Arquivo da tag: bebida

Ainda em clima de São João, Água Doce ensina quentão de frutas

Estamos em julho, e as festas julinas continuam pipocando em várias regiões do país. Para quem gosta de comemorar as melhores as festividades típicas, segue uma receita de quentão de frutas. A dica é da Água Doce. Confira:

Quentão de frutas

Ingredientes
½ xícara de (chá) de açúcar refinado
150ml de água
1 maçã sem casca picadinha
150g de abacaxi picadinho
1 colher (chá) de gengibre picadinho
4 unidades de cravo-da-Índia
3 rodelas de limão Taiti sem casca e sem sementes
1 anis-estrelado
200ml de cachaça neutra

Modo de preparo
Em fogo médio, coloque na panela o açúcar e a água até virar uma calda, tomando cuidado para não se queimar. Adicione a maçã, o abacaxi, o gengibre, os cravos, as rodelas de limão, o anis-estrelado e a cachaça. Depois que começar a ferver, conte dois minutos e, em seguida, desligue. Sirva quente.

Rendimento: 2 porções

Fonte: Água Doce Sabores do Brasil

Aprenda a preparar o Shake Gelado da Predilecta

Para quem gosta de aproveitar cada gota da bebida, a marca preparou uma receita que vai agradar seus paladares

As novas rotinas exigem um pouco de energia e, com isso, o café se tornou um grande aliado do brasileiro. Mas não é sempre que conseguimos aproveitar toda a bebida e, para evitar o desperdício e arriscar algo novo e prático na cozinha, a Predileta encontrou uma solução. E para dar um toque especial, um dos ingredientes usados é a Calda de Caramelo da Predilecta

A receita de Shake de Café Gelado leva cubos congelados da bebida e pode ser preparado a qualquer momento do dia. Confira!

Shake de Café Gelado

Ingredientes
8 cubos de café congelado
2 copos de leite
Cobertura de Caramelo Predilecta
Chantily

Modo de preparo
No liquidificador, bata os cubos de café congelados com o leite e um pouco da cobertura de Caramelo Predilecta até todos os cubos quebrarem. Em um copo, coloque mais cobertura e adicione a mistura do café gelado. Enfeite a bebida com o chantily e está pronto.

Os ingredientes servem até dois copos.

Fonte: Predilecta

Beber muita água é sempre positivo: mito ou verdade?

Um dos conselhos mais difundidos junto a quem procura uma vida saudável é beber bastante água. Quem nunca escutou que é preciso consumir, no mínimo, dois litros do líquido por dia? Apesar da importância para o bom funcionamento dos rins e de outros sistemas do organismo, é necessário cautela na hora de seguir esta recomendação.

Segundo o urologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Sandro Nassar, dentro das patologias renais, há tanto as que demandam alto consumo de água quanto as que exigem cuidado com o volume ingerido. 

No cenário mais amplo, a orientação para consumo abundante de água está associada essencialmente a dois fatores: desidratação e formação de cálculos renais. O primeiro fator, segundo o médico, tem maior risco de ocorrer entre crianças e idosos que tendem a ter quadros de vômitos e diarreia mais frequentes. “A perda de líquido por esses meios pode gerar desidratação, que aumenta a chance de insuficiência renal. Para evitar isso, indicamos uma ingesta satisfatória de água diariamente”, complementa. 

Do outro lado, quando existe diagnóstico de insuficiência renal, a orientação vai na contramão: a ideia é que o consumo de líquido se torne cada vez mais restrito conforme a gravidade do problema. Nassar explica que nestes casos, o rim tem uma incapacidade de filtração e, se a demanda hídrica for alta, ocorre inchaço. 

“A perda da função do rim pode ocorrer por diferentes motivos, como uso de medicamentos, diabetes e hipertensão. Para os pacientes com o quadro, é preciso limitar o consumo de qualquer líquido, até mesmo os presentes nos alimentos, para evitar inchaço – que geralmente é percebido nas pernas. Em casos graves, por exemplo, essa ingestão pode ser de no máximo 800 ml ao dia”.

Adobe Stock

O urologista ressalta, no entanto, que para uma população saudável e que mantém acompanhamento médico constante, a dica de consumo de 1,5 a 2 litros de água por dia pode ser seguida. “Essa é uma orientação generalizada que auxilia na prevenção de cálculo renal. Porém, vale ressaltar que essa quantidade não vai impedir o problema em todos. Algumas pessoas vão necessitar de mais líquido, por isso é preciso sempre ter um acompanhamento médico”, conclui. 

Fonte: Hospital Edmundo Vasconcelos

Vinho que já nasce rosé no vinhedo é o brasileiro mais vendido na categoria

Ele foi eleito o melhor rosé do mundo. É considerado o vinho rosé ‘mais querido do Brasil’. Também é o rosé brasileiro mais vendido no país. Legítimo, nasce de dois vinhedos – Cabernet Sauvignon e Tempranillo -, com manejo e cultivo pensados exclusivamente para sua elaboração. Só em 2020, foram meio milhão de garrafas.

Com todo esse histórico, o Miolo Seleção Rosé chega ao mercado em sua versão 2021, acompanhado pela campanha ‘Rosé Club – Para todos que amam rosé’, numa proposta de aumentar ainda mais esta comunidade de apreciadores que valorizam o visual e que buscam um vinho leve e refrescante para momentos descomplicados.

A aposta da Miolo no rosé surgiu ainda em 2006. De lá para cá, o vinho sofreu algumas mudanças no corte, que em 2010 deixou de ter o Merlot. Mas a principal transformação veio em 2017 com a renovação do conceito do vinho, inspirado nos rosés de Provence, do Sul da França. A partir daí, toda concepção do produto partiu de um novo perfil no manejo do vinhedo. Com isso, a revitalização da roupagem veio em 2018, sempre seguindo a filosofia de cultivar um vinhedo para fazer este rosé.

Feito do corte de dois vinhos elaborados com castas tipicamente tardias, a Cabernet Sauvignon e a Tempranillo – cultivadas nos vinhedos próprios de Candiota, na Campanha Meridional -, o Miolo Seleção Rosé tem um processo próprio e, por isso, suas uvas são colhidas antecipadamente. Com isso, o teor alcoólico e o pH são mais baixos, resultando num vinho mais fresco, com mais acidez e cor mais delicada.

“Podemos dizer que tudo nasce no vinhedo A origem das uvas, os cuidados com o solo, o manejo e o cultivo do vinhedo, a maturação e o processo de elaboração são únicos, personalizados para o Miolo Seleção Rosé. Cada decisão que tomamos é particular, pensando no resultado ideal para esse perfil de vinho”, destaca o diretor superintendente da Miolo Wine Group, enólogo Adriano Miolo.

Descontraído, versátil, acessível ao bolso e com distribuição em todo o Brasil, o Miolo Seleção Rosé conquistou consumidores de diferentes estilos, principalmente os entrantes no mundo do vinho. Além dos jovens, o rótulo também ganhou apreciadores que são fãs tradicionais dos vinhos tintos, diante da tropicalidade do país.

Para esses amantes do rosé, a campanha se desdobra em diversas ações entre redes sociais, canais próprios, relacionamento com a imprensa e influenciadores, e-commerce, delivery, sinalização e promoção em PDV, outdoor digital e inserções na TV. Além disso, o kit Rosé Club, com bolsa, camiseta, boné e, claro, o vinho, vão colorir as ações de relacionamento, imprimindo mais vida no dia a dia das pessoas.

O vinho

O Miolo Seleção Rosé é um vinho jovem, refrescante e muito versátil. Límpido e brilhante, tem coloração rosada de baixa intensidade. Apresenta perfume de frutas vermelhas como morango e cereja. É macio em boca, leve e muito agradável.

Ideal como aperitivo, acompanha comidas leves como saladas, peixes e mariscos, e de média estrutura como carnes brancas de frango ou peru, pizzas vegetarianas ou cárneas, queijos macios e embutidos com temperos leves. O rótulo pode ser encontrado no mercado com preço que varia de R$ 34,00 a R$ 39,00.

Mais sobre o Miolo Seleção

Impossível falar da trajetória da Vinícola Miolo sem falar da linha Miolo Seleção, lançada em 1994. A marca se tornou conhecida e apreciada em todo o Brasil e hoje é o vinho mais distribuído tanto no mercado interno quanto externo com presença na Alemanha, Austrália, China, França, Guatemala, Hong Kong, Japão, Nova Zelândia e Paraguai.

Os cinco rótulos, todos bi varietais, são elaborados a partir de uvas cultivadas em vinhedos próprios na Campanha Meridional (Miolo Seleção Pinot Grigio / Riesling, Miolo Seleção Tempranillo / Touriga, Miolo Seleção Chardonnay / Viognier, Miolo Seleção Cabernet Sauvignon / Merlot e Miolo Seleção Rosé – Cabernet Sauvignon / Tempranillo).

Nessas mais de 25 safras, o Miolo Seleção conquistou paladares em todo o Brasil e hoje é sinônimo da qualidade Miolo, traduzindo a expressão do vinho brasileiro. Diante de sua relevância na abertura do mercado de vinhos no país e para o próprio crescimento da empresa, a Miolo investiu em sua repaginação no ano passado, resgatando sua essência e reposicionando o produto que se tornou o vinho mais querido do Brasil.

Informações: Miolo

Negroni Milanese Riposato agora também em lojas boutiques

Negroni Milanese Riposato é produzido por meio da mistura de gim, vermute e bitter descansados em barricas de carvalho “port wine casc” e de cor intensa, oferece o equilíbrio perfeito da madeira com frescor e leveza, o que torna o sabor único.

Prestes a completar um ano de estrada a grande novidade é que a marca agora está disponível para compra em mais de 20 pontos comerciais, e nas principais lojas boutiques, como Supermercado Varanda Cidade Jardim e Ponte Cidade Jardim, St.Marche, Empório Santa Maria e Eataly.

O Negroni Milanese Riposato nasceu a partir do hobby de um apreciador, Enrico Milanese, com diversos testes, ao longo de dois anos, em um barril de cinco litros, que ele realizou na própria residência. No decorrer do tempo, a qualidade chegou a um patamar que levou amigos e familiares a incentivá-lo a produzir em escala maior e disponibilizar para outros apreciadores.

Para realizar o projeto e se inserir no mercado, se uniu à Hof Microdestilaria, uma empresa boutique experiente e premiada no assunto de destilados. O nome do produto é uma homenagem à família do criador, que tem ascendência italiana. Tendo o mesmo berço do drinque, o sobrenome caiu como uma luva.

Para quem não conhece a história deste clássico da coquetelaria, ele nasceu em Florença, no ano de 1919. O Conde Camilo Negroni, em uma das inúmeras visitas ao Casoni Bar, para tomar seu regular Americano (bitter, vermutee água gaseificada), faz o pedido de uma bebida mais forte ao barman Fosco Scarselli que prontamente lhe atende substituindo a água gaseificada por London Dry Gin. Nascia o famoso Negroni em homenagem ao Conde.

O Negroni Milanese Riposato é uma bebida pronta para consumo, basta apenas acrescentar gelo e saborear. Um ponto importante a destacar é a exclusividade da bebida, que descansa dois meses em barrica de carvalho francês de vinho do porto, a qual é adicionada insumos de altíssima qualidade, com fórmula exclusiva, o que a torna sofisticada e equilibrada. Na composição leva o Gin Minna Marie, bebida premiada em 2018 com dupla medalha de ouro (Concours Mondial Bruxelles), somado aos outros ingredientes: vermute e bitter, que serão logo mais lançados no mercado.

O Negroni Milanese Riposato vem ao mercado como um presente, pois se trata de um produto premium, com produção exclusiva. Hoje, é produzido em lotes de 300 garrafas por tiragem, que são enumeradas, permitindo aos fiéis amantes que tenham uma com um número desejado.

A empresa escolhida para fazer a produção no Negroni Milanese Riposato, Hof Microdestilaria, obedece a todo o processo idealizado pela marca, e a elabora de forma única, com qualidade superior. Milanese, ao definir produção, queria estar aliado a quem tem know how de elaborar bebidas alcoólicas de alto padrão. “Eles atuam com pequenos lotes que são feitos em alambiques de cobre tipo pot still, o que nos permitiu extrair a melhor qualidade da matéria-prima e proporcionar autenticidade a cada garrafa de Negroni”, comenta.

A bebida não contém glúten, tem graduação alcoólica de 29,5°C e vem em embalagem de 700ml.

Valor – preço sugerido entre R$ 175,00 a R$ 250,00.

Pontos de Vendas: e-commerce, Supermercado Varanda Cidade Jardim e Ponte Cidade Jardim, St.Marche, Empório Santa Maria e Eataly.

Bebida centenária espanhola, Anis del Mono, retorna ao país

Completando 150 anos, licor mescla arte, ciência e história, da garrafa ao líquido

Comercializado no Brasil pela primeira vez em meados de 1923, o Anis del Mono segue com as suas tradições na Espanha e, agora, volta a atravessar o atlântico. O retorno às terras brasileiras é um presente aos amantes desta bebida que marcou décadas.

Elaborada em uma destilaria que é Patrimônio Espanhol, na praia de Badalona, cidade próxima à Barcelona, a partir de um botânico mediterrâneo, o Anis, também é considerado um objeto histórico.

Foto: @ismaelxtwo

Um anisado, de sabor adocicado e aroma suave, o Anis del Mono segue os costumes do consumo in natura com gelo picado, ou então flambado com grãos de café, mas há algum tempo a coquetelaria contemporânea usa o licor de anis como toque de originalidade em drinques destacados pelo mundo.

No Brasil, as combinações com sabores cítricos ganham destaque, como no drinque a li-MONada: em uma taça grande cheia de gelo, incluir: 30ml de Anis del Mono, 10ml de suco de limão siciliano e completar com água com gás. Decorar com uma rodela de limão e folhas de hortelã. Esta receita é muito especial, leve e fresca . E para fechar um almoço, acompanha bem a sobremesa com uma dose pura em um copo cheio de gelo picado. Para além da boemia, o autêntico licor espanhol aparece como ingrediente essencial em inúmeros pratos da confeitaria internacional.

A história da bebida ultrapassa o cenário gastronômico e começa no fato de ter sido retratada em obras de artistas plásticos como Picasso e Salvador Dali, levantando curiosidades acerca de seu rótulo. Na ilustração, o macaco (‘el mono’), de fisionomia semelhante ao naturalista Charles Darwin, segura um pergaminho onde lê-se ‘Es el mejor. la ciencia lo dijo e yo no miento’ (“É o melhor. A ciência afirma e eu não minto”), frase citada em 1859, no livro “A Origem das Espécies” de Darwin.

A garrafa do licor, idealizada pelo criador da marca, Vicent Bosch, com inspiração nos perfumes franceses, também se tornou um instrumento de percussão na cultura espanhola pelo som que a textura do vidro produz quando raspado por um talher. São inúmeras curiosidades e qualidades que o produto apresenta, mas o melhor mesmo é o aroma presente e o aroma marcante.

Disponível nos principais empórios e delis de São Paulo, o Anis del Mono é importado pela Natique Osborne, e pode ser encontrado nas principais capitais e e-commerces do país.

Informações: Natique Osborne

Way Beer lança cerveja em homenagem a cidade de São Paulo

Batizada de IPA Sampa, a bebida exclusiva é uma Session IPA e está disponível nos principais bares de cervejas artesanais da capital paulista

Em ascensão no Brasil nos últimos anos, o mercado de cervejas especiais conquistou um público fiel oferecendo produtos exclusivos e de alta qualidade. Neste contexto, é preciso destacar a importância das cervejas do estilo India Pale Ale (IPA), que contribuíram diretamente para a formação e fidelização de um grande público consumidor. E quando tratamos desse estilo, impossível não citar a cervejaria paranaense Way Beer, responsável pela produção de várias IPAs de sucesso.

Consolidada como uma das principais referências nacionais em cervejas artesanais, a Way Beer acaba de anunciar sua mais nova criação: a IPA Sampa, um rótulo exclusivo em homenagem a cidade de São Paulo. Categorizada como uma cerveja do tipo Session, a IPA Sampa possui uma característica mais leve e refrescante. Fortemente incorporado pelas cervejarias norte-americanas, o termo Session representa versões mais suaves de alguns estilos, característica que tem sido adotada até mesmo na produção de IPAs.

“A Session IPA é um pouco mais refrescante do que uma IPA tradicional, com um teor alcoólico um pouco menor, mas não perde as principais características e a potência do lúpulo”, conta Alessandro Oliveira, mestre cervejeiro da Way Beer.

A IPA Sampa, disponível em garrafas de 600ml, já pode ser encontrada nas principais casas de cervejas especiais e bares da capital paulista. “IPAs são algumas de nossas especialidades, e há muito desejávamos homenagear a maior cidade do país com um rótulo especial, assim nasceu a IPA Sampa, com 5,4% de graduação alcóolica e 38 IBU. Uma receita com elevada drinkability sem abrir mão da complexidade de aromas e sabores”, completa Oliveira.

A IPA Sampa, nova cerveja da Way Beer, custa a partir de R$ 18,00 e está disponível nas principais casas de cervejas artesanais e bares de São Paulo (SP).

Informações: Way Beer ou no perfil oficial da cervejaria no Instagram (@way_beer)

Mais uma chance para degustar o Miolo Wild Gamay 2021

Primeiro lote esgotou em menos de uma semana, reconhecendo a capacidade da vinícola na elaboração de vinhos diferenciados

Depois do sucesso nas vendas do primeiro lote, lançado em março, a Vinícola Miolo disponibiliza mais uma partilha do tão disputado Miolo Wild Gamay 2021. As 40 mil garrafas poderão ser adquiridas pelo site da loja no varejo da vinícola, além de delicatessens e restaurantes de todo o Brasil, ibda na primeira semana de maio. Em sua segunda safra, o vinho já conquistou aquele consumidor que busca produtos mais naturais, descomplicados, fáceis de beber.

Elaborado a partir da fermentação espontânea com leveduras selvagens, naturais da própria uva Gamay, e sem a adição de sulfitos (SO2), o vinho segue o método ancestral de maceração carbônica de cachos inteiros e também é 100% vegano com Selo da The Vegan Society.

Reconhecida mundialmente pela qualidade de seus vinhos, a Miolo é pioneira no Brasil a elaborar um Gamay com este conceito, a exemplo do que acontece na França. Ao desenvolver projetos distintos, colocando no mercado vinhos altamente diferenciados, a vinícola mostra sua capacidade produtiva de empregar excelência em tudo o que faz.

O vinho

Elaborado a partir de uvas cultivadas nos vinhedos do Seival, na Campanha Meridional, este vinho é resultado do processo de maceração carbônica de cachos inteiros e por gravidade, sem adição de sulfitos e fermentação com leveduras selvagens da própria uva Gamay. Límpido, de coloração rubi intensa com bordas violáceas, apresenta alta intensidade aromática e tipicidade trazido pelo processo de maceração, com aromas de morango, goiaba e maçã caramelada.

Na boca, um vinho de estrutura leve, equilibrado, extremamente agradável e descompromissado. Ideal ser degustado como aperitivo com temperatura entre 10°C e 12°C. Devido sua baixa concentração tânica harmoniza muito bem com saladas, sopas, peixes, massas de molhos brancos, pizzas, carnes brancas e queijos de massa mole e semidura, com destaque para o Emmenthal.

Informações/vendas: Loja Miolo

Café Cultura ensina a preparar Hot Salted Caramel

Você é apaixonado por café? Que tal aproveitar para fazer em casa o incrível Hot Salted Caramel, um dos grandes sucessos da rede Café Cultura, referência nacional em cafés especiais?

O caramelo salgado ganhou destaque na gastronomia nos últimos anos. O sal faz realçar os sabores do doce, ganhando em textura e paladar. Era questão de tempo para se tornar ingrediente de cafés especiais. Na rede de cafeterias que conta com unidades nos estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, o Hot Salted Caramel se tornou um dos queridinhos do público que busca o toque doce na bebida.

Hot Salted Caramel

Ingredientes:
160 ml de leite
100 ml de água
Café de boa qualidade passado (cerca de 100ml)
Caramelo salgado (cerca de 30 gramas)

Modo de Preparo:
Passar cerca de 100ml de café de boa qualidade. Aquecer 160 ml de leite no micro-ondas por dois minutos. Colocar o leite no mixer e bater até ficar cremoso (entre 30 segundos e um minuto). Com uma colher, colocar o caramelo salgado no fundo de uma caneca e decorar as paredes internas. Transferir o leite para a caneca e reservar um pouco da crema para a finalização. Transferir o café já preparado (cerca de 45 ml). Finalizar com a crema do leite e decorar com caramelo salgado, usando uma colher.

Fonte: Café Cultura

Qual é a quantidade de álcool diária considerada aceitável?

Ainda há muitas dúvidas entre a população sobre o que é o consumo excessivo; segundo a OMS, 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos pelas consequências do álcool no mundo

Embora o consumo de álcool seja algo romantizado em nossa sociedade, sendo, inclusive, associado à juventude, bem-estar, vida social agradável e sucesso pessoal, esta substância é uma droga que, se consumida em excesso, pode provocar inúmeros problemas de saúde física e psicológica.

“Quando há exagero, em vez de trazer felicidade como sugerido pelas campanhas publicitárias, o álcool pode destruir famílias e vidas profissionais”, afirma Lívia Salomé, médica especialista em Medicina do Estilo de Vida pela Universidade de Harvard e vice-presidente da Regional Minas Gerais do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida.

Conforme ela explica, o alcoolismo é uma doença crônica capaz de levar o paciente a outras complicações orgânicas, como a cirrose e a hepatite. “Trata-se de uma condição em que o indivíduo faz uso constante, abusivo e descontrolado desse tipo de bebida. Aos poucos, o organismo perde a sensibilidade ao álcool e o paciente aumenta cada vez mais a quantidade ingerida, o que faz com que seu vício seja progressivo”, esclarece a médica.

O álcool é um depressor do sistema nervoso central, ou seja, uma substância que diminui a atividade do cérebro, alterando a ação de neurotransmissores, como o ácido gama-aminobutírico – Gaba – e a serotonina. À medida em que a pessoa ingere a bebida, o organismo reage de uma determinada forma, seguindo alguns estágios.

“Quando a concentração de álcool no sangue é baixa (entre 0,01 e 0,12 gramas/100 mililitros), o indivíduo tende a ficar desinibido, relaxado e eufórico. Se esta quantidade aumenta, outras reações aparecem, como lentidão dos reflexos, problemas de atenção, perda de memória, alterações na capacidade de raciocínio e falta de equilíbrio”, detalha Livia.

Em níveis muito altos (a partir de 0,40 gramas/100 mililitros), ela alerta para a intoxicação severa e parada cardiorrespiratória, com possibilidade de sequelas neurológicas e até mesmo morte. Para se ter uma ideia da gravidade do alcoolismo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, 3,3 milhões de pessoas morrem todos os anos pelas consequências do álcool no mundo – sendo por doenças ou por acidentes de diversos tipos.

Foto:edmontonfetalalcoholnetworkorg

A médica lembra ainda que há muitas dúvidas entre a população sobre o que é o consumo excessivo. Para ela, um etilista moderado é a pessoa que bebe álcool, mas o faz de forma esporádica ou em pequena quantidade: cerca de um ou dois drinques por dia, por no máximo cinco dias não consecutivos da semana.

“Já o etilista pesado é aquele que bebe álcool em quantidades sabidamente prejudiciais ao organismo. Por exemplo, quem consome mais de sete doses por semana para mulheres ou mais de 14 drinques por semana para homens”, diz ela.

Há outros parâmetros para definir quando se está abusando do álcool. Por exemplo, quem bebe pelo menos uma vez por semana mais de três doses em um único dia, no caso das mulheres, ou mais de quatro doses em um único dia, no caso dos homens. É o caso de prestar atenção também quando a pessoa possui um episódio de embriaguez por semana, ou que consomem mais de 20 dias seguidos de bebidas alcoólicas em qualquer quantidade.

Traduzindo para a linguagem popular, considera-se uma dose a medida de qualquer bebida que contenha cerca de 14 gramas de álcool – isto equivale a uma taça de vinho (150 ml com teor alcoólico de 12%), uma lata de cerveja (350 ml com teor alcoólico de 5%) ou 45 ml de uísque (uma dose com teor alcoólico de 40%).

“O consumo excessivo de bebidas alcoólicas expõe o indivíduo a um elevado risco de desenvolver problemas de saúde além do alcoolismo. Entre eles, estão o câncer e disfunções de órgãos importantes, tais como fígado, coração ou cérebro”, alerta a especialista em Medicina do Estilo de Vida.

Para tratar o alcoolismo, é preciso escolher as terapias conforme o nível de gravidade do quadro. Nessa perspectiva, é preciso contar com uma equipe multidisciplinar de saúde composta por médicos clínicos, psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais e outros.

“O objetivo é que todos fortaleçam e auxiliem o paciente na recuperação da estabilidade mental para vencer a doença”, afirma Lívia. Ela explica também que medicamentos podem ser complementares às demais terapias para apoiar na desintoxicação do organismo. “Por isso, é fundamental obter o diagnóstico correto para a avaliação da necessidade ou não de remédios”, conclui a especialista.

Fonte: Lívia Salomé é graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem especialização em Clínica Médica e certificação em Medicina do Estilo de Vida pelo American College of Lifestyle Medicine. Atualmente, é vice-presidente da Regional Minas Gerais do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida (CBMEV).