Arquivo da tag: alimentação saudável

Herbalife Nutrition lança suplemento energético Liftoff sabor amora

A Herbalife Nutrition, marca nº 1 no mundo em controle de peso e bem-estar, acaba de trazer mais uma novidade para o Brasil: o Liftoff sabor Amora Intenso

Sucesso em outros países, trata-se de um suplemento em pó levemente efervescente que promove a sensação de energia com um exclusivo blend de taurina (137 mg) e cafeína (84 mg).

“A taurina é um aminoácido produzido pelo próprio organismo ou presente em alimentos ou suplementos que participa da contração muscular e apresenta ação antioxidante, enquanto a cafeína é um estimulante natural do sistema nervoso central, que, em quantidades suficientes, apresenta efeito ergogênico nos exercícios. Dessa maneira, adia a sensação de fadiga, reduz a percepção de esforço e, consequentemente, contribui para o desempenho físico”, explica o médico nutrólogo Nataniel Viuniski, membro do Conselho Consultivo da Herbalife Nutrition do Brasil.

Ótimo para ser consumido como pré-treino, também auxilia a melhorar a concentração nos estudos/trabalho ou mesmo nos momentos em que é necessário ficar mais alerta e disposto. O LIFTOFF® traz ainda vitaminas C e do complexo B, que apoiam no funcionamento do metabolismo energético e, por não conter açúcares, possui apenas 15 calorias por porção.

“Esse é mais um produto que chega para oferecer praticidade e ampliar nosso portfólio para esportistas ou pessoas que têm um estilo de vida saudável e ativo, levando em conta a previsão de crescimento anual do mercado brasileiro de suplementos não proteicos de 14,6% ao ano entre 2022 e 2026, e de bebidas energéticas de 20,9%, de acordo com a Euromonitor”, fala Jordan Rizetto, diretor-geral da Herbalife Nutrition no Brasil.

Liftoff é vendido em embalagem com sachês individuais, práticos e fáceis de carregar para qualquer lugar. Além disso, a bebida é muito fácil de preparar: basta diluir o pó em 240 ml e estará pronta para beber.

Liftoff é vendido ao valor R$ 159,00 (caixa com 15 sachês).*

Como adquirir produtos Herbalife Nutrition

Os produtos Herbalife Nutrition são comercializados exclusivamente por Consultores Independentes. Eles também estão disponíveis nos EVSs (Espaços de Vida Saudável) — procure o mais próximo de você — e para compra online direto da Herbalife, por meio do programa Cliente Premium, que oferece descontos progressivos, entrega em domicílio, promoções exclusivas e todo o serviço personalizado do consultor independente (para quem se interessar).

Para se cadastrar como Cliente Premium, acesse o site Cliente Herbalife Nutrition ou fale com um Consultor Independente Herbalife Nutrition.

**Preços sugeridos para o Estado de São Paulo sem frete.
*Fonte: Euromonitor International Limited, por Consumer Health ed. 2022, definições de controle de peso e bem estar; participação % de mercado da companhia global em valor de venda ao consumidor, dados de 2021.
**Suplemento alimentar de cafeína e vitaminas em pó. Para informações sobre os produtos Herbalife Nutrition, consulte o catálogo ou HERBALIFE NUTRITION Leia atentamente o rótulo antes de consumir o produto.

Você sabe o que são flavonoides e por que eles são importantes?

Verduras, legumes, frutas, temperos e até o chocolate amargo contam com flavonoides, compostos químicos altamente antioxidantes que só trazem benefício ao cérebro e ao coração

O que mirtilos, espinafre e chocolate amargo têm em comum? Eles são todos ricos em flavonoides, compostos químicos encontrados nas plantas que lhes dão cor – e poderes medicinais. “Pesquisas mostram que os flavonoides fornecem uma ampla gama de benefícios à saúde, desde sua alta capacidade antioxidante para ajudar a prevenir e combater o câncer e reduzir o risco de doenças cardíacas até preservar a função cerebral. Eles também são apontados como uma estratégia para combater rugas”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). “A principal razão pela qual os flavonoides são bons para nossa saúde é que eles têm efeitos anti-inflamatórios e são antioxidantes”, esclarece.

Os antioxidantes ajudam a combater a inflamação e o envelhecimento celular, segundo Marcella. “Os flavonoides também têm propriedades que podem ajudar a prevenir a formação de coágulos sanguíneos. Um estudo publicado no ano passado na revista Hypertension, da American Heart Association, sugere que flavonoides em alimentos como frutas vermelhas, vinho tinto, maçãs e peras podem influenciar as bactérias intestinais de uma forma que reduz a pressão arterial”, explica.

Por causa disso, os flavonoides desempenham um papel central nas dietas mediterrânea (baseada no consumo de alimentos frescos e naturais como azeite, frutas, legumes, cereais, leite e queijo, e excluindo ou evitando produtos industrializados como salsicha e comida congelada), DASH (que tem como plano principal diminuir a pressão arterial) e MIND (mescla da dieta mediterrânea e DASH), os padrões alimentares mais recomendados pelos especialistas em saúde do coração e do cérebro. “Embora existam algumas diferenças, as três dietas colocam um foco pesado em frutas, vegetais, nozes e feijões ricos em flavonoides”, explica a Dra. Marcella.

No Brasil, a maioria das pessoas não consome flavonoides suficientes, principalmente porque não comem a quantidade diária recomendada de frutas e vegetais. É recomendado que os adultos comam de 1,5 a 2 xícaras de frutas por dia e de 3 a 4 xícaras de vegetais. “Mas, no padrão alimentar ocidental apenas 1 em cada 10 adultos come tantos vegetais e apenas 1 em 8 come uma quantidade suficiente de frutas”, conta a Dra. Marcella.

A boa notícia é que os flavonoides são encontrados em uma variedade tão ampla de frutas, vegetais e outros alimentos que não deve ser difícil encaixá-los em sua dieta. “Eles são encontrados em cerejas, maçãs, uvas, alho-poró e vegetais verdes folhosos, como espinafre, alface romana e couve, além de temperos e especiarias como cúrcuma, páprica, cominho, tomilho, salsa e orégano. Se você come alho e cebola, também vai encontrá-los lá. A soja também conta com esses compostos”, explica a médica.

O ideal, enfatiza a médica nutróloga, é comer uma ampla variedade de alimentos ricos em flavonoides para obter o maior valor nutrológico proveniente deles. “O objetivo é comer uma variedade de frutas e vegetais de cores diferentes. Comer um arco-íris”, exemplifica. “Se você não está acostumado a comê-los, pode incluí-los em sua dieta lentamente, para adequar o paladar. Coma mais um pedaço de fruta por dia; coloque mais um vegetal no seu prato na hora do jantar. Tentar reformular toda a sua dieta pode ser difícil, então comece fazendo pequenas mudanças.”

Comer alimentos frescos e integrais é a melhor maneira de obter os flavonoides de forma como o organismo precisa, mas não é a única maneira. “Se as frutas frescas não estiverem disponíveis, as misturas de frutas congeladas são uma boa alternativa. Frutas e vegetais que são congelados rapidamente retêm altos níveis de nutrientes, armazenam facilmente e podem adicionar variedade ao prato mesmo fora de época. Lembre-se de descongelar lentamente, na geladeira”, explica a médica.

Você também pode beber flavonoides. Bebidas como vinho tinto e chá, especialmente chá preto ou verde, são boas fontes. “Frutas e vegetais também podem ser espremidos em sucos ou smoothies, mas o suco não é o ideal porque remove muita fibra benéfica”, explica a médica. “No entanto, se essa é a única maneira de colocá-los em sua dieta, então faça isso”.

Pixabay

Para os amantes do chocolate, uma boa notícia: ele é, talvez, a forma mais palatável de incluir flavonoides na rotina. “Mas o chocolate amargo, por conter maior quantidade de cacau, é o que concentra mais flavonoides”, comenta a médica. “Há muitos alimentos que você pode escolher, então coma os que você gosta. E não tenha medo de experimentar novos. Qualquer pessoa que já siga as dietas mediterrânea, DASH ou MIND – ou qualquer dieta baseada em vegetais de alta qualidade – não deve se preocupar. O objetivo é consumir um padrão alimentar saudável. E se estivermos fazendo isso, estaremos consumindo flavonoides suficientes”, finaliza a médica nutróloga.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética e da Sociedade Brasileira para o Estudo do Envelhecimento. Instagram: @dra.marcellagarcez

5 dicas de como emagrecer com saúde e ter novos hábitos alimentares e comportamentais

O programa de educação nutricional Alimentação para Vencer — Kachimeshi, desenvolvido pelo Grupo Ajinomoto, busca incentivar mudanças de hábitos para promover o peso saudável

Existem diversos caminhos que levam à perda de peso, contudo algumas opções nem sempre visam a saúde e o bem-estar durante o processo. O emagrecimento deve ser uma consequência da mudança de estilo de vida, englobando a adoção de hábitos alimentares e comportamentais mais saudáveis, gerando impacto na saúde física e emocional.

Para aderir a uma alimentação equilibrada, com o consumo de diferentes grupos alimentares e seus benefícios, é preciso evitar exageros e fazer escolhas inteligentes que proporcionam ampla saciedade.

Pensando nisso, a equipe de Marketing-Nutrição da Ajinomoto do Brasil listou algumas dicas conforme o conhecimento em aminoácidos e os direcionamentos do conceito Alimentação para Vencer – Kachimeshi, programa de educação nutricional do Grupo Ajinomoto, alinhado à orientação da Política de Nutrição da Ajinomoto do Brasil, de modo a contribuir com a saúde e a nutrição da população:

1-Faça boas escolhas em sua rotina

Diante da oferta crescente de alimentos de alto teor calórico, a escolha por alimentos saudáveis pode parecer desafiadora. Porém, à medida que a prática se torna hábito e a percepção de bem-estar for associada, consumir tais alimentos será uma escolha natural.
Reduzir o consumo frequente de alimentos com maior valor energético, como frituras, por exemplo, nas principais refeições. Importante ingerir frutas, verduras e beber bastante água. Estes são passos importantes para modificar os maus hábitos alimentares e reprogramar a mente em relação à comida. Além disso, manter as três principais refeições do dia é fundamental, bem como os lanches intermediários para promover saciedade, evitando assim o exagero no momento do café da manhã, almoço e jantar. Aqui é fundamental ter atenção a porção de cada alimento consumido para evitar o excesso de calorias.
A partir dessa transformação na rotina, o paladar se adapta e tem-se uma nova compreensão da diferença entre ter fome e vontade de comer.

2-Consuma proteínas e tenha mais saúde

Foto: Marina Davydenko/Pixabay

O consumo de proteínas traz inúmeros benefícios para a saúde, como o fortalecimento dos ossos e músculos, deixando o corpo mais forte e saudável. Para garantir esses benefícios é importante fracionar o consumo das proteínas ao longo das refeições. Ademais, o consumo de proteínas contribui para uma saciedade mais duradoura, o que auxilia no emagrecimento.
Mas, em quais alimentos as proteínas estão presentes? A resposta é simples: carnes, ovos, peixes, aves, leite e queijos são exemplos de alimentos de origem animal. Já as proteínas de origem vegetal podem ser consumidas por meio de feijões, ervilha, grão-de-bico, lentilha, amendoim e nozes.

3-Descubra novas receitas e se aventure na cozinha

Quando o assunto é alimentação saudável, muitas pessoas pensam que o preparo dos alimentos é difícil e trabalhoso. Mas a verdade é que existem inúmeras receitas práticas e saborosas que podem colaborar no prazer em criar pratos e experimentar comidas que despertem os sentidos gustativos. No portal Sabores Ajinomoto – Alimente-se bem é possível encontrar diversas opções de receitas, nutritivas, equilibradas e práticas, desenvolvidas pelo time de especialistas em alimentação da Ajinomoto do Brasil, atendendo às necessidades de diferentes estilos e fases da vida.

4-Movimente o seu corpo

A prática de exercícios físicos é importante para somar ao novo estilo de vida e adquirir hábitos comportamentais que visam melhorar a saúde física e emocional. Além de auxiliar na queima de calorias, manutenção e ganho de massa magra, promover mais disposição e colaborar para um sono melhor, as atividades físicas são uma forma de aliviar a tensão da rotina. Com opções variadas, a escolha da atividade deve ser prazerosa e divertida. Portanto, é importante selecionar alguma que dê vontade de movimentar o corpo e curtir o momento.

5-Se houver algum deslize, não se culpe

Pinterest

Lembrar que você está em um processo de mudança de estilo de vida é essencial para não se culpar, caso ocorra algum deslize na alimentação. Caso aconteça, evite ações drásticas para compensar esses deslizes. Alguns fatores emocionais do dia a dia podem ser verdadeiros gatilhos para o consumo de alimentos mais calóricos. Por isso, é fundamental reconhecer os fatos e recalcular a rota para avançar.

Para saber mais sobre o programa de educação nutricional Alimentação para Vencer – Kachimeshi, clique aqui.

Fonte: Ajinomoto do Brasil

8 alimentos para fazer as pazes com os carboidratos

Nutricionista aponta as funções indispensáveis desse macronutriente para o organismo. Entenda os riscos de retirá-lo da dieta sem planejamento e saiba quais as melhores opções de consumo

Fontes de energia, controladores dos níveis de glicose, reguladores de insulina… Os carboidratos, muito presentes em alimentos com amido e açúcares, desempenham funções químicas extremamente importantes para o corpo. Apesar de serem famosos pelas calorias, esses macronutrientes estão longe de serem vilões. O maior cuidado deve ser tomado em relação aos produtos industrializados, com excesso de açúcar e farinha branca, como adverte a nutricionista Isabela Zago, da Clínica Corporeum, de Brasília.

“Quando falamos desses cuidados, não nos referimos a frutas e raízes, mas o processo de acrescentar muito açúcar e farinha nos alimentos de forma não calculada. Isso leva a algumas alterações metabólicas, como resistência à insulina, aumento de gordura de maneira geral (principalmente abdominal), diabetes e excesso de colesterol”, instrui a profissional.

Freepik

Para quem quer aproveitar o melhor do que esses macronutrientes têm a oferecer, a recomendação é consumir alimentos como aveia, frutas (inteiras e não processadas), batata-doce, arroz integral, batata baroa (ou mandioquinha), pão integral, grãos (ervilha, feijão, grão de bico, lentilha) e sementes. Na avaliação da nutricionista, todos eles são excelentes fontes de carboidrato.

Mesmo nas famosas dietas “low carb” e nas cetogênicas (com maior consumo de gordura), esses nutrientes continuam ali, mas em quantidade menor. Nesses casos, são bem-vindos os alimentos ricos em carboidratos complexos, com maior teor de fibras e água, menor índice glicêmico e absorção mais lenta. Os simples, por outro lado, geram picos de açúcar mais rapidamente na corrente sanguínea, por terem menos compostos bioativos e maior índice glicêmico, mas ainda geram energia.

É importante destacar que o paciente sempre deve seguir orientações profissionais. Retirar os carboidratos da dieta de forma não planejada pode até causar alterações metabólicas e intestinais. O segredo está na quantidade adequada para cada pessoa.

“Isso não pode ser feito por um profissional que não seja um nutricionista”, recomenda Isabela Zago. “Os carboidratos são bem-vindos desde que porcionados e planejados. Cada pessoa deve ser avaliada de forma individual. Devemos organizar e entender se aquele paciente apresenta algum quadro patológico. Se for um paciente diabético, por exemplo, a recomendação é diferente de um paciente que quer apenas emagrecer”, conclui.

Fonte: Clínica Corporeum

Como uma boa alimentação alinhada com atividade física pode ser benéfica para saúde?

Docentes e Nutricionistas da Universidade Cruzeiro do Sul falam dos benefícios que a nutrição e exercícios físicos podem trazer para a saúde

Para manter um corpo saudável com muito equilíbrio, a prática de exercícios físicos e uma boa alimentação são indispensáveis, porém, muitas pessoas não têm o hábito de uma alimentação saudável ou deixam de lado a prática de algum esporte, e nem imaginam que a falta de ambos pode impactar em sérios problemas de saúde para o corpo humano.

Segundo a docente do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde (Mestrado e Doutorado) da Universidade Cruzeiro do Sul, Profª Drª Maria Fernanda Cury Boaventura, a falta de atividade física e uma má alimentação, ocasionam diversas doenças, entre elas, as cardiovasculares e respiratórias.

Pressão alta, diabetes, colesterol, complicação renal, entre outras, são algumas das doenças provenientes de uma péssima alimentação. A professora ressalta que as enfermidades citadas demoram a aparecer, pois as células ficam se virando por um período para posteriormente virem a falhar.

“Todas as células do nosso corpo precisam de nutrientes para sobreviver e funcionar adequadamente e ao não fornecermos alimentos de qualidade por um longo tempo, o corpo começa a ficar vulnerável e apresentar possíveis sintomas de alerta”, explica Maria Fernanda.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 7,4% da população brasileira possui diabetes, 24,5% têm hipertensão e 20,3% estão obesos. A pesquisa foi realizada em 2019, pela Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção Para Doenças Crônicas Por Inquérito Telefônico) e considera as taxas de incidências de doenças crônicas. “Os dados citados demonstram a urgência da adoção de novos hábitos de saúde, em que a nutrição assume um real protagonismo na vida das pessoas”, afirma

A Profª Drª Katia Cristina Andrade, docente do curso de Nutrição da Universidade Cruzeiro do Sul alerta que na internet, existem diversos conteúdos sobre os mitos dos alimentos milagrosos, que volta e meia são veiculados, e segundo ela, as pessoas devem repensar suas atitudes, uma vez que a alimentação é o motor do corpo humano, e somente com uma reeducação alimentar e alimentos habituais do dia a dia é possível ter a mudança de hábito e consequentemente manter um peso saudável.

“Os alimentos milagrosos não existem, o que é recomendado é um estilo de vida saudável onde se contempla alimentação, atividade física e relações sociais prazerosas, ou seja, são os denominados fatores modificáveis que vão levar a um menor risco no desenvolvimento de doenças crônicas”, explica.

A docente afirma que a alimentação de qualidade é uma importante ferramenta que a sociedade possui, pelo fato de oferecer condições para que o organismo se desenvolva adequadamente, além de ajudar na prevenção de doenças.

“Todo alimento é composto por uma série de nutrientes que o caracteriza como tal e dessa forma, é importante prestarmos atenção no que ingerimos, pois é fundamental ver a alimentação como um ato de prevenção, já que as escolhas alimentares, o ato de comer, como por exemplo, o comer em companhia e em locais apropriados, são fatores determinantes para a questão nutricional”, afirma.

Para a professora, comer deve ser um ato prazeroso. “A alimentação é reflexo de um comportamento cultural que também é espelho de nossa história, onde resgata sabores, e sobretudo, permite a conexão com os significados que envolvem nossa herança cultural, memória afetiva e momentos de sociabilidade, que devem ser contemplados uma vez que são tão importantes quanto a alimentação sob o aspecto nutricional” finaliza.

Por fim, as professoras Maria Fernanda Cury e Kátia Cristina Andrade, listaram algumas dicas essenciais para quem deseja manter uma alimentação saudável. Confira:

-Tenha uma lancheira para levar alimentos de casa para o trabalho/estágio e/ou Universidade;
-Aumente o consumo de alimentos não processados (frutas, verduras, arroz, feijão, lentilha, ervilha, batata, leite, ovos, carnes);
-Consumir, mas limitar alimentos processados, como pão, torrada, queijo, iogurte de frutas e adoçados, cereais refinados, bolacha água e sal, conserva de legumes, compotas de frutas, entre outros;
-Evite ao máximo alimentos ultraprocessados, como produtos congelados (lasanha, hambúrguer, nuggets, tortas), embutidos, bolos, salgados, bolachas salgadas e doces;


-Evite comprar ultraprocessados e faça a substituição por alimentos in natura ou minimamente processados;
-Reduza o consumo de óleos, açúcar e sal;
-Diversifique os alimentos;
-Coma comida de verdade. A melhor escolha sempre são os alimentos frescos e naturais;
-Organize a sua vida pessoal, procurando ter em casa ou trabalho, alimentos que proporcionem melhores escolhas alimentares;
-Compartilhe o momento da refeição com colegas para que esse momento seja mais prazeroso e dessa forma consiga fazer melhores escolhas de alimentos;
-Não utilize aparelhos eletroeletrônicos durante a alimentação;

Foto: Pablo Merchan Montes/Unsplash


-Realize as refeições em ambiente tranquilo e apropriado.

Fonte: Universidade Cruzeiro do Sul

Alimentos acessíveis para manter uma dieta saudável e equilibrada

Aprenda a escolher as opções corretas para comer bem, gastando pouco

A busca por bem-estar, muitas vezes, surge como algo difícil e custoso. Dietas restritivas ou alimentos caros aparecem como soluções para quem busca mais saúde no seu dia a dia. Mas, não necessariamente são as melhores opções.

A recente alta dos preços dos alimentos também acaba sendo outro dificultador. Segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), houve uma aceleração da alta dos preços de alimentos e bebidas de 1,95% em março para 2,25% em abril, deste ano. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o aumento foi ocasionado principalmente pelos produtos consumidos em domicílio, registrando um crescimento de 3%, fazendo com que itens essenciais para manter uma alimentação saudável, como leite, tubérculos, raízes e legumes, aparecessem no top 10 dos alimentos com maior variação de preço.

Diante deste cenário, surge a necessidade de encontrar uma alimentação balanceada e equilibrada que, além de ajudar a manter sua saúde e bem-estar, caiba no bolso. Sabendo disso, o WW Vigilantes do Peso, programa multinacional de emagrecimento sustentável que estimula mudanças de hábitos, de mentalidade e de estilo de vida, convidou Matheus Motta, responsável pelo programa no Brasil, para elencar alguns alimentos simples, nutritivos e com ótimo custo-benefício, que podem servir de alternativa para sua dieta. Confira!

Foto: Ceeline/Pixabay

-Frutas, legumes e verduras da época: busque por frutas, legumes e verduras da safra, quando estão mais baratas e mais saborosas também. Pelas condições favoráveis ao crescimento, muitos vegetais possuem uma época do ano em que a produção é maior e por isso ficam mais baratas. Procure por feiras locais, você consegue preços mais em conta e também consegue negociar alguns produtos.

Stocksy

-Fontes de proteína: procure por cortes de carne de segunda — eles tendem a ser mais baratos. O peito de frango é uma ótima fonte de proteínas magras — pouca gordura — e mais em conta que a carne vermelha — mais cara e com mais gordura saturada. Feijões, lentilha, grão-de-bico e ervilha são boas fontes de proteínas e fibras — podem servir como acompanhamento, como um incremento em saladas ou em pastas como homus. O ovo também é uma boa opção de fonte de proteínas mais barata.

Getty Images

Outra dica para ajudar na hora das compras é o planejamento. Organizar antecipadamente o que você vai comer ao longo da semana, além de programar quando e como vai preparar esses alimentos, para encaixar melhor na sua rotina. Assim, é possível pesquisar melhor em feiras e mercados, ter vantagens em preço e evitar desperdícios. Ter uma lista de substituições pode auxiliar na hora de driblar os preços altos. Por exemplo, ter uma relação de seus tipos de grãos favoritos, seja feijão, lentilha ou grão de bico; e os carboidratos, como arroz, batata, mandioca entre outros, facilita a procura na hora da compra para comparar preços e safras.

Adobe Stock

É importante também não esquecer de beber água. Ingerir, pelo menos, 2 litros por dia aumenta a disposição e hidrata a pele, além de melhorar o funcionamento do intestino e dos rins. Uma boa dica é, sempre que possível, ter uma garrafinha por perto para ajudar a lembrar do consumo. Se houver dificuldade com o volume recomendado, experimente saborizar a água com limão ou hortelã, por exemplo, além de refrescantes, essas combinações ficam uma verdadeira delícia. Simples e muito práticas. Vale a pena experimentar.

Fonte: WW Vigilantes do Peso

Maio Roxo: o que pôr à mesa e o que evitar para a saúde da flora do “segundo cérebro”

No Mês da Conscientização das Doenças Inflamatórias Intestinais, especialistas alertam para a importância de uma alimentação saudável para o sistema gastrointestinal

Para colorir o mês de maio e marcar o World IBD Day (Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal, celebrado em 19 de maio), a campanha de conscientização Maio Roxo, encabeçada pelas Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD), e Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) e Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil (GEDIIB), visa conscientizar e alertar a sociedade para importância de diagnóstico precoce e tratamento dessas doenças. Segundo dados da SBCP, as doenças inflamatórias intestinais (DII) atingem mais de 5 milhões de pessoas em todo o mundo e a incidência média fica em torno de 7 para cada 100 mil habitantes, constatando progressivo aumento na ocorrência de novos casos.

As DII são divididas em dois subtipos: colite ulcerativa com acometimento, principalmente do cólon, e Doença de Crohn, que pode afetar qualquer região do trato gastrointestinal. As pessoas comumente são acometidas por esses males no início da idade adulta, mas é possível ocorrer em qualquer fase da vida. Nos últimos anos, a prevalência tem aumentado, atingindo desde crianças até idosos.

A causa é multifatorial e engloba fatores genéticos e ambientais, como o estilo de vida ocidentalizado, incluindo padrão alimentar caracterizado pelo alto consumo de proteínas e gorduras saturadas e baixa ingestão de vegetais, frutas e fibras que favorecem o ambiente pró-inflamatório, além de fatores como urbanismo, melhoria da higiene, aumento do uso de antibióticos e ingestão de anticoncepcionais orais. Todas essas condições interferem na microbiota do corpo como um todo, afetando as defesas naturais.

Eixo Cérebro-Intestino

A regra é clara: quem nunca sentiu dor de barriga em momentos de ansiedade ou estresse? Não é coincidência, visto que o cérebro e o sistema digestivo estão estritamente interligados. No intestino, estão presentes bactérias que compõem a “microbiota intestinal”. Os tipos e as quantidades desses microrganismos são influenciados pelo padrão alimentar, visto que os produtos da digestão interagem com essas bactérias, fazendo com que produzam substâncias que interferem em vias sistêmicas do corpo, inclusive as relacionadas às funções cerebrais, como é o caso do triptofano. O triptofano, por sua vez, é o aminoácido precursor da serotonina, ou seja, é necessário para que tenha a formação e a liberação desse hormônio, o qual está relacionado com o bem-estar. Por isso, as emoções influenciam na sensação geral de prazer, bem como a alimentação impacta a saúde cerebral.

Alimentando as boas bactérias intestinais: o que pôr à mesa

A alimentação saudável, tanto do ponto de vista qualitativo quanto do ponto de vista quantitativo, auxilia na prevenção e no tratamento das DII. A analista de P&D da Jasmine Alimentos, Erika Rodrigues explica que devemos priorizar a tradicional comida de verdade. “A base dessa alimentação deve conter verduras, como folhas em geral, alface, rúcula, agrião, legumes como, por exemplo, abobrinha, brócolis e couve-flor e frutas.

As oleaginosas como, por exemplo, castanha-do-pará, castanha-de-caju e amêndoa também são muito importantes. As sementes de abóbora, de gergelim, de linhaça e os grãos e cereais integrais como arroz integral, quinoa, aveia são indispensáveis. As leguminosas, ou seja, feijão, lentilha e ervilha e as fontes de proteínas com quantidades menores de gorduras saturadas, como peixes e ovos complementam o que chamamos de comida de verdade”, diz.

Essa base de alimentação possui nutrientes e compostos bioativos que atuam diretamente na inativação de vias pró-inflamatórias, assim como na redução de substâncias relacionadas à inflamação, contribuindo para o controle da dor, cicatrização e reparação da mucosa. Ainda, atuam como pré e probióticos, proporcionando e preservando uma microbiota saudável, ou seja, crescimento e desenvolvimento de bactérias benéficas para a saúde intestinal.

Outro nutriente relevante é a fibra, visto que a ingestão adequada deste nutriente colabora com a redução do risco das DII a longo prazo. Esse nutriente está presente em frutas, verduras, legumes, leguminosas, grãos e cereais integrais, além de sementes de linhaça e de chia.

“Em relação aos compostos bioativos, sabe-se que o polifenol e suas classes flavonoides, estilbenos, ácidos fenólicos e lignanas têm propriedades anti-inflamatórias e podem reduzir o estresse oxidativo decorrente de patologias, podendo contribuir para a melhoria dos sintomas das doenças inflamatórias intestinais. Em outras palavras, priorize o consumo de vegetais e frutas como cebola, brócolis, alho e frutas vermelhas que possuem ação antioxidante e efeitos anti-inflamatórios”, detalha a nutricionista e consultora da Jasmine Alimentos, Adriana Zanardo.

Por fim, cabe ressaltar que os alimentos de coloração vermelha e roxa como uva, morango, framboesa, mirtilo, açaí, goji berry e cranberry também têm propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. “Uma dica imprescindível é o consumo do açafrão, também conhecido como cúrcuma. Seu uso diário foi relacionado com a remissão clínica da colite em pacientes que mantiveram o tratamento medicamentoso indicado para o quadro”, explica Adriana.

O que não comer para o intestino inflamado

O ômega-6 é a família de ácidos graxos que, ao contrário do ômega-3, possui ação pró-inflamatória quando ingerido em quantidades elevadas, estando presentes em óleos vegetais e margarina. Segundo estudos, o risco de desenvolver colite ulcerativa é duas vezes maior em pacientes com alta ingestão de ômega-6.

Ainda, a sucralose, sacarina, aspartame, ciclamato e outros adoçantes artificiais podem aumentar o risco de DII. Da mesma forma, emulsificantes também podem aumentar o risco de desenvolvimento de colite devido à alteração da microbiota e da mucosa intestinal, com possível supercrescimento de Escherichia coli e proteobactérias, que, consequentemente, aumentam a inflamação e danos intestinais.

SOS: fase de ativação da doença

“Quando o portador de DII estiver com a doença ativa, deve-se pensar em quais são os sintomas predominantes para que a dieta seja ajustada de forma a contribuir com a diminuição dos mesmos. De modo geral, o raciocínio é pensar nos alimentos que têm fácil digestibilidade para não demandar tanto do trato gastrointestinal, considerando que já está consideravelmente inflamado em decorrência da doença. Pensando nisso, alguns alimentos, apesar de serem saudáveis, podem ser reduzidos por um período até o restabelecimento da homeostase intestinal”, explica a nutricionista e consultora da Jasmine Alimentos.

Os alimentos fermentáveis, oligo, di, monossacarídeos e polióis possuem carboidratos de cadeia curta que são mal absorvidos e podem desencadear inchaço abdominal, dor, flatulência e diarreia. Esses alimentos são: cebola, alho, ervilha, beterraba, couve, milho, couve-flor, maçã, pera, manga, melancia, pêssego, ameixa, abacate, leite de vaca, queijo fresco, ricota, feijão, grão-de-bico, soja, trigo, centeio, castanha-de-caju, pistache e industrializados com xarope de milho, glicose, sacarose e polióis (xilitol, manitol e sorbitol). Estudos apontam que 50% das pessoas que tiveram redução do consumo desse grupo de alimentos apresentaram melhora dos sintomas.

Fonte: Jasmine Alimentos

Campanha no metrô: “Ser vegano é uma delícia” desmistifica os sabores da comida vegana

Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) lança movimento para mostrar que existe muito sabor e possibilidades em uma alimentação à base de vegetais

Se você não é familiarizado com a variedade de opções veganas, já deve ter ficado na dúvida se existe bolo, chocolate, pizza, sorvete, hambúrguer e até sobremesas como cheesecake em versões sem leite, ovos e carnes. Pois saiba que tem. E são muito saborosas.

É com essa intenção que a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) lançou na terça-feira (26), a campanha “Ser vegano é uma delícia” que visa aproximar quem não experimentou alimentos veganos e está aberto a aprender – e conhecer – o mundo de sabores inigualáveis que a alimentação vegetal oferece.

A mensagem da campanha está, em um túnel adesivado, ao longo de mais de 25 metros, da Estação Paulista, acesso da Av. Angélica do metrô e em diversos edifícios comerciais, nas redes sociais da SVB e no site da ação, com e-books de receitas disponíveis para quem quer não só provar, mas também preparar as delícias.

“Cada vez mais as pessoas estão descobrindo os sabores e as infinitas possibilidades das comidas veganas, seja em um prato mais natural, ou em novas versões lançadas quase que diariamente por restaurantes, lanchonetes e a indústria”, comenta o presidente da SVB, Ricardo Laurino.

Para ele, um complemento incomparável às opções veganas é o benefício às comidas gostosas é o benefício de saber que estará se nutrindo de um alimento que respeita os animais, o meio ambiente e cuida da saúde.

Além disso, ser vegano hoje é muito mais fácil. As prateleiras dos supermercados oferecem, cada vez mais, uma ampla variedade de produtos prontos para o consumo, como maionese, hambúrguer, queijos e carnes 100% vegetais. São opções que auxiliam, especialmente, a transição para a nova alimentação.

Por isso a SVB facilita a vida de todo vegano – ou de quem deseja experimentar uma das tantas delícias 100% vegetais – com o mapa “Onde tem opção vegana”. Nele, estão cadastrados mais de 3,5 mil estabelecimentos de todo Brasil.

Conforme o levantamento realizado pelo Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) em 2021 e encomendado pela SVB, 32% dos entrevistados disseram escolher uma opção vegana quando essa informação é destacada pelo restaurante ou estabelecimento. Uma prova de que, no Brasil, tem demanda para as comidas deliciosas e sem ingredientes de origem animal.

Informações: SVB

Carne vegetal: será modismo ou tendência portadora de futuro?

É amplamente conhecida a ocorrência na sociedade de grupos denominados vegetarianos ou veganos. De forma simplificada, pode-se dizer que os primeiros são os que excluem qualquer tipo de carne (incluindo peixes e frutos do mar) de sua alimentação; os veganos vão além, evitando qualquer produto animal, como manteiga, leite, ovos ou mel, além de não usar roupas e acessórios de couro, pele, lã, seda e cosméticos testados em animais. Em 2018, a Sociedade Vegetariana Brasileira realizou um levantamento, com o apoio do Ibope, constatando que 14% da população brasileira se declara vegetariana o que, provavelmente, inclui veganos.

Mas quem desenvolve ou comercializa a carne vegetal, conhecida nos Estados Unidos pela sigla PBM (plant based meat) não busca atingir apenas os adeptos do veganismo ou os vegetarianos. Os produtos PBM, que imitam o sabor e a textura da carne bovina, focam especialmente nos consumidores que gostam de carne, mas que acreditam que a diminuição de seu consumo pode ter impactos econômicos, ambientais e de bem-estar animal significativos e positivos, por reduzirem a produção pecuária.

Como é feita a carne vegetal?

A carne é composta, fundamentalmente, de tecido muscular dos animais. As plantas não têm músculos. Então, como as plantas se tornam um pedaço de carne que parece, cheira, tem gosto e cozinha como carne?

Para responder, precisamos aprofundar a análise. A carne é composta de proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e água. Embora as plantas não tenham músculos, elas também contêm proteínas, gorduras, vitaminas, minerais e água. Então, o processo se baseia na semelhança bioquímica entre plantas e animais para obter um produto vegetal que imita a carne. Para cada proteína, lipídio ou composto funcional encontrado na carne existe um análogo ou substituto no reino vegetal. Se um substituto não existir na natureza, podemos tentar obtê-lo por meio de tratamento mecânico, químico ou biológico de um ingrediente vegetal. Ou introduzir em vegetais um gene responsável pelo composto ausente, que esteja presente em animais, utilizando técnicas de transgenia.

O arranjo espacial das proteínas no tecido muscular cria a textura típica da carne. Quando moída, a carne tem uma textura mais simples e é mais fácil de replicar do que pedaços maiores como a picanha, o filé, o peito de frango ou costeletas de porco, feitas de tecido muscular intacto. Facilita a produção de hambúrgueres, mas há desafios técnicos a serem superados para imitar a textura dos cortes inteiros de carne, utilizando ingredientes vegetais.
O processo genérico para produzir carne à base de plantas envolve três etapas principais. A primeira é a seleção e o cultivo das plantas que produzirão as matérias-primas. A seguir ocorre o seu processamento para separar as proteínas, gorduras, fibras e outros ingredientes necessários à produção da PBM. Finalmente ocorre a mistura dos ingredientes, nas proporções adequadas para criar a textura, o aspecto e o sabor tão próximos quanto possíveis da carne.

Qual o foco mercadológico da carne vegetal?

.

O conceito de carne à base de plantas vem sendo trabalhado há tempos. No entanto, os primeiros produtos à base de plantas, que imitavam carne, tinham em mente atingir consumidores vegetarianos, e não tentaram replicar a carne convencional.
O impulso recente tem como pano de fundo temas como sustentabilidade, segurança alimentar e os impactos ambientais e de saúde pública que seriam provenientes da pecuária industrial. No caso, buscam atrair os consumidores em geral, em vez de nichos de mercado. Isso levou a uma série de inovações durante a última década. Atualmente, as opções de carne à base de vegetais atraem o segmento de consumidores em rápido crescimento, que vem sendo denominados pelos estudiosos de “flexitarianos”, em livre tradução do termo inglês “flexitarian”.

Os consumidores “flexitarianos” buscam opções de alimentos à base de plantas que criem a mesma experiência sensorial da carne de origem animal. Digamos que esses consumidores reduzem o consumo de carne, mas não desistem completamente da experiência sensorial dos produtos de origem animal. Essa decisão de comer mais vegetais geralmente se deve a preocupações com a saúde, o meio ambiente ou a proteção dos animais. Também pode ser, simplesmente, uma forma de obter novidade e variedade com refeições saborosas e acessíveis. O aumento do flexitarianismo está na base do crescimento do mercado de alimentos à base de plantas.

Qual o futuro previsível da carne vegetal?

Apesar do crescimento recente do mercado, a carne à base de plantas representa, atualmente, apenas 1% do mercado de carnes no varejo dos EUA. Tudo indica que o mercado deverá crescer se o produto agradar em cheio os consumidores, desligando-se do fundamento inicial da menor emissão de gases do efeito estufa (GEE). Chamamos a atenção para esse aspecto, porque o argumento pode ser falacioso pois, segundo um artigo publicado pelo Prof. Jayson Lusk (Purdue University), para cada 10% de redução no preço de PBM, estima-se que o decremento nas emissões equivale a 0,34% das emissões dos EUA devidas à produção de carne bovina e 1,14% se incluída a redução das emissões devidas às mudanças no uso da terra.
Assim, é improvável que mesmo reduções substanciais nos preços das alternativas de PBM tenham impactos ponderáveis sobre as emissões da pecuária nos EUA. O artigo do Prof. Lusk e colaboradores pode ser acessado aqui.

Considerando que os sistemas de produção pecuária no Brasil são menos intensivos em emissões de GEE que os americanos, o mesmo poderia ser afirmado para o Brasil. Apoiando esse fato está um sistema de produção bovino desenvolvido pela Embrapa, denominado Carne Carbono Neutro, que garante que os animais que deram origem ao produto tiveram as emissões de metano entérico compensadas durante o processo de produção, pelo crescimento de árvores no sistema (ver mais aqui).

Isto posto, desapareceria o argumento de menor emissão de GEE com a redução do consumo de carne. Assim, entendemos que o futuro do mercado será modulado por quatro fatores principais:
a) a adesão dos consumidores aos produtos BPM, em especial dos jovens recém ingressos no mercado, sem hábitos de consumo arraigados e dispostos a novas experiências, atribuíveis a um diversificado conjunto de razões que inclui desde modismo, sensações organolépticas favoráveis e crença em maior sustentabilidade;
b) o avanço da tecnologia de produção, que será tanto mais bem-sucedida quanto mais a textura e o sabor de um produto BPM se aproximar da carne;
c) o custo dos produtos BPM comparativamente aos produtos cárneos;
d) a agressividade dos lobbies comerciais e o sucesso do marketing dos produtos BPM.

*Por Décio Luiz Gazzoni, engenheiro agrônomo, pesquisador da Embrapa Soja e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

O que os alimentos ultraprocessados têm a ver com a saúde mental?*

Os alimentos ultraprocessados são aqueles que passam por técnicas e processamentos com alta quantidade de sódio, açúcar, gorduras, corantes, conservantes e outras substâncias que realçam o sabor e os tornam mais atrativos ao paladar.

No entanto, o prazer de consumi-los tem um preço alto: são alimentos pobres em nutrientes essenciais como vitaminas, sais minerais, água e fibras, além de prejudicarem os processos que sinalizam o apetite e a saciedade, estimulando o indivíduo a ingeri-los em excesso.

Na lista, estão incluídos enlatados, embutidos, congelados, sorvetes, preparações instantâneas, refrigerantes, salgadinhos, frituras, doces, gelatinas industrializadas, refrescos em pó, temperos prontos, margarinas, iogurtes industrializados, bolachas recheadas, achocolatados, entre outros.

Os fatores de riscos dietéticos são os principais contribuintes para a carga global de doenças responsáveis por cerca de 11 milhões de mortes (sendo 22% de todas as mortes em adultos). As principais doenças relacionadas a esta dieta são as cardiovasculares, diversos tipos de câncer, obesidade, hipertensão e o diabetes tipo 2.

No entanto, a dieta à base de ultraprocessados não impacta apenas a saúde física, mas também a mental. Segundo um estudo do Center of Epidemiologic Studies Depression, o aumento de 10% no consumo destes alimentos foi associado a um risco de 21% maior de sintomas depressivos.

Vale alertar que doenças psiquiátricas, como a esquizofrenia e a própria depressão, não diferem muito do diabetes, se levarmos em conta as alterações ocorridas no organismo em níveis moleculares.

Um exemplo são indivíduos acometidos por diabetes e depressão. Eles desenvolvem um estado de inflamação sistêmica leve, mas crônica. Por serem pró-inflamatórios, os alimentos ultraprocessados acabam gerando uma piora em ambas as doenças.

Outro ponto importante é a ligação entre o cérebro e o intestino. A relação entre o consumo de alimentos ultraprocessados e a depressão pode ser explicada pelo efeito de alguns componentes usados ou produzidos durante o processamento industrial, já que aditivos destes alimentos ou as moléculas resultantes do aquecimento a alta temperaturas podem causar alterações na microbiota intestinal, que, sabidamente, interfere na função cerebral.

Isso ocorre porque a microbiota intestinal é responsável pela produção de neurotransmissores como serotonina e dopamina, que regulam processos como aprendizagem, memória, prazer e bem-estar.

Um estudo publicado na revista Nature mostrou que altos níveis de estresse podem alterar a composição de bactérias intestinais que, por sua vez, podem influenciar o desencadeamento de transtornos psiquiátricos, como ansiedade e depressão.

Neste caso, ao analisar amostras de sangue de pessoas com depressão, foi observado que 35% delas apresentavam resquícios de bactérias pertencentes à microbiota do intestino, provavelmente ocasionado pela alta permeabilidade.

Dentro desta lógica, fica evidente que mudanças significativas na dieta são fortes aliadas no combate às doenças psiquiátricas, seja na prevenção como na recuperação.

*Por Adiel Rios, Mestre em Psiquiatria pela Unifesp e pesquisador no Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP