Arquivo da tag: alimentação

A Tal da Castanha apresenta nova bebida de aveia

Marca líder em produtos de origem vegetal expande seu portfólio

Atendendo a pedidos, A Tal da Castanha apresenta sua nova bebida vegetal feita à base de aveia. O produto é composto apenas por quatro ingredientes, sendo água, farinha de aveia, carbonato de cálcio e sal marinho e não inclui oleaginosas na formulação.

A nova bebida não leva castanhas, soja, lácteos, glúten ou conservantes, sendo ideal para os simpatizantes do veganismo, os alérgicos a lactose e também para os que desejam diminuir o consumo de produtos de origem animal podendo substituir o leite de vaca no cafezinho, além de poder acrescentar em receitas e smoothies. A aveia utilizada na bebida é certificada sem glúten, portanto, é também uma opção para celíacos.

“Estamos empolgados com a chegada da nova bebida de aveia ao nosso portfólio. Criamos mais um produto que veio para transformar o cardápio do brasileiro ao oferecer uma bebida leve, nutritiva, cremosa e à base de ingredientes naturais”, afirma Rodrigo Carvalho, um dos diretores da A Tal da Castanha. “Temos ainda muitas novidades e vamos provar que é possível manter uma alimentação saborosa e saudável respeitando e cuidando do meio ambiente”, completa Carvalho.

A aveia contém fibras solúveis que auxiliam no controle da glicemia, sendo excelente para os diabéticos. Os cereais também são ricos em cálcio, ferro, magnésio e vitaminas do complexo B. Entre os benefícios para a saúde estão: controle da pressão arterial, redução do colesterol ruim, melhora na digestão e na saúde do coração, incluindo mais energia e diminuição do cansaço. A bebida é enriquecida com cálcio, entregando por copo de bebida 40% das recomendações diárias deste importante nutriente.

A bebida de aveia está nas gôndolas de todo o Brasil. Ela também pode ser adquirida pelo e-commerce da marca.

Consumo de carne diminui durante a pandemia; saiba como substitui-la sem prejuízo nutricional

Nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz dá dicas de como manter uma dieta saudável sem carne

Segundo pesquisa realizada pelo Ibope e coordenada pelo Good Food Institute Brasil, metade dos brasileiros reduziu o consumo de carne bovina, suína, aves e peixes em 2020. De acordo com Thaís Sarian, nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, adotar uma rotina alimentar com menor consumo de carne promove vários benefícios para a saúde a longo prazo. “Podemos destacar, entre diversos benefícios, a melhora da saúde intestinal e a redução da ingestão de gorduras saturadas”, explica a especialista.

O hábito de reduzir o consumo de produtos de origem animal sem interrompê-lo completamente é chamado de flexitarianismo. Ainda de acordo com a pesquisa, das pessoas que diminuíram o consumo de carne, ao menos 47% substituíram a proteína animal por vegetais como legumes, verduras e grãos. Na análise da nutricionista, este é outro ponto positivo da substituição. “Quando ocorre o aumento da ingestão de alimentos vegetais, também aumenta a densidade nutricional dos alimentos e sua consequente ingestão de vitaminas, minerais, fibras e compostos bioativos”, explica Thaís.

O que não pode faltar no meu prato?

Para montar a refeição ideal sem carne, a especialista recomenda a seguinte proporção para um prato vegetariano saudável: 50% de legumes e verduras, 25% de fontes de proteínas vegetais (especialmente presentes no grupo do feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja) e 25% de carboidratos (como o arroz integral, milho, batata, mandioca, entre outros). Para quem segue uma dieta ovolactovegetariana, a inclusão de ovos também é bem-vinda. Ter isso em mente é importante para não correr o risco de substituir a proteína animal por carboidratos mais pobres em nutrientes, uma tendência quando a transição de dieta é feita sem o devido acompanhamento profissional.

Outro risco na substituição da carne é optar por receitas e pratos que contenham grande quantidade de laticínios e derivados do leite, já que o consumo excessivo desses produtos eleva substancialmente a ingestão de gorduras saturadas. “Acontece com frequência da pessoa simplesmente excluir a carne e não mudar o restante da alimentação. Por isso é tão importante um bom planejamento alimentar. Já sabemos que dietas vegetarianas, quando bem planejadas, são saudáveis e nutricionalmente adequadas”, completa a especialista.

Miroro/Pixabay

Segundo pesquisa do Ibope Inteligência conduzida em abril de 2018, 14% da população brasileira se declara vegetariana. Uma opção de proteína tanto para vegetarianos, quanto flexitarianos dispostos a fazer a transição de dieta é a carne vegetal. O alerta da nutricionista é com relação à frequência de consumo do produto, já que a carne vegetal também é um alimento processado. “Na hora de comprar, uma dica é dar atenção à lista de ingredientes do produto e optar por aqueles que tenham menor quantidade de aditivos químicos, mas o ideal é que as refeições sejam preparadas em casa e com ingredientes naturais.”

Reposição de B12

Foto: Jeltovski

Quem pensa em adotar uma alimentação vegetariana estrita (onde não há consumo de alimentos de origem animal), não pode esquecer da vitamina B12, única vitamina que não se pode obter a partir de plantas. Além de ser importante para a formação das células vermelhas do sangue, ela também é necessária para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. “Para repor esse nutriente, é necessário fazer a suplementação sempre com acompanhamento profissional, onde também é avaliado o estado de saúde geral do indivíduo”, finaliza a nutricionista.

Fonte: Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Dieta baseada em vegetais e pouca quantidade de carne e laticínios ajuda a diminuir pressão arterial

Queijos e outros produtos lácteos, além da carne, são alimentos que devem ser consumidos com muita moderação por pacientes hipertensos. Estudo, publicado em julho no Journal of Hypertension, avaliou que mais importante que não comê-los é priorizar os vegetais na dieta.

“Segundo o estudo, qualquer esforço para aumentar alimentos à base de plantas em sua dieta e limitar produtos animais provavelmente beneficiará sua pressão arterial e reduzirá o risco de ataques cardíacos, derrames e doenças cardiovasculares”, diz a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Os pesquisadores da Universidade de Warwick conduziram uma revisão sistemática de pesquisas anteriores de ensaios clínicos controlados para comparar sete dietas à base de plantas, várias das quais incluíam produtos de origem animal em pequenas quantidades, a uma dieta de controle padronizada e o impacto que estes tiveram na pressão arterial dos indivíduos.

Foto: Olga’s Flavor Factory

“As dietas à base de plantas sustentam o alto consumo de frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, nozes e sementes, limitando o consumo da maioria ou de todos os produtos de origem animal (principalmente carne),” afirma a médica. A pressão alta é o principal fator de risco global para ataques cardíacos, derrames e outras doenças cardiovasculares. Uma redução na pressão sanguínea traz importantes benefícios à saúde, tanto para indivíduos quanto para populações.

Segundo a médica, dietas não saudáveis são responsáveis por mais mortes e incapacidades, globalmente, do que o uso de tabaco, alto consumo de álcool, uso de drogas e sexo inseguro juntos. Segundo o estudo, um aumento no consumo de grãos integrais, vegetais, nozes, sementes e frutas, como alcançado em dietas à base de plantas, poderia evitar até 1,7, 1,8, 2,5 e 4,9 milhões de mortes globalmente a cada ano, respectivamente, anualmente, de acordo com pesquisas anteriores.

“Já se sabe que dietas vegetarianas e veganas com total ausência de produtos de origem animal diminuem a pressão arterial em comparação com dietas onívoras. Sua viabilidade e sustentabilidade são, no entanto, limitadas. Até agora, não se sabia se era necessária uma completa ausência de produtos de origem animal nos padrões alimentares baseados em plantas para obter um efeito benéfico significativo na pressão sanguínea”, diz Marcella.

O estudo estima que uma redução na escala da pressão arterial causada por um maior consumo de dietas à base de plantas, mesmo com produtos de origem animal limitados, resultaria em uma diminuição de: 14% nos acidentes vasculares cerebrais, 9% nos ataques cardíacos, e 7% na mortalidade geral. “Esta é uma descoberta significativa, pois destaca que a erradicação completa de produtos de origem animal não é necessária para produzir reduções e melhorias na pressão arterial. Dessa forma, fica mais fácil para o paciente colocar em prática uma mudança em direção a uma dieta baseada em plantas”.

A pesquisa ainda sugere ações multissetoriais por parte de governos e sociedade para aumentar a disponibilidade e diminuir os custos de alimentos vegetais com a intenção de promover mudanças de políticas com foco na sustentabilidade ambiental da produção de alimentos, coleta de informações científicas e consequências para a saúde. “Introduzir mais vegetais à dieta trará uma série de benefícios à saúde. Independente da opção alimentar pessoal, as escolhas devem compor um hábito de consumo variado, equilibrado e o mais natural quanto possível”, finaliza a médica.

Fonte: Marcella Garcez é médica nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

Dia do Café: herói ou vilão da alimentação?

Cada vez mais popular, o café ainda alimenta polêmicas.Queridinho de uns, o consumo da bebida pode oferecer vantagens e desvantagens

Depois da água, o café é a bebida mais consumida do mundo e o Brasil é segundo maior consumidor do produto. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), em 2020 o consumo de café cresceu no Brasil 1,34% e o consumo per capita de café torrado no país é de 4,79 Kg por ano. Com isso, as empresas associadas à Abic registraram no ano passado um crescimento de 2,19%. O café movimenta a economia e ajuda a alimentar milhares de famílias, mas e para saúde, será que o café é herói ou vilão?

De acordo com a nutricionista Amanda Cristina Motte, o café deve ser consumido de forma moderada e seus benefícios estão relacionados com a quantidade ingerida por dia e a forma de preparo. Ela diz que aqueles que têm por hábito tomar uma xícara quentinha de café, podem se beneficiar dos efeitos da cafeína e de uma série de outras substâncias.

“O grão de café possui de 1% a 2,5% de cafeína, que atua como estimulante do sistema nervoso e do músculo cardíaco. Aumenta a atenção, a concentração e a memória. Possui ácidos clorogênicos em maior quantidade que os outros componentes, que possuem atividade anticancerígena e propriedades antioxidantes, responsável por retardar o envelhecimento,” afirmou a nutricionista.

Café como estimulante

Depositphotos

O mais famoso efeito do café no organismo é derivado da cafeína, mas não só. “Há também minerais, açúcares, gorduras, aminoácidos e vitaminas do complexo B que ajudam a estimular o metabolismo e melhorar o desempenho na prática de exercícios físicos”, afirmou Amanda.

Ação antioxidante

Responsável por atrasar o envelhecimento do organismo, uma das funções mais importantes do café no organismo é o seu efeito antioxidante, afirmou a nutricionista. Ela cita que essa propriedade do café é bastante utilizada na produção de cosméticos e que inclusive uma investigação realizada pelo Instituto Nacional do Câncer dos EUA mostra que o café pode oferecer um ganho de até 10% na expectativa de vida do homem e de até 15% na expectativa de vida das mulheres. A nutricionista lembra também que os efeitos antioxidantes do café também diminuem o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e outras doenças inflamatórias.

Café e a estética bucal

A odontóloga Carla Rockenbach afirma que o amarelamento dos dentes está associado a um processo de envelhecimento natural, mas para quem tem o hábito de tomar café esse processo se torna mais acelerado. “O café possui um pH muito baixo comparado ao da boca, causando desmineralização do esmalte, facilitando a aderência dos pigmentos que causam manchas e aumentando a sensibilidade dental,” afirmou a odontóloga.

Para resolver esse problema, muitas pessoas optam por fazer clareamento dental, mas a odontóloga afirma que essa solução é temporária. “O clareamento dental é uma desidratação dos dentes, um processo químico em que os radicais livres provenientes do agente clareador que penetram na estrutura dentária e realizam a oxidação das cadeias carbônicas que constituem as moléculas pigmentadas. No clareamento, os dentes voltam bem rápido a ficarem manchados” afirmou. Segundo a odontóloga, o mesmo acontece também com as resinas.

Para ela, a medida definitiva, que resolve as manchas de café nos dentes são as facetas de porcelana. “A faceta em porcelana é hoje o único material que não vai manchar, por que as facetas são formadas por uma substância sólida, altamente polida em que ainda é aplicada uma camada de glaze – que é uma camada a mais de brilho, isto preserva a cor e a faz permanecer intacta por um período muito maior” afirmou a odontóloga.

Os perigos de consumi-lo em excesso

A nutricionista afirmou que, se ingerido em excesso, o café pode aumentar a frequência cardíaca e deixar o corpo em estado de alerta. “É por isso que seu consumo em excesso pode ser perigoso para o corpo, visto que pode criar cenários oportunos para fadiga motora e crises de ansiedade” disse. “Consumi-lo em grandes quantidades também pode estar associado a elevação nos níveis de colesterol e da pressão arterial”, afirmou. A profissional afirmou que o Ministério da Saúde recomenda para um adulto a dose diária máxima de três xícaras ou até o volume 100 ml por dia.

O excesso do consumo do café também está associado a casos de úlcera, gastrite e refluxo ou outras doenças gastrointestinais, causando desconforto e dor devido ser estimulante da secreção ácida e da pepsina do estômago é o que afirma o médico gastroenterologista, Thiago Patta, diretor do Instituto de Videocirurgia, Gastrocirurgia e Obesidade de Rondônia. Por isso, o médico afirma que não é correto ingerir o café em jejum. “O interessante é o café ser ingerido após a refeição, para tirar aquela sonolência que dá após nos alimentarmos”, afirmou.

Café com Leite

O parceiro mais famoso do café é o leite, não é pra menos, pois a nutricionista afirma que quando consumido com leite, o café tem seu valor nutricional aumentado, “principalmente para crianças e idosos”, afirmou. Ela pondera que a medida ideal é no máximo a metade de cada, ou a prevalência do leite na mistura, pois o excesso de café pode interferir reduzindo a absorção do cálcio presente no leite.

Além disso, o leite tem o poder de ajudar a neutralizar o efeito danoso do café como agente causador das azias, gastrites e refluxos. Patta afirma “essa mistura pode diminuir a ação estimulante da secreção ácida do estômago, o que reduz o refluxo gástrico e a sensação de desconforto”.

Saúde mental: qual o papel da suplementação?

A nutrição é um importante aliado na busca pelo equilíbrio das emoções e pode auxiliar no tratamento de estresse e ansiedade

No Brasil, a saúde mental exige constante atenção, afinal, 30% da população sofre com o estresse diariamente. Pesquisas da OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que 2 milhões de brasileiros são portadores do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e revelam que 5,8% dos brasileiros sofrem de depressão, valor acima da média mundial (4,8%). Além da depressão, outro quadro emocional que compromete a qualidade de vida de cerca de 10% dos brasileiros é a ansiedade.

Somado a isso, um estudo conduzido por Pfefferbaum e North (2020) comprovou que a pandemia no novo coronavírus foi um agravante para várias pessoas que já lutavam contra esses distúrbios. E para algumas pessoas, a adaptação à rotina de isolamento social e o medo da doença foi gatilho para o desenvolvimento de psicopatologias.

Saúde mental e física: um ciclo de interdependência

Os transtornos mentais estão associados a alterações fisiológicas e metabólicas. O estresse, por exemplo, pode gerar reações como a redução do número e da formação de neurônios, diminuição da memória e da cognição, redução da imunidade, aumento da pressão arterial, alterações da microbiota intestinal, modificação da absorção de nutrientes, entre outros, como explica a nutricionista e consultora da Naiak Karla Maciel.

Ela explica: “Os impactos da saúde mental não excluem a saúde física: na verdade, as duas são interdependentes e igualmente importantes na busca por qualidade de vida. Por isso, pensar em estratégias que auxiliem na modulação dessas desordens e dos sintomas gerados por elas é fundamental”.

Como a alimentação e a saúde mental se relacionam?

Que a prática frequente de atividades físicas, cessação do tabagismo, redução do consumo do álcool e uma alimentação saudável e equilibrada são importantes aliados da saúde física, todo mundo já sabe. No entanto, esses fatores também contribuem imensamente na busca do equilíbrio emocional. “ Esses hábitos auxiliam na modificação positiva das emoções, inclusive nas desordens mentais, proporcionando melhora dos seus sintomas e, inclusive, reduzindo a morbidade e mortalidade”, conta Karla.

A nutrição por si só já desenvolve um papel fundamental na qualidade de vida. Quando combinada com uma suplementação de qualidade, a alimentação equilibrada promove a saúde cerebral e função neurocognitiva a partir da ação na fisiologia do sistema nervoso central. Ela é capaz de modular a inflamação e o estresse oxidativo, além de fornecer substâncias como a seratonina e Gaba, que são responsáveis pela comunicação entre os neurônios, ou células nervosas, e as outras células do corpo, além de apresentarem efeito na redução do cortisol, o ‘hormônio do estresse’.

Magnésio: um regulador de emoções

eCycle

Uma substância crucial para a estabilidade do organismo é o magnésio. Esse elemento é responsável por mais de 300 reações enzimáticas, mas seu consumo foi reduzido pelo padrão de produção de alimentos utilizado atualmente. Por vezes, é necessário complementar a falta desse nutriente com a suplementação. Karla explica que “A deficiência de magnésio impacta no sistema nervoso central, propiciando diversas alterações mentais, como depressão, agitação e ansiedade”.

Taurina: a fonte da concentração

A taurina é o segundo aminoácido mais abundante no sistema nervoso, e é precursora de Gaba um neurotransmissor que age em sintonia com a serotonina, na redução da ansiedade. Além disso, ela é fundamental no suporte cognitivo, atuando na melhora do foco e da concentração, em todas as fases da vida, o que é benéfico em indivíduos em situações de estresse e ansiedade e podem ser um coadjuvante no tratamento de portadores de TDAH, já que essas patologias causam uma deficiência na concentração e no foco.

Tauromind

Entre os produtos da Naiak está o Tauromind, um suplemento que combina o magnésio e taurina (525 mg de magnésio taurato), resultando em um produto aliado da saúde neurológica e cardiovascular, pela ação integrada desses nutrientes. É um produto isento de glúten e lactose, além de ser vegano. Com selo de garantia da matéria-prima utilizada na sua formulação, é garantia de eficácia e qualidade na sua rotina de suplementação.

Fonte: Naiak

Estudo da Unifesp mostra relação dos hormônios do apetite e distúrbios de humor em mulheres na pós-menopausa

Os índices de depressão e de ansiedade, que já cresciam e preocupavam autoridades do Brasil e do mundo em geral, ano após ano, têm aumentado ainda mais em consequência das incertezas e dificuldades trazidas pela pandemia de Covid-19. Há quem diga, inclusive, que lidamos atualmente com duas pandemias, a de Covid-19 e a dos distúrbios mentais.

Nesse sentido, dois estudos realizados pelos Departamentos de Fisiologia, Psicobiologia e Ginecologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), trouxeram informações relevantes acerca da relação entre os distúrbios do humor e os hormônios do apetite, principalmente em mulheres na pós-menopausa.

“Apesar da depressão e da ansiedade serem patologias conhecidas e muito estudadas, pela sua complexidade e íntima relação com nosso sistema nervoso central as causas destes distúrbios mentais ainda não são completamente entendidas, o que pode dificultar o tratamento correto. Em dois estudos, pudemos observar, por exemplo, que além do excesso de peso, a grelina, que é o hormônio da fome, e a leptina, hormônio da saciedade, estão intimamente relacionados com a depressão e ansiedade, em mulheres na pós-menopausa”, explica Maria Fernanda Naufel, pós-doutoranda em nutrição pela Unifesp e uma das responsáveis pelos estudos. Os artigos foram publicados nas revistas Scientific Reports e Menopause.

No estudo veiculado no periódico Menopause Journal, foram incluídas tanto mulheres na pré-menopausa, com idade entre 40 e 50 anos e que representaram o grupo controle, quanto mulheres na pós-menopausa, entre 50 e 65 anos. Já no estudo publicado no periódico Scientific Reports, foram incluídas somente mulheres na pós-menopausa, com idade entre 50 e 65 anos, que apresentavam algum grau de depressão, excluindo, portanto, aquelas não deprimidas.

Em ambos os estudos foram analisadas medidas antropométricas por meio de bioimpedância avançada. Sintomas de depressão e ansiedade foram avaliados por questionários. Também foram dosados inúmeros parâmetros bioquímicos e hormonais por meio de amostras de sangue e saliva, além de parâmetros clínicos.

“Entre os principais resultados, constatamos que, além da obesidade total, obesidade abdominal, avançar da idade e resistência à insulina influenciarem de forma expressiva em quadros de depressão e ansiedade, observamos que a leptina e a grelina são fortes preditores independentes, que se associaram positivamente e respectivamente com a ansiedade e depressão, na população estudada. Ou seja, averiguamos que quanto maiores os índices de leptina maiores os sintomas de ansiedade e quanto maiores os níveis de grelina acilada (antes chamada de grelina ativa) maiores os sintomas de depressão, em mulheres na pós-menopausa”, destaca Maria Fernanda.

De acordo com a pesquisadora, “estudos já haviam encontrado receptores de grelina e leptina em zonas do cérebro responsáveis pela regulação do humor, e por meio de nossos estudos foi possível observar uma estreita associação entre estes hormônios do apetite e distúrbios mentais.”

Apesar de constatar a relação dos hormônios da fome e saciedade com a depressão e a ansiedade, Maria Fernanda ressalta que ainda não é possível concluir se estes efeitos são positivos ou negativos para o humor.

“Essa associação pode refletir tanto uma resposta fisiológica do corpo tentando lutar contra a depressão e ansiedade – neste caso, os hormônios estariam atuando como antidepressivos ou ansiolíticos -, quanto podem ser um fator causal destas patologias. Estudos experimentais levam a crer que estes hormônios auxiliam na melhora dos distúrbios de humor, contudo, mais estudos em humanos são necessários para se chegar a uma conclusão.”

Outros resultados constatados nos estudos incluem o fato de mulheres na pós-menopausa apresentarem maiores índices de depressão, ansiedade, obesidade total e obesidade abdominal, quando comparadas às mulheres na pré-menopausa. “Assim, é de suma importância monitorar o ganho de peso e alterações de humor em mulheres na pós-menopausa, para um diagnóstico e tratamento precoce, preservando com isso a qualidade de vida”, conclui a pesquisadora da Unifesp.

Fonte: Unifesp

Sete superfoods para complementar o seu cardápio diário

Além de nutrir o corpo, alguns alimentos contribuem para a manutenção da saúde mesmo em pequenas quantidades

Não é segredo que alguns alimentos são capazes de fornecer nutrientes essenciais para prevenção de doenças e manutenção da saúde. Nessa categoria entram as “superfoods”, que são os alimentos que concentram grandes quantidades de nutrientes em pequenas quantidades favorecendo o metabolismo, a saúde mental, o sistema imunológico e prevenindo contra o envelhecimento das células.

As superfoods podem ser facilmente encontradas e até entregues na porta de casa. A Boa Terra oferece este serviço, além de ter uma vasta lista com frutas, verduras e legumes que vão complementar o cardápio. Confira abaixo:

GreenMe

=Linhaça: a semente é rica em ômega 3, minerais como potássio, fósforo, magnésio, cálcio e enxofre e vitaminas E, D e do complexo B. O consumo favorece as defesas do organismo e reduz o risco de doenças cardíacas e na redução do LDL (o colesterol ruim).

=Chia: apresenta boas doses de ômega-3, antioxidantes, cálcio, proteínas, fibras, vitaminas e minerais. As sementes ajudam a controlar níveis de glicose no sangue, colesterol e triglicerídeos.

=Azeite: concentra vitamina E, polifenóis e ácidos graxos monoinsaturados, que ajudam a prevenir o risco de doenças cardiovasculares, ao mesmo tempo que favorecem o controle dos níveis de colesterol. Estudos indicam que o azeite também reduz o risco de Alzheimer.

=Abacate: a fruta é repleta de nutrientes, além de ter fibras, potássio, magnésio e vitaminas do complexo B, K e C, ideias para o bom funcionamento do organismo. O abacate também apresenta um aminoácido chamado triptofano que ajuda na produção de serotonina, responsável pela sensação de bem-estar no corpo.

Foto: Clara Sander/Pixabay

=Espinafre: as folhas apresentam boas doses de ferro, cálcio, fósforo, potássio, magnésio, fibras, proteínas, carboidratos, além de vitaminas A, K e B2. O consumo regular contribui para a saúde dos olhos e pode prevenir doenças cardiovasculares. Para a absorção de todos os minerais, é recomendado ingerir a hortaliça com alimentos ricos em vitamina C, tais como laranja, abacaxi ou acerola.

=Aveia: contém fibras solúveis que auxiliam no controle da glicemia, sendo excelente para os diabéticos. Os cereais também são ricos em cálcio, ferro, magnésio e vitaminas do complexo B. Entre os benefícios para a saúde estão: controle da pressão arterial, redução do colesterol ruim, melhora na digestão e na saúde do coração, incluindo mais energia e diminuição do cansaço.

Foto: Gadini/Pixabay

=Alho: é um dos temperos que mais colaboram para uma vida saudável. O alho é rico em minerais que nutrem o organismo, como potássio, cálcio e magnésio. A alicina presente ajuda a saúde do coração ao reduzir os níveis de colesterol e coágulos no sangue. As funções respiratórias também são beneficiadas graças às suas propriedades expectorantes e anti sépticas.

Como receber sua cesta em casa?
No site A Boa Terra, o cliente consegue visualizar a lista de produtos disponíveis que variam entre frutas, legumes, verduras e produtos de mercearia. O cliente ainda pode personalizar ou escolher a sugestão do sítio (R$ 36 a R$ 124) – assinaturas semanais custam de R$ 50 a R$ 163 reais. A Boa Terra entrega em São Paulo, Barueri, Osasco, Guarulhos, Santo André, São Bernardo, São Caetano, Ribeirão Preto e cidades mais próximas ao Sítio na região de Itobi.
.

Alimentação e os impactos na vida da mulher durante os períodos de TPM e da menopausa*

Em tempos como esse que vivemos hoje, o cuidado com a saúde se tornou muito mais evidente. Muito além do corpo, músculos e tudo aquilo que remete à estética, a saúde interior ganhou mais importância, se não mais, do que a beleza. O famoso ditado ‘de dentro para fora’ faz muito mais sentido, quando relacionamos a alimentação e seus efeitos benéficos para o corpo, da saúde da pele até o equilíbrio hormonal.

Assim, o consumo de alimentos funcionais, como soja e derivados, peixes, frutas, entre outros encontrados na natureza, são fortes aliados para manter a saúde em dia e prevenir doenças.

Cólicas, inchaços, dores de cabeça e ‘calorões’ são alguns dos sintomas associados aos períodos mais característicos da vida de 49,7% da população em todo o mundo¹, mais especificamente em mulheres. Esses sintomas são conhecidos como o ciclo menstrual e a menopausa durante grande parte da vida de uma mulher. Ambos são variações hormonais, caracterizados pela progesterona e estrógeno, relacionados também a demais fatores como nutrição, estresse, entre outros. Dentre esses fatores, a alimentação adequada ajuda, e muito, no controle e até mesmo na diminuição das manifestações fisiológicas vinculadas a este fenômeno.

Alguns tabus que repercutem pela internet, como o leite de inhame e o chá de amora, já são conhecidos pelo público feminino de forma ampla na tentativa de diminuir tais sintomas. Porém, dentro da nutrição funcional, encontramos alimentos que chamamos de suplementos alimentares onde seus benefícios, comprovados cientificamente, demonstraram mudanças significativas nos sintomas associados à tensão pré-menstrual e à menopausa. Destacam-se entre os suplementos alimentares o óleo de prímula e óleo de borragem.

O óleo de prímula, utilizado há muitos anos por tribos, por meio da infusão em chás e receitas, traz diversos benefícios, entre eles a melhora na saúde capilar, efeito sedativo nos casos de tosse, além de auxiliar o sistema cardiovascular, atuando como estímulo na circulação do sangue. Porém, recentes estudos apontam que o óleo de prímula tem sido eficaz também na diminuição de sintomas como cólicas, inchaços localizados e mudança de humores associados à tensão pré-menstrual em mulheres.² Lembrando que o ciclo menstrual ocorre normalmente de vinte a quarenta e cinco dias, atuando sempre como um preparo para gestação e, por isso, as mudanças hormonais são drásticas para que em caso de gravidez, o corpo esteja adaptado para as diversas mudanças.³

Fisiologicamente, óleo de prímula e óleo de borragem possuem um componente chamado ácido gama linolênico, que age como um regulador importante nas atividades celulares vinculadas ao ciclo menstrual e seus estímulos, através dos hormônios sexuais femininos (progesterona, estrógeno e prolactina). Isso significa que este suplemento alimentar tem o poder de diminuir as manifestações estimuladas pelo desequilíbrio hormonal, reduzindo assim a liberação de estímulos associados aos sintomas e sinais. Neste caso, mulheres que sofrem com dores intensas, mudanças de humores e inchaços no corpo de forma generalizada, encontram um alívio com o consumo deste suplemento alimentar.⁴

Claro que não podemos esquecer as mulheres que, em certo momento da vida, passam pela menopausa ou término permanente do ciclo menstrual que ocorre durante o climatério, onde os sintomas mais populares são a sensação de calor e suor excessivos em conjunto com outras manifestações sexuais.⁵

O óleo de prímula demonstrou resultados positivos, atuando como um importante regulador, no alívio de períodos de intenso calor e sudorese noturna, causados também pelo desequilíbrio hormonal. Um fato curioso deste tão importante suplemento alimentar é que o mesmo auxilia na absorção de cálcio.⁶ A importância desta função à saúde da mulher se comprova na reposição óssea. Progesterona e estrógeno estão amplamente relacionados à absorção efetiva do mineral cálcio, muito conhecido por ser um dos minerais mais importantes para saúde óssea. Devido ao desequilíbrio e redução dos hormônios sexuais femininos neste período, a absorção deste mineral se torna comprometida, muitas vezes resultando na osteoporose em mulheres. Por isso, o consumo dos óleos de prímula e borragem como prevenção se torna importante, uma vez que esta reposição óssea, após o período de menopausa, é muito baixa, comparada ao período de ciclo menstrual.⁷

*Daphne Tuthill Muniz Assi, formada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo, é Supervisora Comercial do Armazém Fit Store.

Referências:
¹ Gender Ratio across the world
² Vitex Agnus-castus l., Oenothera biennis l., Curcuma longa l., como tratamento alternativo na síndrome da tensão pré-menstrual (tpm)
³ A percepção de mulheres sobre a menstruação: uma questão de solidariedade
⁴ Tensão pré-menstrual: mecanismos fisiológicos deflagradores da compulsão e preferências alimentares
⁵ Repercussões da Menopausa para a Sexualidade de Idosas: Revisão Integrativa da Literatura
⁶ Horrobin K. Calcium metabolism, osteoporosis and essential fatty acids: a review. Progress in Lipid Research, v.36, p.131-151, 1997.
⁷ Menopausa: conceito e tratamentos alopático, fitoterápico e homeopático.

Dieta mediterrânea pode prevenir câncer de intestino

Rica em hortaliças e alimentos naturais, a dieta mediterrânea pode ajudar no bom funcionamento intestinal

Sabe-se que hábitos saudáveis são fundamentais na prevenção de doenças. Entre esses hábitos, a alimentação, fonte primordial de macro e micronutrientes, inclusive antioxidantes, tem um papel central. Dentre várias dietas, uma tem chamado a atenção dos proctologistas – a mediterrânea. Segundo os médicos, essa dieta pode prevenir o câncer de intestino.

O câncer de intestino, de acordo com o Instituto nacional do Câncer – INCA, deve atingir, ainda em 2020, mais de 40 mil pessoas no Brasil. Conhecido como câncer colorretal, a neoplasia tem uma taxa de mortalidade de cerca de 19 mil mortes anuais. Além disso, é o segundo tipo mais comum, excetuando-se o câncer de pele não melanoma.

Fator de risco

Getty Images

Segundo o oncologista do Grupo OncoProcto do Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte, Ricardo Cembranelli, um dos fatores de risco para a incidência de câncer no intestino é a má alimentação. “O consumo de embutidos, alimentos ultraprocessados e gorduras saturadas, por exemplo, pode provocar inflamações que, a longo prazo, correm risco de se tornarem cancerígenas”, explica.

Simone Silvestre, médica especialista em nutrologia, também do grupo OncoProcto, lembra que, em geral, uma dieta rica em alimentos in natura promove importantes efeitos no organismo. “Os alimentos in natura parecem ter funções ainda não inteiramente entendidas pela ciência. Um bom exemplo são as evidências que mostram que eles são mais eficazes que um suplemento vitamínico”, comenta.

Dieta mediterrânea

Um estudo divulgado pelo GUT, jornal internacional líder em Gastroenterologia e Hepatologia, mostrou que a dieta mediterrânea reage positivamente com a microbiota intestinal e ajuda a promover o envelhecimento saudável. “Essa dieta é baseada nos hábitos alimentares de países mediterrâneos e é rica em hortaliças, frutas, grãos integrais, nozes, azeite, laticínios, aves, frutos do mar, feijão e ovos. Além desses alimentos, há um menor consumo de carne vermelha”, explica Simone.

Segundo a médica, esses alimentos são fonte de antioxidantes e fibras, componentes que auxiliam o corpo a permanecer saudável e são moduladores da microbiota. “Os antioxidantes ajudam a eliminar radicais livres, que são substâncias que podem danificar nossas células e predispor a neoplasias. Já as fibras auxiliam no funcionamento intestinal, e são utilizadas na produção de ácidos graxos de cadeia curta, que têm, entre outros, uma função protetora de células colônicas”, explica. “Por outro lado, a redução no consumo da carne vermelha está associada a uma diminuição do câncer colorretal”, completa.

Simone pondera que, ao falar de hábitos saudáveis, muitas vezes isso se refere ao estilo de vida mediterrâneo. “Além da ingestão dos alimentos citados, valoriza-se também a ingestão adequada de líquidos, a prática de atividade física e o convívio social’, podera.

Indicação e contraindicação

Cembranelli lembra que, para quem tem casos de câncer de intestino na família, é interessante adotar o quanto antes esse tipo de dieta. “Ter casos na família é um dos fatores de risco para os cânceres no intestino. Então, atentar-se à alimentação pode fazer a diferença depois”, orienta.

Já Simone destaca que a dieta mediterrânea é considerada uma das dietas mais saudáveis do mundo, auxiliando não somente na prevenção do câncer como também na prevenção de doenças cardiovasculares.

Entretanto, caso haja o diagnóstico de um câncer e se inicie o tratamento, a dieta deve ser avaliada por um profissional capacitado, uma vez que os objetivos nesse período são diferentes e com efeito imediato. Isso porque as vantagens da dieta mediterrânea se manifestam em longo prazo, enquanto o tratamento pode ter repercussões nutrológicas importantes, necessitando de cuidados específicos.

“Essa situação precisa ser avaliada com cuidado, pois em pessoas que evoluem com perda de peso, é preciso que sejam realizados ajustes na dieta visando a prevenção de desnutrição e melhora de resultados”, salienta.

Fonte: Grupo Onco-Procto do Hospital Felício Rocho

Nestlé lançará mais de dez itens plant-based ao longo de 2021

A primeira novidade chega em março, com a marca Nescafé Dolce Gusto, que trará ao mercado as primeiras opções de bebidas vegetais em cápsulas

No ano em que completa 100 anos de presença no Brasil, a Nestlé vai investir na ampliação de seu portfólio plant-based, como parte de seu compromisso de ajudar a levar soluções nutricionais para atender diferentes perfis e necessidades da população brasileira. No total, serão mais de 12 novos itens lançados no mercado brasileiro ao longo de 2021. Nos últimos três anos, a companhia investiu cerca de R$ 40 milhões nesta frente.

As inovações são parte de uma estratégia global da Nestlé para estar ao lado dos consumidores em suas opções, tanto para aqueles que adotaram a alimentação vegana ou vegetariana, quanto para os flexitarianos – ou seja, pessoas que seguem uma mudança de comportamento para reduzir o consumo de itens de origem animal -, além daqueles que buscam adotar hábitos alimentares e estilos de vida diversificados.

Segundo pesquisa da GFI Brasil em parceria com o IBOPE, realizada em 2020, 49% dos brasileiros declaram terem reduzido o consumo de carne e 59% já incluem bebidas vegetais em sua dieta, sendo que 39% afirmam que já consomem alternativas vegetais pelo menos três vezes por semana. Os motivos para o consumo de produtos plant-based acompanham tanto um aumento da população vegetariana quanto um maior envolvimento das pessoas com questões ambientais e busca por novas opções mais equilibradas. No caso das bebidas vegetais, o consumo também é motivado por uma parcela da população que possui intolerâncias ou alergias relacionadas ao leite animal.

Pioneirismo no mercado de cápsulas

O primeiro lançamento plant-based da Nestlé no ano será com Nescafé Dolce Gusto, a primeira marca de cápsulas a adentrar esta categoria. Serão dois novos itens do portfólio de Lattes.

O Macchiato Amêndoas é um produto marcado pela combinação da leveza das notas de amêndoas com o sabor de café levemente tostado.

Já o Macchiato Coco, traz uma mistura de grãos de café do sudeste asiático com o sabor delicioso e a cremosidade do coco. Ambos os produtos têm torrefação média e intensidade 5, além de serem opções zero lactose.

As novidades já estão disponíveis para o consumidor em caixas com 12 cápsulas, exclusivamente no e-commerce de Nescafé Dolce Gusto.

Sorvete Vegano

Em junho de 2019, a Nestlé trouxe para o Brasil mais de 20 opções de produtos plant-based da marca Nature’s Heart, produzidos pela equatoriana Terrafertil, da qual a multinacional suíça é sócia majoritária desde o início de 2018. Agora em 2021, a marca inova ao lançar o primeiro sorvete vegano para a rede Bacio di Latte. O produto será feito com bebida vegetal de aveia da linha Nature’s Heart e estará disponível nas lojas da marca em todo o Brasil a partir de março.

Jornada Plant-based

As novidades vêm somar ao portfólio da companhia nessa frente, que já conta com opções como o Ninho na versão pronta para beber, o primeiro produto plant-based para atender necessidades específicas de crianças no Brasil, lançado em setembro de 2019. Desde 2015, a marca Nesfit também já traz opções nessa frente para o consumidor, sendo a primeira marca a lançar produtos plant-based da companhia no país. Em 2020, a Nestlé lançou Nesfit Sabor Natural, produto com 7g de proteína, além de versões vegetais em pó de Ninho e Molico.

Fonte: Nestlé