Arquivo da tag: amor

Hoje, Ginger foi viver no céu dos gatinhos

“Eu ainda lembro do dia em que te encontrei…”

ginger _ (3)

Pois é, foi em agosto de 2012, eu estava trabalhando no UOL e finalmente fiquei cara a cara com ela na minha rua. Ela, como outros gatos, gostava de ficar na garagem de um prédio. Não sei se ela era de alguém, mas eu tenho certeza de que a havia visto antes, em uma madrugada fria e chuvosa em que tive de ir cedo para o aeroporto e ela estava lá, literalmente no meio da rua. Aflitivo.

Mas voltando àquele dia de agosto, oito anos atrás, não foi fácil pegá-la. Ela entrou no prédio, e ficou atrás das grades. Deitou-se no chão e mostrou a barriguinha. Perguntei para o porteiro se ela era de alguém do prédio, ele disse que não, mas que uma pessoa a tinha pego, mas como ela não se deu bem com os gatos da casa, foi colocada na rua de novo. Quem faz isso? Tentei pegá-la, mas só funcionou quando deixei a caixa de transporte aberta com atum dentro. Demorou, mas ela entrou e eu a peguei.

ginger cobrindo os olhos deitadaginger tomando solginger escondida

Ela não se deu bem com as gatas que eu já tinha na época. Pior: fazia xixi em qualquer lugar. Foi preciso muita paciência. Mas ela repetiria isso toda vez que sentisse ciúme, como quando peguei duas gatinhas de uma pessoa da rua que foi internada e não voltou mais pra casa. Sofá e cama eram as vítimas. Elas três nunca se deram bem, assim como as mais velhas, Penélope e Jolie. Tentei quase tudo, até Feliway, só faltou o Jackson Galaxy.

Mas isso foi diminuindo até parar. Em 2015, meus gatos pegaram rinotraqueíte dos gatos do vizinho, que moravam dois andares abaixo. Só de ficarem no corredor. Foi terrível. Eram oito gatos doentes, sendo que Penélope e Ginger não melhoraram, ficaram internadas por dias. Penélope era doente renal e, durante a internação, descobrimos que Ginger havia se tornado doente também. Depois de dias de internação, Penélope não resistiu. Desde então, Ginger vinha se tratando. Tinha altos e baixos, mas conseguíamos manter a doença estável.

GINGER E FLORESginger gordinha

Se com as meninas ela não se dava muito bem, com o albino, fofo e surdo Ringo era puro amor. Com o Pelé nem tanto, mas ficavam juntos de vez em quando. Ginger e Ringo viviam às lambidas. Muito fofo de se ver. Cada gato tem uma personalidade, uma característica e Ginger era muito meiga. Em mais de uma ocasião, quando eu aumentava o tom da voz ao telefone, ela vinha perto de mim e começava a miar, parecia dizer: calma, calma… E quando eu chorava. Sim, ela vinha e miava pra mim. Nenhum outro fez isso, só ela.

trio 3trio

ginger ringo e pele
Os três em épocas diferentes

No mês passado, notei que ela estava mais desanimada e vomitando, o exame de sangue mostrou que estava mal da doença. Ficou internada dois dias, tomando soro na veia. Voltou para casa, mas não foi mais a mesma. Neste fim de semana, piorou muito, não comia mais e não conseguia ficar em pé, e começou a ter convulsões (Ringo também tem, ocasionalmente, pois tem um problema no cérebro, mas não é epilético). Espero que nunca veja seu amigo tendo convulsões. É muito aflitivo. E você só pode pedir que não dure muito.

ginger e ringo na caminhaginger e ringo grudadinhosginger

Diante de tudo isso, pesquisei e vi que os sintomas mostravam que ela havia entrado em uma fase terminal. Nunca é fácil colocá-los para dormir, mas é o mais digno diante do sofrimento. E como disse uma veterinária, a eutanásia é uma prova de amor. Eu acredito nisso.

ginger e ringo ult foto
Ginger e Ringo ontem à noite

Vai, Ginger, vai ser feliz no céu dos gatinhos, encontrar seus irmãos e amigos. Um dia a gente vai se encontrar de novo, longe deste insensato mundo.

Com amor, Cármen

Como funciona um cérebro apaixonado, neuro explica

A oxitocina, produzida no hipotálamo, armazenada e secretada pela neuro-hipófise, é o verdadeiro hormônio do amor. Sua produção ajuda casais a se amarem e a ficar juntos por muito tempo. Na última sexta-feira (12), comemoramos o Dia dos Namorados. Para quem está solteiro e não quer passar a próxima comemoração sozinho, a sugestão é seguir à risca algumas dicas de Fernando Gomes, neurocirurgião e neurocientista do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Na arte da conquista e sedução, o cérebro trabalha a todo vapor, preparando o corpo físico e o comportamento para atrair o par ideal. Neurotransmissores e hormônios são responsáveis pela ativação do centro de recompensa, gerando sensações agradáveis e prazer sexual.

“A dopamina, um neurotransmissor, aciona o sistema de recompensa e desencadeia a liberação da testosterona que estimula a libido em homens e mulheres”, explica Fernando Gomes Pinto, neurocirurgião e membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia – SBN, acrescentando que “a prolactina, também um hormônio, está relacionada com a satisfação sexual e a oxitocina relaciona-se com a sensação de intimidade e aconchego”. Sua produção e secreção ajudam as pessoas a se amarem e ficarem juntas por muito tempo.

casal na banheira

O médico conta que certas áreas do cérebro precisam ser “desligadas” tanto nos homens quanto nas mulheres, para que outras áreas possam ser ativadas durante a conquista, o desejo e a companhia da pessoa amada. “Em especial as amígdalas nos lobos temporais, centro da “defesa” de fuga ou luta, são “desligadas” e centros do prazer são ativados como a área tegmental ventral”, detalha.

Nas mulheres, o córtex orbitofrontal lateral esquerdo, responsável pelo controle de desejos elementares, silenciam-se também. E então elas podem “relaxar” suas preocupações e simplesmente amar e serem amadas.

O centro do prazer tanto do homem como o da mulher está localizado no hipotálamo. De acordo com o médico, uma pessoa amada é alguém com potencial para acionar a nossa área do prazer hoje e se der tudo certo, para sempre.

“É por isso que os nossos pensamentos, desejos e sonhos, gerados e interpretados nos nossos lobos frontais, sempre nos impulsiona a pensar na pessoa amada. Principalmente na fase de namoro, na fase da paixão”, revela.

O especialista deixa algumas dicas para embalar um amor:

casal 50
• Sorrir sempre. O sorriso, que é o primeiro ganho neurológico aos dois meses de vida, provoca sensação de bem-estar, aceitação e conforto para quem recebe;
• Beijar muito. Traduz carinho e um bom beijo na boca provoca troca emocional intensa. A sensibilidade dos lábios é uma das maiores sentidas no cérebro humano;
• Ser sincero. Os relacionamentos sinceros fazem com que a qualidade de troca de informações dos cérebros do casal seja livre, rápida e intensa. O amor e o prazer podem se manifestar em toda sua plenitude.

Fonte: Fernando Gomes é médico neurocirurgião, neurocientista, comunicador e autor de oito livros. Professor Livre Docente de Neurocirurgia, com residência médica em Neurologia e Neurocirurgia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, é neurocirurgião em hospitais renomados e também coordena um ambulatório relacionado a doenças do envelhecimento no Hospital das Clínicas.

Loungerie lança coleção de calcinhas e acessórios para o Réveillon

Réveillon é sinônimo de superstições e simpatias para começar o ano da melhor forma, entre elas a escolha da cor da lingerie para o momento da virada. Pensando nisso, a Loungerie lançou uma coleção de calcinhas e acessórios para celebrar a data de acordo com o que cada mulher deseja para o novo ano. A marca aposta em lingeries e braceletes nas cores branco, amarelo e rosa, que simbolizam os votos de paz, amor e sucesso para 2020.

loungerie 9loungerie 7loungerie 4

As calcinhas vêm acompanhadas de uma taça de champanhe da mesma cor e os acessórios ganham uma caixa com uma mensagem surpresa. As peças são ótimas opções de presentes ou para compor um look cheio de astral para o ano novo.

40220210-322-1-BRACELETE-METAL-LUCKY-CHARMS40220210-037-1-BRACELETE-METAL-LUCKY-CHARMS40220210-347-1-BRACELETE-METAL-LUCKY-CHARMS

Os kits das calcinhas custam R$ 39,90 e os braceletes R$ 29,90. Toda coleção está à venda nas lojas da Loungerie espalhadas pelo Brasil e no e-commerce da marca.

 

Tiffany & Co. celebra o poder do amor

O fotógrafo Conrado Carvalho (Conradis) é o primeiro brasileiro a participar da campanha Believe in Love, da Tiffany & Co.. A marca compartilhou a experiência dele com fotos do pedido no Stories da @tiffanyandco.

“Meu pedido de casamento foi no dia 23 de março de 2018, quando ele me levou para andar de helicóptero, tocou piano, fez a declaração mais linda que já ouvi e me deu uma aliança Tiffany para provar o seu amor”, conta Danilo Assis, noivo.

tiffanytiffany 4tiffany 2tiffany 3

A Tiffany & Co. apresenta sua campanha, Believe In Love, que homenageia o compromisso em suas mais diversas formas e apresenta diversos casais reais. Mostrando apenas mãos em momentos íntimos, gestos pessoais que captam a conexão emocional de cada casal, a campanha celebra conexões únicas entre duas pessoas, com seu desejo e crença do poder duradouro do amor.

“Como uma marca que celebra o amor verdadeiro em todas as suas formas, a Tiffany é a marca para símbolos icônicos de compromisso, que vão além do tradicional”, diz Reed Krakoff, diretor artístico da Tiffany&Co. “Esta campanha celebra o amor de uma forma única, que apenas a Tiffany consegue”.

A trilha musical é composta por uma versão a capella de “No One”, música de Alicia Keys vencedora do Grammy. “Amor e compromisso são os únicos, como nós somos, e toda relação merece ser reconhecida e celebrada”, diz Alicia Keys. “Nós precisamos de amor mais do que nunca, e estou orgulhosa de emprestar a minha voz para algo tão belo. Isto é o verdadeiro espírito da música”.

335299_781080_bridal_campaign_2017_hands_one_sbxjy_page335299_781081_bridal_campaign_2017_hands_two_sbxjy_page335299_781082_bridal_campaign_2017_hands_sixteen_acxme_page335299_781079_bridal_campaign_2017_hands_five_psxba_spread

A campanha mostra as mãos dos casais e suas iniciais. Suas identidades serão reveladas posteriormente por meio de um layer digital da campanha, que conta a história de cada casal e convida o público a interagir e compartilhar por que eles também acreditam no amor. A campanha foi fotografada pelo icônico fotógrafo Cass Bird e produzido por Alex White. O filme foi dirigido por Darius Khondji.

Assista a um dos vídeos clicando aqui.

 

Amor Chandon está de volta e toda história de amor começa com um beijo…

Com início hoje, 13 de abril, dia do beijo, a campanha Amor Chandon, Amor Que Conta nos convida a celebrar o amor que realmente importa.

Para Chandon, o amor vai muito além do dia dos namorados, e merece ser celebrado de forma especial em diferentes datas, unindo aqueles que compartilham um desejo ou uma paixão verdadeira. Seja entre amigos, família ou namorados, o importante é celebrar os melhores momentos juntos, fixando-os na memória e no paladar, dando gosto à vida.

Chandon Rosé dá um tom especial à temporada de amor, que começa no dia do beijo e passa pelo dia do amor (25/04), dia das mães (14/05), dia internacional do combate à homofobia (17/05), dia do abraço (22/05), até chegar ao dia dos namorados (12/06). Para cada data, diferentes ações serão realizadas.

A campanha poderá ser acompanhada nas redes socais da marca e no hotsite. Os consumidores serão convidados a compartilhar suas histórias e momentos de celebração de amor por meio das hashtags #AmorChandon #AmorQueConta.

key_visual_amor_chandon__amor_que_conta_2017

Sobre Chandon Brut Rosé

Com uma delicada cor rosada reluzente, Chandon Brut Rosé traz aromas com toques de morango e cereja. No paladar, é envolvente, fino e aveludado. Com muito equilíbrio entre as uvas Pinot Noir, Chardonnay e Riesling Itálico, é um espumante brut apropriado para ser apreciado como aperitivo, para harmonizar-se com pratos refinados e para ser servido a noite inteira.

Preço sugerido: Garrafa 750 ml – R$ 90,00

Local de venda: Principais delicatessens, empórios e supermercados de todo o Brasil.

Entenda a diferença entre obsessão amorosa e amor

Psicoterapeuta Maura de Albanesi alerta: embora tudo pareça bonito, quando estamos apaixonados não conseguimos enxergar a realidade como ela é. Atitudes obsessivas demonstram um estado de desequilíbrio emocional, explica a especialista

Muitas pessoas confundem amor com obsessão e acham lindo viver em razão de alguém — e esquecer a si mesmo. Embora isso pareça bonito — afinal também é bom gostar de alguém — fique sabendo que você pode estar numa zona de perigo. Se o seu “amado” faz algo que você não gosta — mas você faz de conta que gosta ou finge que não viu; se você vive fazendo coisas para agradá-lo; se você se recrimina internamente por gostar de alguém; se dorme e acorda pensando no seu “amado”: cuidado! Todos esses podem ser sintomas de que você está em uma zona complicada de desequilíbrio emocional. “Isso não é amor: é uma obsessão. É uma paixão e a paixão é um desequilíbrio emocional!”, afirma a psicoterapeuta Maura de Albanesi, que tem mais de 30 anos de atuação na área.

Essas atitudes obsessivas (de pensar em demasia no outro) desenvolvem-se com a projeção, um mecanismo automático, no qual o apaixonado começa a ver características do outro que não condizem com o que o outro realmente é, explica a psicoterapeuta.

“Na paixão você só está vendo o bom. Há casos de gente que se apaixona e só ela não percebe, por exemplo, que o cara é um bandido. Ela está enaltecendo um lado bom que às vezes nem existe. É uma projeção total, por isso que a paixão é um estado de desequilíbrio emocional”, analisa. E sentencia: “Então quando alguém está apaixonado, essa pessoa está desequilibrada psiquicamente porque ela não está vendo a realidade. Tanto que quando a paixão vai embora, ela se pergunta como foi gostar de alguém assim”.

Para sair dessa situação, a psicóloga sugere começar a olhar seus próprios atos e questionar se isso não está sendo criado. “E, ao perceber que está projetando, ela pode olhar concretamente o que a pessoa faz e falar sem a projeção. É um processo para trazer para o real. Porque existe, de fato, a questão da projeção e para sair disso, é necessário trazer dados reais. Como se você tirasse os óculos que sou ‘eu no outro’”, explica. Aliás, essa projeção explica, segundo a psicóloga, porque uma pessoa que não está na relação consegue enxergar melhor essa situação.

casal obsessão

Paixão x Amor

Esse estado obsessivo é muito confundido com o amor. No entanto, Maura de Albanesi ressalta que o amor tem outras características. “O amor é quando você vai além do lado bom e olha o lado sombra da pessoa, ou seja, os defeitos, e você não se incomoda tanto com eles — mas sabe reconhecê-los. Quando os defeitos não são empecilhos.”

De acordo com a especialista, todos nós temos defeitos, mas só ama quem consegue enxergá-los e não ser afetado por eles. “Quando esse lado sombra não me desestabiliza, eu estou pronta para amar essa pessoa. O amor consegue entrar”, completa. Mas isso também só acontece quando a pessoa está preparada no sentido de amar a si mesmo: “O amor que você tem a si não pode estar em questão pelo amor que você sente pelo outro e nem tampouco pelo amor que o outro sente por você. Quando você não vê o outro como um objeto seu, você está pronto para amar. Na hora que eu amo e aquela pessoa tem que estar comigo para eu ser feliz, eu coloquei uma condição para minha felicidade em que eu dependo do outro.” Nesse caso, com a felicidade condicionada, o caminho para a frustração está aberto, de acordo com ela.

Mas apesar de todo o sofrimento que a paixão desperta, ela também tem um lado bom. “Tudo aquilo que você projeta no outro, na paixão, são qualidades que você tem e que não está reconhecendo que tem. Então uma forma também de sair dessa paixão é pensar que tudo que eu pensei que o outro era, é, na verdade, o que eu sou. E que isso às vezes não está tão claro para a pessoa, por isso ela projeta. Então são as qualidades adormecidas em mim que vão despertar no meu olhar pelo outro”, finaliza.

Fonte: Maura de Albanesi é psicoterapeuta com Mestrado em Psicologia e Religião pela PUCSP, Pós-Graduação em Psicoterapia Corporal, Terapia de Vivências Passadas (TVP), Terapia Artística, Psicoterapia Transpessoal e Formação Biográfica Antroposófica, atua com o ser humano há mais de 30 anos.

Veja os sinais que seu gatinho usa para demonstrar que te ama

É muito fácil perceber quando um gato está incomodado com você ou bravo, mas e quanto a perceber o afeto que eles demonstram? Gatos escolhem uma pessoa para amar, e quando amam, amam de verdade. O truque é saber reconhecer e retribuir o carinho dado por esses bichanos! Como eles demonstram afeto?

De acordo com a CEO da Pet Anjo e especialista em comportamento animal, Carolina Rocha, nem todos os gatos demonstram afeto igualmente, mas separamos alguns sinais que eles usam para nos dizer ou demonstrar que nos amam:

1 – Encostar a testa
Este gesto é demonstrado para os tutores muito amados, quando o gatinho olhar para você, ele abaixará a cabeça e encostará na sua testa, queixo ou bochechas.

37-vets-wont-tell-man-cat
Foto: Reader’s Digest

2 – Passar as bochechas
Quando um gatinho se sente confortável no ambiente ou com alguém, ele passa as bochechas nos móveis, nos cantos da casa, nas suas pernas e mãos quando for acariciado.

pictures-of-cats_behaviour_12
Foto: Band of Cats

3 – Entortando a pontinha da cauda
A cauda de um gatinho é como um termômetro do seu humor, quando fica espetada ou esticada, quer dizer que o gato está assustado, mas quando ele está perto de você e passa com a pontinha torta, é porque ele confia em você.

gato-preto
Ilustração: Little Things

4 – Fazer contato visual e piscar suavemente
Gatos somente olham nos olhos de quem eles amam e confiam, quando eles piscam suavemente, como se estivessem calmos, é quase como um beijo entre humanos, uma conexão de amor e confiança.

gato

5 – Ronronar
Ronrono não é apenas para coisas boas, gatos ronronam para avisar que algo irá acontecer, quando usam a caixinha de areia…mas o ronronar mais alto e poderoso é deixado somente para momentos de felicidade ao lado de seu dono.

cat

6 – Deitar no colo
Gatos adoram lugares quentinhos e confortáveis para dormir, como uma caminha ou travesseiro, mas muitas vezes escolhem o colo de seus donos, o gato escolheu dormir junto de você, mesmo que não seja tão quentinho ou confortável.

bebe-e-gato

7 – Te dar ratos, pássaros e insetos mortos
Gatos gostam de serem apreciados pelos seus atos, depois de caçar, um ratinho, pássaro, inseto morto ou até mesmo um rabo de lagartixa podem aparecer no seu travesseiro, para você pode ser nojento, mas para seu bichano é um sinal de confiança e amizade.

gato-flor
Foto: DailyPicksandFlicks

Sobre a Pet Anjo

Pet Anjo foi idealizada por Carol Rocha, médica veterinária especialista em comportamento animal, e pelo engenheiro Thiago Petersen com o intuito de criar uma comunidade de pet lovers profissionais que oferecem serviços de alto nível para os bichinhos de estimação. A empresa oferece serviços de hospedagem familiar, pet sitting (babás para animais), dog walking (passeadores para seu cãozinho) e banho em domicílio. É a única empresa brasileira com certificações internacionais da DogTec, CPPS (Certified in Professional Pet Sitting) e Dog Safe. Este ano a startup captou R$ 1 milhão de investidores anjo brasileiros e asiáticos, em uma operação assessorada pela ACE.

A Pet Anjo é a única empresa brasileira que possui um processo de seleção dos cuidadores bastante rigoroso. Cada cuidador precisa passar por um treinamento de mais de 15h, idealizado por Carol Rocha e baseado nas certificações internacionais adquiridas pela empresa antes de começar a cuidar dos pets. Como parte do serviço, todos eles enviam fotos e vídeos com um relatório durante e após o serviço.

Informações: Pet Anjo