Arquivo da tag: alimentação saudável

Aposte na alimentação saudável para manutenção de um humor estável

Como os alimentos que consumimos têm influência no nosso humor diário, nesse momento de pandemia é fundamental fazer boas opções para evitar alimentos com altos índices de açúcares que promovem melhora apenas a curto prazo

Aqueles que tiveram sua rotina afetada pelo isolamento social para diminuição do contágio com o Novo Coronavírus sabem que a ansiedade tem afetado demais o humor. “O isolamento social impõe alterações importantes na rotina das pessoas, principalmente com relação às atividades fora de casa, como trabalhar, encontrar outras pessoas, ir à academia, essas são maneiras de distrair a mente e criar estímulos. O fato de ficarmos sem todas estas atividades faz com que a mente seja menos estimulada. Isso somado às incertezas acerca do futuro e das consequências da pandemia, é natural que a ansiedade aumente sobretudo em quem já tem predisposição”, afirma o cirurgião plástico Paolo Rubez, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University.

Alimentos-que-auxiliam-a-digestao

Mas a novidade é que dá para amenizar a situação com uma alimentação saudável: “Todos sabemos que uma alimentação equilibrada é imprescindível para a construção de uma saúde perfeita. Além disso, temos ciência também que a alimentação possui influência sobre o nosso humor”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Rubez explica que a ansiedade e a depressão são interligadas. “Os pensamentos causados pela ansiedade normalmente são relacionados às incertezas e inseguranças e, portanto, é normal que promovam impacto negativo no humor, podendo, consequentemente, desencadear ou agravar a depressão”, diz o cirurgião plástico.

Já para a médica nutróloga, pesquisas recentes sugerem que não apenas os alimentos que comemos afetam o nosso humor, mas também o nosso humor pode influenciar na escolha dos alimentos que comemos. “Os nutrientes encontrados em alimentos saudáveis trabalham para que o sistema nervoso e trato gastrointestinal produzam serotonina, popularmente conhecido como hormônio do bem-estar, de forma sustentada. Os alimentos com altos índices de açúcar (doces e carboidratos farináceos), por sua vez, aumentam a energia e promovem uma melhora a curto prazo, mas os efeitos positivos são passageiros”.

Segundo Marcella, existem alguns alimentos saudáveis que estimulam a produção do neurotransmissor: “A banana é rica em carboidratos que estimulam a serotonina, além da vitamina B6, que promove energia; o brócolis é rico em ácido fólico, que ajuda a liberar serotonina e renova as células; o espinafre e as folhas escuras, por serem ricas em magnésio, aumentam a produção de energia e possuem potássio e vitaminas A, C e do complexo B, que mantêm o sistema nervoso em tranquilidade; sementes de girassol e abóbora também são ótimas opções, já que ajudam a regular o sono que, por consequência, melhora o humor”, recomenda.

Segundo a médica, também é fundamental verificar se a escolha da alimentação não está sendo afetada pelo mau-humor ou ansiedade, já que alguns recentes estudos mostram que as pessoas com um estado de espírito negativo têm maiores probabilidade de escolher alimentos açucarados, gordurosos ou excessivamente salgados, do que alimentos nutritivos.

cozinhar

“Esses alimentos, apesar de contribuírem para uma melhora momentânea do humor, podem gerar, posteriormente, sentimentos indesejados como a culpa, causando degradação ainda maior do estado de espírito. Para evitar esse círculo vicioso, uma boa estratégia é apostar na alimentação saudável, com inclusão de frutas, verduras e legumes, e realizar atividade física moderada e regularmente; isso, além de trazer benefícios à saúde e contribuir para a produção dos hormônios que causam bem-estar, ajuda no controle ao consumo dos alimentos pobres nutricionalmente”, explica a nutróloga.

“A prática de alguma atividade física, mesmo em casa, gera a liberação de neurotransmissores responsáveis pelo bem-estar”, acrescenta Garcez.

Por fim, a nutróloga ressalta que, nesse momento, o ideal é realizar acompanhamento nutrológico com um médico capacitado e preferencialmente membro da Associação Brasileira de Nutrologia, pois ele fará um plano de alimentação e suplementação de acordo com as necessidades de cada paciente.

Fontes:
Marcella Garcez é médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de SP.
Paolo Rubez é cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS) e da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS). Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina da Unifesp. Especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University, com o Dr Bahman Guyuron (em Cleveland – EUA) e em Rinoplastia Estética e Reparadora, pela mesma Universidade, e pela Escola Paulista de Medicina/Unifesp.

Saiba mais sobre os nutrientes das frutas que estão na época em junho

Alimentar-se com frutas da época é mais fácil, econômico e saudável, pois os alimentos são mais facilmente encontrados nos estabelecimentos comerciais com preço bem acessíveis. Além disso, frutas como caqui, tangerina poncã e mamão papaia são saborosas e muito ricas em diversos nutrientes que fortalecem nosso corpo.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro) traz informações sobre os nutrientes encontrados em diversas frutas que estão na safra em junho:

Caqui

caquis
O caqui é fonte de vitaminas E e C e minerais, como fósforo. Além disso, é rico em betacaroteno, precursor da vitamina A, um importante antioxidante que auxilia na visão e na manutenção da pele e das unhas saudáveis. A época dessa fruta é de março a maio, e, nesse período, o preço é mais acessível e a qualidade nutricional é melhor, então, que tal aproveitar e incluir esse delicioso alimento no seu cardápio?

Carambola

carambola pippalou
Foto: Pippalou/MorgueFile

A fruta é rica em fibra, que auxilia na boa digestão e evita a absorção do colesterol ruim pelo intestino, além de conter antioxidantes naturais, principalmente vitamina C, que ajudam a desenvolver resistência contra agentes infecciosos e combatem os radicais livres que causam envelhecimento precoce. É fonte de vitaminas do complexo B, como tiamina, riboflavina e piridoxina, que ajudam no metabolismo, de potássio, fósforo, zinco e ferro, auxiliando no bom funcionamento do organismo. Pode ser consumida in natura, em bolos, tortas, saladas entre outras preparações.

Limão

limao Shutterbug75 por Pixabay
Shutterbug75/Pixabay

O limão é uma fruta cítrica que contém vitaminas do complexo B e vitamina C, através disso têm propriedades antioxidantes e anticancerígenas. Auxilia também no fortalecimento do sistema imunológico. Toda a fruta, polpa, suco, casca e raspas, são utilizados para fins culinários de diversas formas.

Maçã

maças A maçã é uma fruta rica em antioxidantes, água e vitaminas. Pode ser consumida in natura, salada de frutas, pães, bolos, tortas, sucos e vitaminas, de preferência com casca. Possui pectina, uma fibra solúvel que auxilia na diminuição do colesterol sanguíneo e no bom funcionamento intestinal, além de apresentar baixo índice glicêmico.

Mamão Papaia

papaya mamao maduro semente pixabay
Pixabay

É rico em vitaminas, principalmente a vitamina C que é antioxidante, auxilia no combate aos radicais livres e fortalece o sistema imunológico e a vitamina A, que é importante para a saúde da pele e da visão. As fibras encontradas em grande quantidade, ajudam no bom funcionamento intestinal. O mamão pode ser consumido in natura ou em vitaminas, bolos e doces.

Tangerina Poncã

tangerina ponca

A fruta é rica em vitamina C, que auxilia no fortalecimento do sistema imunológico e combate aos radicais livres, prevenindo o envelhecimento precoce. É fonte de fibras, que ajudam a manter o bom funcionamento intestinal. A tangerina também contém minerais como ferro, cálcio, magnésio e potássio. A fruta é versátil e pode ser utilizada na culinária em bolos, tortas, saladas e, na sua melhor forma, in natura.

Tortinhas diet de maçã

tortinha de maçã cozinha travessa
Foto meramente ilustrativa /Cozinha Travessa

Ingredientes
3 maçãs vermelhas (400g)
1 xícara (chá) de água (200ml)
1 colher (sopa) de suco de limão (10ml)
1 xícara (chá) de adoçante granular (25g)

Modo de Preparo
Descasque as maçãs e corte em fatias finas. Coloque-as em uma tigela com água e suco de limão. Acrescente o adoçante e leve ao fogo baixo até que amoleçam. Escorra-as, reservando ½ xícara (chá) do caldo de maçãs.

Creme

Ingredientes
2 colheres (sopa) de farinha de trigo (20g)
½ xícara (chá) de caldo do cozimento das maçãs (100ml)
2 colheres (sopa) de adoçante granular (10g)
1 lata de creme de leite light (290g)

Modo de Preparo
Dissolva a farinha de trigo no caldo das maçãs. Adicione o adoçante e leve ao fogo até engrossar. Por último, acrescente o creme de leite light e as maçãs reservadas.

Farofa

Ingredientes
1 xícara (chá) de farinha de trigo (120g)
½ xícara (chá) de adoçante granular (15g)
2 colheres (sopa) de margarina light (40g)
½ colher (sopa) de fermento em pó (5g)
1 colher (sopa) de canela em pó (10g)

Modo de Preparo
Misture em uma tigela todos os ingredientes e mexa com os dedos até obter uma farofa. Reserve.

Montagem
Unte com margarina forminhas de empada. Espalhe uma camada de farofa, uma do creme com as maçãs e termine com a farofa. Leve ao forno médio (180°C) por 30 minutos ou até que dourem.

Tempo de preparo: 40 minutos
Rendimento: 18 porções
Peso da porção: 20g
Valor calórico por porção: 84,5Kcal

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo 

Você sabia que a alimentação pode interferir na saúde dos olhos?

Especialista explica como uma dieta equilibrada é capaz de cuidar da nossa visão

Muito se fala a respeito de doenças cardiovasculares e diabetes, entre outros diagnósticos mais populares, que podem ser prevenidos com a adoção de hábitos saudáveis e uma boa alimentação. Mas você sabia que a inserção de uma dieta equilibrada no dia a dia é capaz de cuidar também da saúde dos olhos, prevenindo catarata, cegueira noturna, síndrome do olho seco, entre outros sintomas?

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no Brasil, mais de 35 milhões de pessoas, ou 19% da população, sofrem com algum problema de visão. Para não fazer parte ou contribuir para o aumento desta estatística é importante que as pessoas passem a compreender o real valor nutricional de tudo o que consomem.

thumbnail coceira olhos
Thumbnail

Ana Carolina Pallottini, consultora em nutrição da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), explica que as vitaminas A e C ajudam a fornecer nutrientes para o bom funcionamento das células dos nossos olhos.

MANGA FRUTA Steve Buissinne por Pixabay
Steve Buissinne/Pixabay

“Presentes em alimentos com coloração alaranjada, como mamão, manga e cenoura, a vitamina A auxilia na proteção da retina dos olhos”, destaca. Quando o organismo está com deficiência desta vitamina, a chamada cegueira noturna, que é a diminuição da visão em locais com menos luz, pode aparecer.

brocolis

Já os alimentos com coloração verde-escura são ricos em vitamina C. “Brócolis, couve e espinafre, por exemplo, são ótimos antioxidantes naturais, que facilitam a visão à distância e melhoram a percepção de brilho, além de estimular a produção de sangue aumentando a quantidade de oxigênio recebido pelas células dos olhos”, completa Ana Carolina.

Diabetes também podem levar a cegueira. Pessoas com diabetes precisam se atentar ao índice glicêmico dos alimentos, medida que representa o quão rapidamente os carboidratos são absorvidos pelo organismo.

PAO INTEGRAL klacomas por Pixabay
Klacomas/Pixabay

“Optar pela versão integral de massas, pães e biscoitos, por exemplo, é uma ótima ideia. Ainda mais quando estão aliados a molhos e acompanhamentos ricos nas vitaminas que mencionamos acima, bem como em ômega 3, que ajuda a lubrificar os olhos e mantém a integridade das células da retina, zinco, indicado para a prevenção de cegueira noturna, e cobre, que evita degeneração macular. Por isso, a escolha do cardápio deve ser balanceada, com todos os grupos alimentares”, finaliza.

Fonte: Abimapi

Dez fatos sobre alimentação que boa parte das pessoas não conhece

Um tema mais complexo do que muitas pessoas imaginam, por isso é importante estar informado sobre o assunto e realizar acompanhamento profissional

Você realmente entende a importância da boa alimentação? A maioria das pessoas se alimenta de forma intuitiva e acaba negligenciando uma nutrição saudável e seu papel na construção de uma boa qualidade de vida e na prevenção de diversas doenças.

“Uma dieta equilibrada e rica em diversidade de alimentos é responsável por uma série de benefícios, principalmente fornecendo ao organismo energia para as atividades diárias, inclusive cerebrais, e fortalecendo o sistema imunológico”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e docente da Associação Brasileira de Nutrologia.

A especialista traz algumas questões que são desconhecidas por grande parte da população:

Variedade de alimentos é o fator mais importante para uma boa nutrição do organismo: ter uma dieta alimentar diversificada ajuda a manter os nutrientes ideais para o corpo. Quanto maior a variedade de cores, maior a quantidade de nutrientes, favorecendo a manutenção da saúde e prevenção de doenças. A Dra Marcella dá algumas dicas de bons alimentos para adicionar em sua dieta e revela em quais nutrientes eles são ricos.

agriao
Foto: Theproduceguide

*Alimentos verde escuros: espinafre, brócolis, alface, agrião, couve. Fonte de fibras, betacaroteno, ferro, ácido fólico, vitamina K e clorofila.

vitamina_a frutas legumes amarelos laranja
*Alimentos alaranjados: mamão, caju, damasco, caqui. Fontes de betacaroteno (pré vitamina A), vitamina A e vitamina C.

shutterstock morangos
Shutterstock

*Alimentos vermelhos: morango, tomate, cereja, melancia, goiaba. Fontes de licopeno, antocianinas e vitamina C.

jabuticaba pixabay
Pixabay

*Alimentos roxos: uva roxa, ameixa, mirtilo, jabuticaba, açaí, berinjela. Fontes de antocianina e resveratrol.

cevada - pixabay
Cevada – Foto: Pixabay

*Alimentos marrons: nozes, castanhas, cevada, centeio, leguminosas (grão de bico, feijão, lentilha, soja), cereais integrais. Fontes de selênio, vitamina E e vitaminas do complexo B.

Moderação é a chave: tratando-se de nutrientes, moderação é o ato de evitar extremos ou encontrar um meio termo com a aplicação de conhecimentos e habilidades nutricionais na vida cotidiana. “Quando você adquire uma consciência alimentar e começa a ser naturalmente moderado, torna-se desnecessário realizar dietas excessivamente restritivas. Conhecendo o seu corpo, seus limites e adquirindo o hábito de se alimentar da forma como o seu corpo precisa, o risco de intercorrências relacionadas à alimentação diminui de forma considerável”, diz.

mulher checando embalagem rotulo

Natural não significa necessariamente saudável: a nutróloga explica que um alimento pode ser natural, orgânico, sem glúten, mas rico em açúcar ou gordura, pobre em fibra etc. Desse modo, não se pode dizer que natural signifique sempre saudável. “Por isso é muito importante que o consumidor leia sempre os ingredientes que compõe o alimento”, ressalta.

Apenas um único alimento ou nutriente nunca é o problema: “É improvável que um alimento sozinho cause problemas de saúde ou seja o único responsável em um caso de aumento de peso. Se há um problema causado por hábitos alimentares, muito provavelmente é pelo conjunto e não pela ingestão de apenas um alimento em específico. Uma exceção é no caso de alergias e intolerância, nas quais, de fato, uma substância presente em um alimento pode trazer problemas e, portanto, deve ser eliminado completamente da sua dieta.”

alimentacao alimentos frutas verduras legumes

Comer alimentos é mais nutritivo do que tomar vitaminas ou suplementos nutricionais: “Os suplementos nutricionais podem ser úteis, entretanto não substituem um hábito alimentar adequado, os alimentos são as melhores fontes de nutrientes importantes para a saúde. Todas essas substâncias vegetais (por exemplo, polifenóis) não aparecem em suplementos nutricionais. Por isso, o uso de vitaminas e suplementos podem ser extremamente benéficos e, se usados, devem ser feitos sob a prescrição de um profissional especializado. Mas o uso jamais deve substituir a alimentação.”

Os carboidratos não te fazem necessariamente engordar: carboidrato é o nutriente mais importante para o fornecimento de energia para o organismo e funções do cérebro. A Dra. Marcella explica que, sem o carboidrato, as funções vitais ficam prejudicadas e, em geral, o corpo tende a armazenar um estoque extra de gordura. “Os carboidratos consumidos na sua porção certa e de boa qualidade – como integrais, raízes, cereais, feijões, legumes e verduras – não engordam e geram benefícios ao organismo”, complementa.

dieta proteica alimentos proteina

A proteína é um macronutriente importante para manter as estruturas funcionais do corpo e ajudar na perda de peso: “Carboidratos, proteínas e gorduras, em equilíbrio e associados a bons hábitos, como boa noite de sono e atividade física, são o grande segredo para o emagrecimento. A qualidade e redução das porções de carboidratos podem ser uma estratégia na redução de peso. As proteínas de boa qualidade são necessárias para manutenção da massa magra e as gorduras boas importantes para promover saciedade, aumentar absorção de nutrientes necessários no processo, e garantir a formação de hormônios também importantes na fisiologia do emagrecimento.”

Comer rápido é prejudicial: a nutróloga explica que comer rápido e não mastigar o suficiente faz com que o estômago não tenha tempo de enviar sinais ao cérebro de que está cheio e que é momento de parar. Assim, essa prática pode ter consequências como o aumento de peso, má digestão, barriga inchada, aumento do risco de doenças cardíacas e aumento do risco de diabetes.

alimentacao ovo

Ovos fazem bem à saúde: “O ovo é um alimento rico em proteínas, vitaminas e minerais, e traz diversos benefícios à saúde, como: fortalecimento dos músculos, por ser rico em albumina; ajuda a prevenir catarata e perda de visão, pois contém vitamina A, luteína e zeaxantina, substâncias essenciais para a saúde dos olhos; ajuda no emagrecimento, por ser rico em proteínas e por dar a sensação de saciedade após a refeição; mantém a saúde dos ossos, por conter cálcio e fósforo; previne anemia, devido ao ferro e fortalece o sistema nervoso e aumenta a produção de sangue, por conter vitamina B12”, afirma Marcella, que complementa: “Embora os ovos contenham colesterol, eles não aumentam significativamente o colesterol LDL como as gorduras saturada e gorduras trans. Sendo assim, consumir até 6 ovos por semana não aumenta o risco de doença cardiovascular em indivíduos saudáveis.”

mulher medico getty
Getty Images

Acompanhamento nutrológico deve ser prioridade: a nutrologia estuda, pesquisa e avalia os benefícios e malefícios causados pela ingestão de nutrientes, aplicando este conhecimento para a avaliação das necessidades orgânicas de cada indivíduo, visando a manutenção da saúde e redução de riscos de doenças, assim como o tratamento das manifestações de deficiência ou excesso. “O acompanhamento do estado nutricional do paciente permite ao nutrólogo atuar no diagnóstico, prevenção e tratamento destas doenças, contribuindo na promoção de uma longevidade saudável, com melhor qualidade de vida. O médico nutrólogo é o profissional apto para prescrever remédios e suplementos para o controle dessas patologias e solicitar exames laboratoriais para elucidação diagnóstica. Além disso, cabe ao nutrólogo também montar uma dieta individualizada a partir da análise dos nutrientes no organismo, ensinar hábitos mais saudáveis e indicar os nutrientes corretos em suas devidas proporções para uma melhora na qualidade de vida. Por isso, um acompanhamento permanente com um profissional nunca deve ser colocado em segundo plano, pois é essencial para manter uma boa qualidade de vida”, finaliza.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Consumo de legumes, frutas e hortaliças ganha ainda mais importância no inverno

De acordo com a nutricionista Angela Hayashi, a ingestão de vitaminas C, E e K auxilia na defesa do organismo, principalmente durante o isolamento social

As mudanças de hábitos durante o período de quarentena têm sido inevitáveis, ainda mais no que se refere ao consumo de alimentos . No entanto, é fundamental que as refeições do dia a dia sejam ricas em vitaminas para fortalecer o sistema imunológico, sobretudo, nessa época em que as pessoas estão buscando a preservação de sua saúde . Outro fator relevante para a adoção de hábitos saudáveis é o início do inverno, período que favorece o surgimento de algumas doenças, como as respiratórias, especialmente pela baixa umidade do ar, alterações bruscas de temperatura e ambientes fechados.

Mas, cuidar da alimentação é importante em qualquer época do ano e fase da vida, principalmente, durante este período de isolamento social, pois nosso cotidiano foi modificado, o que aumenta a importância do consumo de alimentos saudáveis.

organicos legumes

“É essencial cuidar do corpo e manter a imunidade alta e, por isso, é recomendável o consumo de vitaminas C, E e K, presentes em alimentos como abacaxi, laranja, cenoura, mamão, abacate, brócolis, espinafre, batata doce, mandioquinha, beterraba e oleaginosas. Eles auxiliam nas defesas para infecções e invasores como vírus e bactérias”, explica a nutricionista Angela Hayashi.

Especialista em nutrição clínica, funcional e pediátrica, ela reforça que o consumo diário de frutas (in natura ou não), hortaliças e legumes pode fortalecer o sistema imunológico. Segundo Angela, é importante ter, no mínimo, três refeições diárias bem equilibradas, considerando duas porções de legumes e hortaliças (almoço e jantar) e uma fruta para acompanhar.

frutass

O açúcar das frutas ajudará na manutenção da saciedade e reduzirá a vontade de consumi-lo além do necessário. “A ansiedade faz com que se consuma mais carboidratos do que seu corpo tem necessidade, manter uma dieta equilibrada ajudará a ter uma vida mais saudável”, explica.

banana-pixabay

Algumas empresas também têm olhado para o tema com atenção. A Yara, por exemplo, líder mundial em nutrição de plantas, iniciou no último mês a campanha “Nutrição para você”, com uma série de vídeos curtos voltados ao consumidor final, que incentiva o consumo de produtos de hortifrúti, explicando o benefício de cada alimento, como a banana, que é rica em potássio, um mineral crucial para a função cardíaca, que ajuda na digestão e nas funções musculares .

“Com o início da pandemia, temos visto uma baixa no consumo desses produtos, fator prejudicial não só para os agricultores, mas também para a população, dada a importância desses alimentos para a saúde. Um de nossos pilares na Yara é compartilhar conhecimento, e estamos usando essa ferramenta de informação para ajudar os dois elos dessa cadeia”, afirma Lucied Marques, diretora responsável pela área de Hortaliças, Frutas e Flores na Yara Brasil. Os vídeos estão disponíveis em todas as redes sociais da empresa. Para assistir, clique aqui.

Fonte: Yara

Inclusão de flavonóis na dieta pode estar ligado a menor risco de desenvolver Alzheimer

O estudo publicado no final de janeiro na revista Neurology apontou que idosos que ingeriram grande quantidade de flavonóis apresentaram um risco 48% menor de desenvolver Alzheimer. Entre as fontes mais ricas de flavonóis estão couve, feijão, espinafre, maçã, azeite e molho de tomate

Com certeza você já ouviu falar dos flavonoides e de suas propriedades farmacológicas atuantes em nosso organismo, capazes de trazer inúmeros benefícios à nossa saúde. No entanto, há uma subclasse deles, chamada flavonóis, que também é benéfica para a saúde. Em estudo publicado no dia 29 de janeiro deste ano, na revista Neurology, foram encontradas evidências de que a adição frequente deste componente à dieta está associada a um risco significativamente menor de desenvolver a doença de Alzheimer.

molho_de_tomate

“Sabe-se que várias classes de flavonoides, incluindo os flavonóis, têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. No entanto, é a primeira vez que algum estudo relaciona os flavonóis separadamente a um menor risco de desenvolver a Doença de Alzheimer (DA). Entre as fontes mais ricas de flavonóis estão alimentos como couve, feijão, espinafre, maçã, azeite e molho de tomate”, afirma Marcella Garcez, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

No estudo, os pesquisadores do Rush University Medical Center, em Chicago, avaliaram 921 participantes do Projeto Rush Memory and Aging Project (MAP), que começou em 1997 e inclui idosos da comunidade que vivem na área de Chicago. A idade média dos participantes foi de 81 anos e todos estavam livres da doença neurológica no início do estudo.

A maioria (75%) dos participantes eram mulheres e todos foram submetidos a avaliações neurológicas anuais e avaliações alimentares. Um total de 220 participantes desenvolveram doença de Alzheimer ao longo de um seguimento médio de 6 anos. Aqueles que ingeriram a quantidade máxima de flavonol tiveram um risco 48% menor de desenvolver Alzheimer em comparação aos que ingeriram quantidade muito baixa do componente.

omega-3

Três dos quatro flavonóis (kaempferol, micricina e isorhamnetina) foram associados a um risco menor de desenvolvimento da doença e apenas a ingestão de quercetina na dieta não foi associada a um risco substancialmente reduzido da patologia. Segundo Marcella, um fator importante do estudo foi que os investigadores fizeram ajustes para conseguir descartar que outros componentes tenham sido contribuintes para essas descobertas. Por exemplo, foi descoberto pelos pesquisadores a ingestão de vitamina E, gordura saturada, folato e ácidos graxos ômega-3 não alterou materialmente as estimativas de risco de DA, o que reforça a evidência da importância dos flavonóis.

Os pesquisadores, porém, observam que os resultados são apenas associações e não necessariamente causalidade, sendo necessário que os estudos se tornem ainda mais abrangentes e conclusivos. Marcella concorda: “O avanço que a pesquisa trouxe é importantíssimo. Como as opções de tratamento e prevenção da doença neurológica ainda não são viáveis, pequenas descobertas são coisas muito relevantes. Mas ainda é preciso descobrir por meio de quais mecanismos biológicos específicos os flavonóis estão trabalhando em nosso corpo”, pondera.

flavonoides alimentacao frutas legumes

No entanto, a médica diz que o resultado dos estudos reforça a ideia de que se alimentar bem e se exercitar fisicamente sempre é benéfico. “Mesmo que não sejam os flavonóis os responsáveis por essa redução de quase 50% no risco de desenvolver Alzheimer, percebemos que um padrão alimentar rico em alimentos e vegetais específicos, de alguma forma, possui relação com a menor incidência. Além disso, exercícios físicos aliados a uma dieta saudável traz benefícios e minimizam o risco de outras inúmeras doenças, por isso é essencial praticá-los e realizar acompanhamento nutrológico para que um plano alimentar adequado seja seguido”, finaliza.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Herbalife Nutrition inova no mercado de bebidas proteicas com Protein Coffee

O produto é prático para ser consumido na hora do lanche ou como pré-treino, oferece 16g de proteína e 94 calorias

A Herbalife Nutrition apresenta uma nova maneira de tomar o café do dia a dia e ainda consumir proteína: o Protein Coffee. A novidade passa a integrar o portfólio da marca líder em suplementos de fibras e shakes substitutos parciais de refeição no Brasil que, neste ano, comemora 40 anos no mundo e 25 anos no país.

Prático e delicioso, o Protein Coffee traz o tradicional café, tão amado pelos brasileiros, com um toque de caramelo, em uma fórmula rica em proteína por trazer whey protein (proteína de soro do leite) e caseinato de cálcio. Dessa maneira, o produto oferece 16 gramas de proteínas por porção, conhecidas por contribuírem para a manutenção e o ganho de massa muscular, além de promover maior saciedade, e apenas 94 calorias. A novidade ainda conta com cacau em pó, ingrediente rico em antioxidantes, é livre de glúten e fonte de vitaminas A e D.

O produto é vendido em embalagem com 15 sachês de porções individuais de 24g fáceis de carregar para qualquer lugar e pode ser preparado quente ou frio para consumir na hora do lanche ou no pré-treino. Basta misturar o sachê em 200 ml de água fria na shakeira (coqueteleira) ou usar um mixer ou liquidificador se a água estiver quente*.

O Protein Coffee chega para incrementar o portfólio da Herbalife Nutrition que conta com mais de 25 diferentes produtos com proteínas de alto valor biológico, como os famosos Shakes da marca, encontrados em diversos sabores, os suplementos de proteína pós-treino, as bebidas com colágeno e proteínas vegetais, as sopas, os crispies de proteína (Protein Crunch) e as barras, entre elas, a Barra Crunch, lançada recentemente, que oferece 13g de proteína.

protein coffee

Protein Coffee (Suplemento Alimentar De Proteínas Em Pó Sabor Caramelo)
Preço sugerido: caixa com 15 sachês de 24 gramas: R$ 155,00** / preço médio por unidade (24g): R$ 10,33.

• 94 calorias
• 16g de proteínas por porção
• Sem glúten
• Baixo teor de gorduras saturadas

protein coffee 2

Consumidores participantes do programa Cliente Premium podem ter descontos progressivos que variam entre 14% e 34%.
* Recomenda-se água não fervente e a utilização de mixer ou liquidificador para evitar possíveis acidentes devido a formação de vapor e aumento da pressão interna no recipiente de preparo .
*Preço sugerido para o Estado de São Paulo sem frete.

Informações: Herbalife Nutrition

Alimentos saborosos para se incluir na dieta e auxiliar na imunidade

Uma refeição equilibrada é fundamental para manter o sistema imunológico em dia e ainda evitar gripes, resfriados e doenças que podem prejudicar o funcionamento adequado do organismo. Especialmente nessa época do ano, com a chegada do inverno, o corpo exige mais cuidados, por isso, é importante escolher alimentos ricos em nutrientes e antioxidantes.

A nutricionista do Comitê Umami, Graciela Vargas, separou uma lista de alimentos que podem ajudar a garantir maior resistência. De acordo com a nutricionista, optar por determinados ingredientes pode ajudar a proteger as células do organismo, evitando a invasão de vírus e bactérias.

“Escolher ingredientes que conferem o umami, o quinto gosto básico do paladar humano, é uma ótima opção. Além de deixar o prato mais saboroso, o umami oferece muitos benefícios, como o aumento da salivação e o prolongamento do sabor, que interferem diretamente na aceitação alimentar, na manutenção da higiene bucal e na digestão de proteínas”, explica a nutricionista.

Confira os alimentos que merecem mais atenção nesse momento:

Frutas cítricas

frutas citricas
A nutricionista destaca que as frutas são alimentos ricos em vitaminas e elementos naturais que ajudam o organismo a criar anticorpos necessários. “Especialmente laranja e tomate, que são ricos em vitamina C e antioxidante, são ótimos para criar uma barreira de defesa nas células. O umami, presente no tomate, aumenta a salivação, permitindo que as proteínas sejam mais facilmente digeridas no estômago. Além disso, ele é um ingrediente muito versátil, é possível comer cru, cozido, frito e até assado”, comenta Graciela.

Vegetais verdes-escuros

brocolis
Vegetais são fontes de nutrientes essenciais para o organismo. Segundo Graciela, eles são um dos maiores responsáveis pela defesa do corpo humano. “Brócolis e espinafre, por exemplo, são ricos em ácido fólico que ajudam na formação de hemácias e produção de novas proteínas”, ressalta.

Alimentos ricos em zinco

leguminosas
A nutricionista destaca que alimentos leves e frescos contribuem para que a defesa do organismo seja ainda mais eficiente. “Cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas, como feijão, lentilha, ervilha e grão-de-bico são ricos em zinco, atuando diretamente no sistema imune e prevenindo infecções. Além disso, são opções que podem ser preparadas em uma sopa ou como acompanhamento para uma refeição, garantindo uma alimentação completa, versátil e muito saborosa”, sugere.

Alimentos fontes de ômega-3

salmao azeite oleaginosas abacate
Além de auxiliarem na redução de inflamações e regularem a coagulação sanguínea, Graciela destaca outras funções que podem provocar reações no organismo. “Alimentos com ômega-3, como peixes, sementes, salmão e óleos vegetais promovem diferentes benefícios, como melhora da função cardíaca e pressão arterial, além de ajudar no combate a alergias e asma”, ressalta.

Fontes antioxidantes

tomate cogumelos champignon
Os antioxidantes são elementos primordiais para a saúde. São eles que retardam o envelhecimento das células e previnem uma série de doenças. Graciela afirma que a boa notícia é que eles podem ser facilmente encontrados e estão em muitos alimentos consumidos. “Os cogumelos, por exemplo, estão cheios de antioxidantes com potencial antienvelhecimento. Eles são muito populares na culinária oriental e estão ganhando cada vez mais espaço no cardápio brasileiro. Aqui no Brasil, o mais conhecido é o champignon, muito utilizado nas preparações de estrogonofe e massas”, finaliza.

Umami

INFO_ESCALA_UMAMI
Portal Umami

É o quinto gosto básico do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda. Foi reconhecido cientificamente no ano 2000, quando pesquisadores da Universidade de Miami constataram a existência de receptores específicos para este gosto nas papilas gustativas. O ácido glutâmico e os nucleotídeos inosinato e guanilato são as principais substâncias umami. As duas principais características do umami são o aumento da salivação e a continuidade do gosto por alguns minutos após a ingestão do alimento.

Fonte: Portal Umami

Dia dos Namorados: alimentos afrodisíacos e como podem ajudar no desempenho sexual

Saiba o que a ciência diz sobre a relação entre alimentação e saúde sexual, principalmente no que diz respeito aos alimentos que podem atuar como estimulantes

Afrodite é conhecida como a deusa grega do amor e seu legado também ficou caracteristicamente marcado por um grupo de alimentos conhecidos como afrodisíacos. “Os alimentos que provocam nossos sentidos, como cheiro, gosto, textura ou até a própria estética, são considerados afrodisíacos por aguçar a imaginação, proporcionar mais experiência e, assim, aumentar o desejo sexual. Há também medicamentos e fitoterápicos afrodisíacos, que ajudam a despertar o instinto sexual, induzindo o desejo e aumentando o prazer e o desempenho”, explica Marcella Garcez, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia.

“Apesar de muitos alimentos terem atividades funcionais, eles não fazem milagres”, acrescenta. Em muitos casos os alimentos podem ajudar o desempenho sexual, mas no caso de disfunções (dificuldade em qualquer estágio do sexo – incluindo desejo, excitação ou orgasmo) é necessário buscar ajuda médica especializada, segundo a nutróloga.

Os alimentos afrodisíacos têm substâncias derivadas de plantas, animais ou minerais, e estão divididos em dois grupos: aqueles que causam estímulos psicofisiológicos (preparativos visuais, táteis, olfativos e auditivos) e preparações internas (alimentos, bebidas alcoólicas e poção do amor).

gettyimages casal chocolate
Getty Images

De acordo com a médica, a ciência relaciona há anos os hábitos alimentares e o desempenho sexual. “A obesidade tem uma influência negativa na fertilidade masculina, enquanto a perda de peso melhora essa questão em homens. A insuficiência alimentar está associada a comportamentos de risco sexual aumentados, mais significativos em mulheres. Em relação aos macronutrientes e alimentos de grupo, ácidos graxos trans, alimentos com alto índice glicêmico, dieta rica em carboidratos e alta ingestão de proteínas animais prejudicam a fertilidade; enquanto isso, ácidos graxos ômega-3 e ômega-6, alimentos com baixo índice glicêmico e dieta com pouco carboidrato, rica em proteínas vegetais e antioxidantes melhoram a fertilidade”, diz a médica.

Também há diferenças entre os benefícios e malefícios para homens e mulheres: “As isoflavonas têm um impacto negativo na fertilidade dos homens e melhoram a saúde sexual das mulheres na menopausa. O leite integral pode melhorar a fertilidade das mulheres, mas os homens se beneficiam do leite desnatado”, acrescenta Marcella.

Segundo a médica, é observado na literatura científica que alimentos fontes de alguns nutrientes e compostos bioativos podem ajudar no desempenho sexual. São alguns deles:

Ostra_3

Fontes de zinco: esse mineral é importante na liberação de testosterona, condicional para a saúde sexual de homens e mulheres. “Ele está presente em alimentos como ostras cozidas, carnes vermelhas e brancas, soja, amêndoa, nozes, amendoim, castanha-do-pará, castanha-de-caju, sementes de abóbora, linhaça, girassol e melancia”, diz a médica.

receita-salmao-grelhado-ao-molho-de-laranja-do-divino-fogao

Alimentos que ajudam a liberação de neurotransmissores: conhecidos como hormônios do prazer, a serotonina, dopamina e endorfina têm papel importante na sensação de motivação, euforia, alegria, colaborando para a saúde sexual. “Os alimentos que ajudam nessa liberação são: aveia, chocolate amargo, banana, ovos, abacaxi, grão de bico, sementes de abóbora e peixes de água fria”, diz a nutróloga.

oleaginosas mixto pixabay

Nutrientes que estimulem óxido nítrico: “Alimentos que estimulam a liberação de óxido nítrico também são importantes, uma vez que ele é responsável pela vasodilatação e aumento da oxigenação dos tecidos”, afirma a médica. Esse aumento do fluxo sanguíneo é fundamental para ereção masculina e lubrificação feminina. “Invista na beterraba, alho, sementes oleaginosas, carnes em geral, vegetais verde-escuros e frutas cítricas.”

chocolate com pimenta

Termogênicos: ao estimular o sistema nervoso simpático, esses alimentos aceleram o metabolismo e melhoram levemente a circulação. São exemplos: as pimentas, o gengibre, o açafrão da terra (cúrcuma), a canela, o cravo, as especiarias, as ervas aromáticas e o café.

morangos cortados pixabay
Pixabay

Além disso, a médica acrescenta as frutas vermelhas e principalmente os morangos, considerados os frutos da sensualidade, sempre presentes quando o assunto é romance. “Ricas em antioxidantes e vitamina C, as frutas vermelhas também ajudam no fluxo sanguíneo”, diz a médica.

vinho brinde pexels

Com relação às bebidas alcoólicas como o vinho tinto e champanhe, é necessário ter cautela. “Em pequena quantidade, elas podem ajudar na vasodilatação e na descontração inicial, porém quantidades excessivas pioram muito o desempenho tanto de homens como mulheres”, diz a médica.

catuaba-em-po-granel-100g-15360373
Catuaba em pó

Algumas plantas medicinais como catuaba, ashwagandha, ginseng e tribulus entre outras, segundo Marcella, encontram respaldo na literatura como complementares nas terapias para a melhora das funções sexuais, porém como se tratam de medicamentos, preferencialmente devem ser consumidas seguindo prescrição médica. “Os efeitos farmacológicos dos afrodisíacos são heterogênicos, incluindo atividades de estímulo à dopamina ou com ação no sistema nervoso simpático, além da liberação de óxido nítrico”, afirma a médica.

Por fim, a médica lembra que, da mesma forma que o emagrecimento atua de maneira importante, é necessário seguir recomendação médica, pois a ingestão calórica sem aporte de nutrientes necessários pode afetar seriamente a saúde sexual. Além disso, alguns alimentos podem ser considerados anafrodisíacos, atuando de maneira contrária: desestimulando o desejo sexual. “E o excesso do consumo de alguns alimentos também pode prejudicar o desempenho, na medida em que sobrecarrega o sistema digestório, provocando cansaço no corpo. Caso note problemas de disfunção sexual, procure um médico”, finaliza Marcella Garcez.

Fonte: Marcella Garcez é médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologiado Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Doenças cardiovasculares podem ser evitadas com alimentação saudável

Nutricionista do HCor dá dicas de alimentos amigos e inimigos do coração

O consumo excessivo, de gordura de origem animal, frituras, alimentos industrializados feitos com gorduras trans e de carboidratos refinados podem favorecer o acúmulo de placas de gordura nas artérias, dificultando a passagem do sangue e aumentando, assim, os riscos de infartos e acidente vascular cerebral.

A importância da alimentação adequada na redução do risco cardiovascular e no controle dos fatores de risco já está demonstrada por uma série de evidências científicas. Estudos demonstraram que as doenças cardiovasculares podem ser reduzidas em 30% com modificações no estilo de vida, e uma das melhores formas de evitar o problema é através da prevenção, que inclui uma alimentação saudável.

De acordo com a gerente de Nutrição Assistencial do HCor, Rosana Perim, a gordura saturada e a trans, os açúcares simples e o sal estão entre os nutrientes que aumentam o risco quando consumidos em quantidades excessivas, pois exercem efeito direto sobre a saúde do coração aumentando a incidência dos fatores de risco, como a hipertensão, a dislipidemia, a obesidade e o diabetes.

“Aumentar o consumo de frutas, verduras, legumes, cereais integrais, carnes magras e derivados de leite desnatados, são boas opções para manter o peso e controlar os fatores de risco”, alerta a nutricionista.

Para cuidar da saúde do coração, a gerente de Nutrição do HCor dá algumas dicas de alimentos que são amigos e os que são considerados “vilões” para o coração:

Amigos do coração:

Truta
Peixes: ricos em ômega-3, possuem ação anti-inflamatória e, também, auxiliam na redução do colesterol ruim (LDL) e triglicérides e aumento do bom colesterol (HDL);

azeite
Azeite de oliva: o tipo extravirgem reduz os níveis de colesterol ruim e aumenta o colesterol bom. Dessa forma, previne doenças cardíacas e aterosclerose;

aveia pixabay
Pixabay

Aveia: o farelo de aveia é o alimento mais rico em fibras solúveis e com maior capacidade de diminuir o colesterol sanguíneo, reduzindo a absorção de colesterol e retardando a digestão das gorduras;

soja
Soja: possui efeito em reduzir os níveis de colesterol sanguíneo, pela ação das proteínas da soja e das isoflavonas, classe de substâncias vegetais que têm funções semelhantes ao estrógeno humano. As principais fontes são o feijão de soja, o queijo de soja (tofu), o molho de soja (shoyo), a farinha e o leite de soja, dentre outros;

suco de uva Babs Müller por Pixabay
Babs Müller/Pixabay

Suco de uva: os flavonoides presentes na uva podem agir como substâncias antioxidantes, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares.

Vilões do coração:

sal saleiro sodio Bruno-Germany por Pixabay
Bruno/Germany/Pixabay

Sal: em grandes quantidades, pode elevar a pressão arterial, contraindo as artérias e consequentemente aumentando as chances de infarto e derrame, além de comprometer o funcionamento dos rins. Atenção aos alimentos industrializados e processados, sopas instantâneas, temperos prontos, salgadinhos de pacote, enlatados, conservas e defumados;

refrigerantes
Açúcares: o excesso de açúcar na alimentação pode levar ao aparecimento da obesidade e diabetes. Não exagere no consumo de doces, chocolates, refrigerantes, massas e pães.=;

carne vermelha embutidos salame linguiça
Pixabay

Gorduras saturadas, trans e colesterol: promovem o aumento dos níveis de colesterol ruim (LDL) no sangue. Estão presentes na gordura animal, óleo e polpa de coco, dendê, banha, gema do ovo, frutos do mar (camarão, lula, marisco, polvo), vísceras (fígado, coração), leite e laticínios integrais, manteiga, queijos amarelos, frios e embutidos. Já as gorduras trans, aparecem em algumas bolachas recheadas, sorvetes cremosos, molhos prontos, folhados e alimentos com consistência crocante.

Fonte: HCor