Arquivo da tag: azia

Desconforto abdominal, queimação e dificuldade para digerir: o que pode ser?

Conheça a diferença entre azia, gastrite e úlcera, como fazer o diagnóstico e os tratamentos mais indicados

De acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), ao menos metade da população brasileira sofre ou já sofreu com sintomas de má digestão. Com a chegada da pandemia, as queixas de problemas digestivos também se tornaram recorrentes em muitos consultórios médicos. Isso porque fatores como alimentação, ganho de peso e ansiedade podem desencadear disfunções como azia e refluxo. Outro fator trazido pelo período, foi o incremento na prescrição de medicamentos anti-inflamatórios e corticoides, que podem levar a doenças mais graves como gastrite e úlcera.

Foto: MD-Health

A pirose, termo técnico para a azia, é a manifestação de refluxo do ácido estomacal para o esôfago, que pode ser causado, comumente, por situações como alimentação em excesso ou ricas em gorduras, molhos industrializados, ingestão de álcool, café, refrigerantes, tabagismo e, até mesmo, por altos níveis de estresse. De acordo com o médico credenciado da Paraná Clínicas, especialista em cirurgia do aparelho digestivo pela Universidade de São Paulo (USP), André Rodrigues Martim Neto, a mudança dos hábitos alimentares ajuda a controlar esses problemas.

“O controle de peso é fundamental no manejo do refluxo, uma vez que o ganho de peso habitualmente é um fator desencadeante de sintomas como pirose e queimação, principalmente, ao deitar e após as refeições. Alimentos ricos em gorduras e proteínas podem precipitar a sensação prolongada de distensão. Fazer as refeições em quantidades adequadas e balanceadas ajuda no controle dos sintomas e, ocasionalmente, permite a retirada da medicação nos casos de refluxo”, explica.

Quando os sintomas de azia e desconforto abdominal se tornam recorrentes, com náuseas e vômitos associados, pode ser um sinal de doença mais grave como gastrite ou úlcera. Nesses casos, o médico ressalta que a consulta com um especialista é mandatória para que todos os sintomas sejam investigados e esclarecidos.

“A gastrite é um processo inflamatório da mucosa do estômago. Já as úlceras são lesões escavadas profundas presentes no estômago ou duodeno e ambas podem ser causadas por anti-inflamatórios, corticoides ou pela presença da bactéria Helicobacter Pilory. O tratamento mais eficaz vai depender da causa de cada uma delas, sendo geralmente associado a remédios específicos como antimicrobianos e bloqueadores de produção de ácido”, indica o cirurgião.

Estresse, ansiedade e outras vulnerabilidades

Os episódios de estresse e ansiedade também são considerados gatilhos para o aparecimento de sintomas típicos de gastrite ou refluxo. Segundo o médico credenciado da Paraná Clinicas, mesmo que os exames do paciente estejam normais, é possível que fatores emocionais desencadeiem queimação, azia, dores abdominais, náuseas e sensação de distensão. Contudo, é preciso uma avaliação clínica para excluir causas orgânicas, manejar os sintomas e analisar a associação da crise a outras doenças funcionais.

Da mesma forma, existem pessoas que são mais suscetíveis a desenvolver doenças gastroenterológicas. Entre eles, estão os portadores de doenças reumáticas, articulares ou com dor crônica devido ao uso de anti-inflamatórios e corticoides com mais frequência. Outros grupos são lembrados pelo médico: “Populações com maior vulnerabilidade social estão mais expostas a contaminação pela H. Pilory e, consequentemente, mais propensas a lesões ulceradas gastroduodenais. O tabagismo e bebidas alcoólicas elevam as chances de gastrites, úlceras gastroduodenais e câncer de esôfago e estômago”, pontua.

Acompanhamento e tratamento

Foto: @gballgiggs via Twenty20

O acompanhamento de pacientes com gastrite e úlcera por um médico especializado é fundamental para identificar mudanças de comportamento, sintomas, indicadores de complicações ou apenas para o controle de medicamentos e ajustes alimentares. “Portadores de lesões ulceradas devem ser acompanhados por especialista para avaliar a cicatrização, excluir malignidade e confirmar a erradicação do H. Pilory, quando presente. Pacientes com dispepsia funcional e gastrites devem ser acompanhados de acordo com os sintomas após a exclusão de doenças orgânicas mais graves” destaca Martim Neto.

O especialista afirma ainda que a utilização de medicamentos por tempo prolongado com o objetivo de inibir parcial ou totalmente a produção de ácido pelo estômago é parte integrante no tratamento de lesões gástricas e também do controle dos sintomas, mas deve ser acompanhado por especialista para controle da dosagem e identificação precoce de eventuais efeitos colaterais indesejados. O médico conclui alertando que receitas caseiras, como água com limão ou bicarbonato, podem trazer alivio parcial dos sintomas, porém podem atrasar o diagnóstico dificultando o tratamento posterior.

Fonte: Paraná Clínicas

Confira uma lista com os piores alimentos para a digestão

A maioria das pessoas, por mais que adorem certos alimentos, tem alguns na lista que acabam fazendo mal ou causando algum problema de digestão. Melhor se privar que sofre, não é mesmo?

Confira alguns alimentos que podem estar na lista, e veja porque eles às vezes fazem mal.

Comidas fritas

Eles são ricos em gordura e podem causar diarreia. Molhos ricos, cortes gordurosos de carne e sobremesas amanteigadas ou cremosas também podem causar problemas. Escolha alimentos assados ​​ou assados ​​e molhos leves que contenham vegetais em vez de manteiga ou creme.

Frutas cítricas

Como são ricas em fibras, podem causar dor de estômago em algumas pessoas. Vá devagar com laranjas, toranjas e outras frutas cítricas se sua barriga não parecer bem.

Açúcar artificial

Mastigar chiclete sem açúcar em excesso, feito com sorbitol, pode provocar cólicas e diarreia. Alimentos feitos com este adoçante artificial podem causar os mesmos problemas. O FDA (a Anvisa dos EUA) já avisou que uma pessoa pode ter diarreia se comer 50 ou mais gramas de sorbitol por dia, embora quantidades muito menores supostamente causem problemas para algumas pessoas.

Muita fibra

Alimentos ricos em carboidratos saudáveis, como grãos inteiros e vegetais, são bons para a digestão. Mas se você começar a comer muitos deles, seu sistema digestivo poderá ter problemas para se ajustar. O resultado: gases e inchaço. Portanto, aumente a quantidade de fibra que você ingere gradualmente.

Feijões

Eles são carregados com proteínas e fibras saudáveis, mas também têm açúcares difíceis de digerir que causam gases e cólicas. Seu corpo não possui enzimas que podem quebrá-los. Em vez disso, as bactérias em seu intestino fazem o trabalho, liberando gases no processo. Experimente esta dica para se livrar de alguns dos açúcares problemáticos: deixe os grãos de molho de molho por pelo menos quatro horas e despeje a água antes de cozinhar.

Repolho e seus primos

Os vegetais crucíferos, como o brócolis e o repolho, têm os mesmos açúcares que produzem os gases do feijão. Seu alto teor de fibras também pode torná-los difíceis de digerir. Será mais fácil para o seu estômago se você cozinhá-los em vez de comê-los crus.

Frutose

Alimentos adoçados com isso – incluindo refrigerantes, doces, sucos de frutas e pâtisserie – são difíceis de digerir para algumas pessoas. Isso pode causar diarreia, inchaço e cólicas.

Alimentos picantes

Pixabay

Algumas pessoas têm indigestão ou azia após ingeri-los, especialmente quando se trata de uma refeição farta. Estudos sugerem que o ingrediente quente da pimenta, chamado capsaicina, pode ser o culpado.

Laticínios

Se eles desencadearem diarreia, inchaço e gases, você pode ser “intolerante à lactose”. Isso significa que você não tem uma enzima que digere o açúcar do leite e outras formas de laticínios. Evite esses alimentos ou experimente um comprimido de venda livre que contenha a enzima que falta.

Hortelã-pimenta

Pode relaxar o músculo na parte superior do estômago, o que permite que os alimentos voltem para o esôfago. Isso pode causar azia. Outros culpados incluem chocolate ou café. Os especialistas dizem que você pode reduzir a pressão que empurra a comida de volta se perder peso extra, comer porções menores e não se deitar depois de comer. Além disso, aprenda quais alimentos causam problemas, para que você possa evitá-los.

Fonte: WebMD

Aprenda como evitar o refluxo, problema que atinge cerca de 20% dos brasileiros

Cirurgião do aparelho digestivo dá sete dicas de como evitar o incômodo no estômago

Sensação de queimação no estômago, azia e regurgitação. Esses são alguns dos sintomas que atingem as pessoas com refluxo gastroesofágico. O problema é basicamente o retorno involuntário e repetido do conteúdo do estômago para o esôfago e atinge de 10% a 20% da população, segundo estimativas de especialistas. Porém, é possível evitar essa complicação.

Fernando Bray, Cirurgião do Aparelho Digestivo do Hospital Santa Catarina (SP), elenca algumas dicas para evitar este mal que acomete tantos brasileiros.

20170822_00_alimentacao_prato_comida1
Foto: Visual Hunt/CC

=Procure comer em menor quantidade, mais vezes ao dia: o ideal é fazer de quatro a cinco refeições ao dia, a cada três horas, em pequenas porções. Refeições grandes acentuam os sintomas de refluxo.

mulher dormindo sofá

=Não deitar logo após a refeição: é importante evitar deitar-se após as primeiras duas horas pós refeição. Na horizontal, o suco gástrico sobe com mais facilidade ao esôfago, causando desconforto.

mulher domindo cama sono c_scott pixabay
Foto: C_Scott/Pìxabay

=Elevar a cabeceira da cama ou dormir com travesseiro alto: a gravidade auxilia diminuindo o refluxo do estômago para o esôfago.

carne de porco gordura pixabay
Pixabay

=Evitar alimentos gordurosos: esse tipo de alimento, principalmente as frituras, sobrecarregam o estômago e relaxam o esfíncter (estrutura muscular no formato de anel, de controle involuntário), o que facilita o refluxo.

alcool bebida pixabay

=Não cometer excessos com café e bebidas alcoólicas: essas bebidas, quando ingeridas em excesso, elevam a acidez no estômago, relaxam o esfíncter esofagiano e estimulam os sintomas de queimação.

mulher cigarro

=Evitar o tabagismo: o fumo é um grande vilão do estômago. Substâncias presentes no cigarro relaxam o esfíncter esofagiano inferior, possibilitando a volta dos alimentos.

chá erva deoce fresh design pedia
Foto: freshdesignpedia

=Invista em chás anti-inflamatórios: chá de camomila, espinheira santa e erva cidreira, que possuem propriedades anti-inflamatórias, contribuem para a mucosa do aparelho digestivo.

Fonte: Hospital Santa Catarina

Dor de cabeça pode estar associada à azia e má digestão

De acordo com o IBGE, sintoma é o quinto que mais afasta brasileiros de atividades habituais

Dor de cabeça é o tipo de sintoma ocasionado por motivos diversos, alguns graves que fazem com que ela seja mais frequente e forte; outros pontuais que nos pegam de surpresa e incomodam nossa rotina. De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde divulgados pelo IBGE em 2015, dor de cabeça é o quinto sintoma (4,7%) que mais faz com que brasileiros se afastem de suas atividades habituais, ficando atrás inclusive de diarreia, vômito e náuseas.

Um dos desafios na hora em que essa dor aparece é identificar de onde ela vem. Às vezes a atrelamos a estresse ou a uma noite mal-dormida, mas você sabia que ela pode estar relacionada à azia e má digestão?

Nem todo mundo sabe, mas a dor de cabeça sentida logo após uma refeição mais pesada, ao mesmo tempo em que estamos com algum desconforto gástrico, nada mais é do que o reflexo da desregulação da comunicação bidirecional entre o trato gastrointestinal com os sistemas nervosos, entérico e central. Deixando os termos técnicos de lado, é a consequência do ruído na comunicação entre a digestão e a rede de neurônios que integra os sistemas digestivo e nervoso. O desequilíbrio desse contato acontece e a dor logo aparece.

“Esse fenômeno está relacionado diretamente a refeições pesadas e é mais comum após o consumo de determinados alimentos como café, chás, bebidas carbonatadas, chocolates e alimentos picantes, por exemplo. Por outro lado, ficar sem comer por muito tempo também pode ocasionar o mesmo efeito de dor. Geralmente os sintomas gastrointestinais estão presentes antes e junto com o aparecimento da dor de cabeça”, explica Ana Santoro, Gerente Médica da GSK no Brasil.

Ainda de acordo com a médica, pessoas com gastrite, úlcera ou problemas recorrentes do estômago são mais suscetíveis a dores de cabeça desse tipo, mas ainda não há evidências de que a dor de cabeça possa se tornar algo mais sério com o passar do tempo. Porém qualquer sintoma que se torne persistente deve ser investigado por um médico.

mal de tête au travail
FreeGreatPicture

Uma das formas de combater o problema é utilizar medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico. Porém, repetindo, qualquer sintoma que se torne persistente deve ser investigado e acompanhado por um médico.

Fonte: Sonrisal