Arquivo da tag: aline lamaita

Dia Mundial do Chocolate: benefícios comprovados cientificamente da versão amarga

Revisão publicada no de 2019 no International Journal of Environmental Research and Public Health destaca chocolate como a “comida dos deuses” e enumera 8 benefícios com comprovação científica daqueles com maior concentração de cacau

Não só o sabor, mas também a história e seu encanto fazem do chocolate uma paixão mundial que vem desde os tempos mais antigos: os maias por exemplo consideravam o chocolate (bebida de cacau preparada com água quente) o “Alimento dos Deuses”. De lá para cá, os processos industriais adicionaram pelo menos dois ingredientes ao cacau: gordura e açúcar. Surgiram também versões brancas do chocolate sem a massa de cacau e contando apenas com a manteiga do fruto juntamente com açúcar.

Para não ter erro: quando falamos em benefícios do chocolate nos referimos à constituição da massa do cacau (de cor escura), portanto quanto maior o percentual dele no chocolate, mais escuro e saudável o alimento é. Para se ter uma ideia, uma revisão publicada no final de 2019 no International Journal of Environmental Research and Public Health enumera oito benefícios dos chocolates mais amargos.

“O cacau, o ingrediente básico do chocolate, contém uma quantidade significativa de gordura (40-50% em manteiga de cacau, com aproximadamente 33% de ácido oleico, 25% de ácido palmítico e 33% de ácido esteárico). Ele também contém polifenóis, que constituem cerca de 10% do peso seco de um feijão inteiro. O cacau é uma das fontes mais conhecidas de polifenóis na dieta, contendo mais antioxidantes fenólicos do que a maioria dos alimentos. Três grupos de polifenóis podem ser identificados nos grãos de cacau: catequinas (37%), antocianidinas (4%) e proantocianidinas (58%); esses flavonoides são os fitonutrientes mais abundantes no cacau e responsáveis por seus benefícios com relação à ação anti-inflamatório, antioxidante e de melhora na circulação”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Seria ótimo se o nosso paladar fosse educado ao cacau 100%. No entanto, a amargura causada pelos polifenóis torna os grãos de cacau não processados bastante desagradáveis. “Os fabricantes, portanto, desenvolveram técnicas de processamento para eliminar o amargor, criando chocolates com menor teor de cacau (ao leite, com oleaginosas, meio amargo e o branco). Tais processos reduzem o conteúdo de polifenóis em até 10 vezes: para os consumidores, o produto é marcadamente diferente, principalmente devido ao baixo teor de polifenóis e às outras substâncias adicionadas durante a fase de processamento (por exemplo, açúcar, emulsificantes como lecitina de soja)”, diz a médica.

“Os polifenóis estão associados a efeitos benéficos; portanto, o cacau (rico em polifenóis) e o chocolate escuro (com alta porcentagem de cacau e mais antioxidantes fenólicos e compostos antioxidantes comparados às outras variedades de chocolate) assumiram importância significativa e podem ser adicionados à dieta com efeitos nutritivos benéficos”, diz a Dra. Marcella. Abaixo, listamos os oito benefícios do chocolate amargo:

Efeitos cardiovasculares – uma série de efeitos benéficos no sistema cardiovascular pode ocorrer após a ingestão regular de alimentos e bebidas que contenham cacau. “Os chocolates com maior concentração de cacau têm ação vasodilatadora, melhoram a função vascular e contam com atividades antiplaquetárias, prevenindo a formação de placa de gordura dentro das artérias”, explica a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). “Esses benefícios têm forte relação com a presença dos flavonoides, que são anti-inflamatórios e antioxidantes. Em adultos jovens e saudáveis, uma ingestão diária de 20g de chocolate de cacau mais alto (90%) por um período de 30 dias melhorou a função vascular, reduzindo as pressões da artéria braquial central e promovendo o relaxamento vascular. Um estudo prospectivo sueco relacionou o consumo de chocolate com menor risco de infarto do miocárdio e doença cardíaca isquêmica”, afirma Marcella. Segundo o estudo, uma revisão sistemática sugeriu que o uso regular de chocolate pode estar associado a um risco cardiovascular reduzido, e que a dose mais adequada de consumo de chocolate foi de 45g por semana, uma vez que níveis mais altos podem contrariar os benefícios à saúde devido a efeitos adversos associado ao consumo elevado de açúcar.

Antidiabético – os componentes do cacau oferecem importante ação como agentes antidiabéticos, especialmente com diabetes mellitus tipo 2 (T2D). “Esse aspecto é de particular relevância devido à emergente epidemia mundial de síndrome metabólica, incluindo obesidade, diabetes e dislipidemia. O cacau e seus flavonóis melhoram a homeostase da glicose, retardando a digestão e absorção de carboidratos no intestino”, afirma a médica nutróloga. O cacau e seus flavonóis melhoram a sensibilidade à insulina, regulando o transporte de glicose e as proteínas sinalizadoras de insulina nos tecidos sensíveis à insulina (fígado, tecido adiposo e músculo esquelético), prevenindo esses efeitos oxidativos e danos inflamatórios, segundo o estudo.

Contra obesidade: recentemente, alguns estudos investigaram os efeitos preventivos ou terapêuticos do cacau e de seus constituintes contra a obesidade e a síndrome metabólica. Na revisão, os autores citam estudos que observaram uma diminuição da expressão de vários genes associados a ácidos graxos, além de aumentar a expressão de genes associados à termogênese. “Em um estudo clínico, o cheiro de chocolate amargo foi avaliado para avaliar a resposta do apetite. O chocolate produziu uma resposta de saciedade, reduzindo o apetite; portanto, poderia ser útil na prevenção do ganho de peso. Além disso, os flavonoides podem produzir eventos metabólicos que induziram a lipogênese e lipólise (quebra de gordura); tais eventos reduzem a deposição lipídica e a resistência à insulina”, afirma a médica. O chocolate escuro também pode funcionar em combinação com outros nutracêuticos e ter efeitos positivos no perfil lipídico. Um ensaio cruzado de 4 semanas entre 31 adultos com sobrepeso ou obesos determinou que o consumo diário de amêndoas (42g / dia) sozinho ou combinado com chocolate escuro foi benéfico para o colesterol total, colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL). Os autores concluíram que incorporar amêndoas, chocolate amargo e cacau em uma dieta sem exceder as necessidades energéticas poderia reduzir o risco de doença cardíaca coronária.Melhora da microbiota intestinal – Nos últimos anos, há um interesse crescente no estudo da microbiota intestinal e suas alterações como resultado de uma dieta específica. O intestino humano colhe a microbiota intestinal, uma enorme coleção de micróbios com papel fundamental no armazenamento de energia e distúrbios metabólicos. “Em um estudo de intervenção humana, projetado para investigar a influência da alta ingestão de flavonoides de cacau no crescimento da microbiota fecal humana, os autores avaliaram que a ingestão de 494 mg de flavonoides de cacau/dia por quatro semanas teve um efeito significativo no crescimento da microbiota intestinal”, explica Marcella.

Melhora do sistema imunológico: estudos in vivo e in vitro mostraram que o cacau possui propriedades regulatórias nas células imunes implicadas na imunidade inata e adquirida. “Os efeitos positivos dos flavonoides de cacau no sistema imunológico (relacionados a vários mecanismos alérgicos) são conhecidos, como a redução da liberação de mediadores, a restauração do equilíbrio das células e a regulação negativa de produção de imunoglobina”, diz a médica.

Sistema Nervoso Central – existem evidências de algum fator benéfico no sistema nervoso central. “Os polifenóis do chocolate preto podem atuar no sistema nervoso central (SNC) e nas funções neurológicas através da produção de óxido nítrico. Vasodilatação e aumento do fluxo sanguíneo cerebral fornecem oxigênio e glicose aos neurônios, levando ao aumento da formação de vasos sanguíneos no hipocampo. Além disso, o potencial antioxidante dependente do polifenol pode contribuir para a melhora de alguns distúrbios neurodegenerativos”, afirma a médica.

Aspectos psicológicos – segundo estudos, a ingestão de chocolate está ligada ao aumento na síntese cerebral de serotonina, o famoso hormônio da felicidade e que produz uma sensação de energia e prazer. Mas é necessário ter cautela no consumo de chocolates com teor maior de açúcar, uma vez que os carboidratos também estão envolvidos nesse processo em um primeiro momento, mas seu excesso também pode causar distúrbios metabólicos e elevar a sensação de culpa.

Aspectos sexuais – o chocolate exerce vários efeitos sobre a sexualidade humana, atuando principalmente como afrodisíaco. “O cacau em pó e o chocolate contêm substâncias que, em conjunto com outros componentes do chocolate (como cafeína e teobromina), produzem uma sensação transitória de bem-estar. “O principal componente da excitação sexual é a vasocongestão periférica dos tecidos genitais; assim, a serotonina, com produção aumentada após o consumo de cacau, pode estar envolvida no processo de estimulação sexual”, diz a médica.

Mas atenção: mesmo que você opte pelo chocolate amargo é importante tomar cuidado com o consumo excessivo, pois, independentemente da concentração de cacau, o chocolate ainda tem açúcar e gorduras saturadas. No final das contas, é importante controlar o consumo diário. O ideal é consumir de 25g a 50g de chocolate por dia, dando preferência às opções com maior concentração de cacau, como o chocolate amargo e o chocolate rosa. “Feito a partir da semente do cacau rubi, esse chocolate distingue-se dos demais devido a sua coloração rosada natural, não possuindo corantes artificiais em sua composição. O chocolate rosa se destaca pelo seu sabor diferenciado, sendo mais cremoso, frutado e adocicado, com um leve toque cítrico. Além disso, o chocolate feito a partir do cacau rubi possui uma quantidade maior de polifenóis do que o chocolate convencional, pois os flavonóis presentes no ingrediente são mantidos até o produto final devido ao processo de fermentação especial pelo qual as sementes passam para que não percam o sabor e a coloração natural”, explica Marcella.

O único problema do chocolate rosa é o seu preço, pois tende a ser bem mais caro do que o chocolate amargo. Seguindo essas dicas, a guloseima pode ser consumida sem culpa, não havendo necessidade de estratégias para inibir o apetite antes do consumo ou para diminuir o índice glicêmico do alimento. “Isso porque, no geral, o chocolate possui baixo índice glicêmico e, se composto por mais de 65% de cacau, também é um alimento funcional, possuindo índice glicêmico ainda mais baixo”, finaliza Marcella.

Fontes:
Marcella Garcez é Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologiado Hospital do Servidor Público de São Paulo.
Aline Lamaita é Cirurgiã vascular, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine, especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.

Dia Mundial Sem Tabaco: cigarro compromete circulação e aumenta risco de trombose e câncer

Além disso, a nicotina diminui a espessura dos vasos sanguíneos e o monóxido de carbono reduz a concentração de oxigênio no sangue

Mais de 4.000 compostos químicos (muitos deles tóxicos), incluindo a nicotina, o monóxido de carbono, a acroleína e outros oxidantes: essa é a composição da fumaça de cigarro, cuja exposição constante induz a múltiplos efeitos patológicos no organismo, causados pelo estresse oxidativo das células.

“Os efeitos adversos do cigarro são muitos e, no caso da saúde das veias, o fumo também afeta principalmente a circulação e isso favorece o aparecimento de processos de trombose (com entupimento dos vasos e que pode levar à morte), principalmente quando associado a fatores de risco”, afirma a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Por conta de todas as doenças associadas, o tabagismo é, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a principal causa de morte evitável no mundo.

Getty Images

Normalmente relacionado ao aumento da probabilidade de desenvolver infarto, o cigarro também pode causar problemas circulatórios como arteriosclerose (envolvendo as artérias da perna) e tromboangeite obliterante – distúrbio que afeta as extremidades do corpo. “Em ambos os casos, há riscos de ter de amputar o membro (como pernas, pés e mãos)”, explica.

A médica enfatiza que a nicotina está ligada à diminuição da espessura dos vasos sanguíneos. “Além disso, o monóxido de carbono oferece um fator adicional de risco ao diminuir a concentração de oxigênio no sangue. Todo esse processo pode causar complicações para o normal funcionamento dos vasos, que ficam mais susceptíveis ao entupimento, podendo levar a processos de trombose principalmente quando há fatores de risco envolvidos”, afirma a médica.

A trombose é um termo que se refere à condição na qual há o desenvolvimento de um ‘trombo’, um coágulo sanguíneo, nas veias das pernas e coxas. Esse trombo entope a passagem do sangue. Os principais fatores de risco são: dor na perna, obesidade, uso de hormônios (pílula anticoncepcional), portadores de qualquer tipo de câncer, portadores de Trombofilias (doença do sangue que deixa maior predisposição a coagulação sanguínea) e qualquer condição que aumente a imobilização (gesso, deficientes físicos, fraturas), gestantes e idosos.

Alguns estudos também sugerem que a exposição à fumaça do cigarro resulta na ativação das plaquetas e estimulação da cascata de coagulação, por isso há um aumento na incidência de trombose arterial em fumantes. “Ao mesmo tempo, as propriedades anticoagulantes naturais são significativamente diminuídas”, comenta.

Outra complicação do cigarro é que o ele dificulta o importante papel do sangue no processo de cicatrização, após cirurgias e procedimentos. “O vaso mais estreito tem um fluxo menor de sangue e o suprimento de oxigênio aos tecidos é afetado. Isso dificulta a cicatrização e pode causar até necrose de pele. Várias substâncias no cigarro dificultam a formação de fibroblastos, células ligadas ao processo cicatricial”, comenta.

A angiologista alerta que, para os fumantes, o acompanhamento médico é fundamental para impedir que as doenças apareçam ou progridam.

É possível parar de fumar mesmo durante a pandemia

O consumo de cigarros aumentou durante a pandemia. E a dependência química causada pela nicotina pode provocar sofrimento para fumantes que desejam parar, mas a busca por conselho profissional e tratamento ajudam a vencer a batalha

Ansiedade, depressão e tristeza são algumas das causas apresentadas por pessoas que aumentaram o consumo de cigarro durante a pandemia. A batalha travada por fumantes que querem parar de fumar parece ser ainda mais árdua quando se pensa em todas as privações que população tem passado.

Uma pesquisa de comportamento na pandemia da Fundação Oswaldo Cruz, realizada em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Estadual de Campinas em 2020, mostrou que 34% dos fumantes aumentaram a quantidade de cigarros. Desses, 6,4% aumentaram 5 cigarros ou menos, 22,5% aumentaram cerca de 10 cigarros e 5,1% aumentaram 20 cigarros ou mais. Entre as mulheres, o percentual de aumento de cerca de 10 cigarros por dia (29%) foi maior do que o percentual entre os homens (17%). No total da população, cerca de 12% são fumantes.

Segundo o oncologista torácico Carlos Gil Ferreira, presidente do Instituto Oncoclínicas, o tabagismo é um importante fator de risco para doenças crônicas não transmissíveis, como problemas cardiovasculares, doenças respiratórias, diabetes e, o mais grave, câncer de pulmão. “A maioria dos pacientes diagnosticados com a doença é ou já foi fumante. Quem fuma também é mais vulnerável a desenvolver um quadro grave da Covid-19, uma vez que têm o pulmão mais comprometido”, diz o médico.

Portanto, parar de fumar é uma batalha que pode e deve ser vencida – mas não sem ajuda. A nicotina é considerada droga e pode levar a dependência química. “Quando a pessoa resolve parar, sofre desconfortos físicos e psicológicos que podem trazer sofrimento. Por isso, é importante procurar ajuda profissional e não julgar ou desencorajar quem está passando pelo problema”, afirma o oncologista.

Campanha da OMS para 2021

Para ajudar quem deseja parar, a Organização Mundial da Saúde lançou no dia 8 de dezembro de 2020 uma campanha mundial com duração de um ano para o Dia Mundial Sem Tabaco de 2021 – intitulada “Comprometa-se a parar de fumar durante a COVID-19”. Um canal exclusivo via WhatsApp (Quit Challenge) e a publicação 101 razões para parar de fumarforam criados para dar início a campanha. “Fumar mata oito milhões de pessoas por ano, mas se as pessoas precisarem de mais motivação para largar o vício, a pandemia fornece o incentivo certo”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

SUS oferece tratamento para quem quer parar de fumar

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito nas Unidades Básicas de Saúde e nos Hospitais. O órgão do Ministério da Saúde responsável pelo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) e pela articulação da rede de tratamento do tabagismo no SUS, em parceria com estados e municípios e Distrito Federal é o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). O tratamento inclui avaliação clínica, abordagem mínima ou intensiva, individual ou em grupo e, se necessário, terapia medicamentosa juntamente com a abordagem intensiva.

Algumas instituições privadas também oferecem programas de cessação do tabagismo. Um exemplo é o Grupo Oncoclínicas, com o apoio do Instituto Oncoclínicas, que vem conduzindo um amplo programa para pacientes e colaboradores.

Novas diretrizes de rastreamento de câncer de pulmão em 2021

A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (USPSTF) atualizou as recomendações para detecção precoce do câncer de pulmão. No documento publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) em 2021, a orientação é de ampliar o grupo de pessoas que deve fazer exames anuais para a doença. O foco ainda está em fumantes, mas agora ainda mais jovens e que consomem menos cigarro, o que pode ajudar no diagnóstico precoce.

Fumantes, ou pessoas que pararam a menos de 15 anos, entre 50 – 80 anos que consumiram um maço de cigarro por dia durante um ano ou o equivalente a isso, devem fazer anualmente uma tomografia computadorizada de tórax com baixa dose de radiação. (Antes eram fumantes com 30 “anos-maço” e com idade entre 55 e 80 anos).

“O câncer de pulmão é uma doença com alto índice de letalidade por causa da rápida evolução, se comparada com outros tipos de câncer e pelo diagnóstico que, na maioria dos casos, só acontece quando a doença já está em estágio avançado. A pandemia causada pelo novo coronavírus pode agravar ainda mais essa situação ao provocar um atraso em consultas e realização de exames que, para o câncer de pulmão, pode significar chances bem menores de cura” alerta Ferreira.

Dez truques que vão rejuvenescer sua aparência em alguns anos

Conheça dicas, cuidados e tratamentos que realmente são capazes de tornar a pele mais jovem, incluindo desde cuidados com a pele e mudanças no estilo de vida até procedimentos estéticos naturais

Conquistar uma pele jovem, bonita e saudável é o sonho de grande parte das pessoas, que, em sua maioria, buscam na internet truques para rejuvenescer a aparência. O problema é que a internet está repleta de informações incorretas e soluções milagrosas que, além de não funcionarem, podem colocar a saúde do tecido cutâneo em risco. Mas a boa notícia é que existem sim algumas maneiras simples, seguras e eficazes para tornar a pele alguns anos mais jovem. Então, para te ajudar nesse processo, conversamos com um time de especialistas de diversas áreas que deram dicas sobre os truques de beleza que realmente funcionam para o rejuvenescimento da pele. Confira:

Realize uma massagem facial: podendo ser realizada na face, colo e pescoço, a automassagem é uma ótima maneira de amenizar a aparência envelhecida da pele, recuperando a vitalidade, melhorando o tônus muscular e conferindo hidratação à pele. “Isso porque a massagem facial proporciona uma melhora da circulação sanguínea, o que contribui para uma oxigenação eficiente e faz com que as células da pele sejam nutridas adequadamente”, explica a angiologista Aline Lamaita, membro do American College of Lifestyle Medicine. “Com efeito no rejuvenescimento facial, conservando naturalmente a beleza cutânea, a automassagem pode ser realizada com o auxílio um sérum ou creme do tratamento, que devem ser aplicados com deslizamento longo por toda a região do rosto, pescoço e colo, até total absorção do produto”, aconselha Isabel Piatti, especialista em Estética e Cosmetologia e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita.

Foto: LiveAbout

Esfolie a pele: uma das melhores maneiras de revitalizar e rejuvenescer a pele rapidamente, retirando aquele aspecto acinzentado da face, é através da esfoliação. “A esfoliação é capaz de promover, de maneira controlada, uma renovação da pele, acelerando esse processo natural do organismo, sendo assim um excelente recurso para remover as células mortas e impurezas, além de melhorar a permeação de ativos dos hidratantes que serão aplicados em seguida, o que potencializa sua ação e o processo de revitalização da pele”, aconselha Isabel.

Aposte nos cosméticos de efeito rápido: existe uma série de produtos que são realmente eficazes para rejuvenescer a pele imediatamente, como os cosméticos preenchedores. “Os cosméticos preenchedores agem na redução da aparência da idade estrutural da pele, estimulando a manutenção dos compartimentos de gordura, responsáveis pela sustentação da pele da face, e promovendo efeito tensor e lifting imediato para tratamento das rugas dinâmicas e estáticas”, destaca Claudia Marçal, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Entre os ativos de destaque disponíveis do mercado com ação preenchedora estão a Vitamina C e o Ácido Hialurônico, que estão presentes em produtos como o Pure C 20 Hyal, da Ada Tina, um mousse com textura extrasseca que clareia, hidrata, preenche e rejuvenesce, mantendo o tecido jovem, uniforme, aveludado e sem oleosidade.

Desfoque as olheiras: olheiras são pigmentações anormais que podem conferir ao rosto um aspecto envelhecido e cansado. Mas é possível tratá-las através do uso de produtos específicos para a área dos olhos formulados com ativos de alta propriedade hidratante, como o Hyaxel, um ácido hialurônico de baixo peso molecular que promove hidratação cutânea e aumenta a produção de colágeno. “Quanto aos ativos para diminuir a coloração das olheiras, vale a pena apostar no Meiyanol, que possui ação anti-inflamatória, em associação com o MDI Complex, que protege as fibras de colágeno da degradação, evitando aparição de olheiras”, explica Maria Eugenia Ayres, farmacêutica e gestora técnica da Biotec Dermocosméticos.

Valorize o olhar: sobrancelhas são a moldura dos olhos. Logo, se não estiverem bem cuidadas, podem ressaltar a aparência de olheiras e rugas na região. Então, caso sua sobrancelha esteja muito fina e rala, você pode apostar na micropigmentação ou simplesmente aplicar um pouco de sombra marrom no dia a dia. Além disso, manter os cílios bonitos também é importante para levantar o olhar e deixá-lo mais expressivo. Para isso, utilize um rímel capaz de tornar os cílios definidos, o que dará um toque mais jovial ao rosto. “Mas não se esqueça de retirar o produto no final do dia com um demaquilante adequado para evitar o acúmulo de rímel, que pode causar inflamação e alergias”, afirma Claudia. Outro componente dos olhos que deve receber atenção são as pálpebras, que pode sofrer com flacidez e conferir um aspecto caído aos olhos. “Felizmente, é possível resolver as pálpebras caídas por meio da blefaroplastia, procedimento que vem sendo muito realizado por mulheres e homens de idade avançada que apresentam flacidez e excesso de pele na região, já que esta alteração pode até mesmo provocar problemas como dificuldade de visão”, destaca Paolo Rubez, cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS).

Não esqueça do fotoprotetor: de nada adianta investir em truques para rejuvenescer a pele e esquecer da fotoproteção diária, afinal, o sol é um dos maiores causadores de rugas. “O fotoprotetor é o creme antienvelhecimento mais importante, pois preserva as estruturas da pele por meio da proteção contra os danos cumulativos da radiação ultravioleta. O ideal é que o produto contenha, no mínimo, FPS 30, proteção de amplo espectro (UVA/UVB/Infrared) e resistência à água, devendo ser reaplicado a cada duas horas”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por exemplo, o protetor solar Bonelli Solare, da Be Belle, possui FPS 30 e PPD 13,4 para oferecer alta proteção contra a radiação UVA e UVB e combater todos os tipos de danos causados pela exposição solar, além de conferir ação hidratante, antioxidante e rejuvenescedora, prevenindo rugas, manchas, flacidez, câncer de pele e queimaduras solares ao mesmo tempo em que promove potente hidratação sem deixar a pele oleosa.

Pexels

Os lábios também são importantes: também não adianta cuidar da pele do rosto e esquecer de outras áreas que podem conferir um aspecto envelhecido à face. Um exemplo são os lábios, que também podem sofrer com ressecamento e rugas, adicionando assim alguns anos à aparência. Mas é possível combater essas alterações através de alguns cuidados, sendo o principal deles a hidratação labial. “A hidratação labial deve ser feita com bálsamos, manteigas, óleos, gloss hidratantes e máscaras labiais. Mas preste atenção à composição desses produtos, pois a maior parte dos hidratantes labiais disponíveis no mercado são formulados com fragrâncias que podem prejudicar a barreira de proteção da pele, agravando ainda mais o ressecamento e irritação da região”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Um produto seguro para hidratação dos lábios é o Balm Labial Reviver, da Buona Vita, que atua na hidratação e regeneração dos lábios, conferindo ação cicatrizante, anti-inflamatória e antimicrobiana para manter os lábios suaves, bonitos, sedosos e livres do ressecamento. Quem deseja rejuvenescer ainda mais os lábios pode optar por procedimentos como o Botox Lip Flip, técnica que consiste na injeção de pequenas doses de toxina botulínica para conferir um resultado mais natural e sem exageros. “A substância é aplicada estrategicamente nos cantos da boca e perto do arco do Cupido em doses realmente muito pequenas, que, ainda assim, conseguem fazer com que os lábios pareçam maiores e mais cheios, mas de forma suave e natural, com os resultados durando, em média, seis meses”, destaca o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Cuide também do pescoço: assim como os lábios, o pescoço também deve receber cuidados específicos para não contribuir com o aspecto envelhecido do rosto. “E manter a saúde e a beleza da pele do pescoço, que é mais fina e, consequentemente, mais suscetível aos danos causados pelos agressores externos, é simples, bastando estender os cuidados com a face para essa região. Ou seja, o mesmo sabonete, hidratante e protetor solar utilizados na face devem ser aplicados no pescoço, o que ajudará a prevenir e combater o surgimento dos sinais do envelhecimento e manter uma pele exuberante e harmônica”, destaca Paola.

Pratique exercícios físicos: a prática de exercícios físicos é uma excelente maneira de revitalizar a pele e torná-la mais jovem ao mesmo tempo em que contribui para a saúde de todo o organismo. “Durante a atividade física, toda a nossa circulação é estimulada. Por exemplo, o sistema arterial, que alimenta os músculos em movimento, tem o fluxo de sangue aumentado, o que, consequentemente, também aumenta o aporte de nutrientes e oxigênio para todos os tecidos, inclusive a pele. Além disso, os sistemas venoso e linfático também aumentam a velocidade de drenagem, retirando toxinas e diminuindo a retenção de líquidos. Como resultado, a pele torna-se mais hidratada, corada, brilhante e viçosa”, explica Aline.

Invista nos procedimentos naturais: engana-se quem acredita que os procedimentos estéticos não são capazes de contribuir para um rejuvenescimento natural. “O segredo do resultado natural que todas buscam está na indicação correta de determinada técnica, seja a cirurgia plástica, o preenchimento ou a toxina botulínica. Um cirurgião plástico precisa realizar um estudo pleno da estética facial da paciente antes de recomendar um procedimento, avaliando desde a linha do cabelo até o movimento que será feito no momento de tracionar a pele. Ou seja, não existe mágica, mas indicações corretas e cuidados a serem tomados pelo médico e paciente para obter o melhor resultado”, destaca a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery). Existem inclusive procedimentos indicados especialmente para quem deseja combater os sinais do envelhecimento de forma mais natural, como é o caso do Nano Fat, que visa melhorar o aspecto geral da pele por meio da injeção de pequenas partículas de gordura no tecido cutâneo. “No procedimento, utiliza-se da lipoaspiração para retirar uma pequena quantidade de gordura do próprio paciente, que é então transformada em partículas menores para ser novamente injetada na pele. Apesar de não conferir volume ou preenchimento, visto que as partículas de gordura são muito pequenas, a melhora no aspecto da pele proporcionada pelo procedimento ocorre devido à presença de células-tronco na gordura, que promovem uma potente regeneração dos tecidos da região tratada”, diz Rubez. Outra opção é o Microbotox. “O Microbotox consiste na aplicação de microdoses de toxina botulínica sob a superfície da pele para suavizar rugas e melhorar a textura do tecido cutâneo sem conferir ao rosto aquele aspecto exagerado ou artificial”, finaliza Beatriz.

Cortar por completo o sal da dieta pode ter consequências indesejáveis

Com as recentes dietas da moda, muitas pessoas vêm cortando, sem necessidade, alguns nutrientes constantemente demonizados, como o sal. Mas embora o excesso tenha efeitos muito adversos, a sua falta também pode causar problemas, que vão desde menor ganho muscular até problemas sérios de saúde

Você já deve ter ouvido falar que o sal e o açúcar em excesso são dois vilões na dieta. Mas isso não necessariamente deve entrar em sua cabeça como uma proibição. “A exclusão total do sódio da alimentação, ou dietas extremamente restritivas, podem levar a um problema conhecido como hiponatremia, que é a diminuição, no sangue, do sódio em relação à água. Isso pode causar edema cerebral e crises convulsivas. Mas além disso, a ausência desse mineral pode levar à dor de cabeça, desidratação intensa, fraqueza muscular, vômitos, diarreias e até mesmo a arritmia cardíaca. Para praticantes de exercícios físicos, a falta de sódio também pode dificultar a contração muscular, piorar o desempenho e causar cãibras”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

“Nosso organismo precisa de sódio, mas em baixas quantidades. Segundo a Organização Mundial da Saúde, devemos ingerir cerca de 2,4 gramas de sódio por dia (5 gramas de sal, aproximadamente). Em países tropicais, com o clima mais quente, transpiramos mais e perdemos mais sal, então zerar a sua ingestão não é recomendado”, explica a médica. Sabemos que o brasileiro adulto ingere em média 12g diárias, mais que o dobro recomendado, portanto para a população em geral a orientação de reduzir o consumo de sal é corretamente aplicada e em muitas situações a quantidade de 5g deve ser reduzida ainda mais, sempre com orientação médica.

Segundo a médica, o sódio é um mineral importante, uma vez que atua em funções do organismo como equilíbrio de líquidos, impulsos nervosos, ritmo cardíaco, contração muscular, entre outros. “O sódio e o potássio no sangue possuem uma função ativa de transporte de nutrientes em níveis celulares. Na prática, isso significa que o sódio ajuda na troca de nutrientes no meio celular, sejam eles aminoácidos, glicose ou água. Por isso, ele será fundamental no processo de contração muscular durante um treino ou esforço físico, por exemplo, e também na recuperação. A ingestão baixa ou zero de sódio em praticantes de musculação pode prejudicar o processo de contração muscular, a recuperação e a qualidade dos treinos”, explica a médica. Essa ideia equivocada de zerar a ingestão de sódio é uma cópia de estratégias do que fazem fisiculturistas antes de competições para desidratar o corpo e melhorar a definição muscular. “Mas isso é nocivo para o organismo”, explica.

Tudo deve ser feito com equilíbrio, já que em excesso ele prejudica a função renal, pode causar problemas cardíacos e desequilíbrio hídrico no corpo. A grande questão para se precaver do consumo excessivo é estar atento ao rótulo dos produtos alimentícios. “Geralmente presente em temperos industrializados, comidas industrializadas, o sódio também está embutido nos alimentos doces (refrigerantes e até água com gás às vezes tem muito sódio). Em excesso, ele vai contribuir com o aumento de pressão arterial, que é um fator de risco para a doença cardiovascular e problemas circulatórios, e aumenta muito a retenção hídrica. Se você tem uma dieta muito rica em sódio, você começa a inchar muito e reter muito líquido no organismo. E isso vai começar a dar problemas de edema em geral, pernas pesadas e cansadas”, afirma a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

O segredo de tudo é a moderação. “Uma dieta individualizada, equilibrada, variada e o mais natural o quanto for possível sempre trará mais benefícios ao organismo do que dietas baseadas em restrições e excessos”, finaliza a médica nutróloga.

Fontes:
Marcella Garcez é Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da Abran. Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.
Aline Lamaita é Cirurgiã vascular, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (2000) e dedica a maior parte do seu tempo à Flebologia (estudo das veias). Curso de Lifestyle Medicine pela Universidade de Harvard (2018). Possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.

Dia Nacional de Combate ao Álcool: conheça danos causados pelo consumo excessivo da substância

Hoje, dia 18 de fevereiro, é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Álcool, substância que pode causar uma série de danos ao organismo, incluindo desde o ressecamento de diversas estruturas do corpo até infertilidade, doenças circulatórias e orais.

O Brasil figura entre os dez países com o maior consumo de álcool do mundo, segundo dados do Ministério da Saúde. Por esse motivo, hoje se comemora o Dia Nacional de Combate ao Álcool, que tem como objetivo conscientizar a sociedade sobre os malefícios do consumo exagerado de bebida alcoólica.

“O álcool é uma substância tóxica para o organismo humano e pode provocar doenças mentais, cânceres, problemas hepáticos como a cirrose, alterações cardiovasculares, com risco de infarto e acidente vascular cerebral, e a diminuição de imunidade, além de favorecer a desidratação, a inflamação e o acúmulo de líquidos”, diz Marcella Garcez, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Mas, se você ainda não está convencido sobre os perigos do álcool, reunimos um time de especialistas para listar alguns motivos pelos quais você deve evitar o consumo de bebidas alcoólicas. Confira:

Depositphotos

Redução do metabolismo: o fígado é o responsável por digerir as bebidas alcoólicas. Porém, esse mesmo órgão é o responsável pelo metabolismo de gordura. “O fígado trabalha diariamente quebrando as gorduras da sua alimentação e eliminando as toxinas. Quando você bebe álcool, acaba adicionando mais uma tarefa na função do órgão. Dessa forma, seu fígado não consegue processar a gordura de maneira tão rápida e eficientemente, pois estará, também, trabalhando para expelir o álcool. Como consequência, ocorre a desaceleração do metabolismo, levando, inclusive, ao acúmulo de gordura”, explica Marcella. Logo, como o fígado já estará sobrecarregado na tentativa de metabolizar o álcool, o recomendado é que, depois de consumir bebidas alcoólicas, você evite alimentos pesados, como carnes vermelhas, dando preferência a carnes brancas cozidas e grelhadas, além de muita salada e fruta.

Infertilidade: o consumo excessivo de álcool também pode interferir na fertilidade, causando, nos homens, a diminuição dos níveis de testosterona com consequente redução na produção e quantidade de esperma, podendo levar também à disfunção erétil. “Já nas mulheres, os efeitos do álcool sobre a fertilidade são pouco esclarecidos, mas, sabe-se que, além de reduzir as chances de gravidez, a substância pode permanecer por um certo período no organismo após o consumo e causar problemas durante a gestação, como malformação do feto e síndrome de abstinência no recém-nascido”, afirma Rodrigo Rosa, especialista em reprodução humana e diretor clínico da clínica Mater Prime, em São Paulo.

Desidratação da pele: a perda d’água causada pelo álcool afeta a saúde da pele. “A pele também é um dos tecidos periféricos de onde o organismo retira água para metabolizar o álcool. Como resultado, o tecido cutâneo pode sofrer com desidratação, descamação e perda de viço e brilho”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Para manter a saúde da pele em dia, é interessante, além de ingerir bastante água, apostar na utilização de cremes hidratantes com antioxidantes para ajudar na recuperação do tecido cutâneo, como o Compative Balm 10, da Ada Tina Italy, um potente hidratante capaz de proporcionar reparação profunda dos danos causados por agressores, como o sol e o álcool, graças a sua ação antioxidante e calmante, reduzindo a vermelhidão enquanto protege contra o ressecamento e o envelhecimento precoce.

Inflamação da pele: além de desidratar, o álcool também pode levar a um processo inflamatório da pele. “A inflamação crônica promovida pelo álcool piora a qualidade da pele, prejudicando sua firmeza e elasticidade e acelerando o envelhecimento cutâneo, além de favorecer o surgimento de doenças como acne, psoríase, rosácea e dermatite seborreica”, afirma Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Luisa Sancelean/EyeEm Getty Images

Dificuldade na recuperação de procedimentos: o consumo de álcool é especialmente prejudicial para pessoas que acabaram de passar por procedimentos que demandam tempo de recuperação, como as cirurgias invasivas. “Isso porque o processo inflamatório provocado pelo álcool dificulta o processo de cicatrização e favorece o surgimento de cicatrizes inestéticas. Além disso, a substância afina o sangue, aumentando o risco de o paciente sofrer com sangramento e prolongando a tempo de recuperação”, alerta o cirurgião plástico Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. E, segundo o médico, quanto mais elevado o teor alcoólico da bebida, mais difícil a recuperação da pele e mais intenso o dano causado.

Surgimento de doenças orais: outra estrutura afetada pela perda d’água causada pelo álcool é a boca e os dentes. “O processo de desidratação causado pelo álcool provoca a diminuição na produção de saliva. Como resultado, ficamos mais suscetíveis ao desenvolvimento de doenças como cáries, gengivites e erosão dental, visto que uma das principais funções da saliva é justamente proteger os dentes e as mucosas orais”, Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor em Odontologia pela USP. Por isso, além de ingerir bastante água, é interessante que você carregue consigo um kit portátil composto de uma escova de dentes, creme dental e escovas interdentais para realizar a higienização oral durante eventuais compromissos em que você vá beber. Uma ótima opção é o Travel Set, da Curaprox, que traz os já consagrados produtos Curaprox em versões portáteis, incluindo um creme dental vegano Be You 10 ml, duas escovas interdentais e uma escova dental CS 5460 Ultra Soft, a famosa escova Curaprox, em formato para viagem, sendo possível desmontá-la para tornar o transporte mais fácil.

Ressecamento da região íntima: o aumento no consumo de bebida alcoólica pode afetar a saúde íntima feminina, de acordo com Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU. “Entre outros problemas, o álcool causa desidratação, porque o organismo precisa de grande quantidade de água para metabolizá-lo. Logo, se não houver água suficiente, o organismo vai buscá-la em órgãos periféricos, diminuindo a lubrificação íntima e colaborando para o ressecamento”, afirma a especialista. Para evitar esse problema, é fundamental que mesmo uma eventual e pequena quantidade de qualquer tipo de bebida alcoólica seja acompanhada do consumo de água, pois a hidratação adequada é fundamental para manter o organismo funcionando corretamente.

Aumento da predisposição a problemas circulatórios: por favorecer a desidratação, o álcool, além de aumentar a incidência de cãibras e dores musculares, também pode fazer com que o organismo retenha mais líquidos. “Como resultado, ficamos mais inchados e a pressão sobre as veias e artérias aumenta, o que pode contribuir para o surgimento de problemas vasculares como varizes e trombose”, destaca a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Logo, no final das contas, a melhor dica é apostar na moderação e não tornar o ato esporádico de beber em um hábito rotineiro. “No geral, recomenda-se limitar o consumo diário a, no máximo, uma taça de até 150ml e optar sempre pelas variedades que apresentam funcionalidades, como o vinho tinto e seco. O vinho tinto, na verdade, figura entre as bebidas alcoólicas mais saudáveis, pois, é fermentado e rico em polifenóis, como o resveratrol, que são substâncias com grande poder antioxidante”, aconselha Marcella.

“Os destilados, por sua vez, não são fontes de polifenóis e possuem maior concentração de álcool em sua composição, o que reduz seus benefícios à saúde. Além disso, bebidas como cachaça, vodca, uísque e tequila tendem a ser absorvidas mais rapidamente e, no geral, são mais agressivas para o fígado. Ou seja, devem ser evitadas ou limitadas a quantidades menores que uma dose diária”, finaliza a médica.

Exercícios simples com o pé, feitos dentro de casa, já diminuem risco de trombose

A trombose venosa profunda é uma condição séria e pode resultar em embolia pulmonar. Para minimizar o risco, alguns exercícios que estimulam o fluxo sanguíneo são eficientes para evitar o desenvolvimento do quadro

Você já deve ter ouvido falar sobre trombose. E o sedentarismo é uma condição que favorece o desenvolvimento do quadro. Por isso, pessoas com histórico familiar da doença devem estar em alerta, principalmente se estiverem cumprindo o isolamento social dentro de casa. Segundo Aline Lamaita, cirurgiã vascular, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, a trombose ocorre quando um coágulo sanguíneo se desenvolve no interior das veias das pernas devido à circulação inadequada, impedindo, assim, a passagem do sangue.

“Em casos mais raros, o coágulo pode ainda se desprender da parede da veia e correr pela circulação até chegar ao pulmão, causando uma embolia pulmonar que pode até resultar em morte. Permanecer muito tempo parado e sem movimentar as panturrilhas faz com que a velocidade do sangue dentro dos vasos diminua. Além disso, beber pouca água e alimentar-se mal são fatores que dificultam a circulação. Por isso, para evitar o quadro, é essencial caminhar dentro de casa e fazer simples exercícios a fim de minimizar o risco do problema”, diz a médica.

A cirurgiã vascular sugere alguns exercícios que podem ser feitos até mesmo sentado: “Comece com os pés no chão e, em seguida, levante os calcanhares enquanto mantém as pontas dos pés no chão, permanecendo nessa posição por alguns minutos. Depois, coloque os calcanhares no chão e levante os dedos dos pés. Segure por alguns segundos e repita o alongamento algumas vezes. Outro ótimo exercício consiste em traçar círculos com os pés por alguns segundos, mudando de direção de fora para dentro e de dentro para fora. Você também pode dobrar a perna abraçando os joelhos o mais próximo possível do peito. Permaneça assim por alguns minutos, sempre trocando de perna. Outra medida muito simples e que estimula bastante o fluxo sanguíneo é caminhar pela casa. Esses simples cuidados já estimulam a circulação e minimizam consideravelmente o risco de trombose”, explica.

Além de movimentar as pernas, existem outras medidas que podem te ajudar, como beber bastante água, evitar consumir álcool e remédios que estimulam o sono, já que, se passarmos muito tempo dormindo, não exercitaremos as nossas pernas. “A atenção deve ser redobrada por indivíduos que possuem fatores individuais que agravam os riscos de desenvolver o quadro, como obesos, tabagistas, portadores de câncer, pessoas que utilizam hormônios ou pílulas anticoncepcionais, predispostos a coagulação sanguínea, gestantes, idosos, deficientes físicos e portadores de varizes”, complementa.

Por fim, caso faça parte de algum dos grupos de risco, o ideal, segundo Aline, é se consultar com um cirurgião vascular, já que agora o CRM possibilita o atendimento a distância. O médico pode passar algumas recomendações, como, por exemplo, o uso de meias elásticas de compressão. “A adoção de cuidados de prevenção também é muito importante, já que se trata de uma condição muito séria. Por isso, evite o sobrepeso, mantenha uma rotina saudável de alimentação, não utilize sapatos desconfortáveis com frequência, não fume e pratique atividades físicas regularmente”, finaliza.

Fonte: Aline Lamaita é cirurgiã vascular, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine, a médica é formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (2000) e hoje dedica a maior parte do seu tempo à Flebologia (estudo das veias). Curso de Lifestyle Medicine pela Universidade de Harvard (2018). A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.

Pandemia: não é hora de fazer dietas restritivas, que podem prejudicar a saúde e o sistema imune

Apesar de estarmos vivendo um momento propício para adquirir hábitos saudáveis, não é a hora de fazer dietas radicais em sua alimentação

Com a pandemia pela qual estamos passando devido ao novo coronavírus, muitas pessoas estão aproveitando para adquirir novos hábitos e realizar tarefas que antes não tinham tempo. Por exemplo, é comum que alguns utilizem desse momento para finalmente começar aquela dieta que vinha sendo adiada por meses, o que, segundo Marcella Garcez, médica nutróloga e docente da Associação Brasileira de Nutrologia, não é recomendado.

“A alimentação possui um papel fundamental na manutenção e fortalecimento do organismo, pois é responsável por fornecer nutrientes essenciais para as funções orgânicas. Por isso, qualquer mudança drástica nos hábitos alimentares sem acompanhamento médico, como restrição de grupos alimentares e diminuição de calorias e refeições, pode oferecer riscos à saúde, afetando, inclusive, o bom funcionamento do sistema imunológico, principalmente em pessoas que já apresentam algum tipo de carência nutricional prévia. Então, como alguns tipos de atendimento médico estão comprometidos pelo isolamento social, este não é o momento para iniciar qualquer dieta restritiva”, alerta.

É claro que aqueles que já eram adeptos de alguma dieta ou praticavam jejum intermitente podem continuar, mas sempre com acompanhamento médico periódico, mesmo que por telemedicina, para avaliar eventuais necessidades e intercorrências e assim evitar possíveis riscos à saúde. “A telemedicina é uma boa maneira de dar assistência aos pacientes nesse período. Ela não substitui a consulta presencial, mas serve como uma forma importante de orientação”, explica Paolo Rubez, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

A recomendação para evitar dietas restritivas e mudanças radicais nos hábitos alimentares não quer dizer, porém, que você deve sair comendo tudo o que vê pela frente. “Assim como a restrição alimentar, o consumo excessivo de calorias também pode desestabilizar a saúde e o sistema imune, além de favorecer o acúmulo de gordura, o envelhecimento precoce e o aparecimento de acne e problemas de circulação”, afirma Marcella.

O ideal então é encontrar um meio termo, apostando na adoção de uma alimentação saudável, equilibrada, variada e natural e investindo em alimentos ricos em nutrientes como Vitamina A (cenoura e abóbora), Vitamina C (kiwi e laranja), Vitamina B6 (aveia e banana), Vitamina E (carnes e ovos), Selênio (arroz integral e castanha do pará) e Zinco (frango e grãos integrais).

“Esse é um bom momento para iniciarmos bons hábitos de vida e introduzi-los na nossa rotina. Isso ajudará muito, pois quando voltarmos à vida normal, estaremos mais dispostos a seguir com a vida saudável, o que pode trazer muitos ganhos e prevenir uma série de doenças”, afirma a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida. Para quem continua trabalhando em home office, a médica aconselha: “Você pode usar esse tempo de sobra que estamos tendo durante a quarentena para aprender a cozinhar e preparar refeições caseiras. Assim, além de comer mais saudavelmente, você ficará menos ansioso e mais relaxado, pois o hábito de cozinhar ajuda na redução do estresse.”

Além disso, é interessante também diminuir o consumo de alimentos prejudiciais. De acordo com Marcella, o açúcar, por exemplo, não deve compor mais de 10% de todas as calorias ingeridas ao dia.

“Além de virar reserva de gordura, o açúcar excedente pode se ligar e degradar proteínas de sustentação da pele em um processo conhecido como glicação, o que acelera o surgimento de rugas e flacidez”, destaca a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E o mesmo vale para os carboidratos, principalmente aqueles de menor valor glicêmico, como massas de farinha branca e frituras. “Em geral, qualquer alimento que cause inflamação e liberação de radicais livres é danoso para o nosso corpo”, diz o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e médico voluntário no atendimento a casos suspeitos de Covid-19 no Hospital São Paulo.

Assim como o açúcar, o consumo de sal também deve ser reduzido, pois o excesso de sódio pode piorar a circulação e favorecer o surgimento de problemas cardiovasculares. “Tome cuidado redobrado com o sal escondido nos alimentos, principalmente nos industrializados. Poucos sabem, mas até mesmo o suco de caixinha possui sódio”, afirma a Aline Lamaita, cirurgiã vascular e angiologista, membro do Colégio Americano de Medicina do Estilo de Vida. Com relação aos alimentos industrializados, evite também aqueles que são ultraprocessados, como bolachas, guloseimas, sorvetes, bolos e produtos congelados e prontos para o consumo.

“Quanto mais processado é o alimento, menor é o seu valor nutricional, pois perde vitaminas durante o processamento, além de conterem grande quantidade de aditivos e conservantes, favorecendo assim a inflamação e a ocorrência de deficiências nutricionais, doenças do coração, diabetes, colesterol e obesidade”, completa a médica.

Por fim, lembre-se de ingerir água diariamente para se manter hidratado. “A água exerce diversas atividades essenciais que garantem o funcionamento adequado do corpo humano. Por ser o principal componente do plasma sanguíneo, a água é uma das responsáveis pelo transporte de nutrientes e dos produtos do metabolismo, além de auxiliar na eliminação de toxinas do organismo e atuar em processos fisiológicos como digestão, absorção e excreção de nutrientes”, finaliza Marcella.

Dor nas pernas nem sempre é sinal de problemas de circulação; aprenda a identificar

Cirurgiã vascular explica a quais sinais ficar atento, além da dor nos membros inferiores, para identificar doenças vasculares como varizes

Ao sentirmos dores nas pernas, seja em repouso ou praticando atividades como corrida e caminhada, nosso primeiro reflexo é colocarmos os membros para cima ou procuramos um vascular acreditando que o sintoma seja um sinal de que algo está errado com nossa circulação. Porém, isso não é bem verdade.

“São vários os fatores que podem provocar dores nas pernas e a circulação é apenas um deles. O sintoma também pode ser sinal, por exemplo, de problemas ortopédicos e fisiátricos, como tendinites, cãibras, lesões e distensões musculares”, explica a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Por isso, antes de correr para o vascular, é importante reconhecer outros sintomas, além das dores na perna, que podem indicar problemas de circulação.

Por exemplo, uma das condições circulatórias que podem causar dor nas pernas é a doença arterial periférica (DAP). “A doença arterial periférica prejudica a circulação do sangue e provoca, entre outras coisas, dor na hora de caminhar. Na maior parte das vezes, a obstrução ocorre quando há acúmulo de placas de gordura e perda de flexibilidade nas paredes dos vasos sanguíneos arteriais, responsáveis por levar o sangue para nutrir as extremidades do corpo, como braços e pernas”, afirma a especialista.

Para identificar o problema, além da dor na perna, você deve ficar atento a sinais como fadiga e fisgadas na panturrilha, sensação de cãibra ao caminhar ou se exercitar; perda de pelos nas pernas, unhas dos pés enfraquecidas, coloração esbranquiçada dos membros inferiores e infecções recorrentes nos pés. “Nos casos mais avançados pode ocorrer impotência sexual, dor nas pernas mesmo em repouso, redução da temperatura dos membros inferiores, formigamentos e eventual aparecimento de feridas ou gangrena nos pés pela condição de extrema falta de circulação”, completa.

Além da doença arterial periférica, as varizes são uma condição circulatória muito comum que também podem causar dores nas pernas. “Varizes são veias que perderam sua função circulatória. Como seu sistema valvular não funciona, as veias deixam o sangue refluir, o que aumenta a pressão interna e causa alterações em sua parede. Desta forma, a veia torna-se dilatada, tortuosa e começa a aparecer na pele”, destaca a cirurgiã vascular.

“Os sintomas das varizes incluem dor, ardor e sensação de peso nas pernas, principalmente no final do dia, inchaço dos membros inferiores, coceira na região afetada e mudanças na coloração da pele.”

Mas a boa notícia é que é possível prevenir essas causas das dores nas pernas através da adoção de alguns hábitos saudáveis em seu estilo de vida. “É importante, por exemplo, que você mantenha uma alimentação balanceada, evite consumir grandes quantidades de sal e açúcar, consuma 2 litros de água por dia, pratique exercícios físicos regularmente, pare de fumar, diminua a ingestão de bebidas alcoólicas e monitore seu colesterol, glicemia e pressão arterial, tomando as medidas necessárias para mantê-los sob controle”, aconselha a médica.

Porém, caso você sinta dor constante e frequente nos membros inferiores, é importante consultar um médico, mesmo que você não tenha certeza se o sintoma está sendo causado por problemas circulatórios. “O profissional especializado poderá realizar uma avaliação e dizer se a causa da dor nas pernas é realmente a circulação, recomendando assim o tratamento mais adequado para você. Caso contrário, o médico poderá encaminhá-lo para o especialista indicado para resolver o problema”, finaliza Aline.

Fonte: Aline Lamaita é cirurgiã vascular, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Pauloem 2000, hoje dedica a maior parte do seu tempo praticamente à Flebologia (estudo das veias). Possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina

Pecados capitais de beleza que envelhecem e tornam a pele mais vulnerável

Com a flexibilização da quarentena, tome cuidado com esses descuidos na rotina porque eles podem deixar sua pele mais suscetível aos danos externos (e ambientais), o que leva ao envelhecimento precoce

Muitas pessoas ainda ignoram os cuidados com a pele e, mais cedo ou mais tarde, sofrem as consequências. Mas mesmo quem já tem uma rotina skincare pode enfrentar alguns problemas, por falta de informação (ou indicação adequada), preguiça ou ansiedade em ver resultados rápidos. É necessário ter cuidado e cautela, pois alguns desleixos ou abusos podem ser considerados pecados capitais contra a sua pele: e eles favorecem o envelhecimento precoce. Consultamos os melhores experts em beleza e saúde da pele para listar os pecados que, definitivamente, você deve evitar.

mulher usando protetor solar

Não usar filtro solar no frio, em dias nublados ou chuvosos – pode parecer fora de realidade, mas as queimaduras solares também acontecem em dias nublados, no outono e no inverno. E além disso, menos visível que os danos das queimaduras, há alterações subcutâneas que nem sempre percebemos na hora – apenas quando os anos passam. “Isso ocorre porque as nuvens absorvem por volta de 10% da radiação ultravioleta, ou seja, apesar do dia não estar ensolarado, ele tem praticamente a mesma intensidade de radiação ultravioleta que um dia megaensolarado”, destaca a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A dermatologista lembra que o índice mínimo de filtros solares recomendado é FPS 30. “Mas, para algumas peles muito sensíveis ou com manchas, o ideal é abusar de um FPS mais alto, porque há, sim, diferença de proteção entre FPS. E o protetor deve garantir proteção contra UVA, radiação ultravioleta A, um tipo de radiação que atinge a pele mais profundamente, causa o fotoenvelhecimento, aparecimento das rugas e manchas”, afirma. O fotoprotetor deve ser usado todo dia e repassado após três horas em exposição direta e após quatro horas em ambientes fechados.

mulher cosmetico serum

Abusar do uso de retinoides – nenhum retinoide (retinol ou ácido retinoico) deve ser usado sem que haja a prescrição de um dermatologista! Dito isto, vamos entender por que isso acontece: “Estamos falando de um ácido (vitamina A ácida), que pode provocar irritabilidade, hipersensibilidade, até uma queimadura, quando mal utilizado, em concentração acima do que a pele pode suportar, ou muitas vezes sendo utilizado de uma maneira inadequada, sem orientação médica”, diz a dermatologista Claudia Marçal, professora-fundadora do Dermacademy MB e membro da SBD. Outro problema que pode surgir na pele, com o excesso desse ácido, são os vasinhos: “Quando fazemos peeling ou usamos ácidos, estamos criando um processo inflamatório, ‘queimando a pele’ para ela descamar. Se esse processo for excessivo, abusivo, pode gerar, sim, os vasinhos no rosto”, argumenta Aline Lamaita, angiologista e cirurgiã vascular, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. De acordo com a Dra. Claudia, geralmente os retinoides são prescritos no inverno e não devem ser usados de maneira contínua, pois a pele fica mais fina, avermelhada e delicada, o que a deixa susceptível a agressores ambientais, como mormaço, calor, luz visível, poluição e especialmente o sol. “Seu uso é obrigatoriamente noturno, e o ideal é começar com a aplicação de duas a três vezes por semana, intercalados com nutritivos adequados à pele, como Overnight Repair, Progenitrix, Vitamina C e nutriomega 3, 6, 7 e 9”, diz a dermatologista. E lembre-se: no dia seguinte, é necessário lavar o rosto e usar um filtro solar potente.

mulher usando serum pele

Usar bons produtos na hora errada – quando usamos produtos noturnos durante o dia, corremos o risco de fotossensibilização. Um dos principais erros, nesse sentido, é fazer uso de ácidos de manhã. “Esses produtos podem fazer a pele descamar e deixá-la mais sensível, o que é um perigo tendo em vista que a radiação solar e a poluição podem causar muito mais danos”, explica Isabel Piatti, especialista em Estética e Cosmetologia, conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita, embaixadora do CIA – Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas, e Membro do Conselho Científico da Academia Brasileira de Estética Científica – ABEC. Então é importante que esses produtos, quando prescritos pelo dermatologista à noite, ou quando é possível observar no rótulo os posicionamentos “over night”, “creme para noite”, “night cream”, sejam utilizados de fato à noite. “Durante a noite a pele vai experimentar um período de reparação celular, então, os cremes devem ajudar a pele a renovar as células”, afirma Isabel. É o caso do Tenso Active, que é o anti-idade noturno da linha Day & Night da Buona Vita. O creme combate as rugas e minimiza as linhas de expressão e flacidez. Por outro lado, durante o período matutino, a fotoproteção da pele é essencial, então além do filtro solar, devemos apostar em ativos antioxidantes com ações específicas contra poluição e outras agressões ambientais. O Gel Creme Nanocápsulas, creme diurno da linha da Buona Vita, traz Vitamina C para ação antioxidante e FPS 30 para proteger a pele.

cotovelo pele cuidados

Negligenciar as “áreas esquecidas” – na rotina de beleza diária da pele, muitas pessoas concentram-se no rosto, afinal é a região onde surgem rugas e linhas de expressão. “Porém, outras regiões do corpo, como joelhos e cotovelos, também sofrem igualmente, e às vezes até mais (por conta das características da pele da região), com os danos externos que levam ao processo de envelhecimento precoce. Logo, necessitam de cuidados tanto quanto o rosto”, diz a dermatologista Kédima Nassif, membro da SBD. Além disso, não podemos esquecer do pescoço e colo, que também demonstram sinais do envelhecimento. No caso dos joelhos e cotovelos, abuse da vitamina E e óleos naturais. Para o pescoço, colo e a área atrás da orelha, o ideal é estender os cuidados do rosto, com hidratantes associados a antioxidantes com Vitamina C, Alistin e Hyaxel, além da fotoproteção. “Também é necessário usar cremes específicos para área dos olhos e lembre-se de usar um fotoprotetor, já que, nos últimos anos, a incidência de câncer de pele aumentou em 10% nas pálpebras. Vale a pena também apostar nos óculos escuros com proteção UV”, acrescenta Kédima.

envelhecimento pele mulher

Acreditar que a pele é “imutável” – é um erro comum insistir em cosméticos e fórmulas que foram boas e deram resultados 10 anos atrás. Conforme vão mudando as características da pele, os cuidados que devemos ter com ela se modificam também. Como na adolescência, em que a pele tem tendência a ser mais oleosa, na faixa dos 50 anos há cada vez mais um ressecamento cutâneo. Para fugir do básico na hora de hidratar a pele, o ideal é oferecer ao tecido cutâneo algo a mais, como os peptídeos. Existem centenas de diferentes peptídeos, que são feitos a partir de diferentes combinações de aminoácidos. Eles estimulam a comunicação e proliferação celular, no geral. Segundo o farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy, os peptídeos agem na pele quase como se fossem medicamentos: “Eles penetram, vão ao encontro do receptor, ligam-se à célula e produzem determinado efeito. Existem peptídeos que estimulam produção de elastina, ácido hialurônico e agem na cicatrização da pele. Eles são realmente muito importantes”, diz o diretor da marca, que tem dois produtos com peptídeos pró-colagênicos, que trabalham fortemente para estimular colágeno: Collagen Peptide e Sustent C Pro-Collagen. Os produtos agem de maneira eficiente no estímulo ao colágeno, deixando a pele mais jovem.

shutterstock botox

Acreditar que procedimentos fazem milagres – é muito comum que as pessoas procurem por procedimentos para rejuvenescer acreditando que sairão do consultório quase que irreconhecíveis. “Porém, não existem procedimentos que rejuvenescerão o rosto em uma única sessão de maneira rápida e simples, pois é impossível reverter de uma única vez todos os danos do envelhecimento causados ao longo de anos”, diz a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). “O ideal então é conversar com seu médico para verificar a possibilidade da combinação de diferentes procedimentos que, realizados em uma determinada sequência e ao longo de um certo tempo, potencializarão os resultados esperados”, recomenda a cirurgiã. Após a cirurgia, também é preciso adequar alguns hábitos, como parar de fumar, diminuir a quantidade de açúcar e sal na alimentação e ter muito cuidado com bebidas alcoólicas.

mulher madura rosto creme olhos grisalha

Pensar que os cremes mais caros serão a salvação da sua pele – para quem fica muito ligado em novidade, é bom saber que nem sempre comprar um produto inovador vai ser a salvação. “Essa paciente precisa ter a orientação de um especialista, de seu dermatologista. Porque muitas vezes esse produto não é adequado para o tipo de pele, época do ano, fototipo e condições naturais genéticas daquela pele”, afirma Claudia. Além disso, os cremes não fazem milagres. “Quando falamos sobre investimento em anti-aging, isso tem de partir da mudança da qualidade de vida dessa pessoa, pois nós sabemos que a genética é importante, mas ela não responde pela maior parte, quando falamos em equilíbrio e longevidade e com qualidade de vida. Então, os tripés de sustentação como alimentação, atividade física e proteção à ação danosa da radiação ultravioleta. Além disso, ter uma vida com menos estresse é fundamental”, diz a médica. “Muitas vezes, essa paciente precisa de nutracêuticos como Exsynutriment, InCell e Bio-Arct para promover, de dentro para fora, um estímulo às proteínas de sustentação da pele. E hoje temos muitas tecnologias em consultório que podem ser indicadas para um tratamento completo e eficaz do paciente”, finaliza a médica.

 

Dois copos de refrigerante por dia aumentam risco de problemas circulatórios

Estudo de setembro analisando centenas de milhares de pessoas associou consumo de refrigerantes a maior risco de problemas circulatórios e morte prematura. Pesquisadores observaram que problema provém de bebidas açucaradas artificialmente e ricas em açúcar.

Independentemente do seu peso, se você não larga o refrigerante e mantém seu consumo frequente, é bom começar a se preocupar. Isso por que um novo artigo recente publicado no Jama Internal Medicine, no começo de setembro, observou que um maior consumo de refrigerantes totais, adoçados com açúcar e adoçados artificialmente, foi associado a um maior risco de mortalidade por todas as causas.

06e06-refrigerantes2bpixabay

“Enquanto o consumo de refrigerantes adoçados artificialmente foi associado positivamente a mortes por doenças circulatórias, os refrigerantes adoçados com açúcar foram associados a mortes por doenças digestivas”, afirma a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of LifeStyle Medicine. Para o estudo, um grupo internacional analisou dados de 451.743 adultos de 10 países europeus. Os dados vieram da European Prospective Investigation on Cancer and Nutrition (EPIC).

De acordo com o estudo, durante um acompanhamento médio (intervalo) de 16,4 anos, ocorreram 41.693 mortes. “Foi encontrada maior mortalidade por todas as causas entre os participantes que consumiram 2 ou mais copos de refrigerante por dia. Também foram observadas associações positivas entre refrigerantes adoçados artificialmente e mortes por doenças circulatórias, quando os participantes consumiam mais de dois copos por dia; já entre os refrigerantes adoçados com açúcar, o maior índice é por mortes por doenças digestivas, quando consumiam apenas um copo ou mais por dia”, diz o estudo.

A angiologista explica que o açúcar está relacionado com a obesidade e com a diabetes mellitus: “Estudos mais recentes vêm apontando o carboidrato, o açúcar, que também está presente no refrigerante, como grande vilão para o aumento de colesterol. Além disso, com o diabetes, podemos desenvolver problemas arteriais, causar um espessamento e acúmulo de placas de gordura dentro da parede das artérias, entupindo as artérias. Dependendo de qual lugar do corpo isso acontece (de qual artéria foi afetada), você pode manifestar um infarto, um derrame ou com aquele problema de claudicação – que é quando você vai caminhar e tem dificuldade de andar porque falta sangue nas pernas (é como se a pessoa andasse uma quadra e tivesse que parar para descansar porque a perna começa a doer)”.

REFRIGERANTE NAO

Já o grande problema dos refrigerantes adoçados artificialmente é a quantidade maior de sódio. “Geralmente, tudo que é gostoso tem um pouco de açúcar e de sódio, que confere sabor no alimento. Então quando você vai tirar o açúcar e acrescenta muito adoçante, uma maneira que a indústria usa para mascarar aquele sabor ruim do adoçante e realçar o sabor doce do alimento é acrescentando sódio. Você pode reparar que todo produto que é light, diet, zero, que é limitado em açúcar e contém adoçante, você pode olhar na tabela e comparar que ele tem mais composição de sódio em geral do que os outros”, explica a angiologista.

“O sódio é vilão, porque ele vai contribuir com o aumento de pressão arterial, que é um fator de risco para a doença aterosclerótica e problemas circulatórios, e aumenta muito a retenção hídrica”, explica ela. “O sódio favorece a retenção de líquido, provoca inchaço e aumenta a pressão sobre os vasos sanguíneos e deixa o sangue mais denso, pesado, podendo favorecer a formação de coágulos”, completa a médica.

refrigerantes

Com o estudo, há uma expectativa de mais campanhas de saúde pública destinadas a limitar o consumo de refrigerantes. “Mas é fundamental que você busque desde já ajuda de um médico ou nutricionista para eliminar gradualmente o consumo desse produto na sua dieta”, finaliza.

Fonte: Aline Lamaita é cirurgiã vascular e angiologista, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine. Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a médica participa, na Universidade de Harvard, de cursos de pós-graduação. Possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira/Conselho Federal de Medicina.