Arquivo da tag: Câncer de Pele

Novas razões pelas quais as pintas podem se transformar em câncer de pele tipo melanoma

Publicada no final de novembro na revista eLife, pesquisa mostra que os melanócitos que se transformam em melanoma não precisam ter mutações adicionais, mas são afetados pela sinalização ambiental. Descobertas abrem caminho para mais pesquisas sobre como reduzir o risco de melanoma

Pintas, manchas e melanomas provêm da mesma célula chamada melanócitos. “A diferença é que as pintas e manchas geralmente são inofensivas, enquanto os melanomas são cancerígenos e muitas vezes mortais, sem tratamento”, explica o dermatologista Daniel Cassiano, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Um novo estudo publicado no final de novembro na revista eLife e realizado por pesquisadores do Huntsman Cancer Institute (HCI) explica como as manchas comuns e os melanomas se formam e por que as manchas podem se transformar em melanoma. “Embora muitos trabalhos mostrem um caráter genético forte para o desenvolvimento do melanoma, esse estudo mostrou que as células produtoras de pigmentos, os melanócitos, são mais afetadas pela sinalização ambiental”, diz o médico.

Os melanócitos são células que dão cor à pele para protegê-la dos raios solares. Segundo o estudo, mudanças específicas na sequência de DNA dos melanócitos, chamadas mutações do gene BRAF, são encontradas em mais de 75% das pintas. A mesma alteração também é encontrada em 50% dos melanomas e é comum em cânceres como cólon e pulmão. “Pensava-se que, quando os melanócitos tinham apenas a mutação BRAFV600E, a célula parava de se dividir, resultando em uma pinta. Quando os melanócitos têm outras mutações com BRAFV600E, elas se dividem de forma descontrolada, transformando-se em melanoma. Este modelo foi denominado ‘senescência induzida por oncogene’. Mas vários estudos desafiaram esse modelo nos últimos anos”, diz o médico. “Esses estudos forneceram dados excelentes para sugerir que o modelo de senescência induzida por oncogene não explica a formação de pintas, mas o que faltou a todos é uma explicação alternativa – que permaneceu indefinida”, conta.

A equipe do estudo coletou sinais e melanomas doados por pacientes e usou perfis transcriptômicos e citometria holográfica digital. O perfil transcriptômico permite aos pesquisadores determinar as diferenças moleculares entre pintas e melanomas. A citometria holográfica digital ajuda os pesquisadores a rastrear mudanças nas células humanas. “Os pesquisadores descobriram, então, um novo mecanismo molecular que explica como as pintas e os melanomas se formam, e por que as pintas às vezes se transformam em melanomas”, diz o dermatologista.

O estudo mostra que os melanócitos que se transformam em melanoma não precisam ter mutações adicionais, mas são afetados pela sinalização ambiental, quando as células da pele recebem interferências do ambiente ao seu redor, que lhes dá direção. A radiação solar, por exemplo, é um estímulo ambiental. “Os melanócitos expressam genes em ambientes diferentes, dizendo-lhes para se dividir incontrolavelmente ou parar de se dividir completamente. As origens do melanoma serem dependentes de sinais ambientais dá uma nova perspectiva na prevenção e no tratamento”, diz o dermatologista. “O estudo também desempenha um papel na tentativa de combater o melanoma, prevenindo e tendo como alvo as mutações genéticas. Também podemos ser capazes de combater o melanoma mudando o ambiente, segundo o estudo”.

Essas descobertas criam uma base para a pesquisa de potenciais biomarcadores de melanoma, permitindo aos médicos detectar alterações cancerígenas no sangue em estágios iniciais. Os pesquisadores também estão interessados em usar esses dados para entender melhor os agentes tópicos potenciais para reduzir o risco de melanoma, atrasar o desenvolvimento ou interromper a recorrência e detectar o melanoma precocemente. “Mas, é claro que novas pesquisas devem ser feitas com o objetivo de confirmar a informação e encontrar meios de frear a replicação celular descontrolada que resulta em melanoma”, finaliza o dermatologista.

Fonte: Daniel Cassiano é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Cofundador da clínica GRU Saúde, o Dr. Daniel Cassiano é formado pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Doutor em medicina translacional também pela Unifesp. Professor de Dermatologia do curso de medicina da Universidade São Camilo, o Dr. Daniel possui amplo conhecimento científico, atuando nas áreas de dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiátrica.

10 mitos e verdades sobre sol e câncer de pele

Segundo dados recentes do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pele não melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país. Em 2020, foram registrados 176.930 casos, sendo 83.770 homens e 93.160 mulheres.

“O sol não é vilão, até porque ele é a principal fonte de vitamina D – 80% da formação dessa vitamina provém dos raios solares, principalmente do tipo B (UVB), que ativam a síntese da substância em nosso organismo. No entanto, sem os devidos cuidados, o sol pode provocar queimaduras, envelhecimento precoce, acne, alergias, manchas, feridas e, claro, câncer de pele”, afirma Renato Pazzini, dermatologista dos Hospitais Albert Einstein e Oswaldo Cruz.

Para entender a relação entre o sol e o câncer de pele, Renato Pazzini cita alguns dos principais mitos e verdades acerca do tema:

Todo câncer de pele está associado ao sol
Mito.
De 5 a 10% dos casos de melanoma estão relacionados a fatores genéticos. O câncer de pele também pode ser causado por alterações em genes, hereditárias ou não, podendo atingir pessoas que produzem muita melanina. “No entanto, a exposição excessiva ao sol, e sem os devidos cuidados, ainda é o principal fator de risco para a doença”, alerta o dermatologista.

Para obter eficácia, o protetor solar precisa ser usado de forma correta
Verdade.
O protetor solar age como um filtro sobre a pele, protegendo-a dos raios ultravioletas. No entanto, para que isso ocorra, é necessário que o produto seja usado corretamente. O fator de proteção deve estar relacionado à necessidade de quem usa: pessoas com peles mais claras precisam de uma proteção mais intensa. Mas, independentemente do tipo de pele, o FPS mínimo deve ser 30. Além disso, busque um protetor que ofereça filtro contra os raios UVB e UVA. A aplicação deve ocorrer meia hora antes da exposição ao sol para que o produto seja absorvido pela pele, e é necessário reaplicar o protetor solar a cada três horas ou de duas em duas horas em casos de transpiração excessiva, exposição solar prolongada ou após molhar a pele. E não se esqueça do protetor labial com FPS.

O local e a hora de exposição solar influenciam no fator de risco
Verdade.
Dependendo de onde você está, a radiação solar é mais forte, representando maior risco para a pele. Perto da água, por exemplo, além da radiação recebida diretamente do sol, 70% dos raios solares são refletidos. No fundo da água, os raios conseguem atingir cerca de 30 cm de profundidade. Já a areia reflete 20% da radiação solar. “Se você quer tomar sol com mais segurança, opte pela grama. No verde, o sol reflete muito pouco. Também evite a exposição ao sol entre 10h e 16h, quando a radiação é mais intensa”, aconselha Pazzini.

O guarda-sol nos protege contra os raios solares
Mito.
Até debaixo dele, não se pode descuidar da proteção solar, pois a água do mar e a areia refletem a radiação solar expondo a pele aos raios UV.

Bronzeadores com filtro solar também protegem a pele
Mito.
A proteção oferecida à pele por bronzeadores é baixa e insuficiente para filtrar a passagem de raios UVB e UVA. Além deste agravante, a aplicação do bronzeador feita por cima do protetor solar inibe a ação do produto. Dessa forma, em exposição ao sol não protegida, corre-se o risco de desenvolver câncer de pele do tipo basocelular e também melanoma.

Pessoas de pele mais clara têm mais chance de desenvolver a doença
Verdade.
As pessoas de pele mais clara têm um risco maior de desenvolver câncer de pele por possuírem menos melanina na pele. Essa substância serve como um protetor solar natural e biológico, ou seja, as pessoas que possuem mais melanina apresentam um fator natural de proteção maior contra a radiação solar. “Já as pessoas de pele mais clara não possuem essa proteção natural e acabam ficando mais expostas aos efeitos deletérios da radiação ultravioleta, sendo mais suscetíveis à melanose solar, ou seja, manchas escuras esparsas que ocorrem na face, no colo, no dorso das mãos e nos antebraços. Essas manchas têm significado importante, pois podem ser os primeiros sinais de um câncer de pele”, adverte Pazzini.

Pixabay

Dias nublados também requerem proteção solar
Verdade.
Em dias nublados, com nuvens claras e baixas, a insolação é menor (em torno de 40%). Entretanto, a emissão de raios ultravioletas independe de o céu estar ou não ensolarado, exigindo o uso de filtro solar da mesma forma.

Mole checkup. Professional dermoscopy

Somente regiões do corpo expostas ao sol podem ser afetadas
Mito.
Áreas que não são expostas podem desenvolver câncer de pele porque existem tipos da doença que não possuem uma relação tão importante com o sol, mas que podem ter um peso genético maior. “Exemplo disso são cânceres de pele melanoma que aparecem em unhas, mãos, pés, e em áreas genitais, que são locais cobertos”, ressalta Pazzini.

Queimaduras podem evoluir para câncer de pele
Verdade.
A queimadura solar, mesmo que intermitente (pessoas que não se expõem com frequência), é um fator de risco para alguns tipos de pele. Já as queimaduras cutâneas mais graves, de 2º ou 3º grau, provocadas por outros fatores, podem gerar futuramente um câncer não-melanoma, conhecido como “úlcera de marjolin”. “Uma dica fundamental é jamais se expor ao sol com produtos que tenham ácido retinoico na formulação. Eles são fotossensibilizantes e antagonistas ao sol. Além de provocar hiperpigmentação na pele, você pode sofrer queimaduras”, afirma o dermatologista.

Foto: InspiredMagazine

Excesso de exposição solar na infância aumenta a chance de câncer de pele no futuro
Verdade.
Isso influencia tanto no desenvolvimento de câncer em idades mais avançadas quanto no envelhecimento da pele. O sol possui uma ação cumulativa no DNA das células, ou seja, os danos celulares provocados pela radiação ultravioleta solar vão se acumulando no DNA da célula e esses são responsáveis tanto pelo surgimento de cânceres como por um estresse oxidativo nas células, resultando no envelhecimento cutâneo. “Daí a importância do cuidado com o excesso de sol desde sempre. Seja não se expondo muito, principalmente nos horários de pico, seja fazendo uso diário do protetor solar”, finaliza Pazzini.

Fonte: Renato Pazzini é dermatologista dos Hospitais Albert Einstein e Oswaldo Cruz, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Fellow em Dermatopatologia pelo Hospital Mount Sinai, em Nova York (EUA), e pelo Hospital Karolinska, em Estocolmo (Suécia)

Dezembro Laranja: conheça os sinais de alerta para câncer de pele no mês de prevenção da doença

Tipo de tumor maligno que mais afeta a população brasileira pode ter suas chances de incidência amplamente reduzidas com cuidados relacionados à exposição aos raios solares

A proximidade do verão, período que marca a alta nas temperaturas em todo o país, acende um importante alerta: a exposição prolongada ao sol sem proteção adequada pode levar a consequências importantes à saúde. Além de causar o envelhecimento precoce, o contato direto com raios nocivos aumentam em até dez vezes o risco de câncer de pele, o mais incidente entre os brasileiros, correspondendo a um total que ultrapassa a marca de 185 mil novos casos a cada ano – cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

E apesar de uma considerável parcela da população acreditar que sabe lidar com o sol por viver em um país tropical, campanhas de conscientização como o Dezembro Laranja são essenciais para que informações precisas sejam transmitidas e assim seja possível reduzir os índices deste tipo de câncer, evitável na maioria das situações.

“Os melanócitos e queratinócitos (células da pele) são os principais envolvidos no processo de fotoproteção e quando expostos à radiação solar podem aumentar em número e tamanho. O câncer de pele ocorre quando há um crescimento anormal e excessivo dessas células que compõem a pele e pode ser de dois tipos: melanoma e não-melanoma, sendo o primeiro responsável por 95% dos tumores cutâneos identificados entre os brasileiros”, explica Sheila Ferreira, oncologista da Oncoclínicas São Paulo.

De acordo com a especialista, esse índice está diretamente relacionado à constante exposição à radiação ultravioleta (UV) sem uso de proteção adequada. Por isso, é preciso estar atento aos sinais de alerta.

“Os principais sinais e sintomas de câncer não-melanoma são a presença de lesões cutâneas com crescimento rápido, ulcerações que não cicatrizam e que podem estar associadas a sangramento, coceira e algumas vezes dor e geralmente surgem em áreas muito expostas ao Sol como rosto, pescoço e braços”, diz a médica.

De olho na prevenção

Para pessoas que costumam ficar expostas ao sol, é preciso reforçar o uso do protetor solar diariamente, principalmente no rosto. Se a exposição aos raios solares for maior, como na praia ou piscina, é importante abusar do protetor no corpo todo, usar chapéus e evitar horários em que a incidência solar esteja mais forte.

“Pessoas de pele clara, cabelos claros ou ruivos, com sardas e olhos claros são mais propensas a desenvolver o câncer de pele. A idade é um fator que também deve ser considerado, pois quanto mais tempo de exposição da pele ao sol, mais envelhecida ela fica, aumentando também a possibilidade de surgimento do câncer não-melanoma”, destaca Sheila.

É importante a avaliação frequente de um especialista (dermatologistas) para acompanhamento das lesões cutâneas. A análise da mudança nas características destas lesões é de extrema importância para um diagnóstico precoce. O dermatologista tem o papel de orientar uma proteção adequada para descobrir os possíveis riscos que os raios solares de verão podem causar na pele.

Entenda os diferentes tipos de câncer de pele e os possíveis tratamentos

O câncer de pele não-melanoma pode ser classificado em: carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. O primeiro é o tipo mais frequente, com crescimento normalmente mais lento. O diagnóstico se dá, usualmente, pelo aparecimento de uma lesão nodular rosa com aspecto peroláceo na pele exposta do rosto, pescoço e couro cabeludo. Já no carcinoma espinocelular, mais comuns em homens, ocorre a formação de um nódulo que cresce rapidamente, com ulceração (ferida) de difícil cicatrização.

“Tanto o carcinoma basocelular quanto o espinocelular estão relacionados à alta exposição dos raios solares. Eles devem ser prevenidos com protetor solar e consultas frequentes com o dermatologista, sendo fatores fundamentais para detecção do câncer na sua fase inicial”, aponta a oncologista.

Já o chamado câncer de pele do tipo melanoma, apesar de considerado como sendo de baixa incidência – ele é responsável por 8.450 novos diagnósticos por ano -, é o mais agressivo e requer atenção redobrada. São geralmente os casos que se iniciam com o aparecimento de pintas escuras na pele, que apresentam modificações ao longo do tempo. As alterações a serem avaliadas como suspeitas são o “ABCDE”- assimetria, bordas irregulares, cor, diâmetro, evolução. “A doença é mais facilmente diagnosticada quando existe uma avaliação prévia das pintas”, finaliza Sheila Ferreira.

É recomendável a ressecção cirúrgica destas lesões por especialista habilitado para adequada abordagem das margens ao redor da mesma. Posteriormente, dependendo do estágio da doença, pode ser necessária a realização de tratamento complementar. Quando diagnosticada precocemente, quimioterapia ou radioterapia são raramente necessárias e a cirurgia é capaz de resolver a maioria dos casos.

Fonte: Oncoclínicas São Paulo

Não se iluda: bronzeado saudável não existe

Dermatologistas alertam sobre riscos da exposição solar e sobre a importância da proteção solar eficaz;

Infelizmente aquele bronze dourado e saudável não existe. Esse que é o desejo de muitas pessoas pode representar um perigo para a saúde da pele.

“Classificamos os tipos de pele de I a VI, de acordo com a capacidade de resposta à radiação ultravioleta (UV), sendo chamado fototipo I aquele que sempre se queima e nunca se bronzeia, até o VI, pele negra, totalmente pigmentada, com grande resistência à radiação UV. A pigmentação constitutiva – cor natural da pele – é definida geneticamente. A cor facultativa – bronzeado – é induzida pela exposição solar e é reversível quando cessa a exposição”, explica a dermatologista Ana Paula Fucci, Membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

O chamado “bronzeado dourado” é observado nas peles mais claras e, para ocorrer, ocasiona danos no DNA das células. “As consequências serão vistas anos mais tarde, em forma de fotoenvelhecimento, manchas ou lesões cutâneas malignas. O ideal é respeitar seu tipo de pele e sua sensibilidade ao sol. Nunca queimar a ponto de ‘descascar’. Importante: evite se expor ao sol entre dez e 16 horas”, detalha a dermatologista.

Ana Paula alerta ainda sobre os riscos de bronzeamento artificial, por meio das câmaras de bronzeamento: “Este é ainda mais prejudicial para a pele do que a exposição ao sol. A radiação é entregue de forma concentrada e direta, sem nenhum tipo de filtro ou proteção”.

A médica ressalta que filtro solar não é uma permissão para a exposição ao sol. “Ele é um grande aliado, desde que sejam seguidas as orientações de horário, evitar exposição exagerada e usar complementos como bonés, chapéus, óculos etc.”, reforça.

Proteção solar eficaz

A rotina de proteção solar é muito importante em qualquer época do ano, sobretudo agora no verão. “Não deixe para aplicar o filtro quando chegar na praia ou piscina, por exemplo. O ideal é aplicá-lo cerca de 20 minutos antes de se expor ao sol, para dar tempo de ser absorvido e começar a agir. Também devemos reaplicar o filtro solar a cada 2 horas, ou após se molhar ou suar muito”, destaca a dermatologista Fabiana Seidl, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Fabiana apresenta cinco dicas para uma proteção solar eficaz:

-“Utilize a quantidade correta de filtro: 2g/cm2, o que equivale a uma colher de chá cheia para rosto e pescoço. Para o corpo: uma colher de chá para o braço e antebraço, uma colher de chá para a frente do tronco e outra colher para as costas, duas colheres de chá para coxa e perna ( uma para parte da frente e outra para parte de trás);

Foto: InspiredMagazine

-“Use filtro com FPS 30 ou maior; e para as crianças ou pessoas que possuem pele mais sensível, FPS de no mínimo 50”;

-“Cuidado para não esquecer determinadas partes do corpo. As regiões mais esquecidas são: pálpebras, lábios, ponta e cantinhos do nariz, orelhas, nuca, mãos e pés. E é claro, para os homens calvos é fundamental aplicar nas áreas sem cabelos”;

-“Use roupas leves, claras e chapéu e óculos de proteção UV. Quem costuma ficar muito tempo no sol tem que redobrar os cuidados e investir em roupas com proteção ultravioleta. As roupas normais ajudam a impedir o bronzeado, mas não impedem que a radiação chegue até a pele, portanto roupas específicas com proteção UV são ideais”;

-“Cuidado com o guarda-sol! Os modelos de nylon devem ser evitados, pois deixam passar 90% da radiação ultravioleta. Opte por modelos de cor escura, feitos de algodão, lona ou fibras sintéticas. Também existem modelos com tecido com proteção UV”, finaliza Fabiana.

Fontes:
Ana Paula Fucci é dermatologista formada em Medicina pela Universidade Federal Fluminense(UFF). Residência em Clinica Médica na UFF e Dermatologia na UFRJ.
Título de especialista em Dermatologia. Membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e Academia Europeia de Dermatologia (EADV). Professora convidada do ambulatório de Dermatologia Estética (Cosmiatria) do Serviço de Dermatologia da UFRJ de 2012 a 2016.
Fabiana Seidl é dermatologista, com residência médica em clínica médica pela UERJ. Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Título de especialista em clínica médica.

Câncer de pele corresponde a 3 em cada 10 casos no Brasil

O último mês do ano, chamado de Dezembro Laranja, é dedicado à conscientização da neoplasia mais recorrente no país

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia – SBD, o câncer de pele é o tipo mais frequente no mundo e corresponde a 27% de todas as neoplasias malignas no Brasil. Isso porque, de acordo com levantamento da entidade divulgado no final de 2019, mais de 60% dos brasileiros não usam nenhum tipo de proteção solar no dia a dia.

“A melhor forma de prevenção ao câncer de pele é evitar expor-se ao sol, especialmente das 10h às 16h, e fazer uso diário de protetor solar para pele e lábios”, alerta o radio-oncologista do Instituto de Radioterapia São Francisco, Rafael Salera.

O médico ainda lembra que quando a exposição ao sol for necessária, como no caso de pessoas que trabalham ao ar livre, é importante também a escolha de vestuário adequado.

Tipos de câncer de pele

Pode-se dividir o câncer de pele em dois grandes grupos: melanoma e não melanoma.
• Os tumores não melanoma são constituídos principalmente pelo carcinoma basocelular (mais comum e menos agressivo) e o carcinoma epidermoide.
• Já o melanoma tem origem nas células produtoras de melanina (substância responsável pela pigmentação da pele). Esse último é o subtipo mais agressivo, com maior propensão a causar metástases.

A exposição intensa ao sol, capaz de causar queimadura cutânea, parece contribuir mais para o surgimento do melanoma que outros tumores de pele. “Por esse motivo, é frequente que esse câncer se desenvolva em áreas como costas e pernas, que são usualmente protegidas do sol no dia a dia mas são regiões comumente acometidas por queimaduras graves em situações de exposição aguda e intensa à radiação solar”, explica o médico.

“A exposição crônica à radiação UVA e UVB no dia a dia, que não é tão intensa a ponto de causar queimadura aguda, está associada aos tumores não melanoma, motivo pelo qual essas lesões são comuns em face, orelhas, dorso das mãos e antebraços”, explica Salera.

Fatores de risco

Segundo o radio-oncologistao, os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pele são:
• a exposição aos raios ultravioletas provenientes do sol ou câmaras de bronzeamento artificial (proibidas no Brasil desde 2009);
• pele clara;
• cicatrizes de queimadura;
• doenças hereditárias, como albinismo e xeroderma pigmentoso;
• imunossupressão;
• história pessoal ou familiar de neoplasia de pele.

“Pesquisas científicas indicam que indivíduos com história de cinco ou mais queimaduras cutâneas graves causadas por raios solares na infância têm o dobro de chance de desenvolverem melanoma”, comenta Salera.

Sintomas

Dentre os principais sintomas do câncer de pele, os mais comuns são o surgimento de nódulos, manchas, feridas que não cicatrizam em mais de quatro semanas ou sangram com facilidade e lesões em forma de crosta ou de coloração escura.

“É fundamental citar que a suspeita do câncer de pele baseada apenas na aparência das lesões é um desafio para os próprios profissionais de saúde. Por esse motivo as pessoas devem ser encorajadas a conhecer o próprio corpo e buscarem atendimento médico especializado em caso de detecção de qualquer alteração cutânea nova”, alerta o médico. “As chances de cura, quando descoberto no início, são de 90%”.

“É extremamente importante que a população conheça as formas de prevenção e se atente para o diagnóstico precoce a fim de se evitar tratamentos agressivos e, por outro lado, aumentar as taxas de cura”, finaliza.

Fonte: Instituto de Radioterapia São Francisco

Quarentena: aproveite para ficar atenta aos sinais suspeitos de câncer de pele

Maio é o Mês Internacional de Combate ao Melanoma; diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura desse câncer de pele agressivo

O isolamento social imposto pela pandemia relacionada ao novo coronavírus (SARS CoV-2) tem permitido que as pessoas cuidem mais de si mesmas em vários aspectos: seja com alimentação mais saudável, prática de exercícios em casa ou passando mais tempo com a família. Então, por que não aproveitar também para cuidar da nossa pele?

Como maio é o Mês Internacional de Combate ao Melanoma, este é um ótimo momento para aprender a identificar possíveis sinais da doença. Apesar de ser o menos incidente dos cânceres de pele (são estimados 8.450 novos casos por ano), melanoma é o tipo mais agressivo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 55 mil pessoas morram por conta da doença todos os anos, o que representa seis mortes por hora.

Pensando nisso, Antônio Carlos Buzaid, diretor geral do Centro Oncológico da Beneficência Portuguesa de São Paulo e membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein, traz algumas dicas para a realização do autoexame. “Como a maioria das pessoas estão em casa, usem esse tempo para observar todo seu corpo e analisar se há pintas ou manchas que se enquadrem na regra ABCDE”, sugere o médico. Essa regra foi criada para contribuir com o diagnóstico precoce e cada letra representa um ponto a ser analisado:

• Assimetria: uma metade da pinta ou mancha é diferente da outra parte.
• Borda: as bordas são irregulares, entalhadas ou dentadas.
• Cor: muitas vezes apresentam cor desigual. Tons de preto, marrom e canela ou áreas brancas, cinza, vermelha ou azul podem estar presentes.
• Diâmetro: o diâmetro é maior que 5 milímetros.
• Evolução: uma pinta ou mancha vem mudando de tamanho, forma, cor, aparência ou coçando ou sangrando.

melanomaimage10b-large

O oncologista ressalta que esses sinais não significam que você esteja com melanoma, mas são um indicativo para procurar por um dermatologista. “Essa regra é uma maneira que encontramos de ajudar a promover o diagnóstico precoce do melanoma. Dado que, quando identificado em seus estágios iniciais, o câncer é tratável e as chances de cura podem ser superiores a 90%”, reforça Buzaid.

Com base no estágio da doença e outros fatores (como idade e saúde geral do paciente), as principais opções de tratamento para melanoma são: cirurgia, terapia-alvo, quimioterapia, imunoterapia e radioterapia. Mediante os avanços dos estudos sobre a linha terapêutica mais adequada para cada perfil de paciente, identificou-se que existem dois tipos de melanoma: o que apresenta mutação genética (como o gene BRAF) e o que não apresenta.

Para os casos em que há mutação no gene BRAF – cerca de 50% dos pacientes[iii] -, uma modalidade de tratamento muito efetiva é a terapia-alvo. Este tipo de tratamento consiste em medicamentos administrados por via oral que atacam as células tumorais que são portadoras da mutação do BRAF e poupam as células normais, o que garante menos efeitos colaterais, por exemplo.

pele pinta indylasercenter
Foto: Indylasercenter

Durante todo o mês de maio, especialistas e associações de pacientes se mobilizam para combater o câncer melanoma com campanhas de conscientização sobre a doença e como realizar o autoexame para obter o diagnóstico precoce. É importante lembrar que o autocuidado também deve ser dedicado ao maior órgão do nosso corpo, que nos protege de tudo: a nossa pele.

Fonte: Novartis

Dia Mundial de Combate ao Câncer: prevenção começa pelo prato

Estudos científicos revelam que consumir produtos de origem animal pode aumentar o risco de desenvolver a doença em até 64%

O Dia Mundial de Combate ao Câncer é lembrado hoje (4) em todo o mundo, como forma de alerta conscientização para que as pessoas tenham acesso a tratamento e informações sobre a doença. Anualmente, mais de oito milhões de pessoas morrem em decorrência de algum tipo de câncer, em todo o mundo.

A prevenção ainda é considerada o melhor remédio e tudo indica que ela começa no prato. Análises científicas mostram cada vez mais evidências que os fatores alimentares estão diretamente associados ao surgimento da doença.

Produtos de origem animal e o câncer

salsicha e embutidos pixabay

A Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, já comprovou que a cada 50 gramas de carne processada consumida, o risco de câncer de cólon aumenta em cerca de 20%. Os grupos de estudos formados pela entidade analisaram mais de 800 estudos diferentes, investigando mais de 12 tipos de câncer em seres humanos, relacionados ao consumo de carne vermelha e carne processada, em vários países e com populações diversas.

“Vale a pena lembrar que o consumo de carne (de todos os tipos), no Brasil, é de 233 gramas por dia, em média, por pessoa, que é 3 a 4 vezes mais o que as diretrizes nutricionais sugerem para a população que come carne”, esclarece o médico nutrólogo e diretor do departamento de medicina e nutrição da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), Eric Slywitch.

Dieta vegetariana e prevenção ao câncer

O também médico, Sidney Federmann, acrescenta que o consumo regular e diário de leite e seus derivados, como os queijos e a manteiga, é consistentemente associado ao aumento no risco de câncer de próstata, principalmente ao tipo fatal. “A alimentação vegetariana estrita contém centenas de componentes que provocam a morte (apoptose) das células cancerosas a partir de vários mecanismos”, analisa.

O único fator de atenção está relacionado à vitamina B12. “Como a alimentação vegetariana estrita não contém vitamina B12, recomendamos o acompanhamento periódico dos níveis dessa vitamina no sangue. E vale lembrar que a deficiência de vitamina B12 é, também, bastante prevalente na população onívora, igualmente, demandando atenção”, conclui Federmann.

prato vegetariano

Tecnicamente falando, os cereais integrais, leguminosas, legumes e verduras, frutas, sementes e nozes, como a soja, arroz integral, milho, aveia, chás, brócolis, repolho, agrião, feijões, endívia, alho, tomate, morango, uvas têm polifenóis como kampferol, quercitina, galato de epigalocatequina, isoflavonas, miricetina, genistein, resveratrol, que inibem a captação de glicose pelas células cancerosas, causando déficit energético e levando-as à morte.

“Adotar uma dieta vegetariana é uma estratégia inteligente para a prevenção contra o câncer”, avalia Slywitch. Para aqueles que ainda têm alguma dúvida sobre o assunto, os dados mostram que vale repensar os hábitos alimentares, pois eles podem te salvar.

Quer saber mais? Assista ao vídeo O Câncer e o Consumo de Carne clicando aqui.

 

Alimentos com Vitamina A podem reduzir risco de câncer de pele

 

couve

Segundo estudo publicado em julho de 2019 no Journal of American Medical Association Dermatology, incluir uma batata-doce média ou duas cenouras cozidas diariamente na dieta reduz em até 17% o risco de câncer de pele

O Dia Mundial de Combate ao Câncer é uma data criada para aumentar a conscientização sobre a doença. O dia 4 de fevereiro serve também para incentivar a adoção de estratégias adequadas para atuar na prevenção do câncer, afinal, até 30% dos casos da doença podem ser prevenidos por meio de cuidados como praticar exercícios físicos, evitar fumar e ingerir bebidas alcoólicas, realizar exames anualmente, utilizar fotoprotetor diariamente e manter uma alimentação balanceada.

A alimentação possui tamanha importância na prevenção do câncer que um estudo da Brown University, publicado no final de julho no Journal of American Medical Association Dermatology, descobriu que a ingestão de frutas, verduras e legumes ricos em vitamina A está associada a um menor risco de um tipo comum de câncer de pele, chamado carcinoma de células escamosas.

mulher tomando sol protetor solar

E nem é necessário exagerar: ingerir duas cenouras grandes ou uma batata-doce média por dia já reduz em 17% o risco de câncer de pele. “Este é o segundo tipo de câncer de pele mais comum em pessoas de pele clara. O papel da vitamina A em ajudar na renovação das células da pele é bem conhecido, mas sua utilidade na redução do risco de câncer de pele tem sido motivo de controvérsia. O uso de protetor solar, e evitar a exposição à luz solar forte, são as principais recomendações para diminuir a incidência de câncer de pele. O atual estudo sugere que comer frutas e vegetais ricos em vitamina A pode ser outra boa maneira de diminuir esse risco”, diz o dermatologista Jardis Volpe*, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

A pesquisa atual avaliou ingestões dietéticas de vitamina A e taxas de detecção de câncer de pele em dois grandes estudos observacionais realizados ao longo de vários anos. Os dados do Nurses ‘Health Study foram coletados de 1984 a 2012 e analisaram mais de 75.000 mulheres americanas, enquanto o Estudo de Acompanhamento de Profissionais de Saúde acompanhou mais de 48.000 homens americanos de 1986 a 2012. Os dados coletados no acompanhamento incluíram a ingestão de alimentos, história de câncer de pele, cor do cabelo, incidentes graves com queimaduras solares e história familiar de câncer de pele, todos estes podendo contribuir para o risco de câncer de pele.

Dos 123.000 indivíduos, todos eram de fototipo claro (brancos), o que os colocava em maior risco de câncer de pele. Entre eles, havia quase 4.000 casos de carcinoma de células escamosas durante o período de estudo.

De acordo com o estudo, os pesquisadores estavam procurando evidências de associação entre câncer de pele e ingestão de vitamina A. “A conclusão foi a de que aqueles que tiveram a maior ingestão de Vitamina A proveniente de fontes vegetais tiveram um risco 17% menor de carcinoma de células escamosas em comparação com aqueles com a menor ingestão”, afirma o médico. Na dieta, essa “ingestão maior” pode ser comparada a comer duas cenouras grandes ou uma batata-doce média cozida diariamente.

vitamina_a frutas legumes amarelos laranja

Outra descoberta do estudo foi que a maior parte da vitamina A ingerida era proveniente de frutas e vegetais, e não de suplementos ou de produtos à base de animais. “Alimentos ricos em vitamina A incluem vegetais verdes folhosos como alface, além de cenouras e batatas-doces, e frutas como damasco ou melão. Compostos como a vitamina A, como o licopeno, foram encontrados em tomates e melancia, e também reduzem o risco de câncer de pele”, diz o médico.

A vitamina A é uma vitamina lipossolúvel que é convertida em vários retinóides, que são compostos bioativos necessários para a adequada maturação e diferenciação das células epiteliais. Formas sintéticas desses compostos são empregadas para prevenir o câncer de pele em populações de alto risco, mas têm um potencial significativo para danos. Daí o foco do estudo atual em fontes naturais de vitamina A para a quimioprevenção do câncer de pele é justificada. No estudo, a análise compensou a presença dos outros fatores de alto risco.

Mas é necessário tomar cuidado com relação à Vitamina A. O mesmo estudo também lembrou sobre a toxicidade do nutriente. “Fontes baseadas em animais e suplementos podem elevar os níveis sanguíneos de vitamina A, causando náusea, desequilíbrio do fígado, osteoporose e fratura de quadril. Na pele, pode causar ressecamento e no cabelo pode contribuir para a queda. No entanto, fontes vegetais de vitamina A geralmente não resultam em toxicidade”, lembra o médico.

“Como este estudo foi de natureza observacional, ainda é necessário um ensaio clínico randomizado com controles ou um grande estudo prospectivo para se chegar a uma conclusão quanto ao papel da vitamina A na redução do risco de câncer”, finaliza.

*Dermatologista; Diretor Clínico da Clínica Volpe (São Paulo). Formado pela Universidade de São Paulo (USP); Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia; Membro da Sociedade Americana de Laser, da SBD e da Academia Americana de Dermatologia; Pós-graduação em Dermatocosmiatria pela FMABC; Atualização em Laser pela Harvard Medical School.

Aprenda a escolher um bom protetor solar

As farmácias, mercados e lojas na internet estão cheias de opções de proteção contra o sol. Na temporada mais leve e livre do ano em que as pessoas estão de férias, praticam corrida, caminhada, andam de bicicleta, skate, patinete, fazem passeios no parque, tomam banho de piscina e praia é preciso ficar muito atento à exposição da pele aos raios solares.

Os raios UVA e UVB produzidos pelo sol representam 95% da radiação que atingem o corpo e penetram profundamente na pele. O efeito cumulativo dessa radiação provoca o surgimento de pintas, sardas, manchas, rugas e até tumores benignos ou malignos. Para evitar tais problemas, o ideal é se proteger com um bom protetor solar. Você já escolheu o seu?

Simone Neri, dermatologista, tira algumas dúvidas e dá dicas de como escolher um protetor para aproveitar o sol de verão com alegria e segurança. Confiram:

– Quais os benefícios de usar protetor solar?

mulher protetor solar

Os protetores solares ou filtros solares, são produtos capazes de prevenir os males provocados pela exposição solar, como o câncer da pele, o envelhecimento precoce e a queimadura solar. A exposição à radiação ultravioleta (UV) tem efeito cumulativo e os raios solares penetram profundamente na pele, podendo provocar diversas alterações, como o surgimento de pintas, sardas, manchas, rugas e outros problemas.

– Como funciona um protetor solar?

protetor solar colorido fapesp
Foto: Wikimedia

Ele impede que os raios ultravioletas emitidos pelo sol penetrem nas camadas mais profundas da pele. Os chamados filtros físicos fazem com que a pele não absorva os raios porque contêm substâncias refletoras. Já nas formulações químicas, a atuação dos ingredientes é mais complexa. Quando os raios atingem o corpo, encontram moléculas do produto que absorvem a energia do Sol. A absorção agita as moléculas, que ficam em estado de excitação, voltando em seguida ao estado natural, o que faz com que a pele receba uma fração de energia solar menos agressiva e reflita o restante.

— Qual o fator mínimo recomendado de filtro solar?

protetor solar pedro j perez
Foto: Pedro J. Perez/MorgueFile

Existem dois fatores de medição de proteção solar: FPS e PPD. O FPS diz respeito ao filtro dos raios ultravioleta do tipo B, que são os raios que o sol emite e que causam aquela aparência avermelhada na pele e queimaduras solares. Já o PPD, é o fator de medição da proteção contra os raios ultravioleta A, que são os raios emitidos pelo sol e que penetram profundamente na pele, além de causarem um dano progressivo, também, são os maiores responsáveis aos danos a longo prazo nas células e ao temido câncer de pele. Portanto, quando você for escolher um filtro solar, você deve observar os dois fatores: FPS e PPD.

– Mas como escolher?

mulher rotulo embalagem

É aconselhável que os filtros solares tenham no mínimo FPS 30 e PPD mínimo de 1/3 desse valor, segundo o Consenso Brasileiro de Fotoproteção. Porém, se for uma pele clara, dê preferência aos filtros com FPS de no mínimo 60 e PPD de 20, que certamente a pele estará mais protegida.

– Qual a maneira correta de usar protetor solar?

protetor -solar- rosto

O produto deve ser aplicado ainda em casa, e reaplicado ao longo do dia a cada duas horas. É necessário aplicar uma boa quantidade do produto, equivalente a uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo, espalhar uniformemente, de modo a não deixar nenhuma área desprotegida. O filtro solar deve ser usado todos os dias, mesmo quando o tempo estiver frio ou nublado, pois a radiação UV atravessa as nuvens. É importante lembrar que usar apenas filtro solar não basta. É preciso complementar as estratégias de foto proteção como, por exemplo, ao sair ao ar livre, procurar ficar na sombra, evitar o sol entre 10 e 16 horas, quando a radiação UVB é mais intensa, usar roupas, chapéus e óculos apropriados, e sempre ter a mão um protetor solar com fator de proteção solar de no mínimo (FPS) 30.

– Quanto tempo dura o efeito do protetor solar?

mulher protetor solar praia

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda reaplicação de filtros solares a cada duas horas ou após longos períodos de imersão. Intervalos específicos de aplicação podem ser sugeridos pelo fabricante desde que comprovados por estudos específicos.

– Podemos usar o mesmo protetor solar do corpo no rosto?

protetor-solar-333

Sim, porém, como a pele do corpo geralmente é mais seca que a do rosto, dê preferência por filtros em loção, que podem ajudar a hidratar a pele.

– Qual o melhor fator de protetor solar para o rosto?

mulher usando protetor solar

O fator de proteção solar (FPS) é a principal medida de eficácia de um protetor solar, quantificando o quanto o produto é capaz de ampliar a proteção contra a queimadura solar. Dessa forma, um hipotético filtro solar com FPS 30 seria capaz de evitar que o usuário se exponha ao sol sem ser atingido por queimadura, 30 vezes mais do que sem o uso do produto.

– Protetores em produtos como, por exemplo, cremes, bases, pó compacto têm o mesmo efeito que um protetor solar não combinado a esses produtos?

shutterstock mulher pele rosto

Sim, todos eles têm o mesmo efeito.

– Quantas vezes por dia devo aplicar o protetor solar?

mulher protecao solar praia qsun

Depende, se estiver em ambientes fechados e não estiver transpirando muito, os filtros podem ser reaplicados a cada 4 horas. Em ambientes abertos e com transpiração, aplique a cada duas horas. Se estiver se banhando na piscina ou mar, reaplique o protetor sempre que sair da água.

Fonte: Simone Neri é dermatologista graduada em Medicina pela Universidade de Santo Amaro Unisa, possui residência em Clínica Médica e em Dermatologia e é ex-preceptora do Ambulatório de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Unisa, médica plantonista do Pronto Socorro do Hospital São Luiz, ex-coordenadora médica do Pronto Socorro do Hospital São Luiz Anália Franco. Possui consultório no bairro de Higienópolis, em São Paulo.

La Roche-Posay apresenta Anthelios HydrAOX FPS 60

Com acabamento invisível e textura ultra fluida, o protetor solar oferece maior concentração de Água Termal La Roche-Posay e é indicado para todos os tipos de pele

Mesmo em dias nublados, a pele está diariamente exposta à radiação ultravioleta A e sujeita às suas agressões. Os raios UVA são responsáveis por produzir radicais livres que levam ao envelhecimento precoce causado pelo sol, manchas solares e outros efeitos negativos.

Pensando em oferecer o maior cuidado todos os dias, La Roche-Posay, marca de proteção solar mais recomendada pelos dermatologistas no Brasil, lançou o Anthelios HydrAOX FPS 60. Com acabamento invisível e textura não-pegajosa, o novo protetor solar oferece a maior proteção UVA da história da gama Anthelios e do mercado de proteção solar até FPS80, com PPD 46.

O PPD é o índice que determina a proteção contra os raios UVA (ultravioleta A). Por serem constantes durante o dia e não sofrerem grandes variações, acabam, muitas vezes, não sendo percebidos e penetram mais profundamente na pele, causando danos a longo prazo, podendo até provocar câncer da pele. Por isso, quanto maior o PPD, maior a proteção contra essas radiações.

Já o FPS é o fator de proteção contra os raios UVB (ultravioleta B). Mais intensos ao meio-dia, são os responsáveis pelas queimaduras solares e estão ligados diretamente ao câncer da pele. O Anthelios HydrAOX oferece proteção de amplo espectro contra os danos do sol.

Esta fórmula conta com a Tecnologia HydrAOX, que permite a combinação da maior concentração de Água Termal de La Roche-Posay e vitamina E em um protetor solar da linha Anthleios, ao mesmo tempo que proporciona textura ultra fluida, absorção imediata e um acabamento invisível.

Indicado para todos os tipos de pele, o Anthelios HydrAOX é muito resistente à água e ao suor. Sua alta proteção UVA junto ao complexo antioxidante permite que Anthelios HydrAOX tenha alta proteção contra os danos dos radicais livres, que surgem com a exposição à radiação UVA e são responsáveis pelo envelhecimento precoce, macha solares, entre outros danos à pele.

Além disso, o protetor possui eficácia antioxidante, protegendo a pele dos efeitos nocivos causados pela radiação UV e poluição. Os raios UVA são constantes em áreas de poluição, como grandes cidades ou áreas empresariais, pois conseguem passar pelas nuvens e janelas facilmente. Juntos, os raios UVA e UVB contribuem para o aparecimento de rugas e flacidez.

Anthelios-HydrAOX-FPS-60-Bahia-Social-Vip.jpg

Anthelios HydrAOX pode ser encontrado no DermaCub com preço sugerido ao consumidor no valor de R$ 89,90 e em outros parceiros comerciais, como farmácias, drogarias e sites de e-commerce, na versão de 50g.

Informações: La Roche

Médica alerta: cuidado com a insolação

A insolação é uma condição séria provocada pelo excesso de exposição ao sol e ao calor intenso. Ela acontece quando a temperatura corporal ultrapassa os 40ºC, fazendo com que o mecanismo de transpiração falhe e o corpo não consiga se resfriar.

O quadro de insolação merece especial atenção porque com o aumento rápido da temperatura corporal, a pessoa acaba perdendo muita água, sais e nutrientes importantes para manutenção do equilíbrio do organismo.

É importante lembrar que a condição da insolação está bastante associada ao clima quente e seco, mas também pode ocorrer em ambientes úmidos. É uma condição que pode ser fatal. O atendimento médico deve ser imediato, assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas, para evitar o óbito e outras complicações, como danos no cérebro, coração, rins e músculos.

Causas

Segundo a dermatologista Leontina da Conceição Margarido, delegada da Associação Paulista de Medicina (APM) e membro da Academia de Medicina de São Paulo, “A insolação pode ocorrer em qualquer tipo de pele, mas é pior nas pessoas com pele e olhos claros. Os ruivos são os mais susceptíveis às queimaduras e suas consequências”.

O problema é causado basicamente por situações de exposição prolongada ao sol e ao calor. Normalmente acontece em ambientes muito quentes ou em situações que provoquem aumento rápido da temperatura corporal, como, por exemplo:

mulher verão praia piscina corpo

=Passar muito tempo exposto ao sol sem protetor solar (na praia, no clube, na piscina etc).
=Praticar atividades extenuantes, ou seja, que causam esgotamento, enfraquecimento físico.
=Usar excesso de roupas, especialmente no calor.
=Ficar sem se hidratar por muito tempo.

A prática regular de atividades físicas é uma orientação padrão dos médicos, especialmente por melhorar a qualidade de vida e prevenir uma série de doenças crônicas, como diabetes, câncer e hipertensão. No entanto, atividades exaustivas, que causam debilitação na pessoa, provocam o efeito inverso, contribuindo para insolação e, em casos mais graves, lesões de diversos tipos e até mesmo a morte.

Apesar de o ambiente externo ser mais propício ao aparecimento do problema, é fundamental ter cautela. Barraca ou guarda sol, por exemplo, não protegem dos raios solares, eles refletem no solo e acabam atingindo mesmo aqueles que estão na sombra. “A proximidade com a água, areia e neve também aumentam a incidência de luz e intensificam a exposição à radiação”, alerta Leontina.

O que fazer

Ela causa sintomas que vão aparecendo aos poucos. Os primeiros sinais são:

.dores de cabeça;
.tontura;
.náusea;
.pele quente e seca;
.pulso rápido;
.temperatura elevada;
.distúrbios visuais;
.confusão mental.

Dependendo do tempo de exposição ao sol, os sintomas podem ser mais graves e podem incluir, entre outras coisas:

.respiração rápida e difícil;
.palidez (às vezes desmaio);
.convulsão;
.temperatura do corpo muito elevada;
.extremidades arroxeadas;
.fraqueza muscular;
.coma;
.morte.

pele-queimada-de-sol

A insolação provoca o aumento de, pelo menos, 25% das chances de desenvolver câncer de pele. Além disso, favorece o aparecimento de sardas, melasma, queimaduras e envelhecimento precoce.

“É preciso estar atento às lesões que mudam de tamanho, de cor, começam a coçar, doer, arder. Feridas que demoram em cicatrizar ou não cicatrizam, são sinais de degeneração e que não pode ser ignoradas”, completa.

É essencial buscar ajuda médica imediata assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas de insolação.

Fatores de risco

Alguns fatores, hábitos, posturas, comportamentos e situações podem aumentar os riscos de insolação. Crianças, idosos, pessoas com doenças crônicas, como câncer, diabetes, hipertensão, e pessoas com imunidade baixa, como transplantados e portadores de HIV/Aids, devem ter cuidado especial com a insolação, uma vez que esta condição pode provocar efeitos colaterais graves com maior probabilidade nesse público.

Atenção a:

=Não beber líquidos adequadamente.
=Ingerir muito álcool ou cafeína.
=Pessoas que têm gastroenterites.
=Pessoas que fazem uso de medicamentos para pressão alta, diuréticos, antidepressivos ou antipsicóticos.

Fonte: Associação Paulista de Medicina (APM)