Arquivo da tag: culinária

Alimentação variada e saudável: confira os alimentos que estão na época em outubro


O mês de outubro traz uma variedade de frutas e hortaliças saborosas e nutritivas, que podem ser encontradas com maior facilidade nos supermercados, feiras e sacolões. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo lista alguns deles:

Manga tommy


É a variedade da fruta mais cultivada no país, e possui uma grande quantidade de nutrientes que são essenciais para saúde. De cor amarela avermelhada e polpa bem firme, essa fruta está associada ao fortalecimento do sistema imunológico, pelas suas boas quantidades de vitamina C. A manga é riquíssima em vitamina A, nutriente benéfico à saúde dos olhos.

Jabuticaba

Facily


A polpa da jabuticaba é rica em zinco, manganês, magnésio e potássio. Com todos esses minerais, ela desempenha papel essencial para as células cerebrais, retina, fígado, rins, músculos, cabelos e ossos. Sua casca apresenta poder antioxidante, auxiliando no fortalecimento do sistema imunológico, cicatrização e na prevenção de doenças cardíacas.

Caju

Foto: Giovanni42/Pixabay

Além da vitamina C, a fruta também contém zinco, ferro e cálcio, nutrientes eficazes no fortalecimento do sistema imunológico, no combate à anemia e no fortalecimento dos ossos. Na fruta também são encontrados muitos flavonoides, que possuem propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias, antimicrobianas, entre outras.

Maxixe

Cornershop


O maxixe faz parte da mesma família das abóboras, pepino, melão e melancia. Seu fruto apresenta formato oval, com casca espinhosa ou lisa, de cor verde clara. É fonte de minerais, como o zinco e é rico em cálcio e magnésio, que em conjunto são importantes para a saúde óssea e também ajudam a prevenir problemas cardiovasculares.

Mostarda

Stock Photo


Existem várias espécies de mostarda, todas da família das Brássicas, portanto próximas ao repolho e à couve-flor. O sabor picante é característico dessa hortaliça. É fonte de vitaminas C e A, de cálcio e possui teores moderados de ferro, sódio, potássio e magnésio. Os talos da mostarda são ótimas opções para enriquecer farofas, refogados e sopas. E a suas folhas podem ser usadas em pratos frios e quentes.

Alcachofra

Foto: Max Straeten/Morguefile

A alcachofra é uma hortaliça, pertencente à família Asterácea, a mesma da alface, chicória e girassol. É fonte de vitamina C, ácido fólico e minerais como magnésio e potássio. Possui poucas calorias. Pode ser utilizada em saladas, recheios, base para molhos ou acompanhamento de massas.

Receitas:

Geleia de Jabuticaba

Pinterest

Ingredientes
3 xícaras (chá) de jabuticaba (450g)
2 xícaras (chá) de água (480ml)
1/2 xícara (chá) + 3 colheres (sopa) de açúcar mascavo (105g)
Suco de 1/2 limão (12ml)

Modo de preparo
Em uma panela grande, coloque as jabuticabas já lavadas, cubra-as com água até a metade e leve para o fogo tempo suficiente para que as jabuticabas estourem e o caldo fique bem roxo, sobrando apenas as cascas. Em uma peneira coe o líquido e volte para o fogo, acrescentando o açúcar e o suco do limão. Mexa até que o líquido comece a engrossar, não deixe ficar muito grosso, pois fora do fogo ele já tende a ficar mais seco. Coloque em um recipiente de sua preferência e mantenha em temperatura ambiente. Dica: Quando esfria a geleia cria uma película em sua superfície, deixando-a semelhante a uma gelatina, basta misturar bem para que volte a consistência normal.

Rendimento: 18 Porções
Valor Calórico: 35 kcal
Peso da porção: 10g
Tempo de preparo: 55 min

Alcachofras recheadas

Cooking Channel

Ingredientes
4 alcachofras grandes (560g)
3 tomates pequenos (465g)
1 cebola pequena (100g)
1 dente de alho (2g)
3 ramos de salsinha (3g)
1 talo de salsão (50g)
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal(40g)
Sal a gosto
½ xícara (chá) de pão amanhecido ralado (60g)
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado (25g)

Modo de preparo
Lave as alcachofras e cozinhe-as com água e sal por 30 minutos. Após cozidas, escorra-as, corte a ponta das folhas e reserve. Lave, retire as sementes e a pele dos tomates, pique-os e reserve. Lave, descasque e pique a cebola e o alho. Lave e pique a salsinha e o salsão e reserve. Aqueça a manteiga, doure a cebola e o alho, acrescente o tomate e cozinhe até dissolver, acrescente o sal, o pão amanhecido, a salsinha e o salsão. Recheie as alcachofras com a farofa de pão, finalize cada uma delas com o queijo ralado e leve ao forno gratinar

Rendimento: 4 Porções
Valor Calórico: 332 kcal
Peso da porção: 280g
Tempo de preparo: 50 min

Fonte: Assessoria de Comunicação Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Amazzoni ensina a preparar Fresco de Mel

O drinque é a pedida para celebrar a maior tendência de coquetelaria da década

Gim tônica tomou conta dos bares brasileiros na última década e, no último dia 19 de outubro, foi comemorado esse novo amor brasileiro. A receita, que é quadricentenária e criada pelos ingleses em suas colônias tropicais para amenizar o amargo gosto do chá de quinino, ingrediente principal do remédio contra malária, ao misturarem a ele gim, limão e outros temperos, ganha versão brasileira com o Amazzoni Maniuara com maracujá e mel.

O rótulo é o mais novo lançamento da destilaria premiada mundialmente Amazzoni – duas vezes homenageado no World Gin Awards como o melhor gim artesanal brasileiro. Caracterizado como o primeiro gim Old Tom nacional, categoria do destilado com sabor mais adocicado, e com o menor teor alcoólico do mercado, 38% ABV, traz entre os botânicos capim-limão, limão siciliano, maxixe, castanha-do-pará, rainha do lago (espécie de planta aquática como a vitória régia), cacau e louro.

Com delicado bouquet floral no aroma, tem coloração dourada e finalização de sabor apimentado com notas cítricas agridoces. E, o nome é uma ode à formiga Maniuara, elemento tradicional da gastronomia amazônica, de sabor apimentado e refrescante, similar ao gim.

Apesar de uma inovação, o novo rótulo mantém intocado o cuidado no artesanato, na qualidade das matérias-primas, na sustentabilidade e na paixão pelo terroir de cada nascente de gim Amazzoni: a floresta.

Confira a receita abaixo.

Fresco de Mel

Ingredientes:
50 ml de gim Amazzoni Maniuara
20 ml de suco de maracujá
20 ml de mel
10 ml de suco de limão siciliano
100 ml de água tônica
Folhas de louro
Sementes de pimenta rosa
Gelo

Utensílios:
Um copo alto

Modo de fazer:
No copo, coloque o Amazzoni Maniuara, o suco de maracujá, o mel e o suco de limão siciliano. Misture até que o mel esteja totalmente diluído. Adicione bastante gelo no copo e complete com a tônica. Misture e finalize com a folha de louro e as sementes de pimenta rosa.

Fonte : Amazzoni

A importância de consumir proteínas vegetais e como incluí-las na alimentação

Nutrientes são responsáveis pela construção e elasticidade dos tecidos, transporte de substâncias, composição de anticorpos e regulação hormonal no organismo

As proteínas fazem parte de um grupo de nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Participam da construção e manutenção dos músculos, transportam substâncias como minerais, açúcares, colesterol e oxigênio, ajudam na formação das células de defesa, compõe e regulam hormônios, entre outras tarefas.

E quando falamos das proteínas vegetais, a contribuição pode ser ainda maior, uma vez que sua digestão e absorção são mais rápidas, possuem pouca gordura, são livres de colesterol ruim (LDL), são ricas em fibras e nutrientes. Algumas delas ainda possuem isoflavonas, que podem ajudar a prevenir doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

Alimentos como sementes de gergelim, grão de bico, lentilha, quinoa, ervilha e soja apresentam grandes concentrações de proteína, podem e devem ser incluídos na alimentação, tanto de vegetarianos e veganos, como de pessoas que consomem também alimentos de origem animal, mas buscam um estilo de vida saudável, com refeições completas e nutritivas.

Aos que procuram maneiras de inserir esse tipo de nutriente na dieta, o SupraSoy conta com uma linha completa de produtos à base de proteína vegetal. São seis opções: Original (também disponível nos sabores chocolate, banana e iogurte), Light e Nature, que também podem ser utilizados como substitutos do leite de vaca, uma vez que são fonte de cálcio, elemento fundamental para a boa saúde dos ossos. Todos os produtos são enriquecidos com vitaminas, minerais, não possuem glúten nem lactose e podem ser consumidos como bebidas, adicionando água, ou utilizados no preparo de diversos pratos doces e salgados.

E pensando em tornar esse consumo ainda mais prazeroso, com refeições saborosas e práticas, o SupraSoy preparou algumas receitas que podem servir de inspiração. Confira:

Muffin de Brócolis e Queijo

Ingredientes
Recheio:

200 g de brócolis
1 colher (chá) de Azeite Extravirgem Nova Oliva
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1 cebola média picada

Massa:
2 ovos
½ xícara (chá) de farinha de trigo
¼ de xícara (chá) de Azeite Nova Oliva Extravirgem
2 colheres (sopa) de amêndoas picadas
100 g de queijo parmesão sem lactose ralado
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1 colher (chá) de fermento em pó
½ colher (sopa) de SupraSoy Sem Lactose Original
60 ml de água
Azeite para untar

Modo de Preparo
Recheio: em uma panela com água fervente, cozinhe os brócolis por 1 minuto, escorra-os e pique-os. Em uma frigideira, aqueça o Azeite Nova Oliva Extravirgem e refogue os brócolis junto com a cebola. Tempere com sal e pimenta-do-reino. Deixe esfriar.
Massa: em uma tigela, bata ligeiramente os ovos e adicione a farinha, o azeite, as amêndoas, o queijo parmesão, o SupraSoy Sem Lactose Original dissolvido na água, o sal, a pimenta-do-reino, o fermento e misture bem.
Montagem: misture a massa com o recheio e coloque-os em forminhas para muffins, untadas com um pouco de azeite. Preaqueça o forno e asse a 280° C até dourarem. Sirva acompanhado de uma salada.

Penne com Shitake e Molho Branco

Ingredientes
Massa
500 g de macarrão penne cozido al dente

Refogado
2 colheres (sopa) de Azeite Nova Oliva Extravirgem
1 cebola pequena picada
1 dente de alho picado
150 g de cogumelos shitake cortados em tiras
2 talos de alho-poró cortados em tiras
Folhas de salsa a gosto

Molho
½ xícara (chá) de SupraSoy Light Zero Lactose dissolvido em 600 ml de água
4 colheres (sopa) de Azeite Nova Oliva Extravirgem
½ cebola picada
1 colher (sopa) de farinha de trigo
Sal e pimenta-do-reino a gosto
¼ de colher (chá) de noz-moscada ralada

Modo de Preparo
Refogado: em uma frigideira, aqueça o Azeite Nova Oliva ExtraVirgem e doure a cebola com o alho. Adicione os cogumelos shitake e refogue até que fiquem macios. Acrescente os talos de alho-poró, misture bem até murcharem e reserve.
Molho: em um recipiente, dilua o SupraSoy Light Zero Lactose na água. Em uma panela, aqueça o azeite e doure a cebola. Coloque em fogo baixo, polvilhe a farinha e deixe dourar. Aos poucos, e sem parar de mexer, acrescente o SupraSoy já preparado, tempere com o sal, a pimenta-do-reino e a noz-moscada. Cozinhe até engrossar, sem parar de mexer.
Finalização: sirva o macarrão penne com o molho branco bem quente e o refogado de shitake. Decore com folhas de salsa.

Dica: você pode substituir o penne por qualquer tipo de massa e, se preferir, quando o molho branco estiver pronto, para incrementar, acrescente 2 colheres (sopa) de pesto.

Smoothie Prático de Morango

Ingredientes
6 colheres (sopa) de SupraSoy Sem Lactose Sabor Iogurte dissolvido em 500 ml de água gelada
300 g de morangos sem talos, lavados e congelados
1 banana cortada em rodelas e congelada
Geleia de morango a gosto
Folhas de hortelã para decorar

Modo de Preparo
Dissolva o SupraSoy Sem Lactose Sabor Iogurte na água bem gelada, conforme o modo descrito na embalagem e reserve. Em um liquidificador, coloque os morangos, as rodelas de banana e, aos poucos, adicione o SupraSoy já dissolvido. Bata até adquirir uma mistura firme e homogênea.

Montagem
Em copos ou vidros de sua preferência, espalhe um pouco de geleia e coloque o smoothie. Para finalizar, decore com folhas de hortelã e sirva em seguida.

Dica: você pode substituir a geleia por outro sabor de sua preferência. Esta receita é ideal para um lanche saudável em um dia quente.

Cuscuz de Tapioca

Ingredientes

Calda:
1 xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Original (130 g)
½ xícara (chá) de açúcar (80 g)
½ xícara (chá) de água quente

Cuscuz de Tapioca:

½ xícara (chá) de leite de coco (100 ml)
¼ de xícara (chá) de SupraSoy Sem Lactose Original (32 g)
2 colheres (sopa) de açúcar
¼ de xícara (chá) de coco ralado
1 xícara (chá) de tapioca granulada
Coco fresco para decorar

Modo de Preparo
Calda:
coloque no liquidificador o SupraSoy Sem Lactose Original, o açúcar, e a água e bata por 1 minuto. Passe para uma molheira e leve à geladeira até a hora de servir.
Cuscuz de tapioca: em uma panela, misture o leite de coco, SupraSoy Sem Lactose Original, o açúcar e leve ao fogo médio até levantar fervura. Despeje sobre a tapioca granulada e deixe-a hidratando por 30 minutos. Junte o coco ralado, misture e coloque em uma assadeira pequena (18 x 28 cm), apertando bem com as costas de uma colher. Polvilhe com o coco fresco, corte em quadrados e sirva com a calda gelada.

Dica: se preferir, sirva o cuscuz de tapioca com leite de coco adoçado.

Panna Cotta de Damasco

Ingredientes

Panna cotta:
4 colheres (sopa) de SupraSoy Sem Lactose Original dissolvido em 400 ml de água
200 g de creme de leite sem lactose
¼ de xícara (chá) de açúcar
1 colher (chá) de essência de baunilha
2 envelopes de gelatina em pó sem sabor

Calda:
350 g de geleia de damasco
6 colheres (sopa) de água

Modo de Preparo
Panna cotta: em um liquidificador, bata o SupraSoy Sem Lactose Original dissolvido na água, o creme de leite e o açúcar. Transfira a mistura para uma panela e adicione a essência de baunilha. Leve ao fogo, e, após ferver, reserve e deixe esfriar. Prepare a gelatina de acordo com as instruções da embalagem, acrescente a mistura e distribua em copinhos, deixando espaço suficiente para completar com a calda. Leve para gelar até ficar firme.
Calda: Coloque a geleia em uma tigela pequena e misture bem com a água, formando uma calda. Distribua a calda sobre a panna cotta e sirva.

Dica: para a calda, use geleia de frutas vermelhas ou com o sabor de sua preferência.

Fonte: Josapar

Mitos sobre o azeite: nutricionista explica sobre funcionalidade do produto

Aquecimento, cor e acidez ainda deixam consumidores em dúvida na hora de escolher ou preparar receitas com o famoso suco das azeitonas

O azeite de oliva é uma gordura proveniente da azeitona, o fruto da oliveira. Florescendo na primavera, as azeitonas passam pelo processo de maturação até ao outono, época em que acontece a colheita. A azeitona é um alimento presente em grande parte das cozinhas e o azeite é um dos elementos base da dieta mediterrânica, considerada uma das mais saudáveis do mundo.

Segundo um estudo realizado pela Fiesp o consumidor brasileiro busca cada vez mais por uma alimentação balanceada e saudável e, por esse motivo, o interesse pelo azeite cresce a cada ano no Brasil. Uma gordura rica em vitaminas e substâncias antioxidantes, o azeite é subdividido em três tipos:

Azeite Extravirgem

Nesta categoria, o produto deve ter até 0,8% de acidez e sem defeito organoléptico/sensorial, sendo este o tipo de azeite que tem melhor preservadas as suas qualidades de aroma e sabor. A acidez de até 0,8% é um indicativo de que todas as etapas de processamento (maturação da azeitona, colheita do fruto, limpeza, extração e embalagem) foram realizadas de forma adequada.

Azeite Virgem

Azeites que apresentam algum defeito sensorial e/ou com acidez acima de 2% são denominados azeite virgem. Azeites com acidez acima de 2% não são adequados para o consumo, sendo que estes produtos são submetidos a um processo químico denominado refinamento, o qual se reduz a acidez do produto adequando-o ao consumo.

Azeite de Oliva

O processo de refinamento nos azeites virgens remove, além da alta acidez, as substâncias aromáticas e de sabor, bem como os antioxidantes naturais, pigmentos de cor e as vitaminas do azeite. Nesta fração refinada do azeite, normalmente se adiciona uma pequena quantidade de azeite extra virgem para repor um pouco de sabor, aroma e cor ao produto final. Estes azeites, então, são denominados comercialmente como “Azeite de Oliva” e sua acidez é de até 1%.

Mas com tantas informações disponíveis atualmente sobre o produto, surgem também alguns mitos que permeiam o uso do azeite. Pensando nisso, a Andorinha, marca pertencente ao grupo Sovena e que importa para o Brasil os azeites e azeitonas do seu olival próprio em Portugal, nos ajuda a desmitificar quatro mitos sobre o azeite.

De acordo com a nutricionista Maria Julia Coto “A inserção do azeite na alimentação todos os dias apresenta inúmeros benefícios à saúde devido à sua elevada densidade nutricional. Por isso, é essencial desmistificar algumas dúvidas comuns que surgem em torno desse alimento, para assim, proporcionar maior conhecimento sobre o impacto das escolhas alimentares em boas condições de saúde a curto e a longo prazo, assim como o azeite é capaz de proporcionar.”

O azeite não pode ser exposto a altas temperaturas

Esse é um dos mitos mais recorrentes entre os consumidores, e isso faz com que o uso do azeite fique restrito apenas à finalização de pratos e ao tempero de saladas. Segundo as pesquisas, 1/3 dos consumidores acreditam que, quando aquecido, o azeite perde suas propriedades benéficas e por esse motivo não esquentam o produto. Mas, ao contrário do imaginário comum, o produto aquecido se mantém estável e benéfico ao combate de colesterol ruim e aumento do bom. Usado corretamente, em média até 180ºC, o azeite de oliva pode fazer a diferença para manter uma alimentação de qualidade.

De acordo com a nutricionista Maria Julia Coto, “diversos estudos científicos já comprovaram que o azeite pode ser aquecido em condições de uso doméstico sem prejuízos. É um mito acreditar que vira ‘gordura ruim’, pois estes estudos demonstraram que o aquecimento não altera o perfil de ácidos graxos do azeite, comprovando que não há uma mudança no perfil de gorduras, que se mantém de boa qualidade. Isso ocorre devido ao alto teor de antioxidantes presentes no azeite, moléculas que protegem as células de reações oxidativas. Assim, o azeite é capaz de manter a sua composição estável frente à oxidação térmica, sem que haja a formação relevante de compostos tóxicos ou gordura trans.”

O azeite de cor verde é melhor do que o dourado.

A ideia generalizada diz que a cor do azeite é fundamental na escolha. “Muitos consumidores preferem comprar azeites em tons verdes-dourados. E quando, visualizam azeites com colorações diferentes, acreditam que o produto esteja estragado. A crença de que o azeite amarelo é ruim, não é verdadeira visto que, os diferentes tons de azeite estão relacionados a variedade, as condições climáticas, a região e o ponto de maturação das azeitonas colhidas para a extração do óleo é que determinarão a cor”, explica a especialista.

A cor do azeite indica a tonalidade da azeitona no momento de colheita e extração do azeite. A mudança na coloração deve-se ao processo de amadurecimento do fruto. Além disso, o estágio de maturação das azeitonas também interfere no sabor do azeite. No início da safra, normalmente as azeitonas estão mais verdes e, por isso, originam azeites mais amargos e picantes, já no fim da safra, normalmente os azeites são mais doces e suaves. O importante é saber o que diferencia um tipo de azeite do outro e como escolher o mais adequado para cada ocasião de uso, ou de acordo com a sua preferência particular de paladar.

O azeite é como o vinho do Porto, melhora com o tempo.


Diferentemente do vinho, as características e as intensidades de sabor e aroma se mantêm melhor preservadas e são mais bem percebidas quando o azeite é “novo”, ou seja, quando consumido em data mais próxima de sua fabricação. De acordo com a especialista, muitas propriedades do alimento são termo e fotossensíveis, ou seja, quando exposto constantemente a luz e ao calor, o azeite pode sofrer o processo de oxidação.

O azeite deteriora-se ao longo do tempo, estar exposto à luz ou ao ar e temperatura elevada provocam sua oxidação — por isso é melhor consumi-lo mais cedo do que mais tarde.
“Para manter por mais tempo suas propriedades o ideal fechar muito bem embalagem após o consumo, para evitar contato excessivo com o oxigênio, e guardar em um local fresco protegido de calor e luz excessiva”, complementa.

A acidez do azeite de oliva reflete no aroma e sabor.

Diferente do que muitos pensam, a “acidez” do azeite não está relacionada a sensação de sabor ácido que alimentos como, por exemplo, o limão proporciona. Segundo a nutricionista, “Não é possível sentir no paladar, o grau de acidez indicado na embalagem do azeite serve apenas para indicar a classificação do azeite”.

Além disso, está relacionada ao teor de ácidos graxos livres da azeitona e só pode ser detectada por meio de testes laboratoriais. A acidez pode ser influenciada por alguns fatores, como qualidade da azeitona, pureza, maturação, estocagem e transporte, estando associada ao grau de degradação e oxidação do azeite. Levando isso em conta, um azeite com maior acidez apresenta maior oxidação e é nisso que se deve prestar atenção. Isso porque alguns produtos da oxidação de óleo são prejudiciais à saúde. Um azeite de boa qualidade não possui acidez maior do que 2% o que é o caso do portfólio Andorinha. As informações sobre a acidez do azeite, geralmente, podem ser encontradas no rótulo do produto.

Fonte: Andorinha

Dia Mundial da Alimentação: o papel do plant-based para uma vida mais saudável

Nutricionista da Superbom explica os benefícios de uma alimentação livre de produtos de origem animal

No último sábado, 16 de outubro, comemoramos o Dia Mundial da Alimentação. E é importante notar que cresce cada vez mais no Brasil o número de adeptos a uma alimentação que prioriza a remoção total ou parcial dos alimentos de origem animal, como forma de zelar não somente pelo meio ambiente, mas também pela saúde.

Mesmo que para alguns pareça ser uma mudança muito difícil, sabendo fazer as adaptações de forma correta e mantendo um cardápio saudável e nutritivo, é possível introduzir o novo hábito alimentar de uma forma mais prazerosa e simples.

Dados divulgados pelo Índice de Alimentação Saudável (HEI-2010) apontam que a dieta vegana (ou plant-based) possui o melhor índice de valor nutricional dentre as analisadas. Já a onívora, que conta com a ingestão de carnes, por outro lado, foi a indicada com o menor valor nutricional. Os estudos mostram que as alimentações pescovegetariana – quando peixes e frutos do mar são as únicas proteínas animais consumidas -, vegetariana e especialmente a vegana geram um Índice de Massa Corporal (IMC) abaixo das onívoras, sendo ideais para o combate da obesidade e aos malefícios causados por ela. Quando questionada sobre táticas de aderir a uma alimentação plant-based, Cyntia Maureen, nutricionista da Superbom , marca pioneira na produção de alimentos saudáveis, explica:

“Uma opção para os que buscam dar início ao novo estilo de alimentação é começar de uma forma mais sutil, através da ‘segunda sem carne’, por exemplo. Esse movimento consiste em se alimentar apenas de alimentos vegetais ao menos uma vez na semana. A ideia é que, aos poucos, as pessoas aumentem o número de refeições sem derivados de origem animal até que, quando se perceba, tenham virado vegetarianas ou até mesmo veganas. Com uma introdução mais gradativa, fica mais fácil de não desistir”.

A profissional continua e explica que, ao retirar a carne da alimentação, é fundamental investir nas leguminosas – fontes de proteína vegetal. Feijões, grão-de-bico, lentilha, ervilha, além de hortaliças verdes escuras, como brócolis, rúcula, couve e espinafre, estão entre as opções que podem fazer parte do novo cardápio. “É muito importante experimentar e incluir de tudo um pouco. A alimentação precisa ser colorida com as cores da natureza. Sendo assim, a dieta também deverá ser preenchida com verduras e legumes, como couve, abóbora cenoura, alface, couve-flor e carboidratos, como cereais ou tubérculos. O céu é o limite”, pontua Maureen.

Por fim, a profissional explica que, além da transição ser feita de forma gradual, é muito importante o acompanhamento de um nutricionista: “ele poderá auxiliar para que sejam feitas as substituições adequadas, o que evita a deficiência de algum nutriente no organismo e, consequentemente, no desenvolvimento de alguma enfermidade”.

Os produtos Superbom presentes nas receitas podem ser encontrados no Mercado Livre, Magalu, Shopee e mais de 25 mil pontos de vendas físicos ao redor do Brasil.

Sugestão da Chef Cecília Victorio para o fim de semana: Torta Majestosa de Abacaxi e Nozes

Receita à base de farinha de arroz, leva abacaxi e nozes e é ótima opção para quem não pode consumir glúten e lactose

Com o final de semana chegando, ir para cozinha para preparar uma Torta pode ser uma opção para entreter as crianças e deixar dia mais gostoso. Para quem gostou da ideia, a chef Cecília Victorio ensina a preparar uma receita sem glúten e lactose, fácil de fazer e com um sabor surpreendente.

Feita com farinha de arroz, a Torta Majestosa de Abacaxi e Nozes tem uma textura leve, diferenciada e superfofinha, combinando o sabor cítrico da fruta com a crocância das nozes. Confira!

Torta Majestosa de Abacaxi e Nozes

Ingredientes da massa:
3 ovos médios
200g de açúcar refinado
200ml de suco de abacaxi
200ml de óleo de milho
270g de farinha de arroz
1 colher de sopa de fermento
5g de goma de xantana

Suco
80ml de água filtrada
150g de abacaxi picado

Preparo:
Bata no liquidificador e coe. Reserve.

Recheio
250g de abacaxi picado
2 colheres de sopa de açúcar
40g de nozes trituradas
40g de uvas passas

Preparo:
Coloque o abacaxi picado e o açúcar numa panela e leve ao fogo até secar a água. Deixe esfriar. Reserve.

Modo de preparo:
Bata no liquidificador por 1 minuto os ovos, açúcar, suco e o óleo. Pare de bater e misture em uma tigela a farinha de arroz, o fermento e a goma de xantana. Adicione o suco batido acima e mexa com o fuê até obter uma mistura homogênea e lisa. Unte com manteiga e enfarinhe com farinha de arroz uma forma redonda de 22cm.Coloque toda massa e distribua sobre ela os pedaços de abacaxi cozidos. Finalize distribuindo as passas e nozes picadas sobre o abacaxi. Leve ao forno a 180º C por 50 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.

Fonte: Bolos da Cecília

Aprenda a preparar creme de mandioquinha gratinado

A dica de Mimoo é ideal para os dias frios e leva poucos ingredientes

A Mimoo, marca de alimentos saborosos e que cabem no bolso, preparou uma receita perfeita usando ingredientes de qualidade e baixo custo. O creme de mandioquinha gratinado pode ser servido como entrada ou acompanhamento. O Requeijão Cremoso e o Queijo Ralado Mimoo dão um toque especial à receita.

A dica é ideal para quem busca praticidade na cozinha, pois a receita fica pronta em 30 minutos. Confira abaixo o modo de preparo e bom apetite.

Creme de mandioquinha gratinado

Ingredientes
500 g de purê de mandioquinha (cozida e passada na peneira)
1 xícara (chá) de creme de leite fresco
1 colher (chá) de sal (4 g)
½ xícara (chá) de Queijo Ralado Mimoo
Noz-moscada (preferencialmente ralada na hora)
6 colheres (sopa) de Requeijão Cremoso Mimoo
1 colher (sopa) de açúcar (13 g)
1 cebola média em tiras finas (140 g)

Modo de preparo
Preaqueça o forno a 180 ºC. Em uma tigela, misture bem a mandioquinha, o creme de leite, o sal e duas colheres (sopa) de queijo ralado. Depois, adicione noz-moscada a gosto. Distribua metade da mistura em seis tigelas refratárias individuais (9 cm de diâmetro x 4 cm de profundidade). Coloque uma colher (sopa) de requeijão cremoso no centro de cada tigela, cubra com o restante do creme de mandioquinha alise a superfície. Em uma frigideira pequena, leve ao fogo o açúcar, mexendo sempre, até começar a caramelizar. Adicione a cebola e mexa até que fique levemente murcha e caramelizada. Distribua as cebolas nas tigelas e polvilhe com o restante do queijo ralado. Coloque as tigelas em uma assadeira e leve ao forno por 15 minutos ou até gratinar. Sirva quente como entrada ou acompanhando uma carne grelhada

Dicas
Se preferir, faça essa receita sem a cebola caramelizada.
Faça essa receita em uma travessa de 30 cm x 20 cm.

Rendimento: 4 a 6 porções
Tempo de preparo: 30 minutos

Fonte: Mimoo

Dia Mundial do Pão: conheça receitas inspiradas na cultura holandesa

Entre tantos tipos, o pão cozido de centeio e o de abóbora são opções para inovar no cardápio

Pão de centeio, marraqueta, alentejano, australiano, ciabatta e brioche. Há diversos tipos de pães que se tornam cada vez mais conhecidos dos consumidores que buscam variar nas receitas e no cardápio. Um levantamento feito pela Kantar WorldPanel e pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados (Abimapi) mostrou que, só no primeiro quadrimestre de 2020, a categoria de pães industrializados teve um crescimento de 6,2% no faturamento e de 7,1% em volume. Segundo a mesma pesquisa, entre as refeições mais rápidas, a escolha pelo sanduíche teve um aumento de 34% justamente pela praticidade que a pandemia exigiu.

E os brasileiros começam a variar na escolha, indo além do pãozinho francês ou de forma e incluindo versões típicas de outros países também na rotina. São tipos de pães que trazem um pouco da cultura e tradição dos povos que formaram cada região do Brasil. De acordo com a engenheira de alimentos Harmke Marlena Kok Kooistra, moradora de uma colônia holandesa em Arapoti (PR), o pão de centeio costumava ser o alimento básico para muitas pessoas na Holanda e na Bélgica. Ela conta que a composição e a preparação desse tipo de pão são determinadas historicamente e regionalmente no país holandês. “Além do cheiro, da cor, da textura e do sabor, o método de preparação do pão de centeio é bem diferente do pão normal”, destaca Harmke, que também é produtora de pães de centeio artesanais.

Esse pão é muito tradicional nas regiões frias da Europa, como a Holanda, devido ao clima. O pão de centeio se popularizou pela possibilidade de ser armazenado por mais tempo que o pão de trigo, ou seja, pode durar por semanas e em baixas temperaturas.

Harmke afirma que uma curiosidade é que o pão de centeio costuma ser cozido e não assado. “No sul da Holanda, o cozimento do pão de centeio leva de uma hora e meia a duas horas. Em Frísios, levam de quinze a vinte horas e em Gelderland a preparação leva dez a quinze horas”, revela. Ela também comenta que o sabor é levemente adocicado e azedo. Já a textura é úmida e densa. A cor marrom escuro se deve justamente pelo longo período de cozimento. “O pão de centeio é composto de sementes de centeio e de girassol, água e sal. Esse pão não contém fermento, nem conservantes e é muito rico em fibras”, explica.

Costume de consumo diário

Margriet Lucy Straatsma, filha de imigrantes holandeses, que mora em Carambeí (PR), conta que o povo holandês costuma comer pão uma ou duas vezes por dia, costume trazido justamente pela praticidade. “Holandeses levam pão para o trabalho, piquenique e jantam cedo, por volta das 18 horas. Além disso, adoramos o cheirinho de pão fresco em casa”, comenta.

Para a conselheira da Associação Cultural Brasil-Holanda (ACBH), Janny Erkel, o pão é um alimento muito característico da cultura holandesa. “O povo holandês aprecia muito a variedade de pães. Além de ter um significado pela nossa cultura, permite sabores para todos os gostos”, salienta.

Para apreciar um pouco da cultura holandesa, a Harmke Marlena Kok Kooistra disponibilizou uma receita de Pão de Centeio. Outra receita é de Pão de Abóbora da Graciane Eckermann, uma das três influencers que venceu o concurso “Seja um Influencer Herança Holandesa”, marca de farinha de trigo da Unium.

Gekookt Roggebrood – pão cozido de centeio

Foto: Harmke Marlena Kok Kooistra

Ingredientes:
500 gramas de farinha de centeio
300 ml de água
10 gramas de sal
20 ml de glicose de milho

Modo de preparo:
Junte todos os ingredientes e forme uma massa. Unte uma fôrma com tampa, coloque a massa e aperte, se necessário, até que feche bem. Coloque a fôrma de alumínio dentro de uma panela de pressão com água até 2 cm abaixo da altura da fôrma. Deixe ferver por uma hora na panela de pressão. Depois retire e pode ser servido com café ou chá.

Pão de abóbora – por Graciane Eckermann

Ingredientes:
1 xícara (chá) de abóbora cozida amassada
3 xícaras (chá) de farinha de trigo Herança Holandesa
¾ de xícara (chá) de leite morno
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
2 colheres (chá) de açúcar
1 colher (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
2 ovos
1 colher (chá) de sal
Uma pitada de páprica doce
Uma pitada de pimenta síria
Uma pitada de zattar
Raspas de limão siciliano
Farinha de trigo para polvilhar a bancada

Modo de preparo:
Numa tigela pequena misture o fermento e o açúcar com ¼ de xícara (chá) de leite morno até dissolver. Deixe descansar por cerca de 5 minutos. Em outra tigela misture a farinha com o sal. Acrescente a abóbora e misture bem. Abra um buraco no centro e junte o fermento dissolvido. Em outra tigela pequena quebre os ovos e bata levemente. Acrescente o restante do leite morno, misturando bem com a mão e adicione os temperos. Enfim, junte a manteiga e amasse bem. Sove até ficar em ponto de véu. Modele uma bola, volte a massa para tigela e cubra com um pano de prato. Deixe descansar até dobrar de tamanho. Assim que tiver crescido, transfira a massa para a bancada e modele o pão no formato de abóbora. Cubra com o pano de prato e deixe crescer por mais 40 minutos. Preaqueça o forno a 200 °C (temperatura média). Pincele uma gema de ovo batida no pão já crescido e coloque para assar por 30 minutos.

Fonte: Unium

Dia das Crianças: deliciosa torta de chocolate com cookies Marilan para festejar os pequenos

O Dia das Crianças no Brasil é comemorado hoje, 12 de outubro, e carrega a tradição dos pais e/ou cuidadores programarem um dia cheio de diversão e comidinhas especiais. Afinal, cozinhar é uma demonstração de afeto, carinho e amor por aqueles que enchem a vida de alegria e orgulho.

Convidar as crianças para ajudarem no preparo de um prato também pode ser ótima ideia de comemoração, além de reforçar os laços em família e apresentar as maravilhas da culinária. Pensando nisso, a Marilan separou a saborosa receita de torta de chocolate com os famosos cookies da marca, sucesso entre os pequenos.

Confira o modo de preparo e divirtam-se:

Torta de Chocolate com Cookies Marilan

Ingredientes
2 pacotes de Cookie Marilan (160g);
5 colheres (sopa) de água filtrada;
1 envelope de gelatina sem sabor e incolor;
2 latas de creme de leite sem soro;
5 colheres (sopa) de cacau em pó;
1 e meia xícara (chá) de açúcar;
1 colher (chá) de essência de baunilha;
Cobertura de chocolate, a gosto;

Modo de preparo
Forre o fundo de uma fôrma de aro removível (20 cm de diâmetro) e espalhe os biscoitos inteiros no fundo da fôrma. Dissolva a gelatina conforme instruções da embalagem. Em uma tigela, coloque o creme de leite, o cacau em pó, o açúcar, a essência de baunilha e a gelatina dissolvida e misture com ajuda de um batedor de arame. Despeje a mistura sobre a camada de biscoito e deixe na geladeira por três horas ou até endurecer. Desenforme a torta, decore com cobertura de chocolate, os Cookies Marilan e sirva em seguida.

Dica: forre a parte de fora da forma com papel filme para evitar que o líquido derrame.
Rendimento: 4 a 5 porções
Tempo de Preparo: 40 minutos

Fonte: Marilan

Dia das Crianças: deliciosa receita caseira de Petit Suisse para preparar com os pequenos

Dia das Crianças é tempo de alegria, celebração e curtição! Para tornar a data ainda mais especial, Mococa traz a incrível ideia para os pais e/ou cuidadores convidarem os pequenos a prepararem a saborosa receita caseira de Petit Suisse e proporcionar a diversão culinária.

Levar as crianças para a cozinha com a proposta de fazer uma sobremesa é a oportunidade perfeita de apresentar novos gostos, sabores e texturas. Além disso, é uma ótima forma de recreação para o dia que transborda alegria e doçura.

O preparo da receita leva dois grandes produtos da marca, leite condensado e creme de leite, e conta com a ajuda da Vaquinha Mococa em um divertido vídeo com o passo a passo dessa delícia. Assista aqui.

Avisa a criançada que o dia será doce e divertido. Confira como é fácil e rápido o modo de preparo:

Petit Suisse Caseiro

Ingredientes
1 caixinha de leite condensado Mococa
2 caixinhas de creme de leite Mococa
1 pacote de suco de morango em pó
1 pote de iogurte natural

Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes no liquidificador, até virarem um creme homogêneo.
Leve a geladeira por 4 horas, e está pronto para servir.

Fonte: Mococa