Arquivo da tag: cérebro

Molho de tomate promove benefícios à saúde do cérebro e do coração

O molho de tomate é um ingrediente presente no dia a dia de grande parte dos brasileiros por ser o parceiro perfeito para massas. Mas, além de versátil e saboroso, o item culinário ainda garante diversos benefícios a saúde.

“Além da versão tradicional ser pouco calórica, estudos apontam que o molho de tomate ajuda a melhorar a circulação e a saúde cardiovascular, aumenta as defesas o organismo, protege contra os radicais livres, tem ação desintoxicante e previne contra câncer e doenças neurodegenerativas”, afirma Renata Domingues, médica especializada em Nutrologia, diretora responsável da Clínica Adah e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia Médica (Abranutro).

tomate extrato pixabay
Pixabay

O problema é que, ao chegarmos nas prateleiras dos mercados, encontramos diferentes variações de molho de tomate, como a polpa de tomate e o extrato de tomate. Mas, afinal, qual é a diferença entre estes produtos? De acordo com a Dra. Renata, a principal diferença está na concentração, ou seja, quantos tomates foram utilizados para fazer cada um destes ingredientes.

“Enquanto o molho de tomate comum é o tomate processado, já temperado e pronto para o consumo, a polpa de tomate, também chamada de purê, é simplesmente o tomate processado, para que você tempere como preferir. Por fim, o extrato de tomate é a polpa de tomate concentrada, sendo necessário diluí-la antes de consumir”, destaca a médica.

Já com relação aos aspectos nutricionais, existem algumas diferenças, mas nada muito considerável. De acordo com a especialista, o mais importante é observar os rótulos e ficar atento as quantidades de sódio, gordura, conservantes, amido modificado, extrato de levedura e glutamato monossódico para escolher a opção mais saudável. “É preciso tomar cuidado também com as opções light e zero disponíveis no mercado hoje, pois essas variações podem ter seus valores nutricionais alterados, levando a perda da qualidade original do produto”, explica.

“Se você está procurando a opção mais saudável, o ideal é optar pelos molhos orgânicos, já que estes combinam tomates cultivados ecologicamente com ingredientes igualmente saudáveis, como sal marinho e ervas aromáticas, sendo assim menos calóricos e mais saborosos, além de conterem mais licopeno do que os molhos convencionais”, indica a médica.

Por fim, é essencial observar a integridade da embalagem do produto, pois é um ponto fundamental para garantir a qualidade do molho, já que tem como principal função proteger os alimentos contra as condições externas, como luz e microrganismos, e evitar a perda de aroma e gosto.

molho_de_tomate

“Melhor que decidir entre as diferentes formas do molho de tomate industrializado, é preparar o seu próprio molho em casa, já que, além de ser muito mais gostoso e saudável, não tem conservantes e preserva boa parte dos valores nutricionais do alimento”, finaliza Renata.

Fonte: Renata Domingues é médica especializada em Nutrologia, vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia Médica (Abranutro) e diretora responsável pela Clínica Adah. Pós-graduada em Nutrologia Médica e em Ciência da Fisiologia Humana e Longevidade Saudável, a nutróloga é membro da World Society of Interdisciplinary of Anti-Aging Medicine (Wosiam)

 

Dia do Alzheimer: uma data para não esquecer

Diversas atividades são recomendadas para a manutenção do bom funcionamento do cérebro, dentre elas a ginástica para o cérebro

Sábado passado, 21 de setembro, foi celebrado o Dia Mundial de Conscientização do Alzheimer. De fato, a data serve para sensibilizar e informar a população em relação aos indícios e cuidados que podem ser tomados para a prevenção e minimização dos sintomas da doença.

Embora a doença ainda não tenha cura, é possível postergar o surgimento dos sintomas com atividades que mantenham a mente ativa por toda a vida, quebrando os estigmas relacionados ao Alzheimer.

cabeça cerebro doença geralt-pixabay

Para marcar a data, durante todo o mês de setembro, as unidades do curso Supera – Ginástica para Cérebro oferecem aulas gratuitas para promover a sensibilização acerca dos cuidados com o cérebro.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), para se manter um processo de envelhecimento saudável com autonomia e independência, as diretrizes são: manutenção da preservação cognitiva, realização de atividades físicas regulares, adoção de uma dieta balanceada, sono de boa qualidade e prática de atividades intelectuais, como a ginástica para o cérebro.

Por isso, durante todo o mês, as 400 unidades do Supera estão de portas abertas, oferecendo aulas gratuitas para incentivar a população a cuidar da saúde do cérebro e conscientizar acerca dos benefícios de exercitá-lo diariamente.

A prática de exercícios para o cérebro é uma das atividades mais eficazes para que se construa uma rede robusta de neurônios, formando uma reserva no cérebro, postergando assim o aparecimento dos sintomas da doença e fazendo com que a pessoa possa vir a não desenvolvê-los, garantindo saúde e qualidade de vida por mais tempo.

“Ao estimular o cérebro, o fluxo sanguíneo aumenta e há um crescimento na produção de proteínas da aprendizagem e da rede neural. Ocorre ainda um processo chamado neurogênese, ou seja, o nascimento de novos neurônios, deixando o cérebro mais resistente ao desenvolvimento de doenças neurológicas”, explica a pesquisadora Thaís Bento Lima, que é Gerontóloga – consultora do Supera Ginástica para o Cérebro e
docente do Curso de Graduação em Gerontologia da Universidade de São Paulo e membro do Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento, da USP.

Leonardo Kawashita, diretor da unidade Supera Rudge Ramos ressalta os benefícios que a ginástica para o cérebro oferece aos idosos, sobretudo na manutenção e melhora da capacidade cognitiva.

“Cada ser humano possui uma capacidade cerebral específica para a manutenção da resiliência do cérebro, apresentando condições de proteção e tolerância diferentes. Por contar com atividades variadas, a ginástica para o cérebro é uma grande aliada na manutenção de um cérebro saudável”, ressalta o diretor.

Além de ser responsável pela criação de novos neurônios e aumento da reserva cognitiva, a ginástica para o cérebro ainda promove a melhora da autoestima, contribuindo para o bem-estar e evitando outras doenças, como a depressão, muito comum entre idosos.

Os alunos da rede Supera são as maiores provas dos benefícios da ginástica cerebral. Em 13 anos, mais de 130 mil pessoas já treinaram o cérebro no Supera e podem dar depoimentos positivos sobre seus resultados.

ms_nerves_istock- nervos cerebro esclerose
iStock

“Eu sentia necessidade de exercitar o cérebro, principalmente porque tenho caso de Alzheimer na família. O curso veio em boa hora, com minha aposentadoria. Percebi melhoras na memória, nas atividades do dia a dia, como lembrar onde guardei as coisas, horários de consultas médicos e outras tarefas”, afirma a aluna Maria Santana de Souza, 71 anos, aluna do Supera Londrina (PR).

“Depois que comecei a praticar ginástica para o cérebro, retenho com muito mais facilidade o que leio ou escuto, além de conseguir fazer até cálculos mentalmente. Também ajudou a melhorar minha autoestima e segurança, o que faz com que eu me posicione melhor diante de várias situações do cotidiano”, conta Priscila Webber, de 36 anos, aluna do Método Supera Passo Fundo (RS).

Como funciona a ginástica para o cérebro?

Idosos-realizam-atividades-para-o-cerebro-3

No curso do Supera, os alunos participam de aulas semanais, com duração de duas horas. Eles interagem com ferramentas como o ábaco – um instrumento milenar para cálculos -, jogos de tabuleiro coletivos e individuais, jogos online, dinâmicas, vídeos e neuróbicas (atividades aeróbicas para os neurônios).

A metodologia foi 100% desenvolvida por Antônio Carlos Perpétuo, presidente da rede, junto à uma equipe de pedagogos e neurocientistas para o desenvolvimento de habilidades cognitivas e socioemocionais importantes para o aprendizado, a carreira e a vida pessoal.

Informações: Supera de São Bernardo do Campo – Unidade Rudge Ramos pelo telefone (11) 4177-5013 e whatsapp (11) 99619-6984

Como melhorar sua performance mental*

Acredito que muitos já ouviram falar da palavra “performance”, né? Ela, geralmente, é atrelada a condições físicas, mas também pode ser equiparada ao lado emocional, que afeta diretamente a criatividade, o foco, a memória e consequentemente, o aprendizado. O que, convenhamos, é essencial para o sucesso.

É conhecido hoje na medicina que se o nível de testosterona no homem ou na mulher estiver muito baixo, haverá a tendência de se desenvolver depressão e perda de concentração. Se os níveis de cortisol estiverem altos, haverá déficits no funcionamento cognitivo. Portanto, a performance mental vai muito além do simples lado emocional, tendo fatores externos ou não, ela é responsável por influenciar um determinado comportamento do cérebro 24 horas por dia.

Não estou falando aqui de uma mera questão psicológica, mas, sim, de tratar a mente como parte de um organismo complexo, que é o nosso corpo. Já está mais do que comprovado: você é o que a sua mente pode ser! Apesar disso, poucas pessoas apostam na performance mental.

Diariamente, enquanto trabalhamos, estamos colocando ela em prática, mas nem sempre com o máximo de seu potencial. Conseguir manter o seu nível de estresse diário sob controle, diante das adversidades que vão surgindo, não é uma tarefa fácil, porém, é possível e sempre podemos melhorar. Como?

Hábitos como os da meditação, alimentação e atividade física, estão diretamente ligados a estes fatores. Por exemplo, ter uma dieta equilibrada e consumir alimentos anti-inflamatórios, pobres em carboidratos, ricos em gordura, ômega 3 (e o componente DHA), peixe, azeite de oliva, etc., e evitar o glúten, leite e outros alimentos alérgenos, é fundamental. Enquanto os primeiros trazem nutrientes, vitamina e energia, os segundos causam a inflamação do cérebro, o que compromete o seu rendimento.

O uso de smart drugs também são uma opção, mas, claro, com a recomendação médica. Antigamente, eles serviam ao propósito de tratar distúrbios como epilepsia, narcolepsia e doença de Alzheimer. Entretanto, com o tempo, as pessoas saudáveis começaram a utilizar remédios para memória e concentração como estimulante para impulsionar seu desempenho. Em geral, eles proporcionam esses benefícios e ajudam a aumentar a produtividade.

As atividades físicas também são essenciais, principalmente exercício aeróbicos que estão diretamente ligados à performance mental. A meditação é a chave para o sucesso, pessoal e profissional, e deve ser cada vez mais praticada, pois um dos seus primeiros resultados é a melhora da concentração e do foco.

cerebro alzheimer

O sono é outro fator que contribui para melhorar ou prejudicar o cérebro. Basicamente, a performance mental é dividida em quatro subáreas: foco e concentração, aprendizado, memória e criatividade. Todas ficarão comprometidas diante de noites de sono maldormidas. Nosso corpo é uma máquina na qual o cérebro é o comandante e, quando um comandante não vai bem, isso reflete em todo o resto ao seu redor, inclusive no que é externo.

Para ter uma vida equilibrada, um emocional forte e uma carreira bem sucedida é preciso ser o líder que a sua mente pode ser. E lembrar-se sempre que a performance mental é essencial para manter a vivência na linha do sucesso.

Thiago Volpi é formado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP), e pós-graduado em Nutrologia, fundou em 2006 o Espaço Volpi, clínica especializada em tratamentos para emagrecimento, estética, beleza, saúde e bem-estar aliados à performance mental, e que hoje conta com 47 profissionais especializados. 

Memória ruim? Sono de má qualidade pode ser o problema

Conheça o papel de uma boa noite de sono para a aprendizagem e bom funcionamento do cérebro

Em uma sala de aula, um jovem aluno esquece uma das fórmulas matemáticas que passou a noite estudando. No escritório, uma empresária é lembrada de uma reunião, que ela mesma havia marcado com um cliente logo pela manhã. A expressão “esqueci” pode ser muito comum no dia a dia de algumas pessoas, mas a frequência dela pode indicar alguns problemas como estresse e, até mesmo, a falta de uma boa noite de sono. Mas qual seria a relação de dormir bem com a memória?

Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia – Riverside e publicado no Journal of the International Neuropsychological Society, revela pela primeira vez os impactos negativos isolados de três fatores que contribuem para a perda de memória recente: sono, idade e humor. Os pesquisadores chegaram à conclusão que uma noite maldormida afeta de forma quantitativa a capacidade de memorização das pessoas, ou seja, diminuem as chances de eventos e tarefas serem armazenadas no cérebro.

Segundo a consultora do sono da Duoflex, Renata Federighi, um descanso de qualidade é essencial para a construção da memória. “É na fase mais profunda do sono que o nosso cérebro consolida toda a aprendizagem adquirida durante o dia. Esse estágio é importante para construir e fixar conhecimentos. A privação do repouso atrapalha o desempenho desse ciclo, o que aumenta as chances de esquecermos informações recentes”, destaca.

Para a formação da memória são necessárias três fases. As duas primeiras, aquisição e evocação, ocorrem quando se está acordado, é neste momento que o cérebro obtém novas experiências e informações, ao mesmo tempo que relembra conhecimentos já adquiridos. Enquanto que a consolidação, terceira fase, ocorre durante o sono.

Dormir bem também vai ajudar a manter o foco e o raciocínio necessários para a construção da memória nas fases ligadas ao período do dia em que as pessoas estão acordadas. “A memória está relacionada com tarefas conectadas à cognição das pessoas, como o aprendizado, raciocínio, resoluções de problemas e compreensão. A privação do sono e interrupções dele podem causar problemas cognitivos e emocionais. Por esse motivo, um repouso de qualidade deve ter um papel de destaque na manutenção da saúde mental” completa Renata.

mulher sono insonia

Alguns cuidados podem ser seguidos para melhorar a noite de sono. “Se atentar para o uso de travesseiro e colchão que ofereçam conforto e prezem por manter uma disciplina postural vai colaborar para um descanso de qualidade. Além disso, manter o ambiente arejado, silencioso e o mais escuro possível e seguir uma alimentação leve e saudável até três horas antes de dormir, podem auxiliar em noites mais agradáveis”, conclui a consultora da Duoflex.

Fonte: Duoflex

Para existir saúde plena, o intestino tem que funcionar bem, por Leonard Verea*

O intestino determina, em grande parte, nossas emoções, estado mental e até preferências alimentares. Da saúde do intestino depende a saúde do cérebro. À primeira vista, essas afirmações podem parecer irreais – mas não são. Considere os seguintes fatos:

O intestino tem mais neurônios que a medula espinhal – cerca de 100 milhões – perdendo apenas para o cérebro em número de neurônios. Ele fabrica muito mais serotonina que o cérebro. Mais exatamente 95% dela são fabricadas e armazenadas no intestino. Serotonina é um neurotransmissor – substância química fabricada pelos neurônios e que possui papel vital na transmissão e processamento das informações e estímulos sensoriais por meio dos neurônios.

intestino-flora-pixabay

O equilíbrio da serotonina determina, em última análise, o “fundo musical” dos nossos pensamentos. Dependendo do fundo musical, uma mesma cena (pensamento) pode ser interpretada como alegre, triste, pavoroso, engraçado, neutro, relaxante ou aterrorizante.

Além da serotonina, o intestino fabrica e utiliza mais de 30 neurotransmissores – substâncias envolvidas na transmissão e processamento das informações pelos neurônios, tanto do intestino quanto do cérebro. Todos esses neurônios e neurotransmissores são necessários para a complexa função que é a passagem dos alimentos pelo intestino – a chamada digestão.

O processo de digestão envolve, entre outras coisas, o monitoramento da pressão exercida pelo alimento na parede do intestino a cada momento; o movimento coordenado desse alimento ao longo do intestino; o progresso do processo digestivo; a concentração de sal, nutrientes, acidez, alcalinidade – tudo isso sem ajuda do cérebro.

Ao mesmo tempo, esses mesmos neurônios e neurotransmissores, em conjunto com os do cérebro, fazem parte da rede neural responsável pela conexão entre o bem-estar emocional e o bem-estar físico. E também, é claro, o mal-estar.

Neurotransmissores como a serotonina conectam o que ocorre no cérebro com o que ocorre no intestino e vice-versa. A quase totalidade de quem sofre de doenças crônicas envolvendo o cérebro, como, por exemplo, depressão, pânico, ansiedade, enxaqueca, autismo, esquizofrenia etc, sofre também de problemas no sistema digestivo em maior ou menor grau, como constipação intestinal (intestino preso), síndrome do intestino irritável (alternância entre períodos com intestino muito solto e períodos com intestino preso), cinetose (enjoo fácil quando em movimento, por exemplo, numa simples viagem de carro ou ônibus), colite, doença de Crohn (tipo especial e potencialmente grave de inflamação no intestino), e todo tipo de má digestão e intolerâncias alimentares.

Emoções extremamente fortes podem causar desde “frio no estômago” até diarreia e/ou vômitos. Quantos de nós não lembramos de pelo menos um dia muito importante, na infância ou adolescência – pode ter sido uma viagem muito esperada, um prêmio muito antecipado, um final decisivo de torneio ou competição, ou até uma prova escolar – quando, justamente naquele dia, aconteceu uma diarreia e/ou vômito “inexplicável”?

vomito-dor-doente-mulher-african-rubiz

Situações de estresse podem também provocar um aumento da permeabilidade do intestino, resultando na absorção de “pedaços” maiores, incompletamente digeridos, de material digestivo, os quais, uma vez na circulação sanguínea, não são reconhecidos pelo organismo como nutrientes a serem aproveitados, mas, sim, como corpos estranhos a serem atacados pelo sistema imunológico, provocando reação com produção de anticorpos. Uma reação inútil, que apenas serve para criar todo um estado inflamatório no nosso corpo e cérebro, o que predispõe a uma série de doenças. Isso além de diminuir o “gás” de nosso sistema imunológico para combater os vírus e bactérias causadores de doenças que realmente importam, e predispondo, em consequência, a toda sorte de infecções.

Alimentos ásperos, de impossível digestão – inclusive muitas das tão festejadas “fibras” – podem causar irritação e dano às delicadíssimas células epiteliais que recobrem o intestino, resultando em aumento da permeabilidade do intestino com as mesmas consequências do parágrafo anterior.

Você já se perguntou como os “chás emagrecedores” funcionam? Eles agem provocando irritação no intestino, o que resulta em digestão incompleta, absorção incompleta, aumento da velocidade do “trânsito intestinal” e eliminação mais rápida de alimentos que poderiam ter sido muito melhor digeridos. Não sem que alguns desses “pedaços” tenham sido indevidamente absorvidos, provocando – mais uma vez – um estado inflamatório em todo nosso organismo.

A esta altura você já deve ter compreendido que o mesmo processo vale para quem faz uso muito frequente de laxantes – naturais ou não. E inflamação inútil é exatamente o que não precisamos. As mais variadas doenças são causadas e/ou “turbinadas” por processos inflamatórios. Não apenas doenças acompanhadas de dor – como enxaqueca, cólicas menstruais, tendinites, fibromialgia e muitas outras “ias”, “ites” e dores que existem no universo –, mas também doenças que não envolvem dor física. Porém, envolvem processos inflamatórios, como esclerose múltipla, esquizofrenia, autismo, entre uma série de problemas de ordem cerebral, mental e comportamental.

Cada vez mais, a ciência vem percebendo que por trás de todas as doenças existe um componente inflamatório. Tais reações de anticorpos contra “pedaços” mal digeridos de nutrientes pode ter consequências ainda mais desastrosas, na eventualidade de um desses “pedaços” ser confundido, pelo sistema imunológico, como sendo uma parte do corpo. Nesse caso, anticorpos começam a atacar estruturas do próprio corpo (por exemplo da glândula tireoide, cérebro, articulações ou qualquer outro órgão ou tecido), simplesmente por confundirem essas estruturas pertencentes ao nosso organismo com a estrutura química tridimensional de algum desses “pedaços” de material digestivo presentes, indevidamente, na circulação.

Esta confusão e ataque a estruturas do nosso próprio corpo por parte dos anticorpos recebe o nome de autoimunidade. Doenças autoimunes são aquelas que resultam do ataque a órgãos e tecidos do corpo pelos nossos próprios anticorpos. Alguns exemplos são doença celíaca, diabetes do tipo I, tireoidite de Hashimoto, artrite reumatoide e doenças cerebrais como esclerose múltipla.

Até mesmo doença de Parkinson (Nature Communications 5, artigo número: 3633, publicado em 16 de abril de 2014), autismo (Molecular Psychiatry 18:1171-1177, Nov 2013), e transtorno obsessivo-compulsivo (http://www.health.harvard.edu/blog/can-an-infection-suddenly-cause-ocd-201202274417) passaram a fazer parte da lista de suspeitos de possível fundo autoimune.

intestino cerebro news medical

Podemos também olhar a conexão intestino-cérebro por outro ângulo: uma criança (ou adolescente, ou adulto) não come bem, vive à base de “produtos alimentícios” industrializados, refinados, desvitalizados, pobres em nutrientes e que até prejudicam, de uma forma ou de outra, a integridade do intestino e absorção de nutrientes necessários para o bom funcionamento do cérebro.

Com o tempo, isso causa prejuízo das funções mentais mais sofisticadas, como memória, atenção, concentração e humor. Isso, por sua vez, leva a um aumento do estresse que, como vimos acima, resulta em um prejuízo ainda maior da função de absorção de nutrientes pelo intestino, criando um círculo vicioso que, inevitavelmente, resulta em doenças e piora do estado mental e comportamental.

Qual a doença, ou qual a manifestação indesejável do estado mental e/ou comportamental que uma pessoa poderá ou não apresentar, dependerá das predisposições genéticas que ela possuir.

Esse círculo vicioso somente pode ser quebrado por meio do conhecimento que você começa a adquirir ao ler este artigo. Afinal, somente o conhecimento pode levar a mudanças-chave no estilo de vida.

Você ou suas crianças têm “alimentação rica em fibras”? À luz do que foi discutido, isso pode não ser tão bom quanto se imagina. Tudo depende das fibras utilizadas. O termo “fibras” pode incluir elementos que, mesmo moídos, esfarelados, cozidos e mastigados, continuam “duros”, “pontudos”, “cortantes” e agressivos para a delicada camada celular que compõe as vilosidades e criptas microscópicas do nosso intestino, causando má absorção, aumento da permeabilidade, e todas as possíveis consequências.

Você cozinha seus alimentos o quanto mais depressa, na panela de pressão, para economizar tempo e conta de luz/gás? Lembre-se que o cozimento lento (por mais tempo, no fogo baixo) ajuda a pré-digerir os alimentos, de modo a tornar o processo digestivo menos agressivo e menos oneroso para nosso intestino, otimizando a absorção de nutrientes e preservando a integridade do tecido epitelial intestinal.

Deixar grãos de molho por 24 horas (feijão, arroz integral, lentilhas, grão-de-bico etc), antes de cozinhá-los lentamente, é uma maneira excelente de aumentar a digestibilidade desses grãos, e minimizar a agressividade deles para com nosso intestino. Nossos antepassados da era ‘pré-alimentos-industrializados’ sempre faziam isso. Ah, e também deixavam o pão fermentar naturalmente por muitas horas, o que melhora a digestibilidade do trigo.

feijao-branco

Hoje vivemos em um mundo com cada vez menos tempo para cozinhar, porém cada vez mais doente. Colite, enxaqueca, depressão, pânico, intestino irritável, comportamento agressivo, autismo, distúrbio bipolar e doenças autoimunes estão cada vez mais frequentes, segundo as estatísticas.

Conclusão: para existir saúde plena, o intestino tem que funcionar bem.

Leonard Verea psiquiatra

*Leonard F. Verea é médico psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina e Cirurgia de Milão, Itália. Especializado em Medicina Psicossomática e Hipnose Dinâmica. Especialista em Medicina do Trabalho e Medicina do Tráfego. É membro de entidades nacionais e internacionais. Atua como diretor do Instituto Verea e da Unicap, empresa voltada à implementação e manutenção das condições de saúde e segurança no ambiente de trabalho.

Nota da Redação: os artigos aqui publicados não refletem, necessariamente, a opinião do blog.

Conheça seis benefícios do chá preto

O chá preto é uma das bebidas mais consumidas no mundo. Ele vem da planta Camellia sinensis e, geralmente, é misturado a outras plantas para diferentes sabores. Tem um gosto forte e possui mais cafeína que outros chás, porém, ainda menos que o café propriamente dito.

Além disso, o chá preto oferece uma grande variedade de benefícios à saúde, uma vez que contém antioxidantes e compostos que podem ajudar na redução de inflamações no corpo. A Casa Madeira, empresa do Grupo Famiglia Valduga, apresenta a seguir alguns destes benefícios. Confira:

peso-fita-metrica-balanca

1 – Ajuda a emagrecer: principalmente pela presença da cafeína, substância que acelera o metabolismo e facilita a queima de gordura. Outro ponto importante é que a bebida apresenta substâncias antioxidantes, ajudando na redução do apetite e na diminuição de gorduras no organismo.

cabeça cerebro doença geralt-pixabay

2 – Protege o cérebro: a degeneração do cérebro é um processo natural que acontece, em geral, por inflamações e pela oxidação das células cerebrais causadas por radicais livres. Por ter polifenóis, o chá preto age neutralizando este problema. Sua potente ação antioxidante é a responsável por proteger o cérebro e outros órgãos, como a pele. Além disso, a cafeína presente em altos níveis aumenta o fluxo sanguíneo cerebral e estimula a atenção e a concentração.

mulher tomando chá frio inverno

3 – Controla o colesterol: o consumo regular de chá preto ajuda a controlar o colesterol, graças aos polifenóis presentes na bebida. Além disso, a cafeína tem influência na dilatação dos vasos sanguíneos e evita ataques cardíacos, por exemplo.

GUDRUN SJÖDÉN mulher chá
Foto: Gudrun Sjïdén

4 – Combate vírus: os taninos presentes no chá preto garantem a saúde do sistema digestivo e ainda têm a capacidade de combater vírus como os responsáveis pela gripe, disenteria e hepatite. Além disso, a bebida tem efeito antibacteriano.

chá preto pixabay

5 – Reduz incidência de tumores: a catequina, por exemplo, ajuda a reduzir a incidência de tumores e o desenvolvimento de doenças como o câncer. O chá também contém antígenos, substâncias que elevam a imunidade do corpo e diminuem a frequência do aparecimento de problemas de saúde.

chá pixabay

6 – Estimula órgãos vitais: a cafeína do chá preto funciona como um estimulante e pode servir como substituto do café. Além disso, existe uma substância encontrada apenas no chá: a teofilina. Este composto estimula o sistema respiratório, rins e coração, mantendo o organismo saudável e com bastante energia.

O chá preto pode ser consumido quente ou frio, de preferência entre as refeições. Isso porque algumas substâncias presentes na bebida atrapalham a absorção de certos nutrientes, como o ferro. Também não é recomendado ingerir o chá durante a noite, pois a cafeína pode dificultar o sono.

A linha de chás da Casa Madeira está disponível em lojas especializadas e no e-commerce da marca.

 

Seu corpo reflete sua mente

Nosso corpo é um emaranhado de células inteligentes, que responde aos estímulos da nossa mente, consciente e inconsciente, e cuja saúde está totalmente conectada às nossas emoções. A especialista em Saúde Integrativa, Frésia Sa, questiona: o que o seu corpo está refletindo neste momento, é saudável?

“Pode ser que você ainda não saiba, mas nossa mente pode adoecer ou curar nosso corpo, e só depende de como direcionamos nossas emoções e reagimos ao que nos acontece”. A frase é da fisioterapeuta Frésia Sa, especializada em saúde integrativa e sócia da Biointegral Saúde, em São Paulo.

nausea enjoo azia mulher doente md-health
Foto: MD-Health

“Quando fingimos que está tudo bem, mas vamos acumulando desapontamentos e tristezas, as chances de ter problemas de saúde são muito altas”, explica ela, que complementa: “por outro lado, quando desenvolvemos uma postura calma e grata diante da vida, fortalecemos nosso sistema imunológico”.

Segundo Frésia, nosso corpo é um emaranhado de células inteligentes, que responde aos estímulos da nossa mente, consciente e inconsciente. “Se não podemos controlar o que nos acontece, podemos, ao menos, ter controle sobre como vamos reagir ao que nos acontece. Esse poder de reação está intimamente ligado ao quanto nos conhecemos, ao quanto estamos conscientes diante da vida e ao quanto escolhemos a saúde ao invés da doença”, reforça a fisioterapeuta.

“Conhecemos pessoas que vivem à base de medicamentos, encontrando saídas rápidas e aparentemente eficazes para, praticamente, tudo que lhes acontece. Sou a favor do uso de medicamentos em momentos muito agudos da doença, mas contra a substituição, por eles, de uma investigação apurada das causas do que nos acontece e da mudança de hábitos e de mentalidade na busca da saúde integral” revela Frésia.

O corpo reflete a mente

mulhermenteilustracaocerebropixabay

Vamos pensar da seguinte forma: se você toma medicamentos, elimina os sintomas daquilo que está incomodando. Quando cessa o medicamento, logo a dor retorna. Esse é um quadro comum de reincidência no caso de dores crônicas, especialmente aquelas para as quais a ciência ainda não tem explicação. De onde vem a fibromialgia, por exemplo? Ou uma psoríase? São respostas que ainda estão sendo buscadas pela ciência.

Mas voltemos ao quadro: com os remédios, os sintomas são tratados. Mas a dor retorna. E aí, como fazer? Frésia fala sobre uma possibilidade real de tratamento: “Quando buscamos as causas primárias de dores e doenças, quando entendemos que somos mais do que aquele quadro sintomático atual, é possível encontrar novos meios de lidar e de tratar as dores. Muitas vezes, a doença é o corpo tentando lidar com nossas emoções mais profundas. Encontrá-las e iniciar um processo de limpeza é uma proposta viável e que, muitas vezes, é totalmente eficaz”.

Fonte: Biointegral Saúde

Os benefícios que os ovos trazem à saúde

Durante muitos anos eles foram considerados perigosos para a saúde se consumidos em excesso. Hoje, passaram de vilões a mocinhos. E os 11 benefícios listados abaixo comprovam que ingerir ovos com moderação pode fazer muito bem a sua saúde.

1-Eles oferecem proteína completa

493ss_getty_rf_man_cracking_egg
Getty Images

Um ovo tem 6 gramas de proteínas, com todos os nove aminoácidos “essenciais”, os blocos de construção das proteínas. Isso é importante porque são aquelas que seu corpo não pode fazer por si só. A clara contém cerca de metade dessa proteína e apenas uma pequena porção de gordura e de colesterol.

2-Eles são densos em nutrientes

493ss_thinkstock_rf_fried_egg
Thinkstock

Isso significa que os ovos têm mais nutrientes – vitaminas, minerais, aminoácidos – por caloria do que a maioria dos outros alimentos. Consuma um ovo e você terá:

-Proteína de alta qualidade
-Selênio
-Fósforo
-Colina
-Vitamina b12
-Vários antioxidantes, que ajudam a manter as células saudáveis

3-Eles ajudam o seu colesterol “bom”

493ss_thinkstock_rf_cholesterol_test_results
Thinkstock

O colesterol “bom”, chamado HDL, parece aumentar em pessoas que consomem três ou mais ovos por dia. É claro que o LDL, o tipo “ruim”, também aumenta. Mas as peças individuais de cada um ficam maiores. Isso torna mais difícil que coisas ruins aconteçam e facilita que coisas boas eliminem as más.

4-Eles podem diminuir os triglicérides

493ss_thinkstock_rf_blood_being_drawn
Thinkstock

Os médicos testam triglicérides junto com HDL e LDL. Triglicérides inferiores são melhores para sua saúde. Comer ovos, especialmente aqueles enriquecidos com certos ácidos graxos (como o ômega-3), parece reduzir os níveis.

5-Eles podem diminuir suas chances de um derrame

493ss_thinkstock_rf_blood_clot
Thinkstock

Embora os estudos variem, parece que um ovo diário pode reduzir seu risco. Em um estudo chinês recente, pessoas que ingeriram cerca de um ovo por dia tinham quase 30% menos probabilidade de morrer de derrame hemorrágico do que aquelas que não consumiam nenhum.

6-Eles ajudam com controle de parcela

493ss_thinkstock_rf_egg_in_salad
Thinkstock

Com cerca de 70 calorias por ovo, você sabe exatamente o que está recebendo. E eles se deslocam com facilidade também. Ferva um par e adicione uma salada ou duas fatias de pão e você terá um almoço rápido e saudável.

7-Eles são acessíveis

493ss_thinkstock_rf_egg_on_toast
Thinkstock

Com 40 centavos por dose, em média, você não pode ganhar mais por uma proteína de alta qualidade por tão pouco. Adicione uma fatia de torrada integral, um pouco de abacate e um pouco de molho picante, e você terá uma refeição digna de um rei a um preço de mendigo. E você não precisa se preocupar com açúcar ou carboidratos, porque os ovos também não os têm.

8-Eles mantêm o coração saudável

493ss_thinkstock_rf_separating_egg_whites
Thinkstock

Surpreso? É verdade. No geral, as pessoas que comem mais ovos não parecem ter aumentadas as chances de doenças cardíacas. Mesmo as pessoas com pré-diabetes ou diabetes tipo 2 tinham o coração saudável após uma dieta de ovo projetada para perda de peso. Em um estudo recente na China, as pessoas que comiam cerca de um ovo por dia tinham quase 20% menos probabilidade de desenvolver doenças cardíacas do que as que não comiam.

9-Eles satisfazem

493ss_getty_rf_teen_eating_egg_for_breakfast
Getty Images

Consuma ovos no café da manhã e você vai se sentir mais completo. Isso fará com que fique mais propenso a comer menos durante o dia. Por exemplo, em média, os adolescentes que comem um ovo de manhã consomem 130 calorias a menos no almoço.

10-Eles ajudam seus olhos

493ss_getty_rm_eye_close_up
Os médicos sabem que os antioxidantes luteína e zeaxantina ajudam a evitar doenças oculares como catarata e degeneração macular relacionada à idade. Vegetais de folhas verdes como espinafre e couve também os têm. Mas os ovos são uma fonte melhor. Isso porque a gordura que eles têm torna mais fácil para o corpo usar os nutrientes.

11-Eles ajudam a aguçar o cérebro

493ss_thinkstock_rf_neurons
Thinkstock

Os ovos têm vitamina D, o que é bom para a sua massa cinzenta e é difícil de obter nos alimentos. E eles têm algo chamado colina que ajuda as células nervosas (neurônios) em sua comunicação umas com as outras. A colina também é muito importante para mulheres grávidas ou que amamentam, devido ao grande papel que desempenha no desenvolvimento do cérebro.

Fonte: WebMD

Raiva em excesso faz mal ao corpo e à alma, afirma neurologista

Há dias em que nada está ao seu favor. Os faróis no trânsito estão vermelhos. Todos esbarram em você. Tudo é mais lento e demorado. Você se atrasa. Leva bronca do chefe, da mãe, do pai e até do seu bichinho de estimação. Mesmo levantando da cama com o pé direito, o mundo desabou nas suas costas e é inevitável: a raiva aparece acompanhada de um turbilhão de emoções.

Em pequenas doses é inofensiva, até nos ajuda a mobilizarmo-nos para uma ação; em excesso, esse sentimento é prejudicial e pode colocar sua saúde em risco

De acordo com a neurologista Sonia Brucki, da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), vários neurotransmissores são envolvidos, como noradrenalina, serotonina, acetilcolina e substância P, cuja ação em diferentes receptores cerebrais provocam ações distintas nos locais do circuito envolvido na geração e controle da raiva.

“As estruturas são o hipotálamo, amígdala e os lobos frontais. Estas áreas são ligadas à sobrevivência das espécies, responsáveis pelos comportamentos de defesa e ataque”, explica a médica.

O problema começa quando sentimos raiva demais, prejudicando o convívio social e a saúde, acarretando sintomas mentais, como depressão, e até físico. De forma constante, os males ao indivíduo podem surgir ao longo do tempo em manifestações como cansaço, falta de memória e até problemas gastrointestinais.

“Em geral, as situações geram estresse crônico, afetando a imunidade e, em casos agudos, pode reativar herpes labial, por exemplo. Inclusive queda da imunidade pode ser secundária a alterações no corticoide endógeno do próprio organismo”, informa a especialista.

Aliás, a expressão popular “o sangue subiu” é verdadeira, como afirma a neurologista: “Temos uma vasodilatação periférica, deixando a pele mais rosada e quente. Ocorre, ainda, descarga de adrenalina e aumento da frequência cardíaca, que dilatam as pupilas”.

Abrace a raiva

prawny mulher com raiva
O primeiro passo para lidar bem com esse sentimento é não o negar. Já que está raivoso, procure entender e avaliar claramente suas razões, prestando atenção aos pensamentos que o levam a desenvolver esta emoção. Identificar o que estamos sentindo e se o motivo é real é a chave para o sucesso – sobretudo, precisamos ser conscientes para enxergar quando demonstramos reações desproporcionais aos eventos.

Sabemos que é difícil, mas respire fundo e olhe o cenário de vários ângulos, não somente o seu. Se não conseguir sozinho, consulte um terapeuta, que ensinará a lidar melhor com a raiva e a reconhecer o que desencadeia essa animosidade em você. Agir impulsivamente, por exemplo, pode levar a excessos desnecessários e a diminuir a assertividade das ações da vida.

Fonte: Academia Brasileira de Neurologia (ABN)

 

As bactérias do intestino e o cérebro: somos controlados por micróbios?

Embora a interação entre nosso cérebro e intestino tenha sido estudada por anos, suas complexidades são mais profundas do que se pensava inicialmente. Parece que nossas mentes são, em parte, controladas pelas bactérias em nossos intestinos.

O intestino tem defesas contra patógenos, mas, ao mesmo tempo, estimula a sobrevivência e o crescimento de bactérias intestinais “saudáveis”. A grande maioria desses visitantes unicelulares está situada no cólon, onde não menos de 1 trilhão delas residem em cada grama de conteúdo intestinal.

Estimar o número de hóspedes bacterianos em nosso intestino é um desafio; até hoje, o melhor palpite é que 40 trilhões de bactérias chamam nossos intestinos de lar – parcialmente dependentes do tamanho do seu último movimento intestinal (o principal ingrediente do cocô são as bactérias).

Para colocar esse número pesado em perspectiva, nossos corpos consistem em aproximadamente 30 trilhões de células. Então, em um sentido muito real, somos mais bactérias do que humanos. A maioria das bactérias intestinais pertence a 30 ou 40 espécies, mas pode haver até 1.000 espécies diferentes no total. Coletivamente, elas são denominadas microbioma.

Naturalmente, as bactérias se beneficiam do calor e da nutrição em nossas entranhas, mas não é um relacionamento unidirecional – elas também retribuem. Algumas espécies nos beneficiam quebrando a fibra alimentar em ácidos graxos de cadeia curta que podemos absorver e usar. Elas metabolizam vários compostos em nosso nome e desempenham um papel na síntese das vitaminas B e K.

Do outro lado da cerca, pesquisas recentes inferem que a desregulação das bactérias intestinais pode ser um fator importante nas condições inflamatórias e autoimunes. O papel do microbioma na saúde e na doença está lentamente abandonando seus segredos. A descoberta mais recente, e talvez mais notável, é a capacidade que as bactérias do intestino têm para moderar o cérebro e o comportamento.

Por que o intestino e o cérebro devem estar ligados?

microbiota intestino SII

Os acontecimentos nas nossas entranhas são uma questão de vida ou morte. Se o intestino estiver vazio, nosso cérebro deve ser informado; se houver um problema no intestino que prejudique o processamento de alimentos e, portanto, a absorção da nutrição, o cérebro precisará ser informado. Se nosso intestino está enfrentando um ataque de patógenos, nosso cérebro deve ser mantido no circuito.

As ligações entre o nosso intestino e o cérebro são hormonais, imunológicos e neurais, por meio do sistema nervoso central e do sistema nervoso entérico, que governam a função do intestino. Coletivamente, eles são chamados de eixo do intestino-cérebro.

Embora, à primeira vista, as conexões entre o intestino e o cérebro possam parecer surpreendentes, todos nós já experimentamos isso em ação. A relação entre estresse, ansiedade e um movimento rápido do intestino não é estranha a ninguém.

Essas conversas no cérebro são estudadas há algum tempo. No entanto, um novo nível para esta parceria foi recentemente vislumbrado. Os pesquisadores estão agora considerando a influência de nosso microbioma no eixo do intestino-cérebro. Em outras palavras, os pesquisadores estão se perguntando: as bactérias em nosso intestino afetam nossa psicologia e comportamento?

De forma bastante desajeitada, os pesquisadores estão apenas começando a arranhar a superfície do eixo da microbiota cérebro-intestino-entérica ou o eixo microbioma-intestino-cérebro,

Estresse e o intestino

estresse__cansaco__tristeza

Nos seres humanos, o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) é o principal responsável pelas tensões de qualquer tipo. É um dos principais intervenientes no sistema límbico e está fortemente envolvido em emoções e memória.

O estresse ativa o eixo HPA e, eventualmente, resulta na liberação de cortisol – o “hormônio do estresse” – que tem uma variedade de efeitos em muitos órgãos, incluindo cérebro e intestino.

Dessa forma, a resposta do cérebro ao estresse tem uma influência direta sobre as células do intestino, incluindo células epiteliais e imunes, neurônios entéricos, células intersticiais de Cajal (os marcapassos dos intestinos) e células enterocromafins (células sintetizadoras de serotonina).

Por outro lado, esses tipos de células também estão sob a influência do nosso exército de bactérias residentes. Embora os mecanismos pelos quais a microbiota regula o cérebro sejam menos claros, há evidências de que existe, de fato, um diálogo de mão dupla.

Que diferença faz um micróbio

microbiota-intestinal3

As primeiras pistas de que os micróbios podem ter algum controle sobre nossa atividade mental surgiram há mais de 20 anos. Pacientes com encefalopatia hepática – um declínio na função cerebral devido a doença hepática grave – tiveram melhora substancial após tomarem antibióticos orais.

Estudos posteriores forneceram mais dicas de que o microbioma tinha mais do que uma influência passageira nos estados mentais. Verificou-se que ele afeta a ansiedade e os comportamentos depressivos.

Outra observação importante ligou a disbiose (desequilíbrio microbiano) ao autismo. Crianças com autismo muitas vezes têm comunidades anormais e menos diversas de bactérias no intestino. Um pesquisador concluiu:

“Nós suspeitamos que os micróbios do intestino podem alterar os níveis de metabólitos relacionados ao neurotransmissor, afetando a comunicação entre o cérebro e/ou alterar a função cerebral. Correlações entre bactérias intestinais e metabólitos relacionados a neurotransmissores são degraus para uma melhor compreensão do crosstalk* entre bactérias intestinais e autismo”.

Pesquisadores, em 2004, observaram que ratos criados para não terem bactérias intestinais tinham uma resposta exagerada do eixo HPA ao estresse. Investigações posteriores usando camundongos semelhantes expostos a germes semelhantes demonstraram que a falta de bactérias intestinais altera a função da memória.

Camundongos sem germes têm sido uma ferramenta útil para estudar o eixo microbioma-intestino-cérebro. Eles ajudaram a provar que algo está acontecendo, mas os resultados são impossíveis de extrapolar para os seres humanos. Eles não replicam nenhuma situação natural conhecida pelo homem – não existe um humano livre de germes.

Outros estudos usaram diferentes abordagens; alguns investigaram os efeitos dos compostos neuroativos que a flora intestinal produz; outros ainda observaram as diferenças na flora intestinal de indivíduos com diferenças psiquiátricas ou neurológicas.

A pesquisa, em geral, não foi conclusiva. Mesmo se forem observadas mudanças na flora intestinal, a eterna questão da galinha ou do ovo persiste: a condição psiquiátrica foi causada pela mudança na flora intestinal, ou a condição psiquiátrica e seus padrões de comportamento alterados fizeram com que a flora intestinal mudasse? Ou existe uma interação nos dois sentidos?

Como a flora intestinal pode moderar o cérebro?

intestino flora pixabay

O estresse é conhecido por aumentar a permeabilidade do revestimento intestinal; isso dá às bactérias acesso mais fácil ao sistema imunológico e às células neuronais do sistema nervoso entérico. Essa pode ser uma das maneiras pelas quais as bactérias encontram uma maneira de nos influenciar. No entanto, outra rota mais direta também foi demonstrada.

Um estudo, usando patógenos de origem alimentar, forneceu evidências de que as bactérias no intestino podem ativar os circuitos de estresse ativando diretamente o nervo vago – um nervo craniano suprindo um número de órgãos, incluindo o trato digestivo superior.

Uma rota mais direta ainda pode envolver o contato direto do microbioma com os neurônios sensoriais do sistema nervoso entérico. Estudos mostraram que esses neurônios sensoriais são menos ativos em camundongos sem germes e, uma vez que os camundongos receberam probióticos para reabastecer seu microbioma, os níveis de atividade dos neurônios retornam ao normal.

Probióticos influenciando a psicologia

elprobiotico-img5-580x400

Se os camundongos sem germes apresentaram diferenças de comportamento, a próxima pergunta é se a adição de bactérias intestinais a um animal pode causar mudanças semelhantes. Uma metanálise, publicada no Journal of Neurogastroenterology and Motility, reuniu os resultados de estudos que avaliaram os efeitos dos probióticos na função do sistema nervoso central em humanos e animais.

Eles examinaram 25 estudos em animais e 15 em humanos, a maioria dos quais usou Bifidobacterium e Lactobacillus durante um período de 2-4 semanas. Embora, como os autores mencionam, traduzir estudos em animais como este em termos humanos seja um jogo desonesto. Eles concluíram:

“Esses probióticos mostraram eficácia na melhora dos comportamentos relacionados a transtornos psiquiátricos, incluindo ansiedade, depressão, transtorno do espectro do autismo, transtorno obsessivo-compulsivo e habilidades de memória, incluindo memória espacial e não-espacial”.

Outro estudo, publicado na PLOS One, descobriu que o declínio da memória relacionado à idade poderia ser revertido em ratos, alterando os níveis de Actinobacteria e Bacterioidetes em seu intestino com probióticos.

Os autores concluem: “Os dados suportam a noção de que a microbiota intestinal pode ser manipulada para impactar positivamente na função neuronal”.

O futuro do eixo microbioma-intestino-cérebro

intestino cerebro news medical
Foto: News medical

Há um caminho longo e sinuoso à frente dos cientistas que são corajosos o suficiente para investigar a estranha realidade do eixo microbioma-intestino-cérebro. Sem dúvida, uma multidão de moléculas está envolvida de várias maneiras em diferentes graus.

No futuro longínquo, talvez os medicamentos que visam especificamente o microbioma sejam criados para condições psiquiátricas; o microbioma pode se tornar um sistema de alerta precoce para certas doenças ou até mesmo uma ferramenta de diagnóstico.

Por enquanto, tudo o que podemos fazer é refletir sobre a influência que as bactérias exercem sobre nosso estado mental cotidiano. Também devemos nos surpreender e nos divertir que os seres humanos, por mais inteligentes que nos consideremos, estão parcialmente sob o controle de formas de vida unicelulares.

Talvez devêssemos lembrar que as bactérias nos precedem em bilhões de anos e têm grande probabilidade de sobreviver à nossa espécie em bilhões a mais.

Fonte: Tim Newman – MedicalNeswToday

*um ou mais componentes de uma via de transdução de sinal afetam outra