Arquivo da tag: clinica gru saúde

Temporada de calor: nove fatos que você precisa saber para manter a pele saudável no verão

Especialistas dão dicas para você aproveitar a estação mais quente do ano sem se preocupar com o surgimento de problemas como queimaduras, manchas, rugas e até mesmo câncer de pele

O verão é a estação preferida de muitas pessoas, afinal, é marcada por sol, praia, piscina, calor e diversão. No entanto, esta época requer cuidados especiais com o organismo, principalmente com a pele, que é extremamente agredida durante este período.

“Isso porque no verão estamos mais expostos à radiação ultravioleta do sol, que é a principal agressora da pele, causando a alteração do material genético, degradando as fibras de colágeno e elastina, gerando radicais livres que destroem o tecido celular e estimulando a produção de melanina, pigmento que dá cor à pele, causando manchas”, alerta Lucas Fustinoni, médico divulgador científico nas áreas de Tricologia e Estética, Fellowship de Estética em Miami e membro da World Trichology Society.

“Como se não bastasse, a água do mar e da piscina a qual nos expomos mais no verão prejudicam a barreira cutânea, responsável por proteger a pele contra os agressores externos. Dessa forma, a pele fica mais suscetível aos danos da radiação UV”, diz Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Tais fatores favorecem o surgimento de uma série de alterações no tecido cutâneo, como manchas senis, melasma, dermatites, alergias, queimaduras e até mesmo o câncer de pele, que representa 30% de todos os tumores malignos registrados no Brasil. E não para por aí, pois, além das condições de pele, a exposição à radiação solar durante o verão também pode acelerar o surgimento dos sinais da idade.

“As mudanças no DNA causadas pela radiação solar provocam reações de mutação celular, com consequente envelhecimento precoce, já que a exposição solar está ligada à inflamação, ao dano oxidativo e à produção de enzimas que degradam colágeno, resultando em uma pele mais flácida, com rugas e manchas”, afirma Claudia Marçal, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. E algumas pessoas tendem a sofrer ainda mais com os danos do sol.

“O sol é responsável por cerca de 80 a 90% do envelhecimento da pele. Entretanto, alguns indivíduos apresentam ainda maior suscetibilidade ao fotoenvelhecimento, como aqueles que apresentam uma variante do gene MMP1, que promove uma degradação do colágeno oito vezes maior que o normal após a exposição solar”, destaca o geneticista Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral da Multigene, empresa especializada em análise genética e exames de genotipagem.

Todos esses fatos sobre o verão podem parecer realmente desesperadores. Mas fique tranquilo, pois é perfeitamente possível aproveitar a estação mais quente do ano sem prejudicar a saúde e a beleza da pele. Basta tomar alguns cuidados básicos. E, para te ajudar nisso, reunimos um time de especialistas para dar dicas sobre como tratar a pele no verão. Confira:

Aposte na fotoproteção: é o cuidado número um quando o assunto é rotina skincare no verão. “O uso diário de protetor solar é a única maneira de garantir que a pele esteja realmente protegida dos efeitos nocivos dos raios solares, que estão cada vez mais fortes. Mas é importante que o produto possua, no mínimo, FPS 30 e amplo espectro de proteção solar, para combater a radiação UVA e UVB, além de dever ser reaplicado a cada duas horas”, diz Isabel Piatti, Consultora Executiva em Estética e Inovação Cosmética e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita. Invista também em um produto com proteção contra a luz azul do sol e dos dispositivos eletrônicos.

“A luz azul também penetra em nossa pele e aumenta a produção de radicais livres, o que favorece o surgimento e o escurecimento das manchas e a acelera o envelhecimento”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy. Uma opção interessante para se proteger contra os malefícios da luz azul é o Biosole BB Cream FPS 60, da Ada Tina Italy, um protetor solar com cor e ação antioxidante que uniformiza o tom da pele com alta cobertura homogênea, reduz o surgimento de manchas e confere alta proteção contra UVA, UVB, Luz Azul e Luz Visível.

E a fotoproteção não consiste apenas no uso de protetor solar. Por exemplo, é recomendado também que se evite a exposição ao sol durante os horários com maior índice de radiação ultravioleta, isto é, entre 10 e 16 horas. “Aposte também na utilização de roupas com proteção UV, chapéus de aba larga e trama fechada, óculos de sol e sombras artificiais, como aquela oferecida pelo guarda-sol, para potencializar a proteção solar”, recomenda Cassiano.

Hidratação é indispensável: assim como a fotoproteção, a hidratação não deve ser deixada de lado no verão, pois a exposição direta e prolongada à radiação UVA e UVB também pode favorecer a desidratação do tecido e piorar o ressecamento. Mas, como no verão sofremos mais com a oleosidade, o ideal é optar por hidratantes que não deixem a pele oleosa, como os séruns. “Com rápida absorção e fórmula concentrada, sendo capaz de levar ativos de maneira mais eficaz para a pele, o sérum é especialmente interessante para ser usado no verão, pois, devido a sua textura leve e fluida, o produto não deixa a pele com aspecto brilhante ou pegajoso”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. E o melhor é que os séruns podem conter uma diversidade de ativos.

Para o verão, o ideal é optar por produtos formulados com antioxidantes, como Alistin, Vitamina E e, principalmente, Vitamina C. “A Vitamina C é um poderoso antioxidante que confere ação reparadora, já que protege a pele contra os estragos da oxidação causada pelos radicais livres, ameniza rugas e linhas de expressão, visto que é um dos fatores essenciais na síntese de colágeno, e ainda é capaz de uniformizar o tom de pele, clareando e prevenindo manchas”, recomenda Fustinoni. Uma opção interessante para quem deseja apostar em séruns de Vitamina C é o sérum Antiox, da Buona Vita, que conta com 20% de Vitamina C para conferir função antioxidante, clareadora, antienvelhecimento e antiglicante (combate malefícios do açúcar na pele).

Não se esqueça da higienização: como a produção de oleosidade é maior no verão, a limpeza diária da pele é fundamental para prevenir a obstrução dos poros e o aparecimento de acne, devendo ser realizada duas vezes ao dia, pela manhã e à noite, com produtos específicos para o seu tipo de pele. “No verão, é especialmente interessante apostar em sabonetes adstringentes formulados com substâncias reparadoras capazes de combater os danos causados pelo sol ao longo do dia”, afirma Fustinoni. De uma a duas vezes por semana, dependendo do tipo de pele, é interessante também apostar na esfoliação para complementar a higienização.

“A esfoliação realiza uma leve abrasão na camada superficial do tecido cutâneo, que remove as impurezas e a oleosidade acumuladas, além de impulsionar a renovação celular e potencializar a capacidade de absorção dos cosméticos pela pele, deixando-a preparada para o uso de cremes”, indica Paola. Um produto interessante para essa etapa é o Esfoliante Facial Tribeca, da B.URB, capaz de remover impurezas e células mortas da pele, desobstruindo os poros e ajudando na renovação celular. Com sementes de Apricot (damasco) em sua composição, o produto é ideal para higienizar e hidratar o tecido cutâneo.

Atenção à maquiagem: o recomendando é evitar a maquiagem no verão. “Isso porque a maquiagem pode obstruir os poros, prejudicando a transpiração e a secreção de oleosidade pelas glândulas sebáceas, o que favorece o surgimento de cravos e espinhas”, aconselha Fustinoni. Mas, caso prefira utilizá-la, lembre-se de sempre removê-la no final do dia e de forma alguma substitua o filtro solar por uma maquiagem com FPS. “Geralmente, o FPS das maquiagens é muito baixo, sendo insuficiente para proteger a pele. Então, para quem usa maquiagem, o ideal é optar por um protetor solar com cor de alta cobertura, que, além de ser eficaz na proteção, também atua como base”, alerta Cassiano.

Bronzeie-se com segurança: o verão é a estação que muitas pessoas esperam para se bronzear e garantir uma cor. Mas, para evitar os danos do sol, é importante tomar alguns cuidados, como se expor ao sol de forma gradativa e apenas nos períodos seguros, além de utilizar o protetor solar. “É possível ainda consumir alimentos e suplementos ricos em betacaroteno, como cenoura, mamão, abóbora e acerola, que, além de acelerarem e prolongarem o bronzeado, ainda protegem o DNA celular dos danos causados pela radiação UVA e UVB”, aconselha Fustinoni.

Fique atento às queimaduras: a consequência imediata da exposição solar desprotegida são as queimaduras solares, que provocam eritema, sensibilidade ao toque, bolhas e, nos casos mais graves, descamação, dor de cabeça, febre, calafrios e fadiga. Por isso, o fotoprotetor deve ser utilizado. Mas, caso as queimaduras surjam, é possível tomar alguns cuidados para amenizar o problema, como o uso de hidratantes pós-sol. Mas preste atenção à formulação desses produtos. “Algumas fórmulas pós-sol possuem consistências espessas e oleosas, que criam uma barreira emoliente no topo da pele, aprisionando o calor na camada superior da epiderme e exacerbando a inflamação e a sensação de queimadura. Além disso, algumas fragrâncias e produtos químicos podem irritar a pele danificada”, destaca Paola. Então, dê preferência à produtos livres de etoxilados, óleo mineral e parabenos e que contenham ativos que ajudam a restabelecer as defesas naturais, possuam um sistema antioxidante avançado e confiram efeito calmante, como a Vitamina E, o Alistin, o Pro Barrier Repair e o GPS Trealose.

Cuidado com a depilação: a depilação é frequentemente realizada no verão para deixar o corpo pronto para a utilização de biquínis, sungas e outras roupas de banho. Mas é preciso tomar cuidado com esse tipo de procedimento durante a estação. “Isso porque a depilação com cera e lâmina pode causar microlesões na pele que a tornam mais suscetível aos danos solares, além de favorecer o surgimento de foliculite e irritação. Já a depilação à laser pode estimular o aparecimento de manchas na pele. Por isso, caso você se depile, o recomendado é evitar a exposição solar nos sete dias que procedem qualquer tipo de depilação”, recomenda Fustinoni .

A alimentação também é importante: além de cuidar da pele topicamente, é fundamental investir também em uma alimentação balanceada e rica em legumes, frutas e verduras, o que vai ajudar no tratamento do tecido cutâneo de dentro para fora. “Uma alimentação equilibrada está entre os principais itens que ajudam a deixar a pele bonita, jovem, protegida, saudável e hidratada. São os alimentos que você consome regularmente que definem a aparência e a qualidade do tecido cutâneo, não apenas em um mês, mas também em um ou dois anos”, explica Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia. No verão, aposte principalmente em alimentos que potencializem a fotoproteção, como as frutas vermelhas, que possuem antioxidantes e vitamina C, substâncias capazes de proteger a pele contra os danos do sol. “As uvas pretas também são uma excelente opção, já que, além de possuírem propriedades antioxidantes que ajudam a bloquear os prejudiciais raios UV, também contam como Vitamina E, que mantém a pele hidratada, Vitamina C, que auxilia na revitalização das células da pele, e resveratrol, um polifenol que tem ação anti-inflamatória, protetora do DNA celular e antioxidante”, recomenda a médica nutróloga. Não se esqueça também de ingerir bastante líquido para manter a hidratação do corpo e, consequentemente, da pele.

Invista nos procedimentos estéticos menos agressivos: no verão todos querem apresentar um corpo bonito e algumas alterações que afetam a pele podem atrapalhar esse objetivo, como a flacidez e a celulite. Mas existem tratamentos que podem ser realizados durante essa época e são muito eficazes no combate a essas alterações. Por exemplo, quem sofre com flacidez pode apostar em sessões com o Ultraformer III, um ultrassom micro e macrofocado capaz de combater a flacidez, recuperar o contorno facial e corporal e devolver firmeza à pele, além de também auxiliar na remoção de gordura localizada. “O Ultraformer III utiliza uma tecnologia que emite energia mecânica através das ondas de ultrassom, que fazem micropontos de coagulação sob a pele e na gordura para tonificar o tecido cutâneo, estimular a produção de colágeno e conferir efeito lifting, o que dá fim à gordura e flacidez presentes na área tratada”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery).

Já quem sofre com celulite pode optar pela aplicação de bioestimuladores de colágeno. “A aplicação dos bioestimuladores, como a hidroxiapatita de cálcio ou o ácido L-poli-láctico, atua na produção do colágeno para promover uma reorganização das fibras responsáveis por sustentar adequadamente o tecido adiposo, o que melhora a celulite e o aspecto de casca de laranja da pele. Geralmente, recomenda-se de 2 a 3 sessões com intervalo mínimo de 30 dias entre cada uma delas, tempo que leva para os resultados aparecerem”, finaliza Paola.

Redobre os cuidados com a pele durante a menopausa para combater os sinais do envelhecimento

Além dos sintomas como irritabilidade, cansaço, perda de massa muscular e calor causados pela queda do estrogênio, menopausa também torna a pele mais ressecada, fina, sensível e, consequentemente, mais propensa a sofrer com o envelhecimento precoce

O envelhecimento é um processo que ocorre com todos nós, sendo marcado por uma série de modificações no funcionamento do organismo. Por exemplo, uma das principais alterações que afetam o corpo da mulher devido ao envelhecimento é a menopausa.

“Geralmente ocorrendo após os 50 anos, mas podendo afetar algumas mulheres precocemente, a menopausa é caracterizada pela suspensão definitiva da menstruação com consequente queda na produção de estrogênio. Como resultado, a mulher passa a apresentar uma série de sintomas, incluindo irritabilidade, mudanças drásticas de humor, sudorese excessiva, cansaço intenso, ondas de calor e perda de massa óssea e massa magra”, explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU Saúde.

Além disso, a pele também é afetada. Segundo Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, devido à menopausa, ocorre uma diminuição na produção de ácido hialurônico e das fibras de colágeno e elastina. “Isso favorece o ressecamento do tecido cutâneo e acelera o surgimento dos sinais de envelhecimento da pele, incluindo rugas, linhas de expressão, flacidez e perda de firmeza, elasticidade e volume”, afirma o dermatologista.

A má notícia, de acordo com Eloisa, é que não existem métodos para se prevenir ou retardar a menopausa, visto que é definida geneticamente. Mas, quem deseja combater os efeitos da menopausa na pele, pode apostar no reforço da rotina skincare.

“Inicie pela limpeza, que, em peles maduras, deve ser realizada com produtos mais suaves que não causem agressões na pele ou removam excessivamente a barreira de proteção do tecido cutâneo, o que pode agravar ainda mais o ressecamento e tornar a pele mais suscetível a danos”, aconselha Cassiano. Em seguida, aposte na hidratação com produtos formulados com ativos capazes de fortalecer a barreira da pele e segurar a molécula de água no tecido cutâneo.

“É indicado também o uso de substâncias com propriedades antioxidantes e rejuvenescedoras, incluindo o retinol, a vitamina C, o resveratrol e os alfa-hidroxiácidos. Mas, mesmo durante a menopausa, o fotoprotetor segue sendo o principal método de combate ao envelhecimento cutâneo, lembrando que o produto deve conter FPS 30, no mínimo, e ser aplicado todos os dias pela manhã após o hidratante, com reaplicação necessária a cada duas horas”, destaca o médico.

Vale ressaltar ainda que, na menopausa, a pele da mulher é mais sensível por ser mais fina e ressecada. Então, o cuidado na escolha dos produtos deve ser redobrado, evitando aqueles cosméticos que possam causar irritação, vermelhidão, coceira e descamação do tecido.

“Entre as substâncias irritantes, as fragrâncias figuram entre as principais vilãs, já que favorecem a desidratação e comprometem a integridade da barreira protetora da pele”, alerta o especialista. “No geral, o recomendado é sempre escolher produtos hipoalergênicos e naturais, além de livres de fragrância. No geral, quanto mais forte o cheiro de um cosmético, maiores as chances de ele causar irritações, alergias e dermatites”, diz o médico

Além disso, é interessante investir em hábitos saudáveis que auxiliem na manutenção da saúde do organismo, amenizando os sintomas da menopausa não apenas na pele, como no organismo como um todo. “Por exemplo, invista em uma alimentação equilibrada rica em vegetais, frutas e legumes, principalmente aqueles com propriedades antioxidantes, e evite alimentos industrializados e o consumo excessivo de sal e açúcar. Além disso, tenha boas noites de sono, consuma pelo menos dois litros de água por dia, pratique exercícios físicos regularmente e evite fumar e ingerir álcool”, recomenda Eloisa.

Em mulheres que sofrem demais com a queda hormonal, é possível também apostar na reposição hormonal para reduzir os sintomas da menopausa. “Realizada através de administração vaginal, oral ou transdérmica, a reposição de estrogênio em baixas doses ajuda a restabelecer o equilíbrio do organismo para que a mulher se adapte mais facilmente ao período da menopausa. Porém, esse tipo de tratamento deve ser prescrito por um ginecologista, já que é contraindicado para pacientes com câncer em atividade, que possuem predisposição à doença ou que sofrem de alterações nas mamas”, alerta a especialista.

Por sua vez, mulheres que já passaram pela menopausa e apresentam sinais de envelhecimento acentuado podem apostar em procedimentos estéticos, como o preenchimento de ácido hialurônico, que, segundo Cassiano, confere volume ao rosto, reduz a aparência de rugas e linhas de expressão e estimula a produção natural da substância pelo organismo, tornando a pele mais hidratada e combatendo o ressecamento. “Os bioestimuladores de colágenos também são interessantes por hidratarem profundamente e estimularem a neocolagênese, aumentado assim a firmeza e a elasticidade da pele para combater flacidez e rugas”, afirma.

Por fim, é importante ressaltar que a menopausa é um processo natural do envelhecimento que ocorrerá em todas as mulheres em algum momento da vida. Por isso, ao notar os sintomas da queda hormonal, o mais importante é que você visite um médico ginecologista, que poderá dar orientações para que você passe por essa nova fase de sua vida da forma mais tranquila possível. Além disso, vale a pena também consultar seu dermatologista, que poderá rever as necessidades de sua pele para recomendar a melhor rotina de cuidados ou indicar os tratamentos mais adequados para combater os sinais do envelhecimento.

Fontes:

Eloisa Pinho é ginecologista e obstetra, pós-graduada em ultrassonografia ginecológica e obstétrica pela Cetrus. Parte do corpo clínico da clínica GRU Saúde, formada pela Universidade de Ribeirão Preto, realiza atendimentos ambulatoriais e procedimentos nos hospitais Cruz Azul e São Cristovão. Faz parte do corpo clínico dos hospitais São Luiz, Pró Matre, Santa Joana e Santa Maria.
Daniel Cassiano é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Cofundador da clínica GRU Saúde, formado pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Doutorando em medicina translacional também pela Unifesp. Professor de Dermatologia do curso de medicina da Universidade São Camilo.

Oito erros comumente realizados na hora do banho que podem prejudicar a saúde

Apesar de parecer um hábito simples, existe uma série de cuidados que devem ser tomados durante o banho para evitar o surgimento de condições que podem afetar a pele, os cabelos e o organismo como um todo

Seja de manhã para acordar ou à noite para relaxar, não há nada melhor do que tomar um bom banho. Mas, por mais simples e rotineiro que esse hábito possa parecer, existem certas práticas que nós realizamos durante o banho que podem ser prejudiciais para a pele, os cabelos e o organismo, como a falta de higienização das toalhas, o tipo de sabonete utilizado ou a temperatura da água.

Por isso, mesmo durante o banho mais rápido, devemos tomar alguns cuidados para evitar sofrer com problemas como ressecamento da pele e dos cabelos e até mesmo infecções. Então, para ajudar você a aproveitar o banho da melhor maneira possível, reunimos um time de especialistas para dar dicas sobre como realizar esse hábito. Confira:

Tomar banho em excesso: principalmente no verão, é comum tomarmos mais de um banho por dia. Mas é importante tomar cuidado com esse hábito, pois o excesso de banhos pode interferir no ambiente cutâneo saudável, prejudicando o manto hidrolipídico e a microbiota. “Limpar demais a pele, sem repor a umidade, pode causar um ressecamento em um primeiro momento e depois a produção rebote de mais oleosidade. Além disso, o excesso de lavagens pode desequilibrar o microbioma da pele, uma ‘população’ de bactérias boas que nos protegem contra doenças e outros problemas, como ressecamento e sensibilidade da pele”, explica Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por isso, o recomendado é que você tome banhos no máximo duas vezes por dia.

Tomar banho com água quente: água quente pode remover demais a oleosidade da pele, favorecendo o ressecamento, descamação, irritação e o efeito rebote, que leva ao aumento da produção de oleosidade. Logo, o ideal é optar por banhos frios. “Além de prevenir a perda da oleosidade natural da pele, a água fria ajuda a contrair os vasos sanguíneos, fechando os poros e diminuindo a vermelhidão e o inchaço, e aumenta a circulação na região, conferindo ao rosto um aspecto mais brilhante e saudável”, destaca Claudia Marçal, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Outra opção é optar por banhos curtos, com menos de dez minutos, em água morna, que já são suficientes para manter a pele e o cabelo com uma aparência brilhante e saudável. Se tiver dúvidas quanto a temperatura da água, basta observar os espelhos e o box: caso estejam embaçados, é melhor diminuir a temperatura.

MyMedicineBox

Lavar os cabelos excessivamente: todo mundo sabe que não lavar os cabelos pode favorecer o surgimento de uma série de problemas, como queda e caspa. Mas realizar a higienização em excesso é igualmente prejudicial. “Não remover demais a oleosidade dos fios estimula a produção de sebo pelas glândulas sebáceas. Por isso, o recomendado é que você lave os cabelos de acordo com as suas necessidades. Por exemplo, quem pratica atividades físicas ou utiliza pomadas nos cabelos deve higienizá-los diariamente para remover impurezas e resíduos de produtos que podem ficar acumulados nos fios. Já quem tem cabelos oleosos e grossos pode aumentar um pouco o espaço entre as lavagens, que deve ser ainda maior no caso de pessoas de cabelos secos e finos”, recomenda Lucas Fustinoni, médico divulgador científico nas áreas de Tricologia e Estética, Fellowship de Estética em Miami e membro da World Trichology Society.

Utilizar o sabonete errado: usar apenas um sabonete durante o banho é prejudicial para a pele, pois o tecido cutâneo de diferentes regiões possui características e necessidades específicas. Por isso, o recomendado é que você tenha dois sabonetes diferentes: um para o corpo e outro para o rosto. “O pH do sabonete corporal é incompatível com a pele do rosto. Logo, se utilizado nessa região, pode causar desidratação e, em seguida, o efeito rebote. E o mesmo vale no caso contrário, já que, por ser mais suave, o sabonete facial pode não ser eficaz na remoção de sujidades e oleosidade do corpo”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Além disso, é importante evitar o uso de sabonetes com ação antisséptica. “Isso porque esse tipo de sabonete pode reduzir a quantidade dos microrganismos responsáveis por manter o pH da pele em equilíbrio, tornando-a ressecada, desprotegida e mais suscetível a doenças como dermatite e acne e aos danos ambientais que causam o envelhecimento precoce”, completa Cassiano.

Shutterstock

Passar o sabonete onde você não deveria: utilizar o sabonete em todo o corpo é a ação mais natural. Mas existe uma região que, ao contrário do que muitos pensam, não deve ser higienizada com sabão. “A vagina não necessita de assepsia, pois, além de acumular menos sujidades, possui pH menos ácido, que, quando desequilibrado devido à higienização, favorece a proliferação de agentes patógenos que podem causar infecções. Logo, o ideal é realizar a higienização apenas da vulva, que é a parte externa do órgão genital feminino”, explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU.

AlamyStockPhoto

Não trocar a toalha com frequência: é fundamental trocar e higienizar as toalhas pelo menos uma vez por semana. “Isso porque as toalhas são um ambiente propício para a proliferação de fungos e bactérias, além de acumularem óleos, células da pele e outros detritos, o que pode aumentar o risco de infecções de pele e irritações”, alerta Claudia. Além de lavar regularmente, é importante secar as toalhas corretamente para mantê-las livres de microrganismos nocivos. Logo, o ideal é pendurá-las em um local fresco, com bastante circulação de ar e pouca umidade e esperar até que sequem completamente.

Usar a mesma toalha para o corpo e rosto: segundo Claudia, além de lavá-las com regularidade, é importante utilizar toalhas diferentes para o corpo e para o rosto. “Isso porque alguns resquícios de produtos que você coloca em seu corpo, como hidratantes e fragrâncias, podem ficar na toalha e serem transmitidos para o seu rosto, obstruindo os poros, favorecendo o surgimento de cravos e espinhas e causando erupções cutâneas”, completa a dermatologista.

Não hidratar a pele após o banho: e os cuidados não devem ser restringidos apenas ao momento do banho em si. Após se enxugar, é fundamental realizar a hidratação da pele da face e do corpo para manter a barreira de proteção do tecido intacta. “Para isso, o ideal é buscar produtos cujos veículos sejam à base de fosfolipídeos, que formam uma segunda pele e protegem a derme de forma mais efetiva diminuindo a perda de água por evaporação. A associação do ácido hialurônico de alto e baixo peso molecular também é uma ótima opção, pois os ativos atuam em sinergia para estimular a produção de hidratação natural em todas as camadas da pele”, destaca Paola.

Você pode investir em substâncias como Hyaxel, DSH CN, Nutriomega 3, 6, 7 e 9. Para hidratar a face, por exemplo, você pode optar pelo uso do sérum 4D, da Buona Vita, que contém quatro ácidos hialurônicos, incluindo os de alto e baixo peso molecular, para promover hidratação nas camadas mais profundas da pele e preenchimento das rugas.

Já para o corpo, aposte no Nutribalm Lipid Replenish, da Ada Tina Italy, um hidratante corporal com Niacinamida Clareadora de textura leve e macia capaz de hidratar, nutrir, proteger e manter a pele integra e saudável, sendo assim capaz de prevenir o envelhecimento e o escurecimento da pele. “Aplicar os hidratantes após o banho é uma ótima maneira de melhorar a penetração dos ingredientes cosméticos. Mas tome cuidado na hora de aplicar os produtos para não deixar de lado regiões como pescoço, área dos olhos, joelhos e cotovelos. Além disso, evite realizar movimentos muito bruscos e repetitivos, que podem irritar a pele, fazendo com que os produtos percam o seu efeito”, finaliza Isabel Piatti, Consultora Executiva em Estética e Inovação Cosmética e conselheira do Comitê Técnico de Inovação da Buona Vita.