Arquivo da tag: daniel magnoni

Pandemia: dicas de como fortalecer as defesas do organismo e elevar a autoestima

Chefe de nutrologia do Instituto Dante Pazzanese, Daniel Magnoni, orienta sobre importância de manter os níveis adequados de vitaminas do Complexo B, (principalmente Biotina e Ácido Fólico), para proteção da pele e fortalecimento de unhas e cabelos, além de Cálcio e Vitamina D que auxiliam com o bom funcionamento do organismo

Muitos meses de pandemia, incertezas, home office, com ou sem crianças, restrições, má alimentação, correria, estresse e mais uma série de imprevistos que são resolvidos ao longo de cada semana. Como equilibrar a saúde diante de uma rotina tão atribulada? Mais ainda, como manter a boa aparência da pele, unhas e cabelos e participar de inúmeras reuniões on-line?

“Dietas que combinam vitaminas e minerais são muito importantes, não somente para imunidade, mas para o organismo de modo geral, pois a ação desses nutrientes auxilia não só com o sistema imunológico, mas também ajudam a reforçar a autoestima. Vitaminas do Complexo B, principalmente Biotina e Ácido Fólico, Cálcio e Vitamina D são essenciais nesse sentido, além de reforçar as defesas do organismo auxiliam na proteção da pele e fortalecimento de unhas e cabelos”, explica o chefe de nutrologia do Instituto Dante Pazzanese, em São Paulo, Daniel Magnoni.

Com a pandemia, cuidar da imunidade passou a ser item prioritário para 65% das pessoas. E 70% revelaram que consomem suplementos para apoiar o seu sistema imunológico, de acordo com um recente levantamento da DSM Nutrição e Saúde Humana, que entrevistou 12 mil pessoas, em 24 países, para entender as percepções e atitudes dos consumidores nas questões de saúde imunológica e nutricional.

“A alimentação das pessoas, que já não era ideal, piorou por conta da pandemia e a procura por suplementos aumentou. Mas é importante destacar que o médico deve ser procurado para uma avaliação mais precisa e orientações sobre suplementos, quando necessário. O segmento evoluiu de forma expressiva e hoje conta com várias opções em cápsulas, comprimidos, gotas, inclusive uma nova geração em formato de gomas mastigáveis, mais práticas, que reúnem vitaminas e minerais que suprem as necessidades diárias do organismo”, destaca Magnoni.

Aliados da imunidade e do bem-estar

Vitaminas do Complexo B – de maneira geral, as vitaminas que compõem o Complexo B, auxiliam com a absorção e ativação de nutrientes. Cada uma delas tem suas especificidades como, por exemplo: a Vitamina B7 (biotina), que também auxilia no combate à queda de cabelo, além de fortalecer as unhas e manter a saúde da pele e a Vitamina B9 (folacina ou ácido fólico), responsável pela formação de proteínas, entre elas a hemoglobina (presente nos glóbulos vermelhos no sangue).

Vitamina D – trata-se de um hormônio, classificado como vitamina, que é sintetizado pela exposição à luz solar. É um regulador do sistema imune e auxilia com a absorção de minerais como o cálcio, fundamental na formação de ossos e dentes.

Cálcio – ideal para manter a saúde óssea e auxiliar diretamente na prevenção de osteopenia e osteoporose, principalmente entre o público 60+. A combinação entre cálcio e a Vitamina D3 é fundamental para o metabolismo ósseo e a deficiência de qualquer um deles irá prejudicar que esse processo se realize.

Fonte: Instituto Dante Pazzanese

Como as vitaminas podem amenizar os desconfortos da menopausa

Nutrólogo aponta as opções que podem auxiliar para atenuar e até eliminar alguns sintomas que prejudicam a qualidade de vida da mulher no período de climatério

“Doutor, posso tomar vitaminas para melhorar os efeitos da menopausa?” – esse questionamento é cada vez mais recorrente nos consultórios que atendem pacientes prestes a entrar ou que já estejam no climatério, fase da vida da mulher que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), corresponde à transição entre o período reprodutivo e não reprodutivo.

Climatério é confundido com menopausa, que na verdade é o ápice do processo e corresponde ao momento em que ocorre o último ciclo menstrual, algo que geralmente se dá entre 48 e 50 anos de idade.

Considerando-se que, segundo dados de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres são maioria da população brasileira (57,7%), a expectativa de vida delas ao nascer é maior que o dos homens (79,8 anos delas face a 72,7 deles) e que em 2060 haverá mais brasileiros acima de 65 anos do que hoje (25,5% da população face a 10,5% atualmente), o assunto “Saúde da Mulher” ganha cada vez mais relevância no contexto nacional.

Efeitos comuns no climatério e ajuda das vitaminas

No Manual de Atenção Integral à Saúde da Mulher no Climatério/Menopausa, editado em 2008 pelo Ministério da Saúde, já constavam informações esclarecedoras sobre esse período da saúde feminina. Diz o documento:

Neste período, de acordo com a integridade de sua saúde, além de fatores culturais, sociais, psicológicos e emocionais, as mulheres poderão apresentar maior ou menor sintomatologia. Podem observar transformações no seu corpo, com sintomas diversos, estranhos, incompreensíveis e muitas vezes difíceis de serem verbalizados, destacando-se as ondas de calor, suores ‘frios’, insônia, tristeza, instabilidade emocional, modificações nos hábitos sexuais, na pele e na distribuição da gordura corporal, com modificações da silhueta. A intensidade dos sintomas e ou dos sinais clínicos é influenciada principalmente por três fatores:

1. Ambiente sociocultural em que vive;
2. Situação pessoal (estado psicológico), conjugal, familiar e profissional;
3. Diminuição de estrogênio endógeno.

Nesse contexto, a alimentação balanceada, bem como a necessidade em casos específicos de a mulher fazer uso de suplementação ganham importância.

O chefe de nutrologia do Instituto Dante Pazzanese e diretor do serviço de nutrologia do HCor, Daniel Magnoni, informa que a obtenção de doses diárias recomendadas de vitaminas e minerais é difícil de ser alcançada, seja devido à correria do dia a dia, seja por meio da alimentação, que nem sempre supre as necessidades do organismo.

“Durante a menopausa, a suplementação acaba sendo uma possibilidade indicada para que mulheres alcancem um equilíbrio ideal de vitaminas e minerais”, destaca o nutrólogo, que completa: “As vitaminas A, B12, ácido fólico, D e os minerais cálcio e zinco em conjunto desenvolvem um papel fundamental na divisão e diferenciação celulares, processos essenciais à renovação de tecidos como a pele, cabelos e unhas. Em especial as vitaminas A, biotina, C, iodo e zinco contribuem para a integridade e função da pele e, consequentemente, sua aparência”.

A boa notícia é que a ciência da nutrição tem avançado a passos largos e hoje já há uma nova geração de suplementos que contemplam as principais necessidades do público feminino.

“Isso é essencial para enfrentar os desconfortos do climatério e, principalmente, da menopausa. As mulheres que não conseguem manter uma dieta equilibrada devem buscar ajuda médica e, diante da necessidade de suplementação, pesquisar as inúmeras opções existentes, inclusive uma mais recente na forma de gomas, que representa uma nova geração, não necessitam de água para serem ingeridas, são de fácil transporte e têm sabor agradável”, afirma o médico.

Magnoni destaca os atributos de certas vitaminas e minerais para a saúde de mulheres que estão na fase do climatério, mas também àquelas que se encontram em outras fases da vida:

vitaminas ilustração pixabay
Pixabay

• As vitaminas A, C e E, além do zinco e da coenzima Q10, apresentam ação antioxidante. Desta forma, protegem o organismo da ação dos radicais livres, que causam, entre outros efeitos prejudiciais, o envelhecimento precoce.
• A transformação de carboidratos, proteínas e gorduras em elementos que as células possam utilizar em suas diferentes funções, conta com a participação das vitaminas B6, B12, ácido fólico, biotina e zinco.

GettyImages remedios pilulas suplementos
• A ação das vitaminas B6, B12, biotina, C e dos minerais cálcio e iodo, tanto individualmente, quanto em conjunto, é fundamental para a extração de energia dos nutrientes e seu aproveitamento pelas células, contribuindo para a disposição e bem-estar.
• O processo de formação, desenvolvimento e maturação dos elementos do sangue conta com a participação do ácido fólico, vitamina B6 e vitamina B12.

mulher tomando remedio probiotico suplemento
• A presença das vitaminas A, B6, B12, ácido fólico, C, D, E e zinco em associação, favorece o bom funcionamento do sistema de defesa do organismo.

Magnoni, por fim, aconselha que, aos primeiros sinais do climatério, as mulheres procurem orientação médica para auxiliá-las da melhor forma possível nessa fase da vida.

Alimentação balanceada fortalece sistema imunológico e é arma contra coronavírus

Com a imunidade fortalecida, reforçada por suplementação vitamínica e por hábitos higiênicos simples, ficamos menos suscetíveis às gripes e resfriados e até a infecções e doenças como o Covid-19

Especialistas são unânimes em apontar que as vitaminas A, B6, B12 e C, bem como o ácido fólico e zinco auxiliam no funcionamento do nosso sistema imune. Também atestam que a vitamina D pode melhorar a função endotelial, que a E pode influenciar a suscetibilidade a doenças infecciosas e alérgicas, e que a metabolização da vitamina A é auxiliada pelo zinco.

A questão é: como estar com o sistema imunológico preparado para enfrentar, por exemplo, doenças respiratórias cuja incidência aumenta, em especial em idoso e crianças, com a chegada do outono e do inverno? E, em especial, agora com a entrada no país de um novo coronavírus.

mulher comendo comida envato elements
Envato Elements

“O segredo é ter uma alimentação balanceada, com a ingestão de frutas e legumes e, em especial, proteínas, vitaminas e minerais, que ajudam a fortalecer o nosso sistema imunológico”, revela o chefe de nutrologia do Instituto Dante Pazzanese e diretor do serviço de nutrologia do HCor, Daniel Magnoni.

mulher comendo peixe

Segundo ele, a ingestão de proteínas é um dos pontos que mais influenciam a imunidade. “Em pacientes internados ou com deficiência de imunidade, indicamos um maior aporte de proteínas como forma de estimular todos os processos de defesa e proteção imunitária”, frisa. A escolha da proteína, assunto muito em voga, deve começar com as proteínas do leite e derivados, carnes magras de forma geral.

Magnoni ressalta que a obtenção de doses recomendadas de vitaminas e minerais é difícil de ser alcançada, seja devido à correria do dia a dia, seja por meio da alimentação, que nem sempre supre as necessidades do nosso organismo. “Nesse sentido, a suplementação acaba sendo uma possibilidade indicada de forma pragmática”.

suplemento omega 3

“Há diversas opções no mercado, como as direcionadas aos adultos, gravidas idosos e crianças, inclusive uma mais recente na forma de gomas, que representa uma nova geração, que não necessitam de água para serem ingeridas, são de fácil transporte e tem sabor agradável”, completa. De acordo com o médico, podem, ainda, ser usados os suplementos disponíveis no mercado, como o Whey isolado ou hidrolisado e, em alguns casos, derivados do colágeno.

Bons hábitos ajudam

café da manhã leite frutas

Alimentar-se de forma equilibrada é um desafio que pode ser vencido, conforme as dicas de Magnoni. Entretanto, além de uma alimentação balanceada e de suplementação vitamínica, feita por orientação de um médico ou nutrologista, alguns hábitos podem ajudar na prevenção eficiente de doenças e infecções, mais comuns no outono e inverno. O médico elenca:

=Lavar as mãos e antebraços com frequência.
=Cobrir boca e nariz ao espirrar ou tossir.
=Ficar em casa caso tiver os sintomas, pois isso evita a propagação de vírus.
=Jamais se automedicar e procurar um médico somente em caso de febre persistente, acompanhada por incômodo quando respirar.

Fonte: HCor

Labirintite: fique atento aos sinais

A tão famosa “labirintite” é uma velha conhecida para muitas pessoas. Queixa muito comum, a condição vem acompanhada de relatos de tontura giratória, tipo vertigem (sensação de que a cabeça ou o mundo esta rodando), náuseas e vômito. Muitas vezes, também aparecem reclamações de pressão ou barulho no ouvido, uma espécie de zumbido.

Na verdade, a labirintite é uma inflamação/infecção no labirinto, o órgão responsável pelo equilíbrio, localizado dentro da orelha interna “Ela acomete pessoas de todas as idades, das crianças à terceira idade, podendo ser desencadeada por diferentes motivos, principalmente infecções virais”, comenta Daniel Magnoni, diretor do Serviço de Nutrologia e Nutrição Clínica do Hospital do Coração (HCor).

labirintite vertigo
Ilustração: Vertigo

Entretanto, a condição pode esconder problemas muito mais graves e é preciso estar atento. A labirintite é apenas uma das diversas causas de tontura, e uma das menos frequentes. A tontura, por sua vez, é a sensação de ilusão de movimento e um sintoma recorrente a vários tipos de doenças. Portanto, ela é um sinal que precisa ser investigado para avaliação da causa.

Os sintomas como a tontura, desequilíbrio e náusea podem ter origem em problemas do próprio labirinto, como doença de Meniére, vertigem postural paroxística benigna, otites, neuronites, fístulas liquóricas, doença de Cogan, entre outros.

Além disso, esses sintomas também podem ser causados por alterações ou lesões de origem no sistema nervoso central, como tumores, acidentes vasculares, malformação de crânio e doenças neurodegenerativas.

“Os distúrbios metabólicos como colesterol e glicemia elevados também podem ser causadores de queixas semelhantes à labirintite” alerta Magnoni.

O diagnóstico é feito por uma avaliação detalhada dos sintomas e sinais clínicos, conferindo o tipo de tontura, bem como a duração, a frequência, a intensidade e fatores que agravam ou amenizam a condição.

Os exames são de diferentes tipos e incluem exames laboratoriais, de imagem (tomografia ou ressonância magnética), exames audiológicos (como audiometria), eletrofisiológicos e outros.

labirintite

O tratamento da labirintite deve ser focado na causa e pode variar entre orientações dietéticas, medicamentos, reabilitação vestibular (um tipo especial de fisioterapia focado em equilíbrio), redução do peso e procedimentos cirúrgicos especializados.

Fonte: HCor