Arquivo da categoria: saude

Karuna lança e-commerce de kombucha com receita milenar sem açúcar

Novidade para quem já é amante de kombucha e pra quem quer entrar no hype das bebidas fermentadas não alcoólicas

A ideia da criação da marca começou ainda em 2018, quando Luan, fundador e CEO da Karuna, conheceu a bebida em uma das lindas praias de Santa Catarina. Gostou tanto do sabor e da proposta que virou consumidor assíduo até lançar oficialmente a própria kombucha, em março de 2020. A Karuna, que significa amor e compaixão em sânscrito, está presente em mais de 300 pontos de venda espalhados pelo Brasil, com foco em São Paulo e região.

“Como sempre gostei de me alimentar de forma saudável, foi amor à primeira vista. Quando experimentei, eu me apaixonei, principalmente pelos benefícios que ela traz e a sensação de refrescância e bem-estar”, diz Luan.

Conforme a Associação Brasileira de Kombucha, há registros sobre a existência da bebida há mais de 2 mil anos. Produzida a partir de chá preto ou verde, ela tem adição de açúcar e do scoby para que ocorra o processo de fermentação. O açúcar adicionado, inclusive das frutas, é consumido pelos organismos vivos do scoby, que geram os componentes que dão característica à bebida: gás carbônico, ácido acético, ácido lático, ácido glucônico, álcool (menos de 0,5% não sendo considerada alcoólica), vitaminas e enzimas. O resultado é uma bebida super saudável e extremamente refrescante.

Entre os benefícios da Karuna, que é fonte de probióticos, estão a melhora da imunidade, a regulação da flora intestinal, o auxílio no processo de emagrecimento e seu poder antioxidante e anti-inflamatório. Os quatro sabores da marca foram desenvolvidos pensando nas necessidades de cada momento do dia a dia das pessoas. A base é sempre o chá verde, e os ingredientes usados são livres de agrotóxicos.

Conheça os sabores da Karuna e suas indicações:

Todas têm o chá verde como base e possuem apenas o residual do açúcar:
Kaya: feita com mate, limão e gengibre, tem poder termogênico que auxilia na queima de gordura e desintoxicação do organismo. É recomendada para momentos em que a pessoa quer se recuperar de dias mais intensos de bebida e comida, para aquele detox poderoso.
Prana: feita com mate e guaraná, ajuda no foco para o trabalho ou atividade física. A maior concentração de cafeína traz a energia necessária para esses momentos.
Nandi: com amora e jabuticaba, é rica em antioxidantes. Traz a força e o auxílio para aumentar a imunidade do corpo.
Shanti: feita com maracujá, ótima para relaxar e proporcionar mais tranquilidade no dia a dia corrido.

Novidades

Para os próximos meses, a Karuna planeja lançar o Kit Faça VC Mesmo que permitirá com que qualquer pessoa possa ter a experiência de produzir sua própria kombucha em casa. O kit contempla um pote de vidro, a quantidade de chá necessária para a primeira produção artesanal, o scoby – a cultura de bactérias e leveduras fundamental para o processo – e as instruções para a preparação.

Inicialmente, a novidade estará disponível apenas para os moradores da capital paulista, que também terão a possibilidade de comprar os quatro sabores da Karuna Kombucha através das lojas parceiras e do seu e-commerce.

Além do lançamento do kit, as entregas também serão expandidas para todo Brasil até o final de 2022 – a qualidade é garantida porque um dos diferenciais da Karuna é não necessitar de refrigeração no transporte e na armazenagem.

“Com pesquisa e uso de tecnologia, conseguimos criar uma linha de kombucha feita a partir da verdadeira receita autêntica e milenar, que após o processo de fermentação, sobra apenas o residual do açúcar, deixando a bebida ainda mais saudável, e estável fora da refrigeração. ”, comenta o CEO e fundador da Karuna, Luan Paris.

Como comprar:
Lojistas: pelo marketplace da Preserve

Consumidores: pelo e-commerce

Consumo exagerado de chocolate pode causar tontura

Problema é decorrente do pico de insulina que o organismo atinge durante a ingestão do doce, afirma especialista do Hospital Paulista

Em abril comemoramos a Páscoa deste ano, época em que as pessoas se preocuparem com o ganho de peso, já que a festividade proporciona o consumo exagerado de ovos e barras de chocolate. No entanto, para alguns, os danos vão além do ganho de peso.

Comer chocolate em excesso pode causar, entre outras coisas, zumbido, sensação de ouvido tampado e a tontura, sintoma que atinge cerca de 30% da população global, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No mesmo mês, comemoramos o Dia Mundial da Tontura, em 22 de abril, o médico Ricardo Schaffeln Dorigueto, otoneurologista e otorrinolaringologista do Hospital Paulista, destaca os alimentos que podem causar tontura, e o que pode ser feito para que ela seja evitada.

Tontura x alimentação

Dreamstime

Dorigueto explica que, sentir tonturas ao ingerir doces, não é uma exclusividade do chocolate. Outros carboidratos simples, principalmente quando consumidos no período de jejum, também podem desencadear sintomas labirínticos.

“Eles fazem com que a glicose seja rapidamente absorvida pelas células, resultando em uma queda posterior na glicose. Em geral, açúcares simples causam picos de insulina no sangue, resultando em sensação de tontura ou fraqueza”, ressalta.

“Não é somente o chocolate que devemos evitar, mas também os alimentos com alto teor de açúcar, como massas, pães, batatas, doces e chocolates, além de refrigerantes, bebidas com cafeína e bebidas alcoólicas. Durante a Páscoa é necessário ter o máximo de cautela possível, consumindo chocolates em pequenas quantidades e sem açúcares, de preferência os que tenham mais de 60% de cacau, pois oferecem mais benefícios”, destaca.

O cacau é rico em alguns minerais importantes para o organismo, como cobre, ferro, zinco e vitaminas. Mas os maiores benefícios para a saúde estão associados aos flavonoides, compostos com propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e vasodilatadores, protetoras do coração.

Diagnóstico e tratamento

Como os sintomas costumam ser bastante comuns em pessoas que sofrem de outras patologias, como diabetes, hipertensão e até esclerose múltipla, é comum que a tontura seja facilmente confundida com outra doença.

A melhor forma de diagnosticar a tontura é por meio de uma avaliação médica minuciosa. A avaliação pode ser complementada com exames sofisticados, como videonistagmografia, vHIT (teste do impulso cefálico com vídeo), VEMP e Posturografia, que recentemente o Hospital Paulista passou a oferecer.

Fonte: Hospital Paulista de Otorrinolaringologia

Entenda a diferença entre depressão, transtorno bipolar e personalidade borderline

Nem sempre as diferenças entre os transtornos mentais são claras para os pacientes e pessoas em geral; psiquiatra e diretor da SIG Residência Terapêutica, Ariel Lipman, explica que as doenças podem compartilhar sintomas, mas necessitam de tratamentos especializados e distintos

Você sabe a diferença entre depressão, transtorno bipolar e personalidade borderline? Se a resposta for não, saiba que você não é o único. Por apresentarem sintomas similares, esses três transtornos mentais são confundidos com frequência, o que pode inclusive dificultar o diagnóstico inicial.

E parte dessa confusão deve-se ao fato de o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais ter catalogado, atualmente, mais de 300 tipos de transtornos. “Existem centenas de tipos de transtornos mentais, embora alguns sejam mais frequentes, como os três citados. Mas é muito importante diferenciar cada um, para que o paciente tenha conhecimento do que o afeta e receba tratamento adequado”, comenta Lipman, psiquiatra e diretor da SIG Residência Terapêutica.

O transtorno de personalidade borderline, por exemplo, é uma condição na qual as variações de humor acontecem repentinamente, podem ser segundos, minutos, ou no máximo, horas. “É um comportamento bem diferente do transtorno bipolar, em que o humor varia por dias, semanas ou até mesmo meses”, esclarece o médico.

Além disso, a instabilidade emocional no caso do transtorno de personalidade borderline, mistura rapidamente depressão profunda e euforia, comportamentos impulsivos e autodestrutivos, ansiedade, raiva e descontrole emocional. “As características da personalidade são exacerbadas e trazem disfunções, que podem trazer complicações para quem convive, por conta da intensidade na vida desse paciente”, acrescenta Lipman.
Já no transtorno afetivo bipolar, o polo depressivo possui características similares à depressão – como perda de interesse nas atividades que a pessoa realizava anteriormente. “Por outro lado, no polo da mania, o paciente passa a demonstrar euforia, hiperatividade e autoconfiança, e também pode manifestar sintomas psicóticos como delírios de grandeza, aumento da libido e atividade sexual exacerbada, além da falta de avaliação em situações de risco”, explica o psiquiatra.

Números indicam que o transtorno afetivo bipolar atinja aproximadamente 2% da população mundial e o transtorno de personalidade borderline alcance cerca de 6% das pessoas no mundo. Já no caso da depressão, ela afeta cerca de 4% de pessoas de todas as idades em todo o mundo.

No entanto, vale ressaltar que os casos podem ser subnotificados, devido à recusa das pessoas e familiares em aceitarem que precisam de ajuda, de acordo com Lipman. “Diversos pacientes demoram para receber um diagnóstico, por não acreditarem que algo esteja errado. Eles se sentem bem no período de euforia”, explica o psiquiatra.

E durante a fase da depressão, que pode durar meses, é possível que o paciente seja diagnosticado “somente” com depressão, o que é preocupante pois os tratamentos são diferentes. E ao ser tratado somente com antidepressivos, os episódios de euforia podem se intensificar.

Para ajudar a esclarecer as dúvidas acerca dos transtornos, Lipman listou os principais sintomas de cada um deles:

Foto: MedicalNewsToday

Personalidade Borderline:
Autoimagem distorcida;
Baixa autoestima;
Relações instáveis e turbulentas;
Emoções intensas;
Descontrole emocional;
Impulsividade;
Imprudência;
Agressividade;
Tendências compulsivas;
Alterações de humor;
Automutilação;
Comportamento suicida;
Sentimento de abandono;
Solidão.

Transtorno bipolar
Raiva;
Ansiedade;
Apatia;
Angústia;
Euforia;
Descontentamento geral;
Culpa;
Perda de interesse e prazer em atividades;
Tristeza;
Mudanças súbitas de humor de acordo com o ciclo circadiano do humor: acordar sem energia e triste, mas ir melhorando ao longo do dia.

“No comportamento, o paciente bipolar pode experimentar também: agressividade, agitação, choro excessivo, hiperatividade, impulsividade, irritabilidade, autolesão. Já a cognição do paciente bipolar também pode ser afetada com: falta de concentração, pensamento e fala acelerados, lentidão em atividades e falsa imagem de superioridade”, lista o psiquiatra da SIG.

Depressão

Getty Images

Para Lipman, a depressão, assim como outros transtornos psiquiátricos, tem origem multifatorial, e mais recentemente a Pandemia da Covid-19 contribuiu para um aumento de casos. “Sem dúvida, essa pandemia foi um dos fatores mais estressantes que as últimas gerações já vivenciaram”, explica ele.

Segundo o especialista,a doença é totalmente controlada, mas o paciente precisa procurar ajuda. “É importante saber exatamente a causa do problema para que o tratamento seja certeiro e eficaz”.

Tratamentos

Ilustração: Serena Wong/Pixabay

“A melhor forma de entender o momento em que precisamos de tratamento é saber o quanto os sintomas afetam nossa vida. Se me incapacita de falar, me paralisa, afetando minha rotina, é um quadro patológico que requer tratamento. Se os sintomas trazem disfuncionalidade para minha vida, vale avaliação”, explica.

No caso do transtorno bipolar e da depressão, o uso de medicamentos pode ajudar muito o paciente. “Já para os que sofrem de transtorno de personalidade borderline, fármacos causam efeitos positivos, porém a psicoterapia é um tratamento mais eficaz e gera respostas melhores. Nos três tipos de transtornos, a associação do tratamento com medicamentos com sessões de psicoterapia colaboram para o controle do quadro e costumam trazer resultados positivos e qualidade de vida”, finaliza o especialista.

5 dicas para prevenir a osteoporose na menopausa

Se você tem tido fraturas com muita facilidade, fique atento: pode ser um indício de osteoporose. Segundo dados da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF), a doença acomete cerca de 200 milhões de mulheres no mundo todo, aproximadamente um décimo daquelas com 60 anos, um quinto das com 70 anos, dois quintos das com 80 anos e dois terços das com 90 anos.

No Brasil, segundo a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso), são cerca de 10 milhões de casos, sendo que 75% deles só são descobertos depois da primeira fratura. Uma perda de 10% na coluna pode dobrar o risco de fratura nas vértebras, enquanto uma redução de 10% na massa óssea do quadril aumenta em 2,5 vezes as chances de quebra da bacia. O Ministério da Saúde estima que 50% da população feminina, a partir dos 50 anos, sofrerá alguma fratura osteoporótica no decorrer do tempo.

“A doença causa a diminuição da massa óssea, resultando em ossos frágeis e porosos. O grande perigo é que a osteoporose não causa dor, ou seja, muitas pessoas só a descobrem quando há alguma fratura. Quem está mais propício ao problema é a mulher, sendo mais comum a partir da menopausa, após 12 meses de amenorreia (ausência de menstruação)”, afirma Carlos Moraes, ginecologista e obstetra pela Santa Casa/SP, Membro da Febrasgo e médico nos hospitais Albert Einstein, São Luiz e Pro Matre.

Segundo Claudia Chang, pós doutora em endocrinologia e metabologia pela USP e Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a osteoporose costuma surgir entre os 45 e 55 anos. “Neste período, a chance é maior por conta do desequilíbrio hormonal, principalmente pela queda do estrogênio, hormônio que, dentre outras funções, serve como uma proteção natural aos ossos. Com essa diminuição, o desgaste ósseo acelera. Daí a importância de maiores cuidados com a saúde durante e após a menopausa”.

O que fazer para prevenir a osteoporose

Por não haver cura, é essencial prevenir o quadro de osteoporose, conhecendo tanto os fatores de risco como os hábitos que ajudam a reduzir as chances de desenvolver a doença. São eles:

Abandone o cigarro


O cigarro prejudica a massa óssea de forma direta e indireta. As substâncias tóxicas presentes no produto enfraquecem as células responsáveis pela formação dos ossos e modificam o metabolismo do estrogênio, o hormônio feminino que tem como função proteger o tecido ósseo.

Mexa o corpo!


A atividade física tem efeito protetor sobre o tônus e a massa muscular. Exercícios como corridas e caminhadas são essenciais para prevenir a fraqueza óssea, além de fortalecer o sistema imunológico. Musculação, em especial, deixa os ossos mais resistentes e protegidos pelo ganho de massa muscular e contribui para o aumento do equilíbrio, fator importante para evitar quedas, que são situações comuns em pessoas idosas e que geralmente provocam fraturas. “A massa óssea se desenvolve até os 20 anos e atinge o auge de sua densidade aos 30. Sendo assim, quanto melhor for a qualidade do osso até este período, mais lenta será sua perda”, frisa a endocrinologista.

Aposte na vitamina D


O sol é a principal fonte de vitamina D – 80% da formação dessa vitamina provém dos raios solares, que ativam a síntese da substância em nosso organismo, auxiliando na absorção e fixação nos ossos. O ideal é se expor ao sol 15 minutos por dia, evitando entre 10h e 16h, quando a radiação é mais intensa. Se não for possível, uma alternativa é o uso de suplementação de vitamina D em cápsulas ou gotas, que deve ser feita com acompanhamento médico.

Adote uma alimentação saudável


É preciso consumir alimentos que forneçam as quantidades ideais de cálcio para o organismo, além de vitamina D e de outros elementos, como magnésio e fósforo. Confira os alimentos indicados na prevenção contra a osteoporose:

  • Leite e derivados: ótimas fontes de cálcio, proteína e fósforo.
  • Peixes gordurosos: como o salmão, contêm cálcio, vitamina D, proteínas e magnésio.
  • Fígado e óleo de fígado: excelentes fontes de vitamina D.
  • Verduras verdes: brócolis, couve, repolho, agrião, por exemplo, são ricos em cálcio e magnésio.
  • Leguminosas: por exemplo, feijão, grão-de-bico e lentilha, contêm proteínas, ferro e magnésio.
  • Cogumelos: shiitake, shimeji e champignon são boas fontes de vitamina D.

“Com o envelhecimento, o osso perde cálcio, tendendo a ficar mais fraco. Daí a importância de reforçar o consumo desse mineral, principalmente na menopausa. No entanto, assim como a deficiência do cálcio é prejudicial, o excesso também é, podendo ocasionar perda da função renal, entre outros problemas. Por isso, o uso de suplementos à base de cálcio deve ter indicação e acompanhamento do médico. O consumo proveniente dos alimentos é sempre preferível, sendo a suplementação indicada apenas em casos específicos”, pontua Claudia.

Densitometria óssea


Pouco invasivo, o exame mede a densidade do osso e pode diagnosticar a osteoporose ainda em estágios primários, o que possibilita o tratamento imediato e evita o diagnóstico tardio. Já antes dos 40 anos, recomenda-se o exame apenas se houver outro fator de risco envolvido, como histórico familiar ou dificuldade de o organismo absorver o cálcio.

“Feita de forma adequada, a prevenção pode reduzir em até 70, 40 e 30% os riscos de fraturas de coluna, fêmur e costelas, pulsos e pés, respectivamente. Para quem faz uso de medicamentos que possam causar a osteoporose, registre tudo durante os acompanhamentos médicos. Lembre-se: os ossos são fundamentais para a sustentação do nosso corpo, além de servirem de proteção a muitos órgãos”, finaliza Moraes.

Nesta Páscoa, pratique um ato de amor: doe sangue

A Páscoa simboliza esperança de uma vida nova. Doar sangue leva esperança de vida às pessoas que estão em tratamento e dependem desse precioso componente vital. Uma única doação pode salvar até quatro pacientes.

Por isso, doar sangue nesta Páscoa é doar esperança para quem precisa e, com esse conceito, a campanha institucional do GSH Banco de Sangue de São Paulo convida a população para doar sangue e salvar vidas.

“Uma doce atitude carrega um ato de amor”, é com essa mensagem que o Banco de Sangue está recebendo os seus doadores neste período de Páscoa, e os presenteando com uma deliciosa caixa de bombons de chocolate, de 14 a 17 de abril.

“Desejamos aos nossos doadores uma doce e feliz Páscoa e também esperamos que eles se sintam sensibilizados com o verdadeiro sentido desta celebração e façam sua doação de sangue”, diz Mayara Santos, líder de captação do GSH Banco de Sangue de São Paulo.

Horário de funcionamento no feriado
A unidade funciona diariamente, das 7h às 18h, inclusive aos domingos. Para atender com conforto aos doadores, o Banco de Sangue estará aberto nesta sexta-feira da Paixão, 15 de abril, no horário normal, das 7h às 18h. O endereço é Rua Tomás Carvalhal, 711, no bairro Paraíso, São Paulo — SP.

Requisitos básicos para doação de sangue:
Apresentar um documento oficial com foto (RG, CNH, etc.) em bom estado de conservação;
Ter idade entre 16 e 69 anos desde que a primeira doação seja realizada até os 60 anos (menores de idade precisam de autorização e presença dos pais no momento da doação);
Estar em boas condições de saúde;
Pesar no mínimo 50 kg;
Não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
Após o almoço ou ingestão de alimentos gordurosos, aguardar 3 horas. Não é necessário estar em jejum;
Se fez tatuagem e/ou piercing, aguardar 12 meses. Exceto para região genital e língua (12 meses após a retirada);
Se passou por endoscopia ou procedimento endoscópico, aguardar 6 meses;
Não ter tido gripe ou resfriado nos últimos 30 dias;
Não ter tido Sífilis, Doença de Chagas ou Aids;
Não ter diabetes em uso de insulina;

❗ Consulte a equipe do banco de sangue em casos de hipertensão, uso de medicamentos e cirurgias.

Critérios específicos para o Coronavírus:
Candidatos que apresentaram sintomas de gripe e/ou resfriado devem aguardar 30 dias após cessarem os sintomas para realizar doação de sangue;
Candidatos que viajaram para o exterior devem aguardar 30 dias após a data de retorno para realizar doação de sangue;
Candidatos à doação de sangue que tiveram contato, nos últimos 30 dias, com pessoas que apresentaram diagnóstico clínico e/ou laboratorial de infecções pelos vírus Sars, Mers e/ou 2019-nCoV, bem como aqueles que tiveram contato com casos suspeitos em avaliação, deverão ser considerados inaptos pelo período de 30 dias após o último contato com essas pessoas;
Candidatos à doação de sangue que foram infectados pelos Sars, Mers e/ou 2019-nCoV, após diagnóstico clínico e/ou laboratorial, deverão ser considerados inaptos por um período de 30 dias após a completa recuperação (assintomáticos e sem sequelas que contraindique a doação).

Banco de Sangue de São Paulo
Unidade Paraíso: Rua Tomas Carvalhal, 711 – Paraíso – Tel.: (11) 3373-2000
Atendimento: segunda a sexta, das 8h às 17h, e sábado, domingo e feriados das 8h às 16h. Estacionamento gratuito Hotel Matsubara — Rua Tomas Carvalhal, 480

Dia Mundial da Saúde chama atenção para a conexão entre a saúde do planeta e da população

Em 2022, a OMS convida todos à reflexão sobre o impacto direto dos desafios ambientais na saúde das pessoas

Criado para celebrar o aniversário da fundação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Dia Mundial da Saúde apresenta, todos os anos, os principais tópicos a serem discutidos sobre a saúde da população global. Este ano, a temática “Nosso planeta, nossa saúde” convoca a todos a se questionarem sobre as consequências dos desafios ambientais, como a poluição do solo, da água e do ar, as mudanças climáticas e o manejo inadequado dos resíduos sólidos, na saúde e no bem-estar de todos. De acordo com o órgão, cerca de um milhão de mortes prematuras ocorrem, anualmente, devido a riscos ambientais evitáveis e conhecidos.

Há décadas, a Danone levanta a mesma bandeira por meio de sua missão “One Planet, One Health”, promovendo uma alimentação saudável para as pessoas enquanto gera impactos positivos em seu ecossistema. Como forma de apoiar esse movimento e propagar melhores e mais sustentáveis práticas de comer e beber ao maior número de pessoas possível, a companhia uniu forças à ONU Unitar e desenvolveu, por meio do Instituto das Nações Unidas para Formação e Pesquisa, um curso virtual que ajuda a população a entender como seus hábitos alimentares e escolhas diárias podem afetar a sua própria saúde e a do planeta. O e-learning gratuito “Dieta Sustentável”, disponível em português no site UN CC: e-Learn, ajuda as pessoas a adquirirem novas habilidades e conhecimentos para tornarem suas dietas mais equilibradas do ponto de vista nutricional e ambiental.

“Na Danone, acreditamos que o alimento não é apenas um produto, mas, sim, um poderoso catalisador das mudanças positivas para a sociedade em que vivemos. Por meio de nossa visão ‘One Planet, One Health’, queremos conscientizar a todos de que a saúde das pessoas e do planeta estão interligadas e que, ao adotarmos hábitos mais saudáveis, beneficiaremos também o meio ambiente” afirma Cibele Zanotta, diretora de Assuntos Corporativos da Danone Brasil.

O treinamento é composto por sete módulos que abordam desde a produção do alimento, trazendo informações sobre as melhores e mais modernas práticas de agricultura, ao consumo e desperdício de produtos e embalagens. Após a conclusão do curso, os participantes receberão um certificado e estarão aptos para aplicarem e disseminarem, com propriedade e segurança, melhores hábitos alimentares.

Foto: Foundry/Pixabay

“Estamos comprometidos em agregar conhecimento de qualidade às pessoas e aproximá-las de assuntos tão importantes como o acesso à alimentação, o valor nutricional dos alimentos e a sustentabilidade, de forma a incentivá-las a consumir com consciência e empatia”, conclui Cibele.

O treinamento “Dieta Sustentável” pode ser acessado gratuitamente no portal de cursos da ONU Unitar (UN CC: e-Learn), por meio do site.

Fonte: Danone

Brasileiros afirmam estar mental e fisicamente afetados em razão da pandemia, diz pesquisa

91% dos colaboradores declaram que seria bem-vinda a ideia de receber algum tipo de apoio que os ajudasse nessas frentes; Pesquisa foi feita em oito países, incluindo o Brasil

Os colaboradores das empresas brasileiras foram severamente impactos com o isolamento social imposto pela pandemia quando comparado com outros países. Dentre os entrevistados, 29% informam que a saúde mental está em nível abaixo do que o normal e 26% declaram queda também no bem-estar físico. No mundo, essa média cai para 15%.

Para 70% da amostra que afirmam estar com o bem-estar mental afetado, a principal causa está ligada à ansiedade gerada pela pandemia, enquanto 68% estão ansiosos a respeito do futuro e 52% preocupados com a sua saúde e com a das pessoas com quem convivem. Dentre aqueles que buscaram reagir diante do desafio, 30% escolheram a prática esportiva e 26% soluções médicas.

Já entre os que afirmam estar com o bem-estar físico afetado, 65% declaram que a razão é a prática de menos exercícios físico; 40% comem de forma menos saudável e 22% consomem mais bebidas alcoólicas. Essas são algumas das principais conclusões da pesquisa global O Futuro da Vida no Trabalho encomendada pela Sodexo em parceria com a Harris Interactive. A divulgação é comandada pela Sodexo Insights – plataforma da Sodexo Benefícios e Incentivos, que passa a ser oficialmente fonte de informação, tendências e análise para o mercado de benefícios.

Os dados do estudo revelam ainda que 91% dos trabalhadores gostariam de receber algum tipo de apoio de suas empresas nessas frentes. Entre os principais benefícios requeridos aparece em 1º lugar o plano de saúde, seguido da possibilidade de trabalhar de casa um ou dois dias da semana e, por fim, receber vouchers de refeições subsidiadas, cartões.

Quando questionados sobre como está a percepção dos trabalhadores em relação ao apoio das empresas, 25% dizem que não recebem equipamentos ou ferramentas necessárias para trabalhar de casa; 27% não têm programas de bem-estar; 30% dizem não receber suporte de saúde mental; 31% não têm benefícios ou programas de recompensa; 33% não têm subsídios para a compra de alimentos quando em home office; 35% não têm serviços de saúde ou de atividade física quando estão trabalhando de casa; 37% não têm serviço de creche para os filhos; e 39% não contam com subsídios de refeições prontas quando em home office.

Nesse contexto de pandemia, Renato Pelissaro, diretor de marketing e produtos da Sodexo Benefícios e Incentivos, alerta que se faz necessário às empresas voltarem seu ollhar ao que se refere ao universo da saúde de seus colaboradores e também às necessidades de infraestrutura para uma execução adequada do trabalho.

“Hoje é dever das companhias ofertarem benefícios que atendam o trabalhador em todas as suas necessidades que vai desde às de saúde física e mental, como o auxílio psicológico e acesso à alimentação de qualidade até incentivos direcionados ao home office, como por exemplo, a compra de uma cadeira adequada de trabalho. Quanto mais estruturado for esse ambiente de trabalho em casa, mais produtivo o colaborador será. E essa produtividade pode ser até melhor de quando se estava na empresa”, afirma Pelissaro.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa O Futuro da Vida no Trabalho foi encomendada pela Sodexo em parceria com a Harris Interactive em oito países: EUA, Inglaterra, Espanha, França, Austrália, Alemanha, China e Brasil. Ao total, foram entrevistadas 4.800 pessoas.

Brasil

Foram entrevistados 600 adultos inseridos no mercado trabalho local entre os dias 11 e 21 de junho de 2021. Os resultados trazem aprendizados que indicam comportamento social e respostas às demandas atuais da sociedade.

Fonte: Sodexo Insights

Travesseiro cervical é aliado contra dores no pescoço

Desenvolvido especialmente para garantir o alinhamento da nuca ao tórax, modelo pode ser a solução para quem sofre de problemas frequentes na região cervical

Quem nunca acordou com aquela dorzinha incômoda no pescoço? Segundo dados da Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP), as dores cervicais estão entre os problemas musculoesqueléticos mais comuns em todo o planeta, afetando de 30 a 50% da população. Porém, mais do que um simples incômodo, a entidade ainda alerta que este é um fator limitante para as atividades diárias de até 14% das pessoas. E se você sofre com esse mal, saiba que um item aparentemente simples pode fazer toda a diferença na sua qualidade de vida: o travesseiro.

Segundo Fernando Cataldo, especialista em colchões da Euro Colchões, a escolha equivocada do travesseiro pode trazer uma série complicações para a saúde, como dores intensas no pescoço, torcicolo e cefaleias, Além disso, as noites mal dormidas ainda resultam em falta de atenção e afetam a capacidade de movimentação dos membros superiores.

“Caso a pessoa faça uso prolongado de um produto inadequado, há o risco de desenvolver problemas ainda mais graves, como contraturas crônicas da cervical, cifose [desvio na coluna vertebral], cervicalgia e demais inflamações na região”, esclarece.

Por isso, quem sofre com dores cervicais deve sempre manter os olhos atentos aos sinais para saber se a origem do mal pode estar na escolha do travesseiro. Isso inclui reações como travamento do pescoço, rigidez e dores de cabeça prolongadas que começam pela nuca. Uma vez identificada a raiz, deve-se providenciar a troca imediata por um item mais adequado às necessidades do usuário, como os travesseiros cervicais.

“O grande diferencial deste modelo está no encaixe do pescoço na superfície, permitindo que a cabeça repouse de forma natural. Ao alinhar a nuca ao tórax, ele faz com que a função ortopédica seja realizada de maneira ideal. Contudo, é essencial que o colchão também acompanhe esse alinhamento”, destaca Cataldo.

Lançamento Euro

Pensando em atender aqueles que buscam se livrar das dores na região do pescoço ao dormir, a Euro Colchões lança seu travesseiro cervical. O modelo, que estará disponível em 10 unidades da rede, possui espuma de viscoelástico de alta durabilidade, é hipoalergênico e conta com uma capa em malha que proporciona toque macio, aliando acabamento visual e conforto. O produto pode ser usado a partir dos 10 anos, sendo indicado tanto para quem dorme de lado quanto para aqueles que repousam de barriga para cima.

Informações: Euro Colchões

Brasileiros consomem mais que o dobro de sal recomendado pela OMS

Indústrias alimentícias assinam termo de compromisso visando estabelecer metas nacionais e novo regulamento da Anvisa visa maior transparência nos rótulos

Aumento da pressão arterial – e, por consequência, da hipertensão -, problemas cardiovasculares, risco de AVC (acidente vascular cerebral), problemas renais, osteoporose e outras doenças relacionadas. Essas são alguns dos problemas que podem ser causados pelo excesso do consumo do sal, o mais democrático e polêmico dos temperos presente nas cozinhas – e pratos – dos brasileiros. Todavia, quando consumido em quantidade adequada, é fonte de minerais que participam de centenas de funções fisiológicas do corpo humano, sem que a falta dele pode causar distúrbio metabólico e endócrino, chamado hiponatremia.

Um alerta da OMS (Organização Mundial de Saúde) afirma que a população brasileira consome cerca de 12 gramas por dia de sal, ao passo que o recomendável para adultos sadios é o consumo máximo de 5 gramas (uma colher de chá). Dessa forma, o brasileiro tem consumido mais que o dobro de sal recomendado.

Atentos ao preocupante cenário, o Ministério da Saúde iniciou em 2011 um trabalho com indústrias de alimentos para assinatura de um termo de compromisso com a finalidade de estabelecer metas nacionais para redução do teor de sódio em alguns alimentos. Mais recentemente, a Anvisa publicou a Resolução n.º 429/2020 que obriga as marcas a declarar os compostos nutricionais dos alimentos em rotulagem frontal por meio de um selo de advertência. Todos os alimentos embalados que apresentarem alta concentração de sódio, gordura e açúcar deverão alertar sua composição, visando clareza de informações para o consumidor final. “O consumidor tem o direito de saber o que está presente em cada produto para, assim, escolher as opções mais saudáveis, evitando substâncias críticas quando consumidas em excesso”, defende a gerente de P&D da Jasmine Alimentos, Melissa Carpi.

Sal refinado, sal light e sal marinho: quais são as diferenças?

É importante esclarecer que sal e sódio não são a mesma coisa. “O sódio é um componente do sal e é essencial para o bom funcionamento do organismo. O tempero sal possui em sua composição cloro e sódio. Dessa forma, o sódio é uma das propriedades do sal. Detalhadamente, 1g de sal possui 400mg de sódio e 600mg de cloro”, explica Melissa.

O sal comum refinado é a versão mais pobre em micronutrientes, pois passa por um processo de alta temperatura que visa secar o sal a uma umidade bastante baixa e, com isto, perdem-se quase todos os microelementos. O sal light, por sua vez, é uma mistura de cloreto de sódio com cloreto de potássio e apresenta 50% menos sódio que o sal comum, muito recomendado pelos especialistas.

Já o sal marinho é um sal bruto, sem refino e bastante usado na alimentação funcional. Como não passa por refinamento, o sal nessa versão permanece com aproximadamente 84 elementos, dentre eles, enxofre, bromo, magnésio e cálcio, componentes importantes para o metabolismo e, também, para ativar a glândula tireoide. “O sal Atlantis Marinho da Jasmine preserva os oligoelementos e minerais, garantindo sabor e teor nutritivo aos alimentos”, complementa a gerente.

Sabor e saúde: uma equilibrada equação

A Jasmine Alimentos prioriza o uso de sal light em todos os produtos salgados do seu portfólio desde 2008. “O processo de pesquisa e tecnologias dentro do setor de P&D é feito com muita cautela. As principais dificuldades estão relacionadas às alterações no sabor, na textura, no aumento de custo dos produtos e, até mesmo, na conservação dos produtos, visto que o sal refinado é um conservante natural. Mas encontramos excelente equilíbrio entre ingredientes que garantem um produto salgado saboroso e com 50% menos sódio, ideal para a saúde”, comemora Melissa.

A Jasmine usa sal light em conjunto com realçadores de sabor naturais à base de extrato de leveduras que promovem um sabor agradável e muito próximo do sabor do sal comum. “Os extratos de levedura e aromas moduladores de sabor são boas alternativas para a redução de sódio”, complementa Melissa. Além de serem uma excelente alternativa natural ao sódio, os realçadores naturais melhoram o sabor dos alimentos e mantêm esse sabor por mais tempo na boca, aumentando a interação dos alimentos com as papilas gustativas e despertando a sensação de prazer ao comer.

“A Jasmine sempre atentou para a quantidade de sódio adequada e que não comprometa as recomendações dos estudos relacionados ao consumo de sódio versus manutenção da saúde. Antes mesmo da resolução do Ministério da Saúde em 2011, nossos produtos já continham níveis de sódio adequados”, alerta Melissa. Vale lembrar, entretanto, que uma dieta saudável com ingestão de pouco sal é a mais recomendável. “Nosso paladar é capaz de se acostumar com alimentos menos salgados. Uma dica é utilizar sabores alternativos como alho, cebolinha e vinagre. E evite deixar o saleiro na mesa ao alcance das pessoas”, finaliza.

Emagrecimento saudável: confira mitos e verdades

Trocar refeições por frutas emagrece? Água com limão funciona? Desvendamos algumas crenças sobre perder peso com saúde

Na teoria, emagrecer é simples: gastar mais energia do que foi ingerido ao longo do dia. No entanto, na tarefa de manter o déficit calórico, alguns mitos atrapalham o resultado final. Há mais de 35 anos à frente da Emagrecentro, rede especializada em emagrecimento saudável, o médico Edson Ramuth explica que, na maioria das vezes, a desinformação e a falta de acompanhamento profissional capacitado é a causa do desânimo em adotar uma alimentação mais nutritiva e adequada para o organismo.

Receitas milagrosas, chás, entre outras dicas circulam pela internet, mas será que funcionam? Conheça os principais mitos e verdades sobre emagrecimento saudável para não cair em fake news na hora de perder peso:

Água com limão emagrece? Bem gelada e no calor, a água com limão é uma delícia e faz muito bem para saúde, só que na prática ela sozinha não emagrece. Apesar de ser um mito, a fruta é rica em vitamina C e outros nutrientes que auxiliam na imunidade. Assim, apesar de não ajudar a perder peso, vale a pena manter este hábito para uma vida mais saudável.

Botswanayouth

Substituir refeições por frutas é saudável? Para quem busca um emagrecimento saudável, refeições exclusivamente de frutas podem deixar de fora macro e micronutrientes importantes para o corpo. Outro fator é que existem frutas com bastante carboidratos e calorias que podem atrapalhar, e muito, uma estratégia para perder peso.

Programas de emagrecimento funcionam? Verdade, desde que sejam realizadas em clínicas sérias e que se guiem em pesquisas científicas sobre emagrecimento saudável. Para ter ideia, o método 4 fases do Emagrecentro foi baseado em mais de 100 trabalhos científicos. O protocolo de cinco semanas, por exemplo, conta com check-up semanal para acompanhar a evolução da dieta e promover uma reeducação alimentar.

Chás emagrecem? Sozinhos, sem uma alimentação saudável, os chás não emagrecem. Apesar disso, uma infusão de hortelã, hibisco e camomila, por exemplo, podem colaborar com o bem-estar e a saúde, além de ajudar no controle da compulsão alimentar ou a saciar a vontade de comer doces. No entanto, é preciso tomar cuidado com receitas milagrosas, já que elas não existem, e com a dosagem e a frequência do consumo.

Fonte: Emagrecentro