Arquivo da tag: beatriz lassance

Alimentos ultraprocessados podem reduzir longevidade; entenda as consequências

Doces, sucos de caixinha, refrigerantes, salsicha e refeições prontas são exemplos de alimentos ultraprocessados, que podem prejudicar pele, coração, cérebro e outras estruturas do organismo, favorecendo o surgimento de condições como hipertensão, diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares

Bolachas, miojo, refrigerantes, embutidos e salgadinhos. Você sabe o que esses alimentos tem em comum? São alimentos ultraprocessados, que, apesar de extremamente populares por serem práticos, de baixo custo e altamente palatáveis, podem causar sérios prejuízos a saúde. “Alimentos ultraprocessados são formulações industriais fabricadas a partir de substâncias extraídas ou derivadas de outros alimentos (sal, açúcar, óleos, proteínas e gorduras) e sintetizadas em laboratório (corantes, aromatizantes, conservantes e aditivos).

No geral, esses alimentos ultraprocessados possuem sabor mais agradável e um grande prazo de validade, mas são pobres nutricionalmente e ricos em calorias, gorduras e aditivos químicos, favorecendo então a ocorrência de deficiências nutricionais, doenças do coração, diabetes, colesterol e obesidade”, explica a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. Para se ter uma ideia, estudos apontam que uma dieta composta de apenas 15% de alimentos processados está ligada a um maior risco de morte precoce por todas as causas, principalmente por doenças cardiovasculares.

“Cuidado inclusive com produtos ‘fit’, ‘light’, ‘zero’ e ‘diet’, que, apesar de serem vendidos como alternativas saudáveis por terem menos calorias, possuem um maior teor de produtos químicos adicionados”, explica o médico nutrólogo, cardiologista e geriatra Juliano Burckhardt, membro Titular da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). E a ação desses alimentos no organismo é muito diversa, afetando o bom funcionamento de diversas estruturas. Para entender melhor, consultamos um time de especialistas que explicaram alguns impactos do consumo excessivo desses alimentos. Confira:

Aumentam o colesterol ruim: por serem ricos em gorduras trans e saturadas, os alimentos ultraprocessados favorecem o aumento do perfil inflamatório e dos níveis de colesterol e, consequentemente, o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e metabólicas. “Se sua dieta for estritamente rica nesses alimentos, seus níveis de colesterol no sangue serão mais elevados, assim como o risco de doenças cardiovasculares também aumentará. Além disso, o ganho de peso favorecido pelo consumo desses alimentos também aumenta o risco dos níveis altos de colesterol”, diz o Burckhardt. “O grande problema dos altos níveis de colesterol no sangue está no fato de ser uma intercorrência silenciosa: o colesterol aumentado pode não causar sintoma nenhum, obstruindo as artérias aos poucos. Então, em alguns casos, a primeira manifestação da alta do colesterol é um evento como infarto ou derrame, quando já é tarde para prevenir”, alerta a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Favorecem o inchaço e a hipertensão: alimentos ultraprocessados são ricos em sódio, que está presente mesmo em alimentos doces e sucos para realçar o sabor. E o uso excessivo de cloreto de sódio é o principal fator alimentar que aumenta a prevalência de hipertensão arterial, além de ser ruim para a saúde das veias. “O excesso de sódio é um vilão porque contribui com o aumento de pressão arterial, que é um fator de risco para a doença aterosclerótica e problemas circulatórios, além de piorar a retenção de líquidos e, consequentemente, o inchaço. Se você tem uma dieta muito rica em sódio, você tem maior tendência a retenção de líquidos no organismo”, destaca Aline.

Prejudicam o cérebro: quanto mais calorias você ingerir, o que não é difícil através do consumo de alimentos ultraprocessados, maiores serão as chances de perda de memória. “A razão não é clara, mas um maior IMC (índice de massa corporal) na meia-idade está relacionado a problemas de saúde do cérebro mais tarde na vida. Como se não bastasse, os alimentos ultraprocessados, por serem mais inflamatórios, também aceleram o processo de oxidação do cérebro”, afirma o médico neurologista e neuro-oncologista Gabriel Novaes de Rezende Batistella, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA). “A ferrugem no guidão de uma bicicleta ou em uma maçã parcialmente comida dá uma ideia do tipo de dano que a oxidação pode causar ao cérebro, danificando as células da região”, completa.

Envelhecem a pele: de acordo com Marcella, os alimentos ultraprocessados figuram entre os grandes responsáveis pelo aumento do quadro inflamatório do organismo, além de causarem o estresse oxidativo, que ocorre quando há uma produção exagerada de radicais livres. “Ao danificar o DNA das células da pele, o estresse oxidativo causa uma diminuição na atividade celular, redução da produção e qualidade das fibras de colágeno e elastina e menor poder de cicatrização. O resultado é a aceleração do processo de envelhecimento, com surgimento de flacidez, manchas, rugas, linhas de expressão e perda do viço e luminosidade da pele”, destaca Beatriz Lassance, cirurgiã plástica membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Esses alimentos, no geral, têm alto índice glicêmico e também colaboram para o processo conhecido como glicação. “Os alimentos de alto índice glicêmico favorecem a ocorrência de uma reação não enzimática entre a proteína do colágeno e o açúcar presente nos carboidratos e isso leva a formação dos chamados produtos de glicação avançada, AGES, que irão acelerar o processo de envelhecimento celular”, explica a farmacêutica Patrícia França, gerente científica da Biotec Dermocosméticos. E nesse caso, será necessário uso de suplementos anti e desglicantes, como é o caso do Glycoxil. “O Glycoxil irá auxiliar na restauração do equilíbrio metabólico da glicose, insulina e dos minerais minimizando o processo inflamatório associado ao envelhecimento. Também irá contribuir na diminuição da formação dos AGES, ação antiglicante, desglicante, que estão intimamente relacionados a alteração e modificação das funções das proteínas, especialmente o colágeno”, completa a farmacêutica.

Estimulam a produção de oleosidade: o consumo de alimentos ultraprocessados é especialmente prejudicial para quem sofre com oleosidade da pele, já que estimula a produção de sebo, favorecendo, consequentemente, o surgimento de cravos e espinhas. “Por serem ricos em gordura, os alimentos ultraprocessados podem levar a hiperinsulinemia, isto é, altas quantidades de insulina no sangue, o que acarreta no aumento de hormônios androgênicos, que, por sua vez, estimulam a produção de sebo pelas glândulas sebáceas”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Aumenta a indisposição e prejudica a vida sexual: como se não bastasse, os alimentos ultraprocessados ainda podem inibir sua capacidade de ter relações íntimas. “Apesar de não existirem alimentos específicos que afetem sua vida amorosa, uma dieta baseada excessivamente em alimentos ultraprocessados com alto teor de sal, gordura e açúcar pode prejudicar o fluxo sanguíneo saudável e os níveis de energia que são importantes para o sexo. Além disso, alimentos pró-inflamatórios, como estes, estão relacionados a sintomas de fadiga, indisposição e cansaço”, explica a ginecologista Eloisa Pinho, da Clínica GRU.

Mas, para prevenir todas essas alterações e manter-se saudável por muito mais tempo, a recomendação é adotar uma dieta balanceada. “A regra de ouro para uma alimentação adequada e saudável é optar sempre pelos alimentos in natura ou minimamente processados, aqueles obtidos de plantas ou animais que chegam ao consumidor sem terem passado por nenhum tipo de processamento. Nessa categoria se enquadram alimentos como frutas, legumes, verduras, hortaliças, grãos, nozes e ovos. São eles que provêm os nutrientes necessários para o bom funcionamento orgânico, como os ácidos graxos ômega-3, a vitamina C, os polifenóis e os carotenoides. Também devemos dar preferência às preparações caseiras e restringir ao máximo o consumo dos alimentos ultraprocessados”, aconselha Marcella.

E, caso você tenha dificuldade para deixar os alimentos ultraprocessados de lado, tente seguir a dica de Burckhardt: “Embora fazer pequenas mudanças ao longo do tempo seja uma estratégia eficaz para resultados duradouros, eliminar alimentos ultraprocessados por um período de tempo (de uma semana a um mês) pode ajudar a redefinir suas papilas gustativas e colocá-lo no caminho mais rápido”, explica o médico. Mas lembre-se também de comer o que você gosta, pois, caso contrário, dificilmente vai conseguir aderir a mudanças de hábitos.

Freepik

“Não agimos bem quando nos sentimos privados, e se você está comendo comida de que não gosta, está se preparando para o fracasso. Encontre um estilo de alimentação saudável que você adore e que corresponda ao que você goste. Existem muitas opções saborosas e saudáveis demais para se contentar com alimentos que você não gosta”, finaliza o médico nutrólogo.

Entenda por que sua pele se beneficia da prática sexual

Acredite, há até um efeito anti-idade quando a prática sexual é realizada com frequência

Ter uma rotina skincare, proteger a pele com filtro solar e fazer procedimentos estéticos são ações que, definitivamente, vão beneficiar sua pele, mas os hábitos de vida também contam muito nessa jornada. E, dentro desses hábitos, a atividade sexual deve ser levada em consideração.

“Isso porque durante o sexo são liberados hormônios e substâncias, como o estrogênio e a testosterona, que estão diretamente envolvidos na manutenção da saúde da pele”, destaca a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “A melhora da circulação sanguínea proveniente da atividade sexual é capaz de diminuir o nível de cortisol, melhorando a elasticidade, controle de acne e oleosidade, além de aumentarmos a própria barreira de proteção da pele”, acrescenta a cirurgiã vascular Aline Lamaita, médica atuante em Medicina do Estilo de Vida e membro do American College of Lifestyle Medicine.

Segundo Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida, o acúmulo de radicais livres nos tecidos é um dos fatores que levam ao envelhecimento. “A atividade sexual consome energia e consegue, com isso, neutralizar esses radicais, melhorando o que chamamos de estresse oxidativo. A produção de colágeno melhora, a circulação na pele fica melhor. O sexo acelera o metabolismo de todo o organismo, as células são estimuladas a absorverem mais nutrientes, e secretar toxinas de maneira mais eficiente”.

“Durante a atividade sexual, toda a nossa circulação fica mais solicitada. O sistema arterial (sangue que “alimenta” os músculos em movimento, por exemplo) aumenta seu fluxo, e consequentemente, o aporte de nutrientes e oxigênio para todos os tecidos, inclusive a pele. Isso se reverte na pele deixando-a mais hidratada, corada e mais viçosa”, explica Aline. “Também temos aumento de antioxidantes endógenos, que combatem os radicais livres; isso leva ao retardamento do envelhecimento, com efeito antiaging”, completa. Dessa forma, nosso corpo tem uma melhor resposta antioxidante com a prática regular do sexo.

Assim como um exercício físico, durante o sexo, o fluxo sanguíneo aumenta, passando a levar oxigênio e nutrientes de forma mais eficaz para os tecidos, incluindo a pele. “Com isso, o sistema linfático passa a trabalhar em maior velocidade, desintoxicando o organismo e diminuindo a retenção de líquidos. Como resultado, a pele ganha um aspecto mais saudável, tornando-se hidratada, corada e viçosa”, diz Paola.

Com relação à ação anti-idade, a prática sexual promove o estímulo da produção das fibras de colágeno e elastinas, que são responsáveis por conferir sustentação e elasticidade ao tecido cutâneo, segundo a dermatologista. “Logo, há um risco menor da pele tornar-se flácida ou apresentar rugas e linhas de expressão precocemente, além de tornar-se mais firme, elástica e com menos sinais de envelhecimento”, diz Paola.

“Outro benefício antienvelhecimento é usar adequadamente a energia proveniente do carboidrato (açúcar) que consumimos, diminuindo o estresse oxidativo e evitando a glicação do colágeno, um processo no qual o açúcar excedente liga-se às fibras de sustentação da pele, favorecendo o aparecimento de flacidez e rugas”, explica Beatriz.

A prática sexual também fortalece e favorece a regeneração da pele, o que pode tornar a cicatrização mais rápida. “Além disso, estudos apontam que o sexo melhora o sistema imunológico, que também está envolvido no processo de cicatrização da pele”, completa Paola.

A atividade também atua por vias indiretas para melhorar a pele, como é o caso da redução do estresse. A atividade sexual diminui o nível de cortisol (o hormônio do estresse) ao longo do dia. “A diminuição do nível de cortisol melhora também a qualidade do sono. Além disso, altos níveis de cortisol podem contribuir para o aparecimento da acne. Por isso a prática é interessante”, diz a dermatologista Patrícia Mafra, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

“Altos níveis de cortisol podem contribuir para diversos problemas de pele, como envelhecimento e acne. O cortisol potencializa o estado inflamatório persistente do tecido cutâneo, diminuindo a longevidade e a atividade das células que compõem a pele, o que a torna mais propensa a ter rugas”, explica Paola.

“O cortisol está também relacionado ao aumento de oleosidade e à diminuição da produção natural de ácido hialurônico na pele”, conta Aline. É comum suarmos durante o sexo, assim como quando realizamos qualquer tipo de esforço físico intenso. “E o suor auxilia na eliminação de sujidades acumuladas no interior dos poros, desobstruindo-os e, consequentemente, prevenindo a formação de cravos e espinhas”, finaliza Paola.

Pandemia: aposte nesses cuidados para reduzir estresse e ansiedade e reforçar imunidade

Time de especialistas dá dicas para ajudar você a passar por esse momento de grande estresse e ansiedade sem prejudicar sua saúde mental

Apesar das campanhas de vacinação estarem ocorrendo em vários estados do Brasil, ainda não temos certeza de até quando a pandemia causada pelo novo coronavírus durará. Rotinas seguem abaladas e os números de casos e mortes se mantêm altos. Esses fatores, combinados à distância de amigos e familiares e o atual cenário político brasileiro, podem causar grande quantidade de estresse e ansiedade.

“Nesse período de pandemia é normal que estejamos apreensivos e ansiosos com o presente e futuro próximo, o que pode fazer com que realizemos nossos hábitos e funções no piloto automático enquanto nossa cabeça permanece sempre ligada e alerta, o que acaba gerando ainda mais estresse. Por isso, gerenciar o estresse nesse período e adotar cuidados para manter a sanidade mental é fundamental para diminuir a incidência de problemas psicológicos e evitar que o sistema imunológico seja afetado”, explica a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Então, pensando em uma maneira de te ajudar nesse processo, reunimos um time de especialistas para dar dicas sobre como controlar o estresse e a ansiedade e melhorar a saúde mental nesse período tão complicado. Confira:

Entenda o momento – para lidar com essas questões, o primeiro passo é identificar que você está ansioso ou estressado. Então, observe se você está comendo demais, se seu humor está alterado ou se você não consegue dormir direito. “Além disso, é importante reconhecer o momento pelo qual estamos passando. É um período diferente de tudo o que vivemos e que não sabemos ao certo quando irá acabar. Mas, cada dia é um dia. Hoje você pode estar ansioso, mas amanhã não. Então, adapte sua rotina para essa situação. Se estiver ansioso, evite situações estressantes”, diz o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

iStock

Fuja da rotina de vez em quando – não há nada de errado em tomar o mesmo café da manhã todos os dias ou dirigir pelo mesmo caminho para o trabalho. “Os humanos são criaturas de hábitos. Mas é bom para o seu cérebro tentar misturar as coisas. Mesmo que essa mudança ocorra apenas uma vez por semana já é de grande ajuda”, explica Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (Snola). Segundo a médica nutróloga Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), vale a pena aproveitar esse período, por exemplo, para aprender a cozinhar, tentar uma receita nova e preparar de refeições caseiras balanceadas: “Se não sabe por onde começar, tente diminuir o consumo excessivo de carboidratos, proteína animal e produtos industrializados e aumentar a ingestão de vegetais, que devem compor 75% do prato. A comida deve ser boa, gostosa e feita com ingredientes saudáveis”.

Desconecte-se – vivemos conectados e queremos sempre acompanhar tudo o que está acontecendo. Como se não bastasse, devido ao novo coronavírus, estamos expostos a uma grande quantidade de informação, o que pode ser extremamente estressante e ansiogênico. “Por isso, devemos segurar a vontade de ficar demasiadamente em redes sociais. Evite também procurar informações em excesso sobre o novo coronavírus. Poupe-se. Se possível, visite as redes sociais apenas em dias intercalados para ajudar a diminuir a ansiedade desse momento”, recomenda Farinazzo.

Shutterstock

Pause por um momento – caso você ainda esteja trabalhando em casa, a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro do American College of LifeStyle Medicine e do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida, aconselha investir em pequenas pausas ao longo do dia para descansar a mente. “A cada duas horas levante-se, tome água, olhe pela janela, tome um café, converse com alguém ou faça cinco minutos de meditação. Esse é um processo importante para relaxar e desestressar”, destaca. E claro, no final do dia não esqueça de descansar bem, pois poucas coisas na vida são melhores do que uma boa noite de sono. “Tempo e qualidade ao dormir nos deixam com um humor melhor e aguçam nosso cérebro. Também nos dá a energia e a capacidade de administrar nossas vidas ocupadas, desde exercícios físicos a até o trabalho”, afirma Batistella.

Programe-se e ocupe a mente – principalmente para quem está em home office, é muito comum a impressão de que não se está sendo produtivo. Por isso, é fundamental estabelecer um cronograma. “Para quem está trabalhando em casa, é necessário organizar-se. Quanto mais o cérebro trabalhar, melhor. Quanto mais desafios e problemas a serem resolvidos, melhor”, afirma Beatriz.

Foto: Zing Images/Getty Images

Exercite o seu corpo – segundo Batistella, o exercício físico melhora o fluxo sanguíneo, protege a memória e estimula mudanças químicas no cérebro que contribuem para o aprendizado, o humor e o pensamento. “Levantar pesos ou usar uma faixa de resistência, por exemplo não apenas constrói músculos e fortalece os ossos, como pode aumentar também o poder do cérebro, melhorar o humor, aumentar a concentração e as habilidades de tomada de decisão”, destaca.

Medite – outra dica importante para diminuir a ansiedade e o estresse é apostar na meditação e no mindfullness. “Mindfullness significa viver em atenção plena, ou seja, conseguir vivenciar os momentos com todas as suas características emocionais e sensoriais, sem distrações. O mindfullness pode ser usado por qualquer pessoa que queira começar alguma prática de meditação, mas que não sabe como dar os primeiros passos, pois ajuda a gerenciar o estresse e a ansiedade e a melhorar a concentração e a produtividade”, recomenda Aline. Comece praticando 15 minutos por dia de meditação. Procure um canto quieto e atente-se a sua respiração. Existem até aplicativos que te ajudam a fazer isso, como o Headspace e o Calm.

Dê uma trilha sonora à vida – “Ouvir música não apenas ajuda você a se sentir mais alerta, mas também pode melhorar sua memória e seu humor. Um dos motivos é que há matemática na música e como uma nota se relaciona com a outra. Seu cérebro tem que trabalhar para dar sentido a essa estrutura. Isso é especialmente verdadeiro para a música que você está ouvindo pela primeira vez”, diz Batistella.

Royalt Free Image

Pratique o autocuidado – uma boa estratégia para diminuir o estresse e a ansiedade é realizar uma rotina diária de cuidados com a pele. “A rotina skincare é um momento de autocuidado e relaxamento. Por meio do cuidado com a pele somos capazes de nos conhecer melhor, aumentar nossa autoestima e bem-estar e ainda diminuir o estresse e a pressão do dia a dia”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E, para os iniciantes na rotina de beleza, não é preciso ir longe, pois o método de skincare conhecido como skip-care já é um ótimo começo, consistindo na utilização de apenas três produtos que vão manter sua pele bem cuidada: um sabonete de limpeza, um hidratante e um filtro solar (usados nessa ordem).

Estabeleça relações interpessoais – uma rica rede social fornece fontes de apoio, reduz o estresse e a ansiedade, combate a depressão e aumenta a estimulação intelectual, segundo Batistella. Outras habilidades mentais estimuladas pelo contato social são: a memória de curto prazo, o poder de desligar as distrações e a capacidade de manter o foco. Caso não seja possível estar próximo de seus amigos e familiares, utilize a internet a seu favor. Mas, nesse sentido, as pessoas não são a única fonte de relacionamentos. Os animais provaram ser igualmente bons para a saúde do nosso cérebro. “Animais de estimação fazem as pessoas se sentirem bem, mas o mais importante, seu animal favorito pode torná-lo saudável e ajudá-lo a permanecer assim. Eles podem nos acalmar, aumentar nossa imunidade, melhorar nossa saúde cardíaca, nos manter em movimento e melhorar nossa vida social”, completa o médico.

Porém, é importante ressaltar que existem quadros de ansiedade graves e que necessitam de acompanhamento e tratamento médico. Então, caso as dicas acima não sejam suficientes para amenizar sua ansiedade, você deve consultar um profissional especializado, como um terapeuta, psicólogo ou psiquiatra.

Tabaco prejudica a pele e faz fumante parecer mais velho

Existem condições dermatológicas causadas, associadas ou agravadas pelo tabagismo. “No contexto da saúde da pele, parar de fumar é fundamental para desacelerar o envelhecimento, minimizar complicações cirúrgicas e dermatológicas relacionadas ao tabagismo e melhorar as condições de saúde como um tudo, o que impacta diretamente no tecido cutâneo”, explica a dermatologista Paola Pomerantezeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Abaixo, a médica destaca as principais manifestações cutâneas do cigarro:

Dificuldade na cicatrização de feridas: o tabagismo demonstrou repetidamente ter efeitos deletérios na cicatrização de feridas cutâneas. “O cigarro tem sido associado a inúmeras complicações pós-operatórias, incluindo infecções de feridas. Quando são usados retalhos ou enxertos, os fumantes têm maior risco de necrose. Isso ocorre basicamente por três motivos: vasoconstrição, efeito pró-trombóticos e inflamação”, explica a médica. No caso da vasoconstrição, o fluxo sanguíneo periférico diminui em 30-40% em poucos minutos após a inalação da fumaça, comprometendo a oxigenação dos tecidos e a cicatrização de feridas. “A nicotina aumenta a adesividade das plaquetas ao inibir a prostaciclina, levando à oclusão microvascular e isquemia do tecido. O tabaco também inibe a função das células endoteliais e dos fibroblastos, a atividade do óxido nítrico, a produção do fator de crescimento endotelial vascular e a síntese de colágeno, tudo isso com impacto direto na cicatrização”, destaca.

Aparecimento de rugas e aceleração do envelhecimento da pele: a associação entre tabagismo e rugas foi estabelecida há muito tempo. “As características clínicas de um ‘rosto de fumante’ foram descritas em estudos e incluem: rugas faciais proeminentes, proeminência dos contornos ósseos subjacentes, pele seca e vermelha. As mulheres, segundo estudos, parecem ser mais suscetíveis aos efeitos de enrugamento causado pelo fumo do que os homens. O tabagismo é um fator de risco independente para as rugas, entretanto, a exposição ao sol tem um efeito sinérgico que potencializa o envelhecimento da pele”, explica Paola. “Os mecanismos de influência do cigarro nas rugas incluem a degradação da elastina da pele (mesmo quando não exposta ao sol), o aumento de espécies reativas de oxigênio, que estão implicadas no envelhecimento acelerado da pele, e também de metaloproteinases da matriz, que são enzimas que levam à degradação do colágeno, fibras elásticas e proteoglicanos”, explica a médica.

Thinkstock

Distúrbios orais e mucocutâneos: o tabaco tem se mostrado um fator de risco independente para o carcinoma epidermoide oral, o câncer que se desenvolve na boca. Fumar está associado à melanose do fumante, hiperpigmentação gengival devido ao aumento da melanina na camada basal da epiderme, além de gengivite, periodontite e erosões palatinas dolorosas. “O hábito de fumar também contribui para as rugas labiais, na medida em que ajuda a quebrar a fibra de sustentação e o colágeno da pele, ocasionando o aparecimento do código de barras.”

Doenças de unhas e cabelos: fumar tem sido associado a vários distúrbios do cabelo e das unhas, como alopecia androgenética, cabelo grisalho prematuro, unhas de fumante e pelos faciais descoloridos. “O cigarro basicamente prejudica a circulação sanguínea e, consequentemente, a oxigenação e aporte de nutrientes de tecidos periféricos, incluindo a pele, unhas e cabelo. As substâncias tóxicas do cigarro também levam a um quadro altamente inflamatório, sensibilizando a região que pode sofrer com irritação, dermatite seborreica, afinamento, quebra dos fios e queda capilar”, explica.

Guia Médico Brasileiro

Hidradenite supurativa: conhecida como acne inversa, essa condição de pele ocorre com mais frequência em fumantes. “Geralmente confundida com furúnculos ou espinhas grandes, a hidradenite supurativa é uma inflamação crônica da pele que se caracteriza pelo surgimento de inchaços e cistos profundos em regiões como axilas, mamas, virilha, genitais e glúteos, que liberam secreção purulenta e causam desconforto e dor”, explica a Dra. Paola Pomerantzeff. “O mecanismo dessa associação ainda não está claro, mas foi sugerido que a nicotina altera a função das células imunológicas e hiperplasia epidérmica, levando à oclusão e ruptura dos folículos pilosos”, explica.

Psoríase: fumantes apresentam risco aumentado de desenvolver psoríase e apresentam taxas mais baixas de melhora clínica com o tratamento. “Nessa doença autoimune comum, o corpo reconhece uma proteína normal da pele como anormal e tenta se livrar dela fazendo a pele descamar. Isso resulta em placas grandes, espessas e escamosas que racham e sangram, e podem ser dolorosas e apresentar coceira”, diz a dermatologista. As áreas de impacto podem variar, mas algumas das mais sensíveis são o couro cabeludo, rosto, genitais e unhas. “Pacientes que fumam têm maior probabilidade de apresentar maior gravidade da doença. A pustulose palmoplantar, uma variante da psoríase, demonstrou ter uma associação mais forte com o tabagismo”, explica.

Medicine Net

Lúpus: o desenvolvimento de lúpus eritematoso sistêmico, bem como o aumento da gravidade da doença, tem sido associado ao tabagismo. “Além disso, o cigarro prejudica demais o tratamento da doença, interferindo diretamente na efetividade dos medicamentos”, afirma.

Desordens vasculares: Doença de Buerger (tromboangeíte obliterante), uma doença oclusiva segmentar não aterosclerótica que afeta várias extremidades, está fortemente associada ao tabagismo. “Nessa doença, os sintomas são os mesmos da redução do fluxo de sangue nas extremidades: sensação de frio, dormência, formigamento ou ardor. É mais comumente visto em homens com idade entre 20 e 40 anos que fumam muito”, diz Paola.

Dermatite: o tabagismo demonstrou ter uma associação significativa com eczema ativo nas mãos. Os cigarros são um fator de risco conhecido para dermatite de contato alérgica. “Vários alérgenos potenciais de cigarros podem ser encontrados em filtros, papel e tabaco. Vários relatórios documentaram dermatite de contato irritante e alérgica ao adesivo de nicotina em alguns pacientes que tentaram parar de fumar.”

Câncer de pele: apesar da presença de vários carcinógenos na fumaça do tabaco, a relação entre o tabagismo e o câncer de pele permanece controversa. “Parece haver uma correlação entre maços por dia e anos de tabagismo com o desenvolvimento de carcinoma de células escamosas, principalmente em mulheres. Mas, mais estudos precisam ser realizados para avaliar o papel do tabagismo no desenvolvimento do câncer de pele. O que se sabe é que a falta de nutrição das células da pele pode prejudicar sua imunidade, o que a deixa mais suscetível aos danos ambientais do sol”, explica a médica. Não existe evidência conclusiva que associe o tabagismo a um risco aumentado de melanoma. “De qualquer maneira, parar de fumar ajudará e melhorar diversas condições de pele”, finaliza a médica.

Cigarro provoca rugas precoces e fumantes aparentam ter dois anos a mais

Cigarro acelera envelhecimento da pele e nicotina estimula o estresse oxidativo, libera mensageiros pró-inflamatórios, que prejudicam a função de barreira da pele, e compromete a hidratação

O cigarro figura entre os principais vilões de nossa saúde e com relação à pele não é diferente. “Ao fumarmos um cigarro ocorre, por exemplo, a vasoconstrição periférica, o que diminui o fluxo sanguíneo que é responsável por nutrir o tecido cutâneo. Como consequência desta diminuição de oxigenação e nutrição, nossa pele perde a luminosidade e torna-se amarelada e mais flácida com o passar do tempo”, explica Roberta Padovan, médica pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética.

Deposiphotos

“O fumo também causa uma série de manifestações cutâneas de forma que fumantes aparentam ter dois anos a mais do que suas idades reais, segundo pesquisa”, completa a médica. “O consumo de cigarro induz ao envelhecimento, já que as substâncias tóxicas presentes estão associadas à vasoconstrição periférica por um período de dez minutos, o que diminui o fluxo sanguíneo para o tecido cutâneo e cabelos. Isso traz consequências na perda da viço e luminosidade da pele além de favorecer o amarelamento do tecido; também há uma perda de firmeza por conta da oxigenação e nutrição diminuídas”, afirma Letícia Bortolini, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

De acordo com a especialista, o tabagismo é associado ao comprometimento da permeabilidade epidermal, ou seja, da primeira camada da pele. “E isso contribui para um aumento da prevalência de desordens cutâneas, uma vez que a nicotina – que é somente uma das substâncias tóxicas presentes no cigarro – estimula o estresse oxidativo e libera mensageiros que vão causar inflamação na pele e prejudicar a função da barreira. Isso compromete a hidratação e favorece o aparecimento de rugas e flacidez”, conta Roberta. Os efeitos do fumo no envelhecimento foram avaliados no norte da Finlândia, onde os danos cumulativos da exposição solar são baixos.

O cigarro também é responsável por causar a deterioração acelerada das fibras de colágeno e elastina responsáveis por conferir sustentação à pele, visto que a nicotina, princípio ativo do tabaco que compõe o cigarro, percorre pelo sangue até a parte interna do tecido cutâneo, lesando estas fibras elásticas da pele. “Dessa forma, a pele adquire um aspecto acinzentado, sem brilho, com a presença de rugas e vincos na região dos olhos e numerosas linhas de expressão na bochecha e mandíbula. Além disso, há a perda do contorno facial, o que culmina em olheiras profundas, sulcos mais proeminentes, mandíbula sem definição e maçãs do rosto caídas”, alerta Roberta Padovan.

A influência do tabaco sobre a saúde de nossa pele é tamanha que, segundo pesquisa realizada Santa Casa de São Paulo, as rugas em fumantes são 38% mais evidentes do que em não fumantes, sendo então o cigarro tão ou mais prejudicial para a pele do que a exposição solar prolongada sem proteção. “Além dos aspectos estéticos, o cigarro também é um fator de risco para certos tipos de câncer de pele, visto que provoca mutações no DNA das células que compõem o tecido cutâneo”, acrescenta a médica.

Roberta sugere que fumantes, além de buscar reduzir o consumo do cigarro, devem procurar um médico para reforçar os cuidados com a pele, a fim de diminuir os danos causados pelo cigarro. “Existem diversos tratamentos para recuperar o contorno facial, como preenchimentos injetáveis, além de lasers e radiofrequência microagulhada para melhorar a qualidade da pele”, diz.

Um dos tratamentos mais indicados para rejuvenescer a pele de fumante é o Pico Ultra 300, no modo de tratamento ultrafracionado. Segundo Letícia, diferente dos outros lasers de picossegundos, é possível com o comprimento de onda 532nm eliminar os sinais de fotodano e envelhecimento: “Além das hiperpigmentação, o envelhecimento ocorre pela desnaturação e redução de fibras elásticas e colágenas, então Pico Ultra 300 promove uma reorganização dessas fibras, além de aumento da produção dessas proteínas de sustentação da pele”.

A grande vantagem, segundo a médica, é o rejuvenescimento sem downtime ou com mínimo incômodo por pouco tempo. “Hoje as pessoas não querem e não tem tempo para ficar vermelhas ou descamando em casa. Além disso, o tratamento não dói, mas ainda é possível aplicar anestésico tópico antes para pessoas mais sensíveis”, conta. No geral, são feitas três sessões, sendo uma a cada 30 dias, mas podem ser feitas mais vezes, dependendo da indicação.

Outra opção para renovar o colágeno da pele, consumido pelos anos de vício, é o ultrassom microfocado, capaz de combater a flacidez e devolver firmeza à pele. “As ondas de ultrassom fazem micropontos de coagulação sob a pele para tonificar o tecido cutâneo, estimular a produção de colágeno e conferir efeito lifting, o que dá fim à flacidez presente na área tratada”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery).

“As sessões são rápidas, com o tempo de duração variando de acordo com o local de aplicação e a quantidade de áreas tratadas. No geral, cada sessão facial dura entre 15 e 40 minutos”, afirma a cirurgiã plástica. Já é possível ver melhora significativa após a primeira sessão e os resultados continuam a aparecer durante os três meses seguintes.

Cinco pontos para melhorar e dar uma nova vida à pele

Modificar seus hábitos e até introduzir uma nova rotina de cuidados podem fazer muito pela sua pele

O seu estilo de vida dita muita coisa na sua vida. Ele é o responsável por melhorar ou piorar sua saúde, inflamar ou curar o seu corpo, e até embelezar ou prejudicar sua aparência. Se você sente que a sua beleza está precisando de uma ajudinha, talvez seja melhor rever alguns hábitos – que podem ter relação com a rotina skincare ou até mesmo com alimentação e controle do estresse. Consultamos especialistas para indicar os 5 pontos prioritários para melhorar a qualidade da pele:

Proteja a pele: o protetor solar deve ser parte de sua rotina matinal como escovar os dentes – até mesmo no inverno e em dias encobertos, uma vez que as nuvens não conseguem bloquear os raios. “A exposição solar exacerbada de maneira aguda acaba provocando queimaduras e insolação, de forma que também imunodeprime a pele, favorecendo infecções como herpes simples. Já a exposição crônica ao sol acelera o envelhecimento cutâneo, representado pela flacidez e perda de viço da pele e provoca manchas brancas e marrons nas áreas expostas. Antes de nos preocuparmos com uma rotina que contenha ácidos e antioxidantes, devemos ter o hábito do uso regular do filtro solar: ele é o creme antienvelhecimento mais importante”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Evite excessos: lavar a pele demais. Está aí um problema que vem preocupando dermatologistas, já que o hábito, praticado geralmente por quem tem pele oleosa, retira o manto de proteção da pele, deixando-a mais susceptível às ameaças externas, que podem desencadear acne, aumento de oleosidade por efeito rebote (de compensação) e até dermatites. Lavar o rosto em excesso pode ser tão problemático quanto não lavar o rosto o suficiente. “A nossa pele possui um manto lipídico, que é como se fosse uma ‘película lubrificante’ formada por água e óleo na sua superfície. Esse manto lipídico tem função de proteção e de preservar a hidratação e a saúde da pele. Limpar demais essa pele, sem repor a umidade, pode causar um ressecamento em um primeiro momento e depois a produção rebote de mais oleosidade. Além disso, nossa pele conta com um microbioma, uma ‘população’ de bactérias boas que nos protegem contra doenças e outros problemas, como ressecamento e sensibilidade da pele. A presença desses microrganismos mantém o pH da pele em equilíbrio. Mas usar sabonetes e cosméticos que reduzem demais essas bactérias pode deixar a pele desprotegida e suscetível a doenças de pele como a dermatite atópica e acne”, afirma Cassiano.

Foto: Pixabay

Coma com equilíbrio: a alimentação influencia muito na saúde da pele como um todo. “Uma dieta desequilibrada, com consumo excessivo de gorduras não saudáveis presentes em alimentos ultraprocessados, gorduras vegetais modificadas, gorduras saturadas de origem animal, frituras de imersão, alimentos pró-inflamatórios como açúcares em geral, doces em excesso, farinhas brancas e refinadas e ainda ingredientes alergênicos como os corantes, aromatizantes e conservantes artificiais, desequilibram o organismo aumentando o perfil inflamatório, também da pele, o que geralmente resulta em maior estímulo das glândulas sebáceas”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. “O desequilíbrio metabólico do organismo, por causa da alimentação inadequada além de aumento no perfil inflamatório, resulta também em aumento do estresse oxidativo”, completa. “O excesso de doces e açúcares na dieta, além da inflamação subclínica que atinge a pele, também é responsável por um processo chamado glicação, que é a formação de produtos de glicação avançada, que nada mais é que a glicose excessiva que se liga às proteínas que dão estrutura à derme, alterando suas funções e seu aspecto”, diz a médica. “Com isso, essas proteínas perdem a questão da maleabilidade, da flexibilidade, da sustentação e ancoragem da pele. O açúcar também está ligado, segundo estudos, ao aparecimento de manchas”, afirma o dermatologista Abdo Salomão Jr., membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Esse envelhecimento induzido pela alimentação pode ser revertido com ajuda de procedimentos estéticos, como Pico Ultra 300, um laser de picossegundos que trata a pele de maneira global para clarear e rejuvenescer, combatendo flacidez, textura e rugas.

Pixabay

Controle o estresse: estresse também afeta nossa pele de maneira importante, segundo o dermatologista. “Uma pele que vive sobre descargas constantes de adrenalina e outros hormônios como cortisol e prolactina, pelo desequilíbrio em cascata, tem seu estado inflamatório persistente potencializado, já que esses hormônios fazem com que nossas células tenham um tempo de vida e atividade diminuídas, acarretando perda da longevidade. A acne também é uma manifestação comum ocasionada pelo estresse e seus fatores associados, que além disso provocam a aceleração do envelhecimento biológico”, diz o médico.

Livre-se dos vícios: consumo de cigarro induz ao envelhecimento, já que as substâncias tóxicas presentes estão associadas à vasoconstrição periférica por um período de dez minutos, o que diminui o fluxo sanguíneo para o tecido cutâneo e cabelos. “O consumo de álcool prejudica o organismo através de surtos imediatos e efeitos a longo prazo do envelhecimento, e deve ser evitado”, diz a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida. “Quem ingere álcool em excesso, sente muita sede, principalmente no dia seguinte. Isso acontece porque o organismo precisa de água para metabolizar o álcool. No entanto, se não houver água suficiente, o organismo busca nos tecidos periféricos a água para realizar o seu trabalho. E esse é o grande problema, pois a perda d’água afeta muitos órgãos, inclusive a pele, diminuindo o viço e colaborando para o ressecamento e a descamação”, explica. O álcool aumenta o inchaço e sangramento, além de ressecar a pele e piorar a qualidade do sono – o que também interfere na capacidade de reparo da pele.

Mudar os hábitos é uma boa estratégia, mas para conseguir tratar e reverter os efeitos do envelhecimento, quando eles são mais intensos, é necessário consultar o médico. Apenas ele poderá realizar uma avaliação de sua pele e indicar a melhor rotina de cuidados para te ajudar as alterações por meio dos cuidados skincare e tratamentos em consultório. “Além disso, podem ser indicadas algumas substâncias via orais, como FC Oral, que tem ação anti-inflamatória importante, e outros nutrientes como Vitamina C, Resveratrol e InCell para melhorar o aspecto da pele”, finaliza a nutricionista Luisa Wolpe Simas, consultora de nutrição integrada da Biotec Dermocosméticos.

Dez truques que vão rejuvenescer sua aparência em alguns anos

Conheça dicas, cuidados e tratamentos que realmente são capazes de tornar a pele mais jovem, incluindo desde cuidados com a pele e mudanças no estilo de vida até procedimentos estéticos naturais

Conquistar uma pele jovem, bonita e saudável é o sonho de grande parte das pessoas, que, em sua maioria, buscam na internet truques para rejuvenescer a aparência. O problema é que a internet está repleta de informações incorretas e soluções milagrosas que, além de não funcionarem, podem colocar a saúde do tecido cutâneo em risco. Mas a boa notícia é que existem sim algumas maneiras simples, seguras e eficazes para tornar a pele alguns anos mais jovem. Então, para te ajudar nesse processo, conversamos com um time de especialistas de diversas áreas que deram dicas sobre os truques de beleza que realmente funcionam para o rejuvenescimento da pele. Confira:

Realize uma massagem facial: podendo ser realizada na face, colo e pescoço, a automassagem é uma ótima maneira de amenizar a aparência envelhecida da pele, recuperando a vitalidade, melhorando o tônus muscular e conferindo hidratação à pele. “Isso porque a massagem facial proporciona uma melhora da circulação sanguínea, o que contribui para uma oxigenação eficiente e faz com que as células da pele sejam nutridas adequadamente”, explica a angiologista Aline Lamaita, membro do American College of Lifestyle Medicine. “Com efeito no rejuvenescimento facial, conservando naturalmente a beleza cutânea, a automassagem pode ser realizada com o auxílio um sérum ou creme do tratamento, que devem ser aplicados com deslizamento longo por toda a região do rosto, pescoço e colo, até total absorção do produto”, aconselha Isabel Piatti, especialista em Estética e Cosmetologia e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita.

Foto: LiveAbout

Esfolie a pele: uma das melhores maneiras de revitalizar e rejuvenescer a pele rapidamente, retirando aquele aspecto acinzentado da face, é através da esfoliação. “A esfoliação é capaz de promover, de maneira controlada, uma renovação da pele, acelerando esse processo natural do organismo, sendo assim um excelente recurso para remover as células mortas e impurezas, além de melhorar a permeação de ativos dos hidratantes que serão aplicados em seguida, o que potencializa sua ação e o processo de revitalização da pele”, aconselha Isabel.

Aposte nos cosméticos de efeito rápido: existe uma série de produtos que são realmente eficazes para rejuvenescer a pele imediatamente, como os cosméticos preenchedores. “Os cosméticos preenchedores agem na redução da aparência da idade estrutural da pele, estimulando a manutenção dos compartimentos de gordura, responsáveis pela sustentação da pele da face, e promovendo efeito tensor e lifting imediato para tratamento das rugas dinâmicas e estáticas”, destaca Claudia Marçal, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Entre os ativos de destaque disponíveis do mercado com ação preenchedora estão a Vitamina C e o Ácido Hialurônico, que estão presentes em produtos como o Pure C 20 Hyal, da Ada Tina, um mousse com textura extrasseca que clareia, hidrata, preenche e rejuvenesce, mantendo o tecido jovem, uniforme, aveludado e sem oleosidade.

Desfoque as olheiras: olheiras são pigmentações anormais que podem conferir ao rosto um aspecto envelhecido e cansado. Mas é possível tratá-las através do uso de produtos específicos para a área dos olhos formulados com ativos de alta propriedade hidratante, como o Hyaxel, um ácido hialurônico de baixo peso molecular que promove hidratação cutânea e aumenta a produção de colágeno. “Quanto aos ativos para diminuir a coloração das olheiras, vale a pena apostar no Meiyanol, que possui ação anti-inflamatória, em associação com o MDI Complex, que protege as fibras de colágeno da degradação, evitando aparição de olheiras”, explica Maria Eugenia Ayres, farmacêutica e gestora técnica da Biotec Dermocosméticos.

Valorize o olhar: sobrancelhas são a moldura dos olhos. Logo, se não estiverem bem cuidadas, podem ressaltar a aparência de olheiras e rugas na região. Então, caso sua sobrancelha esteja muito fina e rala, você pode apostar na micropigmentação ou simplesmente aplicar um pouco de sombra marrom no dia a dia. Além disso, manter os cílios bonitos também é importante para levantar o olhar e deixá-lo mais expressivo. Para isso, utilize um rímel capaz de tornar os cílios definidos, o que dará um toque mais jovial ao rosto. “Mas não se esqueça de retirar o produto no final do dia com um demaquilante adequado para evitar o acúmulo de rímel, que pode causar inflamação e alergias”, afirma Claudia. Outro componente dos olhos que deve receber atenção são as pálpebras, que pode sofrer com flacidez e conferir um aspecto caído aos olhos. “Felizmente, é possível resolver as pálpebras caídas por meio da blefaroplastia, procedimento que vem sendo muito realizado por mulheres e homens de idade avançada que apresentam flacidez e excesso de pele na região, já que esta alteração pode até mesmo provocar problemas como dificuldade de visão”, destaca Paolo Rubez, cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS).

Não esqueça do fotoprotetor: de nada adianta investir em truques para rejuvenescer a pele e esquecer da fotoproteção diária, afinal, o sol é um dos maiores causadores de rugas. “O fotoprotetor é o creme antienvelhecimento mais importante, pois preserva as estruturas da pele por meio da proteção contra os danos cumulativos da radiação ultravioleta. O ideal é que o produto contenha, no mínimo, FPS 30, proteção de amplo espectro (UVA/UVB/Infrared) e resistência à água, devendo ser reaplicado a cada duas horas”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por exemplo, o protetor solar Bonelli Solare, da Be Belle, possui FPS 30 e PPD 13,4 para oferecer alta proteção contra a radiação UVA e UVB e combater todos os tipos de danos causados pela exposição solar, além de conferir ação hidratante, antioxidante e rejuvenescedora, prevenindo rugas, manchas, flacidez, câncer de pele e queimaduras solares ao mesmo tempo em que promove potente hidratação sem deixar a pele oleosa.

Pexels

Os lábios também são importantes: também não adianta cuidar da pele do rosto e esquecer de outras áreas que podem conferir um aspecto envelhecido à face. Um exemplo são os lábios, que também podem sofrer com ressecamento e rugas, adicionando assim alguns anos à aparência. Mas é possível combater essas alterações através de alguns cuidados, sendo o principal deles a hidratação labial. “A hidratação labial deve ser feita com bálsamos, manteigas, óleos, gloss hidratantes e máscaras labiais. Mas preste atenção à composição desses produtos, pois a maior parte dos hidratantes labiais disponíveis no mercado são formulados com fragrâncias que podem prejudicar a barreira de proteção da pele, agravando ainda mais o ressecamento e irritação da região”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Um produto seguro para hidratação dos lábios é o Balm Labial Reviver, da Buona Vita, que atua na hidratação e regeneração dos lábios, conferindo ação cicatrizante, anti-inflamatória e antimicrobiana para manter os lábios suaves, bonitos, sedosos e livres do ressecamento. Quem deseja rejuvenescer ainda mais os lábios pode optar por procedimentos como o Botox Lip Flip, técnica que consiste na injeção de pequenas doses de toxina botulínica para conferir um resultado mais natural e sem exageros. “A substância é aplicada estrategicamente nos cantos da boca e perto do arco do Cupido em doses realmente muito pequenas, que, ainda assim, conseguem fazer com que os lábios pareçam maiores e mais cheios, mas de forma suave e natural, com os resultados durando, em média, seis meses”, destaca o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Cuide também do pescoço: assim como os lábios, o pescoço também deve receber cuidados específicos para não contribuir com o aspecto envelhecido do rosto. “E manter a saúde e a beleza da pele do pescoço, que é mais fina e, consequentemente, mais suscetível aos danos causados pelos agressores externos, é simples, bastando estender os cuidados com a face para essa região. Ou seja, o mesmo sabonete, hidratante e protetor solar utilizados na face devem ser aplicados no pescoço, o que ajudará a prevenir e combater o surgimento dos sinais do envelhecimento e manter uma pele exuberante e harmônica”, destaca Paola.

Pratique exercícios físicos: a prática de exercícios físicos é uma excelente maneira de revitalizar a pele e torná-la mais jovem ao mesmo tempo em que contribui para a saúde de todo o organismo. “Durante a atividade física, toda a nossa circulação é estimulada. Por exemplo, o sistema arterial, que alimenta os músculos em movimento, tem o fluxo de sangue aumentado, o que, consequentemente, também aumenta o aporte de nutrientes e oxigênio para todos os tecidos, inclusive a pele. Além disso, os sistemas venoso e linfático também aumentam a velocidade de drenagem, retirando toxinas e diminuindo a retenção de líquidos. Como resultado, a pele torna-se mais hidratada, corada, brilhante e viçosa”, explica Aline.

Invista nos procedimentos naturais: engana-se quem acredita que os procedimentos estéticos não são capazes de contribuir para um rejuvenescimento natural. “O segredo do resultado natural que todas buscam está na indicação correta de determinada técnica, seja a cirurgia plástica, o preenchimento ou a toxina botulínica. Um cirurgião plástico precisa realizar um estudo pleno da estética facial da paciente antes de recomendar um procedimento, avaliando desde a linha do cabelo até o movimento que será feito no momento de tracionar a pele. Ou seja, não existe mágica, mas indicações corretas e cuidados a serem tomados pelo médico e paciente para obter o melhor resultado”, destaca a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery). Existem inclusive procedimentos indicados especialmente para quem deseja combater os sinais do envelhecimento de forma mais natural, como é o caso do Nano Fat, que visa melhorar o aspecto geral da pele por meio da injeção de pequenas partículas de gordura no tecido cutâneo. “No procedimento, utiliza-se da lipoaspiração para retirar uma pequena quantidade de gordura do próprio paciente, que é então transformada em partículas menores para ser novamente injetada na pele. Apesar de não conferir volume ou preenchimento, visto que as partículas de gordura são muito pequenas, a melhora no aspecto da pele proporcionada pelo procedimento ocorre devido à presença de células-tronco na gordura, que promovem uma potente regeneração dos tecidos da região tratada”, diz Rubez. Outra opção é o Microbotox. “O Microbotox consiste na aplicação de microdoses de toxina botulínica sob a superfície da pele para suavizar rugas e melhorar a textura do tecido cutâneo sem conferir ao rosto aquele aspecto exagerado ou artificial”, finaliza Beatriz.

Sete piores tipos de alimentos para a pele e por que você deve evitá-los

Acne, aceleração do envelhecimento, inflamações constantes e alergias. Descubra por que esses alimentos devem entrar na sua lista de bloqueio

Alguns alimentos podem impactar negativamente o equilíbrio do organismo em geral e, com isso, ajudar a provocar inflamações, acne, alergias, além de acelerar o envelhecimento cutâneo. “Eles geralmente são ricos em açúcares, sal e gorduras modificadas, as frituras de imersão, além dos alimentos ultraprocessados, que são os industrializados nos quais não conseguimos identificar os ingredientes à primeira vista. Eles são os maiores responsáveis pelo aumento do perfil inflamatório do organismo como um todo, além de promoverem estresse oxidativo, que resulta em maior liberação de radicais livres, em situações metabólicas que aceleram sobremaneira o envelhecimento cutâneo”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Quer saber quais alimentos você deve evitar de todo modo?

Freepik

Carboidratos, massas e pão francês: “Os pães brancos são feitos com farinhas refinadas e têm alto índice glicêmico, portanto são absorvidos rapidamente e, ao aumentar rapidamente os níveis circulantes de glicose e insulina, desencadeiam uma série de reações metabólicas com potencial aumento de perfil inflamatório e consequentemente o envelhecimento precoce ou acelerado, mesmo os livres de glúten”, explica Marcella. O envelhecimento da pele relacionado à alimentação é causado por um processo denominado glicação.

“A glicação é o nome dado para a ligação covalente entre duas fibras de proteína – o colágeno, por exemplo, é a proteína mais abundante na derme. Em uma pele normal, as fibras de colágeno estão ligadas de maneira padronizada, no entanto, dependendo da dieta, essas ligações podem aumentar. Quanto maior o cross-linking, maior a dificuldade de reparo dessas fibras, o que acelera a degeneração do colágeno. As fibras de elastina (outra proteína presente na derme) também aumentam o cross-linking devido à glicação, resultando numa pele menos flexível. A glicose é o principal ligante. Dessa maneira, uma dieta rica em açúcar e carboidrato é causa de envelhecimento, pois aumenta a glicação do colágeno e elastina da pele, impossibilitando o seu reparo”, afirma o dermatologista Daniel Cassiano, da Clínica GRU e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Foto: Hans Benn/Pixabay

Frituras de imersão: batata frita, coxinhas, pastéis e todas as frituras de imersão impactam negativamente a saúde da pele. “Alimentos gordurosos no geral favorecem muito o surgimento da acne, pois estimulam a pele a produzir mais gordura através das glândulas sebáceas. Além disso, uma dieta mais gordurosa também faz com que sejam liberadas substâncias inflamatórias que podem estar relacionadas ao desencadeamento da acne”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, Pesquisador, Consultor em Cosmetologia e diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy.

“Existe um gene chamado TNF-alfa e ele está associado com o processo inflamatório; se o indivíduo tem um alelo (forma alternativa de um determinado gene) que leva a um processo inflamatório mais intenso, ele deve tomar cuidado com a alimentação, pois existem alimentos que são pró-inflamatórios e o consumo exagerado pode piorar a inflamação da acne e também o envelhecimento da pele”, afirma o geneticista Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral Multigene.

Free-Photos/Pixabay

Segundo a dermatologista Claudia Marçal, esse tipo de gordura ruim pode piorar casos de psoríase, alergias e dermatites. “O fato de ingerir proteínas glicadas também induz a glicação do colágeno e da elastina. As proteínas glicadas da nossa dieta são provenientes dos alimentos aquecidos em alta temperatura na ausência de água. A crosta marrom de um pão francês ou a pele tostada do peru de natal, por exemplo, contêm proteínas glicadas. Dessa forma, fritar (superficialmente ou por imersão) ou assar produzem mais proteínas glicadas que outros processos de cocção envolvendo água como o cozimento ou vapor. A restrição da ingesta de proteínas glicadas também diminui o estresse oxidativo e a inflamação da pele”, explica Cassiano.

Doces e guloseimas ricas em açúcares: comer açúcar não é uma boa coisa para sua saúde e aparência. “O excesso de açúcar em doces e bolos contribui para a formação de AGEs (agentes avançados de glicação) prejudiciais ao colágeno, mas também está envolvido em processos inflamatórios, como a acne”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

“O açúcar refinado talvez seja o ingrediente isolado que mais acelera o envelhecimento cutâneo, por fatores intrínsecos, e a radiação UV é o principal fator extrínseco”, completa a médica nutróloga Marcella. Ao mesmo tempo, é difícil abandonar o vício em açúcar. O que fazer? Comece com um passo de cada vez. “Além de adequar o paladar, buscando consumir menos açúcar, é possível em muitas receitas substituir esse ingrediente por frutas mais doces e mel, que são fontes de vitaminas, ou versões mais ‘magras’, como o açúcar demerara ou o adoçante xylitol – também evitando o excesso”, completa Beatriz.

Foto: Yahoo

Carnes ultraprocessadas: salsicha, bacon e linguiça são exemplos de carnes processadas que podem ser prejudiciais à pele. “Essas carnes são ricas em sódio e gorduras saturadas, que podem desidratar a pele e enfraquecer o colágeno, causando inflamação”, lembra Beatriz. “Além disso, as carnes processadas trazem conservantes, corantes, grande quantidade de sal e seu consumo frequente tem consequências metabólicas indesejáveis na saúde da pele”, diz Marcella. Ou seja, elas roubam o brilho natural da sua pele, que perde viço. Esse tipo de proteína pode ser substituído por ovos e frango ou proteínas vegetais como feijão, grão-de-bico e ervilha.

Laticínios, manteiga e margarina: “As gorduras saturadas de origem animal, como a manteiga, são o segundo tipo de gordura a ser ingerida com muita moderação, por seus impactos negativos na pele. Pior que essa categoria somente as gorduras modificadas e as trans, presentes nas margarinas”, afirma Marcella. O perigo é que esses tipos de gorduras são potencialmente inflamatórios, aumentando os riscos de alergias, envelhecimento e acne.

Salgadinhos, bolachas e biscoitos: unindo gorduras trans, sódio em excesso, carboidratos simples em alta quantidade, além de corantes, aditivos e ingredientes desconhecidos, esse tipo de alimento é um dos principais causadores do envelhecimento da pele, por seu perfil pró-inflamatório, além de contarem com ‘calorias vazias’.

Refrigerantes e bebidas alcoólicas: segundo a médica nutróloga, os refrigerantes são bebidas ultraprocessadas que deveriam ser evitadas por todos, tanto as versões regulares, que são as piores quanto as dietéticas são desaconselháveis para quem quer envelhecer com saúde. “O problema é a alta quantidade de açúcar, aditivos, corantes que podem causar irritação, vermelhidão, enfraquecimento da barreira cutânea por meio da inflamação causada pelos seus componentes”, afirma Claudia.

“A bebida é, na verdade, um dos piores e mais agressivos compostos para destruir a pele. O álcool em excesso pode causar não só a desidratação, mas também a inflamação sistêmica, que colabora para a vermelhidão e envelhecimento da pele”, acrescenta a dermatologista. Ao beber dois ou mais drinks por dia, há uma enorme quantidade de dano que ocorre na pele: “O álcool afeta qualquer membrana ou mucosa, do pâncreas e fígado à pele. O primeiro efeito é a desidratação, uma vez que, na verdade, retira todo o fluido da pele. Se você olhar para uma mulher que está bebendo há 20 ou 30 anos e uma mulher da mesma idade que não tem esse hábito, veremos uma enorme diferença na pele”, afirma Claudia. Esse tipo de desidratação causa mais rugas, o que pode fazer você parecer até dez anos mais velho.

Por fim, Claudia Marçal afirma que alimentos como milho, soja e carne vermelha também podem aumentar o risco do aparecimento de acne e merecem atenção. “Isso porque são alimentos ricos em ácidos graxos do ômega-6, substância com efeitos que favorecem a inflamação”, afirma a dermatologista.

Já Marcella lembra que os laticínios são um capítulo à parte, pois apresentam inúmeras variações em suas composições, e a depender das sensibilidades, seu consumo deva ser individualizado, para não causar danos à pele e seus anexos. Mas existem alimentos que podem retardar o efeito do tempo.

“Um hábito alimentar equilibrado, variado e natural com boas fontes de proteínas magras, carboidratos complexos, fibras, gorduras boas como os ácidos graxos omega-3, presentes nos peixes de água fria, sementes e nozes, vegetais ricos em carotenoides que são todos aqueles de coloração verde, passando pelos amarelos, alaranjados e vermelhos, além dos ricos em polifenóis presentes nas frutas vermelhas e roxas, além do chocolate amargo”, diz a nutróloga. “Não podemos esquecer da água, que é insubstituível para a boa hidratação do organismo em geral e da pele, pois os cremes hidratantes apenas seguram na pele a água que foi ingerida”, finaliza.

Temporada de calor: nove fatos que você precisa saber para manter a pele saudável no verão

Especialistas dão dicas para você aproveitar a estação mais quente do ano sem se preocupar com o surgimento de problemas como queimaduras, manchas, rugas e até mesmo câncer de pele

O verão é a estação preferida de muitas pessoas, afinal, é marcada por sol, praia, piscina, calor e diversão. No entanto, esta época requer cuidados especiais com o organismo, principalmente com a pele, que é extremamente agredida durante este período.

“Isso porque no verão estamos mais expostos à radiação ultravioleta do sol, que é a principal agressora da pele, causando a alteração do material genético, degradando as fibras de colágeno e elastina, gerando radicais livres que destroem o tecido celular e estimulando a produção de melanina, pigmento que dá cor à pele, causando manchas”, alerta Lucas Fustinoni, médico divulgador científico nas áreas de Tricologia e Estética, Fellowship de Estética em Miami e membro da World Trichology Society.

“Como se não bastasse, a água do mar e da piscina a qual nos expomos mais no verão prejudicam a barreira cutânea, responsável por proteger a pele contra os agressores externos. Dessa forma, a pele fica mais suscetível aos danos da radiação UV”, diz Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Tais fatores favorecem o surgimento de uma série de alterações no tecido cutâneo, como manchas senis, melasma, dermatites, alergias, queimaduras e até mesmo o câncer de pele, que representa 30% de todos os tumores malignos registrados no Brasil. E não para por aí, pois, além das condições de pele, a exposição à radiação solar durante o verão também pode acelerar o surgimento dos sinais da idade.

“As mudanças no DNA causadas pela radiação solar provocam reações de mutação celular, com consequente envelhecimento precoce, já que a exposição solar está ligada à inflamação, ao dano oxidativo e à produção de enzimas que degradam colágeno, resultando em uma pele mais flácida, com rugas e manchas”, afirma Claudia Marçal, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. E algumas pessoas tendem a sofrer ainda mais com os danos do sol.

“O sol é responsável por cerca de 80 a 90% do envelhecimento da pele. Entretanto, alguns indivíduos apresentam ainda maior suscetibilidade ao fotoenvelhecimento, como aqueles que apresentam uma variante do gene MMP1, que promove uma degradação do colágeno oito vezes maior que o normal após a exposição solar”, destaca o geneticista Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral da Multigene, empresa especializada em análise genética e exames de genotipagem.

Todos esses fatos sobre o verão podem parecer realmente desesperadores. Mas fique tranquilo, pois é perfeitamente possível aproveitar a estação mais quente do ano sem prejudicar a saúde e a beleza da pele. Basta tomar alguns cuidados básicos. E, para te ajudar nisso, reunimos um time de especialistas para dar dicas sobre como tratar a pele no verão. Confira:

Aposte na fotoproteção: é o cuidado número um quando o assunto é rotina skincare no verão. “O uso diário de protetor solar é a única maneira de garantir que a pele esteja realmente protegida dos efeitos nocivos dos raios solares, que estão cada vez mais fortes. Mas é importante que o produto possua, no mínimo, FPS 30 e amplo espectro de proteção solar, para combater a radiação UVA e UVB, além de dever ser reaplicado a cada duas horas”, diz Isabel Piatti, Consultora Executiva em Estética e Inovação Cosmética e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita. Invista também em um produto com proteção contra a luz azul do sol e dos dispositivos eletrônicos.

“A luz azul também penetra em nossa pele e aumenta a produção de radicais livres, o que favorece o surgimento e o escurecimento das manchas e a acelera o envelhecimento”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy. Uma opção interessante para se proteger contra os malefícios da luz azul é o Biosole BB Cream FPS 60, da Ada Tina Italy, um protetor solar com cor e ação antioxidante que uniformiza o tom da pele com alta cobertura homogênea, reduz o surgimento de manchas e confere alta proteção contra UVA, UVB, Luz Azul e Luz Visível.

E a fotoproteção não consiste apenas no uso de protetor solar. Por exemplo, é recomendado também que se evite a exposição ao sol durante os horários com maior índice de radiação ultravioleta, isto é, entre 10 e 16 horas. “Aposte também na utilização de roupas com proteção UV, chapéus de aba larga e trama fechada, óculos de sol e sombras artificiais, como aquela oferecida pelo guarda-sol, para potencializar a proteção solar”, recomenda Cassiano.

Hidratação é indispensável: assim como a fotoproteção, a hidratação não deve ser deixada de lado no verão, pois a exposição direta e prolongada à radiação UVA e UVB também pode favorecer a desidratação do tecido e piorar o ressecamento. Mas, como no verão sofremos mais com a oleosidade, o ideal é optar por hidratantes que não deixem a pele oleosa, como os séruns. “Com rápida absorção e fórmula concentrada, sendo capaz de levar ativos de maneira mais eficaz para a pele, o sérum é especialmente interessante para ser usado no verão, pois, devido a sua textura leve e fluida, o produto não deixa a pele com aspecto brilhante ou pegajoso”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E o melhor é que os séruns podem conter uma diversidade de ativos.

Para o verão, o ideal é optar por produtos formulados com antioxidantes, como Alistin, Vitamina E e, principalmente, Vitamina C. “A Vitamina C é um poderoso antioxidante que confere ação reparadora, já que protege a pele contra os estragos da oxidação causada pelos radicais livres, ameniza rugas e linhas de expressão, visto que é um dos fatores essenciais na síntese de colágeno, e ainda é capaz de uniformizar o tom de pele, clareando e prevenindo manchas”, recomenda Fustinoni. Uma opção interessante para quem deseja apostar em séruns de Vitamina C é o sérum Antiox, da Buona Vita, que conta com 20% de Vitamina C para conferir função antioxidante, clareadora, antienvelhecimento e antiglicante (combate malefícios do açúcar na pele).

Não se esqueça da higienização: como a produção de oleosidade é maior no verão, a limpeza diária da pele é fundamental para prevenir a obstrução dos poros e o aparecimento de acne, devendo ser realizada duas vezes ao dia, pela manhã e à noite, com produtos específicos para o seu tipo de pele. “No verão, é especialmente interessante apostar em sabonetes adstringentes formulados com substâncias reparadoras capazes de combater os danos causados pelo sol ao longo do dia”, afirma Fustinoni. De uma a duas vezes por semana, dependendo do tipo de pele, é interessante também apostar na esfoliação para complementar a higienização.

“A esfoliação realiza uma leve abrasão na camada superficial do tecido cutâneo, que remove as impurezas e a oleosidade acumuladas, além de impulsionar a renovação celular e potencializar a capacidade de absorção dos cosméticos pela pele, deixando-a preparada para o uso de cremes”, indica Paola. Um produto interessante para essa etapa é o Esfoliante Facial Tribeca, da B.URB, capaz de remover impurezas e células mortas da pele, desobstruindo os poros e ajudando na renovação celular. Com sementes de Apricot (damasco) em sua composição, o produto é ideal para higienizar e hidratar o tecido cutâneo.

Atenção à maquiagem: o recomendando é evitar a maquiagem no verão. “Isso porque a maquiagem pode obstruir os poros, prejudicando a transpiração e a secreção de oleosidade pelas glândulas sebáceas, o que favorece o surgimento de cravos e espinhas”, aconselha Fustinoni. Mas, caso prefira utilizá-la, lembre-se de sempre removê-la no final do dia e de forma alguma substitua o filtro solar por uma maquiagem com FPS. “Geralmente, o FPS das maquiagens é muito baixo, sendo insuficiente para proteger a pele. Então, para quem usa maquiagem, o ideal é optar por um protetor solar com cor de alta cobertura, que, além de ser eficaz na proteção, também atua como base”, alerta Cassiano.

Bronzeie-se com segurança: o verão é a estação que muitas pessoas esperam para se bronzear e garantir uma cor. Mas, para evitar os danos do sol, é importante tomar alguns cuidados, como se expor ao sol de forma gradativa e apenas nos períodos seguros, além de utilizar o protetor solar. “É possível ainda consumir alimentos e suplementos ricos em betacaroteno, como cenoura, mamão, abóbora e acerola, que, além de acelerarem e prolongarem o bronzeado, ainda protegem o DNA celular dos danos causados pela radiação UVA e UVB”, aconselha Fustinoni.

Fique atento às queimaduras: a consequência imediata da exposição solar desprotegida são as queimaduras solares, que provocam eritema, sensibilidade ao toque, bolhas e, nos casos mais graves, descamação, dor de cabeça, febre, calafrios e fadiga. Por isso, o fotoprotetor deve ser utilizado. Mas, caso as queimaduras surjam, é possível tomar alguns cuidados para amenizar o problema, como o uso de hidratantes pós-sol. Mas preste atenção à formulação desses produtos. “Algumas fórmulas pós-sol possuem consistências espessas e oleosas, que criam uma barreira emoliente no topo da pele, aprisionando o calor na camada superior da epiderme e exacerbando a inflamação e a sensação de queimadura. Além disso, algumas fragrâncias e produtos químicos podem irritar a pele danificada”, destaca Paola. Então, dê preferência à produtos livres de etoxilados, óleo mineral e parabenos e que contenham ativos que ajudam a restabelecer as defesas naturais, possuam um sistema antioxidante avançado e confiram efeito calmante, como a Vitamina E, o Alistin, o Pro Barrier Repair e o GPS Trealose.

Cuidado com a depilação: a depilação é frequentemente realizada no verão para deixar o corpo pronto para a utilização de biquínis, sungas e outras roupas de banho. Mas é preciso tomar cuidado com esse tipo de procedimento durante a estação. “Isso porque a depilação com cera e lâmina pode causar microlesões na pele que a tornam mais suscetível aos danos solares, além de favorecer o surgimento de foliculite e irritação. Já a depilação à laser pode estimular o aparecimento de manchas na pele. Por isso, caso você se depile, o recomendado é evitar a exposição solar nos sete dias que procedem qualquer tipo de depilação”, recomenda Fustinoni .

A alimentação também é importante: além de cuidar da pele topicamente, é fundamental investir também em uma alimentação balanceada e rica em legumes, frutas e verduras, o que vai ajudar no tratamento do tecido cutâneo de dentro para fora. “Uma alimentação equilibrada está entre os principais itens que ajudam a deixar a pele bonita, jovem, protegida, saudável e hidratada. São os alimentos que você consome regularmente que definem a aparência e a qualidade do tecido cutâneo, não apenas em um mês, mas também em um ou dois anos”, explica Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. No verão, aposte principalmente em alimentos que potencializem a fotoproteção, como as frutas vermelhas, que possuem antioxidantes e vitamina C, substâncias capazes de proteger a pele contra os danos do sol. “As uvas pretas também são uma excelente opção, já que, além de possuírem propriedades antioxidantes que ajudam a bloquear os prejudiciais raios UV, também contam como Vitamina E, que mantém a pele hidratada, Vitamina C, que auxilia na revitalização das células da pele, e resveratrol, um polifenol que tem ação anti-inflamatória, protetora do DNA celular e antioxidante”, recomenda a médica nutróloga. Não se esqueça também de ingerir bastante líquido para manter a hidratação do corpo e, consequentemente, da pele.

Invista nos procedimentos estéticos menos agressivos: no verão todos querem apresentar um corpo bonito e algumas alterações que afetam a pele podem atrapalhar esse objetivo, como a flacidez e a celulite. Mas existem tratamentos que podem ser realizados durante essa época e são muito eficazes no combate a essas alterações. Por exemplo, quem sofre com flacidez pode apostar em sessões com o Ultraformer III, um ultrassom micro e macrofocado capaz de combater a flacidez, recuperar o contorno facial e corporal e devolver firmeza à pele, além de também auxiliar na remoção de gordura localizada. “O Ultraformer III utiliza uma tecnologia que emite energia mecânica através das ondas de ultrassom, que fazem micropontos de coagulação sob a pele e na gordura para tonificar o tecido cutâneo, estimular a produção de colágeno e conferir efeito lifting, o que dá fim à gordura e flacidez presentes na área tratada”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery).

Já quem sofre com celulite pode optar pela aplicação de bioestimuladores de colágeno. “A aplicação dos bioestimuladores, como a hidroxiapatita de cálcio ou o ácido L-poli-láctico, atua na produção do colágeno para promover uma reorganização das fibras responsáveis por sustentar adequadamente o tecido adiposo, o que melhora a celulite e o aspecto de casca de laranja da pele. Geralmente, recomenda-se de 2 a 3 sessões com intervalo mínimo de 30 dias entre cada uma delas, tempo que leva para os resultados aparecerem”, finaliza Paola.

Cinco passos simples para adotar uma rotina skincare em 2021

Aproveite o início do ano novo para incluir uma série de cuidados em seu dia a dia que vão melhorar a aparência e a saúde da sua pele, tornando-a mais jovem, hidratada e bonita.

Um ano que começa é sinônimo de novas metas, novos sonhos e até mesmo um novo estilo de vida, afinal, não há momento melhor para mudar e adicionar hábitos em nossa rotina. Por exemplo, um ótimo hábito para adotar em sua rotina em 2021 é o skincare.

“Cuidar da pele diariamente é a melhor maneira de prevenir o envelhecimento precoce. Para se ter uma ideia, peles mais espessas tendem a demorar mais para apresentarem rugas, flacidez e linhas de expressão. Em contrapartida, peles ressecadas tem maior tendência a essas alterações”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery).

Mas, caso você ainda não saiba como cuidar da sua pele, fique tranquilo. Reunimos um time de especialistas que apontaram as etapas que não podem faltar em sua rotina skincare. Confira:

Foto: wiseGEEK

Limpeza: comece a rotina skincare realizando a higienização da pele, o que deve ser feito com sabonetes específicos para o seu tipo de pele. “Por exemplo, quem possui pele oleosa deve optar por sabonetes líquidos formulados com ativos seborreguladores, enquanto quem possui a pele mais ressecada precisa realizar a limpeza com mousses mais hidratantes”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Uma excelente opção na hora da limpeza para diversos tipos de pele é a Acqua Micellare, da Ada Tina Italy, uma solução micelar com alto poder demaquilante e purificante, sendo capaz de remover com facilidade a maquiagem mais resistente, a oleosidade e os resíduos de poluição e outras impurezas que se aderem à pele ao longo do dia.

Pinterest

Esfoliação: de uma a duas vezes por semana, após a higienização, é interessante apostar na esfoliação da pele. “Além de retirar o excesso de sebo acumulado nos poros, ajudando a proteger a pele de cravos e espinhas, a esfoliação estimula a renovação celular e melhora a textura da pele. Como se não bastasse, essa etapa ainda potencializa a capacidade de absorção dos cosméticos pela pele, deixando-a preparada para o uso de cremes”, destaca Paola.

Tonificação: após a limpeza e, dependendo do dia, a esfoliação, é a hora de tonificar a pele. “As loções tônicas devem ser aplicadas com algodão por toda a extensão do rosto e pescoço. Esses produtos complementam a limpeza, desobstruindo os poros e ajudando a equilibrar o pH da pele, além de poderem possuir características hidratantes, seborreguladoras e calmantes, o que vai depender dos ativos utilizados na formulação”, diz o dermatologista Abdo Salomão Jr, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Com relação aos tônicos, é interessante investir em produtos como a Loção Tônica, da Buona Vita, que restabelece o pH da pele normal, mista ou seca, acentuando sua renovação, pois contém em sua formulação emolientes naturais.

Hidratação: é uma das etapas mais importantes da rotina skincare e, ao contrário do que muitos pensam, deve ser realizada por todos os tipos de pele. “A barreira cutânea é fundamental para preservar a saúde da pele, mantendo-a livre de infecções e inflamações. Além disso, uma pele bem hidratada envelhece mais devagar”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. No entanto, cada tipo de pele deve receber hidratantes específicos. Por exemplo, quem possui pele oleosa deve optar por produtos mais fluidos em gel ou sérum, como o HydraGel, da Buona Vita, que hidrata, controla a oleosidade e reduz o brilho e a irritação, além de ajudar na renovação celular. Já quem tem a pele mais seca pode apostar nos produtos em creme, como o Compative Balm 10, da Ada Tina Italy, um potente hidratante capaz de proporcionar reparação profunda dos danos causados por agressores externos, além de possuir ação calmante, reduzindo a vermelhidão enquanto protege contra o ressecamento e o envelhecimento precoce.

Fotoproteção: para finalizar a rotina skincare, é indispensável a aplicação de um fotoprotetor. “O fotoprotetor é o creme antienvelhecimento mais importante, pois preserva as estruturas da pele por meio da proteção contra os danos cumulativos da radiação solar, que acelera o envelhecimento precoce, podendo causar manchas, rugas, flacidez e até doenças sérias como câncer”, destaca Daniel. Mas é importante que o produto possua, no mínimo, FPS 30 e amplo espectro de proteção solar, para combater a radiação UVA e UVB, além de dever ser reaplicado a cada duas horas. Além disso, o fotoprotetor também deve proteger contra a luz azul. “A luz azul também penetra em nossa pele e aumenta a produção de radicais livres, que geram um processo chamado de oxidação, favorecendo o envelhecimento da pele”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy. A proteção contra a luz azul pode ser obtida através da escolha de produtos que contenham cor, que age como uma barreira física contra esse tipo de radiação, ou que sejam formulados com ativos antioxidantes, que vão atuar no combate aos danos causados pela luz azul. Uma ótima opção é o Biosole BB Cream FPS 60, da Ada Tina Italy, um protetor solar com cor e ação antioxidante que uniformiza o tom da pele com alta cobertura homogênea, reduz o surgimento de manchas e confere alta proteção contra UVA, UVB, Luz Azul e Luz Visível.

Por fim, lembre-se que, para garantir que os cuidados com a pele sejam realmente eficazes, o melhor é consultar um dermatologista. “O médico poderá realizar uma avaliação para identificar as principais necessidades e características da sua pele, indicado assim a rotina e os produtos mais adequados para você”, finaliza Abdo Salomão Jr.

Pandemia: não é hora de fazer dietas restritivas, que podem prejudicar a saúde e o sistema imune

Apesar de estarmos vivendo um momento propício para adquirir hábitos saudáveis, não é a hora de fazer dietas radicais em sua alimentação

Com a pandemia pela qual estamos passando devido ao novo coronavírus, muitas pessoas estão aproveitando para adquirir novos hábitos e realizar tarefas que antes não tinham tempo. Por exemplo, é comum que alguns utilizem desse momento para finalmente começar aquela dieta que vinha sendo adiada por meses, o que, segundo Marcella Garcez, médica nutróloga e docente da Associação Brasileira de Nutrologia, não é recomendado.

“A alimentação possui um papel fundamental na manutenção e fortalecimento do organismo, pois é responsável por fornecer nutrientes essenciais para as funções orgânicas. Por isso, qualquer mudança drástica nos hábitos alimentares sem acompanhamento médico, como restrição de grupos alimentares e diminuição de calorias e refeições, pode oferecer riscos à saúde, afetando, inclusive, o bom funcionamento do sistema imunológico, principalmente em pessoas que já apresentam algum tipo de carência nutricional prévia. Então, como alguns tipos de atendimento médico estão comprometidos pelo isolamento social, este não é o momento para iniciar qualquer dieta restritiva”, alerta.

É claro que aqueles que já eram adeptos de alguma dieta ou praticavam jejum intermitente podem continuar, mas sempre com acompanhamento médico periódico, mesmo que por telemedicina, para avaliar eventuais necessidades e intercorrências e assim evitar possíveis riscos à saúde. “A telemedicina é uma boa maneira de dar assistência aos pacientes nesse período. Ela não substitui a consulta presencial, mas serve como uma forma importante de orientação”, explica Paolo Rubez, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

A recomendação para evitar dietas restritivas e mudanças radicais nos hábitos alimentares não quer dizer, porém, que você deve sair comendo tudo o que vê pela frente. “Assim como a restrição alimentar, o consumo excessivo de calorias também pode desestabilizar a saúde e o sistema imune, além de favorecer o acúmulo de gordura, o envelhecimento precoce e o aparecimento de acne e problemas de circulação”, afirma Marcella.

O ideal então é encontrar um meio termo, apostando na adoção de uma alimentação saudável, equilibrada, variada e natural e investindo em alimentos ricos em nutrientes como Vitamina A (cenoura e abóbora), Vitamina C (kiwi e laranja), Vitamina B6 (aveia e banana), Vitamina E (carnes e ovos), Selênio (arroz integral e castanha do pará) e Zinco (frango e grãos integrais).

“Esse é um bom momento para iniciarmos bons hábitos de vida e introduzi-los na nossa rotina. Isso ajudará muito, pois quando voltarmos à vida normal, estaremos mais dispostos a seguir com a vida saudável, o que pode trazer muitos ganhos e prevenir uma série de doenças”, afirma a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida. Para quem continua trabalhando em home office, a médica aconselha: “Você pode usar esse tempo de sobra que estamos tendo durante a quarentena para aprender a cozinhar e preparar refeições caseiras. Assim, além de comer mais saudavelmente, você ficará menos ansioso e mais relaxado, pois o hábito de cozinhar ajuda na redução do estresse.”

Além disso, é interessante também diminuir o consumo de alimentos prejudiciais. De acordo com Marcella, o açúcar, por exemplo, não deve compor mais de 10% de todas as calorias ingeridas ao dia.

“Além de virar reserva de gordura, o açúcar excedente pode se ligar e degradar proteínas de sustentação da pele em um processo conhecido como glicação, o que acelera o surgimento de rugas e flacidez”, destaca a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E o mesmo vale para os carboidratos, principalmente aqueles de menor valor glicêmico, como massas de farinha branca e frituras. “Em geral, qualquer alimento que cause inflamação e liberação de radicais livres é danoso para o nosso corpo”, diz o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e médico voluntário no atendimento a casos suspeitos de Covid-19 no Hospital São Paulo.

Assim como o açúcar, o consumo de sal também deve ser reduzido, pois o excesso de sódio pode piorar a circulação e favorecer o surgimento de problemas cardiovasculares. “Tome cuidado redobrado com o sal escondido nos alimentos, principalmente nos industrializados. Poucos sabem, mas até mesmo o suco de caixinha possui sódio”, afirma a Aline Lamaita, cirurgiã vascular e angiologista, membro do Colégio Americano de Medicina do Estilo de Vida. Com relação aos alimentos industrializados, evite também aqueles que são ultraprocessados, como bolachas, guloseimas, sorvetes, bolos e produtos congelados e prontos para o consumo.

“Quanto mais processado é o alimento, menor é o seu valor nutricional, pois perde vitaminas durante o processamento, além de conterem grande quantidade de aditivos e conservantes, favorecendo assim a inflamação e a ocorrência de deficiências nutricionais, doenças do coração, diabetes, colesterol e obesidade”, completa a médica.

Por fim, lembre-se de ingerir água diariamente para se manter hidratado. “A água exerce diversas atividades essenciais que garantem o funcionamento adequado do corpo humano. Por ser o principal componente do plasma sanguíneo, a água é uma das responsáveis pelo transporte de nutrientes e dos produtos do metabolismo, além de auxiliar na eliminação de toxinas do organismo e atuar em processos fisiológicos como digestão, absorção e excreção de nutrientes”, finaliza Marcella.