Arquivo da categoria: resfriado

Doenças de inverno: será que é só um resfriado?

Espirros, coriza, congestão nasal e dores de cabeça podem ser sintomas de um resfriado. Porém, na maioria dos casos, esses sinais podem estar atrelados a doenças respiratórias crônicas. Segundo Alexandre Kawassaki, pneumologista do Hospital 9 de Julho, cerca de 10% dos brasileiros apresentam quadros variados de asma, enquanto 30% sofrem com rinite alérgica.

“Os sintomas dessas doenças são facilmente confundidos com o de um resfriado, o que dificulta o diagnóstico e o tratamento adequado, essencial para se evitar complicações, como infecções graves ou crises respiratórias” explica o especialista.

Segundo Kawassaki, além das quedas de temperatura, a baixa umidade do ar é responsável por boa parte das crises respiratórias. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde)*, o índice ideal da umidade do ar para manter o sistema respiratório em boas condições de saúde é em torno de 60%. Durante o inverno, esse número costuma cair para 30%. O especialista ressalta que os problemas respiratórios e as infecções por vírus e bactérias também se tornam mais frequentes por causa do ressecamento das mucosas das vias aéreas. Todos esses fatores podem desencadear e agravar os casos de asma, além de sangramento nasal e alergias.

Para saber diferenciar o resfriado de outros problemas, listamos abaixo as principais doenças respiratórias e quais são os seus sintomas. Confira:

asma pulmão

Asma/Bronquite: o nome correto da doença é asma, mas é mais conhecida por “bronquite”. Caracteriza-se pela inflamação dos brônquios, vias que conduzem o ar que é respirado até os alvéolos pulmonares (pequenas estruturas que fazem a troca gasosa entre o ar e sangue nos pulmões). No paciente com asma, os brônquios deixam de eliminar o muco pelas vias respiratórias e acumulam secreção, causando as inflamações e dificultando a passagem do ar.

Pneumonia.jpg

Pneumonia: Kawassaki alerta que algumas gripes podem evoluir para uma pneumonia. A doença é uma infecção dos alvéolos, estruturas pulmonares responsáveis pela oxigenação do sangue. Os principais sintomas são tosse, dores no peito e nas costas, febre e fadiga. Durante o inverno, são muito comuns as pneumonias virais, com origem por meio do mesmo vírus da gripe. O grupo de maior risco são crianças, idosos e pessoas com baixa imunidade, por apresentarem consequências mais graves se a doença não for tratada rapidamente.

young woman is sneezing with painful face

Rinite: com a queda da umidade e o aumento da poluição do ar, as crises de rinite, inflamação da mucosa nasal, são mais comuns pela inalação de alérgenos (substâncias que causam alergia como a poeira e pelo de animais). Os sintomas podem ser vermelhidão nos olhos, coceira na região do nariz e garganta, por conta do ressecamento do ar, e espirros frequentes.

webmd sinusite
Imagem: WebMD

Sinusite: é parecida com a rinite, muitas vezes sendo considerada mais grave. É caracterizada por tosse produtiva e sensação de secreção escorrendo pela garganta, podendo ocorrer dores no rosto, principalmente na região da testa e maxilas. Isso acontece devido a inflamação da mucosa dos seios da face que gera essa dor. A doença é normalmente tratada com o uso de antibióticos e lavagem nasal. Por isso, o diagnóstico precoce é importante para evitar a progressão da doença.

Para amenizar os sintomas, Kawassaki explica que é importante não ficar em ambientes fechados ou mantê-los, sempre que possível, umidificados e ventilados. “Outras dicas como fazer limpeza nasal com soro fisiológico diariamente, limpar os ambientes com panos úmidos para que a poeira não se espalhe também são algumas alternativas para passar o inverno mais saudável” explica o médico, que reforça “Em casos de piora dos sintomas, é importante procurar o atendimento médico o quanto antes”.

*Opas/OMS Brasil

Fonte: Hospital 9 de Julho

Doenças de inverno: saiba as diferenças entre gripe e resfriado

Especialista da SulAmérica esclarece as distinções entre as enfermidades e oferece dicas de prevenção

Com a chegada do inverno, são comuns o aumento de casos de doenças respiratórias e a piora de condições crônicas como asma ou rinite. Nesse período, é natural que, ao surgirem os primeiros sintomas de desconforto, existam dúvidas sobre o diagnóstico. Há, por exemplo, quem acredite que gripe e resfriado são sinônimos. No entanto, embora semelhantes, são doenças distintas, causadas, inclusive, por vírus diferentes.

A gripe tem como agente o vírus influenza. Os sintomas apresentam maior intensidade que os do resfriado e podem durar até duas semanas. É comum uma pessoa gripada apresentar febre alta e abrupta, dores no corpo, congestão, fraqueza e cansaço. O vírus pode ser transmitido por meio do contato direto, de pessoa para pessoa, via espirro, por exemplo, e também de forma indireta, por contato com objetos contaminados.

O resfriado, por sua vez, é causado por vírus específicos como o Coronavírus e o Rinovírus, entre outros. Em geral, os sintomas duram de três a cinco dias, e, nesse período, é comum ter as vias respiratórias obstruídas, coriza, febre baixa, tosse, espirros e dor de garganta. Em ambos os casos, o tratamento é feito com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação.

Prevenção

vacina-portal-brasil
Foto: Portal Brasil

Segundo a diretora Técnica Médica e de Relacionamento com Prestadores da SulAmérica, Tereza Veloso, para prevenir-se é aconselhável tomar a vacina anualmente, além de lavar bem as mãos e o nariz e evitar locais fechados, com aglomeração de pessoas e pouca ventilação. “A vacinação anual é muito importante, porque as cepas do vírus causador da gripe mudam a cada ano e as vacinas são atualizadas para tais mudanças”, destaca a médica.

Além disso, é essencial manter uma alimentação saudável e equilibrada para manter o sistema imunológico fortalecido, dica que vale para todas as épocas do ano. “Procure comer alimentos ricos em vitaminas, minerais e antioxidantes, como frutas e legumes. A vitamina C, presente na laranja e em outras frutas cítricas, é uma forte aliada no combate a gripe e ao resfriado”, completa a especialista.

E-book sobre doenças respiratórias

mulher gripe doente cama

Para conscientizar a população, a SulAmérica desenvolveu um e-book exclusivo com informações sobre essas e outras doenças recorrentes nesta época do ano. O material é gratuito e foi produzido pelo programa SulAmérica Saúde Ativa, que desde 2002 incentiva a adoção de hábitos saudáveis pelos segurados. O download está disponível aqui.

“Iniciativas de conscientização da população, como o desenvolvimento deste conteúdo educativo sobre doenças respiratórias, estão alinhadas com o compromisso assumido pela SulAmérica em promover saúde e qualidade de vida”, explica Tereza. “A queda de temperatura, a baixa umidade e o aumento da poluição do ar são fatores comuns no inverno que prejudicam as condições respiratórias e este e-book traz orientações para manter a saúde no período.”

Em caso de dúvidas sobre este e outros temas de saúde, segurados da SulAmérica contam com serviços de medicina conectada como Orientação Médica Telefônica (OMT), Médico na Tela e Médico em Casa. O objetivo dessas iniciativas, cuja utilização está sujeita a critérios de elegibilidade e disponibilidade, é oferecer ainda mais conforto e tranquilidade para beneficiários, evitando idas desnecessárias ao pronto-socorro, em casos de baixa complexidade. Para mais informações, consulte o site do Saúde Ativa.

tereza veloso
Tereza Veloso: Diretora Técnica Médica e de Relacionamento com Prestadores da SulAmérica – Crédito: Reinaldo Canato

Atenção: este conteúdo tem caráter meramente informativo e não deve substituir as orientações de um médico. Nunca se automedique ou interrompa o uso de medicamentos sem consultar um profissional de saúde.

Nutricionista orienta sobre alimentos para combater a gripe

Nesta época do ano, quando aumentam casos de gripe e resfriado, a alimentação é fundamental para fortalecer o sistema imunológico. A rede de supermercados Hirota promove o bem-estar com dicas sobre os produtos que auxiliam a prevenir ou combater os sintomas da doença. “A ingestão adequada de vitaminas e minerais garante ao corpo uma imunidade muito mais forte”, afirma a nutricionista da rede, Adriana Miyuki.

A dica é manter uma dieta equilibrada, composta por frutas, legumes, verduras, cereais integrais e carnes magras, para deixar o organismo mais resistente a vírus e bactérias. Além de ajudar na prevenção, alguns alimentos também podem ser um complemento ao tratamento, para amenizar os sintomas.

“Chás quentes, gengibre, mel e limão ajudam a melhorar a congestão nasal e aliviar dores de garganta momentaneamente”, orienta a nutricionista, que lembra que cebola e alho são considerados antivirais e ótimos aliados no combate à gripe.

Outra medida importante é ingerir bastante líquidos, principalmente com a baixa umidade do ar que costuma registrar esta época do ano. Mas a nutricionista alerta que nada substitui o acompanhamento médico. “Os alimentos são aliados importantes, mas não devem substituir uma visita ao médico.”

Para fortalecer a imunidade:

abobora

Vitamina A: cenoura, mamão, abóbora, folhas verde escuras;

ovos

Vitamina B: leite, ovos, leguminosas, brócolis, cereais integrais;

abacaxi-pippalou-morguefile

Vitamina C: folhas verde escuras, laranja, limão, abacaxi;

oleaginosas castanhas
Pixabay

Vitamina E: carnes magras, leite e derivados, folhas verde escuras, oleaginosas;

ostras all season

Zinco: ostras, soja, sementes de abóbora, amêndoa, amendoim e grão de bico;

feijao

Selênio: castanha-do-pará, farinha de trigo, feijão, frango e carnes bovina, arroz, ovos.

Fonte: Hirota

Doenças de outono: quais são e como preveni-las

A cada final de estação, percebemos as mudanças no tempo e, infelizmente, isso
influencia, e muito, para o surgimento de problemas de saúde. Mesmo sendo doenças fáceis de se tratar, é preciso ter cuidado para evitar ou remediar, dependendo do caso e grau, algo que pode ficar mais sério.

Como estamos no outono, a Clínica Sadeb listou as principais doenças que surgem no outono e quais cuidados podemos ter para evitá-las.

Doencas-de-outono-quais-sao-e-como-preveni-las 11Doencas-de-outono-quais-sao-e-como-preveni-las 22Doencas-de-outono-quais-sao-e-como-preveni-las 33Doencas-de-outono-quais-sao-e-como-preveni-las 44Doencas-de-outono-quais-sao-e-como-preveni-las 56

Como driblar doenças respiratórias que são comuns nesta época do ano

Uma em cada sete pessoas tem doenças respiratórias, inflamatórias e alérgicas que tendem a aumentar nesta época do ano, segundo a OMS

É só esfriar um pouco que os problemas respiratórios começam a aparecer. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, uma em cada sete pessoas sofre com doenças inflamatórias, alérgicas e respiratórias, que tendem a aumentar nesta época do ano. Mas o que muita gente não sabe é que gripe, rinite e outros problemas comuns – que aumentam com o frio – não são provocados por andar descalço no chão gelado ou pelo vento fresco, mas, principalmente, por infecções virais.

“Estas infecções muitas vezes acontecem por termos contato da pele e mucosas, como boca e nariz, com locais infectados. O frio faz com que fiquemos mais aglomerados em ambientes fechados, o que ajuda na proliferação dos vírus. Há grupos de risco como idosos, gestantes, portadores de doenças crônicas e crianças, que devem se vacinar contra a gripe, por exemplo”, explica Tally Aranha, cardiopediatra do CECAM – rede de clínicas de saúde.

A especialista orienta sobre os cuidados necessários para prevenção de três das doenças mais recorrentes no outono:

Gripe

mulher gripe doente cama
O principal sintoma da gripe é a febre alta, normalmente acima de 38ºC, acompanhada de dor muscular, dor de cabeça, dor de garganta, fadiga e tosse seca. A febre costuma durar em torno de três dias e a tosse seca tende a piorar com o progresso da condição. “É importante fazer um diagnóstico para evitar complicações como a pneumonia”. A melhor maneira de prevenir a gripe é estar com a vacina em dia. Além disso, é importante ter bons hábitos de higiene como lavar as mãos com sabão, evitar o contato com pessoas que estejam contaminadas e locais com muita aglomeração.

Rinite

mulher doente gripe
Inflamação crônica ou aguda da mucosa que reveste o nariz, a rinite é uma reação imunológica do corpo aos alérgenos – substâncias consideradas estranhas. Os sintomas mais comuns são: obstrução nasal, coriza, coceira no nariz, espirros e lacrimejamento nos olhos. “As principais causas, geralmente, estão presentes no ar. Mas poeira, bactérias, fungos e ácaros e até mesmo alguns tipos de alimentos como leite de vaca, soja, ovo, trigo, peixes e crustáceos podem provocar rinite”. O diagnóstico é feito por exames de sangue e teste cutâneo e uma das melhores formas de prevenção contra a rinite é a higienização do ambiente, que deve estar sempre arejado. O uso de soro fisiológico para limpar as impurezas do nariz também ajuda a evitar uma crise de rinite alérgica.

Amidalite

garganta
Trata-se de uma inflamação com inchaço nas amídalas, que são gânglios localizados na garganta e na parte de trás da garganta. Estes gânglios são importantes pois evitam o acúmulo de bactérias e germes em locais onde infecções podem aparecer. “A amidalite é uma doença normalmente causada por vírus ou bactérias. Os sintomas mais comuns são amídalas inchadas e vermelhas ou com placas brancas e amareladas, dor de garganta e dificuldade para ingerir alimentos”.

A prevenção pode ser complicada, uma vez que a amidalite causada por vírus não tem tratamento específico ou remédio que promova a cura. Os anti-inflamatórios são usados apenas para aliviar os sintomas e reduzir o inchaço. Por outro lado, é necessário um tratamento com antibióticos por cerca de 7 a 10 dias quando a amidalite é provocada por infecção bacteriana. Neste caso, atenção! Quando não tratada de forma correta, a infecção pode evoluir para febre reumática – doença grave que pode atingir o coração, destruindo suas válvulas –, além de possíveis problemas de audição.

Fonte: CECAM

 

Mandamentos para prevenir gripes e resfriados

Realizar a lavagem nasal diariamente e evitar levar às mãos ao rosto após o contato com superfícies de locais públicos, são medidas que ajudam a prevenir gripes e resfriados

Ser acometido por uma gripe ou resfriado é algo que pode acontecer com qualquer pessoa e em qualquer estação do ano. Porém, no outono e no inverno as incidências são mais frequentes devido à queda de temperatura e ao ar seco. Além disso, o fato das pessoas permanecerem por longos períodos em ambientes fechados também favorece a transmissão destas doenças.

De acordo com a gerente médica da unidade MIP Aché, Talita Poli Biason, o clima mais frio, associado à baixa umidade do ar, afeta as mucosas do aparelho respiratório, provocando o ressecamento das mesmas. “A hidratação adequada da mucosa nasal é importante para as defesas naturais do nariz. O ar seco e frio do inverno, eleva as chances de infecções respiratórias, como gripes e resfriados”, esclarece.

Ambas as doenças podem ser transmitidas por meio do contato direto entre as pessoas. Ou seja, por meio das gotículas de saliva que são expelidas ao falar, tossir ou espirrar. “Portanto, evite ao máximo permanecer por muito tempo em locais fechados ou que apresentem aglomeração excessiva de pessoas. Nestas condições, a transmissão dos vírus da gripe e resfriados ocorre com maior facilidade”, orienta Talita.

Previna-se!

Algumas medidas são importantes para evitar infecções respiratórias. Confira os 5 mandamentos para a prevenção de gripes e resfriados, sugeridos pela gerente médica da unidade MIP Aché:

1. Lave as mãos com regularidade:

Higienizar as mãos com água e sabão é uma medida importante para evitar a contaminação pelo vírus da gripe ou do resfriado. “Evite também coçar os olhos ou levar as mãos à boca e ao nariz após tocar em superfícies de locais públicos ou após um simples aperto de mãos”, alerta a médica.

2. Mantenha o ambiente de convivência limpo:

Faça a limpeza de todas as superfícies da casa ou do ambiente de trabalho regularmente, evitando assim a disseminação de microrganismos. Para isso, uma solução simples de água e sabão é suficiente.

3.Cuide do cardápio

Seguir uma dieta balanceada no dia a dia auxilia na manutenção do equilíbrio do organismo. As frutas e verduras são, em geral, ricas em vitaminas que ajudam o sistema imunológico a exercer sua função. .

4.Beba bastante líquido

A recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é o consumo de, no mínimo, 2 litros de água diariamente. O hábito ajuda a manter o corpo hidratado e evita o aparecimento de doenças em geral.

5.Cuide da limpeza nasal

Faça a lavagem nasal todos os dias. Essa medida é importante, pois proporciona a remoção do excesso de muco, de “irritantes” e microrganismos, favorecendo a defesa natural da mucosa do nariz. Para isso, utilize uma solução nasal de cloreto de sódio 0,9%, com ação fluidificante e descongestionante das secreções nasais. Vale ressaltar que a lavagem nasal não tem restrição de idade e pode ser feita regularmente.

Se a pessoa já se encontra resfriada, recomenda-se repouso, intensificação da lavagem nasal com solução salina e procurar um médico, se necessário. Em alguns casos, os medicamentos contendo associações de anti-histamínicos e descongestionantes sistêmicos, como omaleato de bronfeniramina com cloridrato de fenilefrina, auxiliam na redução dos sintomas.

Fonte: Ache