Arquivo da tag: dor

Microfisioterapia pode ser opção de tratamento do nervo ciático

Tem um ditado que diz: dor não curada, dor instalada. O fisioterapeuta Sérgio Bastos Jr, que trabalha com Saúde Integrativa, lembra que as dores na coluna, especialmente no nervo ciático, podem ter origem física, mas também serem pautadas por traumas vividos e que, se não tratados, podem se tornar dores efetivas no corpo. A questão com o nervo ciático é, talvez, uma das mais comuns que encontramos por aí.

O ciático é o maior nervo do corpo humano, chamado, muitas vezes, de “o grande nervo ciático”, lembra Sérgio Bastos Jr, fisioterapeuta e sócio da Biointegral Saúde, onde trabalha com Saúde Integrativa. “Quando alguém tem um problema relacionado a ele, pode sentir dores extremas e, inclusive, ter uma certa paralisia do corpo, já que ele começa na coluna lombar e se estende pela perna até o dedão do pé, impedindo que haja movimento sem sofrimento, quando inflamado”, explica ele, que questiona: “Microfisioterapia pode ser usada para minimizar e até eliminar dores ligadas ao Nervo Ciático? A resposta é: sim.”

Nervo-Ciatico

Segundo o fisioterapeuta, a microfisioterapia atua encontrando a causa primária de dores e doenças, que estão, geralmente, conectadas com memórias traumáticas gravadas em tecidos de determinadas regiões do corpo. “Dependendo do lugar e intensidade dessas memórias – e esse diagnóstico pode ser feito na própria sessão de microfisioterapia, é possível entender a origem e, inclusive, a fase da vida em que o trauma aconteceu”, revela o especialista. Mas, antes de falar em tratamento, ele nos ajuda a entender um pouco sobre a dor ciática.

A dor ciática geralmente aparece quando existe compressão ou inflamação do nervo. E pode provocar dor intensa no fundo das costas, na região dos glúteos ou pernas, e muita dificuldade em manter a coluna ereta. Como o nervo ciático “passeia” por mais de uma região do corpo, o tipo de dor que sentimos pode ter diferentes origens emocionais, por exemplo. “A nossa coluna indica sempre o quanto estamos certos das nossas verdades e caminhando em direção à vida que desejamos”, lembra o especialista.

Se a dor ciática está localizada na região lombar, geralmente tem sua origem nessa dificuldade de autossustentação, de orientar e comandar a própria vida. “A coluna é o nosso direcionamento”, revela o fisioterapeuta, “então, como está o seu direcionamento de vida? Você se sente capaz de dirigir seus próprios passos e seguir para onde realmente deseja e manda o seu coração. Essa pode ser uma boa pergunta para quem sofre de dores ciáticas na região lombar”.

A dor na região glútea pode provocar dificuldade de sentar-se, por exemplo. E aí, pode estar conectada a uma questão de poder – “É como se perdêssemos o nosso trono, que pode ser tanto o poder financeiro, a voz de comando, o prestígio. A dor na parte glútea do nervo tem uma conotação de “valor” muito forte”, explica.

Já as pernas são nosso meio de locomoção e, ao mesmo tempo, a forma como nos comportamos diante da autoridade e das situações da vida. “Por isso” – lembra ele – “tanto pode estar conectada a um medo de reagir ao novo ou de seguir em busca de seus próprios sonhos, como pode ser uma tradução do receio de ter que se curvar a pessoas ou acontecimentos que não são o que esperávamos. Independentemente de como a dor surgiu, o que mais precisamos entender é que ela pode ter, sim, uma origem emocional”.

nervo ciatico everyday health
Ilustração: Everyday Health

 

“E é aí que a microfisioterapia entra”, finaliza o fisioterapeuta, “encontrando as raízes do que nos aflige, entendendo o tipo de origem que essa dor tem, para que seja tratada de forma física, incluindo aí exercícios de fisioterapia e, claro, o tratamento médico adequado, mas também que seja entendida como uma resposta do organismo a um processo traumático que precisa ser resolvido, ou, mesmo com todos os tratamentos, a dor pode voltar a aparecer”.

Fonte: Biointegral Saúde

Estudo relaciona uso do celular com dor nas mãos; massageador alivia sintoma

Segundo estudo conduzido por Universidade na Suécia, o polegar é uma das regiões mais sensíveis. O dispositivo home device iPalm massageia as mãos, além de proporcionar sensação de bem-estar e alívio das dores

Atualmente, é cada vez mais fácil observar pessoas que não largam o celular por nada e passam o dia todo digitando e enviando mensagens. No entanto, isso pode trazer problemas, segundo estudo de 2018 conduzido pela Universidade de Gothenburg, na Suécia.

mulher celular cama

De acordo com a publicação, os movimentos altamente repetitivos têm sido identificados como um potencial fator de risco para distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao uso de telefones celulares, sendo que o polegar é o que mais sofre.

Uma das formas de diminuir o impacto do problema é por meio de massageadores, como iPalm, da Basall. O aparelho portátil alivia a tensão e recupera as energias com uma massagem por pressão de ar (bolsas pneumáticas) e compressa quente, trazendo uma sensação de relaxamento e conforto.

Prático, iPalm possibilita programar o tempo de massageamento, ajustar os níveis de compressão e a temperatura. O aparelho ainda conta com um botão para descarga de pressão. Indicado para quem trabalha com computadores, teclados e mouses por muito tempo; heavy-users de smartphones; artistas que usam os dedos com frequência; pessoas que têm enrijecimento de dedos e em pontos da palma das mãos. Auxilia como complemento de terapias SPA das mãos.

ipalm_usando_dispositivo

Com apenas 1.129 gramas, o dispositivo segue o conceito de home device (equipamentos que podem ser usados em casa e qualquer lugar).

Informações: Basall

Como aliviar as dores crônicas no ambiente de trabalho

Você sabia que não é preciso trabalhar em uma linha de produção para sentir dores crônicas devidas ao ambiente de trabalho? O trabalho sedentário (sentado ou de pé), o contato prolongado com telas e a rotina corrida e estressante são suficientes para começar a sentir dores crônicas: aquele nó na musculatura do meio das costas, a sensação de cansaço na região lombar no fim do dia ou a ardência dos olhos tendem a se manifestar com frequência.

Para aliviar as dores e evitar que apareçam novamente, veja algumas técnicas simples preparadas por Armelle Champetier, diretora da Yogist no Brasil:

Estresse e dores crônicas

dores nas costas

Muitas dores que sentimos depois de um dia ou uma semana de trabalho são consequências do nível alto de estresse. Em um primeiro momento, o estresse é um mecanismo do sistema nervoso simpático que, depois de um estímulo externo (uma reunião importante com um cliente por exemplo), ativa certas mudanças no corpo, como acelerar os batimentos cardíacos ou aumentar a pressão sanguínea.

Se esse estado de estresse elevado se manter por longos períodos, dores físicas podem começar a aparecer: tensão muscular nas costas, nos ombros ou no pescoço é um caso clássico. Mas antes de correr para o fisioterapeuta ou massagista, conheça as soluções para cuidar da origem dessas dores: o estresse.

Na prática do yoga corporativo, o foco principal é o uso da respiração como ferramenta poderosa de combate ao estresse. Desta forma, evita-se os períodos prolongados de estresse e, por consequência, a aparição dessas tensões musculares, principalmente na parte superior do seu corpo.

Respiração completa

respiração.jpg

A respiração completa ajuda a relaxar e a se concentrar: sente-se com a coluna reta na cadeira (sem apoiar as costas), pernas descruzadas e joelhos afastados na largura do quadril. Coloque as mãos na barriga e comece a visualizar a sua respiração em três tempos, sempre pelo nariz:
– inspire primeiro pela barriga, expandido a barriga para frente;
– depois pelo peito, afastando as costelas flutuantes e expandido a caixa torácica;
– e, por fim, pela garganta, garantindo que você inalou o volume máximo de ar.

Na exalação, siga os mesmos três passos:
– retraia a barriga, levando com uma leve contração abdominal o seu umbigo na direção da coluna;
– exale todo o ar dos pulmões, afundando o peito;
– e expulsando para terminar todo ar, inclusive da garganta.

Repita por, pelo menos 5 ciclos, procurando sempre alongar o ciclo respiratório, em particular na exalação. Observe os bloqueios e as diferenças com a respiração natural, e, no fim do exercício, a sensação de relaxamento e bem-estar.

Dor na lombar

É muito comum sentir dor na parte de baixo das costas, mais especificamente na região lombar depois de ficar muito tempo sentado (no trabalho ou no carro) ou de pé. Isso pode ser aliviado através de fortalecimento muscular da cintura abdominal e alongamento da coluna.

A parede

parede.jpg

Desenvolver uma musculatura abdominal tônica é essencial para aliviar a pressão exercida na lombar. O papel desses músculos posturais é justamente o de sustentar a coluna e a postura. Para isso, não é preciso se trocar nem pagar um plano de academia, basta ter acesso a uma parede:

Vire as costas para a parede, colando os seus calcanhares no rodapé, pés afastados na largura do quadril e joelhos levemente dobrados. Inspire e, na exalação, contraia a musculatura abdominal, de forma a colar as costas inteiras na parede, dos ombros até o cóccix. Verifique com a mão que não tenha espaço entre a parede e as costas. Mantenha por cinco longas respirações, relaxe as pernas e tire as costas da parede. Lembre-se de reproduzir esse exercício fácil sempre que tiver oportunidade, principalmente para quem tem dor frequente na lombar e tem uma postura muito curvada.

A criança

criança.jpg

Para providenciar um relaxamento completo do corpo, a prática do yoga corporativo propõe posturas de curvatura para frente, onde a cabeça fica abaixo do coração, auxiliando o relaxamento rápido do sistema nervoso: sentando-se na borda da cadeira com os joelhos bem afastados, inspire e alongue a coluna para cima. Na exalação, incline o busto para frente e para baixo, deixando, aos poucos, a parte de cima do corpo relaxada entre as pernas, com a cabeça solta. Mantenha a postura por cinco respirações profundas, sentido o alongamento da lombar, o corpo se relaxando e a mente se acalmando. Na hora de voltar, suba inspirando, devagar, desenrolando a coluna, deixando a cabeça subir por último. Antes de voltar ao trabalho, fique de olhos fechados um momento, observando o efeito dessa postura.

Olhos cansados e dor de cabeça

Depois de longas horas na sala de reunião, ou concentrado na tela do computador, a mente está cansada, cabeça doendo e olhos ardendo, precisando de um momento de descanso para si.

“Power nap” com massagem do rosto

power nap.jpg

A automassagem no rosto é uma forma de relaxar e descansar a cabeça em apenas alguns minutos: esfregue uma palma da mão contra a outra durante 10 segundos para elevar a temperatura das palmas. Fechando os olhos, aplique as mãos na região ocular do rosto, sem tocar as pálpebras. Descanse um minuto os olhos no calor e na escuridão e, em seguida, comece a massagear o rosto com a ponta dos dedos – sobrancelhas, testa, têmporas, maçãs do rosto, bochechas… junto com uma respiração profunda.

Fonte: Armelle Champetier é diretora da Yogist no Brasil, que tem como objetivo levar o yoga às empresas, com foco na saúde e bem-estar das equipes, combatendo o estresse no trabalho e os distúrbios osteomusculares.

A importância dos cuidados com os ombros

Depois das dores na coluna, as dores nos ombros são as reclamações mais frequentes nos consultórios

Os ombros são as articulações mais flexíveis do corpo humano, permitindo movimentos que chegam a quase 360°. Eles também são responsáveis pelo movimento dos braços, juntamente com a musculatura das costas e peito e por isso, uma lesão nesta região pode prejudicar e muito, a mobilidade e a qualidade de vida do paciente.

“Normalmente nos atentamos apenas a coluna e acabamos esquecendo dos cuidados com os ombros, mas a grande questão é que negligenciar essa região pode trazer complicações relevantes” – pontua Thiago Righetto, ortopedista e médico do esporte.

Woman at the Gym Experiencing Pain

O primeiro passo é avaliar qual é o tipo de dor, a intensidade e se ela é temporária ou frequente. Segundo o especialista é importante se manter atento a qualquer sinal diferente no corpo, uma vez que as dores nos ombros podem se tornar crônicas e de difícil tratamento. Ou seja, se a dor persistir por alguns dias e ou piorar mesmo com o repouso, é aconselhável procurar um médico; em outros casos, pode ser apenas um mau jeito, uma sobrecarga temporária, ou um movimento brusco feito de maneira equivocada e ocorre melhora progressiva mesmo sem tratamento.

Por isso, manter essa região (músculos e tendões), fortalecida é extremamente importante tanto para a parte funcional, quanto para a parte estética. Além de ser a principal maneira de evitar doenças como: tendinose, bursite, artrite e osteoartrite. Temos que pensar que usamos os ombros no dia a dia, principalmente durante movimentos dos braços acima do nível da cabeça.

Outra maneira de evitar problemas nessa região é praticar atividade física de maneira consciente, evitando a sobrecarga do corpo e respeitando os tempos de pausas e cessando o exercício a qualquer sinal de incômodo. “A área da musculação em na academia é uma das favoritas dos alunos, mas se praticada sem supervisão, determinados exercícios podem provocar sobrecarga nos tendões e articulação, podendo causar tendinose, lesões musculares e até desgaste da cartilagem” – explica Righetto.

Woman With Shoulder Pain

E, além disso, as bolsas e mochilas usadas para carregar roupas, acessórios e outros objetos também podem estar contribuindo com o aumento da sobrecarga muscular e alterações posturais em virtude do excesso de peso e da maneira errônea de carregá-la, colocar e retirar do chão. “O ideal é que a bolsa não pese mais de 10% do peso da pessoa e que tenha duas alças, para evitar a sobrecarga em apenas um lado” – resume.

Fonte: Thiago Righetto é médico ortopedista, com especialização em traumatologia do esporte e cirurgia do joelho. É membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho e da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia; é também diretor da Associação Brasileira de Medicina de Áreas Remotas e Esportes de Aventura; e membro das internacionais Isakos, AAOS e AMSSM. Já foi médico pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) na Paralimpíada do Brasil em 2016 e da seleção de judô paraolímpica de 2014 a 2018 e atualmente atua junto ao CPB.

Ombro congelado: fisioterapeuta explica esta síndrome pouco conhecida

O nome assusta e os sintomas também: dor aguda e perda de movimentos. A síndrome do ombro congelado, como é popularmente conhecida a capsulite adesiva, atinge muitos brasileiros, e não está ligada especificamente à prática de atividade física ou exercícios de academia.

“O problema é causado pela inflamação da cápsula que reveste a articulação do ombro. Essa cápsula tem como função a movimentação e estabilização do membro”, afirma o fisioterapeuta Santiago Munhos, diretor da clínica Santibras Fisioterapia.

De acordo com o especialista, um dos grandes problemas em relação à capsulite adesiva é que ela pode ser idiopática, que é quando não se pode identificar a verdadeira causa da doença. Isso diminui a possibilidade de prevenção. Ainda assim, existem alguns grupos que podem permanecer em alerta porque estão mais suscetíveis a terem o ombro “congelado”:

· Mulheres;
· Pessoas entre 40 e 60 anos;
· Diabéticos;
· Portadores de doenças autoimunes;
· Pacientes que sofreram AVC;
· Pessoas com alterações na tireoide.

A doença é considerada autolimitada, isso quer dizer que ela se cura sem ajuda de remédios. “Analgésicos podem ajudar com a dor profunda, mas o melhor tratamento é a fisioterapia”, diz Munhos. A síndrome é dividida em três estágios:

· Fase inflamatória: é o início da inflamação, quando a dor aumenta progressivamente até chegar à perda do movimento. Essa dor se agrava no intervalo de semanas e costuma ser pior pela noite.
· Fase de congelamento: muitas vezes, ao chegar a esse estágio, o paciente se acostuma com a dor constante. Mas a rigidez doombro torna impossível até os movimentos mais simples.
· Fase de descongelamento: é quando o ombro começa a recuperar os movimentos e a dor vai desaparecendo. O grande problema desse estágio é que pode levar até dois anos para ter início e há chances de deixar sequelas.

dor ombro healthline
Foto: Healthline

“O ideal é procurar o tratamento o mais rápido possível, já que os estágios da síndrome podem durar, em média, de seis meses a um ano”, alerta o fisioterapeuta. O especialista lembra que a doença ainda é pouco conhecida, mas garante que, apesar do tratamento doloroso, os resultados valem a pena.

Fonte: Santiago Munhos é diretor da Santibras Fisioterapia, clínica localizada na Zona Sul de São Paulo. Formado em Fisioterapia, com pós-graduação em Fisiologia Biomecânica do Exercício e Esporte pelo IOT (Instituto de Ortopedia e Traumatologia) da Faculdade de Medicina da USP. Tem mestrado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, e formação em diversos cursos como de RPG e osteopatia. Já foi professor da pós-graduação da Faculdade de Medicina da Santa Casa e do Hospital Israelita Albert Einstein. É fisioterapeuta das seleções masculina e feminina de hóquei in line do Brasil.

Dor lombar é principal causa de incapacidade no trabalho

540 milhões de pessoas no mundo sofrem com uma dor tão comum que a estimativa é a de que 80% da população mundial experimentará esse problema ao menos uma vez na vida: a lombalgia, ou a famosa dor na lombar. O problema é que, em muitos casos, essa dor – que se torna crônica –, afasta os pacientes de suas atividades diárias, sendo a principal causa de incapacitação no trabalho no mundo, segundo estudo publicado na The Lancet no começo do ano passado.

E o pior: a maioria dos pacientes recebe tratamento errado, com medicamentos à base de opioides, enquanto a fisioterapia e a reeducação postural seriam os melhores meios para corrigir o problema. Mas, para aliviar a dor, o tratamento com LEDs do Sportllux pode ser a solução, uma vez que conferem ação analgésica e anti-inflamatória. O equipamento de uso domiciliar traz as luzes vermelha e infravermelha para promover melhora das dores e tem três opções de tamanho para se adaptar às diversas áreas do corpo.

Segundo o estudo, no Reino Unido, quando juntamos os dias de trabalho perdidos por trabalhadores, isso contabiliza 1 milhão de anos de vida produtiva perdida por conta da dor na lombar. Acontecendo em todas as faixas etárias, na maioria dos casos, não há uma causa específica, mas trabalhos com maior exigência física e pessoas obesas estão mais propensas a sentir esse tipo de dor.

dor nas costas
Ilustração: Typography Images/Pixabay

Segundo o fisioterapeuta Alexandre Ribeiro Alcaide, especialista em fisioterapia esportiva e músculo-esquelética e sócio fundador da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (Sonafe), a fisioterapia auxiliará no fortalecimento dos músculos e articulações, além da redução da dor, enquanto o equipamento será um importante coadjuvante.

“A fototerapia, com a Terapia com Luz de Baixa Potência, também pode ser usada no tratamento e prevenção desta condição. Isso porque são equipamentos que realizam fotobiomodulação, ou seja, utilizam da estimulação fotodinâmica para promover efeitos fisiológicos, atuando na recuperação dos músculos e articulações e evitando dores”, completa o fisioterapeuta.

O Sportllux age por meio da fotobiomodulação ou Low Level Light Therapy (LLLT), que tem a capacidade de transformar a energia da luz em efeito fisiológico, com cada comprimento de onda atuando em cromóforos (alvos) específicos e gerando respostas terapêuticas.

Segundo o médico angiologista Álvaro Pereira de Oliveira, quando ocorre a interação da luz com os tecidos há um aumento de ATP (energia) mitocondrial e óxido nítrico. “O ATP auxilia na contração muscular e o óxido nítrico tem efeito analgésico, por isso essa tecnologia é tão interessante para esse tipo de dores”, afirma o médico. Dessa forma, o equipamento atua no reparo tecidual das lesões em nervos periféricos, além de aliviar a dor e atrasar o aparecimento da fadiga muscular, podendo ainda ter uma ação protetora sobre o desenvolvimento do dano induzido pelo uso excessivo do celular. Se utilizado corretamente, o aparelho também é capaz de aliviar a dor crônica e aguda.

sportllux_m___medium.jpg

Quanto ao modo de uso para lesões, o produto deve ser utilizado durante 20 minutos, duas vezes ao dia, sendo confortavelmente posicionado no local de aplicação.

Fontes:
– Alexandre Ribeiro Alcaide é fisioterapeuta especializado em Fisioterapia Esportiva e Músculo-Esquelética e sócio fundador da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (Sonafe).
-Cosmedical: empresa especializada em oferecer tratamentos seguros e inovadores aos seus clientes, desde terapia capilar à recuperação de musculatura pós-esforço físico. Pioneiros no uso da fotobiomodulação através de LED’s de baixa intensidade e acostumados à alta tecnologia, a empresa vem se tornando referência em equipamentos homecare. A Cosmedical fabrica, comercializa e importa equipamentos para a saúde há mais de 15 anos. A eficácia e a segurança dos produtos são medidas por testes clínicos rigorosos, realizados por grandes instituições europeias e brasileiras. 

Dor de estômago pode ser um alerta para doenças graves

Especialista ressalta que vários males agridem o aparelho gastrointestinal e eles são diagnosticados somente com exames

Quem nunca sentiu uma dor de estômago pelo menos uma vez na vida? Alguns desses desconfortos como gases, azia, má digestão podem passar em algumas horas ou em poucos dias. O que muitas pessoas não sabem é que se a dor, for constante, pode ser alguma doença que precisa de tratamento urgente. As causas da doença são variadas e vão desde abusos na dieta até a presença de bactérias, úlcera e câncer de estômago.

A dor de estômago é definida como toda a sensação de mal-estar localizada na parte central superior do abdome. Um estudo publicado no British Medical Journal (BMJ), em 2015, divulgou uma pesquisa que avaliou os riscos e a prevalência desse sintoma, concluindo que 20% da população de todo o mundo pode vivenciá-lo, e que a dor de estômago é mais frequente entre as mulheres, fumantes e pessoas que fazem uso contínuo de um anti-inflamatório, principalmente o do tipo não esteroide.

Segundo Henrique Eloy, médico especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia, são vários males que agridem o aparelho gastrointestinal e eles são diagnosticados apenas com a realização de exames, sendo a endoscopia – que consiste em introduzir um pequeno tubo com uma câmera pela boca para visualização do esôfago e da primeira parte do intestino delgado, o principal deles. “Muitas vezes a dor de estômago pode não estar ligada a doenças graves, mas ela sempre impacta de forma negativa a qualidade de vida das pessoas”, ressalta.

MULHER DOR ESTOMAGO COLICA

Ainda de acordo com Eloy, não usar medicamentos sem indicação médica, evitar o consumo excessivo de álcool, não fumar e não exagerar na alimentação, são algumas formas de prevenir a doença.

As pessoas devem ficar alertas para alguns sinais que indicam maior gravidade sobre a doença. São eles: histórico familiar de câncer gastrointestinal; perda de peso importante e espontânea; sangramento nas fezes; vômitos; dificuldade progressiva ao engolir os alimentos; anemia por deficiência de ferro sem causa definida; e icterícia.

Fonte: Henrique Eloy, médico especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia

 

O que saber sobre a SIBO e seu tratamento

Uma pessoa com a síndrome do supercrescimento bacteriano do intestino delgado tem muitas bactérias nessa região. Esse desequilíbrio bacteriano no intestino pode causar inchaço, diarreia e dor

Síndrome do supercrescimento bacteriano do intestino delgado, conhecida como SIBO (sigla em inglês para o problema) é mais comum do que os médicos pensavam anteriormente. É mais provável que afete mulheres, adultos mais velhos e pessoas com problemas digestivos, como a síndrome do intestino irritável (SII).

Sinais e sintomas

barriga inchada gezonderleven

Os sinais e sintomas da SIBO são semelhantes aos de outros distúrbios digestivos, como SII e intolerância à lactose. Eles podem variar em gravidade, desde um leve desconforto estomacal até diarreia crônica, perda de peso e uma capacidade reduzida de absorver nutrientes dos alimentos (má absorção).

SIBO afeta diretamente o intestino, causando problemas digestivos desconfortáveis. Os sintomas incluem:

=dor de estômago
=inchaço
=diarreia
=prisão de ventre
=náusea
=perda de peso involuntária

Causas

Esse supercrescimento bacteriano pode acontecer quando bactérias de uma parte do trato digestivo viajam para o intestino delgado ou quando bactérias naturais no intestino delgado se multiplicam demais.

As pessoas podem experimentar a SIBO como resultado dos seguintes fatores:

=movimento anormalmente lento do sistema digestivo
=baixos níveis de ácido estomacal
=anormalidades físicas do intestino delgado
=sistema imunológico enfraquecido

Fatores de risco

Pessoas com certas condições médicas são mais propensas a ter SIBO. Os médicos consideram a SIBO como uma complicação das seguintes condições:

=cirrose
=Doença de Crohn
=doença celíaca
=hipotireoidismo
=HIV
=diabetes
=SII
=esclerodermia
=fibromialgia

Outros fatores de risco para SIBO incluem:

=ser idosa(o)
=ser mulher
=uso a longo prazo de inibidores da bomba de prótons (IBPs), que são medicamentos que reduzem a produção de ácido estomacal
=cirurgia intestinal anterior
=tendo completado recentemente um tratamento com antibióticos
=beber álcool

Diagnóstico

medico-consulta

SIBO causa uma ampla gama de sintomas inespecíficos com vários graus de gravidade, o que pode dificultar o diagnóstico. Para diagnosticá-la, o especialista perguntará sobre os sintomas e o histórico médico de uma pessoa. Ele pode sondar o abdome em busca de sinais de excesso de gás ou inchaço. Se suspeitar de SIBO, provavelmente recomendará um teste de respiração.

Um teste de respiração mede a concentração de hidrogênio e metano na respiração de uma pessoa. Os resultados informam ao médico sobre a gravidade e localização do supercrescimento bacteriano no intestino.

O teste de respiração funciona porque as bactérias produzem hidrogênio e metano quando decompõem os carboidratos no intestino. Essas moléculas de hidrogênio e metano entram na corrente sanguínea, viajam para os pulmões e deixam o corpo pela respiração.

As pessoas devem jejuar por 24 horas antes de passar por um teste de respiração. Durante o teste, o indivíduo vai beber uma bebida de lactulose de açúcar antes de respirar em um balão ou um conjunto de tubos em intervalos regulares. Um médico pode precisar coletar amostras de sangue, urina ou líquido intestinal para análises laboratoriais se os resultados do teste respiratório não forem claros.

Tratamento

Os médicos tratam a SIBO prescrevendo antibioticoterapia e recomendando mudanças na dieta. As pessoas que desenvolvem desnutrição ou ficam desidratadas devido à SIBO também precisarão de nutrientes e fluidos fornecidos por meio de um gotejamento intravenoso (IV).

Antibióticos de amplo espectro podem estabilizar a microbiota intestinal, reduzindo o número de bactérias intestinais. Abordar a condição subjacente é a única maneira de curar a SIBO.

As mudanças dietéticas são úteis para o manejo da SIBO, mas há poucas evidências concretas para confirmar qual é a melhor dieta específica. Os médicos ainda não entendem completamente o papel das mudanças dietéticas no tratamento da SIBO.

As pessoas também se beneficiarão do tratamento de quaisquer condições médicas subjacentes, como doença celíaca ou diabetes, que contribuam para a SIBO.

Dieta SIBO

As bactérias do intestino se alimentam de carboidratos. Em geral, a dieta SIBO limita a ingestão de carboidratos para evitar o crescimento de bactérias. As pessoas também podem se beneficiar de uma dieta pobre em alimentos fermentáveis ​​ou FODMAPs.

Os FODMAPs são carboidratos de cadeia curta que estão comumente presentes em produtos lácteos, grãos e certas frutas e vegetais. Reduzir a ingestão desses alimentos pode aliviar os sintomas da SIBO e ajudar as pessoas a identificar os alimentos que as provocam.

Alimentos FODMAP incluem:

getty images laticinios

=oligossacarídeos: trigo, leguminosas, cebola, espargos
=dissacarídeos (lactose): leite, iogurte, manteiga, queijos macios
=monossacarídeos (frutose e glicose): frutas, mel, alimentos com adição de açúcares
=polióis: frutas que contêm caroços (por exemplo, cerejas e pêssegos), maçãs, cogumelos, vagens

A dieta elementar é outra opção para pessoas com SIBO. É uma dieta baseada em líquidos que os médicos usam para tratar doenças digestivas graves. Essa dieta fornece nutrientes de forma fácil de digerir, possibilitando que o corpo absorva a maioria deles antes que as bactérias possam se alimentar deles.

Embora a dieta elementar pareça promissora, é cara, complicada e não sustentável. As pessoas não podem comer alimentos sólidos ou bebidas que não sejam água durante a dieta. É vital falar com um médico antes de tentar praticá-la.

Diferentes mudanças na dieta funcionam para pessoas diferentes, dependendo de seus sintomas e de como reagem a alimentos específicos. As pessoas que têm SIBO podem trabalhar com um médico ou nutricionista para adaptar sua dieta para gerenciar seus sintomas.

Complicações

SIBO- intestino sepalika
Ilustração: Sepalika

Populações anormalmente grandes de bactérias no intestino delgado podem ter efeitos negativos em todo o corpo. Supercrescimento bacteriano pode dificultar a absorção de gorduras e carboidratos dos alimentos. Também pode levar a deficiências de vitaminas e excesso de gases.

Outras complicações que uma pessoa com SIBO pode experimentar incluem:

=intestino gotejante
=desnutrição
=desidratação
=dor nas articulações
=prisão de ventre
=encefalopatia hepática (declínio da função cerebral devido a doença hepática grave)

Prevenção

Young woman running in wood, training and exercising for trail r
Pexels

Muitas pessoas relatam sintomas de SIBO meses após completarem a antibioticoterapia. A prevenção é um componente vital do gerenciamento da SIBO.

As pessoas geralmente desenvolvem SIBO como resultado de uma condição médica subjacente ou um defeito físico no intestino delgado. Abordar e controlar a causa raiz da SIBO reduzirá o risco de recorrência da pessoa.

Mudanças na dieta e no estilo de vida também podem impedir que a SIBO retorne. Comer muitos alimentos à base de plantas e evitar os excessivamente processados e açucarados permitirá que boas bactérias floresçam e impeçam o crescimento excessivo de bactérias nocivas. O exercício regular também pode ajudar a regular as funções digestivas do corpo.

Panorama

O supercrescimento bacteriano do intestino delgado (SIBO) é uma condição médica na qual uma pessoa tem uma população incomumente grande de bactérias em seu intestino delgado. É uma complicação de outras condições digestivas, como SII, doença de Crohn e doença celíaca.

Os tratamentos visam corrigir o equilíbrio de bactérias no intestino delgado. Antibióticos de amplo espectro podem tratar a SIBO, e algumas pessoas também precisam fazer mudanças na dieta para lidar com as deficiências nutricionais. Se possível, o tratamento deve abordar a condição médica subjacente que também causou a SIBO.

Os médicos ainda não entendem completamente a SIBO. Estudos atuais e futuros que explorem o microbioma intestinal humano e os resultados de mudanças na dieta no manejo de desordens digestivas terão um efeito profundo nos futuros tratamentos da SIBO.

Fonte: MedicalNewsToday

As várias causas de dor nas pernas

A maioria das dores nas pernas ocorre devido ao uso excessivo ou a lesões menores e o seu desconforto geralmente desaparece em pouco tempo. Mas, em muitos casos, algum problema pode estar impedindo sua melhora.

Como suas causas são variadas, a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular elenca as prováveis causas e recomenda que o diagnóstico preciso deve ser realizado por médico especialista em consultório, pois há ainda mais causas que são somente diagnosticadas com exames específicos.

– Cãibras – uma das principais causas da dor nas pernas é a cãibra muscular ou o espasmo que geralmente desencadeia dor súbita e aguda à medida que os músculos das pernas se contraem e podem formar um nódulo visível e duro sob a pele. Pode haver vermelhidão e inchaço na área circundante. “A fadiga e a desidratação muscular podem levar a cãibras nas pernas, bem como certos medicamentos, incluindo diuréticos e estatinas”, comenta Aline.

pernas inchados

– Lesões – a dor nas pernas também é frequentemente um sinal de lesão, que pode ser tensão muscular, uma lesão comum que acontece quando as fibras musculares se rompem como resultado do excesso de exercício. Outra lesão comum é a inflamação de um tendão, tendinite. Quando se inflama, pode ser difícil mover a articulação afetada. Também pode ocorrer a bursite do joelho, quando há uma inflamação no joelho. Tendão de Aquiles é um forte cordão fibroso que liga os músculos na parte de do osso do calcanhar, e ele pode se romper completamente ou apenas parcialmente, causando uma dor aguda que afetará a habilidade de caminhar.

– Flebite – pernas inchadas, doloridas, avermelhadas e aquecidas podem ser sinal de flebite (ou também conhecida como tromboflebite), inflamação na parede das veias, que ficam endurecidas devido à coagulação do sangue. É causada normalmente pelo fluxo do sangue mais lento, um dano local e mudanças na composição do sangue.

– Tendão de Aquiles – se o seu tendão de Aquiles se rompe, você pode sentir um estalido ou pressão, seguido de uma dor aguda imediata na parte traseira do tornozelo e da perna que provavelmente afetará sua habilidade de caminhar corretamente. “A cirurgia geralmente é a melhor opção para reparar uma ruptura do tendão de Aquiles, mas para muitas pessoas, no entanto, o tratamento não cirúrgico funciona tão bem”, alerta a cirurgiã.

– Dor ciática – uma das dores mais comuns é ciática, a dor que irradia ao longo do caminho do nervo ciático, que se ramifica da parte inferior das costas pelos quadris e nádegas e para baixo em cada perna. Normalmente, a ciática afeta apenas um lado do corpo e ocorre com mais frequência quando há uma hérnia de disco, esporão ósseo na coluna vertebral ou estreitamento da coluna vertebral (estenose espinhal), o que comprime parte do nervo. Isso causa inflamação, dor e, muitas vezes, algum entorpecimento na perna afetada. Embora a dor associada à ciática possa ser grave, a maioria dos casos resolve com tratamentos não-operatórios em algumas semanas. As pessoas que têm ciática severa que está associada a fraqueza significativa da perna ou alterações no intestino ou na bexiga podem ser candidatas a cirurgia.

varicose veias

– Veias varicosas – as veias alargadas e nodosas, chamadas de varicosas também podem causar muita dor. Para muitas pessoas, pequenas varizes são simplesmente uma preocupação cosmética. Para outras pessoas, as varizes podem causar dor e desconforto. As varizes também podem indicar um maior risco de outros problemas circulatórios. O tratamento pode envolver medidas ou procedimentos médicos para fechar ou remover veias.

– Aterosclerose – certas condições médicas geralmente levam a dor nas pernas, como a aterosclerose, estreitamento e endurecimento das artérias devido ao acúmulo de gordura e colesterol. “Se os tecidos na perna não recebem oxigênio suficiente, isso pode resultar em dor nas pernas, particularmente nas panturrilhas”, esclarece a médica.

– Trombose venosa profunda (TVP) – pode causar dor e ocorre quando um coágulo de sangue se forma em uma veia. As TVPs geralmente se formam na perna após longos períodos de repouso na cama, causando dor de inchaço e cãibras.

– Artrite – o que causa muita dor também é a artrite, que pode causar inchaço, dor e vermelhidão, em função da inflamação das articulações. “A gota é uma forma de artrite que pode ocorrer quando muito ácido úrico se acumula no corpo”, comenta Aline.

hernia de disco

– Hérnia de disco –  hérnia de disco pode doer muito, pois pode comprimir nervos na coluna vertebral, o que pode desencadear a dor que viaja de sua coluna para os braços e pernas.

Prevenção de dor nas pernas

alongamento ioga pixabay
Pixabay

– Procure sempre alongar-se antes dos exercícios físicos, para evitar dor nas pernas devido à atividade física. Também é útil comer alimentos ricos em potássio, como banana e frango, para ajudar a prevenir lesões nos músculos das pernas e nos tendões.
– Faça pelo menos 30 minutos de exercícios por dia, cinco dias por semana.
– Mantenha um peso saudável.
– Evite fumar.
– Monitorize seu colesterol, açúcar no sangue e pressão arterial e tome medidas para mantê-los sob controle.
– Consulte sempre seu médico.

Fonte: Cirurgiã vascular e angiologista, Aline Lamaita é formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e do American College of Phlebology. A médica possui título de especialista em Cirurgia Vascular pela Associação Médica Brasileira / Conselho Federal de Medicina.

Dicas para ter mais saúde em 2019

O ano novo chegou e, com ele, uma vontade renovada de ter mais saúde, certo? Mas, então, como fazer? Que novas atitudes podemos ter para chegar a um estado mais saudável de consciência física e emocional? Frésia Sa é fisioterapeuta e utiliza diversas técnicas para descobrir memórias traumáticas e crenças inconscientes que podem ser a causa de dores e doenças crônicas e nos impedir de viver em plenitude.

Frésia separou três dicas que podem parecer básicas, e talvez você até já tenha pensado nisso, mas que, segundo ela, se nos comprometermos de coração com elas, a saúde vem, inevitavelmente. Veja quais são as mudanças de que você precisa:

Procure as causas reais das suas dores, sejam elas físicas ou emocionais

psoriasis-causes-symptoms-treatments-s7-photo-of-woman-with-psoriasis-on-beach
Foto: OnHealth

“Ninguém merece viver com dor. Bato muito nessa tecla porque atendo muitas pessoas que têm essa crença: a de que eu nasci sentindo dor e, portanto, vou seguir assim a vida toda. Isso não é verdade! Você pode e deve ter uma vida leve e feliz, basta que, para isso, conheça o que machuca sua alma e seu corpo, quais são as lembranças, os traumas, as crenças, que impedem de usar os seus maiores potenciais. Vá em busca da sua melhor versão, investigue sua mente e seu corpo, entenda o que faz você sofrer e elimine as causas reais das suas dores. Isso é possível e não é difícil, mas exige dois ingredientes fundamentais: iniciativa e determinação”.

Comece uma rotina saudável, que permita atingir seu maior potencial

getty_rm_photo_of_woman_listening_to_her_body_make_right_decisions

“Você dorme demais, come mal, vive cansada, sente sua vida estagnada, é parceira da procrastinação e das desculpas para nunca fazer o que realmente precisa? Mude já. Ter uma rotina saudável, que reúna elementos como boa alimentação, leituras saudáveis, práticas físicas, conexão espiritual (seja qual for sua religião ou filosofia), organização e disciplina, é fundamental para sentir que sua vida caminha, que seus planos se concretizam e seus sonhos estão a caminho de se realizar. Coloque pequenas metas, estabeleça prazos para incluir novas rotinas e vá agregando boas práticas aos poucos. Toda mudança radical tende a não vingar. O que acontece devagar, permanece”.

Exercite a gratidão!

mãos sol céu nuvens

“Muito se fala nessa palavra, nos dias de hoje, e não é à toa! A palavra gratidão é uma das que exerce a mais alta vibração, ou seja, quando falamos que somos gratos, estamos ampliando nosso campo energético positivo. Obviamente, falar é bom, mas sentir é essencial! Quando somos gratos pela vida, pelas nossas origens, pelo que temos e somos, e inclusive pelas nossas dores, já que foram elas que nos levaram a um caminho de autoconhecimento, conseguimos construir uma energia de impulso, que facilita nossas conquistas. Todo desconforto nos provoca, é um alerta e, se ouvirmos a voz do nosso próprio corpo, podemos ir atrás de soluções e melhorias pessoais. Por isso, seja grato, inclusive por aquilo que te tira da zona de conforto. A vida precisa de impulso, e é por meio dele que crescemos”.

Está pronto para criar um 2019 mais pleno, mais saudável e cheio de vida? Comece por pequenas mudanças, entenda de onde vem as suas dores e seja grato, por tudo. Só assim conseguimos enxergar as boas estradas, as boas oportunidades e nosso futuro de crescimento. Não custa experimentar!

Fonte: Biointegral Saúde