à base de bacalhau é uma tradição milenar. Mas, que tal diversificar? Inspire-se nesta receita

O bacalhau é o pescado mais usado para o almoço de Páscoa. Mundialmente apreciado, podemos dizer que este é um alimento milenar. O hábito brasileiro de saborear esse peixe é herança da colonização portuguesa, que começou a se espalhar a partir do descobrimento do Brasil.

Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população. Hoje é indispensável e muito procurado em períodos de Quaresma, Semana Santa, Páscoa, entre outros. Para o nosso Especial de Páscoa trouxemos um prato feito a base que bacalhau que vai te surpreender.

O que preparar?

Nesta época do ano surgem várias dúvidas sobre o que preparar para servir aos convidados. Pensando na sua comodidade, trouxemos mais uma receita para você se inspirar. Convidamos a chef Lili Miarelli, da Ares de Cozinha, para preparar uma deliciosa salada de bacalhau confitado com grão-de-bico.

Salada de bacalhau confitado com grão-de-bico

Ingredientes:
300g de Lombo de bacalhau Pesca Nobre, já dessalgado
Azeite Grego Minos, o quanto baste
200g de Grão-de-Bico Pink cozido e escorrido
2 colheres (sopa) de cebola picada
1 tomate sem sementes cortado em cubinhos
2 dentes de alho
1 colher (sopa) de salsinha picada
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
2 colheres (sopa) de suco de limão
10 azeitonas Pretas Azapa picadas
Pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Preaqueça o forno a 190ºC. Unte um refratário com um fio de azeite e disponha as postas de bacalhau com a pele para baixo (se tiver, se não tanto faz o lado). Regue o bacalhau com mais azeite e tempere com uma pitada de sal. Coloque os dentes de alho com a casca em algum cantinho do refratário.Leve para assar por 30 minutos, ou até que enfie o garfo e perceba que está soltando as lascas.Retire do forno e deixe esfriar até ficar morno (reserve o azeite pois você irá usá-lo). Se a sua posta tinha pele, provavelmente ela terá ficado grudada no refratário, e se não ficou sairá facilmente. Retire toda a pele e as espinhas que encontrar e desmanche as postas com as mãos em lascas grandes e pequenas. Descasque os alhos assados e amasse-os com um garfo. Em um grande bowl misture, o alho amassado e a salsinha. Misture bem. Aí então junte as lascas de bacalhau e tempere com limão, o azeite que ficou do bacalhau no refratário, misture. Cubra e leve para gelar até o momento de servir, ou sirva de imediato.

Fonte: Grupo Super Nosso

Receitas para a Sexta-Feira Santa

A Semana Santa chegou e muita gente costuma tirar a carne vermelha de “campo” durante esse período. Para te ajudar a ter várias opções para essa semana, a Gomes da Costa separou três receitas maravilhosas, saudáveis e que cabem no seu bolso. Bom apetite:

Moqueca de Sardinha

Ingredientes:
1/3 de prato (sobremesa) de cebola cortada em rodelas (50g)
1/3 de prato (sobremesa) de pimentão verde cortado em rodelas (35g)
1/3 de prato (sobremesa) de tomate cortado em rodelas (80g)
1 lata de Sardinha com Ervas Gomes da Costa (125g)
4 colheres (chá/medida) de leite de coco light (30ml)
Folhas de salsa para enfeitar
Sal e molho de pimenta a gosto

Modo de Preparo:
Numa panela pequena própria para moqueca (ou frigideira), intercale camadas de cebola, pimentão, tomate e Sardinha Gomes da Costa. Tempere com. Cozinhe em fogo brando, panela tampada, por cerca de 15 minutos ou até os legumes ficarem cozidos (não deixe que desmanchem, devem ficar cozidos mas manter o formato). Regue a preparação com o leite de coco e enfeite com folhas de salsa. Cozinhe até levantar fervura. Sirva na própria panela.

Dica de chef: os legumes devem ser cortados com a mesma espessura, para que cozinhem por igual.
Variação: substitua metade da quantidade de leite de coco por azeite de dendê.

Moqueca de Atum e Sardinha

Ingredientes:
2 colheres (sopa) de azeite de dendê
1 cebola grande cortada em rodelas finas
2 tomates médios cortados em rodelas médias
Meio pimentão verde médio cortado em rodelas finas (80g)
Sal a gosto
1 lata de Atum Sólido em Óleo Gomes da Costa (170g)
1 lata de Sardinha com Molho de Tomate Gomes da Costa (125g)
2 colheres (sopa) de coentro picado
Molho de pimenta a gosto

Modo de Preparo:
Berinjela:

Corte a berinjela (com casca) em rodelas de cerca de 0,3 cm de espessura. Distribua numa peneira e salpique sal. Deixe descansando por cerca de 1 hora. Numa frigideira antiaderente doure as rodelas de berinjela dos dois lados. Reserve.

Molho de tomate:
Aqueça o azeite e doure o alho. Junte a cebola e refogue até ficar levemente dourada. Acrescente o tomate picado e cozinhe em fogo baixo, panela tampada, por cerca de 15 minutos ou até que os tomates comecem a desmanchar. Tempere com sal a gosto.

Montagem:
Num refratário pequeno (quadrado com cerca de 16cm) faça uma camada de berinjela, cubra com molho e queijo, berinjela, molho, sardinha, berinjela, molho e queijo. Leve ao forno médio (180ºC), preaquecido, por cerca de 20 minutos ou até que o queijo esteja derretido e a preparação aquecida. Sirva em seguida.

Dica de chef: a cebola e o pimentão devem ser cortados com a mesma espessura e o tomate ligeiramente mais grosso para que o cozimento seja uniforme.
Variação: a moqueca é um ensopado brasileiro típico da culinária baiana e potiguar. Na Bahia usa-se o leite de coco e no Espírito Santo em vez de azeite de dendê e leite de coco é usado azeite doce e urucum.

Fritada de Forno com Sardinha

Ingredientes:
3 batatas médias fatiadas bem finas
2 cebolas médias fatiadas bem finas
Sal a gosto
1 e meia xícara (chá) de creme de leite fresco
2 ovos
2 latas de Sardinha com Óleo Gomes da Costa (125g)
Sal e pimenta a gosto

Modo de Preparo:
Afervente a batata e a cebola em separado em água temperada com sal. Escorra bem. Em um refratário ou assadeira redonda média, intercale camadas de batata, cebola e Sardinhas Gomes da Costa. Finalize com uma camada de batata. Reserve. Em uma tigela junte o creme de leite, os ovos e o óleo das Sardinhas. Tempere com sal e pimenta.Despeje esta mistura sobre a preparação e leve ao forno médio (180ºC), preaquecido, por cerca de 35 minutos ou até que a preparação esteja dourada e cozida.

Dica de chef: as batatas devem somente ser aferventadas, porque vão continuar seu cozimento no forno.
Variação: acrescente queijo parmesão ralado à mistura de creme de leite.

Fonte: Gomes da Costa

Semana Santa Kiichi: moqueca de robalo com frutos do mar e vinho branco português

Além do combo delivery, válido de quinta-feira até domingo(1º) até dia 4, o cliente também pode montar a ceia com outras opções de peixes e acompanhamentos

Chef Brito, do restaurante Kiichi, oferece para a Páscoa de 2021 um combo exclusivo, idealizado especialmente para a Semana Santa: moqueca de robalo com frutos do mar, disponível de 1º de abril até o domingo (4).

Bem servido, o Combo da Semana Santa (R$ 198,99) serve facilmente duas pessoas e tem como ingredientes robalo, camarão, lula, polvo e mexilhão. Vem acompanhado de arroz branco, salada verde, farofa de banana e 1 garrafa de vinho português branco seco Terras D’el Rei.

O cliente também pode optar pelo combo sem a garrafa de vinho (R$ 147,00) ou montar a própria ceia com outras opções de peixes e acompanhamentos (todas servem duas pessoas). São elas: Buri grelhado com ervas e tempero tradicional -300g (R$ 55,00), Black Cod marinado ou grelhado- 335g (R$ 65,00), Robalo grelhado (R$ 56,00), Cioba frito inteiro (R$ 75,00), Farofa de Banana (R$ 12,60), Salada Verde (R$ 15.00), Arroz branco (R$ 13,60) e Vinagrete (R$ 13,00).

Sem necessidade de agendamento, o cliente pode fazer o pedido pelos canais de delivery do restaurante, nos quais também encontra uma grande variedade de bebidas, ótimas sobremesas, opções diversas de pratos tradicionais da casa e outras promoções.

Delivery Kiichi: pedidos podem ser feitos por aplicativo próprio do Kiichi, disponível para IOS e Android, pelo site, por telefone 11 3051-3330 ou iFood. O horário do serviço de delivery é das 11h às 23h.

Consumidor precisa estar atento na hora de escolher pescados para a Páscoa

CRMV-SP alerta para os cuidados na aquisição, armazenamento e preparo desse tipo de alimento

Na época da Páscoa, o consumo de pescado aumenta e alguns cuidados são necessários para garantir a qualidade do alimento e preservar a saúde dos consumidores. Além de avaliar o aspecto do produto e as condições de armazenamento e comercialização, é importante verificar a procedência de peixes, crustáceos e moluscos.

De acordo com o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), todos os alimentos de origem animal devem passar por inspeção sanitária de médicos-veterinários, para a detecção de riscos à saúde pública.

Segundo o médico-veterinário e zootecnista Ricardo Moreira Calil, presidente da Comissão Técnica de Alimentos do CRMV-SP, uma questão importante é a conservação do produto, pois a carne do pescado, pela sua constituição, é mais delicada que as demais.

A falta de refrigeração facilita a multiplicação de bactérias, que podem causar intoxicação. “No caso do produto fresco, a temperatura deverá estar próxima de zero graus Celsius (0°C) e o pescado deve estar em contato com gelo. Já os produtos congelados devem estar a dezoito graus Celsius negativos (-18°C), para que a durabilidade seja a maior possível mantendo as suas propriedades nutricionais”, explica Calil.

Por ser um alimento perecível, o pescado deve ser adquirido por último na compra realizada pelo consumidor e transportado o mais rapidamente possível para ser armazenado sob refrigeração ou congelamento até o momento do preparo.

Riscos à saúde

Peixe Arabaiana – Foto: Pinterest

Além do risco de intoxicação, de acordo com a médica-veterinária Elma Pereira dos Santos Polegato, presidente da Comissão Técnica de Saúde Ambiental do CRMV-SP, o pescado também é responsável por parasitoses em humanos.

“As doenças causadas por parasitas são muito comuns atualmente pelos atuais hábitos no consumo do pescado cru e também pelo fato de alguns peixes conseguirem viver em águas já poluídas”, revela.

Também é necessário um cuidado especial ao adquirir algumas espécies de pescado, como o baiacu e a arabaiana, que armazenam biotoxinas produzidas por algas. “Essas toxinas são transmitidas às pessoas, podendo causar transtornos graves e até levar a óbito, como ocorreu recentemente em Recife”, comenta Elma, referindo-se ao caso da Síndrome de Haff, conhecida como “doença da urina preta”, que levou a morte uma mulher que ingeriu um peixe da espécie arabaiana comprado diretamente de um pescador.

Produtos inspecionados são mais seguros

Para diminuir os riscos, o ideal é optar por fornecedores que conheçam os locais próprios para a pesca, e que respeitem a legislação pesqueira e sanitária. “No caso de peixes, crustáceos e moluscos de cativeiro, o recomendado é adquirir somente de empresas registradas no serviço de inspeção, seja ele federal (SIF), estadual (SIE) ou municipal (SIM)”, complementa Elma.

Numa inspeção sanitária são verificadas as condições de procedência, armazenamento e exposição dos diferentes alimentos de origem animal. “Sem dúvida, o alimento identificado com rótulo, data de validade e constando a inspeção pelo qual foi submetido, é muito mais seguro”, afirma Ricardo Calil.

Se todas as etapas do processo forem monitoradas e seguirem os parâmetros legais, é possível a obtenção de um pescado com excelente qualidade. “Tanto o pescado de aquicultura, quanto o pescado de pesca extrativa que seguirem os programas de controle, resultarão em um produto de qualidade”, garante Calil.

Como escolher o pescado

Segundo Ricardo, para quem aprecia o pescado fresco, algumas características visuais são importantes e fáceis de se verificar, como se as escamas estão bem aderidas ao corpo, se os olhos estão salientes e com o líquido interno transparente, se as nadadeiras estão firmes ao corpo e se, ao pressionar a carne, a marca da impressão não permanece.

“Quando eviscerado, a cavidade do pescado deve apresentar cor natural e odor próprio da espécie, mas se ainda estiver com as vísceras, elas têm que estar íntegras e sem extravasamento de conteúdo, evitando contaminações”, acrescenta o médico-veterinário.

Ainda quanto às características, Elma diz que é importante observar nos peixes se a musculatura está resistente, o ventre cilíndrico e as aberturas naturais bem vedadas. “O cheiro é peculiar e não pode ser amoniacal, pois denota sua deterioração”, alerta.

Bacalhau, o peixe mais famoso nesta época

Outra forma de consumir o pescado é o produto salgado, como o bacalhau. De acordo com Elma, o bacalhau deve ser dessalgado a uma temperatura menor que 5°C, portanto sob refrigeração.

Calil explica que o bacalhau verdadeiro é o Gadus morhua (Cod), também denominado de Porto, nas áreas de venda. Outra espécie, o Gadus macrocephalus, tem semelhança com o verdadeiro, porém não se desfaz em lascas e tem uma carne fibrosa, por isso, deve ter um preço mais acessível.

“As demais espécies comercializadas, como Ling, Zarbo ou Saithe, não são consideradas bacalhau, mas um peixe salgado seco. O consumidor deve ficar atento para não ser enganado”, alerta o médico-veterinário.

Como identificar problemas no bacalhau

Pixabay

Alguns sinais de anormalidade podem ser encontrados no bacalhau, como manchas vermelhas intensas, característica que sinaliza a presença de bactérias no sal. Apesar de não causar problemas à saúde humana, o vermelhão deixa a superfície do produto limosa, com odor acentuado e desagradável.

“Outro problema é o emboloramento, com aparecimento de pontos pretos que vão se espalhando na superfície do produto, causando um aspecto ruim, embora não seja um problema de saúde pública”, diz Calil.

Cuidados quanto ao preparo

O pescado pode ser consumido cozido, assado ou cru. Neste último caso, os cuidados devem ser redobrados, pois não haverá o tratamento térmico que colabore para manter a inocuidade do alimento.

“Deve-se evitar manipular o pescado com outros alimentos ao mesmo tempo, para não ter contaminação cruzada. Além disso, as sobras devem ser guardadas imediatamente em refrigeração após a refeição. O reaquecimento deve ser acima de 70°C”, indica Elma.

Vale ressaltar, em tempos de Covid-19, principalmente se a ingestão for de pescado cru, a importância da higienização das mãos com água e sabão antes e após a manipulação do peixe.

“São medidas preventivas abrangentes também a outros microrganismos patogênicos que possam estar presentes”, reforça a médica-veterinária.

Fonte: CRMV-SP

Atum sólido em óleo e ao natural, da Robinson Crusoe, agora em packs triplos de 80 gramas cada

Embalagem com três unidades garante economia, praticidade e frescor

As prioridades da Robinson Crusoe – sabor, qualidade e praticidade – estão reproduzidas na embalagem do atum sólido, ao natural e em óleo comestível, que era oferecido em dose dupla. O produto, agora, pode ser encontrado também em dose tripla.

A novidade da Robinson Crusoe, para atender as necessidades do mercado, são os packs com três latas de 80 gramas cada. O atum oferece cinco vezes mais vitamina D e uma boa dose de ômega-3. O consumidor levará mais do melhor atum do mundo, pagará menos e conseguirá degustar o produto sem desperdícios.

O produto chega às prateleiras com a embalagem metálica que traz o exclusivo sistema easy peel e facilita a abertura. “Os clientes terão ainda mais opções em um cenário atual de pandemia, em que as pessoas ficam mais em casa e precisam se alimentar com qualidade e praticidade”, diz Douglas R. Santos, diretor comercial da Robinson Crusoe.

Informações: Robinson Crusoe

Papila Deli chega ao Tatuapé com a marca Papila Poke

Nova loja marca o início da expansão da dark kitchen que prevê mais duas unidades até o final do ano

A Papila Deli dá início ao seu plano de expansão e chega ao Tatuapé com a marca Papila Poke, focada exclusivamente nos pratos havaianos. A decisão consolida o sucesso da dark kitchen que, em seu primeiro ano de vida, ultrapassou 200 mil refeições vendidas, número alcançado apenas com uma unidade, localizada no Itaim Bibi.

“A Papila Deli já nasceu sendo digital e 100% voltada para o delivery antes mesmo da pandemia, que forçou muitos restaurantes com espaços físicos a se adaptarem a esse modelo. Não tivemos que nos ajustar ao novo normal, já nascemos adaptados e acreditamos que essa é uma tendência que veio para ficar”, declara Bruno Kormes, um dos três sócios-fundadores da marca.

A marca-mãe Papila Deli absorve em seu portfólio 3 cozinhas: Papila Poke, Papila Fresh, com saladas e sopas sazonais, e Papila Wok, com pratos quentes inspirados no leste asiático e sanduíches diferenciados como o de salmão maçaricado.

Inicialmente, a operação do Tatuapé irá operar com a cozinha Papila Poke, disponível inicialmente de segunda a sábado, das 11h às 22h45. A escolha não é em vão: os pratos havaianos representam o maior faturamento da marca, que chegou a vender mais de 1000 pedidos em um único dia.

O que esperar da Papila Poke no Tatuapé

A unidade do Tatuapé terá foco exclusivo nos pokes havaianos, que conta com nove combinações pré-definidas, incluindo opções low carb com base de quinoa ou arroz de couve-flor, sendo possível também a montagem de acordo com a vontade de cliente, adicionando tartar de salmão maçaricado e outros 20 ingredientes.

De acordo com Antônio Mendes, chef e sócio da Papila Deli, os pokes são as refeições mais pedidas pelos clientes. “O poke é muito querido pelos nossos clientes. Acredito que seja porque oferecemos ingredientes diferenciados e diferentes combinações que respeitam o gosto pessoal de cada um ao mesmo tempo em que entrega uma alimentação saudável e saborosa”.

Entre os mais vendidos estão o clássico Poke de Salmão (salmão, sunomono, nori, massa de wantan com páprica e nori, gergelim, raspas de limão siciliano e ervilha torta)

Poke Spicy Tuna (atum, aioli spicy, sunomono, abacate, gergelim, edamame, nori, chips de mandioquinha, massa de guioza com páprica e nori, pimenta sirachia e gergelim), e o Poke Fresh, uma opção saborosa para quem não consome proteína animal (cenoura cozida marinada no shoyu, mix de cogumelos shitake e shimeji, abobrinha, castanha do chef, nori, sunomono, milho torrado, ervilha torta marinada no shoyu, massa de guioza com páprica e nori, edamame e gergelim).

Fotos: Rubens Kato / Food Styling: Ana Requião

Papila Deli – Unidade Tatuapé – Papila Poke
De segunda a sábado, das 11 às 22h45
Disponível no site ou pelo iFood

Dicas de apetitosos pratos feitos com sardinha

Sardinha é uma paixão do povo brasileiro, não é mesmo?! Então nada melhor do que se preparar para o fim de semana com algumas dicas que caem muito bem nesse calor. Para te ajudar a Gomes da Costa separou três receitinhas especiais que vão entrar para história. Dá só uma olhada nesses pratos maravilhosos, saudáveis e que cabem no seu bolso. Bom apetite.

Forminhas de Ricota, Sardinha e Legumes

Ingredientes:
Creme de Queijo:

• 2 xícaras (chá) de ricota passada pela peneira
• 1 lata de Sardinha com Ervas Gomes da Costa (125g)
• Sal e pimenta do reino a gosto
Legumes:
• 5 colheres (sopa) de pepino com casca cortado em cubos pequenos
• 4 colheres (sopa) de tomate, sem semente, cortado em cubos pequenos
• 2 colheres (sopa) de salsão picado
• Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de Preparo:
Creme de Queijo:

• Numa tigela junte a ricota e o molho da Sardinha Gomes da Costa.Tempere com sal e pimenta a gosto, se necessário.
Legumes:
• Numa tigela junte o pepino, o tomate, o salsão e a Sardinha Gomes da Costa picada. Tempere com sal a gosto.
Montagem:
• Forre com filme plástico 6 forminhas altas de empada (com cerca de 4 cm de base x 4 cm de altura). Distribua a mistura de legumes e sardinha entre elas e cubra com o creme de queijo. Aperte a preparação para que adquira o formato da forminha. Desenforme em seguida ou deixe na geladeira até o momento de servir.

Dica de chef: dê preferência ao pepino japonês por ter sementes menores que os outros (caipira e comum).
Variação: sirva a preparação acompanhada de um molho preparado a base de iogurte e endro (numa tigela junte, 1 copo de iogurte, 2 colheres (sopa) de azeite, meia colher (sopa) de endro fresco picado e sal a gosto). Misture bem.

Salada Grega com Sardinha

Ingredientes:
• 1 pepino tipo japonês médio com casca cortado em cubos (150g)
• 1 tomate grande cortado em cubos
• 3 colheres (sopa) de pimentão verde cortado em cubos
• 2 colheres (sopa) de cebola picada
• 2 colheres (sopa) de azeitona preta picada
• Sal a gosto
• 1 lata de Sardinha com Molho de Tomate Picante Gomes da Costa (125g)

Modo de Preparo:
Numa tigela, junte o pepino, o tomate, o pimentão, a cebola e a azeitona. Tempere com sal a gosto. Junte a Sardinha Gomes da Costa com seu molho. Misture bem. Sirva em temperatura ambiente.

Dica de chef: prefira o pepino japonês por ter menos sementes. Corte o tomate e o pepino em cubos médios e o pimentão em quadrados menores.
Variação: misture “croutôns” (pão amanhecido cortado em cubinhos e passados no azeite ou manteiga até dourar) à salada.

Linguine com Sardinha e Pangratatto

Ingredientes:
Para a farofa de pão italiano (pangratatto):

• ¼ pão italiano ralado grosseiramente
• 2 dentes de alho picados
• 1 pimenta dedo de moça picadas sem sementes
• 4 ramos de alecrim picados (só as folhas)
• 2 ramos de tomilho picados (só as folhas)
• 1 colher (chá) de pimenta do reino moída grosseiramente
• Sal a gosto
• 30 ml de azeite de oliva extravirgem
Para o linguine:
• 200 g de linguine seco
• ½ bulbo de erva doce picado finamente (reserve as folhas)
• 1 cebola roxa pequena picada
• ½ colher (sopa) de sementes de erva doce esmagadas
• 3 latas de Filés de Sardinha com Pimenta Gomes da Costa (125g/drenadas)
• 50 g de pinolis
• 30 g de uva passa branca
• 75 ml de vinho branco
• 50 ml de azeite de oliva extravirgem
• Suco e raspa de 1 limão
• Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo:
Para a farofa de pão italiano:
Em uma frigideira grande aqueça bem o azeite. Frite rapidamente o alho, a pimenta, o alecrim, o tomilho e a pimenta do reino. Quando dourar, adicione o pão italiano ralado, abaixe o fogo e misture vagarosamente até dourar e virar uma farofa.
Para o linguine:
Leve ao fogo 6 colheres de azeite, acrescente o bulbo, as sementes de erva doce e as cebolas e cozinhe em fogo baixo por 20 minutos sem deixar corar os vegetais. Adicione metade das sardinhas, os pinolis e as uvas passas e continue cozinhando por mais 10 minutos, mexendo de vez em quando. Acrescente o vinho branco e cozinhe até que o líquido tenha evaporado. Acerte o sal e a pimenta. Acomode o restante das sardinhas sobre o molho e regue com o restante do azeite das latas de sardinha. Abaixe o fogo sem mexer no molho. Enquanto isso, cozinhe a massa de acordo com as instruções da embalagem. Misture imediatamente a massa quente com o molho. Regue a mistura com um pouco de limão, azeite extra-virgem e salpique as folhas da erva doce.
Montagem:
Disponha a massa sobre um prato e salpique o pangratatto.

Fonte: Gomes da Costa