Arquivo da tag: covid-19

Dia Mundial da Obesidade faz Brasil e mundo darem atenção para doença que agrava quadro de covid-19

Se a obesidade pode agravar infecção causada pelo novo coronavírus, por sua vez, desdobramentos da pandemia podem piorar a obesidade

Hoje, 4 de março, é o Dia Mundial da Obesidade. O Brasil tem motivos de sobra para olhar com atenção para esta data e refletir a respeito da doença que se alastra como uma epidemia no país e no mundo. Para ser ter uma ideia do crescimento da obesidade em solo brasileiro, entre 2014-2015, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou a primeira edição da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), na qual foi constatada que 20,8% dos brasileiros estavam obesos. Cinco anos depois, em 2020, lançou a segunda edição da PNS, e a porcentagem de brasileiros com obesidade havia saltado para 25,7%.

Por si só, estes números são alarmantes. Em tempos de pandemia pelo novo coronavírus, o quadro acima descrito causa muito mais preocupação, já que a obesidade é um dos fatores de risco para agravamento da covid-19. O médico endocrinologista, especialista em tratamento de obesidade, Rodrigo Bomeny, explica que desde o início do espalhamento da doença, na China, estudos daquele país já demonstravam que pacientes obesos apresentavam maior risco de desenvolver quadros.

Foto: Xenia/Morguefile

Posteriormente, conforme Bomeny, com o avançar da doença na Europa e nos Estados Unidos, foram desenvolvidos novos estudos que também atestavam isso. “Recentemente, foi publicado um estudo francês, com uma análise retrospectiva dos pacientes que tiveram quadro de covid-19 e constatou-se que quem tem obesidade apresenta um risco cerca de oito vezes maior de ventilação mecânica”, diz.

Tal fato não significa, contudo, que todas as pessoas com obesidade, se contraírem a covid-19, desenvolverão quadros graves. A idade avançada continua sendo o maior fator de risco. Jovens, que em condições normais, são menos suscetíveis ao agravamento da doença, correm mais risco quando são obesos. Em relação ao gênero, homens têm mais chances de necessitarem de internação e ventilação que mulheres.

A obesidade é uma doença multifatorial, mas um dos aspectos de maior relevância para seu desenvolvimento é a alimentação. No artigo “Obesity and Covid-19 in Latin-America: a tragedy of two pandemics”, em português, “Obesidade e Covid-10 na América Latina: uma tragédia de duas pandemias”, publicado na Obesitu Review, a mais influente revista científica do mundo com foco na obesidade, a Federação Latino-Americana de Obesidade (Flaso), afirmou que nos últimos anos a América Latina viu um crescimento acentuado da doença entre as classes menos favorecidas. E um dos motivos, conforme o artigo, parecer ser a má alimentação, já que também foi constatado um aumento do consumo de alimentos ultraprocessados nessas classes.

Além de engordativos, por terem mais calorias, os alimentos processados ainda são pouco nutritivos, o que em contexto de pandemia de covid-19, torna o quadro ainda pior, podendo tornar a saúde da pessoa mais frágil e, consequentemente, mais vulnerável a complicações.

Se a obesidade é o fator de risco para agravamento da infecção causada pelo novo coronavírus, por sua vez, os desdobramentos da pandemia (isolamento social, crise econômica e perda de empregos) podem ser agentes causadores e de piora da obesidade. Isto porque acarreta ao maior consumo de alimentos industrializados, processados e ultraprocessados, grosso modo, mais caros.

“Manter o peso saudável já é difícil em tempos normais, mas parece ter ficado muito mais difícil em meio às mudanças radicais durante a pandemia”, enfatiza o médico endocrinologista. De acordo com Bomeny, o resultado de uma pesquisa online no Reino Unido atesta a dificuldade. No levantamento, feito com mais de 800 adultos, 63% dos entrevistados relataram dificuldade em manter o peso durante a pandemia.

O médico endocrinologista cita os principais fatores de risco associados ao ganho de peso durante a quarentena, inerentes ao isolamento social, ao confinamento, à rotina de home office e ao estado de ansiedade gerado pela doença. São eles: sono inadequado; lanches após o jantar; falta de restrição alimentar; alimentação em respostas ao estresse; e redução da atividade física.

Estar ciente de que a obesidade é morbidade que contribui para complicações no quadro infeccioso da covid-19 não significa de que se deve culpar o paciente obeso, como se quisesse dizer que a responsabilidade é só dele. Bomeny ressalta que a obesidade é uma doença. “Crônica e recorrente, ela resulta de alterações hormonais, sendo influenciada diretamente por questões ambientais e comportamentais”, explica.

Conforme Bomeny, reconhecer obesidade como doença é importante para pacientes se sentirem mais confiantes em buscar tratamento e para que medidas públicas mais eficientes sejam implementadas pelos governos. A obesidade é uma pandemia que não deve ser lembrada somente durante outra pandemia. Trata-se de condição que é fator de risco para muitas outras doenças, como diabetes tipo 2, problemas cardiovasculares, esteatose hepática (gordura no fígado) e síndrome metabólica.

Fonte: Rodrigo Bomeny é especialista em emagrecimento, é graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com residência em clínica médica e em endocrinologia e metabologia pela mesma instituição de ensino.

Infectologistas respondem as principais dúvidas sobre a vacinação contra o vírus Sars-CoV-2

Devo me vacinar mesmo após contrair o vírus? Posso tomar as doses da vacina em locais diferentes? Veja essas e outras respostas sobre o processo de imunização

Quem contraiu a Covid-19 recentemente pode tomar a vacina?
Sim: entretanto, recomenda-se esperar ao menos 30 dias após término dos sintomas para que a infecção não atrapalhe a eficácia da vacina.

O pré-cadastro no site “Vacina Já” garante que eu serei convocado para tomar a vacina?
Não:
o “Vacina Já” somente agiliza o tempo de cadastro do paciente no momento da vacinação.

Quanto tempo após tomar a vacina eu estarei de fato protegido?
Para as vacinas utilizadas atualmente no Brasil — CoronaVac, do Instituto Butantan, e AstraZeneca, da Oxford — espera-se que a proteção efetiva ocorra após os 14 dias de vacinação da segunda dose.

Devo abandonar o uso das máscaras ou qualquer outro meio de proteção logo após tomar vacina?
Não.
O uso de máscara continuará fazendo parte da nossa rotina até quando houver imunidade coletiva.

Após quanto tempo depois de tomar a primeira dose eu poderei tomar a segunda?
Ao tomar a vacina CoronaVac, o indivíduo deve esperar entre 14 dias e 28 dias para receber a segunda dose. Para a vacina da AstraZeneca, de 4 a 12 semanas. Vale lembrar que é preciso seguir a recomendação dos profissionais de retornar ao local de vacinação somente na data da segunda dose, marcada no comprovante de vacina.

Gestantes ou lactantes podem tomar a vacina?
Os estudos de liberação das vacinas contra a Covid-19 não foram realizados em gestantes ou lactantes originalmente. Portanto, ainda não há resposta concreta. De acordo com o Ministério da Saúde “as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições, a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e o médico prescritor.” Dessa forma, caberá aos envolvidos (profissional e paciente) avaliarem o risco de contágio versus o risco de efeitos colaterais durante a gestação.

Eu já contraí a Covid-19, mesmo assim devo tomar a vacina?
Sim.
Apesar de ser incomum, em 1% dos pacientes que já tiveram infecção pela Covid-19, pode haver nova infecção e apenas a vacina conseguirá dar proteção eficaz contra o vírus.

Quais reações a vacina pode causar no organismo?
A reação principal da vacina é a proteção, conseguida por meio da produção de memória imunológica pelos componentes da vacina. Do ponto de vista de efeitos adversos as vacinas CoronaVac e AstraZeneca têm reações que podem durar de 24h a 48h e geralmente melhoram com analgésico comum. Alguns deles são:
Cefaleia
Náuseas
Diarreia
Dor no local da aplicação
Febre

Existe uma vacina melhor que a outra? Qual a diferença de resultados entre elas?
Todas as vacinas liberadas para uso só conseguem aprovação se tiverem o mínimo de proteção necessária para evitar infecções pela Covid-19 e as únicas diferenças entre elas são em relação à quantidade de efeitos adversos, número de doses e o tipo de vacina.

Quais documentos são obrigatórios apresentar no dia da vacinação?
Para o Estado de São Paulo, recomenda-se realizar o pré-cadastro no site “VacinaJá”, além de apresentar obrigatoriamente, no dia da vacinação, um documento com foto, CPF e número do cartão do SUS. Confira a relação de documentos obrigatórios para o seu estado.

Foto: Lisa Ferdinando

O que significa a taxa de eficácia divulgada pelas farmacêuticas fabricantes das vacinas?
A taxa de eficácia é o quanto a vacina protege contra uma infecção. Quando se fala em eficácia global quer dizer o quanto a vacina protege o indivíduo do vírus. Essa porcentagem pode ainda ajudar a definir quanto da população deveria ser vacinada para evitar novas transmissões.

Quem faz uso de medicamentos controlados pode tomar a vacina normalmente?
Sim.
Não há contraindicação ao uso das vacinas disponibilizadas atualmente no país em combinação com medicamentos controlados.

Se eu demorar para tomar a segunda dose mais do que o recomendado, é possível que a imunidade se perca?
Recomenda-se tomar a vacina dentro do intervalo proposto pelo fabricante a fim de garantir a eficácia da vacina.

Iamspe

Qual a diferença entre as vacinas aprovadas? Principalmente referente às reações adversas de cada uma.
A vacina AstraZeneca tem eficácia geral descrita de 82%, porém variam de acordo com a idade e as populações diferentes, podendo ser menor em alguns grupos e maior em outros.
Já a CoronaVac tem eficácia geral de 50.38%. Em relação aos efeitos adversos, as duas vacinas apresentam resultados muito semelhantes, tendo discreto aumento de reações adversas na vacina da AstraZeneca em relação à CoronaVac.

Posso tomar a primeira dose da vacina AstraZeneca e a segunda da CoronaVac?
Não.
Ainda não há segurança para dizer que as vacinas se complementam.

Tomei a primeira dose num determinado lugar. Posso tomar a segunda em outro lugar?
Preferencialmente não
. A recomendação neste momento é que se retorne ao mesmo local da primeira dose — salvo em caso de troca de Estado.

Existem exames que comprovam a presença de anticorpos contra a Covid-19 após a vacinação? Se sim, quais são?
Existe um exame chamado pesquisa de anticorpos neutralizantes, que poderia avaliar proteção pós-vacina, porém está em fase de avaliação.

Fonte: Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe)

O que o novo coronavírus nos ensinou sobre saúde e cuidados com o próximo

Os desafios provocados pela pandemia trouxeram lições valiosas sobre autocuidado, tecnologia, valorização profissional e evolução da medicina

Desde que a propagação da Covid-19 instaurou um quadro de pandemia, o mundo tem lidado com uma série de mudanças. O misto de sensações oriundas da dor da perda de pessoas queridas e do isolamento social nos trouxe uma série de questionamentos.

Quem passou pelos altos e baixos de 2020 vivenciou uma nova rotina, reorganização do trabalho de mais uma série de lições. Entre os aprendizados, os que você lerá a seguir mudaram completamente a história da humanidade.

Prestar atenção nas notícias ajuda a prevenir danos maiores

O primeiro caso de SARS-CoV 2 foi identificado na China, em dezembro de 2019. Desde então, a doença começou a se espalhar rapidamente pelo mundo e, somente em março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu o surto como pandemia. O que podemos aprender com isso? Que estamos em um mundo globalizado e o que acontece em uma região a milhares de quilômetros de distância interfere diretamente na nossa vida. Nunca foi tão importante prestar atenção nos noticiários.

Nem sempre podemos ter o controle de tudo

2020 seria o ano dos feriados prolongados no Brasil. Isso serviu de inspiração para a marcação de viagens nacionais e internacionais que, como todos já sabem, não aconteceram. Aceitar que não temos o controle de tudo foi um aprendizado e tanto.

Cuidar do meio ambiente é nosso dever

Durante o tempo em que a gente cumpria o isolamento social, a qualidade do ar em São Paulo melhorou e o Himalaia pôde ser avistado do Norte da Índia, já que as nuvens de poluição deram uma trégua. O meio ambiente fica bem melhor sem os humanos.

Ter planejamento financeiro é fundamental

O desemprego foi um dos efeitos da pandemia sentido na pele por milhares de brasileiros. Quem não tinha reservas financeiras se viu diante de um desafio muito grande. A lição que fica é que é necessário contar com uma reserva de emergência.

É preciso valorizar o comércio local

MCStudio79/Pixabay

Quantas vezes aquela pequena mercearia do seu bairro te salvou durante o isolamento social? Colaborar com a economia local é uma das lições da quarentena que devem se manter nessa nova configuração da nossa rotina.

Lavar as mãos é um ato de amor coletivo


Apesar de ser um hábito básico de higiene, lavar as mãos passou a ser um símbolo da preservação da vida. Certamente, essa atividade simples continuará sendo realizada com ainda mais consciência e frequência.

Álcool gel virou um item essencial de higiene

O álcool gel, que foi muito requisitado no pico da pandemia, virou um item básico de higiene. Manter o produto sempre por perto, além de manter as mãos limpas, ajuda a desinfetar talheres, copos, entre outros objetos.

Respeitar os profissionais que atuaram na linha de frente

Profissionais da saúde, garis, agentes de limpeza, seguranças, bombeiros, motoristas de ônibus, entre outros trabalhadores, se arriscam diariamente para garantir a nossa proteção. Isso nos ensinou sobre o que é realmente essencial.

Trabalhar remotamente é o novo normal

Foto: Lumen/Pexels

Graças à internet e a tecnologia digital, as empresas entraram no universo do home office. Ao que tudo indica, essa nova forma de trabalho, que já era uma tendência, veio com tudo e fará parte das novas configurações corporativas.

A telemedicina é nossa importante aliada


A telemedicina avançou consideravelmente em 2020. A Lei 13.989, de abril de 2020, que regulamenta o exercício de profissionais nesse novo formato que é “medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde”.

O home care é uma opção segura de abordagem terapêutica

De acordo com um levantamento realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), as atividades de home care aumentaram 20% em 2020. Esses dados revelam que esse serviço fez toda diferença no enfrentamento à pandemia. Graças à abordagem transdisciplinar de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, entre outros, esse tipo de atendimento ajudou a aumentar a capacidade de leitos. Tudo isso com o apoio da telemedicina. Para os pacientes, o home care implicou em mais segurança, conforto e comodidade. Até mesmo os casos complexos, com a devida autorização médica, puderam receber os cuidados em casa.

Esse é um dos aprendizados que marcaram o início de uma nova era pós-pandemia. Afinal, receber o tratamento adequado ao lado de familiares e na própria residência é fundamental para o sucesso da reabilitação.

Fonte: SOS Vida

Covid-19: Drogaria São Paulo e Drogarias Pacheco oferecem novo teste rápido com coleta oral

Menos incômodo para alguns pacientes, o novo teste antígeno oral identifica o vírus ativo no corpo e sua realização é recomendada entre o 1º e 7º dia de sintomas

Para facilitar a coleta em pessoas mais sensíveis ao cotonete nasal, as farmácias da Drogaria São Paulo e Drogarias Pacheco, do Grupo DPSP, passam a oferecer o teste Antígeno por via oral para detecção de partículas do vírus em amostras de saliva.

O teste rápido consegue identificar a presença ativa do Coronavírus no organismo, diferentemente do teste de anticorpos, que identifica se a pessoa já teve contato anterior com a doença. Até então, o único teste com coleta oral disponível era o PCR-Lamp, também encontrado nas farmácias, que leva 24 horas para ficar pronto.

Com resultado rápido, entre 15 e 30 minutos, o novo teste é recomendado para pacientes sintomáticos, a partir do primeiro dia do surgimento dos sintomas – ou do contato com alguma pessoa infectada – até o sétimo dia.

“É fundamental o paciente relatar para o profissional se está com sintomas ou não. Essa triagem, que também é feita pelos farmacêuticos em nossas unidades, é essencial para a orientação do teste mais indicado conforme o quadro”, afirma Maria Lemos, responsável pela Gestão de Serviços Farmacêuticos do Grupo DPSP.

Saiba as diferenças entre os testes para diagnosticar a doença

Para evitar dúvidas antes de realizar um dos testes, a Drogaria São Paulo e Drogarias Pacheco respondem:

Quais os tipos de testagem rápida disponíveis nas farmácias e qual indicação para cada um deles?

Para efeitos de diagnóstico, os testes mais indicados são aqueles que detectam o vírus ativo no organismo.

Teste rápido Antígeno: detecta a presença ou não de partículas do vírus (antígenos) da Covid-19, por meio de coleta nasal ou nasofaríngea. Aponta infecção ativa, ou seja, ainda em fase de transmissão. O teste é indicado para pacientes que tiveram exposição ao vírus ou com sintomas entre o 2º e 7º dia. O resultado é emitido em 15 minutos.
Teste rápido Antígeno Oral: detecta partículas do vírus em amostras de saliva, considerado menos incômodo que o antígeno nasal. Recomendado para pacientes sintomáticos entre o 1º e 7º dia de sintomas. O resultado fica pronto em até 30 minutos.
Teste Covid-19 PCR-LAMP: teste molecular que detecta o RNA do vírus pela saliva do paciente, indicado para pacientes sintomáticos e assintomáticos a partir do 1º dia de infecção até o 7º dia. A autocoleta de saliva em um tubo estéril pode ser realizada na própria farmácia. A coleta vai para o laboratório e o resultado é obtido em até 24 horas. O teste é equivalente ao RT-PCR – o teste padrão encontrado na rede hospitalar e em laboratórios privados – mas com valor mais acessível à população. Sua acurácia chega a 99%, segundo o fabricante.

Para saber se o paciente já teve contato com a Covid-19, a indicação é o teste rápido de Anticorpos IgM e IgG, que detecta a presença ou não de anticorpos no organismo, ou seja, se já teve contato recente com o vírus (IgM) ou se já teve a doença (IgG). É indicado para pacientes a partir do 8º dia de sintomas e o resultado sai em 15 minutos.

Os testes são seguros?

Sim, os testes são seguros. Mas é importante notar que eles possuem indicações distintas conforme a janela sintomática. A recomendação para o paciente é informar, na hora da triagem para realização do teste, se está sintomático ou não (e, se sim, há quantos dias), para obter orientação do profissional. A Anvisa avaliou e aprovou o registro dos testes rápidos, que demonstraram atender aos critérios de segurança e eficácia estabelecidos nos Regulamentos Sanitários.

Qual a diferença entre os testes rápidos e aqueles realizados em hospitais ou clínicas médicas, cujo diagnóstico leva mais tempo?

Elchinator/Pixabay

Desde o início da pandemia a tecnologia para os testes avançou e hoje há opções igualmente seguras e mais acessíveis. O PCR-Lamp, por exemplo, tem a mesma tecnologia do RT-PCR (teste molecular), mas tem resultado mais rápido e técnica menos invasiva. É possível realizar diferentes tipos de testes para finalidades distintas, conforme necessidade ou indicação médica.

Procure o teste disponível em sua região e faça o agendamento pelo Portal de Serviços:
O preço dos testes varia de R$ 79,90 a R$ 149,90.

Um ano de pandemia: o que devemos manter para deixar a limpeza da casa em ordem

Prestes a ‘fazer aniversário’, pandemia ainda requer cuidados extras para diminuir as chances de contágio

Já estamos devidamente habituados com a pandemia. Sabemos que é extremamente importante utilizar máscaras, manter o distanciamento social e lavar bem as mãos, se possível complementando com álcool em gel. Afinal, em março teremos completos um ano desde a chegada do coronavírus no Brasil.

E, desde as primeiras notícias da doença em solos brasileiros, uma série de novos protocolos em relação à limpeza foi implementada. Mas, e agora, depois desse tempo? O que precisamos manter? Renato Ticoulat, presidente da Limpeza com Zelo, relembra algumas dicas importantes que não devem ser esquecidas, mesmo com a chegada da vacina e a retomada das nossas atividades cotidianas.

=Tirar os sapatos antes de entrar em casa: esse simples ato evita que não só covid, mas outros vírus e doenças entrem em nosso lar. Para não ter problemas com vizinhos, logo depois de chegar, retire os sapatos na porta de entrada, usando luvas, e passe uma solução desinfetante neles.

=Lave as mãos com frequência e, principalmente, sempre que chegar de locais como supermercados, banco, trabalho, escola etc.

=Se trouxer alimentos ou produtos para dentro de casa, lave-os bem antes de armazená-los em armários ou geladeira.

=Sempre que possível, desinfete superfícies de alto contato, como interruptores, maçanetas de portas, controle remoto, porta da geladeira, do forno e micro-ondas. Outro objeto que fica muito exposto a sujidades e contaminantes é o nosso celular, que também merece essa atenção. A desinfecção pode ser feita com álcool 70% e um pano limpo e seco.

=Prefira aspirador de pó a vassoura, que pode levar a sujeira de um cômodo ao outro, em vez de eliminá-la.

=Nunca utilize o mesmo pano para limpar diferentes áreas da casa. Isso causa a contaminação cruzada, quando levamos sujeira de um cômodo ao outro, como do banheiro para o quarto, por exemplo.

Freepik

=Não misture diferentes produtos de limpeza: a junção de dois ou mais produtos, que têm em sua composição diversos agentes químicos, pode ser nociva à nossa saúde e emitir gases, causando alergias e reações.

Fonte: Limpeza com Zelo

Pandemia serviu de estímulo na busca por alimentos funcionais, mostra pesquisa

Relatório elaborado pela Takasago mostra que consumidores estão procurando mais por alimentos que tragam imunidade, bom humor e intestino saudável

Utilizar a alimentação como uma forma de medicação natural não é um conceito novo, mas tem atraído cada vez mais as pessoas. Além de vitaminas e suplementos, os consumidores têm se voltado para alimentos e bebidas que contenham ingredientes específicos para atender a certos estados de necessidade, e a pandemia da Covid-19 trouxe para primeiro plano a importância de se cuidar da saúde e do bem-estar.

Essa conscientização crescente fornece, aos fabricantes, a oportunidade de desenvolver produtos funcionais voltados às necessidades de curto e longo prazo dos consumidores. De olho no mercado, a Takasago – uma das cinco maiores empresas de aromas e fragrâncias do mundo, com operação em 26 países, incluindo o Brasil – elaborou um relatório com as três principais tendências no espaço de alimentos e bebidas funcionais: imunidade, humor motivado e microbioma.

“Essa pesquisa forneceu à Takasago a oportunidade de trabalhar em conjunto com nossos clientes para desenvolver produtos que fossem saborosos e, ao mesmo tempo, saudáveis, atendendo a uma crescente demanda do mercado”, comenta Rafaela Bedone, Head de Marketing e de Consumer Insights da Takasago.

Imunidade

A imunidade já era um “sonho de consumo” mesmo antes do surgimento do novo coronavírus. Lançamentos em alimentos, bebidas e suplementos com tal funcionalidade cresceram 29% em comparação aos biênios 2015/2016 e 2018/2019. Com a pandemia, a esperança de se prevenir do vírus fez aumentar a procura por produtos de reforço imunológico. Esta vertente do mercado de alimentos e bebidas deverá crescer 6,6% ao ano, até 2024, no Brasil.

Tendências em ingredientes:

Foto: Joseph Mucira/Pixabay

• Gengibre
• Canela
• Zinco
• Pimenta-preta
• Açafrão
Tendências em sabores
• Citrus
• Capim-limão
• Maçã
• Açaí
• Romã

Motivação de humor

A pandemia da Covid-19 trouxe consigo o isolamento físico, as medidas restritivas e as quarentenas. No “pacote”, veio também o aumento do estresse, a ansiedade e os problemas relacionados à saúde mental. Por isso, o consumo de alimentos que trazem sensação de conforto aumentou. Além disso, os funcionais ganharam ainda mais espaço, fornecendo aos consumidores produtos que podem ajudar a melhorar o humor e aliviar algumas das preocupações com a saúde.

Tendências em ingredientes

Lavanda

• Lavanda
• Hibisco
• Cannabis
• Camomila
• Pepino

Tendências em sabores

Foto: Laura Musikanski/Morguefile

• Amora
• Morango
• Limão
• Melancia
• Menta

Microbioma

Um intestino saudável é mais do que apenas a decomposição e a absorção de nutrientes. O microbioma, um espectro de bactérias vivas encontradas no intestino, passou a ser compreendido e conectado ao cérebro e à saúde imunológica. Os produtos para a saúde intestinal estão sendo formulados para tratar da saúde digestiva, bem como de outras áreas da saúde geral, por meio de ações no intestino.

A saúde do microbioma intestinal está evoluindo além dos ingredientes probióticos e prebióticos para outros ingredientes, como os pós-bióticos, nos quais a pesquisa científica ainda está no início. Tal entendimento também aqueceu o mercado de alimentos e bebidas no Brasil, mas, desta vez, no nicho de saúde digestiva, que, segundo a Euromonitor, também deve crescer na ordem de 6,6% ao ano, até 2024.

Tendências em ingredientes

Foto: BenefitsHeader

• Kombucha
• Pós-bióticos
• Kefir
• Fibras
• Cardamomo

Tendências em sabores


• Maçã
• Pera
• Goiaba
• Abacaxi
• Pêssego

Fonte: Takasago

Site esclarece dúvidas sobre vacinas contra Covid-19 que começam a ser aplicadas no Brasil

Depois de receber autorização das autoridades de saúde, a campanha de vacinação contra a Covid-19 começa a ser distribuída para a população da primeira fase, que engloba profissionais de saúde na linha de frente de combate à doença, além de idosos.

O trabalho de desenvolvimento das vacinas foi intenso e cerca de um ano após o surgimento da pandemia, a imunização já está sendo disponibilizada. Apesar de o tema ser destacado diariamente na mídia, muitas são as dúvidas relacionadas a esse tipo de proteção. Para esclarecer as principais questões, o Campus São Paulo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) lançou uma página na internet, no formato de perguntas e respostas.

O conteúdo aborda pontos como a eficácia, tempo de proteção e efeitos colaterais existentes no processo de imunização.

Os interessados podem acessar a página clicando aqui.

Aplicativo Badoo revela tendências em relacionamentos para este ano

Conversas mais profundas e encontros mais longos são alguns dos comportamentos para ficar de olho no próximo ano

O ano de 2020 impactou diversas áreas da nossa vida, incluindo até a forma como nos relacionamos. Com as restrições da Covid-19 e medidas de distanciamento social, os encontros presenciais diminuíram enquanto os virtuais atingiam patamares nunca antes alcançados.

No entanto, o período de isolamento não impediu que as pessoas procurassem por uma nova conexão. O aplicativo de relacionamento Badoo viu mais de dois bilhões de conexões acontecerem e quase 3 bilhões de primeiros chats no aplicativo em todo o mundo em 2020*, provando que é possível conhecer novas pessoas e até iniciar um novo relacionamento no meio de uma pandemia global.

Para auxiliar quem deseja se aventurar e encontrar novas conexões no ano que vem, a analista de dados globais do Badoo, Priti Joshi, compartilhou as tendências de relacionamentos do aplicativo para 2021. Confira:

=Webdate: com certeza, 2020 foi o ano da chamada de vídeo, a ferramenta que promoveu conexões mais íntimas e seguras do conforto de casa continuará forte neste ano.

=Sexting: considerado um tabu antes, a relação entre sexo e tecnologia se intensificou no ano passado e, com isso, gerou mudanças na ordem e quantidade de interações sexuais antes de um encontro na vida real.

=DMs mais profundas: com restrições mudando diariamente acompanhadas de incertezas sobre o futuro, muitas pessoas se viram diante uma nova oportunidade quando o assunto é se relacionar. Se antes era necessária apenas uma conversa breve por mensagem para marcar um encontro e, então, duas pessoas se conhecerem melhor, agora os solteiros estão aproveitando o tempo para terem conversas mais profundas com suas conexões mesmo sem a previsão de um encontro ao vivo.

Ilustração: Studiostoks

=Desacelerar a paquera: a ausência de encontro na vida real colocou uma ênfase no momento pré-encontro. Com isso, a fase da paquera e da conquista online se tornou ainda mais importante e duradoura.

Dan Rentea/iStock/Getty Images Plus

=Dates mais longos: houve uma mudança nos hábitos de encontros em relação à duração e planejamento dos mesmos. A tendência é que agora os encontros sejam marcados com bastante antecedência, seguindo as novas medidas de segurança e com mais tempo para planejar atividades que não coloquem em risco o casal.

=Foco em mim: a maioria das pessoas tem usado mais tempo para refletir sobre si mesmo focando nas próprias necessidades e desejos mais profundos. A partir disso, surge um novo tipo de solteiro, alguém mais autoconsciente, com uma nova visão e mais aberto a conhecer novas pessoas. Afinal, saber o que você está procurando e quem você é são fatores importantes para criar uma conexão sincera com alguém.

“O ano passado foi completamente imprevisível no mundo dos relacionamentos. As pessoas tiveram que inventar novas formas para se relacionar e também criar novas oportunidades para isso acontecer. E mesmo com todos os desafios, fomos inspirados pela maneira como nossos usuários continuaram a se conectar uns com os outros em 2020”, comenta Martha Agricola, Diretora de Marketing do Badoo no Brasil.

Com o objetivo de celebrar as conexões dos usuários do Badoo e apoiar essa análise sobre tendência de comportamento nos relacionamentos, a empresa desenvolveu o “LoveMap”, uma plataforma que destaca todas as interações entre os usuários globais do app todos os dias. O site revela as respostas de acordo com a localização desejada, desde quais as frases de perfil mais populares no Badoo em determinada região, quais os interesses preferidos e até qual o gif mais usado no dia. Para acessar os dados em tempo real no LoveMap do Badoo, clique aqui.

*Dados Globais do Badoo de 1 de janeiro a 6 de novembro de 2020.

Quem come mais frutas, verduras e legumes por dia reduz risco de morte, aponta pesquisa

Quanto mais frutas e vegetais as pessoas comem, menor a probabilidade de morrerem, em qualquer idade

Segundo Mariela Silveira, médica diretora do Kurotel – Centro Contemporâneo de Saúde e Bem-Estar, um trabalho publicado na Journal o Epidemiology and Community Health em 2014 precisa ser aproveitado neste momento de pandemia da Covid-19 em todo o mundo. Pesquisadores da University College London estudaram 65.226 homens e mulheres acima de 35 anos de idade e os acompanharam durante sete anos e meio para avaliar o impacto da ingestão de frutas verduras e legumes ao dia na saúde.

Quem comia no mínimo três porções ao dia tinha 14% menos risco de mortalidade. Os que ingeriam pelo menos cinco frações tinham 29% menos, quem absorvia sete porções reduzia em 36% e quem alimentava-se mais do que sete quantidades de frutas, verduras ou legumes ao dia reduzia para 42% o risco de morte, incluindo doenças cardiovasculares e câncer. O ideal é que cada porção tenha o tamanho da palma da mão.

“Ou seja, quanto mais frutas e vegetais as pessoas comiam, menor a probabilidade de morrerem, em qualquer idade. Se este trabalho mostra que a mortalidade é reduzida comendo-se frutas, verduras e legumes, significa que o organismo se torna mais forte e a redução de doenças, bem como sua recuperação, também. Por isso esta é uma medida barata e de saúde pública”, comenta Mariela.

A alimentação é um item fundamental para a saúde. Somos o reflexo daquilo que comemos, pois cada célula do nosso corpo é formada a partir dos nutrientes que fornecemos ao organismo por meio da alimentação. A falta ou quantidade insuficiente de um único nutriente já é capaz de gerar consequências negativas ao organismo. Os alimentos são como remédios naturais.

Foto: Nicole Franzen

No verão, por exemplo, uma grande aliada da pele é a vitamina C, que tem ação antioxidante, protege dos raios UVA e UVB, preserva a firmeza, elasticidade e resistência da pele. Alguns alimentos ricos em vitamina C são as frutas cítricas (laranja, mexerica, limão), mamão papaia, morango, kiwi, melão, tomate, manga etc.

Também precisamos buscar a adequação dos níveis de vitamina D, por meio de orientação dietética, mudança dos hábitos de vida e suplementação, caso necessário. As duas principais fontes de vitamina D são a síntese pela pele, em resposta à exposição aos raios ultravioleta B, e as fontes dietéticas, que incluem peixes gordurosos, gema de ovo, óleo de fígado de bacalhau e alimentos fortificados.

Fonte: Kurotel

Covid-19: orientações nutricionais para reforçar sistema imunológico*

O nosso sistema imunológico tem como principal função a proteção contra infecções causadas por bactérias, vírus e outros patógenos. Fatores como genética, meio ambiente, estilo de vida, estado nutricional – ou mesmo a interação de todos esses fatores – influenciam o sistema imunológico, e isso pode explicar as grandes diferenças entre as pessoas neste quesito.

A nutrição tem sido estudada há décadas em seu importante papel na imunidade. Conforme ocorre com os outros sistemas corporais, o sistema imunológico depende de nutrientes adequados para seu bom funcionamento e estudos mostram que as células imunes podem ser particularmente sensíveis à ausência ou redução de certos nutrientes e componentes dos alimentos.

Pesquisas evidenciam que a deficiência ou inadequação nutricional está associada ao comprometimento da função imunológica, contribuindo para o aumento da morbidade e mortalidade por infecções. Dessa forma, melhorar o estado nutricional e a quantidade de vitaminas e minerais é essencial para garantir a saúde imunológica, seja por meio da ingestão alimentar ou de suplementos.

Alimentos indispensáveis para o sistema imunológico:

Ômega-3: peixes (sardinha, atum, arenque, salmão selvagem), castanhas, amêndoas, nozes

Pixabay

Compostos bioativos (antioxidantes e anti-inflamatórios): frutas vermelhas/arroxeadas, verduras, legumes e sementes em geral

Bazinga1k980/Pixabay

Prebióticos: (cebola, alho, alho-poró, chicória, farinha de banana verde, batata-doce, batata yacon, biomassa de banana verde) e fibras (cereais integrais, frutas, verduras, legumes, sementes) para a saúde do intestino

Pixabay

Selênio: principal fonte castanha-do-pará (recomendado 3 unidades/dia)


Vitaminas do complexo B: levedura nutricional, sementes oleaginosas, cereais integrais

Foto: Scibosnian

Vitamina D: peixes de água salgada, ovos e manteiga

Vitamina E: azeite de oliva extravirgem, castanhas, avelã, semente de girassol, abacate

Steve Buissinne/Pixabay

Vitamina A: cenoura, batata-doce, folhas de brócolis, manga, couve

Vitamina C: abacaxi, acerola, laranja, kiwi, goiaba, brócolis, frutas cítricas, frutas vermelhas, talos da couve, salsa

Pixabay

Zinco: sementes como gergelim, chia, linhaça, castanhas, amêndoas, cereais integrais, casca da tangerina, feijões, principalmente feijão azuki

Os alimentos desta lista devem fazer parte da composição diária da dieta. Suplementos nutricionais poderão ser indicados conforme necessidade individualizada. E deve-se evitar alimentos industrializados em geral, devido à baixa qualidade nutricional.

Além de manter um padrão saudável de alimentação, regular os níveis de estresse e sono também auxiliam no sistema imunológico. Níveis elevados de estresse contribuem para o aumento de cortisol circulante. Sabe-se que os níveis de cortisol interferem diretamente na qualidade do sono. Um sono inadequado pode causar menor eficiência das células imunitárias – ou, em outras palavras, baixar a imunidade.

*Gislaine Engelmann é nutricionista clínica do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC)