Arquivo da tag: alimentação

Por que dietas restritivas não funcionam? Aprenda a manter uma boa relação com os alimentos

Líder mundial em controle de peso, VigilantesdoPeso explica porque passar vontade pode ser prejudicial para o emagrecimento e apresenta seus alimentos PontosZero

O desejo de perder peso rapidamente faz com que muitas pessoas optem por dietas restritivas, mas será que esse é o caminho ideal? Fato é que, cortar o consumo de alimentos que você gosta, só porque está em processo de emagrecimento, pode, na verdade, interferir de maneira negativa nos resultados esperados. Passar vontade apenas contribui para potencializar as tentações. Para conseguir alcançar seus objetivos, o primeiro passo é ter consciência de que aderir a um método drástico sem contar com ajuda especializada pode ser prejudicial à saúde.

“Reprimir uma vontade acumulada aumenta as chances de comer compulsivamente. Além disso, para conseguir estabelecer uma nova rotina alimentar adequada para sua saúde e bem estar, é preciso entender que cada indivíduo possui necessidades nutricionais diferentes. Só assim é possível emagrecer de forma correta e saudável, adquirindo mais qualidade de vida e prevenindo doenças, benefícios alcançados a médio e longo prazo”, explica Matheus Motta, nutricionista responsável pelo VigilantesdoPeso no Brasil.

O programa VigilantesdoPeso pode ser um importante aliado na jornada em busca do emagrecimento, auxiliando os usuários de acordo com seus objetivos e preferências, sem limitá-los de forma restritiva. Diferentemente de muitos programas focados na perda de peso, que consideram apenas as calorias ingeridas ao longo do dia, o VigilantesdoPeso leva em conta todas as informações nutricionais de um alimento, como açúcar adicionado, fibras, proteínas, gordura saturada versus insaturada

Outro importante diferencial é a lista de alimentos chamados PontosZero, que, apesar do nome, possuem calorias e valores nutricionais. Ao todo, são mais de 200 opções nutritivas, ricas em fibras, com baixo teor de açúcar e que aumentam a saciedade, para comer sempre que quiser, sem precisar medir ou pesar. Vegetais sem amido, frutas, iogurte, queijo cottage zero gordura, ovos, peixes, frutos do mar, frango, tofu, milho, pipoca, feijões, ervilhas e lentilhas que podem ser consumidos a qualquer momento, sem limitações, oferecendo um caminho flexível que permite melhorar as escolhas alimentares, a fim de tornar a perda de peso mais simples e acessível.

Muito mais do que um guia de alimentos, a lista de alimentos chamados PontosZero é uma importante aliada para os usuários, durante o processo de emagrecimento. A contagem de pontos é uma forma de manter a motivação ao longo da jornada. Além de auxiliar nas escolhas alimentares, ela ajuda a perceber que pequenos hábitos podem fazer toda a diferença para quem deseja perder peso e ganhar qualidade de vida.

Fonte: VigilantesdoPeso

Nutricionistas apontam alimentos para repor vitamina D e ajudar a manter a cor do verão

Tatiana Império de Freitas e Thais de Oliveira Mendes Kanashiro, professoras de Nutrição da Universidade Cruzeiro do Sul, dão dicas e alternativas de alimentos para repor vitamina e impulsionar o bronzeado

A vitamina D sempre foi um importante componente para a saúde e imunidade da população, mas também era algo que poucos se importavam. Durante a pandemia, essa vitamina começou a ser bastante falada e investigada por dois motivos, as pessoas começaram a apresentar baixo índice por estarem muito tempo dentro de casa sem contato com o sol e também pesquisas nacionais e internacionais apontaram que a maioria dos pacientes com a deficiência da vitamina D tinham mais riscos de contrair o Covid-19 e doenças.

Tatiana Império de Freitas e Thais de Oliveira Mendes Kanashiro, professoras de Nutrição da Universidade Cruzeiro do Sul, explicam que a Vitamina D, ou calciferol, é uma substância lipossolúvel precursora de hormônios e essencial para o crescimento e desenvolvimento normal. “Além disso, é importante na formação dos dentes e ossos e encontra-se em duas formas (vitamina D2 e D3) produzida no tecido animal pela ação da luz ultravioleta no 7-deidrocolesterol (pré-hormônio natural encontrado na pele). Estima-se que 80 a 90% dessa vitamina pode ser adquirida pela ingestão ou a exposição solar.”

As especialistas destacam também que essa deficiência não é de hoje. “Após a revolução industrial houve aumento nos casos de falta de vitamina D, visto que o estilo de vida atual, com redução das pessoas em exposição solar, influencia consideravelmente nas concentrações dessa vitamina no organismo. Atualmente a ausência desse componente é vista como um problema de saúde pública no mundo. Segundo Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), 85% da população brasileira adulta em ambos os sexos apresentam ingestões inadequadas da vitamina”, orientam.

Tatiana e Thais apontam que tem sintomas da deficiência da vitamina D que podem ser percebidos já na infância. “Nas crianças a baixa da vitamina pode estar associada ao quadro de raquitismo (condição que envolve a formação óssea em crianças). Em adultos pode-se apresentar, principalmente, na forma de comprometimento da densidade mineral óssea e futuramente desenvolver até mesmo a osteomalácia, e em idosos, a osteoporose”, esclarecem.

“Para minimizar os efeitos da falta da vitamina, se faz necessário o consumo e suplementação alimentar por meio de alimentos de origem animal, pois peixes gordurosos de água fria e profunda como: atum, salmão, sardinha, cavala em conserva, gema de ovo e também leites, queijos e iogurtes, apresentam alto teor de vitamina D em suas composições o que auxiliam na reposição ao corpo”, orientam as nutricionistas.

Não existem alimentos que devem ser evitados para quem está com baixo teor de vitamina D, entretanto, as especialistas ressaltam que a síntese de vitamina D pode sofrer interferência da região geográfica, estações do ano, pigmentação da pele, hábitos culturais, exposição ao sol e o uso do protetor solar. Assim como, alguns medicamentos também podem reduzir a absorção dessa vitamina.

Já para auxiliar a vitamina D e também impulsionar o bronzeado do verão, a vitamina A pode ser uma grande aliada. “O betacaroteno é considerado um carotenoide e encontra-se em alimentos como frutas, verduras e legumes de cores alaranjados como: manga, abóbora, cenoura, entre outros. E por meio de reações químicas em nosso organismo, esse composto dá um tom dourado a pele bronzeada, ou seja, recomendamos o consumo desses itens ao longo do ano e principalmente meses antes de viagens ou exposições mais frequentes ao sol, pois além de auxiliar e facilitar na cor do corpo também repõem os nutrientes e vitaminas necessárias ao corpo em conjunto a vitamina D,” enfatizam.

Um ponto importante durante a exposição solar para reposição da vitamina D ou para o bronzeado do verão é que esse contato com o sol deve ser feito fora do horário de maior intensidade de radiação solar, ou seja, ser evitado das 10h às 15h, com objetivo de prevenir os malefícios que a radiação solar pode causar (lesões e câncer de pele). A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda exposição direta nas pernas, costas ou abdome, de 5 a 10 minutos todo os dias, a fim de sintetizar vitamina D, sem sobrecarregar as áreas cronicamente expostas ao sol.

Por fim, as docentes da Universidade Cruzeiro do Sul e nutricionistas apontam que a suplementação sem orientação médica ou nutricional pode levar efeitos colaterais sérios no organismo. “Portanto, procure sempre o auxílio de um médico ou nutricionista para uma melhor avaliação e indicação ao seu caso”, finaliza.

Fonte: Universidade Cruzeiro do Sul

Tomate: como aproveitar ao máximo os benefícios

Além de saboroso, o tomate é rico em nutrientes e pode trazer muitos benefícios à saúde. Nutricionista comenta as propriedades e ainda ensina uma receita prática e fácil

Um dos elementos mais populares da cozinha, o tomate é uma fruta versátil e muito nutritiva. Desde que começou a ser usado como alimento, muitas são as possibilidades de preparo: é apreciado cru, cozido ou processado. Cada uma confere sabores diferentes às receitas e ao paladar – e também ativa nutrientes específicos em cada um dos modos.

Mundialmente conhecido, o tomate é celebrado todo ano em 1º de fevereiro. Nativo das Américas do Sul e Central, ele foi cultivado e consumido, pela primeira vez, pelos povos Incas e Astecas. Dizem que foi levado para a Europa pelos espanhóis, mas ganhou o paladar do mundo depois dos italianos.

Além de saboroso, o tomate é uma fruta rica em nutrientes e muito benéfica para o organismo. Segundo Samira Lima, nutricionista da plataforma Science Play, ele é um dos vegetais de maior importância nutricional e econômica e está entre os frutos mais consumidos pela população brasileira e por todos aqueles que têm como base a dieta do mediterrâneo.

Freepik

“É uma excelente fonte de carotenoides, como o licopeno, o betacaroteno, a luteína e a zeaxantina. Também é uma fonte considerável de vitaminas K, A, C, fibras e carboidratos, além de algumas quantidades de ferro, potássio, fósforo e enxofre. Além disso, contém baixo teor de sódio, gordura e calorias”, explica Samira.

Como se não bastasse a quantidade de nutrientes, a ingestão dietética do tomate está associada a uma diminuição do risco de doenças crônicas, como câncer e doenças cardiovasculares. E não para por aí: as atividades do licopeno, elemento presente na fruta, incluem efeitos antioxidantes, cardioprotetor, neurobiológico (atuando em doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson), efeito anti-inflamatório, anti-hipertensivo e anti agregativo.

“A biodisponibilidade do licopeno é influenciada pelo conteúdo da dieta. Por ser uma substância lipofílica, consumir o tomate junto a fontes dietéticas de gordura, amplifica a sua biodisponibilidade. Existem estudos que mostram que a biodisponibilidade do licopeno no tomate aquecido é aumentada em comparação com tomates frescos. Podemos, então, concluir que nas preparações aquecidas à base de tomate, teremos o licopeno mais biodisponível do que em tomates crus”, conclui a nutricionista.

Para a profissional, uma das formas mais saborosas de consumir o tomate com a melhor biodisponibilidade do licopeno é por meio do tomate confit ou confitado. Confira a dica de uma receita indicada por Samira Lima:

The Spruce Eats

Ingredientes:

  • 500g de tomate cereja
  • ½ xícara de azeite de oliva extravirgem
  • ervas aromáticas como alecrim, tomilho, orégano à gosto
  • sal a gosto
  • pimenta do reino a gosto
  • alho a gosto

Modo de preparo:

Misture os ingredientes, coloque num recipiente e leve ao forno baixo por aproximadamente 45 minutos. Quando esfriar, leve à geladeira em um recipiente com tampa. Fica excelente quando misturado ao ovo.

Clínica de Nutrição da Faculdade Santa Marcelina oferece 180 vagas gratuitas à população

As consultas devem ser agendadas no ambulatório, de quarta e quinta-feira, no período da manhã

A Clínica de Nutrição da Faculdade Santa Marcelina retomou os agendamentos para os atendimentos presenciais, voltados para crianças, adolescentes, adultos, idosos, considerando a proposta de mudança de hábitos alimentares e atendendo situações relacionadas à perda ou ganho de peso, reeducação alimentar, portadores de doenças crônicas, praticantes de atividades físicas e orientação nutricional.

Ao total, serão disponibilizadas 180 vagas gratuitas (por semestre) e os atendimentos terão duração de uma hora de duração. As consultas acontecem todas as quartas e quintas-feiras, às 8h, 9h e 10h e são realizadas por alunos do último ano do curso de Nutrição da Faculdade Santa Marcelina com supervisão direta de um professor nutricionista.

Segundo Irani Gomes dos Santos Souza, Coordenadora do curso de Nutrição da Faculdade Santa Marcelina, a proposta dos atendimentos é de acompanhamento nutricional e não apenas de ações pontuais. “As consultas visam auxiliar na melhora da qualidade vida da pessoa a quem o cuidado será prestado, visando desde controle de peso e evitar ou minimizar ação de algum fator que possa agravar a saúde”, explica.

As consultas devem ser agendadas no ambulatório, de quarta e quinta-feira, no período da manhã, ou qualquer dia, diretamente na recepção da Faculdade Santa Marcelina. A Clínica de Nutrição fica no 4º andar da Unidade Itaquera, localizada na rua: Cachoeira Utupanema, 40 – Vila Carmosina, São Paulo.

Agendamento:
Clínica de Nutrição da Faculdade Santa Marcelina
Unidade Itaquera: Rua Cachoeira Utupanema, 40 – 4º andar – Vila Carmosina, São Paulo
Atendimento gratuito

4 tendências de nutrição para 2023

A maioria de nós reconhece o papel que a boa nutrição desempenha em melhorar a saúde e o bem-estar, por isso ter uma alimentação saudável deveria ser uma prioridade na lista de resoluções para o ano que se inicia.

Se pretende fazer mudanças na dieta para alcançar esse objetivo em 2023, confira algumas tendências nutricionais que podem incentivar você neste caminho, indicadas pela Mestre em Nutriçao, Susan Bowerman, Diretora Sênior Global de Educação e Treinamento em Nutrição da Herbalife Nutrition e nutricionista certificada pela Academia de Nutrição e Dietética como especialista em Nutrição Esportiva, Obesidade e Controle de Peso.

1 – Alimentação plant-based

A nutrição à base de vegetais, que também tem como foco a sustentabilidade e o desperdício de alimentos, não sairá de moda tão cedo. Aliás, as dietas veganas, vegetarianas e flexitarianas estão atraindo cada vez mais pessoas que reconhecem seus benefícios não apenas para o corpo, mas também para o planeta. Os alimentos vegetais possuem alta densidade nutricional, o que significa que fornecem muitos nutrientes com poucas calorias. Frutas, vegetais, feijões e grãos integrais são ótimas fontes de vitaminas, minerais e fitonutrientes, e naturalmente isentos de colesterol. A maioria também aporta uma boa quantidade de fibras, contribuindo para a saúde intestinal, para a imunidade e para reduzir a inflamação.

Os consumidores também estão incluindo mais vegetais no cardápio por se preocuparem com o meio ambiente. Isso porque análises, como a que foi realizada na Universidade de Oxford, mostram que comer carne produz duas vezes mais emissões de gases de efeito estufa por dia do que uma dieta plant-based. Outros estudos colocam também que o cultivo de vegetais utiliza menos recursos naturais e é menos prejudicial para o meio ambiente do que a criação de animais. Se essa tendência de consumo continuar, haverá um impacto significativo na redução do desmatamento, na degradação do solo e nas emissões de gases de efeito estufa, que estão associados à produção de carne.

2 – Personalização

A nutrição personalizada, que alia alimentação e estilo de vida, bem como o uso de biomarcadores individuais para elaborar sugestões de cardápios saudáveis e mais relevantes para o indivíduo, continua ganhando popularidade. Para se ter ideia, o mercado global de nutrição personalizada, avaliado em US$ 14,6 milhões em 2021, deve chegar a US$ 37,2 milhões até 2030 — quase o triplo do tamanho, segundo levantamento da Research and Markets. Esse fenômeno é particularmente forte entre os millennials (49%) e a geração Z (37%), que expressaram forte preferência por produtos, serviços ou aplicativos que utilizam dados pessoais para personalizar a experiência do consumidor (McKinsey). Vários fatores determinam como a dieta de uma pessoa pode ser personalizada: o quanto você se exercita, o que e o quanto você come, bem como sua idade. E agora, também somos capazes de determinar respostas individuais a certos componentes da dieta e essas informações podem ser usadas para uma abordagem mais personalizada.

3 – Nutrição em dobro

Outra tendência é o crescimento da demanda por produtos e alimentos que visam múltiplas dimensões do bem-estar — caso dos alimentos funcionais, que oferecem benefícios além de seu valor nutricional. Frutas, vegetais, nozes, sementes e grãos integrais ricos em nutrientes são considerados alimentos funcionais, mas também entram aqui aqueles enriquecidos com nutrientes (vitaminas, minerais, fitonutrientes, probióticos ou fibras) e os que propõem benefícios para a saúde física e mental, como chás de ervas, que oferecem ótimo sabor, mas podem ter efeitos calmantes ou promover um sono melhor. O colágeno, que é outro ingrediente popular conhecido por apoiar a saúde dos ossos e ajudar na aparência do cabelo, pele e unhas, está entrando na composição de muitos alimentos funcionais.

4 – Alimentos amigos do intestino

Manter a microbiota intestinal saudável continua sendo um dos focos em 2023. Uma dieta rica em fibras ajuda a promover o crescimento de bactérias boas no trato digestivo e o equilíbrio desse sistema. Considerando que a maioria das pessoas come menos da metade da quantidade de fibras recomendadas por dia (25 a 38 gramas), incluir alimentos ricos nelas (e suplementos, se necessário) pode oferecer muitos benefícios. Os probióticos também contribuem para a saúde intestinal. Eles são encontrados naturalmente em alimentos como iogurte, kefir, tempeh, missô e vegetais em conserva fermentados, e estão em alguns alimentos funcionais e suplementos. Por isso, espere ver mais produtos com prebióticos e probióticos no mercado, além daqueles que atendem a problemas de saúde específicos: produtos sem glúten e outros específicos para uma dieta com baixo FODMAP — oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e poliois fermentáveis (carboidratos fermentáveis difíceis de digerir por algumas pessoas), que liberam gases no processo de digestão devido à ação das bactérias do intestino.

O glúten é uma proteína encontrada principalmente no trigo, mas também está presente na cevada, centeio e parentes do trigo (como a espelta). Indivíduos diagnosticados com intolerância ao glúten (doença celíaca) devem evitá-los de todas as maneiras, no entanto, muitas pessoas procuram alimentos sem glúten quando optam por reduzir a ingestão de grãos. A dieta baixa em FODMAP é bastante restritiva, porém os produtos para essa especificidade estão chegando às prateleiras das lojas, facilitando a adesão.

Planos alimentares que cuidam do intestino também estão se tornando mais populares devido à sua relação e efeitos na saúde do cérebro. Isso porque evidências sugerem que, quando o microbioma interage com o sistema nervoso central, a química do cérebro é regulada e influencia os sistemas neuroendócrinos associados à resposta ao estresse, à ansiedade e à função da memória. Especialistas também concordam que não apenas nosso cérebro está “consciente” dessas “bactérias do bem” que vivem no intestino, como elas também podem influenciar em nossa percepção de mundo e alterar nosso comportamento, sugerindo que, quanto mais saudável for a alimentação, melhor será nosso estado mental.

Fonte: Herbalife Nutrition

5 passos para emagrecer de forma saudável, sem ficar preso a padrões estéticos

Na hora de passar pela jornada de emagrecimento de maneira saudável, os esforços físicos e mentais devem estar atrelados a aplicação dos novos hábitos para que esse caminho seja benéfico para o indivíduo como um todo. Edivana Poltronieri, especialista em emagrecimento saudável, aborda os cinco principais pilares para perder peso e obter melhores resultados. Confira:

Em uma época em que é muito comum se comparar com o outro em relação ao corpo e imagem, especialmente por conta das redes sociais, se faz cada vez mais necessário tomar certas precauções para não ficar preso a padrões estéticos, principalmente quando o desejo é mudar os hábitos e emagrecer.

“Quando falamos em perder peso de forma saudável, precisamos levar em consideração o conceito da beleza consciente. Cada pessoa tem uma estrutura, um biotipo e o seu próprio padrão. A gente sabe que a estética também é importante e muitas vezes é isso que motiva inicialmente o indivíduo, então precisamos encontrar uma forma de equiparar os desejos, trazendo um olhar de saúde tão relevante quanto o da estética”, explica Edivana Poltronieri, especialista em emagrecimento saudável.

A profissional ainda conclui que existe um mantra que pode ser aplicável para todas as pessoas que passarão por este processo e que ajuda a deixar de lado apenas aquele anseio de se ter o ‘corpo perfeito’: “Cuidar da saúde mental e do bem-estar pessoal não é apenas sobre perder peso, é sobre ganhar vida”, finaliza.

Para conseguir emagrecer de forma saudável, Edivana pontua que é necessário um acompanhamento com especialistas e orientação adequada, mas que existem alguns passos importantes que também podem ajudar nesse processo. Confira abaixo:

Começar aos poucos e com equilíbrio
Engana-se quem acredita que só terá resultados se mudar toda a sua vida e rotina de um dia para o outro, quando na verdade, ir aos poucos e respeitando o seu próprio tempo pode ajudar a obter bons rendimentos no processo de perda de peso. “É importante inserir os novos hábitos saudáveis de forma equilibrada no dia a dia, começar parando de ingerir certos alimentos e quantidades, depois ir para uma alimentação mais saudável e assim por diante. Dessa forma, é possível fazer com que essas mudanças sejam mais duradouras, ganhando realmente uma vida mais saudável”, conta Edivana.

Procurar fazer exercícios e atividades que deem prazer
Hoje em dia existem muitos tipos de exercícios e atividades físicas que podem ser praticadas, como a musculação, esportes, danças, entre outros. Por isso, é super relevante optar por alguma modalidade que faça sentido com gostos e personalidade. “Respeitar a individualidade e limite pessoal, pode ajudar de forma benéfica para a jornada de emagrecimento, pois quando a gente realiza atividades que nos dão prazer, além de queimar calorias, estamos alimentando a saúde da nossa mente e do corpo. No processo de emagrecimento, a atividade física ajuda também na melhora da condição física, do funcionamento biológico e diminui o risco de doenças cardiovasculares”, ressalta a especialista.

Botswanayouth

Ter um comprometimento com os novos hábitos alimentares
Edivana conta que durante a jornada de emagrecimento, ter uma rotina equilibrada facilita a perda de peso. “Ao regularizar o organismo, ter um horário correto para comer e se manter nutrido, seguindo um plano alimentar elaborado por um profissional, ajuda a manter o metabolismo acelerado e avisar o cérebro que o corpo pode queimar calorias, isso porque o corpo as gasta mesmo em repouso. No entanto, é preciso manter um déficit calórico acentuado e supervisionado por um nutricionista e não deve estocá-las”, explica a profissional.

Beber água
Pode parecer clichê, mas beber água regularmente traz diversos benefícios para o corpo, fazendo grande diferença para a perda de peso. “A água é vital para o nosso corpo, já que ela auxilia na absorção de nutrientes, transporta as vitaminas por todo o organismo e contribui para um bom funcionamento geral de todos os órgãos”, indica Edivana.

Foto: SelfSetFreeLiving

Cuidar da saúde mental
Cuidar da saúde mental ajuda a ter autocontrole e bem-estar, condições importantes para obter bons resultados ao passar pelo emagrecimento. “A mente e o corpo precisam estar em harmonia, ambos sendo cuidados igualmente e diariamente. Não dá para pensar apenas em um ou no outro, pois se a nossa mente está fragilizada, geralmente compensamos na alimentação. E se focamos apenas no corpo, podemos desenvolver problemas sérios, como ansiedade. Por isso, exercitar também o ato de não se comparar a padrões, fará com que cada pessoa encontre o seu próprio caminho”, explica a especialista.

Fonte: 5S Emagrecimento Saudável

Prática esportiva e alimentação: benefícios e potencialização*

A busca por bem-estar é uma unanimidade, e nada como aliar os exercícios físicos à boa alimentação para chegar à melhor versão de si mesmo no que diz respeito à qualidade de vida. A prática regular de esportes, alinhada à ingestão de boa comida, ainda oferece outros benefícios à saúde: redução da incidência e desenvolvimento de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, cânceres, obesidade; também melhora a qualidade do sono, aumenta a disposição, regula o funcionamento do intestino, ajuda a saúde mental, estimula a mobilidade e a longevidade, e muito mais.

É fundamental a prática de atividade física da infância até o envelhecimento. Não existe exercício ideal, então é preciso respeitar a individualidade, o desejo, o prazer e a aptidão física. Já a alimentação deve ser baseada na ingestão de vários grupos alimentares. Uma dica é optar por pratos coloridos, variados e divididos em quatro a seis refeições diárias. Cada grupo de alimentos fornece nutrientes essenciais para a manutenção da vida, estoque de nutrientes no nosso corpo e combustível para as atividades básicas e a prática esportiva.

Além dos benefícios do combo, a alimentação pode ser potencializadora do desempenho esportivo. Ela melhora a resposta adaptativa (você consegue se adaptar muito melhor ao exercício quando a sua alimentação está alinhada com sua prática e seus objetivos); reduz o risco de lesões e dores musculares; estimula a recuperação muscular; melhora a qualidade do sono e consequentemente, quando você dorme melhor, você consegue treinar com mais eficiência; aumenta a disposição e o bem-estar, que é uma motivação para o treinamento; ajuda a reduzir o peso corporal (que pode atrapalhar a prática de atividade física, além de sobrecarregar articulações, ossos) e aumenta a força e a massa muscular (estimula a hipertrofia).

Existem formas diversas de executar essas estratégias no dia a dia. O carboidrato, por exemplo, é um nutriente que fornece rapidamente energia para o corpo e seu consumo pode ser um impulso para a prática de atividade física. Por outro lado, o consumo inadequado de carboidratos pode causar hipoglicemia, diminuição do desempenho e da massa muscular devido ao comprometimento dos processos de contração muscular por falta de energia, além de ter impactos negativos no sistema imunológico, prejuízos na metabolização do tecido adiposo e fadiga muscular precoce.

Os carboidratos simples, presentes nas frutas, são excelentes opções de pré-treino para quem quer uma energia rápida, pois são absorvidos mais rapidamente pelo corpo. São exemplos: suco de laranja natural, suco de uva integral e natural, mel de abelha, banana, frutas secas, como ameixa, tâmara e damasco, entre outros. Se você quer energia a curto/médio prazo, pode adicionar às frutas porções de aveia, iogurte, queijos, castanhas, sementes, granola, pasta de amendoim, cacau e chocolate 70%, e até alguns tubérculos como batata inglesa e mandioca. Além disso, os alimentos termogênicos ajudam na produção de energia, pois estimulam naturalmente o metabolismo, como café, chá verde, canela, pimenta, gengibre, óleo de coco.

A beterraba é uma excelente opção de pré-treino, pois é fonte de nitratos, que são convertidos em óxido nítrico pelo organismo, cuja ação é dilatar os vasos sanguíneos (vasodilatação), o que faz mais sangue rico em oxigênio circular pelo corpo e chegar aos músculos. Desse modo, você consegue treinar de forma mais intensa, por mais tempo, sem atingir a fadiga, além de que a beterraba também é um alimento anti-inflamatório e antioxidante, o que ajuda na recuperação muscular. Você pode utilizá-la em sucos na sua forma in natura, em pó ou até como suplemento (mediante orientação de um nutricionista).

Já as proteínas desempenham importante papel nos processos anabólicos, fornecendo os aminoácidos necessários e essenciais para a construção e manutenção dos tecidos, sendo de extrema importância na formação, reparação e recuperação de massa muscular. Você pode consumir carnes, ovos, iogurtes e shakes proteicos; suplementos como o whey protein ou proteínas vegetais e leguminosas, oleaginosas e sementes como amendoim, feijões, tofu (que é um derivado da soja), semente de abóbora, linhaça, chia, castanhas e mais. O consumo dessas fontes de proteínas não necessariamente precisa ser de imediato após o treino – uma a duas horas após a prática do exercício é um tempo adequado para isso. Mas é importante reforçar que, para que se tenha um melhor resultado, o consumo proteico deve ser fracionado de forma homogênea em todas as refeições do dia.

É muito importante lembrar que cada pessoa e cada corpo são únicos. Não existe um tipo de alimentação e um tipo de exercício universal que atenda todo mundo. Devemos respeitar objetivos, características individuais, limitações, preferências, condições física e mental, para a partir disso buscar uma abordagem nutricional possível e adequada para aquele período/meta. Para que essa estratégia seja bem executada, é indispensável o acompanhamento de um nutricionista.

*Liz Galvão é nutricionista parceira Verde Campo, pioneira no mercado de lácteos sem lactose e livre de conservantes

Hinode lança suplemento alimentar com resveratrol, presente também em vinhos

Resveratrol Complex possui agentes que auxiliam no corpo e na pele, com ação anti-aging e cuidados com a saúde cardiovascular

Delicioso e cheio de harmonizações, o vinho possui propriedades que vão muito além do sabor. Foco de centenas de estudos, os benefícios da bebida e seus componentes se tornaram alvo da medicina, que hoje, já comprova seus resultados. Dentre todos os componentes presentes na uva, o Resveratrol chama a atenção por seu poder antioxidante e anti-inflamatório, que se mostrou eficaz na promoção da longevidade.

Mebiotic

Com o compromisso de oferecer as melhores e mais modernas opções aos consumidores, a HND, linha de nutricosméticos, controle de peso, nutrição esportiva e saúde geral da Hinode, lança o Resveratrol Complex, suplemento alimentar que possui agentes com alto poder antioxidante e anti-inflamatório, conferindo multibenefícios para o organismo.

Além do ativo polifenol, que dá nome ao lançamento, o produto carrega em sua composição ingredientes que trabalham de forma sinérgica a fim de potencializar os resultados principalmente ligados à saúde da pele. O complexo traz em sua fórmula os benefícios da Vitamina C e Zinco, que atuam na formação de colágeno, da biotina e da Vitamina A, que auxiliam na manutenção de tecidos e da Vitamina E e Ferro, uma união exclusiva desenvolvida em parceria com o comitê científico HND.

Em versão com 30 cápsulas, o lançamento está disponível no pelo valor de R$ 139,90. A recomendação é de uso diário.

O Resveratrol Complex HND e todos os demais produtos da Hinode estão disponíveis no e-commerce da marca ou com consultores oficiais.

Zero desperdício! Aprenda conservar alimentos na geladeira por mais tempo

A nutricionista da Água Doce ensina truques para manter por mais tempo as frutas, legumes e verduras

No verão, muitos alimentos precisam de cuidados redobrados para não estragarem na geladeira, isso porque além das altas temperaturas, famílias aproveitam a época de férias para viajarem e acabam por passar muitos dias fora de casa. Pensando nisso, a nutricionista da Água Doce Sabores do Brasil, Jaqueline Lopes, ensina truques para prolongar a durabilidade de frutas, verduras e legumes armazenados na geladeira.

Higienização: é primordial que a limpeza de frutas, verduras e legumes seja feita corretamente para evitar sujeiras e agrotóxicos usados durante o plantio. A higienização deve ser feita sempre antes do consumo ou armazenamento na geladeira. Dessa forma, o recomendado é lavar os itens em água corrente para remover qualquer tipo de impureza. Após, coloque as frutas e as verduras com casca de molho em uma solução, que leva um litro de água e uma colher de bicarbonato de sódio, por 15 minutos e lave novamente em água corrente.

Foto: A Casa Encantada

Secagem para armazenamento: após a limpeza, evite colocar os alimentos úmidos na geladeira, dessa forma, eles não estragam rapidamente devido ao acúmulo de água. Uma dica é secar os alimentos e guardar em potes de vidros ou plásticos, intercalando com folhas de papel toalha, pois ajudará a absorver a umidade e servirá para manter as frutas e verduras por mais tempo na geladeira.

Congelamento: para famílias que irão passar muito tempo fora de casa, uma sugestão é apostar no congelamento das verduras, frutas e legumes. Para isso, é necessário seguir à risca a retirada de água após a higienização. No caso das frutas, pode cortá-las ou fazer polpas e congelar. No caso dos legumes e verduras, é importante cozinhar os alimentos antes, já descascados e picados, e fazer a técnica de branqueamento, que nada mais é ferver a água, deixar o alimento cozinhar até que fiquem ‘al dente’ e, em seguida, mergulhá-los em água gelada até que fiquem frios, desta forma a água fria irá pausar o processo de cozimento e preservar as qualidades sensoriais do alimento por um tempo maior. Após, é só guardar em potes ou sacos. No congelador, os produtos duram, em média, até três meses. Atenção, vegetais que são consumidos crus, como a alface, acelga e almeirão não devem ser congelados.

Você sabia?

Algumas frutas como banana, manga, abacate e mamão possuem uma substância chamada de etileno. Conhecido como hormônio do amadurecimento, o elemento permite que as frutas fiquem maduras com mais rapidez. Por isso, esses alimentos devem ser armazenados separados, dessa forma outros itens não são contaminados com a liberação do etileno. Uma sugestão eficaz para impedir o contato com outros alimentos é embrulhar as frutas em plástico filme.

“É importante seguir o passo a passo de como higienizar e guardar os alimentos de forma correta. Assim, conseguimos prolongar a durabilidade do produto, além de evitar o desperdício. Além disso, a limpeza dos alimentos que ingerimos é primordial para ter uma alimentação segura, sem ingestão de bactérias, agrotóxicos e impurezas”, finaliza Jaqueline.

Fonte: Água Doce

Saudáveis e sem lactose: confira dicas de preparo de sorvetes refrescantes e nutritivos

SupraSoy compartilha receitas práticas, ricas em sabor e nutrientes, ideais para os dias de verão

A busca por sobremesas geladas é praticamente uma unanimidade entre as pessoas durante o verão. Nesse sentido, os sorvetes, que já se destacam entre as preferências nacionais, ganham ainda mais evidência no período. Aberta a temporada de dietas pós-festividades de fim de ano, poder consumir esses alimentos de maneira prazerosa e sem culpa torna-se ainda melhor. Pensando nisso, a SupraSoy elaborou algumas receitas sem lactose, práticas, leves, saborosas e nutritivas, que podem ser facilmente preparadas em casa. Veja a seguir.

Sorvete de maracujá

Ingredientes
100 ml de suco concentrado de maracujá
1 xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Original
1 xícara (chá) de açúcar
200 ml de água gelada

Modo de preparo
Coloque no liquidificador, o suco de maracujá, o SupraSoy Sem Lactose Original, o açúcar, a água gelada e bata até obter uma mistura homogênea. Despeje a mistura numa forma de gelo e leve ao freezer por, aproximadamente, 2 horas. Retire do freezer, deixe à temperatura ambiente por 10 minutos, desenforme e sirva imediatamente.

Sorvete de morango sem lactose

Ingredientes
Sorvete:

750 g de morangos (reserve 100 g para a finalização)
3 colheres (sopa) de SupraSoy Sem Lactose Original
100 ml de água

Calda:
½ xícara (chá) de açúcar
100 ml de água

Modo de preparo
Sorvete: lave os morangos e pique-os. Bata-os no liquidificador com o SupraSoy Sem Lactose Original e a água até formar um creme uniforme e reserve.
Calda: em uma panela coloque o açúcar com a água e ferva até formar um fio fino.
Finalização: transfira o creme de morangos para uma batedeira e bata na velocidade baixa, vá acrescentando a calda aos poucos. Bata até resfriar bem. Leve ao freezer por 4 horas ou até endurecer. Bata novamente até formar um creme gelado e retorne-o ao freezer. Repita esse processo por mais 3 vezes. Sirva em seguida em taças para sorvete e finalize com pedaços de morangos picados.

Sorvete de coco

Ingredientes
5 gemas
2 e ½ xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Original já dissolvido em 250 ml de água
1 garrafa de leite de coco (200 ml)

Modo de preparo
Bata as gemas e o açúcar na batedeira até que dupliquem de volume e formem um creme fofo e esbranquiçado. Em uma panela, em fogo alto, coloque o SupraSoy Sem Lactose Original já dissolvido na água junto com o leite de coco, até ferver. Regule a velocidade da batedeira para o mínimo e despeje metade do SupraSoy aquecido em fio, para que comece a cozinhar as gemas ainda fora do fogo. Passe a mistura de volta para a panela e cozinhe, mexendo sempre, em fogo baixo, por cerca de 20 minutos, ou até que fique com textura de mingau ralo. Deixe esfriar. Despeje a massa do sorvete em uma travessa (20 x 25 cm), cubra com filme plástico e leve-a ao freezer por 4 horas, ou até que comece a congelar. Quebre a massa e bata, ainda congelada, por cerca de 5 minutos, na batedeira, para que fique cremosa. Volte o sorvete para a mesma travessa, cubra com filme plástico e deixe congelar por cerca de 4 horas. Repita o procedimento mais duas vezes, ou até que o sorvete fique bem cremoso. Retire o sorvete do freezer 5 minutos antes de servir. Sirva acompanhado de uma calda de frutas vermelhas ou polvilhado com coco fresco ralado.

Você encontra essa e outras receitas em clicando aqui.

Informações/adquirir os produtos da marca, clique aqui .