Arquivo da tag: envelhecimento

Nivea reformula linha facial antissinais com Vitamina C

Você já ouviu falar em Q10? É a coenzima presente nas células humanas, responsável pela produção de energia do nosso corpo. Com o passar dos anos, nós naturalmente perdemos Q10. Isso faz com que as nossas células não tenham mais a capacidade de se regenerar e se defender dos “famosos” radicais livres. No entanto, existem soluções muito eficazes para combater esse problema: os antioxidantes! E a linha best seller da Nivea Q10 Vitamina C Energy possui três produtos: diurno, noturno e contorno dos olhos.

Eles contam com a combinação de três poderosos antioxidantes que juntos, atuam no rejuvenescimento da pele. São eles: o Q10 100% idêntico ao natural – poderoso redutor de rugas, a Vitamina C – que energiza e revigora – e a Vitamina E, que combate o envelhecimento.

Além disso, o Nivea Q10 Vitamina C Energy ajuda a melhorar os principais sinais de stress: linhas de expressão, falta de luminosidade e pele cansada, melhorando a hidratação e fortalecendo a barreira de proteção da pele. Um cuidado intenso, para quem vive intensamente!

Veja os detalhes de cada um dos produtos da linha facial para uma pele descansada e iluminada.

Q10 Vitamina C Antissinais Creme Facial Dia FPS 15 – ajuda na prevenção de rugas, linhas finas e outros sinais de envelhecimento da pele. Conta com 3 poderosos antioxidantes: o Q10 100% idêntico ao da pele + Vitamina C + Vitamina E. Em 4 semanas é possível perceber a redução de linhas de expressão, além de uma pele mais firme, protegida dos radicais livres. A versão Dia possui proteção UVA/ UVB com FPS15 e a sensação instantânea, após a aplicação, é de uma pele macia e iluminada. Alivia os sinais de cansaço e oferece uma pele radiante. Valor sugerido: R$ 53,11

Q10 Vitamina C Antissinais Creme Facial Noite – revitaliza a pele durante a noite, quando ela está mais receptiva para receber o produto. Sua fórmula com Vitamina C, Vitamina E e Q10 auxilia a capacidade da sua pele de melhorar o metabolismo protegendo-a dos radicais livres que prejudicam a pele. Além disso, ajuda a melhorar os principais sinais de stress: linhas de expressão, falta de luminosidade e pele cansada, melhorando a hidratação e fortalecendo a barreira de proteção da pele. Tenha uma pele com aparência mais jovem e firme em 2 semanas com o novo Q10 Vitamina C – Valor sugerido: R$ 53,11

Q10 Vitamina C Antissinais Creme Facial Área dos Olhos – alivia os sinais de cansaço e falta de luminosidade. O resultado é uma pele mais firme ao redor dos olhos, hidratada e com profundidade das rugas reduzidas após 4 semanas. A fórmula contém 3 poderosos antioxidantes: Q10 100% idêntico ao da pele + Vitamina C + Vitamina E – Valor sugerido: R$ 47,27

Informações: Nivea – SAC: 0800 77 64832 ou 0800 77 NIVEA

Sete piores tipos de alimentos para a pele e por que você deve evitá-los

Acne, aceleração do envelhecimento, inflamações constantes e alergias. Descubra por que esses alimentos devem entrar na sua lista de bloqueio

Alguns alimentos podem impactar negativamente o equilíbrio do organismo em geral e, com isso, ajudar a provocar inflamações, acne, alergias, além de acelerar o envelhecimento cutâneo. “Eles geralmente são ricos em açúcares, sal e gorduras modificadas, as frituras de imersão, além dos alimentos ultraprocessados, que são os industrializados nos quais não conseguimos identificar os ingredientes à primeira vista. Eles são os maiores responsáveis pelo aumento do perfil inflamatório do organismo como um todo, além de promoverem estresse oxidativo, que resulta em maior liberação de radicais livres, em situações metabólicas que aceleram sobremaneira o envelhecimento cutâneo”, afirma a médica nutróloga Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Quer saber quais alimentos você deve evitar de todo modo?

Freepik

Carboidratos, massas e pão francês: “Os pães brancos são feitos com farinhas refinadas e têm alto índice glicêmico, portanto são absorvidos rapidamente e, ao aumentar rapidamente os níveis circulantes de glicose e insulina, desencadeiam uma série de reações metabólicas com potencial aumento de perfil inflamatório e consequentemente o envelhecimento precoce ou acelerado, mesmo os livres de glúten”, explica Marcella. O envelhecimento da pele relacionado à alimentação é causado por um processo denominado glicação.

“A glicação é o nome dado para a ligação covalente entre duas fibras de proteína – o colágeno, por exemplo, é a proteína mais abundante na derme. Em uma pele normal, as fibras de colágeno estão ligadas de maneira padronizada, no entanto, dependendo da dieta, essas ligações podem aumentar. Quanto maior o cross-linking, maior a dificuldade de reparo dessas fibras, o que acelera a degeneração do colágeno. As fibras de elastina (outra proteína presente na derme) também aumentam o cross-linking devido à glicação, resultando numa pele menos flexível. A glicose é o principal ligante. Dessa maneira, uma dieta rica em açúcar e carboidrato é causa de envelhecimento, pois aumenta a glicação do colágeno e elastina da pele, impossibilitando o seu reparo”, afirma o dermatologista Daniel Cassiano, da Clínica GRU e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Foto: Hans Benn/Pixabay

Frituras de imersão: batata frita, coxinhas, pastéis e todas as frituras de imersão impactam negativamente a saúde da pele. “Alimentos gordurosos no geral favorecem muito o surgimento da acne, pois estimulam a pele a produzir mais gordura através das glândulas sebáceas. Além disso, uma dieta mais gordurosa também faz com que sejam liberadas substâncias inflamatórias que podem estar relacionadas ao desencadeamento da acne”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, Pesquisador, Consultor em Cosmetologia e diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy.

“Existe um gene chamado TNF-alfa e ele está associado com o processo inflamatório; se o indivíduo tem um alelo (forma alternativa de um determinado gene) que leva a um processo inflamatório mais intenso, ele deve tomar cuidado com a alimentação, pois existem alimentos que são pró-inflamatórios e o consumo exagerado pode piorar a inflamação da acne e também o envelhecimento da pele”, afirma o geneticista Marcelo Sady, Pós-Doutor em Genética e diretor geral Multigene.

Free-Photos/Pixabay

Segundo a dermatologista Claudia Marçal, esse tipo de gordura ruim pode piorar casos de psoríase, alergias e dermatites. “O fato de ingerir proteínas glicadas também induz a glicação do colágeno e da elastina. As proteínas glicadas da nossa dieta são provenientes dos alimentos aquecidos em alta temperatura na ausência de água. A crosta marrom de um pão francês ou a pele tostada do peru de natal, por exemplo, contêm proteínas glicadas. Dessa forma, fritar (superficialmente ou por imersão) ou assar produzem mais proteínas glicadas que outros processos de cocção envolvendo água como o cozimento ou vapor. A restrição da ingesta de proteínas glicadas também diminui o estresse oxidativo e a inflamação da pele”, explica Cassiano.

Doces e guloseimas ricas em açúcares: comer açúcar não é uma boa coisa para sua saúde e aparência. “O excesso de açúcar em doces e bolos contribui para a formação de AGEs (agentes avançados de glicação) prejudiciais ao colágeno, mas também está envolvido em processos inflamatórios, como a acne”, explica a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

“O açúcar refinado talvez seja o ingrediente isolado que mais acelera o envelhecimento cutâneo, por fatores intrínsecos, e a radiação UV é o principal fator extrínseco”, completa a médica nutróloga Marcella. Ao mesmo tempo, é difícil abandonar o vício em açúcar. O que fazer? Comece com um passo de cada vez. “Além de adequar o paladar, buscando consumir menos açúcar, é possível em muitas receitas substituir esse ingrediente por frutas mais doces e mel, que são fontes de vitaminas, ou versões mais ‘magras’, como o açúcar demerara ou o adoçante xylitol – também evitando o excesso”, completa Beatriz.

Foto: Yahoo

Carnes ultraprocessadas: salsicha, bacon e linguiça são exemplos de carnes processadas que podem ser prejudiciais à pele. “Essas carnes são ricas em sódio e gorduras saturadas, que podem desidratar a pele e enfraquecer o colágeno, causando inflamação”, lembra Beatriz. “Além disso, as carnes processadas trazem conservantes, corantes, grande quantidade de sal e seu consumo frequente tem consequências metabólicas indesejáveis na saúde da pele”, diz Marcella. Ou seja, elas roubam o brilho natural da sua pele, que perde viço. Esse tipo de proteína pode ser substituído por ovos e frango ou proteínas vegetais como feijão, grão-de-bico e ervilha.

Laticínios, manteiga e margarina: “As gorduras saturadas de origem animal, como a manteiga, são o segundo tipo de gordura a ser ingerida com muita moderação, por seus impactos negativos na pele. Pior que essa categoria somente as gorduras modificadas e as trans, presentes nas margarinas”, afirma Marcella. O perigo é que esses tipos de gorduras são potencialmente inflamatórios, aumentando os riscos de alergias, envelhecimento e acne.

Salgadinhos, bolachas e biscoitos: unindo gorduras trans, sódio em excesso, carboidratos simples em alta quantidade, além de corantes, aditivos e ingredientes desconhecidos, esse tipo de alimento é um dos principais causadores do envelhecimento da pele, por seu perfil pró-inflamatório, além de contarem com ‘calorias vazias’.

Refrigerantes e bebidas alcoólicas: segundo a médica nutróloga, os refrigerantes são bebidas ultraprocessadas que deveriam ser evitadas por todos, tanto as versões regulares, que são as piores quanto as dietéticas são desaconselháveis para quem quer envelhecer com saúde. “O problema é a alta quantidade de açúcar, aditivos, corantes que podem causar irritação, vermelhidão, enfraquecimento da barreira cutânea por meio da inflamação causada pelos seus componentes”, afirma Claudia.

“A bebida é, na verdade, um dos piores e mais agressivos compostos para destruir a pele. O álcool em excesso pode causar não só a desidratação, mas também a inflamação sistêmica, que colabora para a vermelhidão e envelhecimento da pele”, acrescenta a dermatologista. Ao beber dois ou mais drinks por dia, há uma enorme quantidade de dano que ocorre na pele: “O álcool afeta qualquer membrana ou mucosa, do pâncreas e fígado à pele. O primeiro efeito é a desidratação, uma vez que, na verdade, retira todo o fluido da pele. Se você olhar para uma mulher que está bebendo há 20 ou 30 anos e uma mulher da mesma idade que não tem esse hábito, veremos uma enorme diferença na pele”, afirma Claudia. Esse tipo de desidratação causa mais rugas, o que pode fazer você parecer até dez anos mais velho.

Por fim, Claudia Marçal afirma que alimentos como milho, soja e carne vermelha também podem aumentar o risco do aparecimento de acne e merecem atenção. “Isso porque são alimentos ricos em ácidos graxos do ômega-6, substância com efeitos que favorecem a inflamação”, afirma a dermatologista.

Já Marcella lembra que os laticínios são um capítulo à parte, pois apresentam inúmeras variações em suas composições, e a depender das sensibilidades, seu consumo deva ser individualizado, para não causar danos à pele e seus anexos. Mas existem alimentos que podem retardar o efeito do tempo.

“Um hábito alimentar equilibrado, variado e natural com boas fontes de proteínas magras, carboidratos complexos, fibras, gorduras boas como os ácidos graxos omega-3, presentes nos peixes de água fria, sementes e nozes, vegetais ricos em carotenoides que são todos aqueles de coloração verde, passando pelos amarelos, alaranjados e vermelhos, além dos ricos em polifenóis presentes nas frutas vermelhas e roxas, além do chocolate amargo”, diz a nutróloga. “Não podemos esquecer da água, que é insubstituível para a boa hidratação do organismo em geral e da pele, pois os cremes hidratantes apenas seguram na pele a água que foi ingerida”, finaliza.

Redobre os cuidados com a pele durante a menopausa para combater os sinais do envelhecimento

Além dos sintomas como irritabilidade, cansaço, perda de massa muscular e calor causados pela queda do estrogênio, menopausa também torna a pele mais ressecada, fina, sensível e, consequentemente, mais propensa a sofrer com o envelhecimento precoce

O envelhecimento é um processo que ocorre com todos nós, sendo marcado por uma série de modificações no funcionamento do organismo. Por exemplo, uma das principais alterações que afetam o corpo da mulher devido ao envelhecimento é a menopausa.

“Geralmente ocorrendo após os 50 anos, mas podendo afetar algumas mulheres precocemente, a menopausa é caracterizada pela suspensão definitiva da menstruação com consequente queda na produção de estrogênio. Como resultado, a mulher passa a apresentar uma série de sintomas, incluindo irritabilidade, mudanças drásticas de humor, sudorese excessiva, cansaço intenso, ondas de calor e perda de massa óssea e massa magra”, explica Eloisa Pinho, ginecologista e obstetra da Clínica GRU Saúde.

Além disso, a pele também é afetada. Segundo Daniel Cassiano, dermatologista da Clínica GRU Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, devido à menopausa, ocorre uma diminuição na produção de ácido hialurônico e das fibras de colágeno e elastina. “Isso favorece o ressecamento do tecido cutâneo e acelera o surgimento dos sinais de envelhecimento da pele, incluindo rugas, linhas de expressão, flacidez e perda de firmeza, elasticidade e volume”, afirma o dermatologista.

A má notícia, de acordo com Eloisa, é que não existem métodos para se prevenir ou retardar a menopausa, visto que é definida geneticamente. Mas, quem deseja combater os efeitos da menopausa na pele, pode apostar no reforço da rotina skincare.

“Inicie pela limpeza, que, em peles maduras, deve ser realizada com produtos mais suaves que não causem agressões na pele ou removam excessivamente a barreira de proteção do tecido cutâneo, o que pode agravar ainda mais o ressecamento e tornar a pele mais suscetível a danos”, aconselha Cassiano. Em seguida, aposte na hidratação com produtos formulados com ativos capazes de fortalecer a barreira da pele e segurar a molécula de água no tecido cutâneo.

“É indicado também o uso de substâncias com propriedades antioxidantes e rejuvenescedoras, incluindo o retinol, a vitamina C, o resveratrol e os alfa-hidroxiácidos. Mas, mesmo durante a menopausa, o fotoprotetor segue sendo o principal método de combate ao envelhecimento cutâneo, lembrando que o produto deve conter FPS 30, no mínimo, e ser aplicado todos os dias pela manhã após o hidratante, com reaplicação necessária a cada duas horas”, destaca o médico.

Vale ressaltar ainda que, na menopausa, a pele da mulher é mais sensível por ser mais fina e ressecada. Então, o cuidado na escolha dos produtos deve ser redobrado, evitando aqueles cosméticos que possam causar irritação, vermelhidão, coceira e descamação do tecido.

“Entre as substâncias irritantes, as fragrâncias figuram entre as principais vilãs, já que favorecem a desidratação e comprometem a integridade da barreira protetora da pele”, alerta o especialista. “No geral, o recomendado é sempre escolher produtos hipoalergênicos e naturais, além de livres de fragrância. No geral, quanto mais forte o cheiro de um cosmético, maiores as chances de ele causar irritações, alergias e dermatites”, diz o médico

Além disso, é interessante investir em hábitos saudáveis que auxiliem na manutenção da saúde do organismo, amenizando os sintomas da menopausa não apenas na pele, como no organismo como um todo. “Por exemplo, invista em uma alimentação equilibrada rica em vegetais, frutas e legumes, principalmente aqueles com propriedades antioxidantes, e evite alimentos industrializados e o consumo excessivo de sal e açúcar. Além disso, tenha boas noites de sono, consuma pelo menos dois litros de água por dia, pratique exercícios físicos regularmente e evite fumar e ingerir álcool”, recomenda Eloisa.

Em mulheres que sofrem demais com a queda hormonal, é possível também apostar na reposição hormonal para reduzir os sintomas da menopausa. “Realizada através de administração vaginal, oral ou transdérmica, a reposição de estrogênio em baixas doses ajuda a restabelecer o equilíbrio do organismo para que a mulher se adapte mais facilmente ao período da menopausa. Porém, esse tipo de tratamento deve ser prescrito por um ginecologista, já que é contraindicado para pacientes com câncer em atividade, que possuem predisposição à doença ou que sofrem de alterações nas mamas”, alerta a especialista.

Por sua vez, mulheres que já passaram pela menopausa e apresentam sinais de envelhecimento acentuado podem apostar em procedimentos estéticos, como o preenchimento de ácido hialurônico, que, segundo Cassiano, confere volume ao rosto, reduz a aparência de rugas e linhas de expressão e estimula a produção natural da substância pelo organismo, tornando a pele mais hidratada e combatendo o ressecamento. “Os bioestimuladores de colágenos também são interessantes por hidratarem profundamente e estimularem a neocolagênese, aumentado assim a firmeza e a elasticidade da pele para combater flacidez e rugas”, afirma.

Por fim, é importante ressaltar que a menopausa é um processo natural do envelhecimento que ocorrerá em todas as mulheres em algum momento da vida. Por isso, ao notar os sintomas da queda hormonal, o mais importante é que você visite um médico ginecologista, que poderá dar orientações para que você passe por essa nova fase de sua vida da forma mais tranquila possível. Além disso, vale a pena também consultar seu dermatologista, que poderá rever as necessidades de sua pele para recomendar a melhor rotina de cuidados ou indicar os tratamentos mais adequados para combater os sinais do envelhecimento.

Fontes:

Eloisa Pinho é ginecologista e obstetra, pós-graduada em ultrassonografia ginecológica e obstétrica pela Cetrus. Parte do corpo clínico da clínica GRU Saúde, formada pela Universidade de Ribeirão Preto, realiza atendimentos ambulatoriais e procedimentos nos hospitais Cruz Azul e São Cristovão. Faz parte do corpo clínico dos hospitais São Luiz, Pró Matre, Santa Joana e Santa Maria.
Daniel Cassiano é dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Cofundador da clínica GRU Saúde, formado pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Doutorando em medicina translacional também pela Unifesp. Professor de Dermatologia do curso de medicina da Universidade São Camilo.

Ana Hickmann lança linha de dermocosméticos

Ana Hickmann mais uma vez aposta no universo feminino e sai na frente com produtos dermocosméticos de alta qualidade e essenciais para o cuidado da pele

Os produtos foram desenvolvidos com substâncias essenciais e ativos de alta performance para o cuidado e rejuvenescimento da pele. Com eficácia comprovada, os produtos são hipoalergênicos e dermatologicamente testados. A linha conta com seis produtos no lançamento: Gel de Limpeza Purificante, Gel de Limpeza Energizante, Hidratante Matificante, Hidratante Rejuvenescedor, Sérum Vitamina C e Creme para os olhos.

Todos os itens da linha possuem certificação Cruelty Free and Vegan da Peta.

O primeiro produto lançado é Unique Skin Sérum Vitamina C. Trata-se de um sérum antioxidante concentrado e eficaz que atenua as rugas e linhas de expressão,recupera a luminosidade e uniformiza o tom, além de reforçar a elasticidade e a proteção antioxidante da pele. Contém:

Vitamina C10%
Age contra os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento cutâneo, intensificando a produção de colágeno, substância essencial para um rosto jovem e bonito. Também suaviza linhas de expressão e reduz os sinais de cansaço.

Ácido Ferúlico
Neutraliza os radicais livres, reduz rugas e linhas de expressão, devolve luminosidade e viço à pele, além de firmar e combater os danos causados pela poluição.

Vitamina E
A Vitamina E tem ação antioxidante, anti inflamatória e poder rejuvenescedor.

Niacinamida
Melhora o estimulo da síntese de colágeno, a regulação positiva das ceramidas, que proporciona uma pele mais radiante e sem manchas, regulação do teor de sebo da pele e da atividade anti inflamatória, além de ação antipoluição, proteção do DNA e proteção contra a luz azul.

Extrato de Orquídea
Rejuvenescedor,antioxidante e hidratante. Protege áreas frágeis e delicadas contra agressões externas, ressecamento excessivo e envelhecimento precoce da pele.

Unique Skin Sérum Vitamina C, em embalagem de 30ml – R$ 199,90.

Informações/venda: Ana Hickmann Skincare

Flacidez no rosto e pescoço estão com os dias contados

Ultrassom microfocado, também conhecido como Ultraformer, tem efeito potencializado em 7x quando associado ao bioestimulador de colágeno

A busca pela beleza saudável cresce entre mulheres e homens em todas as faixas etárias. E a tecnologia a favor da autoestima e bem-estar avança a cada dia, com soluções cada vez mais modernas e também acessíveis.

Uma delas está entre as preferidas quando o tema é rejuvenescimento facial: o Ultrassom Microfocado, também conhecido pelo nome comercial, Ultraformer é indicado para peles maduras e também para a prevenção do envelhecimento em peles mais jovens. Como utiliza a mais nova tecnologia para flacidez do rosto e pescoço, não machuca a pele ou impede o paciente de manter sua rotina, pois não deixa marcas. Há, ainda, um protocolo especial para a região dos olhos e pálpebras para estímulo de colágeno que faz arqueamento de sobrancelha e abertura do olhar.

Como explica a médica dermatologista da rede de clínicas Meu Dermato, Pâmela Ribeiro, o Ultraformer faz micro pontos de coagulação em algumas alturas dentro da pele. “Na parte muscular faz o efeito lifting, na parte da derme profunda, ajuda na flacidez cutânea. Com as ponteiras de gordura consegue diminuir a papada, afinar o rosto. Há, inclusive, uma ponteira específica para olho para tratar a flacidez palpebral”, diz.

Com o uso do bioestimulador de colágeno associado ao Ultraformer, a formação de colágeno é potencializada em até 7x, fazendo uma ancoragem muscular, resultando em um efeito lifting natural.

O “combo” mais procurado atualmente

Conheça os procedimentos “queridinhos” daqueles que buscam melhorar a aparência – mas que quer distância das cirurgias:

• Ultraformer: o ultrassom microfocado é uma alternativa relativamente nova, com um alto poder de corrigir sinais de envelhecimento e de flacidez. Consegue chegar em determinadas camadas do rosto, desde a região da gordura, a musculatura, até onde temos a produção do colágeno. Com ele, é possível ter uma melhora na papada, na flacidez do rosto e no contorno, promovendo um lifting facial, além de promover um efeito de bichectomia like. É um tratamento que pode ser feito uma vez ao ano, com resultados ainda mais visíveis ao longo de três meses com a melhora no banco de colágeno.

• Radiesse: é um bioestimulador que atua nos mecanismos de regeneração da própria pele para a produção de colágeno novo ao longo das semanas e meses seguintes, tornando a pele mais forte e mais elástica. É bastante utilizado na correção de queixos e maxilares para uma melhor simetria. Ele é um gel produzido à base de hidroxiapatita de cálcio, que está presente em nosso organismo, por isso não há riscos de incompatibilidade ou sensibilidade ao produto.

• Toxina botulínica: é uma substância utilizada para prevenir ou amenizar rugas e linhas de expressão de algumas áreas do rosto, como ao redor dos olhos, entre sobrancelhas e testa. Estas marcas em geral, são causadas pela contração dos músculos da face e influenciadas pela má alimentação, tabagismo, exposição solar, entre outros fatores. Esse composto também é utilizado para o tratamento da hiperidrose, podendo ser aplicado nas axilas, mãos ou pés e até mesmo no couro cabeludo. Diferentemente do que muitos pensam, a toxina botulínica não é indicada somente para pacientes com idade avançada, pois possui também forte papel preventivo em pacientes jovens.

• Ácido hialurônico: tem uma função de rejuvenescimento facial, dando sustentação à pele, preenchimento e hidratação. Por isso, disfarça rugas, como o bigode chinês e também corrige olheiras e melhora a simetria e volume labial. Não tem rejeição porque é um componente da pele, considerado um hidratante natural.

Sobre a Meu Dermato

Um novo conceito em medicina dermatológica, a rede de clínicas tem como objetivo realçar a beleza, por meio de procedimentos acessíveis, seguros e modernos, realizados por uma equipe de médicos dermatologistas. Hoje conta com quatro unidades em funcionamento (Paulista, Vila Olímpia, Itaim e Moema), com forte plano de expansão nacional.

Como o envelhecimento afeta seu sono

Conforme você envelhece, é provável que surjam mudanças em seus padrões de sono. Você pode achar mais difícil dormir – e ficar assim – do que antes. Você pode se sentir cansado durante o dia e querer tirar uma soneca. Você não está sozinho: muitos homens e mulheres com mais de 50 anos têm problemas para dormir. Muitas coisas podem afetar a qualidade do seu descanso e, às vezes, há mais de uma causa em jogo.

Dor

Artrite, problemas nas costas, DRGE (doença do refluxo gastroesofágico), diabetes e outras doenças relacionadas à idade podem causar dores que o acordem. Em alguns casos, a fisioterapia ou a cirurgia podem ajudar com dores nas costas. Caso contrário, seu médico poderá tratá-lo, bem como outras doenças subjacentes. Os analgésicos de venda livre podem diminuir a dor e a inflamação.

Doença Neurológica

Parkinson

Esses tipos de doenças causam problemas com sinais elétricos no cérebro e no sistema nervoso. A doença de Parkinson pode causar movimentos que o acordem ou perturbem seu sono de outras maneiras. E o Alzheimer perturba e agita algumas pessoas bem na hora em que normalmente vão dormir. Seu médico pode ajudá-lo a tratar os sintomas dessas doenças.

Remédios

Medicamentos para doenças cardíacas, hipertensão, Parkinson e problemas de tireoide – todos mais comuns com o aumento da idade – podem interromper seu sono. E a idade pode tornar os efeitos de alguns medicamentos mais propensos a mantê-lo acordado, como o estimulante pseudoefedrina em descongestionantes de venda livre. O seu médico pode ajustar ou alterar a sua medicação se ela parecer afetar o seu sono.

Acordando para fazer xixi

Se isso acontecer mais de uma vez por noite, seu médico pode concluir que seja noctúria. Isso tende a acontecer mais conforme você envelhece e pode ser devido a doenças, como diabetes, insuficiência cardíaca ou infecção, inflamação e outros problemas de bexiga relacionados à idade. Pode ajudar a evitar cafeína e álcool no final do dia. Seu médico pode prescrever comprimidos de água (diuréticos) para ajudá-lo a fazer xixi no início do dia, ou outros medicamentos que diminuem a necessidade de ir ao banheiro.

Menopausa


À medida que você para de menstruar na meia-idade, seu corpo lentamente para de produzir os hormônios progesterona e estrogênio. Isso geralmente causa ondas de calor em que uma onda de adrenalina a acorda. Isso pode acontecer muitas vezes por noite. Elas podem fazer você ficar muito quente e suar – às vezes muito. Seu médico pode prescrever hormônios para interromper esses flashes e ajudá-la a dormir.

Mudanças no ritmo do sono


Conforme você envelhece, você tende a ficar com mais sono no início da noite e acordar mais cedo. Pode ajudar ouvir seu corpo conforme isso muda, para que suas horas de sono estejam mais em sintonia com os ritmos naturais de seu corpo. Você pode ir para a cama com uma rotina relaxante à noite. Leia um livro ou ouça uma música suave. Um banho ou ducha quente e alguns exercícios leves de alongamento também podem causar sonolência.

Apneia do sono

É quando você ronca tão intensamente que interrompe repetidamente a respiração enquanto dorme – às vezes centenas de vezes por noite. Pode afetar qualquer pessoa, mas é mais provável depois dos 40 anos. Você pode perceber que está grogue no dia seguinte por falta de sono. Às vezes é porque você está com alguns quilos a mais, mas nem sempre. Um médico pode fazer exames para ver se você tem e ajudá-lo a tratá-lo.

Síndrome das pernas inquietas

Medical Images

Faz com que suas pernas se movam quando você não quer. Pode mantê-lo acordado com sensações estranhas nas pernas: elas podem formigar, ou você pode sentir sua pele se arrepiar ou ter uma sensação de “alfinetes e agulhas”. Quando inclui os braços, é chamada de distúrbios do movimento periódico dos membros, ou DMPM. Cerca de 20% das pessoas com 80 anos ou mais têm SPI. Mais do que isso, têm alguma forma de DMPM. O seu médico pode ajudá-lo a controlar os seus sintomas.

Saúde mental

Foto: Shutterstock

Novos problemas de saúde mental, como depressão, podem surgir com a idade. Pessoas com depressão, transtorno bipolar e outros transtornos do humor têm maior probabilidade de ter problemas de sono. Pode ser um evento repentino ou um período difícil em sua vida. Ou pode ser que os eventos do dia a dia comecem a preocupá-lo mais do que antes (ansiedade). Fale com o seu médico se as preocupações ou o seu humor parecem interferir no seu sono.

Cochilos

Depositphotos

Conforme você envelhece, pode ter mais tempo extra para cochilar durante o dia, seja por acaso ou propositalmente. Mas se você não está dormindo à noite, cochilos podem não ser uma boa ideia, especialmente no final da tarde ou à noite. Você pode não se sentir cansado na hora de dormir ou dormir bem. Isso pode levar a um ciclo que perturba sua rotina normal de sono e tornar mais difícil o acordar de manhã.

Problemas de coração

Getty Images

Falta de ar por insuficiência cardíaca, dor no peito por angina, pulso acelerado por fibrilação atrial: todos esses problemas cardíacos podem interferir no seu sono. E menos sono pode piorar esses problemas cardíacos, o que leva a um ciclo infeliz. Converse com seu médico sobre qualquer um desses sintomas. Se você tiver uma doença subjacente, descubra como pode controlá-la com mudanças no estilo de vida, medicamentos, cirurgia ou outros tratamentos.

Ajude seu sono: faça uma lista

Getty Images

O sono pode ser difícil se sua mente estiver ocupada com todas as coisas que você precisa fazer amanhã. Você pode reduzir esse estresse se dedicar apenas alguns minutos para organizar seus pensamentos em uma lista de “tarefas a fazer”. Isso pode ajudá-lo a dormir melhor esta noite. E também fornece um guia pronto sobre como agir no dia seguinte.

Ajude a dormir: desligue o celular

A luz artificial após o anoitecer pode atrapalhar seu sono. A luz azul de dispositivos eletrônicos como smartphone e laptop é especialmente ruim porque reduz os níveis de melatonina. Telas especiais podem filtrar parte dessa luz. Alguns dispositivos têm configurações de “turno noturno” que ajudam a removê-lo. Mas a melhor coisa a fazer é desligar eletrônicos o mais cedo possível.

Ajude seu sono: menos álcool

WebMD

Você pode sentir sono depois de um ou dois drinques, mas, mais tarde, isso pode acordá-lo continuamente durante a noite. Ele perturba o importante estágio REM do sono e pode interferir na respiração. Também faz você urinar mais, o que significa que pode ter que se levantar e ir ao banheiro. Beber menos no final da tarde e à noite antes de dormir pode ajudar.

Ajude seu sono: menos cafeína


Não é apenas no café e no chá. Está em refrigerantes, chocolate, bebidas energéticas e analgésicos de venda livre. Pode dificultar o sono. Também pode diminuir a quantidade ou a qualidade do seu sono, especialmente à medida que você envelhece. Mesmo seis a oito horas antes de dormir pode ter um efeito. Fique longe dela à tarde e à noite, principalmente se tiver problemas para dormir.

Fonte: WebMD

Dia Mundial da Visão: pesquisa aponta que metade dos brasileiros tem medo da cegueira

Entre pacientes com diabetes, 63% tem receio de perder a visão, sendo que 41% afirmam que esse é seu maior medo; dados fazem parte de uma pesquisa Ibope DTM encomendada pela Bayer

Metade dos brasileiros tem medo da cegueira. É o que aponta uma pesquisa do Ibope DTM encomendada pela Bayer. A pesquisa foi realizada online, com dois mil brasileiros, na faixa etária de 16 a 65+, de todas as regiões do país. Além disso, foi realizada uma etapa complementar telefônica para alcançar 315 casos de pacientes com diabetes. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para dois mil casos e de 6 pontos percentuais para 315 casos, considerando o nível de confiança de 95%.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que entre 60% e 80% dos casos de cegueira são evitáveis e/ou tratáveis2. A questão é que a falta de conhecimento sobre doenças que podem ocasionar a perda de visão ainda é uma grande ameaça à saúde ocular, já que compromete o diagnóstico precoce e tratamento adequado. Exemplo disso é o desconhecimento sobre a retinopatia diabética (RD), a principal causa de cegueira em pessoas com idade entre 20 e 74 anos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

Cerca de metade (54%) dos participantes da pesquisa Ibope DTM que responderam ter diabetes, um dos principais fatores de risco para doenças da retina, nunca ouviram falar na retinopatia diabética – a porcentagem é de 63% no caso de pacientes que estão no sistema público de saúde. Com relação ao total de entrevistados, o desconhecimento sobre RD sobe para 71%.

Apesar disso, 41% dos pacientes apontaram a perda de visão como seu maior medo. Ou seja: apesar do conhecimento insuficiente sobre doenças da retina como a RD, há uma noção sobre os riscos que o diabetes – que já acomete cerca de 12,5 milhões de brasileiros, segundo o Ministério da Saúde – traz para a saúde dos olhos.

Diabetes e cegueira evitável

“A retinopatia diabética é geralmente causada pela glicemia mal controlada nos pacientes. Esse descontrole danifica os vasos sanguíneos da retina, o que estimula o crescimento desordenado de novos vasos, que podem se romper com facilidade e fazer com que o sangue vaze para a retina e para a parte interna do olho, afetando a visão. Na grande maioria dos casos, não existem sintomas na fase inicial da doença. Já em fases mais avançadas, os sintomas mais comuns são moscas volantes, borrões, áreas escuras na visão e dificuldade de distinguir cores”, explica o oftalmologista Emerson Castro, do Hospital Sírio Libanês. Outros fatores de risco da doença são hipertensão, colesterol alto, consumo de álcool, tabagismo e gravidez associados ao diabetes, além da apneia obstrutiva do sono.

O médico ressalta que “caso as alterações decorrentes da RD não sejam detectadas a tempo, podem atingir a área central da retina, a mácula, responsável pela visão de detalhes, causando o chamado edema macular diabético (EMD), que pode provocar visão embaçada, baixa da acuidade visual (capacidade do olho para identificar o contorno e a forma dos objetos), visão distorcida ou dificuldade para diferenciar cores. O tratamento precoce se faz necessário, pois as alterações, com o passar do tempo, podem ser irreversíveis, causando a temida perda de visão”.

O EMD afeta, em média, 10% dos pacientes com diabetes tipo 1 e 2 no mundo3. Mais de 90% dos pacientes com tipo 1 terão algum grau de retinopatia após 20 anos com a doença, enquanto naqueles com o tipo 2 a porcentagem é de 60%.

EMD – Ilustração Bayer

O acompanhamento médico e diagnóstico precoce são essenciais para o sucesso do tratamento e prevenção da cegueira. De acordo com a pesquisa, ¼ dos pacientes com diabetes nunca foram incentivados por seu médico a avaliar a retina. Além disso, apenas 66% disseram já ter realizado algum exame para a verificação de doenças dos olhos relacionadas ao diabetes – a maioria que deu resposta positiva se encontra na saúde suplementar (76%).

Para a detecção da RD e do EMD, existem exames que vão além do popular teste de refração, em que o paciente tenta enxergar figuras ou letras no fundo da sala. O exame mais utilizado especificamente para avaliação do fundo do olho com a pupila dilatada é o mapeamento de retina, mas outros complementam o diagnóstico e também podem auxiliar no acompanhamento do tratamento.

Alguns exemplos são: a angiografia, que identifica novos vasos, obstruções e outros problemas na retina; a tomografia de coerência óptica (OCT), que recria uma imagem 3D de estruturas como retina, vítreo e nervo óptico; a fundoscopia, que por meio de um feixe de luz no fundo dos olhos torna possível observar várias estruturas, como a retina; e o Phelcom Eyer, um retinógrafo portátil adaptável ao smartphone, que traz imagens de alta precisão da retina.

Algumas atitudes preventivas são a realização de atividades físicas, alimentação saudável, acompanhamento médico regular e controle do diabetes. Já o tratamento pode ser feito com laser, injeções antiangiogênicas, medicamentos corticoides e cirurgia – lembrando que o acompanhamento clínico, ou seja, controle do diabetes, hipertensão e outras doenças já existentes deve ser concomitante.

“Em alguns casos, a injeção, que interrompe o crescimento de novos vasos sanguíneos anormais e consequentemente impede o vazamendo de fluido e sangue para dentro da retina, consegue não só estabilizar a doença, mas também melhorar ou recuperar a visão que já havia sido perdida”, conta o médico.

Envelhecimento: outro fator de risco importante

Freepik

O envelhecimento também pode acarretar doenças da retina que levam à cegueira, como a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), principal causa de perda visual na terceira idade. A pesquisa da Bayer alerta a população para a conscientização nesse sentido. Isso porque 74% dos entrevistados disseram que nunca ouviram falar em DMRI, sendo que desses, 65% tem 55 anos ou mais, faixa etária mais acometida pelo problema.

A degeneração macular relacionada à idade é causada pelo envelhecimento e desgaste natural dos tecidos. A forma mais comum é a seca, provocada por depósitos de resíduo celular na mácula (área central da retina), e a mais rara e agressiva é a úmida, que acontece com o surgimento de vasos sanguíneos frágeis, cujo sangue vaza e se acumula sob a retina, fazendo com que a visão fique embaçada, escurecida e/ou distorcida.

Além da faixa etária acima dos 50 anos, outros fatores de risco são o tabagismo, sedentarismo, obesidade, olhos claros e histórico familiar. O tratamento preconizado para a forma úmida é com injeções de medicamentos antiangiogênicos, com a possibilidade também de indicação de suplementação com minerais e antioxidantes para a forma seca da doença.

Fonte: Bayer

Confira os cinco mitos mais comuns sobre cuidados com a pele

Muitas informações sobre cuidados com a pele circulam na internet e são amplamente disseminadas por pessoas influentes nas redes mas, é importante saber o que é verdade e o que é mito, de acordo com a medicina, para não correr nenhum risco e conseguir cuidar da saúde da sua pele. A dermatologista Simone Stringhini, líder da clínica Stringhini Dermatologia Avançada, Membro da Academia Americana de Dermatologia e com 30 anos de experiência, listou os cinco principais mitos e informações equivocadas que circulam por aí.

1- Hidratantes repõe a água da pele

É até equivocado utilizar o termo “hidratar a pele” porque, na verdade, o hidratante não vai repor água, ele vai adicionar óleo na pele para reforçar a barreira cutânea e evitar a perda de água que já está no corpo. A dermatologista alerta que, a única forma de hidratação do corpo é ingerindo água. Por isso que, em alguns casos, pessoas com pele oleosa não tem a necessidade de passar hidratante, mas isso vai depender de cada caso e o dermatologista é que poderá indicar o que é mais recomendado.

2- O colágeno ingerido vai para a pele

O colágeno é uma proteína que nós temos em todo o corpo humano e, na pele, ele é o responsável por garantir a firmeza. A medida que vamos envelhecendo, o corpo vai perdendo a capacidade de produzir colágeno e, consequentemente, diminui a concentração em todo o corpo, o que causa a flacidez. Ele pode ser encontrado em diversos alimentos derivados dos animais, como carnes, peixes, ovos, queijos, leite, entre outros. Mas, com o passar dos anos, o organismo também vai perdendo a capacidade de absorver colágeno desses alimentos e é importante suplementar para diminuir a velocidade do envelhecimento. Mas, o colágeno que é ingerido em forma de cápsula ou pó não é absorvido diretamente pela pele. O que acontece é que, primeiramente, essa molécula irá ser degradada em aminoácidos, que são absorvidos pelo estômago e, posteriormente, serão utilizados para várias funções no organismo e, uma delas, será para a síntese de colágeno pela pele. Caso o médico opte por recomendar o colágeno, o horário mais indicado, segundo Simone, é antes do café da manhã, em jejum, pois depois das refeições, com o estômago cheio, a absorção pode ser menor.

3- Ginástica Facial rejuvenesce

Esse talvez seja o mito mais popular. A ginástica facial vem ganhando muitos adeptos, nos últimos tempos. Mas é importante entender que a ginástica atua diretamente nos músculos faciais e não na pele. Então, esses movimentos repetitivos não rejuvenescem e, podem até causar rugas, dependendo da intensidade e da frequência com que são feitos, pois a maior parte do envelhecimento facial é causado pela perda de elasticidade e, consequente, flacidez da pele. Os músculos também envelhecem, mas eles não são os maiores responsáveis pelo aspecto de envelhecimento facial. Então, quando é praticada a ginástica facial os músculos estão sendo estimulados à hipertrofia, assim como o corpo durante a musculação na academia, por exemplo. Mas isso não trará resultados no aspecto de rejuvenescimento e, pior, esses movimentos repetitivos juntamente com as expressões faciais feitas durante a ginástica podem acabar marcando a pele, causando rugas e trazendo o efeito de envelhecimento. A dermatologista diz que não existe uma ginástica para pele, apenas tratamentos dermatológicos avançados é que trarão o resultado do rejuvenescimento. Além disso, ela sugere ter bastante cautela com a ginástica facial, que pode acabar tendo efeito contrário ao esperado.

4- Cremes faciais tratam rugas e flacidez

Os cremes faciais são ótimos aliados do skincare e de uma pele saudável, mas a função deles é de hidratar e prevenir, então eles podem clarear manchas, melhorar o aspecto de cicatrizes e até prevenir rugas. O que não são capazes de fazer efetivamente é tratar as rugas e flacidez, reverter os sinais de envelhecimento que já surgiram. Para isso, são necessários tratamentos em consultório com o dermatologista, que pode fazer uso de injetáveis e equipamentos, como o laser, de acordo com o caso.

5- Pele negra não precisa usar filtro solar

ThatSister

Isso é um mito muito perigoso. Todos os tipos de pele necessitam de filtro solar para proteger dos raios ultravioletas (UV), prejudiciais à saúde. Além disso, a pele negra é mais propensa a manchas, e o protetor solar ajuda a evitar o aparecimento delas, assim como do melasma. Para facilitar o dia a dia, uma opção é utilizar base de maquiagem com filtro solar, o que ajuda na praticidade da rotina. Esse tipo de produto contém a proteção necessária, assim como o filtro solar normal e funciona como base com cor, um produto dois em um.

Fonte: Simone Stringhini é formada em medicina pela UFRJ, tem especialização em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, foi a pioneira na área de estética, dentro da dermatologia, no Brasil; tendo sido a primeira dermatologista a fazer o procedimento de peeling no país.

Harmonização facial: a ressignificação da beleza

Os cuidados com a aparência dos famosos levaram pessoas comuns a quererem saber o que é harmonização facial: um conjunto de procedimentos, na maioria das vezes não cirúrgicos, que equilibra as proporções do rosto e ajuda a rejuvenescer, promovendo maior atratividade.

A harmonização facial traz alguns atributos práticos e outros subjetivos que elevam o nível dos procedimentos estéticos a um outro patamar. Os resultados naturais obtidos sem cirurgia podem ser os primeiros a serem notados, mas o mais importante talvez seja o novo conceito de beleza trazido pelo procedimento.

Partindo da avaliação geral do rosto, a harmonização tem como referência os traços e proporções faciais do próprio paciente. O que além de significar risco reduzido de uma aparência artificial ou exagerada, coloca atributos da verdadeira beleza, como autoestima e bem-estar, à frente de qualquer estereótipo.

Vamos entender, então, um pouco mais sobre como funciona a harmonização facial. O primeiro passo é a avaliação presencial com o médico. A consulta é o momento para que você manifeste todas as insatisfações relacionadas à aparência do seu rosto. Durante a conversa o médico irá sugerir soluções para as queixas apresentadas mas também propor alternativas baseadas em uma avaliação global da face.

A experiência muitas vezes permite que o profissional enxergue além das evidências. E é esse conhecimento, tanto científico, quanto prático, que permitirá realçar determinadas características enquanto disfarça outras.

Mas calma, isso não significa que você precisa acatar todas as sugestões e muito menos realizar todos os procedimentos no mesmo dia, embora na maioria das vezes isso seja possível. Esse é outro ponto positivo da harmonização. Por ser um conjunto de procedimentos você pode escolher, com a ajuda do seu médico, quando e quais tratamentos deseja realizar primeiro, evitando desequilíbrios no orçamento.

Os procedimentos adotados dependem do histórico e das condições clínicas do paciente no momento da avaliação. Também são levados em consideração fatores como disponibilidade de agenda, sensibilidade do paciente, complexidade do procedimento e tempo de recuperação, entre outros.

Normalmente a primeira opção é o preenchimento, por ser um tratamento versátil que possibilita a rápida retomada da rotina. O preenchimento facial permite definir o contorno da testa, equilibrar as fossas temporais, corrigir um nariz adunco, projetar as maçãs do rosto, aumentar os lábios, sublinhar a linha da mandíbula e contornar o queixo, entre outras inúmeras possibilidades.

Um dos diferenciais da harmonização para uma aparência natural é a associação de técnicas para estimular outros atributos que influenciam no efeito final. Para um efeito sinérgico ou de manutenção podem ser indicadas sessões de ultrassom microfocado que ajudam a melhorar fatores de qualidade da pele como flacidez, brilho, hidratação, maciez e textura.

Se existirem, rugas menores como pés de galinhas ou entre as sobrancelhas podem ser tratadas com toxina botulínica. Por sua vez, sulcos profundos como bigode chinês ou linhas de marionete podem precisar de preenchimento. O rejuvenescimento é um objetivo secundário da harmonização facial, pois ela depende tanto do equilíbrio das proporções quanto da ausência de sinais de envelhecimento.

Na mesma sessão ainda é possível realizar aplicação de enzimas ou criolipólise para papada e laser co2 fracionado para manchas na pele, se houver indicação médica. Procedimentos mais complexos como fios de sustentação para flacidez avançada, jato de plasma para blefaroplastia sem cortes e bichectomia para redução das bochechas, geralmente são realizados em um segundo momento.

A maioria dos tratamentos é realizado no próprio consultório médico, com anestesia local e retorno à rotina no mesmo dia. O paciente pode sentir, vermelhidão, inchaço e sensibilidade no local. Analgésicos comuns ajudam a aliviar qualquer desconforto, no mais, vida normal, devendo ser evitada apenas a exposição solar, pois a pele sensibilizada é mais suscetível a formação de manchas. Uma consulta de revisão geralmente pe indicada após 30 dias, para acompanhar o tratamento e indicar novos procedimentos, se necessário.

Para sua maior segurança pesquise a experiência do médico, verifique se o registro no CRM é válido, se os produtos e tecnologias utilizadas são aprovadas pela Anvisa e se a clínica ou consultório possui condições ideias de higiene atestadas por alvará da vigilância sanitária.

E lembre-se, ao realizar uma harmonização facial você é a referência. Esqueça as comparações. O mais importante é a sua autoestima e bem-estar aos 50, 60, 70…

Fonte: Clínica Leger

Por que surge e como tratar o sorriso amargo, o famoso bigode chinês

O sulco nasogeniano é formado por linhas finas que surgem das asas nasais até a comissura dos lábios; problema pode afetar homens e mulheres

São vários os fatores que estão ligados ao aparecimento do famoso bigode chinês, que também é chamado de sorriso amargo. “O sulco nasogeniano é formado por finas linhas que surgem das asas nasais até a comissura dos lábios. São incômodos conhecidos entre homens e mulheres, mesmo sendo um sinal comum de envelhecimento”, afirma o cirurgião plástico Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Segundo o médico, existem várias causas do seu aparecimento, além da flacidez da pele, e que influenciam na intensidade em que ele se mostra, como: tabagismo, exposição ao sol, má alimentação, poluição, baixa hidratação da pele. “Esses fatores podem ser controlados pelo paciente de maneira a suavizar o surgimento do bigode chinês. Porém, existem outros fatores que, infelizmente, não podemos controlar, como a predisposição genética, fatores raciais e condições de saúde”, diz o cirurgião plástico.

Enquanto estes fogem ao nosso controle direto, podemos focar naqueles que temos controle efetivo e garantir uma pele mais jovial por um tempo mais prolongado. “É claro, eventualmente os sinais de idade e a flacidez irão chegar, e você terá de buscar assistência médica especializada, caso deseje combater efetivamente esses sinais”, lembra o médico.

Existem três principais tratamentos para o problema e a boa notícia é que nenhum deles é invasivo. Esses procedimentos indicados costumam durar cerca de 30 minutos, com o número de sessões sendo indicado pelo especialista. “Na verdade, os tratamentos disponíveis são muito eficazes, podem ser feitos rapidamente e quase não possuem contraindicações”, diz o médico. Atualmente, as principais formas de se tratar o bigode chinês são três:

• Ácido Hialurônico – essa substância biocompatível (naturalmente produzida pelo corpo) é o principal composto utilizado em preenchimentos, devido a sua incrível capacidade de hidratação, retenção de água e de conferir volume aos tecidos. “Essas características tornam o ácido hialurônico uma excelente opção para quem busca não só resolver o bigode chinês como também fazer outros tipos de preenchimento”, enfatiza o médico.

Foto: University of Utah Health

• CO2 fracionado – o laser de CO2 serve para melhorar rugas mais finas, inclusive da região do bigode chinês, mas quando existe um sulco profundo, o laser não irá resolver e outros tratamentos são indicados. “A tecnologia provoca uma grande produção de colágeno que irá restituir a pele. Os efeitos da produção estimulada duram cerca de seis meses e costumam devolver o aspecto jovial da pele, nos casos em que o laser é indicado”, diz.

Pinterest

• Radiofrequência – indicado para quando o bigode chinês é causado por flacidez e rugas de excesso de pele. “Um aplicador irá emitir ondas de alta frequência, aquecendo as camadas profundas da pele e estimulando a produção de colágeno, consequentemente diminuindo a flacidez e melhorando as rugas. Este tratamento é praticamente indolor a recuperação é imediata”, afirma Farinazzo.

Apesar de satisfatórios, os resultados não são permanentes, exigindo que o paciente que deseja mantê-los realize novas sessões. Os tratamentos e a recuperação são rápidos e praticamente livres de efeitos colaterais, mas existem alguns pontos de atenção e cuidados a serem tomados.

Segundo o médico, após a aplicação do ácido hialurônico é comum que haja vermelhidão e o surgimento de pequenos hematomas e coceira, o que é normal e não deve causar preocupação: “No caso do CO2 fracionado e da radiofrequência, a recuperação é imediata, sendo recomendado apenas o uso de protetor solar 30 FPS e a higiene local com sabão neutro e aplicação de hidratantes”.

Qualquer orientação adicional deverá ser feita caso a caso e devidamente avaliada pelo médico responsável pelo tratamento. Por fim, o médico lembra que, apesar de existirem diversas clínicas de estética disponibilizando esses tratamentos, o ideal é fazê-los com um cirurgião plástico devidamente credenciado.

“Essa é a melhor forma de garantir a procedência dos produtos e equipamentos, preservando a sua segurança de alguma eventual negligência. Também é importante para a indicação precisa do tratamento”, diz o médico. “Quando for à clínica converse com seu médico e ele irá tirar suas dúvidas e na eventualidade de existir algum problema específico com o seu caso, ele estará apto a te orientar sobre quais ações devem ser tomadas e quais as alternativas disponíveis”, finaliza.

Fonte: Mário Farinazzo é cirurgião plástico, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Chefe do Setor de Rinologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Formado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o médico é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Professor de Trauma da Face e Rinoplastia da UNIFESP e Cirurgião Instrutor do Dallas Rinoplasthy e Dallas Cosmetic Surgery and Medicine Annual Meetings. Opera nos Hospitais Sírio, Einstein, São Luiz, Oswaldo Cruz, entre outros.